Fórum dos Leitores

GRAVAÇÕES TELEFÔNICAS

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2016 | 03h00

Roteiro

As gravações telefônicas feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado constituem o escândalo nacional dos últimos dias. Tanto pelo seu conteúdo quanto pelas figuras que envolveram. O desconforto é generalizado e, se analisadas fora de contexto, as peças podem levar a consequências desastrosas, típicas da figura popularmente conhecida como “abraço de afogado”, em que o indivíduo em perigo, na tentativa de salvar-se, agarra-se a outro e ambos acabam perecendo. Mesmo contendo trechos embaraçosos, os diálogos não indicam o cometimento de crimes, até porque opinião sem ação não constitui delito. Ainda mais: essas gravações, até onde sabemos, não foram executadas com autorização judicial e, nessas condições, pouco ou nada valem. Romero Jucá, Renan Calheiros e José Sarney conversaram com Machado em caráter particular, algo parecido como atitude de solidariedade humana ao amigo metido em encrencas. Tudo o que ali foi dito, é bom entender, foi mediante provocação de um roteiro de conversa que o autor montou ardilosamente para utilizar os amigos importantes como escudos protetores das acusações que apontam em sua direção.

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

O valor das conversas

“Só uso o telefone para marcar encontro, e no lugar errado”, disse certa vez Tancredo Neves. Sábias palavras, mas aparentemente ignoradas por quem deveria tê-las levado em consideração. Exemplos não faltam. Um fulano comprovadamente fora dos parâmetros que a dignidade sugere combina com grampeadores. Então, liga para “detonáveis” e, como bom provocador, arranca, com aquele Português da zona, afirmações boçais, talvez inspiradas por Baltasar Gracián, que recomendava “falar como o vulgo, mas pensar como os sábios”. Pena que só a primeira parte dessa dica tenha sido seguida. Que o sr. Sérgio Machado não é uma vestal parece claro. Dizer que seus interlocutores não valem grande coisa seria insistir no óbvio, mas foi o que as urnas pariram. Fica a pergunta: qual o valor dessas gravações no processo de aperfeiçoamento das instituições democráticas? No seu amargo, porém confortável exílio, a presidente afastada aplaude.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Águas turvas

Sérgio Machado, por motivos inconfessáveis, liga para políticos desavisados, conduz maliciosamente a conversa para pescar em água turvas, envolvendo seu interlocutor, que desabafa querendo dele logo se livrar. Trata-se de reles forjador de flagrantes plantado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para desestabilizar o sistema político brasileiro. O homem é perigoso!

WALTER ROSA DE OLIVEIRA

walterrosa@raminelli.com.br

São Paulo

Desesperança

Horas de gravações e não se encontra, nas conversas de importantes próceres da Nação, nenhuma menção a qualquer ação para ajudar o Brasil nem sombra de alguma preocupação com a população brasileira. Apenas tramas e tramoias, dignas de gângsteres. Não surpreende, mas deixa um gosto triste e amargo de desesperança.

NATALINO FERRAZ MARTINS

natalino.martins@uol.com.br

São Paulo

Armação

Todas essas gravações envolvendo figuras das mais importantes da República são também uma grande armação para enfraquecimento do governo Temer. Portanto, muito cuidado com análises precipitadas. O PT e seus asseclas fazem qualquer coisa para voltarem ao poder. Qualquer coisa mesmo. Se já fizeram o que fizeram (mentiras nas eleições, pedaladas, BNDES...), imaginem para a volta ao poder. É uma guerra em que vale tudo!

JOSE PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

GOVERNO TEMER

O teste das instituições

Gostemos ou não do presidente interino, ele assumiu o poder dentro da legalidade e, como tal, merece respeito e apoio do povo brasileiro, inclusive dos que votaram em Dilma Rousseff, pois foi sufragado juntamente com ela. Neste momento turbulento em que a cada dia surgem novas revelações desabonadoras envolvendo os principais políticos do País, parece-nos que a República virá abaixo. E é exatamente nesta hora que as instituições precisam estar atentas e firmes na defesa da ordem jurídica, para que a Nação não seja envolvida num turbilhão de agitadores de ocasião, descambando para a desordem. No Estadão de 26/5, o professor de Ciência Política Francisco Ferraz se expressou de forma clara: “(...) só a democracia atrapalhava a implantação cabal do seu (do PT) projeto de poder”. E mais: “a crise do PT decorre da negação da realidade”. Portanto, o Judiciário, o Congresso Nacional e o Executivo têm a responsabilidade de administrar a situação atual de forma a punir os responsáveis por tantos crimes, sem precisar fazer este “pacto” que alguns sugerem para deixar tudo como está. Urge, então, que o processo de impeachment siga seu curso normal, dentro do rito estabelecido pela Suprema Corte, para o País retomar os rumos do crescimento econômico, da ordem e da justiça social dentro das liberdades democráticas.

