Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2016 | 03h00

Xadrez

O titular da Procuradoria-Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a inclusão do nome de Lula da Silva no inquérito da Operação Lava Jato. Lula, o homem mais honesto do Brasil, foi presidente da República durante oito anos, período em que foram executados os dois maiores esquemas de corrupção de que temos notícia no Brasil: mensalão e petrolão. Dilma, fiel seguidora de Lula, deu continuidade ao petrolão, acabando de destruir a maior companhia estatal brasileira, a Petrobrás. Vários amigos de Lula e Dilma já foram presos em Curitiba. O juiz federal Sergio Moro pôs na cadeia alguns dos maiores empresários brasileiros, os doleiros que facilitavam os desvios de dinheiro e vários diretores de empresas estatais, dentre outras figuras importantes para a execução desse maléfico plano de roubos bilionários dos cofres públicos. Vamos ver se agora o ex vai realmente ver o sol nascer quadrado.

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Demorou

Janot é a figura mais bem acabada do “falso brilhante”: atua agora sobre fatos de que a Justiça e a Polícia Federal já sabiam – e agiam – desde o ano passado.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Aqui jaz

Com a demora do procurador Janot em denunciar a cúpula do governo ao STF, só o fazendo após ver que se avizinha o desenlace, estamos não só assistindo à queda de Dilma, como à do PT. Que semeou ódio, roubou, mentiu e traiu. Agora só falta a lápide.

AGNES ECKERMANN

agneseck@gmail.com

Porto Feliz

Réquiem

Cor contritum quasi cinis (o coração contrito, quase em cinzas). Minhas condolências para o Luiz Inácio deprimido, chateado e muito preocupado.

HELENA RODARTE C. VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

Depressão

Políticos íntimos ao sr. Lulla alegam que ele está com depressão, quieto e emburrado. Será que o sr. Lulla tem procurado saber como estão se sentindo os 11 milhões de brasileiros desempregados? Ou as mães com seus filhos esperando por horas, e até dias, nas portas dos hospitais? Ou os aposentados que não podem nem comprar os seus remédios?

ANTÔNIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

Ô, coitado...

Por que será que o homem mais “honesto” do País está chateado, deprimido e preocupado? Ora, Lulla não liga para o pedido da sua prisão, feito pelo Ministério Público de São Paulo e dirigido ao juiz federal Sergio Moro. Afinal, o “tripéx” e o sítio não lhe pertencem, né?

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Desvio de rota

É que o processo tomou outro rumo. Bem diferente do que a alma mais honesta do mundo indicou, aos impropérios (“enfiem o processo no...”), naquele malfadado vídeo divulgado pela cumpanheira. Haja cusparadas!

JOAQUIM QUINTINO FILHO

jqf@terra.com.br

Pirassununga

Atestado de mentecapto

A assessoria de Lula sustenta que o ex-presidente “não participou nem direta nem indiretamente de qualquer dos fatos investigados na Operação Lava Jato”. Como tais fatos ocorreram sobretudo entre 2003 e 2010, durante o governo dele, seus aliados, para defendê-lo, estão lhe passando um atestado de deficiente mental. Não acho justo.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

Na ‘folha’ desde 1980

O pedido de inquérito envolvendo 30 pessoas próximas do chefe foi o bastante – para aquele que nunca soube de nada. Todos eles “repudiam veementemente” tais acusações. E o grande perdedor com essa grande quadrilha é o povo, sem saúde, educação e segurança. Sem nenhuma esperança. O grande chefe já “operava” com a OAS desde 1980, depois foi só expansão.

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Legado indelével

Aos poucos, como num cartum, os traços grotescos do PT vão se delineando. Eles não marcarão apenas uma figura, deixarão sulcos profundos de corrupção em nossa História.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Corriola

Lendo o Estadão de ontem (A4 a A7), parece que estou no país da Alice, o das maravilhas. Lulla e seu instituto, Jaques Wagner, Edinho Silva, Ricardo Berzoini, Giles Azevedo, José Sérgio Gabrielli, Henrique Alves, José Carlos Bumlai, Paulo Okamoto – as vestais perseguidas do País. Ah, faltam Fernando Pimentel e sua esposa. Valha-me o Senhor!

ÉDEN A. SANTOS

edensantos@uol.com.br

São Paulo

IMPEACHMENT

‘Timing’ perfeito

O pedido de abertura de inquérito contra o “cara” e a Dilma Rousseff, entregue pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é suficiente para dissipar as dúvidas dos senadores indecisos e daqueles que ainda não declararam sua intenção de voto no processo de impeachment da presidente da República?

