Fórum dos leitores

IMPEACHMENT

O Estado de S.Paulo

28 Abril 2016 | 03h00

Los três amigos

Dilma está cada vez mais parecida com Manoel Zelaya, o “maluco do chapéu” de Honduras. Zelaya sofreu processo de impeachment que seguiu rigorosamente a Constituição de seu país e resolveu refugiar-se na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa por 125 dias, num dos episódios mais ridículos e hilariantes já vistos. Fernando Lugo, do Paraguai, também foi afastado do poder em processo absolutamente legal. Ambos denunciaram o “golpe”, quase convencendo os incautos que de golpe se tratava. Como eles, Dilma faz muito barulho, aqui e lá fora, recusando-se a aceitar as regras do País. Organizações com viés nitidamente esquerdista, como a OEA, por sua vez, comportaram-se exatamente da mesma maneira! Talvez por se tratar do terceiro caso, em curto período de tempo, em que presidentes bolivarianos são afastados do poder por feitos graves em sua administração, reagindo com muita gritaria e nenhuma razão, Dilma não convenceu ninguém. Um ou outro jornalista estrangeiro comprou sua história de “golpe”, porém a grande maioria viu a “denúncia” de Dilma como mais um daqueles casos bizarros que de vez em quando acontecem por estas bandas. Dilma perde, assim, toda a dignidade. Quanto mais ela faz, mais perto fica de seu afastamento, que se vai tornando mais e mais urgente.

M. CRISTINA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

Incapacidade óbvia

O grande crime do lulopetismo e, portanto, de dona Dilma foi acabar com a Nação, reduzindo o Brasil a frangalhos, para satisfação de seus interesses. Assaltaram a Petrobrás, a Eletrobrás, outras “brás” e ainda quebraram os quatro maiores fundos de pensão, compelindo o povo a saldar os prejuízos. Cometeram, pois, uma série enorme de crimes que, em conjunto, levaram a Nação ao precipício, em cuja saída jamais terão decência, dignidade e competência para atuar.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

Simples assim

O desrespeito às normas constitucionais é insofismável. No caso dos créditos abertos por decretos não numerados (sem autorização legislativa) foi contrariada a determinação de instituir o crédito dentro dos parâmetros fixados na legislação (inclusive metas) vigente no momento de sua criação (Lei de Responsabilidade Fiscal e demais leis pertinentes). Tanto houve desrespeito à meta que vigia à época que no fim do exercício foi necessário modificá-la, com a pretensão – não eficaz nem válida – de restituir legalidade a esses decretos. No caso dos atrasos nos repasses aos bancos federais, por vários meses e em cerca de R$ 50 bilhões, fica evidente que tal atraso não se refere a pagamento de “serviço” – havia contrato, foi pago ou só se pagou o repasse atrasado? –, e sim a empréstimo ilegal tomado à instituição financeira. Simples assim. O resto é conversa para enganar quem não entende da matéria. Ou, pior, não quer entender para não admitir.

JOSÉ ETULEY B. GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

Vice para quê?

Dilma, o Poste, sem nenhum vezo político, técnica em ofender parlamentares e destruir economias viáveis, sempre de má catadura, por si nunca seria eleita para nada. Mas Lula, o Ogro, cismou: “Sou capaz de tudo”. Não era. Sentiu que para a envergadura do milagre necessitaria de um Feiticeiro para ajudá-lo. Chamou João Santana. Fizeram as contas e concluíram que a parada era dura demais e só com o PT não dava. Nem mentindo muito. A salvação seria a grande massa de votos do PMDB. Convenceram Michel Temer a aceitar a vice-candidatura (não deve ter sido fácil ser o segundo de um poste). Temer, o Político, veterano dos tempos de Ademar, Montoro, Ulysses (Ph. D. em política), simpático e macioso, com seu PMDB puxaria os votos tão necessários. O Poste viria a reboque. E foi o que aconteceu. Constitucionalmente casados, digo, eleitos, juraram amar-se até que a morte ou a política os separasse. Dito e feito. Agora desarvorado, o Poste clama que o Político pretende dar-lhe um golpe: como, sem ter sido eleito, quer substituí-la? Não percebe que a dupla eleita o foi de fato, ele e ela. Assim, no impedimento dela, ele, o vice, toma seu lugar. Somente para isso ele foi eleito. Simples e natural.

