Fórum dos Leitores

LULODILMISMO

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2016 | 03h00

Bom senso no STF

Será difícil convencer a sociedade da necessidade de as investigações sobre Lula, que não desfruta ainda da prerrogativa de foro privilegiado, serem encaminhadas, na sua totalidade, ao Supremo Tribunal Federal (STF) e retiradas da alçada do juiz de primeira instância Sergio Moro, que delas estava até então encarregado, com base no fato de que envolvem escutas telefônicas, talvez indevidas, relacionadas, porém, sem incriminação alguma, a pessoas que gozam daquele privilégio. A questão será decidida no plenário da Corte, que examina a liminar concedida pelo ministro Teori Zavascki determinando o desmembramento. Transparece, todavia, na sua argumentação, caso aceita, que o STF poderá devolver posteriormente o processo sobre Lula a Moro. Pergunta-se: por que essa inútil perda de tempo? O País está parado, a economia se esvai, os trabalhadores perdem o emprego, todos os segmentos estão polarizados e os setores produtivos, sem rumo. Tenhamos fé no bom senso dos magistrados.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Desvio de função

Retirando o processo do Lula da 13.ª Vara de Curitiba, o STF deixa de ser guardião da Constituição federal para ser guardião da família Silva.

GILBERT OTHONIEL TONI

famiglianarditoni@gmail.com

São Paulo

Grampos

E não é que o Lulla tinha razão? O Judiciário parece acovardado.

ÉDEN A. SANTOS

edensantos@uol.com.br

São Paulo

Insegurança jurídica

É com muita tristeza que observo o comportamento inseguro e irresoluto do STF. Um tribunal totalmente despreparado para decidir. O que um ministro decide outro decide ao contrário. Isso só provoca insegurança jurídica no País.

LINO ANDRÉ VOTTA ALVES

lvottaalves@gmail.com

Campinas

Máxima

Segundo o PT, a Justiça foi feita para julgar os outros.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

‘Lulla’ e o foro

Na minha santa ingenuidade, sempre achei que o foro privilegiado para ministros de Estado fosse um instrumento de proteção para atos praticados por essas “excelências” durante e relacionados ao mandato, nunca para atos/crimes praticados antes da nomeação. Se não for assim, gostaria que algum parlamentar patrocinasse essa causa e propusesse uma correção de tal aberração. Quem se candidata?

ARIOVALDO MARQUES

arimarques.sp@gmail.com

São Paulo

Teori e os delatores

Sei, não, mas começo a dar razão aos que acreditam que durante o processo da Operação Lava Jato o ministro Teori Zavascki estaria a favor dos que o nomearam para o STF, principalmente depois de ele enviar juiz para ouvir de réus se houve pressão psicológica para que fizessem acordo de delação. Ora, ora, se tais delatores sentirem um resquício de apoio do ministro, por que não afirmariam ter sofrido, sim, forte pressão psicológica...?! Daí, os acordos de delação serão considerados nulos por Teori?

LAÉRCIO ZANINI

spettro@uol.com.br

Garça

Excesso

Acho que o ministro Teori ainda não aprendeu o que significa summum jus summa injuria.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Diferenças

A maior diferença entre o juiz Sergio Moro e os dos tribunais superiores, além de sua capacidade técnica, agilidade e clareza nos despachos, é que ele é concursado e os demais, indicados. E sabemos por quem e por quê!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo.sete@gmail.com

São Paulo

País dividido?!

Pesquisa CNI/Ibope informa que 82% desaprovam a forma de governar da presidenta Dillma e 69% consideram o seu governo ruim ou péssimo. Onde está o País dividido?

ANA CRISTINA PINTO

08anacristina@gmail.com

São Paulo

Sem Ibope

Segundo a pesquisa Ibope/Confederação Nacional da Indústria (CNI), o governo Dilma, de fato, é reprovado por nada menos que 82% (!) dos entrevistados, dos quais quase 70% (!) o consideram ruim ou péssimo. Forçoso é admitir que não é mais possível seguir adiante, até 2018, com tamanho índice de desaprovação. O País enfrenta a mais aguda e severa crise econômica e moral de sua História recente, com uma crescente e deveras preocupante fratura política e social, de difícil reconstrução num próximo futuro. É hora de um basta. Muda, Brasil!

J. S. DECOL

decoljs@gmail.com

São Paulo

Ponte para o futuro

Será que nossos políticos poderiam pelo menos uma vez na vida, todos indistintamente, fazer um grande sacrifício pessoal e olhar pelos interesses do País e da população, cortando na própria carne? Uma vezinha só.

MANOEL BRAGA

manoelbraga@mecpar.com

Matão

Triste fim

Lula, mercador de ilusões e Dilma, de cargos oficiais.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

A fatura

A Dilma fez o diabo para ser eleita. O diabo mandou o impeachment. A conta ficará cara!

MARIUS ARANTES RATHSAM

mariusrathsam@hotmail.com

São Paulo

Impeachment não é golpe

Desesperada com a crise política e econômica que assola o País, a população quer ouvir da presidenta alguma proposta que traga uma leve esperança de melhora. Mas só ouve: é golpe, é golpe!

