Fórum dos leitores

ALERTA GERAL

O Estado de S. Paulo

19 Junho 2016 | 03h00

Temos de ficar muito atentos nos próximos dias. Ontem ouvi a candura com a qual Renan verbalizou a "necessidade" de mudar os termos da delação premiada, certamente temeroso pelo fato de que Brasília tenha virado de pernas para o ar com as informações de Sérgio Machado, já contando com novas ondas de delação. De um lado, Renan, ameaçado, deixa-nos inquietos. De outro lado, a defesa de Lula entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para que as investigações contra ele não cheguem a Sergio Moro, mas permaneçam nas mãos dos juízes do STF. Entendo a preocupação de Lula... Mas existe algo muito mais intimidador a nos ameaçar e de forma  concreta que são os vários Projetos de Lei (PLs) apresentados pelo deputado Damous, todos no sentido de desmontar a Lava Jato, tirando a maior ferramenta que tem para elucidar crimes e apontar criminosos: a delação premiada. No mesmo balaio, tenta também reverter a decisão do STF que permite prisão de condenados em Segunda Instância. Damous argumenta que a sua intenção é conter os exageros cometidos na Lava Jato. Claro, como petista que é lhe incomoda ver toda a equipe de Lula na prisão. Esses PLs deveriam estar sendo mais discutidos pela mídia de forma didática, para que não sejamos pegos de surpresa no dia da votação, pois seu conteúdo interessa à maioria dos políticos do Congresso que se sentem atemorizados pela Operação Lava Jato. Projetos de Lei como este costumam ser votados na calada da noite!  Atenção, fiquemos alerta!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PALANQUE ELEITORAL NO SENADO

Os nobres senadores da República estão utilizando o seu tempo durante os trabalhos da Comissão de Impeachment para fazer campanhas políticas. Esse insensato comportamento deveria ser punido com rigor pelo presidente dessa Comissão, o senador Raimundo Lira. O contribuinte brasileiro, que está desembolsando uma fortuna, dispensa esse tempo excessivo para o julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff. Sabemos há muito tempo que foi confirmada a intenção de Dilma, durante a campanha eleitoral de 2014, no sentido de esconder a real situação financeira do País. Portanto, temos a convicção de que as manobras realizadas por Dilma constituem claramente crime de responsabilidade. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

DELAÇÃO E ELEIÇÕES 

A esta altura da gravíssima e interminável crise política sem precedentes na história do País, com nomes importantes de sete partidos já citados nas denúncias de delação premiada nas investigações da Operação Lava Jato, parece que não sobrará nenhum candidato conhecido em condição de elegibilidade para as eleições de 2018. Em quem será possível votar?

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PAÍS À DERIVA

 

Lamentável a condução da Presidência pelo sr. Temer, parece um pisca-pisca, ora pende para um lado ora pende para outro. Com essas atitudes demonstra total fraqueza e insegurança, o que anula as poucas esperanças que tínhamos de um governo firme, capaz de enfrentar as adversidades, tal como fazia a saudosa Margaret Thatcher. A grande maioria dos ilustres representantes do povo tem o rabo preso e é por esse motivo que somente empresários foram julgados e presos até agora. E onde ficam os políticos corruptos envolvidos nas negociações que parcialmente quebraram o Brasil? Por que eles não vão presos? Infelizmente não dá mais para acreditar em ninguém do Poder Público, o País está à deriva e o dá cá, toma lá, tomou conta do governo.

 

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo

*

JOGANDO O JOGO

Cristovam Buarque faz docinho. Quer se fazer de difícil. O sonho é valorizar o próprio passe. O indeciso senador anunciou que já foi paparicado por Dilma e por Temer, mas ainda não se decidiu com quem vai ficar. Vai se deliciando com o café quente dos dois. Se bobear muito, vai ficar no escuro. Sozinho e vendo navios.  Este joguinho maroto não cativa mais o eleitor. É preciso mostrar a cara. Até errar, mas jamais se omitir. Cristovam vai embalando e levando no beiço Dilma e Temer. Assim, também permanece ganhando migalhas do noticiário político. 

