Fórum dos Leitores

DINHEIRO PÚBLICO

O Estado de S.Paulo

28 Maio 2016 | 03h00

As mamatas de Cunha

Por falta de recursos para a saúde pública – é o que alegam as autoridades –, milhares de doentes no Brasil estão sem atendimento médico e sem remédios, incluindo pacientes em tratamento de câncer. Enquanto isso, o País gasta R$ 541 mil por mês com benefícios para o sr. Eduardo Cunha, afastado de suas funções legislativas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por seu envolvimento na Operação Lava Jato. Exemplos como este são incontáveis e o Brasil se ufana por ser um país que possui natureza exuberante e um povo acolhedor e simpático. Como comungar de qualquer patriotismo, se o que mais vemos é o descaso com a vida humana, o desrespeito às leis e o desinteresse pela vida do semelhante?

MARCELO GOMES JORGE FERES

marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro

Quanto custa?

O presidente afastado da Câmara dos Deputados, sr. Eduardo Cunha, mesmo longe de suas funções, custa mensalmente R$ 541 mil aos cofres públicos. É de imaginar quanto custa manter a inconsequente senhora Dilma Rousseff, também afastada do cargo, no Palácio da Alvorada. O povo quer saber!

ELEONORA SAMARA

eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

Cartões corporativos

Antes de Dilma Rousseff pensar em usar gravações do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado para justificar o golpe que ela diz ter sofrido, sugiro que a presidente afastada nos explique detalhadamente como foi que, de janeiro de 2011 a dezembro de 2014, a União conseguiu gastar R$ 245 milhões nos cartões corporativos, e a metade desse valor foi escondida dos contribuintes que pagam suas contas! O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) cobra uma auditoria nos gastos dos cartões da Presidência e é justo que ele saiba que tem gente interessada em saber também! O povo quer e merece saber, visto que o resultado do desgoverno do PT está nas ruas procurando emprego: 11 milhões de desempregados, infelizmente, até agora...

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

OPERAÇÃO LAVA JATO

Gravações

As gravações de Sérgio Machado, divulgadas com pompa e circunstância esta semana, não mostram até agora grandes novidades. Os protagonistas ou já estão há tempo sob investigação na Operação Lava Jato – casos de Romero Jucá e Renan Calheiros – ou nunca foram flor que se cheire quanto ao comportamento moral e ético, caso de José Sarney. A intenção de alguns políticos de abafar a Lava Jato tampouco é coisa nova, e os fatos mostram que essa intenção nunca se concretizou na prática. Muito pior e mais grave é o conteúdo das gravações de Dilma Rousseff, Lula e Aloizio Mercadante, que até agora não deram em nada. A quantas andam?

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Vacinada

De acordo com Carlos Ayres Britto, poeta, acadêmico, jurista e ministro do Supremo Tribunal Federal de 2003 a 2012, a Operação Lava Jato está vacinada contra os ataques realizados pelos políticos que se escalpelam, se matam, esperneiam e fazem qualquer coisa para escapar do julgamento em Curitiba. A Lava Jato, capitaneada pelo juiz Sérgio Moro, é composta de advogados e promotores jovens e bem preparados, estudiosos e praticamente invencíveis em sua luta contra velhos advogados medalhões que têm nome reconhecido, mas são anacrônicos. Os jovens de Curitiba têm se mostrado incorruptíveis e usam técnicas modernas de investigação, conhecem a história da Mani Pulite, a Operação Mãos Limpas, da Itália, e sabem como combater as tentativas de mudança da legislação sobre as delações premiadas, arma poderosa da Lava Jato.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

A delação como defesa

A prática da delação premiada, que tem tido o seu reconhecido valor em desvendar alguns desvios de dinheiro público, pode estar-se tornando, para alguns corruptos espertalhões, num meio de se prevenirem para escapar de possíveis condenações. Como fazem? Executam capciosamente gravações clandestinas com proeminentes figuras da política e, com perguntas aparentemente amigáveis, induzem o interlocutor a declarações que possam depois ser usadas em delação, para escaparem do cumprimento de alguma pena por condenação de seus crimes. Isso está acontecendo exatamente agora, como é do conhecimento de todos. Senhores juízes, não entrem nessa armadilha abjeta.