MOZART R. FURTADO

mozaregis@gmail.com

Ribeirão Preto

O fim ‘delles’

Dilma ainda é a “presidenta” do Brasil, um acidente de percurso da democracia infantil, quase adolescente do País, mas só até o dia da votação no Senado, quando acaba a aventura do PT e de Lula. Ficou uma grande lição para os brasileiros: o socialismo ou o ensaio para o socialismo é uma bomba-relógio programada para explodir assim que o dinheiro acaba e a economia não proporciona oportunidades para que os ladrões da elite capitalista do socialismo continuem no poder, pois quando falta dinheiro a quadrilha se decompõe e a tendência é acabar em conflito ou delação premiada. Dilma não é nada nesse jogo, estava só mantendo a cadeira de Lula ocupada para seu retorno por aclamação. Para sorte do País, Dilma não tem capacidade de negociar, de falar o que pensa; e se o que fala é o que pensa, então não pensa. O Brasil não merece os políticos que tem e inexistem opções para uma mudança profunda, pois não interessa ao cidadão sério e honesto tornar-se político, porque vai frequentar a mesma fossa e acabar com o mesmo cheiro. O futuro próximo testará a capacidade de recuperação do povo brasileiro. E não conte com políticos, pois estamos sem condições de financiar sua boa vida.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

TRÁFEGO AÉREO

Balões perigosos

Deus deixou de ser brasileiro, infelizmente. Até no céu nós fomos rebaixados.

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

GOVERNO ALCKMIN

Máfia na Fapesp?!

Numa reunião com os secretários do governo estadual, o governador Geraldo Alckmin criticou a Fapesp por gastar “dinheiro com pesquisas acadêmicas” enquanto o Instituto Butantan está “sem dinheiro para fazer vacina”. Referiu-se a uma “máfia das universidades sugando dinheiro público”. Peço vênia ao sr. governador: em 2012-2013 as três universidades estaduais paulistas foram responsáveis por 37% de toda a produção científica brasileira graças, em boa parte, ao financiamento das pesquisas pela Fapesp. É na merenda escolar e nos trens paulistas, e não na Fapesp, que se tem notícias de máfias. E é o seu governo que responde pela falta de dinheiro no Butantan.

OMAR EL SEOUD, professor titular do Instituto de Química da USP

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

LULA E RENAN

Na recente visita ao presidente do Senado e do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), Lula ganhou do anfitrião um exemplar da Constituição brasileira, que exibiu aos fotógrafos com entusiasmo e otimismo. Agora, em novo encontro com Renan, na terça-feira, Lula bem que poderia ter sido presenteado com um abacaxi ou com um pepino. Não seria exagero nem falta de educação, diante do atual e tenso jogo político. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

REUNIÃO EM BRASÍLIA

Reunião de Calheiros, “DoidiVana”, dirigentes dos MST e do MTST e do chefão boquirroto da quadrilha. Que grande oportunidade perdeu a Polícia Federal para que, numa única operação, a limpeza da Lava Jato fosse quase completa, o Brasil fosse passado a limpo e esse dejetos jogados em seu devido lugar.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

ABERRAÇÃO

Renan Calheiros ir conversar com Dilma é lógico. Agora, incluir Lula na conversa é uma aberração. Até quando este cara vai se intrometer nas decisões do País? Que hora ele vai acordar e se tocar de que sua hora já passou? Pegue o boné e vá cuidar dos seus netinhos. De preferência em seu sítio em Atibaia.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

OS MISTÉRIOS DE RENAN CALHEIROS

Por que será que ainda temos de conviver com dois pesos e duas medidas: recentemente, o sr. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) reuniu-se com o ministro Ricardo Lewandowski e este chamou toda a imprensa para acompanhar o encontro – o que até considero correto, tendo em vista o histórico do sr. Cunha. Porém, quando o ministro reuniu-se com o sr. Renan Calheiros, o fez a portas fechadas! Depois ficamos sabendo que o sr. Renan teve uma reunião com o sr. Lula, que, ao que sabemos, atualmente é um cidadão qualquer, não foi empossado ministro. Tudo isso fica ainda mais suspeito quando vemos quase que diariamente surgir novos processos contra o sr. Cunha, enquanto aqueles que envolvem o sr. Renan no Supremo Tribunal Federal (STF) continuam engavetados. Ambos já deveriam ter tido seus mandatos cassados!