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

Bunker no Alvorada

Na provável suspensão de suas elevadas funções, é corolário lógico do afastamento temporário que a presidente da República não possa utilizar-se dos equipamentos destinados ao exercício Presidência. O artigo 57, alínea c, da Lei 1.079/50 dispõe que, caso afastado, o presidente perderá um terço de seus vencimentos, que lhe serão pagos na hipótese de sentença final absolutória. Ou seja, é punida até mesmo pecuniariamente. Em tais circunstâncias, não se compreende como possa a presidente Dilma Rousseff, se afastada, continuar a habitar o Palácio da Alvorada, residência oficial do novo presidente que a substituirá, e pior, nele constituindo um “bunker” composto de 15 assessores, para não “perder a visibilidade”, segundo já afirmou.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O BRASIL VAI PERDER A INOCÊNCIA

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma ter provas de que Lula, o presidente mais popular e querido da história do Brasil, está envolvido nos crimes da Operação Lava Jato. O momento é muito grave, quando a presidente da República está sendo afastada do cargo por envolvimento em crimes de responsabilidade e corrupção. A jovem democracia brasileira terá de amadurecer muito para lidar com a enorme decepção de descobrir que a gestão de Lula e de Dilma simplesmente roubou o País de forma sistemática e premeditada. Muitas perguntas ainda não têm respostas: o que foi feito desses bilhões roubados no petrolão? O que acontecerá ao líder mais popular de nossa história? O mundo todo acompanha com perplexidade esta provação, que vai levar a jovem democracia brasileira a perder sua inocência.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

O ÓBVIO ULULANTE

 

À petição do sr. procurador da República enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) se pode aplicar, sem erro, a expressão criada por Nelson Rodrigues há tantos anos: trata-se do óbvio ululante, desta vez trazido ao mundo jurídico. O dr. Janot, numa só frase, resume a atuação da deplorável máquina instalada na Presidência da República: “Essa organização criminosa jamais poderia ter funcionado por tantos anos e de uma forma tão ampla e agressiva no âmbito do governo federal sem que o ex-presidente Lula dela participasse”. E eu complementaria essa afirmação dizendo que tal participação foi estendida pela sua sucessora, a presidente Dilma Rousseff, apesar de seus protestos de inocência total. Foi muito bom ver que aquilo que para mim era “o óbvio ululante” foi enfim trazido para a luz do dia, desmascarando uma quadrilha que atuou com tanta desfaçatez. Quero ver agora quem terá a coragem de levantar o punho erguido em sinal de desafio quando for condenado, ou quem ousará ser o “guerreiro do povo brasileiro”. Admitamos: já era tempo de o óbvio ululante se impor sem deixar margem a qualquer discussão. Para acreditar nos “petralhas”, agora, só a Velhinha de Taubaté.

 

Regina Maria Peña reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

 

*

IDEIA DE JERICO

 

O pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para investigar Dilma Rousseff e a denúncia apresentada contra o ex-presidente Lula atingiram de cheio a chance que o governo alimentava para tentar reverter o pedido de impeachment da presidente. Para eles, este é o pior momento, quando o Senado vai admitir o pedido de impeachment e os governistas ainda acalantavam a ideia de que “só” (só para eles) as pedaladas fiscais não seriam suficientes para afastar a presidente do cargo. A ofensiva ensaiada para defendê-la sob o pretexto de ser um golpe fica prejudicada, já que agora o contexto das denúncias são os crimes do petrolão e seus derivados. A “grande sacada” de chamar Lula para o ministério de Dilma se tornou uma grande ideia de jerico. Janot, que foi indicado e reconduzido ao cargo pela presidente Dilma, denuncia Lula por tentar comprar e influenciar o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, acusado de crimes contra a empresa. Perdem os petistas o discurso de tentar politizar a Operação Lava Jato quando atacavam diretamente o juiz Sérgio Moro. E ganhamos todos nós em muita coisa: uma delas é não mais ter de ouvir por aí a palavra “presidenta”. Ufa! Graças a Deus!

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

ALIÁS, CADÊ LULA?

 

Lula não foi às comemorações do Dia do Trabalho, ao lado de sua “criatura”, alegando problemas na garganta. Poderia ir e não falar, mas estar lá dando apoio a Dilma. Agora, emite uma nota repudiando a sua inclusão oficial no time dos réus investigados. Eu acho que Lula já fugiu há muito tempo do Brasil. Acorde, Polícia Federal!

 

Fabio Orbite inforbite@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

LIDER MESSIÂNICO DO PT

 

Em verdade eu vos digo, desisti de ressuscitar em 2018.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

CADA VEZ MAIS EVIDENTE

 

Chegou ao conhecimento da imprensa e, através desta, da opinião pública que no dia 28 de abril o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a inclusão de velhas raposas da política tupiniquim e de seus “auxiliares” no inquérito da Operação Lava Jato. Dentre os tantos nomes estão figuras como Luiz Inácio Lula da Silva, Jaques Wagner, Ricardo Berzoini, Edinho Silva, Jader Barbalho, Delcídio Amaral, Eduardo Cunha, José Carlos Bumlai e outras personalidades carimbadas por “suspeitas”. Uma merece destaque pela ligação com Dilma Rousseff: Erenice Guerra. Fica cada vez mais evidente que a partir de 2003 se iniciou no País um projeto de assalto ao Estado – articulado e verticalizado. Com a ação da imprensa vigilante e de uma população atenta à realidade política tupiniquim, pressões obscuras sobre o Ministério Público e o Judiciário têm data de validade para barrar o avanço da justiça. A hora de cada um deles há de chegar. A historiografia brasileira tem um novo marco: antes e depois da Lava Jato. Há de chegar, em especial, o dia em que o maior responsável e beneficiário direto deste assalto responderá pelos seus atos. Tua hora vai chegar, Lula!

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

DILMA ROUSSEF

 

Tchau... e tchau querida... (sobre o pedido de investigação de Dilma pelo procurador Rodrigo Janot).