TERCIO SARLI

Terciosarli.edicoes@r7.com

Campinas

Cortina de fumaça

Não se enganem, o surgimento de suspeitas sobre vários nomes de políticos, que devem ser exemplarmente punidos, no fundo é só cortina de fumaça para desviar a atenção do grande chefe da quadrilha: Lula.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

A vez de Pedro Corrêa

O ex-presidente Lula está preocupado com as delações que têm aparecido envolvendo seu nome. Agora aparece o ex-deputado Pedro Corrêa (PP), preso pela Lava Jato em Curitiba, que em delação acusa o ex-presidente de ter sido o gerenciador de todo o esquema de corrupção na Petrobrás. Lula ainda teria pressionado o ex-presidente da Petrobrás José Eduardo Dutra pela nomeação de Paulo Roberto Costa na diretoria da estatal. Se Lula já demonstrava receio de ser preso, agora deve demonstrar ainda mais. Quer um conselho, sr. ex-presidente? Vaze para Cuba enquanto pode.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

MERCADO DE TRABALHO

Modernização

Em artigo bem fundamentado por quem já foi ministro do Trabalho e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Almir Pazzianotto Pinto (Desemprego, o problema, 27/5, A2) sugere cinco pontos-chave para modernizar a legislação trabalhista brasileira: 1) aprovação de uma lei sobre terceirização; 2) reconhecimento da validade do recibo de quitação passado por empregado; 3) supremacia do negociado sobre o legislado; 4) substituição da Carteira de Trabalho e Previdência Social por cartão eletrônico; e 5) redução do prazo prescricional de dois anos para três meses. Só o ponto 3 seria um grande avanço para o Brasil, que, aliás, faz parte do documento Ponte para o Futuro, lançado pelo PMDB.

JOSÉ PASTORE

j.pastore@uol.com.br

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A PRAGA DO BRASIL

Parece que a praga da corrupção nasceu aqui e está difícil a sua extinção. Quase todos os políticos foram acusados ou denunciados, como alguém já disse, não escapa ninguém. Ela começa na rua, quando um cidadão oferece propina ao guarda para não ser multado por avançar um sinal e por aí vai, dos pequenos delitos se chega aos grandes crimes: matar, roubar e desviar recursos públicos. Por isso o presidente em exercício precisa ser muito cuidadoso em suas escolhas, afinal, tem muita gente que poderá ser aproveitada e ainda tem ficha limpa. Somos todos brasileiros confiantes e esperançosos na condução dos nossos destinos nas mãos do novo governo, que seja novo de verdade!

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

São Paulo

*

MARACUTAIA

Cidadãos eleitos senadores, deputados federais, estaduais e vereadores têm como missão primordial legislar. Este é o verbo e a ação que devem tomar. Quando assumem missões no Executivo, passam a usar os seguintes verbos: trair, pois seus eleitores não o elegeram para isto, e roubar, pois a maioria assume sem ter a menor vocação para o que foi designado e ainda se envolve em maracutaia. A mídia divulga estes comportamentos à exaustão.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TOMA LÁ DÁ CÁ

A única relação de troca que deveria haver na política brasileira é o toma lá meu voto e dá cá os meus direitos como cidadão pagador de impostos. Enquanto não for assim, o País não conseguirá sair do círculo vicioso em que está metido há nada menos do que cinco séculos!

Muda, Brasil!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

LAVA JATO

Com os resultados expressivos desde a sua criação em 2014, a operação Lava Jato é a maior operação policial de todos os tempos. No entanto, passados mais de dois anos do início das investigações e ingressando em sua trigésima fase, ainda não foi capaz de colocar as mãos nos caciques do PMDB e do PSDB.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

COMO SEMPRE

Na política brasileira, como sempre, mudam-se as “moscas”, mas a obra continua a mesma...