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo 

*

A TORTURA DE DILMA ROUSSEFF

Desacreditada, trôpega, prestes a tornar-se ex-presidente, Dilma Rousseff perambula pelos corredores do palácio de Brasília, como sonâmbula, enquanto aguarda o esperado veredito dos senadores sobre seu processo de impeachment. Todos sabem o que a aguarda. Será que ela sabe também? Se não sabe – como alega não saber do que se passava nos porões de seu governo –, confirma o que corre à boca pequena: é uma tola e sua ignorância e sua insensatez levaram nosso país à bancarrota. Se ela sabe e se presta à humilhação pública e à degradação de sua imagem, apelando a todos os canais possíveis para manter-se no poder, lutando nos estertores de uma deposição forçada e um ostracismo deplorável de 180 dias e pedalando pelos jardins que outrora lhe pertenciam, nada nos resta a não ser lamentar pela escolha. Entre preservar seu orgulho e altivez e se vitimizar, ela repete o que já vivenciou anos atrás, mas desta vez torturada e torturador são a mesma pessoa: ela própria.

Regina Ulhôa Cintra reginaulhoa13@outlook.com

São Paulo

*

‘MINHA CADEIRA’?

Dilma Rousseff disse ontem: “Querem sentar na minha cadeira sem voto”. Como assim, dona Dilma?  Será que é preciso desenhar para que a senhora entenda que a “cadeira” não é sua, e sim do povo que a emprestou, mas que, na medida da descoberta do engodo, a exige de volta? Não adianta vociferar contra quem conduz o processo, porque essa pessoa apenas está respondendo e obedecendo ao anseio da população, cansada das suas mentiras e, principalmente, da sua incompetência, que está a afundar o País. Nada justifica o “os outros também fizeram”. Os seus neurônios estão em curto. Por favor, minha senhora, vá se tratar!

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

SEM VOTO?

Dilma Rousseff: “Querem sentar na minha cadeira sem voto”. Não sabia que vice-presidente é cargo de confiança.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

SER E ESTAR

A atual ocupante da Presidência do Brasil disse que “querem ocupar a cadeira” dela. Eu pensei que a cadeira da Presidência pertencesse ao povo, e não a uma pessoa ou partido. Lembram-se daquele ministro que disse “eu não sou ministro. Estou ministro”? Essa senhora está presidente – e, se Deus quiser, por muito pouco tempo mais. E com ela vão aqueles que há mais de uma década estão espoliando nosso país em benefício próprio e “se lixando” para o povo.

Roger Cahen rcahen@uol.com.br

São Paulo

*

FALTANDO LUCIDEZ

Para sua plateia particular, na Bahia, CUT, MTST, etc., a senhora Dilma continua falando em golpe, que outra pessoa quer sentar em sua cadeira. Não esquecer que quem lhe colocou nessa cadeira, o marqueteiro João Santana, está preso em Curitiba (aí foi golpe), quem está tentando dar um golpe é a senhora, que vai ser ainda julgada por senadores e os chama de golpistas. Está faltando lucidez!

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

A VERDADE ESPANCADA

Uma presidente da República incorre numa série de crimes graves e leva seu país às ruínas. A denúncia contra ela é recebida apenas em dois pontos, for motivos formais. Forma-se comissão na Câmara dos Deputados, Casa do Povo, ouvido o Supremo Tribunal Federal (STF), colhem-se provas, a acusada é defendida pelo advogado da vítima (União ou povo), um histriônico advogado-geral da União, por duas vezes, e tudo culmina no recebimento da denúncia por maioria de 2/3 da Câmara. O processo é remetido à Casa dos Estados Federados, onde tudo se repetirá, inclusive a amplíssima defesa. Não obstante, os escaravelhos do mal insistem numa inglória ficção de “golpe”. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