Vicente Limongi Netto  limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

A BOLA DA VEZ

Ao emergirem as primeiras suspeitas de “malfeitos“ do presidente em exercício Michel Temer, urge que se apure com rigor e, se comprovados, encaminhe a respectiva denúncia  para a consequente punição.  Este rito, no entanto, não deve interferir nos processos de cassação  de autores de outros “malfeitos”, devidamente comprovados por meio de  competentes relatórios já aprovados pelos organismos responsáveis, como os de dona Dilma e de Eduardo Cunha.  Assim, obedecidos   os preceitos constitucionais, os brasileiros de bem exigem  que   cada qual a seu tempo,  responda  pelos atos indignos que praticaram, fazendo a fila andar com a menor  comoção possível. Portanto, nada de malabarismos jurídicos, que só servirão para prejudicar ainda mais esta nação.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

*

O IMPÉRIO DA CORRUPÇÃO

Não há dúvida de que a gestão do interino Temer é muito superior à gestão da afastada Dilma. As diferenças são enormes e o Brasil tem motivos para acreditar que poderá sim sair da crise comandado por Temer. O problema é que as diferenças são apenas na gestão, todo o resto do governo interino é idêntico ao governo afastado. O mesmíssimo esquema de desvio de dinheiro público envolvendo as estatais e as empreiteiras, que foram descobertos na gestão Dilma pela operação Lava Jato, já era largamente usado pelo PMDB, partido presidido por Temer. O PT não inventou nada de novo quando assumiu o governo 13 anos atrás, apenas continuou jogando o jogo, com as regras que já estavam estabelecidas. Aparelhou as estatais com seus membros e levou a arrecadação de propina a patamares nunca antes imaginados. Seria uma enorme traição se a Petrobrás tivesse sido privatizada antes de o PT colocar suas mãos nela, isso explica a fúria anti-privatização que foi um dos pontos mais explorados na primeira campanha de Lula. O primeiro passo para o Brasil deixe de ser o império da corrupção é privatizar as empresas estatais, principal fonte da corrupção e da incompetência que arrasaram o País.  

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

MENTIRAS OU VERDADES

Se os delatores estão mentindo, que tal cobrar da Polícia Federal (PF) que apresente as provas e liquide de vez a pendenga? Que tal a PF dizer se o delator está mentindo ou não? E assistimos os supostamente os envolvidos se esperneando para justificar o que, se for verdade, é injustificável, e, se for mentira, não há porque espernear. O fato real é que o Ministério de Temer está caindo como a carreirinha de dominós.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Paulo

*

A HORA DE MEIRELLES

Fica cada vez mais evidente que o esquema de corrupção instalado no Brasil desde 2003 vai rapidamente chegar ao governo Temer e ao PSDB. Assumindo que Temer será destituído pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e que teremos eleições indiretas para presidente em 2017, o único candidato que parece ser viável é Meirelles. 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

A VOLTA DE DILMA

O governo interino de Michel Temer está sob pressão e pisando na bola, mas eu continuarei firme apoiando a continuação deste governo até 2018. Inclusive estarei presente fazendo minha parte nas novas manifestações marcadas para dia 31/7 na Avenida Paulista. Temos de mostrar que nada mudou e que queremos Dilma longe do comando deste País, pois não existe algo pior, impensável e inadmissível do que a volta de Dilma, Lulla e a turma da boquinha petista. Deixaram nosso País doente. O Brasil terá de tomar remédios fortes e amargos para se livrar destes vermes.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO TEMER

O presidente Temer declarou que "tem sido uma guerra" seus primeiros 30 dias de governo. Acredito, mas não podemos esquecer que ele e o PMDB estiveram juntos com o PT nos últimos 13 anos, portanto já sabia do pepino que teria pela frente Em guerra,  presidente Temer,  está o povo para sobreviver, com desemprego, com sistema de saúde falido e assistindo e ouvindo as delações contra políticos companheiros do senhor que estão nos roubando desde sempre. Algumas perguntas, caro presidente, tem político pobre passando dificuldades? Quem está pagando a defesa dos políticos amigos seus, pois sabemos que são advogados caríssimos. Alguém fiscaliza os honorários desses advogados? Os pagamentos são feitos no exterior? Pois é, presidente, vamos continuar em guerra por muito tempo.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

CRIAÇÃO DE CARGOS

O Editorial de quinta-feira (A3, 16/6) comentou a atuação dos  vereadores de São Paulo. Urdiram com agilidade a criação de 660 novos cargos. Ou seja, 12 novos comissionados para cada "edil". O projeto foi protocolado, em uma  terça-feira, lido em plenário na quarta-feira e aprovado no dia seguinte "em primeira votação". Felizmente, o Tribunal de Justiça bloqueou. Essas figuras, só legislam em causa própria, são nefastas e bizarras!