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

                                                               

*

O FUTURO DO BRASIL

O governo de Temer é semelhante ao governo dos coronéis do sertão. Poucos mandam e quem tem juízo obedece. Os coronéis lutam entre si e medem forças. O governo Dilma é socialista, com ministérios, secretarias e assessores em demasia. Não parece autoritário, mas é. O ideal é um governo democrático, de ideias cristãs e onde o diálogo seja o mais importante. 

Paulo Roberto Girão paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza 

*

POVO HONESTO, GOVERNO HONESTO

Exclua-se a ideologia política. A polarização que há no País é entre os que trabalham, produzem e pagam escorchantes impostos contra os que pouco trabalham, pouco produzem, mas se beneficiam dos impostos pagos pelos primeiros. São, em resumo, meros parasitas. Nesta asquerosa categoria, encontram-se pessoas comuns, pobres e ricas, brancos e negros, empresários, profissionais liberais, artistas, que, beneficiados das benesses que o governo petista lhes concedeu, venderam suas almas e consciência. Qual a diferença destes em comparação com os políticos que nos tungam há décadas (séculos, talvez)? Certamente a única é o valor pago a cada um. Qual o porcentual de incorruptíveis em nossa sociedade? 0,00001%? O seu (nosso) país é este, resultado do que você (e todos nós) construiu, para o bem e para o mal. Quando "impeachamos" Dilma, assumimos nossa falta de competência para escolher quem nos pode levar adiante.

Quando vemos quem colocamos em seu lugar, ratificamos esta incompetência. Como disse Leandro Karnal: não existe país corrupto com população honesta. O que temos hoje, gostando ou não, é nada além de nosso próprio retrato.

Jorge Luiz de Andrade Agostinho Diniz seugonca252@gmail.com

Jandira

*

PERIGO

Neste momento, se Temer viajar ou ficar doente, Waldir Maranhão vira presidente. O escárnio tomará o pódio e o brasileiro que votou nessa corja, terá, enfim, o presidente que merece.

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

*

CORTES NA EDUCAÇÃO

O que esperar da educação? Passado o processo de mudança no governo federal, em que a gestão do País segue interinamente sob o comando de Michel Temer, novas medidas econômicas foram anunciadas, o que deve refletir diretamente na educação brasileira. A proposta, que será apresentada pelo presidente em exercício ao Congresso, é de que os gastos com saúde e educação sejam incluídos na regra que limita a evolução das despesas públicas à inflação do ano anterior. Que um ajuste nas contas públicas é necessário é indiscutível diante da crise que enfrentamos. O planejamento e a execução de um orçamento eficiente movem o social, isto é, as políticas públicas voltadas ao bem estar da população. Não há caminho que desvie da economia. Em todo caso, é sempre preocupante mexer em áreas determinantes para o desenvolvimento do Brasil, como a educação. Principalmente quando se fala em afrouxar as determinações constitucionais de aplicação mínima para o setor, em 25% para Estados e Municípios, e 18% para a União. As regras atuais não garantem plena educação de qualidade, é verdade, mas o risco de redução de repasses pode agravar o problema. Nós, professores, conhecemos bem o gosto amargo da escassez de verba para a área, tanto que estamos há dois anos sem reajuste salarial, sob a desculpa da crise. E agora surge a possibilidade de regras flexíveis, que são a abertura para governantes deitarem e rolarem. Por que começar apertando a educação, quando há dezenas de cargos comissionados e privilégios infinitos para autoridades que podem ser cortados? Educação é investimento. Preocupa-nos a ideia de reduzi-lo.