BRASIL, UM BOM COMPANHEIRO

Dilma pede aos dirigentes do Mercosul e da União dos Países Sul-Americanos (Unasul) severas sanções ao Brasil, caso o impeachment se concretize. Infelizmente, não poderemos comemorar a concretização dessas ameaças de expulsão dos dois blocos. A argentina jamais concordaria com a punição de seu maior parceiro, que sempre cedeu e aceitou docilmente todas as imposições editadas em Buenos Aires. Hoje, 70% da produção automobilística argentina é destinada ao mercado brasileiro. Os carros entram como se fossem aqui produzidos com os mesmos benefícios e até aquela famosa renúncia fiscal de 5% do IPI, que Lula incluiu aos carros fabricados em Córdoba e, com isso, prejudicou a arrecadação em benefício do país vizinho. A leniência do governo brasileiro aceitando as travas do Mercosul colocam o Brasil numa medíocre posição de 1,2% de participação no comércio mundial. Além disso, Lula abriu os cofres do BNDES oferecendo dinheiro abundante fortemente subsidiado aos países-membros dos dois blocos. Outras estripulias de Lula usando dinheiro brasileiro fazem parte da história deste desgoverno petista. No Paraguai, Lula montou uma estratégia para eleger seu amigo Fernando Lugo. Com a garantia acordada previamente com Lula, Lugo prometia aos paraguaios, se eleito fosse, que “exigiria” a triplicação do preço da energia vendida ao Brasil. Lugo foi eleito e Lula cumpriu o prometido, aceitando o nefasto aumento, que se reflete hoje nas faturas de energia pagas pelos brasileiros. Na Bolívia não foi diferente: obedecendo a Hugo Chávez, Lula tramou para eleger o índio sindicalista dos cocaleiros. A promessa de campanha, também previamente acordada com Lula, era sobre a tomada das duas refinarias da Petrobrás, caso ganhasse a eleição. Foi eleito, tomou as refinarias e Lula cumpriu o combinado, ficando calado, para espanto dos brasileiros. Não contente, Evo Morales “exigiu” um misterioso pagamento extra por um “componente nobre” adicionado ao gás vendido ao Brasil por um certo período de tempo. Com uma velocidade supersônica, tudo foi aceito e Evo levou quase US$ 400 milhões. Portanto, esses governos bolivarianos jamais irão expulsar do Mercosul ou da Unasul o grande Brasil generoso que sustenta todos os parasitas instalados no continente. 

Wilson Sanches Gomes sancheswil@hotmail.com

Curitiba

*

ALTA TRAIÇÃO

Não sou sequer advogado para poder interpretar o fato sob as lentes da lei, mas o meu bom senso diz que se trata de crime de alta traição uma presidente da República pedir a órgãos internacionais sanções contra seu próprio país. Isso, em si, já deveria ser bastante motivo para pedir o imediato impeachment da sra. Dilma, além da abertura de um processo crime. Ou não? 

Robinson Cavallari baneg.br@gmail.com

São Paulo

*

PATOLOGIA DO PODER

Sobre o artigo de Rubens Barbosa (“Governo e PT atacam o Brasil no exterior”, 26/4, A2), só tenho a dizer que a soberania pertencente ao povo brasileiro (este é o soberano) é princípio fundamental estabelecido no artigo 1.º, inciso I, da Constituição federal. A presidente e seus asseclas rasgam a Constituição federal ao reclamarem à Unasul e ao Mercosul, por escrito, a aplicação de sanções ao País. Sim, isso aconteceu. Contra a maioria da vontade dos cidadãos (vontade geral, na dicção rousseauniana), que rejeita o governo “Dilma” e que, repito, compõe o ente soberano, o PT foi, inconsequentemente, socorrer-se de entidades internacionais. Isso é o que chamo de patologia do poder.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

O BRASIL ENXOVALHADO

Estudei em escola pública no ensino fundamental, onde tive aulas, à época, de educação moral e cívica. Aprendi a cantar todos os hinos pátrios, bem como a cultuar os símbolos da Pátria e a exaltar o seu povo. Sempre me emociono ao ouvir o Hino Nacional brasileiro. Assim, não concordo e me sinto absolutamente indignado com o enxovalhamento a que a Pátria brasileira está sendo submetida pela sra. Dilma, pelo sr. Lula e pelo sr. Rui Falcão. Quanta insanidade! Fico pensando se esses comportamentos e discursos desconexos são somente por questões ideológicas ou há uma certa dose de psicopatia.

José J. Rosa jjrosa1945@yahoo.com.br

São Paulo 

   

*

CUSPARADA

Assino embaixo as cartas dos leitores sr. Pedro de Alcantara Azevedo e sr. José Wilson de Lima Costa (“Perda de cidadania” e “Sem condições morais”). Nesta temporada de cusparadas, a presidente Dilma cuspiu na cara dos brasileiros.