JOÃO M. VENTURA

joaomv@terra.com.br

São Paulo

Na gaveta?

Por que o Congresso Nacional ainda não aprovou nem toca no assunto das Dez Medidas contra a Corrupção, propostas pelo Ministério Público Federal, que tiveram 2 milhões de assinaturas e foram entregues ao Congresso em março? Seriam, a meu ver, a única chance de estancar a corrupção deslavada deste país. Isso, sim, seria um ponto de união entre todos os brasileiros. Uma causa nobre e única.

NEZA CEZAR

nezacesar@icloud.com

São Paulo

VIOLÊNCIA

Estupro coletivo

Depois de tantas notícias ruins para o País (corrupção, microcefalia, dengue, etc.), só faltava este estupro coletivo de uma garota de 16 anos no Rio de Janeiro às vésperas da Olimpíada.

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Pela primeira vez um presidente da República, interino ou não, reúne todos os secretários de Segurança para punir o estupro de meninas e mulheres. Cumprimento Michel Temer pela extraordinária atitude.

EVA ALTERMAN BLAY, coordenadora do Escritório USP Mulheres

eblay@usp.br

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

LEIS E SALSICHAS

 

Otto Von Bismarck, grande estadista alemão, afirmou que “Leis são como salsichas. É melhor não ver como elas são feitas”. No Brasil, em razão da fiscalização sanitária e da seriedade dos produtores, temos salsichas confiáveis ao consumo. Quanto aos nossos "fazedores de leis", graças às últimas gravações reveladas, começamos a ter uma ideia de como agem. É inacreditável como não possuem o menor respeito àqueles que o elegeram. Tratam de assuntos do interesse nacional como mafiosos do Estado de Direito, julgando-se acima das instituições basilares brasileiras. José Sarney e Eduardo Cunha, mesmo fora do poder, continuam atuando como verdadeiros capos, aliados a Renan et caterva. Essa turma é de tão baixa qualidade que não serviriam nem para recheio de salsicha. Causaria intoxicação.

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto  honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto

*

BENDITOS ÁUDIOS

Os áudios contendo conversas telefônicas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do presidente do Senado Renan Calheiros e do ex-presidente José Sarney confirmam que eles procuravam uma maneira de prejudicar as atividades da Operação Lava Jato. Sarney mostrou grande preocupação com a delação premiada da equipe da Odebrecht. Renan Calheiros deverá prestar depoimento na Polícia Federal, segundo decisão de Teori Zavascki, pois é investigado por suposta participação no esquema de desvio de dinheiro da Petrobras. Os áudios de Lula, divulgados em meados de março, envolvendo a presidente afastada, Dilma Rousseff, são bastante comprometedores, no que se refere à posse como ministro de Estado e o conveniente foro privilegiado. Portanto, o juiz Sérgio Moro ainda tem pela frente grandes obstáculos a transpor para alcançar de forma definitiva os principais coordenadores dessa gigantesca quadrilha organizada, que assaltou os cofres da maior empresa estatal brasileira. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

GRAVAÇÕES

Fiquei revoltado com o teor das conversas entre Renan Calheiros, José Sarney e principalmente a fala de Sérgio Machado (este elemento desqualificável) com ataques a Rodrigo Janot chamando-o de “mau caráter” Este procurador-geral da República tem mais caráter do que os três juntos, todos envolvidos em diversos processos da Operação Lava Jato. Janot é uma figura que analisa todos os casos a ele submetidos com lisura, imparcialidade e honestidade. É um dos poucos baluartes que ainda restam para combater a nefasta corrupção embutida em todos os níveis governamentais e que projeta certa esperança para que este país se converta num lugar melhor para todos os brasileiros. Parabéns, sr. Rodrigo Janot, por sua corajosa atuação no crítico cenário em que nos encontramos.