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

GOLPE

 

Atenção, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, resolveu trabalhar! Parece que o papo de “golpe” vai ser verdadeiro. Só que dado pelo governo Dilma.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

COMO QUERÍAMOS DEMONSTRAR

 

Ives Gandra da Silva Martins escreveu “Dilma, a presidente golpista” (“O Estado de S. Paulo”, 2/5, A2). É isso, exatamente isso. C.q.d.

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

O INSUCESSO DA QUADRILHA

 

Após infindáveis hesitações e ires-e-vires processuais, entre a República de Curitiba e a egrégia Corte em Brasília, em prol de uma justiça pautada na segurança jurídica de que o veado não deve morrer e de que a onça não pode passar fome, a Procuradoria-Geral da República resolveu, enfim, investigar a mulher mais honrada e a alma mais honesta deste país. Já não era sem tempo, pois não seria surpresa se Fernandinho Beira-Mar, Marcola, Nem & Cia já não estivessem às voltas com a leitura de Gramsci, em suas respectivas celas de segurança máxima, para descobrir o que deu de errado nas quadrilhas que lideravam, em contraponto com a bem-sucedida organização criminosa dirigida pela alma mais honesta e a mulher mais honrada deste país.

 

Ruy Tapioca ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

GOLPISTA?

 

Hoje, todos os brasileiros de bem comemoram a atitude (finalmente!) do procurador-geral Rodrigo Janot, seja com Tubaína, Grapete ou champanhe. Toda a tigrada do PT será investigada. E agora, o procurador também será um golpista?

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

APURAÇÕES NECESSÁRIAS

 

De 18 pedidos de investigação feitos pela Procuradoria-Geral da República, 6 se referem a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, e 12 a Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado. Mas há que apurar mais: com referência a Aécio Neves (PSDB-MG), Romero Jucá (PMDB-RR) e outros. Isso porque, se se deseja passar o Brasil a limpo, esta é a oportunidade ideal para eliminar da vida pública estes fichas-sujas. Com o impeachment, teremos o afastamento benéfico do lulopetismo, mas torna-se necessária uma limpeza maior, a ponto de tornar o País mais eticamente saudável. E o Poder Judiciário pode realizar a limpeza e a varredura necessárias.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

PIADA

 

Janot pede apuração contra Cunha, Aécio e Edinho na Lava Jato. Com essa manchete, o “Estadão” nos faz rir. Desde quando um intocável do PSDB vai ser investigado e punido? Outro fato: a Operação Lava Jato já foi enterrada, porque seu objetivo era derrubar o governo, em conluio com a mídia. Vocês acham que, depois que o juiz Moro, na Operação Lava Jato, chegou à Mossack Fonseca e à família Marinho, vai haver mais alguma investigação? Só mesmo as pessoas do “Fórum do PSDB” no “Estadão” que acreditam. Contem outra piada...

 

Carlyle Antonio Cunha carlyle.cunha@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUATRILHÃO

 

A Lava Jato está sendo chamada nos bastidores de “quadrilhão”, pelo número de pessoas envolvidas. Se fosse pelos valores desviados, deveria ser chamada de “quatrilhão”.

 

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

 

*

INDENIZAÇÃO

 

Sobre o pedido de indenização por danos morais requerida pela mulher de Lula, seu filho e a nora, por causa do vazamento de conversa telefônica, o juiz que julgar o caso poderia indenizá-los, a título de danos morais, com a mesma quantia recebida pelo dr. Adam Kelno, personagem do livro de Leon Uris (QBVII), ocasião em que recebeu um (1) penny,  a menor moeda do reino.

 

Paulo Barros dr.paulobarros25000@gmail.com

São Paulo

 

*

COMO UMA LUVA

 

Impressionante a foto de primeira página do “Estadão” de ontem (4/5), tendo a presidente Dilma, atrás da Pira Olímpica, como se o fogo saísse feroz pela sua boca. Como as últimas atitudes da presidente vêm mostrando estar ela agindo com o fígado, em vez da razão, a foto caiu como uma luva no atual momento da presidente Dilma. Aumento de despesas de R$ 10 bilhões, quando o País já está quebrado, com um déficit de quase R$ 100 bilhões, mostra que está mais do que na hora de ela, mesmo com o fígado incendiado, descer a rampa, mas com certeza a “alma” sairá pela porta dos fundos.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

DILMA EM CHAMAS

 

Parabéns ao premiado fotógrafo Dida Sampaio, que captou com maestria um momento significativo e muito simbólico: uma superposição da imagem da chama da tocha olímpica ao rosto da presidente Dilma. Várias possíveis interpretações simbólicas: primeiro, o fogo que purifica e leva embora a escória; segundo, mostra uma figura patética e o seu partido sendo reduzidos a cinzas. Cinzas essas que merecem ser lançadas não ao mar, mas ao esgoto; terceiro, a tocha, que representa o puro espírito olímpico da competição sadia, quando se pode ganhar ou perder, em oposição ao que ela, Dilma, e o PT praticam: não sabem perder, tampouco passar o bastão. Praticam, sim, a política de  terra arrasada para que nada brote para o bem comum. Finalmente, no alto das chamas, à direita, aparece misteriosamente uma labareda sob a forma de um pássaro. Seria a fênix que ressurge das cinzas? A ver.