Adriano Julio de Barros Vicente de Azevedo adrianojbv@uol.com.br

São Paulo

*

JOGO DE CENA

O Brasil está em crise. E que fica mais presente nos desdobramentos do andamento do processo de impeachment da presidente Dilma. Até quando os congressistas farão jogo de cena? E alguém de bom senso acredita que eles mudarão a decisão da Câmara?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

LULA E A ‘QUADRILHA LEGISLATIVA’

Já admitindo que também no Senado Dilma Rousseff não terá apoio para evitar seu impeachment, o frustrado e decadente Lula, sem medir palavras, diz que a presidente foi julgada por uma “quadrilha legislativa” na Câmara federal. Do quesito “formação de quadrilha” o ex-presidente entende muito bem. E foi o que de melhor fez em seus dois mandatos, quando formou uma verdadeira quadrilha, composta de camaradas e aliados, que roubaram as nossas estatais, como consta nas investigações da Operação Lava Jato. E parte dos que votaram a favor e contra Dilma, na Câmara, é de alunos e cúmplices do professor Lula da Silva nesta arte perversa de saquear as nossas instituições. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

VERSADO NA MATÉRIA

 

Com relação à aprovação da Câmara federal do impeachment da presidente Dilma, Lula, em sua fala pública em 25/4/2016, foi claro e taxativo: “Dilma foi julgada por uma quadrilha legislativa”. Desta vez merece crédito a afirmação do ex-presidente, afinal, de quadrilha ele entende. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

COERÊNCIA LULISTA

A petulância altamente agressiva de Lula não esmorece. Antes, mesmo fazendo parte da instituição, afirmou que a Câmara dos Deputados era composta por uns 300 “picaretas”. Agora, diz que os deputados compõem uma “quadrilha legislativa”. Bom, pelo menos ele é coerente... Coerente pelo desprezo que nutre pelas instituições deste nosso país, embora as queira dominar e se esforce em querer comandar o pelotão para seu fuzilamento.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

QUADRILHAS

Pegando carona na declaração de Lula, que disse que a Câmara é comandada por uma “quadrilha legislativa”, e sem discordar dessa opinião, gostaria de acrescentar que também a Presidência da República, desde a sua posse como presidente, em 2003, é comandada por uma “quadrilha executiva”.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

BIPOLARIDADE 

Sem deixar o rosto corar, Lula e seus asseclas pulam de um extremo a outro com facilidade ímpar. O ex-presidente, que lançou Dilma em 2010 sob a qualificação de “gerentona”, voltou a fazer críticas à administração que o sucedeu – uma tentativa de lavar as mãos em relação à crise. Os mesmos que elegeram Michel Temer vice-presidente da República (afinal vota-se em chapas), por ora, acharam por bem acusá-lo de “conspirador”, “traidor” e “golpista”. Em evento na segunda-feira (25/4), foi a vez de Lula atacar o Congresso. Segundo consta em sua fala, a presidente foi julgada – seria bom que ele soubesse que o julgamento nem sequer ocorreu, houve apenas a admissão do processo pela Câmara – por uma “quadrilha legislativa”. Afinal, não foi boa parte desta mesma “quadrilha” que deu base de sustentação aos 13 anos de PT na Presidência?! O que mudou? Mas, de maneira quase inédita, sua fala teve um fundo de verdade, pois boa parte dos parlamentares em exercício tem, sim, amarras com a Justiça, e, convenhamos, de quadrilha Lula entende... Seria um caso de bipolaridade dos lulopetistas e de seu líder? Cuidado: qualquer dia aquele sindicalista de São Bernardo pode acordar irritadíssimo com as obras de seu alter ego! 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

*

O DISCURSO DE LULA

Se Lula confundiu que Tiradentes foi crucificado, e não enforcado, como pode ter sido presidente da República? Perguntar não ofende. 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

BLASFÊMIA

Que mal lhe pergunte, senhor Lula, não me consta que Jesus e Tiradentes tenham sido indiciados por corrupção, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, entre outras infrações. Então qualquer, por mínima que seja, insinuação de comparação que o senhor e seu partido tentem fazer demonstra bem a total dissociação da realidade, megalomania e até blasfêmia. É um insulto e tentativa de golpe, sim, contra os demais poderes que caracterizam uma democracia. Ah, Tiradentes não foi crucificado!

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

SABOTAGEM

Lula, Dilma e o PT são inimigos da Pátria. Agora decidem sabotar a transição para Michel Temer, não fornecendo informações para a continuidade. São ou não são criminosos? Paredón para todos!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

O GOLPE

Falar em golpe, para os petistas, virou uma palavra de ordem que acaba massageando o ego daqueles que não têm outro discurso. É claro que eles sabem que não há golpe coisíssima nenhuma, mas é o que lhes resta a falar. De nada adiantam as provas, as jurisprudências, a competência dos juristas, a palavra dos ministros do STF, a Constituição. A palavra deles é que vale. Esta, enfim, é a tática do PT: negar sempre e tudo. Não lhes restou o mínimo de dignidade de reconhecer seus erros e malfeitos. Um estrangeiro, quando é pego em ações delituosas, pede perdão, renuncia a seu cargo ou acaba até tirando a própria vida. Aqui, eles negam até o fim. Felizmente, surgiram homens sérios que querem acabar com essa prática “manjada” e certamente colocarão esta organização criminosa onde ela merece estar, na cadeia. Àqueles que insistem em defendê-los, resta fazer um exame de consciência ou frequentar um psicólogo, pois está atravessando uma séria crise de desvio de conduta.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