José Maria Cancelliero 

São Paulo

*

DILMA E O ‘GOLPE’

Em minha opinião Dilma Rousseff não foi uma boa presidente. Dilma Rousseff  não tem  condições de conduzir bem nosso país. Porém ela não está sendo vítima de golpe, e sim de uma emboscada!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CARTÃO CORPORATIVO 

Eu, como todo brasileiro que tem esse direito, gostaria de saber quais foram os gastos do cartão corporativo da Dilma.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas 

*

DIFICULDADE PARA GOVERNAR

É decepcionante a atitude de "brasileiros" tentando interferir na administração provisória com manifestações de todo o tipo que só afundam ainda mais o País. Só podem ser os interessados em não perder a boquinha daquele governo corrupto. Será que não chega de governo Dilma, essas pessoas não enxergam a situação a que chegamos. O Brasil estava totalmente sem pé nem cabeça, tudo atrapalhado, com dívidas de todos os tipos, desemprego, inflação, enfim, num buraco sem fundo. Essa falta de bom senso deve atrapalhar e muito a recuperação do País. Seria muito mais simples se Dilma fosse cassada definitivamente, essa condição de governo "paralelo" tentando atrapalhar a nova administração (governo provisório) é absurda! Vamos por um ponto final definitivo na administração do PT, só assim poderemos recuperar o País e colocá-lo devidamente nos trilhos. Já pagamos muito por essa situação calamitosa. 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

ASSUMINDO O GOLPE

Agora entendi por que a presidente Dilma não afastou nenhum ministro acusado de corrupção e outros malfeitos, (não foram poucos), pois teria de aceitar que ela mesma estava dando um golpe.

Luíz Frid  luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

LIMPEZA NA ADMINISTRAÇÃO

A limpeza que vem sendo feita na administração pública, direta e indiretamente toma por norte a “despetização”, a eliminação dessa ideologia e de seu patrulhamento. Os cargos de confiança devem ser ocupados por pessoas concursadas e que reúnam atributos de mérito, já que a sindicalização e banalização da gestão levaram o País ao enorme déficit e a uma crise sem precedentes.

  

Yvette Kfouri Abrao  abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

A CONTINUIDADE DA CORRUPÇÃO

O atual e brilhante discurso dos petistas é o seguinte: corrupção por corrupção, vamos continuar com a corrupção do PT.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

ERROS E ACERTOS

O sr. Eugênio Bucci em seu artigo Temer errou com a EBC (A2, 26/05) critica o governo em exercício por anular um ato do governo afastado, que nomeou o sr. Ricardo Melo presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), nomeação essa efetuada poucos dias antes do afastamento da presidente Dilma. O referido afastamento foi um acerto. Erro será não afastar todos os petis-

tas que não passam de uma quadrilha que está a assaltar o País e que é a maior responsável pela degradação ética e moral jamais vista na história da Nação.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas 

*

DECISÃO ACERTADA

Eugenio Bucci erra ao afirmar que Ricardo Melo, corretamente defenestrado da EBC, "é profissional competente e respeitado pelos seus pares". Creio que essas atribuições sejam daqueles que frequentam a ECA/USP, principalmente de alguns alunos que praticam o chamado "estudo continuado" e fazem de tudo para nunca terminar o curso. Na verdade, Ricardo Melo é partidário, parcial, além de externar posições bastante controversas e questionáveis, principalmente quando era colunista de um jornal de grande circulação, que mais parecia o Diário Oficial do trio PT, PSOL e Rede. O "competente jornalista" questionava a legitimidade do Estado de Israel, defendia o terror palestino, elogiava a política externa do Brasil com ditaduras africanas e centro-americanas e, ainda, fazia ode ao governo do PT, que acabou com a economia brasileira. Eugenio Bucci deveria rever as suas amizades!

Frederico d'Ávila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo 

*

FIM DO APARELHAMENTO

Discordo, com veemência, do artigo de Eugênio Bucci. A intervenção feita na EBC foi corretíssima, com o objetivo de acabar com o absurdo aparelhamento de um órgão de comunicação estatal, que deveria ser neutro. Gostaria de saber uma única coisa: é verdade que o sr. Aderbal Freire Filho recebe R$ 91 mil por mês?