SILVIO LEIS

silvioleis@hotmail.com

São Paulo

Dilmentira

1.º de abril, Dia da Dilma.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

31 DE MARÇO

Todos os dias alguém no mundo tem alguma a coisa a comemorar. Todo 31 de março, algumas pessoas (poucas) terão vários motivos para comemorar. Alguns exemplos: dia de viajar de graça, dia do sanduba, dia do marmitex, dia de não saber o que se quer, dia de não saber o que defende, dia de defender ladrão e dia das amantes lulopetistas. Ninguém, nem mesmo uma entidade onipotente ou onipresente conseguiu tanto para um mesmo dia. E o Brasil está infestados de mosquitos perversos e de bobos.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

BOM NEGÓCIO

Nesta crise, os fabricantes de mortadela são os únicos que estão satisfeitos!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

PETISTA, AGREDINDO PETISTA?

Há anos participo de passeatas contra o PT. Nunca vi agressão. Nunca houve tumulto. Nunca houve agressão contra alguém do PT que aparecesse por lá. Agora, de repente, aparecem, devidamente filmados, vários petistas sendo agredidos. Tudo correndo em uníssono, justamente no dia em que o ministro Cardozo, da CGU, fez no STF reclamação contra as gravações liberadas pelo juiz Sergio Moro, acusando-o de incitar contra a paz do País. Levando em consideração que a bomba atirada contra o Instituto Lulla, meses atrás, foi descoberto ter sido obra de petistas para dar a impressão de agressão, fica claro que existe pelo Brasil afora petista agredindo petista, sempre com uma câmera filmando. Como são previsíveis.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BANDEIRA NACIONAL

Gostei muito da iniciativa de uma dona de casa carioca, resgatando a bandeira brasileira, normalmente, esquecida nas manifestações a favor do governo da presidente Dilma. Realmente, foi um grande alívio, pois imaginei que esse símbolo da nossa Pátria já houveesse sido alterado, recebendo tons avermelhados e com sensível redução de suas estrelas.

Luiz Antônio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo

*

CONSTITUIÇÃO MAL INTERPRETADA

No caso do “grampo” telefônico --- em que a presidente viu-se envolvida, por graça e obra dela mesma, neste caso, a Suprema Corte, por maioria, cassou poderes e competência ao juiz Sergio Moro. Assim a questão ficou para ser analisada e julgada no STF. Dois ministros foram votos vencidos, e, ao ponto, com as permissões que a democracia autoriza, com a minoria está a opinião da maioria do povo, ou seja, o julgamento da questão é do juiz natural, pelas regras do bom senso, e pelo cheiro do bom direito. Posto que, a ordem da quebra do sigilo telefônico estava dentro dos limites da competência do Juiz natural. Os destinatários não se enquadravam no privilégio da lei. Ele, Juiz da causa, quem, compelido pela Lei, determinou o raio de ação do aludido “grampo”, no espaço de sua competência. Ora, não foi o Juiz quem feriu o espaço de privilégio da Presidente, mas sim, ela, quem se adentrou, por conta e risco, em terreno minado, e, qual a razão dessa ingerência senão a de socorrer Lula, sabedora que a Polícia Federal lhe estava aos calcanhares. Ora, a improbidade e a imoralidade do ato de quem tem Foro Privilegiado, (ao avisar Lula que lhe estava mandando a carta ministerial) não pode tirar vantagens de seu Foro de Privilégio, (diz Lopes Meirelles), “suscitando escrúpulos dos Juízes”, que, ao nosso entender erroneamente, em vez de recriminarem a ligação dela para o indiciado, privilegiam o indiciado com o Foro de privilégio, como exatamente pretendia a Presidente. O Supremo, em vez de ligar Dilma às “maracutaias” do criminoso, pelo telefonema esdrúxulo; ao reverso, institui-lhe Foro Privilegiado, em desprestígio dela, a Justiça. Assim, a Constituição Federal, (de interpretação restrita), ficou porta escancarada que, a convite da Presidente, com simples ligação telefônica, arrola amigos, familiares, e quem mais seja aos privilégios do Art. 102 da CF “Compete ao Supremo Tribunal Federal processar e julgar originariamente "... (acrescente-se) e demais criminosos que tiveram o privilégio de receber ligações pessoais da Excelentíssima Senhora Presidente da República. É a ilação lógica a que nos força o histórico julgamento.

Antônio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

DEFENSORA DE DILMA

Os defensores do governo Dilma, semelhantes aos diálogos gravados de Lula, refletem bem a “democracia socialista” que propagam e que o povo teleguiado deveria tomar conhecimento, tal o desprezo que dão a todos. A deputada do PCdoB Jandira Feghali - comenta-se na internet – fechou sua empresa sem pagar aos fornecedores e, pior, também aos empregados. E agora tem a desfaçatez de agredir o jurista Miguel Reale Júnior, em pleno Congresso, como sendo um velho gagá e indagando quando iria se aposentar e dar sossego ao governo. Apesar de ela ter foro privilegiado, o jurista deveria processá-la, inclusive, exigindo da Justiça que a obrigasse a lavar a boca com detergente e desinfetante, como seus demais companheiros do PT e do PCdoB.