GRAMSCI NOS PRESÍDIOS

Fernandinho Beira-Mar, Marcola, Elias Maluco, Nem & Cia, entre outros, deveriam passar a ler Gramsci em suas respectivas celas de presídios, talvez para descobrir o que deu certo (durante 13 anos) para o os esquerdopatas-petralhas-bolivarianos e deu errado para eles, a despeito de explorarem todos o mesmo ramo de negócios. A turma do Comando Vermelho, do PCC, do ADA & afins já deveria ter desconfiado que estava seguindo manuais e cartilhas desatualizados sobre o eficiente exercício da bandidagem, a partir da infindável série de títulos de doutor honoris causa atribuída ao “apedeuta de Atibaia”, por universidades brasileiras e estrangeiras. Talvez, quem sabe, os nossos afamados marginais tupiniquins prefiram escutar de viva voz os ensinamentos do Grande Líder da Esquerda Tupiniquim, em face do inexorável avanço das investigações da Operação Lava Jato na República de Curitiba.

Ruy Tapioca ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

HERÓIS À BRASILEIRA

Cada país tem os heróis que merece. Assim foi no mensalão e assim vai ser no impeachment.

Milan Trsic cra612@gmail.com

Ribeirão Preto

*

SEMPRE O PT

Se já não bastassem os “escarros” lançados por petistas contra seus opositores, agora o criador Lula e seu pau mandado, Rui Falcão, o “lábios trêmulos”, pregam “um governo paralelo contra a quadrilha que não terá trégua”, confirmando a eterna ladainha “nós contra eles”, em discurso à Frente Popular Brasil. Por outro lado, a criatura Dilma é constrangida pelas fotos íntimas da “cumpanhera” Milena Santos, ex-miss “bumbum”, tiradas no gabinete do novo ministro do Turismo, “vendido” em troca de votos. Vejam a que ponto chegou a tigrada do PT. Isso, sim, é golpe!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

O CASAL BUMBUM

Miss Bumbum se diz indignada pela repercussão de suas fotos pela imprensa. Mr. Bumbum, apesar de não ter se pronunciado, deve pensar o mesmo. Afinal, é só um casal muito feliz comemorando. A presidente deu um ministério a um assessor seu só porque há muito tempo ele comprovou sua lealdade, mostrando que não está mesmo se importando com o País e com os cidadãos. O País está completamente à deriva, a governanta não governa coisa nenhuma e só faz reclamar, aonde quer que vá – inaugurações sem a menor importância ou reuniões igualmente desimportantes –, dos golpistas que querem tirá-la da cadeira de presidente da República. As fotos de miss e mr. Bumbum no gabinete ministerial refletem bem a que ponto chegamos. Nada mais deveria assustar os brasileiros, que já deveriam estar acostumados com inflação de dois dígitos, 10 milhões de pessoas desempregadas, milhares de fábricas e negócios fechados, zika vírus e diversas formas de doenças se propagando pelo País, além de outras tantas desgraças. Mas sempre tem mais. E, agora, Dilma deu posse ao Mr. Bumbum. Viva o Brasil!

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

MINISTÉRIO DO TURISMO

No governo Dilma, compostura é só ensaio; quando muito, para turista ver...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

O CASAL DO TURISMO

Entre mr. Bumbum e mrs. Bumbum, o novo casal no governo Dilma, lançamentos de fluídos a jato, e a omissão de tantos outros, melhor ler ou reler os clássicos, pois, como disse Italo Calvino: “Um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer”. Vivam Cervantes e Shakespeare!

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

*

LITURGIA?

O ministério do Turismo afirmou que não há ilegalidade no ensaio fotográfico realizado pela mulher do novo ministro. Ela reclamou que faltou ética e respeito por parte de quem a criticou num momento tão feliz. Agora, só falta o cerimonial afirmar que não há código de vestimenta e tampouco importância à liturgia do cargo quando alguém toma posse em Brasília.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

FORA DE ORDEM

O Brasil só tomou conhecimento do novo ministro do Turismo, Alexandre Glombiewski Teixeira, por causa do désirée de sua mulher. Num dos países mais erotizados do mundo, o ensaio fotográfico de Milena Santos, ex-miss bumbum, feito no gabinete oficial do ministério, só vem reafirmar que não somos um país sério. Já somos vistos perante o mundo como o país das praias, do carnaval e das bundas. Com suas fotos, a primeira-dama do Turismo é o retrato dessa triste realidade. No ocaso deste (des)governo, ainda veremos muitas coisas fora de ordem. 