Filip Riwczes filipriw@gmail.com

São Paulo

*

LAVA JATO

Embora não se esperem boas notícias, é estarrecedor obter provas de que Renan Calheiros votou a favor do impeachment motivado por uma hipotética limitação da Lava Jato. Trata-se de uma conspiração contra a Justiça. Mesmo que tais provas tenham sido obtidas por atos de traição, de gravação de telefonema a suposto aliado, que as entregou a fim de ser premiado em julgamento. E José Sarney, ex-presidente da República, também está envolvido no conluio. Não há nenhuma atitude de honradez na cúpula do PMDB. Aliás, é preciso lembrar Cunha: e o Maranhão?  Conclusão: O PMDB desabará da mesma forma que o PT.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo 

*

ACOVARDADOS

Com o vazamento seletivo desta semana, quem se acovardou foram os deputados federais e senadores e não o Judiciário. 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo 

*

AGONIA

Ante os surpreendentes e impactantes fatos e acontecimentos políticos que vem abalando o País, nunca antes em sua história um dito popular foi tão oportuno e pertinente: "Cada dia com a sua agonia." 

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo 

 

*

DESESPERO DA OLIGARQUIA

 

Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado da República, ataca Rodrigo Janot dizendo que é ele “mau caráter”. Mentira e desespero à vista. José Sarney, também do PMDB, procura meios de afastar e prejudicar a Lava Jato. Assim, a oligarquia do Norte/Nordeste está em polvorosa, porque tudo indica que mais roupa suja vai aparecer futuramente. Depois dos benefícios que a Lava Jato trouxe para o País, ainda querem cercear as investigações? É injusto e inaceitável!

José Carlos de Carvalho Carneiro  carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

STF

As penas dadas aos condenados pelo Mensalão foram tão ridículas que tempos depois mediante artifícios fora da curva tornaram os condenados inocentes. Já o juiz Moro dentro da lei atribui penas decentes. Os crimes são os mesmos. Esta observação para mim é suficiente para afirmar que os membros do STF não têm condições técnicas para fazer julgamentos criminais. E muito menos morais, pois julgam culpados que em algum momento os colocaram nestas posições. No meu ponto de vista deveriam se sentir impedidos de fazer tais julgamentos. Estes delitos não têm nada de constitucionais. É bandidagem pura e simples.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DEZ A ZERO PARA A JUSTIÇA!

Agora é oficial, Rodrigo Janot, procurador-geral da República, afirma ser legal o grampo da conversa entre Dilma e Lula, quando da malfada nomeação do ex-presidente para ocupar a Casa Civil, onde ficou muito claro que tal atribuição tinha como principal objetivo, obter o famigerado e disputadíssimo foro privilegiado.  Prevaleceu o bom senso do Supremo, que não homologou tal indicação. 

Luis Fernando Santos luffersanto@bol.com.br

Laguna (SC)

*

SILÊNCIO NO STF

Os ministros do STF são citados a todo o momento pelos políticos, em especial pelos investigados, e mantêm um silêncio ensurdecedor. Não está na hora de os srs. ministros acabarem com esta pantomina? 

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

DIÁLOGOS ENTRE CULPADOS

O diálogo de Sarney com Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, foi um verdadeiro diálogo de culpados e

mafiosos, principalmente quando o ex-presidente Sarney disse que a Odebrecht é uma metralhadora.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotli@uol.com.br

São Paulo

*

LAMAÇAL

Depois de ouvir as gravações, gostaria de dizer ao nobre senador Renan Calheiros que quem está de fato indignada é a sociedade brasileira, que não suporta mais tanta canalhice.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

REFORMA POLÍTICA

Para os políticos brasileiros, os direitos dos eleitores não existem, só deveres.  Só pensam neles. Conhecendo uns aos outros, elegeram para presidente do Senado e da Câmara políticos típicos, com vários processos “tartarugando” no STF. Para as próximas eleições, todos os atuais políticos devem ser descartados e o Tribunal Superior Eleitoral só deve aceitar pessoas com ficha limpa e diploma universitário, sem foro privilegiado, com aposentadoria igual à do INSS  e só salário e apartamento funcional, nada de mais adendos. Quem não estiver satisfeito, não se candidate. Tem mais: reduzir em 50% os números de deputados e senadores, além do tempo de discurso a 5 minutos, em quaisquer casos. 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

NINGUÉM ESCAPA

A única frase que interessa nessas gravações sórdidas é: da Lava Jato, não escapa ninguém.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

O GIGANTE DORMECIDO ACORDOU?