J.Perin Garcia  jperin@uol.com.br

São Paulo

*

TRISTE REALIDADE

Os parlamentares, ao invés de tentar de qualquer jeito dar um basta na Operação Lava Jato, deveriam pensar como podem ajudar a coibir o fato de políticos toparem tudo para chegar ao Congresso e ao Planalto. Assim, estariam contribuindo para melhorar nossa imagem e estabilizar a sangria das nossas riquezas, protegendo os cofres públicos contra a voracidade desses "cupins" que tudo devoram, deixando a população nessa situação de penúria, onde está faltando tudo, desde recursos para pagar servidores, aposentados e pensionistas, até para custear despesas hospitalares. O pobre coitado do eleitor inculto vota ouvindo discursos bonitos, que nada têm de verdadeiros, pois esquecem tudo quando tomam posse. Sem a participação da sociedade pensante, nunca conseguiremos atingir os níveis dos países civilizados, onde a lei e a ordem prevalecem.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NINGUÉM MERECE

Pior do que saber das cifras envolvidas na roubalheira é ouvir delatados afirmando que processarão delatores por "danos morais"...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

LAVA JATO

O PT, que ficou no poder 13 anos, 4 meses e 12 dias, está permanentemente tentando extinguir a Lava Jato. Para o PT, a honra da Nação não interessa, o que interessa somente é a manutenção dos bandidos de estimação impunes!- sobre o artigo: A Lava Jato é ameaçada (José Nêumanne, A2, 15/6).               

Arcangelo Sforcin arcangelosforcin1@gmail.com

São Paulo

*

LULA QUIETO

Será verdade?  Ninguém faz nada,  se ele se candidatar a presidente de uma hora pra outra,  ninguém o prende mais,  ele ganha fácil!  Vamos ter de aturar essa praga! 

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br 

São Paulo

*

LULA E O STF

Gostaria de sugerir ao Estadão que iniciasse uma campanha no sentido de que o STF, em especial ao Exmo. Ministro Teori Zavascki, que devolva os processos contra Lula para o juiz Sérgio Moro.  É um absurdo o ministro Teori ter "engavetado" este assunto, já que Lula não tem mais direito a nenhum foro privilegiado.  Surpreende-me o silêncio absoluto sobre este assunto, incluindo toda imprensa nacional.

Paulo Motta psmotta@globo.com

São Paulo

*

 

NADA MAIS RESTA

Nada mais resta ao Brasil, senão fechar para balanço. Esses políticos nos envergonham perante o mundo, tirando o sonho de milhares de brasileiros que procuram dias melhores e encontram em sua frente maus exemplos de seus representantes. 

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

E O REI E A RAINHA?

O delator Sérgio Machado saiu denunciando todos os súditos e oficiais da maior corte de corrupção do mundo, até de uma eloquente súdita, dita comunista, notável em pronunciamento contra o impedimento, mas se esqueceu de mencionar quem seria o rei e a rainha da corte da corrupção.

José Rubens joserubens@federmacedoadv.com.br

São Paulo

*

LIMPEZA NA POLÍTICA

Com as revelações de Machado é o momento de saber se será uma passagem a limpo da coisa pública no País ou uma passagem para a impunidade, tendo por base outros corruptos e corruptores já presos e condenados.

 

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Campinas

 

*

MUDANÇAS 

Mais uma agradável surpresa (11X 9 na votação contra Cunha). Do jeito que as coisas andam até começo acreditar que o Brasil está mudando, mesmo contra a vontade da maioria da classe política.

Luiz Nusbaumlnusbaum@uol.com.br

São Paulo

GOLPE?

 

Cinquenta e quatro milhões de votos são os argumentos da Dilma para alardear que o Impeachment é golpe, mas não lhe dão segurança nem confiança para desfrutar, em voos de carreira, da companhia de quem a elegeu.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

São Paulo

*

MORADORES DE RUA 

Ao mandar recolher colchões e papelões dos moradores de rua, Haddad mostrou a sua completa incompetência e insensibilidade para cuidar dos problemas de São Paulo. Pergunto: é “isso” que quer ser reeleito?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

AUMENTO DOS PLANOS DE SAÚDE

Quero aqui fazer meu protesto contra os aumentos abusivos dos planos de saúde. As operadoras dos planos não fazem mais planos individuais, apenas coletivos por adesão. Assim, fica-se à mercê de aumentos não regidos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Ao completar 59 anos, tive aumento de 137,56%! E agora, mais 19,36%! Entrei duas vezes no Juizado de Pequenas Causas e as duas juízas não consideraram o aumento abusivo! Porque consta em contrato. Mas as operadoras burlam a lei, pois, pelo Estatuto do Idoso, não pode haver aumento após 60 anos e o fazem abusivamente aos 59. Assim, continuamos ao Deus dará!