 

Gilberto Galan ggalan@uol.com.br

São Paulo

 

*

A FOTO DE DIDA SAMPAIO

 

Cumprimento o “Estadão”, em especial o repórter Dida Sampaio, pela sensacional foto estampada na primeira página da edição de 4/5. Ela fala mais que mil palavras. A presidente está queimada por todos os brasileiros de bem. Coisas como esta nos fazem ter orgulho de sermos assinantes do jornal.

 

Silvio Schaefer excess@netpoint.com.br

São Paulo

 

*

UMA FOTO, UMA REALIDADE

 

Impressionante a foto publicada na primeira página de ontem (4/5). Uma presidente que arde em meio à incompetência e ao cinismo populista. Não necessita do texto. Parabéns!

 

Luiz A. de Andrade Mello melloluizalberto30@gmail.com

São Paulo

 

*

O RETRATO DA PRESIDENTE

 

Parabéns, editoria, não é todo dia que temos uma primeira página assim. Parabéns ao fotógrafo Dida Sampaio, todos os créditos são dele. Há muito não se via um trabalho fotográfico assim. Digno de um Prêmio Esso de Fotojornalismo. Tudo o quanto quer se dizer hoje da atual presidente a foto retrata com maestria. Digna de um grande profissional. É isso aí, vamos só aguardar a defenestração da “presidenta”!

 

Benedito Rodrigues dos Santos reisrodrigues.santos@gmail.com

São Paulo

 

*

A DILMA DE 2014

 

A primeira página do “Estadão” de ontem (4/5), com a silhueta da quase “ex-presidenta” pegando fogo, merece um prêmio. Em mais de 60 anos como leitor assíduo deste magnífico jornal, não me lembro de alguma vez ter ficado tão contemplativo diante de uma imagem. A foto é excelente, mas a intenção é muito melhor. Faz-nos lembrar da sra. Dilma prometendo fazer “o diabo” para ganhar as eleições; da nossa economia virando cinzas; do inferno de vida dos milhões brasileiros desempregados; e da ameaça de botar fogo no País por causa da limpeza que será feita brevemente. Vejo o Brasil como a mitológica Fênix, e vamos renascer das cinzas. Foram mais de 13 anos de roubos, falcatruas, cinismo e imoralidade jamais vistos, e abissal incompetência para dirigir uma nação. Mais de 13 anos elaborando um perverso sistema de poder destruindo a mente de uma juventude ainda mal formada, propositadamente, para depois transforma-los em “soldados” zumbis de um regime que não deu certo em nenhuma parte do mundo. Todos os mal intencionados seguidores e defensores de uma mulher que fracassou em tudo o que tentou fazer na vida (lembrando: guerrilheira comunista, comerciante de lojinha, presidente de conselho de administração da Petrobrás, “mãe do PAC”, ministra subserviente do “capo” e, imaginem só, presidente da República).

 

Rogerio Rizzo rizzomoreno41@gmail.com

São Paulo

 

*

OPORTUNA

 

Diz o ditado chinês que “uma imagem vale por mil palavras”. Desta vez, valeu por um milhão! Cumprimentos ao premiado fotógrafo Dida Sampaio (“Estadão”) pela espetacular foto que ilustra a primeira página do jornal (4/5). Pelo primor do enquadramento, às vésperas do impeachment de Dilma, não poderia ser mais feliz e oportuna. Merece prêmio, moldura e aplausos de pé. Bravo!

 

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

IMAGEM E SEMELHANÇA

 

A primeira página do “Estadão” de ontem, com a até então presidente Dilma envolta pelas chamas da tocha olímpica, personifica sua imagem e semelhança: uma presidente ardendo em meio ao fogo do seu desgoverno, impopularidade, escândalos, corrupção e rejeição literalmente. O fotógrafo merece premiação pela foto. Parabéns!

 

Giovani Lima Montenegro giovani.limamontenegro@gmail.com

São Paulo

 

*

INSANOS

 

Dilma Rousseff acorrentada em sua cadeira. Manuel Zelaya trancado na embaixada brasileira em Tegucigalpa, com as janelas tapadas por papel alumínio, para evitar os raios misteriosos enviados por Israel. Maduro falando com um passarinho, dizendo que é Hugo Chávez. Evo Morales, que denuncia uma tentativa de golpe por semana. Kim Jon-Un, que anuncia a existência de unicórnios na Coreia do Norte. Fidel Castro, outro paranoico, e sua revolução que já dura mais de 50 e não dá mostras de se concluir. O fator que une os líderes esquerdistas do mundo é a insanidade.

 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

*

O PT ESBRAVEJA

 

Concordo com Dora Kramer (“Senta, o leão é manso”, 4/5, A6), apresento apenas a ressalva: o leão não é manso, apenas perdeu alguns dentes. Atentemos para que não consiga próteses.

 

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito

 

*

A VOLTA DA GUERRILHEIRA

 

Dilma Rousseff está voltando aos seus tempos de guerrilheira. Só que, agora, está jogando bombas nas contas públicas, sob a forma de “bondades” de última hora, e já anunciou a instalação de um “aparelho” no Palácio do Planalto. Vai, mais uma vez, dar com os burros n’água.

 

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

 

*

BOMBA-RELÓGIO

 

Como se diz na gíria, “Dilma quer arrebentar a boca do balão” com seu pacote de “bondades”, que, na realidade, é um pacote de maldades, que elevará os gastos do governo em R$ 10 bilhões, além de já ter aumentado o Bolsa Família em 9% e reajustado o IRPF em 5%. Demonstra, desta forma, toda a sua má índole, deixando uma bomba-relógio armada no Planalto para explodir a qualquer momento. Sabe, “tia querida”, seu comportamento vem confirmar o que sempre dissemos do petelulismo ser semeador de ódio, vingança, revanchismo, repulsa. Vergonhoso!