Marco Torres marcogtorres@me.com

São Paulo

*

O PT E A VENEZUELA

Há 13 anos, quando ainda acreditava na grandeza do Partido dos Trabalhadores, não imaginava que o PT deixaria a Venezuela cometer os mesmos erros que governos brasileiros anteriores fizeram e, comprovadamente, não deram certo: tabelamento e congelamento de preços, Estado de Emergência, controle de câmbio, entre outros. Acompanhei as reportagens sobre a Venezuela nesses anos todos e não vi nenhuma tentativa de alerta, nem a Chávez nem a Maduro, sobre isso. Vi sim medidas no Brasil que poderiam ter-nos aproximado do caos da Venezuela. 

Regina Moretti Ferrari Ferrari ferrari@tavola.com.br

Santana de Parnaíba

*

O PROBLEMA NOSSO É O BRASIL 

Discordo de algumas pessoas ligadas à política e ao  jornalismo que cobram do Brasil a participação em busca de uma solução para a gravíssima situação da Venezuela, como fazem a Argentina, o Uruguai e o Chile. Em minha modesta opinião, essas pessoas esquecem  de alguns detalhes que levam  o governo atual a se manter  distante  e sem qualquer disposição de se meter nos assuntos venezuelanos.  Para toda a América Latina nós somos estranhos por não  termos origem hispânica, não falarmos a mesma língua e a inveja em dispormos  de um imenso território de 8,5 milhões de quilômetros  quadrados  que ocupam quase 50 % da América do Sul, onde do Oiapoque ao Chuí tudo é possível  plantar e colher ainda  que não aproveitados, como deveria ser. Hipocritamente,  países  vizinhos só  bajulam o Brasil quando lhes  interessa que nosso país venha  a investir em projetos de retorno apenas para eles e prejuízos para nós. Antes de pensar nos problemas da Venezuela,  o Brasil tem que resolver os seus. 

Laércio Zanini  spettro@uol.com.br

Garça  

*

PLANO DIABÓLICO

Nicolas Maduro é antes de tudo um homem de visão, discreto como um agente secreto, capaz de antever os próximos passos de seu maior inimigo, Barack Obama. Maduro descobriu o plano secreto de Obama de lançar dois mil moinhos de vento em todo o território venezuelano, com seus gigantescos aviões cargueiros. Maduro realizou manobras militares, uma preparação para enfrentar o exército de moinhos de vento. A possibilidade de derrotar os moinhos é pequena e o povo está sendo preparado para passar por muitas dificuldades. Pobre povo venezuelano que tem um ditador sem carisma, sem estudo, sem saída para a armadilha que a Revolução Bolivariana de Hugo Chávez deixou como herança. O maior perigo são as armas (um milhão de fuzis AK 47 comprados da Rússia por Chávez e  25 caças de última geração Suchoi 30 - supercaças).

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

São Paulo

*

NOVO FOCO

Será a razão dos protestos contra a visita do ministro José Serra a Buenos Aires o fato de os esquerdistas encostados terem percebido que a "boquinha" acabou? Que agora, focados em seriedade, os governos brasileiro e argentino irão centrar seus esforços no crescimento econômico e mirar em suas relações com os grandes mercados (EUA, Europa e Ásia)? 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

ELEIÇÕES NOS EUA

Vá entender o eleitor. Nos EUA a candidata democrata Hillary Clinton está, segundo as últimas pesquisas, tecnicamente empatada com o candidato republicano Donald Trump. O outro candidato democrata, que ainda está na disputa com a Hillary, é Bernie Sanders, mas tudo indica que a indicada será Hillary. O curioso, para não dizer hilário, é que também, segundo as mesmas pesquisas, se o candidato democrata fosse o Bernie Sanders, este venceria Donald Trump por larga margem de votos e que a rejeição tanto a Hillary quanto a Trump chegaria a 50%. Aí o eleitor diz "não estou entendendo nada". Não dá para entender! Os dois prováveis candidatos são rejeitados pela metade da população e o que não será candidato venceria o Trump com larga margem de votos. Que forças ou interesses levam o Partido Democrata a manter a Hillary? 