João Roberto Gullino jrobertogullino@gmail.com

Petrópolis,

*

VONTADE DE CHORAR

A eminente advogada Janaína Paschoal na audiência da Comissão de Impeachment disse ter vontade de chorar ao examinar a situação caótica da educação, decorrente dos desmandos do governo Dilma Rousseff. Muito mais vontade de chorar tivemos nós ao ver a educada senhora referir-se aos deputados presentes pelo pomposo título de Vossas Excelências, dirigindo-se a uma turba de insolentes, truculentos e destituídos completamente de uma educação básica e fundamental. A expressão usada , que poderia soar normal numa situação de equilíbrio e moderação, mudou de sentido e virou ou um escárnio ou uma fantástica situação ao vivo e em cores de surrealismo, como os tantos vistos no Brasil nestas últimas semanas.

Regina Ulhôa Cintra regina.cintra@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

MINHA CASA, MINHA SOBREVIDA

 

Triste fim o da presidente Dilma Rousseff: nada lhe restou para aparentar que ainda governa o País senão as chanchadas de entrega de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida. Entrincheirada no salão principal do Palácio do Planalto e protegida pela claque vociferante dos chamados movimentos sociais, ela faz lembrar em cada uma dessas encenações o histórico Baile da Ilha Fiscal, epílogo de um governo estertorante.

 

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

 

*

MINHA CASA, O SEU FUNDO

 

Inspirada no canto do cisne, Dilma Rousseff, diante de um inevitável e profilático impeachment, deve prometer a construção de 480 mil moradias no âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida. Ultimamente, a entrega dessas moradias tem se constituído num palanque com plateia apropriada. Considerando os subsídios e as despesas com a Faixa 1, estão previstos R$ 8 bilhões do Orçamento da União. Isso considerando a sangria provocada no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que subsidia com o dinheiro do trabalhador, sendo a Faixa 1 aquela em que as prestações são simbólicas. Na Faixa 1,5, o subsídio do FGTS é de R$ 45 mil por imóvel; na Faixa 2 o subsídio do fundo é de até R$ 27,5 mil; e na Faixa 3 não há subsídios. Esse mecanismo já foi adotado em 2015 e em 2016, de forma emergencial, para pagar obras paralisadas. Foram transferidos do FGTS R$ 8,1 bilhões para o Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), que deveria ser abastecido com recursos do governo. Um executivo do fundo é contra a utilização de recursos do FGTS para pagar obras na Faixa 1, acrescentando que essa não é a finalidade do fundo. Fundo de garantia, fundos de pensão e tudo o mais que estiver ao alcance da caneta da presidente Dilma Rousseff estará comprometido para que possa continuar no seu palanque predileto. Todo esse mecanismo que movimenta o programa Minha Casa, Minha Vida está com seus dias contados, porque a casa terá nova direção.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

FINANCIAMENTO HABITACIONAL

 

Novo slogan da Caixa Econômica Federal (CEF): venha para a Caixa e seja extorquido você também!

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

ESTADO DE MISÉRIA

 

O que está acontecendo com os servidores públicos do Estado do Rio de Janeiro é caso de polícia. Depois de os sucessivos governos assaltarem os cofres com todas as mãos possíveis e imagináveis – inimagináveis, dizem os corretos –, sai o titular do governo, doente e fragilizado, e entra um político experiente, experiente até demais, no alto de seus quase 90 anos, para dizer que o governo não tem caixa, só tem dinheiro para os servidores do Judiciário e da Assembleia Legislativa do Estado, ou seja, aqueles que podem arruinar sua vida. Ver dois gestores reconhecendo suas limitações e sendo obrigados a proteger, como sempre, os poderosos em detrimento dos que lidam direto com a população, caso de funcionários da Saúde, da Educação, da Segurança – não que os demais sejam pouco importantes –, é algo sem precedentes, uma página que nunca deveria ser esquecida. Em tempo: estes servidores estaduais farão como para cumprir com suas obrigações? E nós, que devemos impostos como o IPVA, por exemplo, podemos pagar quando tivermos caixa?

 

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

 

*

TORNEIRA FECHADA

 

O ministro da Justiça disse que o governo federal não poderá arcar com o pagamento extra dos policiais do Rio de Janeiro. Alegou questões de ordem contábil, disse que cada um tem de arcar com suas despesas, etc. Ministro, se o PMDB-RJ não tivesse tomado a decisão de apoiar a saída do PMDB da base aliada do governo Dilma, o sr. diria isso? Só para saber.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

BALCÃO DE NEGÓCIOS

 

Com o desembarque da maioria esmagadora do PMDB da base de apoio ao Planalto, dona Dilma Rousseff monta seu novo balcão de negócios, mais acintoso e reprovável que o anteriormente existente. O toma-lá-dá-cá gira em torno de mais de 2 mil cargos do segundo escalão, além de ministérios e demais acertos. É uma vergonha para os brasileiros e para o País no exterior, onde os julgamentos serão repetidos na direção de que o Brasil não é um país sério. Entretanto, toda esta parafernália valerá a pena para vermos o lulopetismo extirpado da Nação. E, quanto a correr sangue, como insinuam certos sindicalistas, é bom que se lembrem de que a nossa Carta Magna menciona as Forças Armadas como meios de proteção à paz e à tranquilidade no País. Assim, devemos apostar nelas, e não nos exércitos “do Stédile”, de Boulos e de outras mais figuras patéticas.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