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

AINDA O GOVERNO PT

 

Apesar de serem os mais ricos do Brasil, os cabeças “petralhas” continuam abusando do povo que produz: quem trabalha precisa dar aos “nem, nem” (nem trabalha, nem estuda). Temos vários casos de pessoas que tinham pouco dinheiro e se transformaram em gente pelo seu esforço e dedicação: Joaquim Barbosa, Serginho, do vôlei, Robson Caetano e, ainda, vários juízes das altas cortes que, na infância pobre, conseguiram com estudo e trabalho se tornar gente de bem. Agora, o governo aumenta os gastos (em 10%) e vem descontar de quem trabalha neste país: só 5% de reajuste da tabela do Imposto de Renda e aumento de imposto (IOF) para a compra de dólar. Está na hora de buscarmos um país melhor: se se aumenta o imposto, deve-se dar algo em troca, e não roubar.

 

Roberto Tavares robertocps45@hotmail.com

São Paulo

 

*

FÚRIA ARRECADATÓRIA

 

Não contente com o imposto nos cartões de crédito, agora o desgoverno impõe aumento no imposto para compra de dólar. Estão querendo implantar o “câmbio negro oficial”?

 

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

 

*

CAMISA DE FORÇA

 

Se continuar nesta toada, Dilma Rousseff vai precisar de uma camisa de força!

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

 

*

CRIMES COM PRAZO DE VALIDADE

 

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem sido completamente desconfigurada durante o processo de impeachment em julgamento no Senado Federal. Listo, a seguir, as notórias discordâncias e interpretações interesseiras e oportunistas do que não constam na LRF e tampouco na Constituição: 1) o presidente da Câmara determinou o “prazo de validade” dos crimes de responsabilidade fiscal, delimitando apenas aos crimes cometidos no atual mandato, desta forma concedendo total anistia de todos os crimes de responsabilidade fiscal cometidos pela acusada nos anos de 2013 e 2014. Como já deliberou o eminente ministro do STF, cabe ao presidente da Câmara dos Deputados apenas o recebimento da denúncia, sem qualquer análise de mérito; 2) a LRF alerta para ilícitos praticados principalmente no último ano de mandato no Executivo em todos os níveis. Mas como julgar um governante que no último ano de mandato comete vários crimes de responsabilidade, se o próprio estabelecimento do processo de julgamento de impeachment leva vários meses, até anos, para ser devidamente tramitado? E, ainda mais, como pode a LRF ter eficácia se for permitido alterar a meta no último dia do exercício, como sempre alegam os senadores governistas? 3) Conforme a LRF, atrasos de poucos dias podem ser considerados ilegais. Atrasos recorrentes de vários meses acumulados em valores bilionários podem ser eliminados, e, consequentemente, os crimes cometidos mês a mês são anistiados, com o pagamento do acumulado no último dia do ano fiscal, causando um rombo na meta do orçamento de BILHÕES de reais, então qual a finalidade da LRF, se ela pode ser completamente aniquilada com atitudes espertalhonas de “contabilidade criativa”? 4) Muito estranha a penalidade de impedimento do exercício da função estabelecida na LRF, se os denunciados estiverem no último ano do exercício do mandato. Portanto, aqui cabem duas questões: e se o denunciado não for reeleito? E após a extinção das reeleições? Caso o denunciado não estiver exercendo qualquer cargo no Executivo, estará livre de qualquer punição referente aos crimes tipificados na LRF?

 

Vagner Ricciardi vb.ricciardi@gmail.com

São Vicente

 

*

O IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEFF

 