É incrível como as gravações divulgadas estão repercutindo no meio político nacional.  Tal realidade, entretanto, dizem expertises no assunto, terá o poder de regenerar daqui em diante, a gestão pública entre nós.  Se isso de fato se concretizar, temos tudo para daqui a alguns anos, nos igualarmos às grandes nações líderes na questão ética da coisa pública. O gigante adormecido finalmente acordou!

 

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

PT E A BANCARROTA NACIONAL

Francisco Ferraz, em seu artigo “Não é o Brasil que está em crise, é o PT" (A2, 26/5), desmonta toda a "produção" impediente de alcançar a essência, para apresentar a face suja do poder, que durante 13 anos consecutivos, "contaminou", na dicção do articulista, "o sistema político, social, econômico e cultural". É isso. Quando se diz que toda a classe política receia o andamento da Lava Jato é porque tudo está putrefato. Mediante negativas veementes, a classe política tenta esquivar-se de uma operação, que, sim, vem se aproximando feito um rolo compressor. E os empresários? Os "untouchabes"? Estão sendo atingidos no momento em que a Justiça lhes suprime um valor que, para alguns (poucos), é mais importante do que o patrimônio, qual seja, a liberdade. Isso porque ousaram copilotar o País, com o governo espúrio do PT. O que se destrói em 13 anos, não se ajeita em curto prazo. Paciência. É o que resta ao País doente.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

OS DONOS DO BRASIL

Na conversa gravada entre Sérgio Machado e Romero Jucá, o primeiro descreve Marcelo Odebrecht como “o dono do Brasil”. Irritado, Luiz Cláudio Lula da Silva advertiu: “Quem manda neste país é o meu pai”. Insatisfeito com as investigações da PF, o então presidente Lula declarou que Sarney “não é uma pessoa comum”. Ao contrário de Cuba e Venezuela, dois países que contam com a simpatia petista, o Brasil tem PF que funciona e um Judiciário independente. 

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

OS TEMPOS SÃO OUTROS

O cidadão Jose Sarney ainda pensa e age como se estivesse em seu feudo denominado Maranhão. A Lava Jato vai mudando o Brasil e, somente ele, Sarney, ainda não percebeu que os tempos são outros.

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava 

*

QUANTO VALE?

Quanto está valendo um cargo de ministro no Planalto? Tem gente pagando muito para se blindar das "garras" de Sérgio Moro. 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

AVANTE, BRASIL!

Pelo visto o juiz Sérgio Moro irá nos devolver novamente o orgulho de sermos brasileiros!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

DESVARIO

Após cinco anos de desregramento petistas, com medidas alucinantes levando à péssima situação em que nosso País se encontra, tenhamos um pouco de compreensão com a procura do atual governo Temer na tomada de medidas para reverter  a conjuntura. Esperar da oposição e seus fiéis comparsas um gesto de grandeza é como enxugar gelo.

Mario Junior Cobucci  maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

AS TETAS ESTÃO SECANDO

Diz a lenda que na política esqueletos são depositados em armários. O presidente interino Michel Temer, na sua tarefa hercúlea de esvaziar armários do governo petista com seus infindáveis esqueletos, tem na Empresa Brasil de Comunicação uma verdadeira falange de descarnados com um formidável inchaço de funcionários/militantes da causa petista. Enquanto o País gemia e rangia os dentes num quadro dantesco jamais visto, a TV Brasil, cuja finalidade era fazer propaganda de Lula e Dilma, mantinha em seus quadros verdadeiros nababos, tais como Aderbal Freire Filho, que tem um programa semanal sobre teatro e recebe R$ 68 mil mensais. Aderbal é casado com a atriz Marieta Severo do grupo de artistas que apoia Dilma. Luís Nassif tem contrato anual de R$ 761 mil, Paulo Moreira Leite, R$ 279 mil; Emir Sader, R$ 227 mil; e Tereza Cruvinel, R$ 182 mil. A EBC deverá passar por um "pente fino" provocando um choque nos milhares de militantes que deverão engrossar  as quilométricas filas de desempregados.