REPRESÁLIA

 

Se concretizadas as ameaças ultimamente propaladas por setores alinhados com a dinastia petista, no sentido de instalar um ambiente de vingança, caso o Congresso se decida constitucionalmente pelo afastamento da presidente Dilma, a sociedade brasileira deverá preparar-se para tempos agitados. Particularmente condenável é a participação nefasta, histérica e estimuladora do caos, de parlamentares da base governista, os últimos de quem se poderia esperar esse lamentável comportamento, em face da característica de negociar compromissos, em nome da qual presumivelmente foram eleitos. Será este o legado que o Partido dos Trabalhadores (PT) pretende deixar para as próximas gerações, já condenadas a colher os frutos amargos da corrupção da qual é um dos principais protagonistas? Não será mais edificante reinventar-se, já que frustrou as expectativas de milhões de eleitores que acreditavam na esperança que trazia quando subiu ao poder?

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

‘É DANDO QUE SE RECEBE’

 

A distribuição de cargos e verbas pelo governo me lembra os nada saudosos anos 80, quando o então presidente José Sarney tinha o apoio do “centrão”, o bando de parlamentares mais retrógrados que ganhavam todas as benesses possíveis – legais ou ilegais – para “assegurar a governabilidade”; em outras palavras, aprovar a emenda que deu cinco anos de mandato a Sarney. Para quem não se lembra, o lema do grupo era explicitamente “é dando que se recebe”. Ironia: o PT era um dos grandes críticos desse jeitinho brasileiro de fazer política.

 

Luciano Nogueira Marmontel automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

 

*

BALCÃO DE FEIRA

 

A microcéfala Dilma Rousseff agora está se dedicando à compra de votos contra seu impeachment, oferecendo indecorosamente e com a maior “cara de pau” cargos públicos e verbas que, antes, não havia para suprir as necessidades básicas do País, num típico “balcão de feira”. Já os “agraciados” estão “fulos” com a demora da distribuição. Vivam as “tetas” do governo!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

TROCA-TROCA

 

Nesta hora da xepa o governo Dilma virou o vendilhão do templo. Está em curso, de forma ainda mais acentuada e assertiva, a sórdida e baixa prática do “toma lá da cá”, na base do troca-se um voto contra o impeachment por um cargo ou liberação de mais verba. O País não pode permitir que continue sendo desgovernado por políticos que praticam esse tipo de troca-troca. Basta! Impeachment já!

 

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

CURRÍCULO

 

Dilma, além de negociar cargos, o que mais você sabe fazer?

 

Aldo Matachana Thomé aldo@projex.com.br

Ourinhos

 

*

PACIÊNCIA, PRESIDENTE

 

No desespero de sua incompetência, a senhora Dilma faz do Palácio do Planalto um “balcão de negócios”, oferecendo cargos e liberação de verbas para subsistir ao impeachment. Totalmente sem pudor, confessa sua inabilidade e sua incompetência. Lembrará que Fernando Collor em 1992 ofereceu 1 milhão para cada deputado por voto favorável a ele, e assim mesmo “rodou”? Mantenha um pouco da sua dignidade, cara presidente, deixando os fatos acontecerem de acordo com a lei. Sempre alegou que não cometeu nenhum crime, então espere.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUALQUER NEGÓCIO

 

Se fez “o diabo” para ganhar a eleição, imaginem o que fará para não sofrer o impeachment?

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

DESESPERO

 

O “jus sperneandi” tomou conta do Palácio do Planalto.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

O PIOR CEGO...

 

Absurdamente e descaradamente os do governo se dedicam a oferecer a administração do nosso país a quem quiser pagar. Não há a menor preocupação com eficiência. O que se vê é o “toma lá dá cá” sem o menor constrangimento, atitude assumida por ministros e outros. A presidente, que há muito não preside coisa alguma (se é que algum dia o fez), deu total liberdade para o ministro sem pasta e outros afins para que eles discutam o preço do voto a seu favor. Note-se que é o voto a favor dela e do plano de poder dos petistas, nada se fala do Brasil que está se desmanchando. Nenhuma preocupação com a economia, o nível da inflação, o desemprego crescente e implacável. Nada sobre as quase 4.500 empresas paulistas que fecharam as portas nos últimos 12 meses. O discurso que enaltece o ex-presidente e sua pupila de terem tirado milhões da pobreza se mostra mentiroso e mais uma ação de marqueteiros (agora presos também). A realidade mostra o aumento da desigualdade, fato comprovado por pesquisas da Fundação Getúlio Vargas. Nem mesmo os ônibus estão transportando mais pessoas, pelo contrário: em São Paulo, menos 1 milhão de pessoas por dia usaram a condução, comparado com 12 meses atrás. O que querem eles? Aboletar-se nas cadeiras do Planalto e assaltar o que restou das empresas públicas? Ou fugir das leis e da Justiça se escondendo sob o manto do foro privilegiado? Mas não sabem eles que os efeitos das colaborações premiadas de réus da Lava Jato não se apagarão? Não sabem eles que de qualquer modo tudo virá à tona, mais ainda do que já se viu? O que dizem da mais recente pesquisa do Ibope, segundo a qual 82% desaprovam o modo de governar da presidente? Não sabem e não veem? Precisará desenhar?