Tendo acompanhado boa parte das argumentações de Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal, feitas no Senado em 28/4/2016, e, movido pelos interesses de natureza acadêmica que o caso desperta, assinalaria os seguintes pontos importantes para uma tomada de decisão: 1) o pleito de ambos tem motivações essencialmente políticas. Miguel Reale Jr., erroneamente, chamou de ditadura o governo Dilma, democraticamente eleita. Depois, tentou consertar, mas foi mais infeliz ainda. 2) Ambos estão vinculados ao PSDB, partido rival do PT. Isso tira credibilidade do processo. 3) Em muitas ocasiões, as respostas de Janaína Paschoal foram confusas e incompreensíveis, sem relação com o que era perguntado. 4) De modo geral, as argumentações jurídicas de ambos foram contraditadas eficaz e eficientemente pelas senadoras e senadores que apoiam o governo. 5) A presidente Dilma está blindada pela sua própria integridade e pelo seu empenho em favor dos pobres, que representam a maioria dos eleitores, crescentemente conscientizada. 6) Nesse processo, tudo parece depender mais da interpretação dos fatos do que dos próprios fatos. 7) Parece haver mais suposições do que fatos. 8) As críticas e acusações que fazem contra o PT podem ser feitas igualmente contra os partidos rivais. De acordo com a imprensa, parece que todos têm telhado de vidro. 9) O que mais choca a população em geral não são as “pedaladas”, mas sim os casos de clamoroso enriquecimento ilícito, com contas secretas no exterior. 10) Durante esse processo, muitos dos atuais adversários do governo Dilma poderão ser os seus aliados de amanhã. 11) No desenrolar desse processo, é fundamental um diálogo respeitoso e construtivo na Câmara e no Senado, visando a facilitar a rápida reconstituição da base parlamentar do governo Dilma, que poderá não ser afastada em maio. Mas, se for mesmo afastada, o que vem pela frente pode ser tão ruim que talvez seja necessário reconduzi-la ao cargo sem demora. Estamos diante do imponderável. Em nenhum caso deve ser excluída a hipótese de que o vice e a presidente venham a fazer as pazes políticas, diante dos desdobramentos da situação. 12) O grande problema de um governo Temer é que sua legitimidade seria sempre  questionada, por mais que tenha apoio daquela parte da imprensa que lhe é favorável. E esta vem perdendo credibilidade, por sua postura panfletária e parcial. 13) Se muitos governadores, prefeitos e parlamentares não conseguem observar  determinadas normas legais, é razoável levantar a hipótese de que há um problema com essas normas, devendo, então, ser aperfeiçoadas. Concluindo, no Brasil, o povo é soberano e manifesta sua soberania nas eleições. Um eventual impeachment da presidente Dilma, por razões tão frágeis, questionáveis e incompreensíveis para a maioria dos eleitores, colocará o País em uma situação muito complicada, depois que “caírem as fichas” desses eleitores. Isso acontecerá, principalmente, quando os eleitores da presidente Dilma e muitos outros que a eles se somarão começarem a sentir os apertos econômicos e as perdas inevitáveis decorrentes de um eventual governo Temer. Portanto, se não forem possíveis eleições antecipadas, a escolha menos traumatizante é permitir que a presidente Dilma conclua seu mandato. Neste caso, porém, a próxima eleição para a Presidência da República, muito provavelmente, será vencida por um candidato da oposição. Mas, se a presidente sofrer o impeachment, o desgaste político dos que apoiarem o governo Temer será tão grande que só por um milagre isso aconteceria. A situação atual é completamente diferente daquela do governo Collor.

 

Alvaro C. G. Gemignani alvaro.cg.g@hotmail.com

São Paulo

 

*

POR QUE O GOVERNO PAGOU AS ‘PEDALADAS’

 

A denúncia de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff se deu em 2 de dezembro de 2015. O pagamento pela União ao Banco do Brasil e outros, por conta das “pedaladas”, ocorreu no final de dezembro do mesmo ano. Essa a razão do pagamento, porquanto, se até hoje, houvesse débitos acumulados, a situação jurídica da presidente seria muito mais comprometedora. Em certos casos, a critério do juiz, o pagamento de um débito fiscal antes do recebimento da denúncia permite sua rejeição no direito brasileiro. Não foi outro o propósito do governo da União, que se valeu de cheque especial para dar uma falsa demonstração de bom estado do Tesouro Nacional em ano de eleições e fazer promessas falsas: a busca de um “bill of indenity”, absolutamente inaplicável em caso de impeachment.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

MELHORA DA CONFIANÇA É ESSENCIAL

 

Conforme noticiado, o PSDB irá entregar ao vice Michel Temer o documento “Carta de Princípios”, com 15 itens, como a implantação do parlamentarismo a partir de 2018, voto distrital e temas relacionados à saúde, educação e a manutenção dos programas sociais implantados pelo PT. Se de fato se concretizar o novo governo Temer, o destaque mesmo será a presença do competente ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles como ministro da Fazenda. Na avaliação de Meirelles, é preciso retornar a confiança não só dos agentes econômicos, mas também para que as empresas voltem a contratar e os bancos voltem a emprestar para que possamos sair deste ciclo negativo. Para que isso ocorra, será necessária a fixação de um teto para o crescimento dos gastos públicos, e também não esquecer a muito comentada reforma da Previdência. Em suma, não se pode esquecer que sem progresso econômico não existe progresso social.

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

‘MALÍCIA OU CIVISMO’

 

Acompanho a página dos editoriais do “Estadão” há muito tempo. E não poderia deixar de comentar o texto “Malícia ou civismo” (4/5, A3). Trata-se, como sempre, de um ótimo texto escrito por este editorialista, que tem se apresentado como suprapartidário. Analisando, criticando, sugerindo. Suas ideias e palavras são aquelas que muitos brasileiros desejam ouvir e falar. Sem arroubos ou inflamadas ideologias político-partidárias. Mas, com isenção, mostra uma realidade que diz respeito ao compromisso que o parlamentar deveria sempre tomar: o do civismo. O editorial nos representa em seu espaço diário. Parabéns.

