Fórum dos Leitores

SOB NOVA DIREÇÃO

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2016 | 03h00

Esperança e decepção

O after day do impeachment de Dilma Rousseff, mesmo que ainda inconcluso, encheu-nos de esperança, com o discurso de um presidente sem arrogância e que sabe se expressar e com a atitude do chanceler José Serra, respaldado pelo querer da maioria dos brasileiros, deixando claro aos bolivarianos que quem manda no País agora somos nós. Esperança aumentada com a indicação do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que nada muda na Lava Jato. Mas como nem tudo é perfeito, lá vem a decepção, com Henrique Meirelles fazendo mais do mesmo e cogitando da recriação da CPMF. Meirelles ainda não viu direito, mas sabemos haver mais de 100 mil cargos comissionados ou semelhantes remanescentes do antigo governo e Romero Jucá vem dizer que só vão extinguir 4 mil, e até o final do ano?! Por que, qualquer que seja o governante, no Brasil o pensamento básico é de quem não contraiu as dívidas é que tem de pagar a conta? Saibam que, se isso ocorrer, também seremos oposição!

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Começou quase bem, com certeza deve ter êxito nessa grande empreitada de repor o Brasil nos trilhos. Pecou com os filhinhos dos papais Picciani, Jader e Bezerra. Isso até dá para entender. Mas falar em CPMF realmente é querer guerra. E logo no primeiro dia. Mostrem serviço primeiro! Estão brincando com fogo...

CECILIA CENTURION

ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

Tributo temporário

No lugar do tributo temporário proposto pelo novo ministro da Fazenda, sugiro que seja instituída vergonha na cara temporária para o governo. Não tem dinheiro para pagar as dívidas? O governo faça como todo mundo, venda seus bens, diminua suas despesas drasticamente, arrume um segundo emprego e pronto, tudo se resolve. Que tal se cada parlamentar, cada ministro reduzisse pela metade sua verba de gabinete, suas despesas, e passasse a trabalhar cinco dias por semana, em vez de três, como hoje. O Brasil não fez essa verdadeira revolução, afastando o governo corrupto e incompetente que havia, para colocar no lugar alguém que quer resolver tudo com a volta da CPMF.

MÁRIO BARILÁ FILHO

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

O pato

Em passado recentíssimo, quando se mencionavam as letras C, P, M e F o pato da Fiesp, de tanto abrir o bico, ficava inflado até não poder mais. No atual momento, as letrinhas tão odiadas estão sendo ditadas e o pato da Fiesp está de bico calado. Começo a achar que o pato da Fiesp vai para a panela...

JOSE PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

E os juros?

Recriar a CPMF, mexer na Previdência... Mas e com os juros sobre a dívida pública, que movimentam muitos bilhões de reais todo mês? Não está aí a oportunidade, sr. Meirelles?

EDUARDO BRITTO

britto@znnalinha.com.br

São Paulo

Previdência Social

O novo ministro, antes de falar, deveria auditar a Previdência Social. Trata-se de um ralo cujo custo de gestão é absurdo! E tem muito aposentado que recebe sem jamais haver contribuído. A arrumação da Previdência começa por aí. E os aposentados do INSS sempre perdem, enquanto os servidores públicos aposentados só ganham! Como pode dar certo?

JAIR NISIO

jair@smartwood.com.br

Curitiba

É preciso, antes de mexer em direitos de trabalhadores e aposentados, buscar o que foi desviado, punindo os responsáveis. É preciso, antes de se apoderar dos bens do Estado, usar da competência ao gerir os seus negócios, e não dividir o risco inerente à atividade. É preciso haver serenidade, honestidade, competência e justiça social.