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras 

*

ABSURDO DO ABSURDO

O absurdo do absurdo do PDT, em primeiro lugar, não é seu presidente interino e sim seu presidente em exercício. Como ele poderia dirigir o País com uma trupe de bandidos e incompetentes contumazes? Impossível! Estaria fadado ao insucesso e a morte literal do Brasil.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

LULA SONHADOR

Lula já sonha alto com a crise que atingiu o governo Temer. Imagina que Dilma possa voltar ao cargo e poderá, porque neste momento a nossa política está nas mãos do imponderável... Lula candidamente sugere que se proceda a um plebiscito para antecipar as eleições presidenciais. Tudo para tentar reerguer o PT e a si próprio. Lula pare e pense: você também é carta fora do baralho, o povo brasileiro abriu os olhos e te enxergou na sua exata dimensão. Deixe as coisas correrem e vá brincar no pedalinho do seu sítio. 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CLIMA AUSTRAL

Dilma tem sim uma grande vantagem em relação à Lula: por estar acostumada ao frio de Porto Alegre, não terá problema de adaptação em Curitiba.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

OUTRO NOCAUTE?

A insistência de Dilma em lutar pelo seu mandato me induz a pensar que ela age com má-fé. Aliás, sempre agiu assim considerando as mentiras ditas durante esses 5 anos e meio. Os votos do Senado já seriam suficientes para defenestrá-la de vez. Vai querer mais o quê? Outro nocaute? 

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TRISTE REALIDADE

Este país é realmente atípico! O Partido dos Trabalhadores deixou o País com o maior índice de desemprego de todos os tempos. Se não fosse verdade, seria engraçado.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

QUANTO ANTES MELHOR

 

Muito feliz e oportuno o Editorial de ontem do Estadão. A primeira prioridade do Brasil é o afastamento definitivo tanto da sra. Dilma Rousseff como do PT. Desde que o povo acordou e compreendeu o desastre que foi o governo do larápio Lula e de seus asseclas, aí incluído o seu poste, este foi o grande objetivo e o primeiro. Embora tenhamos de manter a vigilância, a Lava Jato ainda não foi afetada pelos arreganhos dos políticos envolvidos na roubalheira, comandada pelo gangster inescrupuloso. Fora, Dilma! Fora, PT! Lula na cadeia.

 

Carlos Ney Millen Coutinho cncoutinho@uol.com.br

Rio de Janeiro 

*

HERANÇA & LEGADO

As delações confirmam: mal recebida a "herança maldita", o "sindicato da futrica" logo instalou a "república da maracutaia".

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FUNDO DO POÇO

Pelos últimos acontecimentos chego à conclusão de que o Brasil não está no fundo do poço... Está no fundo da fossa!

Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com

São Paulo

*

ROMBO NA EBC

Ao abrir a caixa preta da Empresa Brasil de Comunicações (EBC), que sob o reinado petista se transformou numa de máquina de propaganda do partido de Lula, o que se constatou foi que a empresa mantinha contratos suspeitos com muitos blogueiros simpáticos ao PT, que usavam funcionários e equipamentos da EBC na produção de material. Alguns contratos variavam de R$ 50 mil s anuais destinados à realização de programas, a R$ 14 milhões anuais, para exibir a série B do campeonato paulista de futebol, todos devidamente cancelados. Até o momento o rombo é de R$ 60 milhões no caixa da empresa. Com a palavra o colunista Eugênio Bucci.

Paul Forest paulforest@uol.com.br

São Paulo

*

GASTO JUSTIFICÁVEL NA EBC?

Seria o caso de Eugênio Bucci (artigo: Temer errou com a EBC) explicar o que fez de bom até agora a EBC. Algo que justifiquem os gastos tão elevados pagos pelo povinho miserável, que muito provavelmente nunca viu nem ouviu falar dessa estatal. Qual é o seu índice de audiência?  Sem grandes teorizações descoladas da realidade, por que devemos mantê-la?