 

Maria Cecilia de Almeida Barbosa das Eiras cecilia.eiras74@gmail.com

São Paulo

 

*

FORMAÇÃO DE MINISTÉRIO

 

Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central (governo Lula), Eliseu Padilha, ex-ministro da Aviação Civil (gestão Dilma), Romero Jucá, alvo das Operações Lava Jato e Zelotes, Geddel Vieira Lima, ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula e ex-vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica do governo Dilma, Gilberto Kassab, ministro das Cidades do governo Dilma. Agora, a pergunta que não quer calar, o povo brasileiro precisa saber: será que num país tão grande como o Brasil não existem outros nomes capazes de exercer esses ministérios? Esses nomes já fizeram parte dos últimos governos, e nada resolveram, então por que insistir, e não substituí-los? Francamente, senhor Temer, possível presidente do Brasil, com estes nomes a impressão que nos causa é a de continuidade, ou seja, de que tudo será como dantes.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

FILA DO ‘SUS’

 

Sobre nota da “Coluna do Estadão” (4/5, A4) relativamente à frase do futuro ministro de Estado Eliseu Padilha, “Fila do SUS”, informo ao futuro ministro de Estado que em latim “SUS” significa suínos. E os seus seguidores suínos já estão chafurdando (na lama). Na novíssima lama que certamente será o seu ministério. Pergunta: após a posse do vice-presidente da República, no seu ministério continuará a haver “fila do SUS”? Ou seja, fila de suínos chafurdando na novíssima lama?

 

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PRIMORDIAL

 

A primeira e imediata providência do governo Temer será dedetizar rápida e profundamente a máquina pública federal, ou seja, promover o expurgo de milhares de sanguessugas petistas, incrustados no governo há 13 anos. Providência fundamental para reduzir o risco de sabotagens burocráticas, especialidade da quadrilha petista. Te cuida, Temer.

 

Renato Pires repires49@gmail.com

Nova Andradina (MS)

 

*

MAESTRINA DA BAGUNÇA

 

Os nobres senadores e os convidados que estão participando da Comissão Especial do Impeachment no Senado proporcionaram aos brasileiros um espetáculo sensacional. Uns acusaram os outros pelos atos ilícitos, cometidos recentemente ou num passado remoto. Senadores trocaram insultos e quase saíram do Congresso, para trocar tapas na rua. Várias vezes, os convidados desrespeitaram os senadores, que são juízes neste processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff. Os contribuintes brasileiros devem estar estarrecidos com as revelações que surgiram nos últimos dias, exatamente dentro do Senado. Os nossos parlamentares, que muitas vezes são réus em diversos processos, julgarão Dilma Rousseff, que foi a maestrina de tantos desmandos administrativos, de tantas mentiras e de tantas omissões. Estamos convencidos, mais uma vez, de que o voto tem um valor inestimável, pois entrega o poder nas mãos de parlamentares que poderão cometer falhas grosseiras, por simples ignorância ou por interesses unicamente políticos.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

O SENADOR LINDBERGH

 

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), sem o mínimo de personalidade, chama (vimos pela gravação telefônica) Lula de “chefia”. Nem parece um senador da República. Tenta tumultuar os defensores do impeachment de todas as formas, até chamando o senador Ronaldo Caiado de mentiroso, quando ele, carecendo de maiores conhecimentos, é o mentiroso, quando afirma que o jornal “The New York Times” noticiara que o impeachment era golpe. Na verdade, o jornal editou “que a base aliada do governo alegava golpe”, portanto, o submisso de Lula é um mentiroso!

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

REFORMAS

 

A crise política atual exige reformas profundas no sistema político e econômico. Uma das mudanças exigidas pela sociedade é o fim da reeleição, que prejudica a renovação do quadro político atual, formado por políticos profissionais e seus familiares, num misto de despotismo e nepotismo  que remonta ao Brasil colonial (capitanias hereditárias) e ao Brasil imperial (família real).

 

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

 

*

A VEZ DO SUPREMO

 

A dinâmica legislativa está em pleno funcionamento, buscando a normalização econômico-política do País, via impeachment. Será que não é hora de os membros do Supremo Tribunal Federal (STF) acelerarem o julgamento das ações de malfeitores protegidos pelo famigerado foro privilegiado? É incompreensível, diante do aflitivo momento atual, observar suas excelências, em poucas sessões semanais, praticando morosos ritos e lendo longos votos, que mais se prestam ao ego destes, com exceções, claro. Parece que a premência do momento ainda não chegou à nossa Corte Suprema. Infelizmente.

 

Honyldo R. Pereira Pinto  honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

 

*

UM STF JURÁSSICO

 

Ponto negativo ao STF, por ter aprovado um rito de impeachment tão longo, retrógrado, cansativo e inútil. Isso é contraproducente, além de o ser também a lentidão dos julgamentos extremamente longos, como os do ministro Celso de Mello, por exemplo, erudito, sim, sem dúvida, que deixa de ser verdadeiramente sábio quando insiste em retraçar, ao exagero, a jurisprudência do passado, sendo que as circunstancias atuais são outras. A fila anda, ministros.

 

Thereza Assumpção Whitaker thereza.a@terra.com.br

São Paulo

 

*

SUPREMAS CORTES

 

Enquanto o mundo inteiro, emocionado, aplaude a justíssima decisão da Suprema Corte da Itália de absolver um imigrante que fora preso pelo furto de salsichas e queijo, no valor de apenas 4 euros, para matar a sua fome, vamos todos ter a esperança de que poderemos em breve nos emocionar com o nosso Supremo Tribunal Federal condenando exemplarmente, e com toda a justiça, estes verdadeiros ladrões que, formando uma quadrilha, desviaram para seus bolsos e suas contas no exterior muitos milhões de dólares de dinheiro público, conforme levantado pela Operação Lava Jato, condenando à fome, à morte e ao desemprego um número incalculável de brasileiros.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

O STF E RENAN CALHEIROS

 

Que fazem os “doutos” ministros da toga desde 2007? O que fazer com eles, se estão com Renan Calheiros há nove anos e o caso Mônica Veloso? Estão esperando os culpados morrerem?