ENIO CELSO SALGADO

salgadosenior@icloud.com

São Paulo

Novo Brasil

Um novo Brasil é possível se houver equidade e justiça, lastreadas na honestidade intelectual, transparência e decência dos que detêm o poder da caneta que balizará a vida de todos os cidadãos. Os desafios de Michel Temer são gigantescos, da mesma envergadura dos recursos existentes no País, sejam materiais ou imateriais. Mas nenhum governante que se diga sério e comprometido com os rumos da Nação poderá efetivar mudanças com decisões que exijam sacrifícios só da classe mais pobre e desfavorecida. Exemplifico com o rombo da Previdência: 1 milhão de servidores públicos aposentados representam hoje rombo financeiro idêntico ao dos 24 milhões de aposentados da iniciativa privada. Isso pelos elevados valores das pensões integrais dos primeiros em detrimento do teto reduzido dos segundos. Dr. Temer, inicie uma nova era de organização social, com base na hombridade e sem hipocrisia. A Nação não vai concordar com sacrifícios que soem espúrios, enquanto assiste à continuidade de todo tipo de privilégios distorcidos. Faz-se mister revisar e adequar as políticas públicas à contemporaneidade, com justiça social. Coragem!

ANGELA BAREA

angelabarea@yahoo.com.br

São Paulo

Pé na cova

Aposentadoria aos 67 anos é o famoso pé na cova. Temer não deve aprovar essa sugestão de Meirelles. Uma boa forma de retomar o equilíbrio das contas públicas, ao lado de aliviar em alta escala o Judiciário, seria autorizar acordo em milhões de execuções fiscais em curso no País, que atormentam o cidadão e o Estado. Este realizaria grande parte de seus créditos e os devedores do Fisco dormiriam em paz. Supera-se a contabilidade criativa com a política criativa.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Direitos adquiridos

Meirelles diz que direito adquirido de aposentado não supera a Constituição. Embora se tenha referido especificamente a aposentadorias, tocou num ponto que precisa ser discutido em profundidade. Hoje a sociedade paga, com seus impostos, “direitos adquiridos” dos mais diversos tipos promovidos por legislação que atendeu a interesses políticos de grupos (particularmente do setor público) em prejuízo dos direitos constitucionais da população! Está na hora de discutir o assunto, pois, como Meirelles disse, os “direitos adquiridos” não se podem sobrepor à Carta!

JORGE ALVES

jorgersalves@gmail.com

Jaú

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O QUE ESTÁ EM JOGO

No seu discurso de despedida da Presidência da República, Dilma Rousseff repetiu as mentiras de sempre: o impeachment é “a maior das brutalidades”, “posso ter cometido erros, mas não cometi crimes” e “jamais compactuei com a corrupção”. Depois, veio a pior de todas: “O que está em jogo são as conquistas dos últimos 13 anos”. Será que está se referindo às taxas de desemprego e de inflação de dois dígitos, ou talvez ao rombo de R$ 111 bilhões nas contas públicas? Ainda bem que não precisamos aguantar tanta soberba e desaforo por muito tempo.

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

‘ORDEM E PROGRESSO’

Depois de mais de 13 anos do interminável pesadelo em que o nefasto, corrupto e incompetente lulopetismo promoveu a desordem e o regresso da situação econômica do Brasil aos piores níveis de décadas atrás, não poderia soar melhor aos ouvidos da sofrida e angustiada população brasileira a escolha do mote positivista “Ordem e Progresso” como lema do novo governo interino que ora se inicia. Longa será a caminhada e árdua a peleja. Avante, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CRIME NÃO

A sra. Dilma Rousseff, desconectada da realidade, quebrou o País, deixou 11 milhões de desempregados e sai atirando, dizendo que pode ter cometido erros, mas não praticou crime. Deixou um rombo de R$ 350 bilhões. É a herança maldita que já vinha do tempo de Lula e ela piorou. É a dupla dinâmica da incompetência.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

INOMINÁVEL

Há no Brasil, segundo o IBGE, 11 milhões e 100 mil desempregados. Considerando que cada desempregado carregue 2 dependentes, sofrem a dor inominável do desemprego 33 milhões de pessoas. Enquanto isso, a responsável pela situação, a nobre senhora Dilma Vana Rousseff, dirigente máxima do Brasil há cinco anos, faz-se de vítima e fala em tristes sentimentos pessoais, morando no palácio. Desculpe, mas dá nojo.