Panayotis Poulis  ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SELVAGERIA

O Brasil está passando por várias crises dentre elas a educacional. A reportagem veiculada na mídia sobre um estrupo coletivo de uma menina, com o envolvimento de trinta jovens e divulgado na Internet, com deboches, mostra a que nível chegamos. Nem animais selvagens fariam tal barbaridade. Urge que a educação seja a principal  bandeira desse novo governo. 

Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

RAÇA HUMANA?

O Rio de Janeiro, que é estupendo e sempre terá uma paisagem linda, a poucos dias de ser palco do maior evento esportivo do mundo, foi cenário de um crime terrível, difícil até de relatar.

 

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

 ESTUPRO COLETIVO NO RIO

A questão do bárbaro caso de estupro de uma jovem no Rio, por um grupo de marginais, não reflete apenas a cultura machista de nossa sociedade, mas outros pontos podres mais.  

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas 

*

PUNIÇÃO PARA O ESTUPRO

Para o estupro coletivo existem excelentes soluções: castração química ou pena de morte (coletivas, de preferência). O que os parlamentares ainda estão esperando para aprovar essas medidas?

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo SP

*

 ESTUPRO DE VULNERÁVEL

O estupro coletivo sofrido por uma menor de dezesseis anos no Rio de Janeiro, que escandalizou o país, faz parte da escalada da impunidade com que convivemos diariamente depois que o PT tomou o poder. O ex-presidente Lulla logo que tomou posse afirmou que a sociedade era a culpada pela criminalidade, por causa da “desigualdade social”. Só que em treze anos em vez de diminuir essa desigualdade, dando educação de qualidade, recebemos em troca 11 milhões de desempregados, o que piora a situação.  A bandidagem recebeu o aval de um presidente que “entendia as massas” e toda a sociedade de bem ficou refém, como “nunca antes neste país”. A jovem teve sorte de não ter sido assassinada, porque morre no País uma mulher a cada duas horas. Mais de 45 mil são estupradas e apenas 1/3 delas tem coragem de denunciar. Essa é a pior das heranças malditas do PT, porque fere mortalmente as geradoras de vida. Vergonha!

Beatriz Campos  beatriz.campos@uol.com.br

 

São Paulo

*

VIOLÊNCIA

Este estupro coletivo de uma adolescente no Rio, que chocou o país e até a imprensa internacional, fez com que o presidente Temer providenciasse a criação de uma Delegacia da Mulher na PF. O ministro da Justiça convocou uma reunião com os secretários de segurança estaduais, para tratar do combate a violência contra a mulher. Aproveite e trata logo da violência como um todo, contra a mulher, contra os homens, contra as crianças, contra os idosos.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MUDANÇAS NECESSÁRIAS

Impunidade e lei retrógrada estimulam o estupro, tanto é verdade que, de 10 anos para cá, houve um  aumento de quase 700% de casos,

culpa única e exclusiva de penas brandas, tão brandas quanto as  aplicadas aos  menores  de 18 anos, nossos   legisladores

se  esqueceram de  que  estamos  em  pleno ano de 2016, mas  sujeitos às  leis e penas de mais de 50 anos  atrás. Ou será  que  um 

jovem de 16/17 anos de hoje é e pensa como um jovem de 16/17 anos de 50 anos atrás?

Arnaldo De Almeida Dotoli

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

MARCHA PARA JESUS

Fantástica a concentração evangélica desta última quinta-feira (26/5). Nosso País está atravessando por momentos difíceis e com prognósticos não muito alvissareiros. As cartas foram postas na mesa, o jogo está indefinido e propenso a não ter um fim que satisfaça as mínimas necessidades de treze milhões de desempregados e de outros tantos de inadimplentes e quase falidos. Tomara que a fé demonstrada por essa multidão consiga fazer com que os deputados e senadores eleitos cumpram o prometido a seus púlpitos.

Aloisio De Lucca  aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.