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br

São Luís

 *

TURISMO

Pelo jeito, o novo ministro vai incrementar o turismo sexual.

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra,com.br

São José do Rio Preto

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

Fernando Baiano foi à Comissão de Ética da Câmara contar que repassou R$ 4 milhões ao deputado Eduardo Cunha. A imprensa se agitou, os signatários dos abaixo-assinados que pedem seu afastamento vibraram. Mas parte da sociedade, a mais lúcida, espantou-se: R$ 4 milhões? Se um – apenas um! – diretor da Petrobrás devolveu R$ 157 milhões, Cunha revela-se um peixe muito pequeno! Afinal, o valor que ele teria pedido é quase o correspondente apenas às “palestras” que o ex-presidente Lula diz ter feito para as empreiteiras envolvidas no petrolão. A OAS pagou em propinas para o PT o valor de R$ 215 milhões. Não se tem notícia de que os políticos petistas envolvidos neste assalto tenham sido indiciados.  Nós, os que não entramos na onda do “pega, mata e come” sem pensar, nos perguntamos: quando vão botar a mão nos chefões do crime? A Procuradoria-Geral se ocupa, por enquanto, apenas de um peixe pequenino e, parece, exclusivamente a ele. A bem da verdade, Cunha é apenas uma minhoca no anzol, diante do tamanho da bocarra dos peixes grandes que ainda nadam livres no oceano da corrupção. Eduardo Cunha levou só o dinheiro do cafezinho. Acorda, Brasil!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

‘BALA DE PRATA’?

Afinal, a sra. Rosemary Noronha, amiga íntima do “honrado” presidente de honra do PT, depositou ou não os 25 milhões de euros no Banco Espírito Santo, de que tanto se fala? Seria essa verdadeira bomba a “Bala de prata” que a Operação Lava Jato pretende lançar, conforme aventado pelo leitor sr. Silvano Correa em sua mensagem ao “Fórum dos Leitores” (27/4)?

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

CAMINHO SEM VOLTA

Ainda bem que Michel Temer desistiu do sr. Antonio Cláudio Mariz de Oliveira para ministro da Justiça! Falou um monte de besteiras e alega ser contra a delação premiada quando o acusado está preso e sob pressão. Então, sr. Mariz, lhe pergunto: o senhor acredita mesmo que alguém faz acordo de delação se estiver bem confortável, em casa, caminha boa, roupinha, comidinha? É muita cara de pau. A Lava Jato é um caminho sem volta. 

  

Armando Favoretto Junior armandofavoretto@gmail.com

São José do Rio Pardo

*

MENOS MAL

Antônio Claudio Mariz de Oliveira, cotado para o Ministério da Justiça, é contra a Operação Lava Jato. Com ele o vice começaria mal.

Gustavo Guimarães da Veiga ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

A OAB CONTRA JAIR BOLSONARO

A pergunta que não quer calar: por que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) está repudiando tanto o deputado Jair Bolsonaro por ele ter votado sim durante o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara, enaltecendo, ao final de seu voto, o coronel Carlos Brilhante Ustra, combatente ferrenho dos comunistas e guerrilheiros que queriam implantar a ditadura do proletariado no Brasil? Por que a OAB está deixando no esquecimento os deputados e deputadas que exaltaram os nomes de torturadores como Che Guevara, Fidel Castro, Carlos Marighella e a própria Dilma Rousseff, que, segundo a imprensa, naquela época estava envolvida no assassinato do soldado Mário Kozel Filho?