Cloder Rivas Martos. closir@ig.com.br

São Paulo

*

O INÍCIO DO GOVERNO TEMER

Em seu primeiro pronunciamento como presidente em exercício, Michel Temer afirmou que continuará conduzindo os programas sociais criados pelo PT. Temer disse que será prioridade em seu governo a redução da inflação e do desemprego. O presidente sinalizou que a privatização será uma das principais tarefas a serem executadas em sua gestão, preservando a segurança nacional, a educação e a saúde. Temer expressou seu respeito por Dilma Rousseff e indicou o caminho do trabalho para tirar o Brasil da crise. Na cerimônia de posse dos novos 24 ministros de Estado, o especialista em Direito Constitucional esclareceu que utilizará de incentivos fiscais para impulsionar os investimentos internos e externos no nosso país. O lema da bandeira brasileira, “Ordem e Progresso”, será o slogan do governo Temer. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

NA MOSCA

O jornalista Boris Casoy, da TV Bandeirantes, acertou na mosca: “É preciso tirar o Brasil do volume morto”.

Sergei Davidovitch gutbest@yahoo.com.br

São Paulo

*

HERANÇA MALDITA

Lula disse à exaustão que havia recebido uma herança maldita de FHC. Fernando Henrique, cujo trabalho foi duro e centrado, plantou uma base econômica sólida – que aguentou por anos os desmandos dos desgovernos petistas. Dilma foi tão além no desgoverno que estraçalhou tudo. Temer agora recebe a verdadeira “herança maldita”, oriunda do PT. Em seu primeiro discurso, transpareceu seriedade e coragem para assumir os desafios e levantar a Nação. Boa sorte, presidente Temer!

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

TEMER E A AUSTERIDADE

Sr. presidente Temer, que tal vender o Aerolula e, quando viajar para São Paulo, onde reside, venha de avião de carreira? Essa seria também uma grande diferença.

Sonia Maria Benfatti Resstel sbresstel@gmail.com

São Paulo 

*

O CORTE DO MINISTÉRIO DA CULTURA

Gravíssimo que Temer, num de seus primeiros atos, tenha fechado o Ministério da Cultura. Trata-se de um verdadeiro crime de lesa pátria e mostra bem o tipo de gente que teremos no governo. Um “bispo” evangélico é o ministro da Ciência e Tecnologia. Se pudesse, certamente ele também extinguiria os Ministérios da Saúde e da Educação. Privatizaria tudo, a toque de caixa e a preço de banana. Para Temer e sua trupe, a cultura do povo é algo supérfluo e inútil, que não passa de uma mera perfumaria. Educação, idem. A Controladoria-Geral da União também foi desativada. Botaram a raposa para tomar conta do galinheiro. Inaceitável o retrocesso que o País irá viver. Temos de reagir, e rápido.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Nota dez ao novo ministro da Saúde, Ricardo Barros, pela intenção declarada de promover uma reengenharia de gastos e controle dos recursos da pasta, para se adequar aos novos tempos. É a primeira vez que tomo conhecimento dessa ótica inteligente de um ministro, de pensar em administrar os vastos recursos de que a saúde brasileira dispõe com competência e honestidade, sem pedir mais recursos para o ralo da corrupção, que prejudica enormemente o setor no Brasil. Se acabar com a compra de medicamentos e próteses por valores até 10 vezes superiores aos de mercado, além de impedir a contratação de profissionais da saúde que não trabalham e recebem altos salários, enfim, se acabar com a farra que o PT sempre fez com o dinheiro da saúde no Brasil, deixando o povo que sempre afirmou proteger morrer nos corredores dos hospitais por falta de socorro médico, garanto que não vão faltar recursos para elevar, e muito, o padrão de qualidade da assistência à saúde do povo brasileiro. Quando tomo conhecimento de que, finalmente, teremos um ministro da Saúde inteligente, volto a acreditar no futuro do Brasil.