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

PESQUISA

 

É estranha a divulgação da pesquisa Ibope que mostra que somente 69% avaliaram a gestão da presidente Dilma como ruim ou péssima. Com o Brasil seguindo ladeira abaixo, arrecadação decadente e aumentando as despesas e o desemprego, e Dilma tão somente distribuindo benesses e objetivando manter-se no poder, não é nada confiável propagar que, de alguma forma, apenas 31% dos brasileiros desaprovam o governo petista.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

TITANIC

 

O Brasil está parecendo o Titanic, navegando com toda força adiante na direção do iceberg, enquanto na primeira classe as damas discutem a cor do vestido que usarão no baile de gala e na ponte de comando ninguém faz nada para mudar o rumo e evitar a tragédia iminente.

 

João Manuel F. S. C. Maio clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

 

*

DO PT AO PMDB

 

Não se iludam, brasileiros e brasileiras, os políticos do PMDB são farinha do mesmo saco. Espero que não troquemos seis por meia dúzia. Vamos ficar de olho e atentos, pois o barco sem rumo, com o casco furado em que Dilma e o PT nos meteram está afundando muito rapidamente.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

A ORDEM DE ASSUNÇÃO DA PRESIDÊNCIA

 

O PMDB é um partido tão ruim que, mesmo que Dilma Rousseff deixar o governo, não há ninguém no partido que possa assumir a Presidência da República.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

A LÍNGUA DA PRESIDENTE

 

A presidente Dilma não se cansa de reiterar o mantra do golpe em pronunciamentos nos quais é perceptível que não domina o conceito de crime de responsabilidade, termo empregado pelo constituinte originário para caracterizar irresponsabilidade no exercício de funções públicas, em ordem a causar graves prejuízos aos administrados, fato inegável em seu governo, que nos conduziu à terra arrasada. Falará até não mais poder. Aja amplo direito de defesa. Como disse Goethe, “quem deseja ter razão decerto a terá com o mero fato de possuir língua”.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

PALANQUE

 

Está ficando para lá de execrável o papel de dona Dilma, fazendo palanque político duas vezes por semana para tentar enfiar goela abaixo do eleitor brasileiro que o impeachment é “golpe”, palavra que se tornou mister nos gritos da tigrada “petralha”. Que tal a nossa imprensa livre parar de dar destaque a esses “pronunciamentos” de dona Dilma, já que seus enfadonhos e irritantes discursos não vão melhorar a sua imagem e muito menos darão mais audiência aos órgãos de imprensa?

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

 

*

CADÊ A ‘PRESIDENTA’?

 

Dilma passa todo o seu tempo se defendendo de ataques que ainda não aconteceram, de fatos ainda não consumados, inaugura “alguma coisa” todos os dias para a plateia da mortadela para repetir, como um papagaio, que “não vai ter golpe”. Mas já houve o golpe, nas eleições de 2010 e de 2014, e sua presença no cargo, além de ilegal, é imoral, razão do processo de cassação de seu mandato. Governar efetivamente, tentando reverter a terrível situação econômica do País, tentar recuperar a credibilidade da Presidência da República do Brasil, que seriam sua obrigação, ela não faz. Prefere tentar terceirizar todo o imbróglio para o seu mentor, Lula da Silva, tão enrolado quanto ela com a Justiça e com a verdade. Presidente, renuncie e volte a viver a vida, que é curta, passa rápido e merece ser vivida com alegria – e por que não, dando alegria a todo o povo brasileiro?

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

O TEMPO DIRÁ

 

Até final de abril a presidente Dilma deverá ser tirada do seu cargo e, no seu lugar, entrará Michel Temer, do PMDB, o mesmo partido de Eduardo Cunha e Renan Calheiros, ambos atolados até o pescoço na Operação Lava Jato. Depois disso, veremos se realmente estamos falando de uma guinada verdadeira contra a corrupção ou se foi apenas um golpe.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

QUEDA

 

Como o Reich dos mil anos, o lulopetismo, que segundo Lula deveria durar 50 anos, está ruindo após 13 anos no poder. Muita coincidência?

 

Edvaldo Angelo Milano e_milano@msn.com

Limeira

 

*

A HISTÓRIA SE REPETE

 

Dilma Rousseff está em modo de guerra. Esvaíram-se-lhe os escassos sinais de ponderação e comedimento. Como sempre, desde os primórdios da humanidade, a primeira vítima das guerras é a verdade. E mentiras brotam da boca presidencial à mancheia, na vã tentativa de consolidar o dito de Joseph Göebbels: uma mentira recontada mil vezes passa a ser verdade. Se houvesse um mínimo de humildade na presidente, ela renunciaria, e assim preservaria um ínfimo respeito por sua desgastada figura. A esperar por ser vexatoriamente enxotada do Palácio do Planalto, irá se juntar à escória petista, que transformou o já nada sacro trato político brasileiro no mais despudorado balcão de negociatas escusas. Passarão à História do Brasil como simples ladrões. Nada mais.