 

Ricardo Muniz ricmuniz45@gmail.com

São Paulo

 

*

OURO NA CERTA

 

Finalmente, a tocha olímpica chegou ao Brasil, passará por 327 cidades e contará com a participação de 12 mil pessoas. Começou por Brasília, onde a presidente Dilma Rousseff acendeu a chama, fez promessas a Santo Expedito, o santo das causas impossíveis, para não perder o pódio no Planalto, e, quem sabe, ouvir o último “panelaço” de sua gestão, na abertura dos jogos, e a passou para uma consagrada atleta do vôlei. Não desmerecendo Vanderlei Cordeiro de Lima, nosso maratonista e grande campeão, que por desatino de um tresloucado padre ficou em terceiro lugar na maratona da Olimpíada de Atenas, Grécia, em 2004, quem deveria receber a tocha era o presidente do Senado, o “atleta” Renan Calheiros. Hábil e ligeiro em corridas de longa distância com obstáculos, há nove anos corre da Justiça, com o peso de 12 processos nas costas, e mesmo assim é praticamente imbatível nessa modalidade, nem um conclave seria capaz de tirá-lo do páreo.

     

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

OLIMPÍADA

 

Estamos a menos de 100 dias dos Jogos Olímpicos, acabamos de receber a tocha olímpica e, até o momento, não temos nada para empolgar. Tivemos o acidente com 2 mortes na Ciclovia Tim Maia, os aposentados públicos tiveram seus proventos atrasados e a segurança no Rio de Janeiro está cada dia pior (faltam investimentos, que sobraram para a Olimpíada). A chegada da tocha teve raras empolgações. Além das confusões com inúmeras faixas de protesto, pessoas se infiltravam no percurso dos atletas. Nada de acordo, para variar, com as palavras de Dilma de que, como na Copa, esta será “a maior” Olimpíada de todos os tempos. 

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

 

*

NOVO COMEÇO

 

Segundo alguns parlamentares, no dia 11 de maio será um “novo começo” para o Brasil, já que será o dia em que o Senado poderá ir contra ou a favor do afastamento da presidenta Dilma Rousseff por 180 dias. Poderá até ser um “novo começo”, mas será benéfico para o povo brasileiro? Provavelmente não, porque esse tal “novo começo” que os parlamentares querem possivelmente só servirá para que o País mude a favor deles. A atual presidente cometeu alguns excessos e deslizes durante seu mandato, porém nada que justifique o impeachment, que seria apenas uma forma para reverter momentaneamente o foco da corrupção e de outros problemas que o Brasil vem enfrentando, como o esquema de desvio de dinheiro da merenda escolar. O Brasil tem, sim, chance de se recuperar de toda essa corrupção que há entre os políticos brasileiros. Agora, somente o que nós, população brasileira, podemos fazer é esperar para vermos o resultado deste “novo começo”.

 

Glória M. da S. Alvarez Rodrigues  gloriaalvarezrodrigues1@gmail.com

Iaras

 

*

WHATSAPP, REGRAS E JUSTIÇA

 

O bloqueio do WhatsApp foi o principal assunto do começo da semana. O ato judicial até então restrito ao seu executor e à operadora do sistema acabou afetando 100 milhões de brasileiros. Sem fazer juízo de valor sobre a contenda em si, há de considerar que precisamos de regras para a operação de serviços, de limites e, principalmente, de bom senso para a aplicação da justiça. O legislador, a regulação e o poder concedente dos serviços precisam estabelecer regras e fiscalizar seu cumprimento. Em que pese o direito do usuário à privacidade, há que criar mecanismos para impedir o uso criminoso dos sistemas. Não se deve esquecer de que os meios de comunicação são fundamentais para o tráfico de drogas, insurreições e agitações sociais e atos de terrorismo. O Estado precisa dispor de meios para conter o crime também na área cibernética. Logo, há de exigir dos operadores os meios de, em condições especialíssimas e de risco à comunidade, ter como abrir judicialmente o sigilo das comunicações pela rede, na mesma forma que já se faz no serviço telefônico. Há de se fazer tudo isso até para evitar medidas extremas como a do juiz sergipano que, perseguindo a solução de um problema pontual pendente em sua jurisdição, tumultuou a vida de todo o Brasil.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

 

*

PROBLEMA COM A VIVO

 

Solidarizo-me com os leitores sr. Onofre de Arruda Sampaio, Helga Bell e Iracema Valadão quanto à indignação dos serviços ultimamente prestados pela operadora Vivo. Sou assinante de telefonia fixa da Vivo ou suas antecessoras desde 1970 e nunca havia passado por dissabores como agora. Estou sem telefone fixo há dez dias, tento entrar em contato diariamente, gero diversos protocolos e o máximo que consigo é ouvir uma gravação que diz que, sim, a região onde está instalado o telefone passa por problemas, pedem desculpas, estão providenciando o reparo e que o prazo para o conserto é dia tal às tais horas. Expirado o prazo, a gravação é substituída por outra com a mesma lenga-lenga, só mudando o prazo final para o reparo. Que tal a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ser acionada a respeito? Que tal a Vivo cumprir com suas obrigações? Há um antigo ditado que cabe: “Quem não tem competência que não se estabeleça”.

 

Lauro Puglisi lauropuglisi@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.