Fernando Franco de Sá Bomfim fbomfim71@gmail.com

Araçariguama 

*

VIRANDO A PÁGINA

Nem bem o presidente Michel Temer tomou posse e já assisti a duas jornalistas de grande emissora de televisão reclamarem de que nenhum ministério deste governo é ocupado por uma  mulher ou por um negro. Lembro que também não tem nenhum oriental e nenhum índio, e nem por isso reclamaram do fato! Se vamos começar este novo governo, período tão importante, com críticas tão calcadas na velha cartilha petista, então estamos muito mal de comentaristas! Que tal mudarmos a cantilena e valorizarmos mais as propostas feitas por Temer e sua promessa de privilegiar a meritocracia, contra o apadrinhamento e a ideologia? Eu quero um Brasil melhor, construído por cidadãos, sejam homens ou mulheres. Vamos virar a página! 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

MULHER E POLÍTICA

A mídia tem falado sobre a ausência de mulheres no governo Michel Temer. Sou mulher e, sinceramente, não tenho saudades da “ex-presidanta” Dilma e suas ministras, das quais nem sequer lembro os nomes e ministérios. E também não estou preocupada se no ministério de Michel Temer há mulheres e negros. Eu estou apenas preocupada com que o atual governo consiga superar a crise e colocar o Brasil nos trilhos novamente, e que traga de volta os empregos para quem quer trabalhar e corte o leitinho das tetas dos folgados, aqueles que apoiavam o PT. Chega de demagogia. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

OS PRIMEIROS DIAS DE TEMER

Analisando os primeiros dias do governo Temer, fica a questão: nomear para ministro quem está sendo investigado e, assim, dar prerrogativa de foro (ministros de Estado têm direito a foro privilegiado) está correto? Isso é ética? Lisura? Cadê o Supremo, que não se manifesta? Não estou defendendo a presidente afastada, até porque isso é atribuição de José Eduardo Cardozo, da Advocacia-Geral da União. Mas Michel Temer começa mostrando que há, sim, apadrinhamento e imoralidades em seu governo, seja ele interino ou não. Além disso, é preciso analisar a decisão do ministro Gilmar Mendes, que mandou suspender as investigações contra o senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves. Creio que os brasileiros que clamam por transparência e decência na vida pública também querem que a Justiça chegue a todos os figurões da República, inclusive ao “menino moço” de Minas Gerais.

 

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

ALÍVIO

Que alívio saber que hoje, amanhã, depois de amanhã, semana que vem, mês que vem, enfim, não mais ouviremos  a expressão “presidenta”! Espero, nunca mais, venha a ouvir falar dela. Ela, que envergonhou principalmente a todas nós, mulheres, por sua péssima atuação à frente de nosso Brasil. Verdadeira impostora! Alívio também por não mais ver essa figura arrogante, antipática, deselegante, que nos legou a péssima imagem que pairou e ainda hoje paira de nosso país no exterior. Uma verdadeira madrasta má, principalmente para o povo mais necessitado, sempre enganando-o, mentindo. Não seja mais um “tchau, querida”, mas, sim, um “até nunca mais!”. Não deixará saudades nem para a petralhada.

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

*

EXPECTATIVAS

Enfim, um governo...

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

NOVO MINISTÉRIO

Filhos de Jader Barbalho, Sarney e Picciani são ministros. E assim caminha a humanidade...

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

*

O QUE ESPERAMOS

Esperávamos que o novo governo de Michel Temer fosse baseado na escolha pela meritocracia. Não por partidarismos e parentescos político-partidários. A conferir...

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

SEM UM MILAGRE...