 

Júlio Cruz Lima Neto limaj@plastekbrasil.com.br

São Paulo

 

*

SEM MAQUIAGEM

 

Lula ministro sem foro privilegiado, base aliada firme e forte sem o PMDB, Dilma inabalável sem se importar com processos de impeachment e investigações. E, para complementar: militância nas ruas sem receber sanduíches, condução, dinheiro ou cargos. É o PT em todo o seu esplendor, mas sem maquiagem. 

 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

 

*

LULA E A IMPRENSA INTERNACIONAL

 

Degradante e ridícula a entrevista do inominável a jornalistas estrangeiros na última segunda-feira, 28/3 (e sem a presença da mídia nacional), em dados momentos com dois dedos indicadores em riste e aquela irritante “gag” que usa quando está nervoso: “Sabe?”. Afirmou que: 1) é necessário que se dê chance de a sua criatura governar o País; 2) impeachment é golpe; 3) o juiz Sérgio Moro é competente, mas foi picado pela “mosca azul”; 4) a divulgação de áudios é deprimente, pobre e de má-fé; 5) a mídia (nacional) está levando o Brasil a um clima semelhante ao da Venezuela; 6) “eu sou um cidadão que respeita muito a Justiça); e 7) um dia hão de lhe pedir desculpas. Tão patético! Será que algum destes jornalistas engoliu as patranhas desse ensandecido personagem?

 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

 

*

NÃO CONVENCEU

 

Pelos destaques dos jornais sobre a entrevista dada por Lula aos jornalistas estrangeiros, podemos observar que o tiro saiu pela culatra. O ex- presidente, que acha os brasileiros otários e falta com a verdade falando para suas claques organizadas e escoladas para aplaudi-lo, seja o que for dito, utilizou a mesma técnica com os estrangeiros, mas não convenceu nenhum deles. Uma das manchetes do “New York Times” traduziu o que Lula disse sobre a Lava Jato de ter um objetivo: “tentar destruir sua imagem”; e destacou em sua manchete: “Lula ataca juiz que investiga corrupção”. Já na bacia das almas, esse senhor apela envergonhando a todos nós. O que será que ele e sua pupila objetivavam com suas falácias?

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

PORTA-VOZ

 

O cargo mais adequado a Lula neste governo seria o de porta-voz. Assim, toda vez que abrisse a boca, teríamos um panelaço.

 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

 

*

O MITO E A REALIDADE

 

Compor uma fotografia fidedigna da personalidade e da história de Lula da Silva não é simples, pela complexidade de fatos e impressões envolvidas no imaginário da população. Mas, a cada dia que passa, tal como o retrato de Dorian Gray, eis que emerge com mais nitidez aquele que sempre foi o oportunista mais festejado do Brasil, até há bem pouco tempo. Parcela do povo brasileiro terá de conviver com a sensação de perda ao dar-se conta de que este Lula “paz e amor” nunca existiu. O que existiu foi um tal de Luiz Inácio da Silva, o Lula, um operário esperto que resolveu dar-se bem à custa de muitos golpes de ilusionismo, de um desembaraço forjado a partir de seu narcisismo patológico e doses grandes de inveja e destrutividade e de ter conseguido construir uma imagem que coube como uma luva na fantasia daqueles que precisavam acreditar em algo edificante numa liderança política. Pobres dos intelectuais e petistas empedernidos que se autodenominam de esquerda. Estão se sentindo órfãos, por isso reagem e se apegam tão fortemente a um sonho que insistem ainda em acreditar, negando-se a enxergar a pessoa real em vez da imagem que edificaram. Vão ter de fazer o luto, caso contrário, jamais terão oportunidade de introjetar aquele sentimento de patriotismo que dispensa o culto de mitos, mas alimenta o desejo profundo de ver o Brasil dando certo por meio de um desenvolvimento social real e sustentável, a despeito dos sacrifícios que terá de enfrentar. 

 

Eliana França Leme efleme@gmail.com

São Paulo

 

*

SABE E NÃO ENTENDE

 

Quando convém, Lula não sabe de nada: a existência do mensalão, a origem da fortuna de seus filhos, os “filantrópicos” que financiaram as melhorias no sítio de Atibaia e o tríplex do Guarujá e por aí vai. Quando serve a seus interesses, ele sabe melhor do que todos. Atacou sem piedade a política econômica “errada” do então ministro Joaquim Levy, que deixou o desgoverno para ocupar nada menos que o cargo de diretor financeiro do Banco Mundial. Está atacando as ações do juiz Sérgio Moro, culpando-o – e não à sua querida Dilma Rousseff – pela crise econômica brasileira. O trabalho deste magistrado foi reconhecido pela revista “Fortune”, que o incluiu numa lista de líderes capazes de transformar o mundo, junto com o papa Francisco e a chanceler alemã, Angela Merkel. Algo está errado e sinistro na conduta deste ex.