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

BOLSONARO E A DITADURA MILITAR

O deputado Jair Bolsonaro (PSC/RJ) conseguiu causar mais uma polêmica em sua carreira política ao exaltar a ditadura militar e a memória do coronel reformado Ustra, durante a votação da aprovação do pedido de impeachment da presidente Dilma. Sabemos que durante a ditadura militar houve excessos dos dois lados e, para colocar um fim nesse triste capítulo da nossa história, em 28/8/1979 foi promulgada a Lei da Anistia. Precisamos deixar o passado apenas nas páginas dos livros de História do Brasil, para que os erros não se repitam, e lutar contra a corrupção que está destruindo o nosso presente e comprometendo o nosso futuro.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

QUANTA HIPOCRISIA

Não tenho procuração para defender Jair Bolsonaro, nem ele seria meu candidato numa eventual candidatura sua à Presidência da República. A quadrilha do governo e também não governistas estão lhe fazendo severas críticas por ele ter evocado a memória do coronel Brilhante Ustra, que chefiou o DOI-Codi de São Paulo no regime militar, ao pronunciar seu voto a favor do impeachment da governanta. Pergunto a petistas, a não petistas que adoram e babam a múmia caribenha e aproveito para também estender a pergunta à revista “Veja”, que publicou uma matéria esta semana sobre o assunto, com o título “Irrelevância dos Extremos”, de responsabilidade do jornalista Diogo Schelp. Minha pergunta a todos: quem matou mais? Brilhante Ustra ou Fidel Castro? Não sou adepto a hipocrisias.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

A AÇÃO DA OAB

Bolsonaro homenageia torturador (Ustra); Glauber Braga homenageia assassino (Marighella). Quatro personagens execráveis. A limpeza da Câmara dos Deputados poderia começar pela expulsão de ambos os homenageantes, mas a OAB propõe a cassação de apenas um deles, demonstrando parcialidade e perda de oportunidade.

Paulo M. B. de Araujo pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

CASSAÇÃO

A OAB também vai pedir a cassação daquele deputado que gritou “vivas” a Mariguella e ao capitão Lamarca?

Carlos A. Ferreira carlos.alberto572@terra.com.br

Águas de Lindóia

*

DECLARAÇÕES

Concordo que a declaração do Bolsonaro foi infeliz, mas por que os arautos da esquerda não mencionam com a mesma ênfase aquela do outro deputado que fez apologia do assassino Lamarca?

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

*

CAPEZ E A MÁFIA DA MERENDA

Causa perplexidade que o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Fernando Capez (PSDB), tenha entrado na Justiça contra o seu colega promotor de Justiça e dois investigadores de Bebedouro (SP) que atuam na investigação da máfia da merenda escolar, da cooperativa Coaf, na qual é diretamente citado como participante. Quem não deve não teme. Ao invés de alegar seu foro privilegiado, Capez deveria era exigir que as investigações fossem a fundo e intensificadas, justamente para que a verdade possa vir á tona. Também causa espécie que um suspeito de envolvimento em esquema de corrupção permaneça na presidência da Alesp, como se nada tivesse acontecido. Em países sérios e desenvolvidos, políticos acusados ou suspeitos se afastam dos cargos que ocupam enquanto os fatos são apurados. Aqui no Brasil, ao contrário, os suspeitos se agarram com unhas e dentes ao cargo, numa total inversão de valores.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

O JOIO E O TRIGO

No momento em que o País se desdobra no luta pela decência na política, o governador de São Paulo desloca o sr. Capez para uma outra pasta, sob o argumento de que não há prova contra ele. Saudades de Itamar, que afastou um de seus ministros para que ele provasse sua inocência. Somente após a investigação que mostrou infundadas as acusações o ex-ministro foi reconduzido ao governo. É, portanto, nestes momentos que se separa o joio do trigo. Lamentável.

Ademir Alonso Rodrigues rodriguesalonso@uol.com.br

Santos

*

OS BASTIDORES DA POLÍTICA

Envio os cumprimentos pela feliz ideia da recriação diária da “Coluna do Estadão”, dedicada aos bastidores da política brasileira. Ao tempo em que o País atravessa uma das mais críticas e problemáticas quadras de sua história recente, não poderia haver melhor e mais adequada oportunidade para a publicação de notícias curtas, que revelem o que está oculto por detrás das cortinas, tendo ainda como atrativo extra a volta das charges ao “Estadão” nosso de cada dia. Bem-vinda seja!

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

*

‘COLUNA DO ESTADÃO’

Parabéns pela volta da “Coluna do Estadão”.

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

Parabéns pela nova e bem formatada coluna diária sobre os bastidores da política no Brasil.

Luiz H. Freire Cesar Pestana luizhenriquefcpestana@gmail.com

São Paulo

*

A “Coluna do Estadão” certamente irá trazer flashes dos fatos políticos que se revelam a cada instante, uma síntese impressa dos principais momentos observados. Com sua versão online, é impossível ficar desinformado. Será um prefácio político do dia. Bem-vinda!

Antonio Gerassi agerassi@terra.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.