Dilma Rousseff deixou o Palácio do Planalto pela porta lateral. Creio que em breve Michel Temer sairá pela porta dos fundos. 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

FATOR DIFICULTANTE

Os 180 dias previstos na Constituição poderão ser um entrave complicado para estabelecer e assegurar a confiança, por causa da incerteza de continuidade no novo governo.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

A NOVA OPOSIÇÃO

O recém-instalado governo já se depara com manifestações da nova oposição, cujos paladinos prometem não dar trégua. O primeiro sinal refere-se ao ministério que acaba de ser nomeado, criticado por não exibir diversidade, sem mulheres e negros. Neste momento em que uma das principais missões da equipe que substitui a anterior é a de ressuscitar a economia agonizante de um país rapinado durante mais de 13 anos pelos governos anteriores, a preocupação com tais aspectos secundários dá uma mostra que vem por aí em matéria de debate de ideias. Preparemo-nos.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

IMPEACHMENT

Não acabou, serão 180 dias provavelmente infernais para os brasileiros. A quadrilha petista vai reagir, apoiada por movimentos sociais suspeitos. Travarão cidades, invadirão fazendas, será “o diabo”, como gosta de dizer Dilma Rousseff. A sociedade tem de estar alerta e reagir a esses meliantes. O PT não fará oposição responsável e coerente, não é seu perfil. Teremos de conviver com bravatas repetitivas do mentor principal, Lula. E o pior de tudo é que, se Temer vier a ser um interino fraco, vaselina, omisso e fizer alianças com políticos suspeitos, corremos sério risco de que o ex, Sapo Barbudo, volte a assombrar a Nação em 2018. Boa sorte, Brasil.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

PREPARE-SE, MICHEL TEMER

Agora na oposição, o PT mostrará sua verdadeira garra, ensinará o governo Temer o que é fazer oposição. Terá seis meses para desnudar Michel Temer e sua equipe. O novo governo precisa entender que a guerra não acabou, tudo está só no começo, daí a importância da escolha de seu ministério e dos cargos na direção de empresas públicas. Para não morrer na praia, Michel Temer tem de abrir os olhos.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

PROBLEMAS PELA FRENTE

Mediante o resultado a favor do impeachment de Dilma Rousseff, ocorrido no Senado, preparem-se que, a partir de agora, teremos um petelulismo na oposição, agressivo, pregando vingança e ódio, estimulando movimentos e badernas pelo País, criticando juros extorsivos, desemprego, saúde, educação, segurança, transporte, etc. Não mencionando que tudo isso se deteriorou durante os 13 caóticos anos que suportamos com o PT no “pudê”.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

EIS A DEMOCRACIA

Está é a democracia do PT: perderam o governo e prometem fazer o possível para atrapalhar a nova administração. 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

COMO ESTAVA NÃO PODERIA FICAR

A quinta-feira 11 de maio, dia histórico, foi o primeiro passo para dias melhores ao País. Como estava não poderia ficar. O povo acordou e não vai mais suportar mentiras, impunidades e corrupção. Viva o Brasil!

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

*

DESENHANDO

A presidente Dilma, afastada da Presidência, disse que não sabe por que foi impedida de continuar. Fazendo aquela cara angelical. Será que vai ser preciso desenhar para ela? Aliás, para o PT, tem de desenhar tudo. Para um partido que, segundo o ex-ministro Delfim Netto, não sabe fazer nem uma simples regra de 3, realmente tem de desenhar tudo. Até o resultado de 1 + 1.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

IMBRÓGLIO POLÍTICO

Os eleitores da presidente afastada não aceitam o biônico Temer em seu lugar, ainda mais que mal assumiu e não esconde que fará um governo liberal como o de FHC. Resta aos defensores de Dilma acompanhar o pedido de cassação da chapa com que o PSDB ingressou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a cassação dos mandatos de Eduardo Cunha e Michel Temer que tramitam no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

O PT E SEUS PUXADINHOS

Para azar de Marina Silva e sorte nossa (do Brasil), o puxadinho Rede já revelou a que veio. Não tem diferença dos outros. Quanto ao carro-chefe, o PT, de volta à oposição, vai fazer o que sempre fez, ou seja, trabalhar contra o Brasil.