 

Omar El Seoud  ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

TRESLOUCADO

 

É o mínimo que se pode dizer do comportamento de Lula nos últimos tempos. Começou instigando a sociedade brasileira com a ameaça do “exército do Stédile” (MST); pouco depois, lembrou-se da tigrada que daria “porrada” nos coxinhas, a seguir dizendo ser quem poderia incendiar o País; e, recentemente, comparando-se ao general Gyap (norte-vietnamita). Não seria absurdo ele admitir em breve os poderes de Kim Jong-un, ditador da Coreia do Norte. Mais que destempero, trata-se de patologia psiquiátrica.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

LULA, CULPADO

 

Sem nenhuma paixão política ou interesse partidário, já votei em Lula contra Collor e em outros candidatos do PT, mas por que considero Lula o culpado por tudo o que está acontecendo no Brasil nos dias de hoje: 1) na sua campanha de 2002, ele atacava FHC e outros governos anteriores de serem governos de tecnocratas e dizia que o seu governo seria composto de políticos, porque assim bastaria um telefonema seu e em 5 minutos tudo estaria resolvido. O resultado disso todos nós sabemos, o governo virou um balcão de negócios e de negociatas entre o Congresso e o governo em proporções nunca antes vistas neste país, levando as empresas estatais a um nível de degradação impressionante, o que acabou desaguando no mensalão, no petrolão e em outros processos que ainda virão. 2) Lula passou oito anos de seu governo falando mal de FHC e de outros governos anteriores, continuando com este comportamento até o presente momento. Em nenhum país de Primeiro Mundo o novo governante passa a falar bem ou mal do antecessor. Esse comportamento mostra o nível comportamental de Lula e acabou levando o Brasil a ter animosidades, antagonismos exacerbados e fricções políticas o tempo todo, e isso não é saudável a nenhum país. Um ex-presidente deve ser respeitado pelo papel que desempenhou no governo e esquecido como político. 3) Lula promoveu a maior divisão deste país com o discurso repetido exaustivamente do “nós” contra “eles”, levando atualmente a este nível de intolerância, raiva, ódio entre pessoas nunca visto antes no Brasil. 4) Escolheu uma candidata para substituí-lo não pela sua capacidade administrativa nem intelectual, mas somente pelas condições mais favoráveis para ganhar mais uma eleição e para continuar sendo protagonista no novo governo. Resultado: a situação terrível por que passa o Brasil e o retrocesso econômico ao nível de dez anos atrás. Eu, que assisti ao golpe militar de 1964, a todo o período da ditadura, aos anos terríveis com inflação de 80% ao mês, imaginava que nunca mais iria ver uma situação como a atual. 5) Uma pessoa não pode idolatrar a si própria, como Lula faz. Ele se comporta como se o Brasil só existisse depois dele no governo. Os seus erros são tratados com descaso e os acertos, como se só ele fosse capaz de praticá-los. Pessoas assim, donas da verdade e manipuladoras de massas, me remetem a Hitler, a Mao, a Lenin, a Fidel. Triste do país que necessita de um “pai” protetor ou de um governante a ser idolatrado. A soberba de Lula é incompatível com o perfil de um estadista. Hoje, é transparente que Lula não respeita integralmente o Estado Democrático de Direito, por causa do seu comportamento atual, e só não é um ditador igual aos citados acima porque nunca teve em suas mãos o Congresso e as Forças Armadas. 6) Quem é o verdadeiro Lula? Ele é ambíguo, sempre fez discursos diferentes sobre o mesmo assunto, para cada tipo de plateia (empresários, banqueiros, sindicalistas, menos favorecidos), não é proprietário de imóvel nenhum e, ao mesmo tempo, frequenta vários ambientes e age e se comporta como se fosse o dono de todos. Nunca sabe de nada das coisas ruins que acontecem nas suas barbas, muitas vezes praticadas por amigos íntimos, mas ao mesmo tempo vive se vangloriando das coisas boas. Ou seja, um mau exemplo. 7) Conclusão: o Brasil merece políticos mais técnicos, de elevada capacidade técnico-administrativa, do que de  políticos.

 

Francisco Lima  faugplima@gmail.com

São Paulo

 

*

A MANIFESTAÇÃO DOS ARTISTAS

 

Sabemos que os artistas têm grande influência entre seus admiradores, mas acho um  erro se posicionarem politicamente. Que o façam por ideias altruístas ou por princípios morais, mas jamais por partidos mergulhados na lama da corrupção. Afinal, quando cantam ou representam, o fazem para o público em geral, independentemente de convicções políticas. Ao se manifestarem favoravelmente a um partido, desagradam a outra parte do público, e isso não parece ser uma boa atitude. Digo isso por mim, que passei a ver certos cantores, compositores e artistas de televisão, que antes admirava, com certa antipatia decorrente de seu posicionamento político.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

O APOIO DE WAGNER MOURA

 

O ator Wagner Moura (ou seria Pablo Escobar?) apoia Lula e Dilma, mas desdenha do Poder Judiciário e de Sérgio Moro. Viva a Lei Rouanet!