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo 

*

GOVERNO GLUTÃO

O governo de Brasília sempre manobra para ferrar os contribuintes. Exemplo:  se você comprou uma ação na BMF há dez anos e a vender após esse anos com um lucro de 10%, vai pagar imposto sobre o "lucro", desconsiderando a inflação dos 10 anos. 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

MISTÉRIO, MAS NEM TANTO!

Perguntar não ofende: onde será que  o  governo Dilma Rousseff gastou os R$ 170 bilhões? Certamente não foi em educação, saúde, geração de empregos ou segurança. 

 

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

O DRAGÃO ESTÁ DE VOLTA 

A menos de 15 dias, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (PNAD). A pesquisa é realizada trimestralmente, por meio de amostra de domicílios em todo território nacional. Constatou-se o aumento do número de pessoas desocupadas (desempregadas) vem aumentando substancialmente nos últimos trimestres. É o chamado dragão do desemprego, que tem deixado milhares de pessoas em pânico. Quando observamos que cerca de 11,1 milhões de pessoas no Brasil estão desocupadas, com tendência de mais demissões, isso traduz crescimento de quase 46%, quando comparamos os primeiros trimestres de 2016 e 2012, ou seja, quase 3,5 milhões de pessoas perderam sua ocupação principal. Na região Metropolitana de São Paulo, por exemplo, o crescimento foi de 608 mil desocupados, isso representa aumento de 72% no número de desempregados. Hoje o Brasil tem 3,8 milhões de jovens, com idade entre 18 e 25 anos, sem emprego. Essa é a tradução em número de pessoas da faixa de desemprego nessa faixa etária – total que, de acordo com a PNAD, bateu 24,1%. Vale lembrar que, embora essa faixa etária tenha sempre ostentado porcentuais acima da média geral de desemprego, raramente a diferença foi tão gritante: 10,9% ante os já citados 24,1%. Conter a ameaça que paira sobre os jovens de hoje, em especial os que já se encontram em situação de vulnerabilidade, é responsabilidade inadiável de toda a sociedade. Afinal, sem o capital humano de qualidade e qualificação todos nós podemos descartar a esperança de transformar o Brasil em um país mais rico, menos desigual. Não há mágica, os governos municipais, estaduais, federal e os empresários têm de fazer sua parte, e não só reclamar da crise econômica e política.                       

                                      

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

ESTUPROS E BANDIDOS

Triste e trágico o episódio do estupro coletivo no Rio de Janeiro. Os jornais transbordam de protestos de entidades do direito e grupos de direitos humanos e feministas, e nas redes sociais o assunto é exaustivamente tratado. Políticos, sobretudo os de esquerda, surfam na onda de indignação, e fazem seu protesto contra uma tal “cultura do estupro”, que ninguém sabe explicar do que se trata exatamente. O mais próximo a uma cultura que justifique o estupro, sobretudo o coletivo, é o islamismo brucutu do Estado islâmico, que legitima o estupro, e para quem o estupro coletivo é um jogo, que tem até nome: “Taharrusch”. Não sendo este o caso no Rio de Janeiro, o que se deu foi a ação de bandidos, de traficantes que há muito tudo podem. Ora, se podem traficar, se podem matar, sequestrar, ditar as suas leis para população local, certamente imaginam que podem fazer estupros coletivos. Os mesmos que gritam agora contra aquela barbaridade, gritam mais alto ainda quando se exige penas maiores para os bandidos ou quando a polícia os reprime. É um corolário básico do estudo do crime: não havendo punição, o criminoso tenderá a se tornar mais ousado e mais violento. O que se viu no Rio de Janeiro foi resultado disso: muita tolerância, pouca repressão, muita justificativa “social”. Não dá para ter direitos humanos que visam a apenas o direito do criminoso, e muito raramente o das vítimas. Não dá para atacar o crime, poupando o criminoso. 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ESTUPRO COLETIVO

É chocante, bárbaro, insano, desumano, cruel, impiedoso, duro e implacável o estupro coletivo que foi realizado em uma favela da zona norte do Rio de Janeiro. A sensação de nojo deste crime nos envergonha perante o estrangeiro. Nós não estamos na Idade Média e exigimos que os culpados sejam punidos exemplarmente. Devem ser punidos também aqueles que fizeram comentários maldosos na Internet. Este crime deve ser estudado com profundidade. 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.