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

*

A HISTÓRIA DO PT EM DUAS FRASES

1.º dia: no início, Deus criou Lula e o PT. No 6.º dia: do pó vieste e ao pó retornaste. No 7.º dia, o Brasil descansou.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

RETORNO

Lula, Dilma e o PT voltam para o lugar de onde nunca deveriam ter saído, o lado do “quanto pior, melhor”!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

TAL PAI, TAL FILHO

Depois dos famosos 15 minutos de fama do sr. Waldir Maranhão (PP-MA) fazendo a lambança de tentar anular o processo de impeachment, ficamos sabendo que o mesmo, além dos processos que já tem contra si, recebeu indevidamente por dois anos salários da ordem de R$ 16 mil mensais como “professor fantasma” da Universidade Estadual do Maranhão. Seguindo o mesmo caminho, seu filho Thiago Augusto Maranhão, que cursa pós-graduação em São Paulo, recebia salários de R$ 7,5 mil mensais como Conselheiro do Tribunal de Contas do Maranhão. Pois bem, o Estado do Maranhão tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do País e tem dois indivíduos “roubando” R$ 23,5 mil mensais da população, verba esta que poderia e deveria estar sendo usada na saúde, na educação, na segurança, etc. dos maranhenses, mas nunca para encher mais ainda o bolso de políticos corruptos e seus familiares.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo 

*

PRESIDENTE INTERINO

A lambança repercutiu, mas a figura permanece presidindo a Câmara dos Deputados? O Partido Progressista, ao qual é filiado, exigiu sua renúncia. Mas a figura grotesca, que desejava seus minutos de fama, permanece flanando, leve e solto na Capital Federal. Não vou declinar seu nome, seria propaganda enganosa.

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

MANOBRAS

Adivinhem quem vai aproveitar a permanência de Waldir Maranhão como presidente da Câmara Federal...

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

A primeira etapa foi concluída com êxito pelos membros do Congresso Nacional (Câmara e Senado). Agora não podemos parar por aí. Espero que a população brasileira, no próximo dia 2 de outubro, faça sua parte nas urnas e enterre este partido criminoso e seus membros de uma vez por todas.

 

Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

UM CARGUINHO, POR FAVOR!

Fernando Haddad (PT-SP) demitiu subprefeitos e servidores municipais para acomodar demitidos do governo federal. É assim: sempre que o PT perde postos em derrotas políticas, realoca sanguessugas em outros cargos. Isso por pouco tempo, até outubro de 2016. Fora Haddad, incrivelmente, o pior prefeito que o Município de São Paulo já teve!

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

A HORA DE SÃO PAULO

Tiramos o PT de Brasília, agora vamos tirar o PT da cidade de São Paulo.

Carlos Alberto Duarte carlosadu@yahoo.com.br

São Paulo 

*

TEVE CORAGEM

Fernando Haddad teve a coragem política de regulamentar os aplicativos de transporte na cidade, já que a Câmara Municipal, covardemente, se omitiu. Essa mesma coragem demonstrou ao criar a Controladoria-Geral do Município, que acabou com a máfia do ISS, e ao implantar as medidas recomendadas por especialistas em mobilidade urbana, como ciclovias, redução do limite de velocidade e construir 500 km de faixas e corredores de ônibus.