 

Valdeci Cardoso valdeci.engecustos@terra.com.br

São Paulo

 

*

DECEPÇÃO

 

Com todo respeito, Wagner Moura está para o filme “Tropa de Elite”, em que seu personagem combate a corrupção, assim como Robin Williams (que infelizmente cometeu suicídio) está para o filme “Além da Vida”, cujo personagem socorre a esposa, suicida, no outro lado da vida. Decepção.

 

Gilberto Rodrigues farma.naturista@yahoo.com.br

Araras

 

*

INTELECTUAIS BRASILEIROS

 

Sobre a intelectualidade brasileira, mais precisamente sobre Wagner Moura: “um grande ator não pode ser muito inteligente” (Paulo Francis).

 

Werly da Gama dos Santos gama_eamsc@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

ARMADILHA BISOL

 

Uma das mensagens cifradas encontradas no celular de Marcelo Odebrecht dizia: “armadilha Bisol-contra infos”. O que significaria? Em 1993, a Polícia Federal encontrou em meio a documentos apreendidos na casa de um diretor da Odebrecht uma planilha com 200 nomes de políticos. Essa lista foi entregue por José Paulo Bisol, petista ex-candidato a vice da chapa de Lula em 1989 e relator da CPI das Empreiteiras, à revista “Veja”. Foi um escândalo! A CPI das Empreiteiras, então, foi desmoralizada e acabou arquivada. Descobriu-se, então, que a tal lista trazia nomes de políticos que haviam ganhado apenas calendários e agendas. A lista misturava alhos com bugalhos, a fim de dar a impressão de que todos eram farinha do mesmo saco. Como sucesso da “ armadilha”, a Odebrecht continuou a operar. O acontecido em 1993 lembra alguma coisa? Em 2016 aparece outra “lista”, misturando doações legais e possivelmente nomes que fizeram caixa 2. Não traz, curiosamente, nenhum dos nomes dos investigados agora por receberem propina da empreiteira. Eis a “armadilha Bisol”, anotada no celular do empreiteiro. Odebrecht jogou a isca. Os jornais a abocanharam gostosamente. De novo.

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

DESDE PRISCAS ERAS

 

A 26.ª fase da Operação Lava Jato expôs a existência de um “departamento de propina” na empreiteira Odebrecht, que teria sido utilizado para movimentar altas somas de dinheiro em pagamentos ilícitos para agentes públicos e políticos, principalmente em 2014. O esquema, no entanto, pode ser muito mais antigo. Documentos mostram que, durante o mandato presidencial de José Sarney (1985-1990), procedimentos bem semelhantes aos apontados pelos investigadores da Lava Jato envolviam 516 agentes públicos, empresários, empresas, instituições e políticos. Entre eles há ex-ministros, senadores, deputados e governadores, integrantes de partidos como PSDB, PMDB e PFL (atual DEM).

 

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

 

*

CUIDADO

 

A divulgação da lista de candidatos que receberam verbas da empreiteira Odebrecht cria um clima de desconfiança, colocando todos como possíveis praticantes de atos irregulares. Essa é uma situação que deveria merecer mais cuidado dos integrantes do Judiciário, para evitar que um preso decida quem deve entrar na sua lista de delação premiada. É uma forma de preservar o direito de defesa e que o acusado não seja condenado previamente.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

O VAZAMENTO

 

Quem terá vazado a lista da Odebrecht? Quem dela sabia, claro!  Terá sido Sérgio Moro, para afrontar Teori Zavascki e ajudar a “melar” a Lava Jato? Improvável... A Polícia Federal, que vem tendo uma atuação competente e da maior correção na apuração dos fatos, crescendo em respeito aos olhos da população? Só se houver um traíra por lá, adulador do novo ministro da Justiça, doido para interferir na magna operação ético-criminal. Neste caso, é possível... A Odebrecht que declarou estarem seus diretores dispostos a uma “colaboração definitiva” – que todos supõem sinônimo de delação premiada –, sem combinar com o Ministério Público Federal ou com a Polícia Federal, tentando confundir e não explicar (à Chacrinha), juntando joio e trigo, gente com e sem foro especial, e, então, fugir do juiz Moro? Acho que é por aí, uma colaboração definitiva... com o PT.

 

Roberto Viana Santos rovisa681@gmail.com

Salvador

 

*

LIMPA FOSSA

 

Concordo plenamente com o “Estadão” (26/3) de que a Operação Lava Jato é muito respeitada e admirada pela população, lembrando que o juiz Sérgio Moro foi considerado pela revista americana “Fortune” a 13.ª pessoa mais influente no mundo. Sempre é bom lembrar que corrupção sempre existiu na política brasileira, e a prova disso está na listagem de “doações” feitas pela Odebrecht a centenas de políticos de diversos partidos. Segue a minha sugestão para a Polícia Federal: mudar o nome para “Operação Limpa Fossa”.

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

CORRUPÇÃO NA MERENDA ESCOLAR

 

O ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo Leonel Julio e mais seis investigados em desdobramento da Operação Alba Branca foram presos preventivamente por suspeita de fraude e desvios na merenda escolar. Se for comprovado o crime, os suspeitos deveriam ficar trancafiados em celas individuais, por no mínimo 30 anos. Sem merenda prisional!

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.