Francisco Nascimento Xavier franciscoxavier1000@gmail.com

São Paulo

*

UMA CIDADE ABANDONADA

É lamentável que a poluição visual ameace retornar à Cidade de São Paulo. Além do lixo abundante e acumulado em diversos pontos, do mau cheiro que exala dos bueiros e poças de águas sujas, da derrubada de árvores, do mau trato dos canteiros e jardins invadidos pelo mato, dos semáforos apagados, das ruas e avenidas às escuras, noite adentro, fiação elétrica solta, etc., o alcaide mor nos brinda com o retorno da poluição visual. Exatamente no centro da Avenida Paulista, além de ele ter substituído seu tradicional canteiro verde, por uma ciclovia pintada de vermelho e subutilizada pelos ciclistas durante a semana – dias em que se trabalha –, colocou uma exposição aérea no local, que, além de feia, não ficou claro a que veio. Como se não bastasse, os paulistanos estão sujeitos a pagar pesadas taxas de IPTU, IPVA e multas de trânsito cada vez mais elevadas, ditadas por radares surpreendentes e canalizadas não se sabe para onde! Até quando?

Maria Cecília Naclério Homem mcecilianh@gmail.com

São Paulo

*

O PARTIDO DOS PEDAIS

Com certeza, Fernando Haddad (PT-SP) implantou as ciclovias no local errado, ou seja, no munícipio de São Paulo. O local certo para tal implantação seria Brasília. Lá a chance de as ciclovias darem resultado positivo seria de 100%. Em Brasília, o que não faltam são pedaladas.

Carlos Avino carlosavino.jaks@hotmail.com

São Paulo

*

ESCOLAS INVADIDAS

Alunos começaram a ocupar as escolas e professores a fazer greve agora. Estava tudo certo até ontem, com a “Pátria Educadora”? Claro que não. Inventam pautas retóricas para criar baderna e infernizar a vida da população como represália pelo impeachment. É a “preocupação” lulopetista e do exército do Stédile com o bem-estar dos alunos e o futuro da Nação. É preciso que a ordem seja restabelecida. 

Paulo de Araujo Prado pprado999@gmail.com

São Paulo 

*

INVASÃO E REINTEGRAÇÃO

Interessante um “jornalista” (?) produzir manchete sobre a Polícia Militar fazer a devida desocupação de uma escola invadida, sem autorização judicial. E por acaso os baderneiros tinham alguma autorização para fazer a invasão? Escola é lugar para fazer arruaças ou para receber educação? Menos papo distorcido, pois o País está desvirtuado em razão desse tipo de comunicação atravessada. Chega!

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

DOUTRINAÇÃO EM SALA DE AULA

Educação é missão. Seu desempenho deve ser fruto de sincera vocação. Se não o for, requer ao menos, sem possibilidade de transigir, preparo e responsabilidade. A conveniência estabelece que há hora e lugar para tudo. Sala de aula não é palanque. Opinar é uma coisa, doutrinar é outra. Um professor manifestar suas opiniões, deixando-as claras como tais, é legítimo e pode contribuir para o debate democrático – desde que assegure não apenas o espaço de expressão, mas também o respeito às opiniões divergentes. O que ocorre, não raro e de maneira inaceitável, é que muitos professores afirmam suas opiniões e ideologias como verdades, como fatos incontroversos, infiltrando-as no conteúdo de suas matérias, constrangendo, ou deixando constranger, e mesmo prejudicando os alunos que pensam de outras formas. Ao invés de incentivarem a busca por pontos de convergência em meio ao emaranhado de perspectivas e de trabalharem a civilidade e a tolerância na divergência, levianamente acirram a cizânia entre os próprios alunos e estimulam a cultura do ódio. Democracia pressupõe respeito às maiorias e às minorias – condição essa (ser maioria ou minoria) dinâmica, que pode variar de um ambiente para outro, de uma situação para outra. Importante nos lembrarmos disso: o oprimido de hoje pode ser o opressor de amanhã; o oprimido e o opressor podem coexistir em um mesmo indivíduo. Sem exagero: as universidades – que deveriam ser espaços saudáveis de promoção do conhecimento e de formação de verdadeiros educadores – vêm se deturpando em algo miseravelmente oposto.

Breno Siviero breno@brenosiviero.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.