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

TRUMP 

O provável candidato à presidência dos EUA pelo Partido Republicano, Donald Trump, dá um tiro no pé ao reiterar as suas convicções islamofóbicas, após o sangrento atentado de Orlando. Trump insiste em induzir o povo americano a acreditar que o combate eficaz ao terrorismo passa necessariamente pela xenofobia. Tolice fascistóide rasteira, que a maior parte do eleitorado americano saberá reconhecer. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

O alarme soou

As ameaças contra a Operação Lava Jato, antes só percebidas nas conversas gravadas de diversos figurões da nossa vergonhosa classe política, agora estão tomando corpo. A ridícula cobrança do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB-RS), para que a Lava Jato tenha um término é a primeira investida concreta contra a operação. Como se a Lava Jato tivesse prazo de validade. Alguém precisa explicar a este senhor que a Operação tem de continuar enquanto aparecerem coleguinhas – dele inclusive – corruptos, o que parece não ter fim. A segunda ação que destaco aqui foi a despudorada declaração do presidente do Senado, Renan Calheiros – um indivíduo que tem contra si uma dúzia de processos por corrupção tramitando no Supremo Tribunal Federal (STF) e que recebeu R$ 30 milhões em recursos ilícitos de uma empresa fornecedora da Transpetro, segundo seu ex-presidente delator Sérgio Machado –, afirmando que vai analisar se acolhe ou não um pedido de impeachment contra o procurador-geral da República, dr. Rodrigo Janot. Na verdade, este senador é que tem de ser afastado do cargo que ocupa, ter seu mandato cassado, perder o foro que o protege e ir para a cadeia. A sociedade tem de estar atenta a essas tentativas contra os que lutam contra a corrupção no meio político e, se necessário, manifestar-se ruidosamente nas ruas.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

Doa a quem doer

Prezado ministro Padilha, a Lava Jato é intocável, doa a quem doer. Qualquer manobra para barrá-la é que deixaria o País ingovernável. A população não iria gostar nem um pouco...

MARIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

Regentes?

Calheiros analisa pedido de impeachment do procurador-geral da República e Lula entra com representação na Procuradoria-Geral da República contra o juiz federal Sérgio Moro. O primeiro tem vários processos dormindo no STF. O segundo foi beneficiado pelo Supremo com a anulação de prova contundente, que o Brasil inteiro ouviu: o áudio da conversa que teve com Dilma Rousseff em que combinavam a entrega acelerada do termo de posse de Lula como ministro, o que lhe garantiria foro privilegiado. E agora? Quem rege o País: a lei ou a influência política dos corruptos mores da Nação?

REINALDO F. MOTA JUNIOR

reinaldojr8@hotmail.com

Praia Grande

Vida longa

Ao contrário de Eliseu Padilha, Renan Calheiros, José Sarney, Romero Jucá, Michel Temer, Jader Barbalho, Aécio Neves, Lula, Dilma Rousseff, Eduardo Cunha, etc., etc., etc., desejo muitos anos de vida à Lava Jato.

DARCY MARTINO

darcymartino@hotmail.com

São Paulo

Mais joio do que trigo

A Lava Jato está passando o Brasil a limpo. Ela vem nos mostrando que na política brasileira há mais joio do que trigo. Ela não pode acabar, como querem aqueles que constroem verdadeiros impérios com os tributos recolhidos da população e que não se sensibilizam com o sofrimento do próximo. Sabemos, agora, quem são os homens que há décadas estão no poder não para trabalhar para o bem da Nação, mas, sim, para praticar todo tipo de desonestidade em busca do enriquecimento fácil. O eleitor brasileiro precisa estar atento para não cair, nas próximas eleições, na lábia de cafajestes. Prestemos atenção: não caindo na Lava Jato, não deve ser rato.

JEOVAH FERREIRA

jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

Escândalos a valer

Delações e escândalos de corrupção estão estampados em todas as mídias, apesar de praticamente seu conteúdo não ser nenhuma novidade. Exceto o modus operandi, em geral os personagens e as propinas diversas são velhos conhecidos do consciente coletivo nacional. De forma intuitiva, todo mundo já sabia. Mas o Congresso adulterar a proposta que impede a nomeação de diretores de empresas estatais por políticos (que foi apresentada dia destes, meus senhores!) e a possibilidade de o STF mudar seu entendimento de que réus julgados em 2.ª instância já sejam presos, aumentando a chance de impunidade e diminuindo o temor de criminosos, isso, sim, é um escândalo de proporções monumentais, um acinte e um assassinato de brasileiros pelas mãos das mais altas instâncias do País.

MARIA C. AVILA HUPPERICH

mcarlota.sp@hotmail.com

São Paulo

Sábia decisão

O ministro presidente do STF, Ricardo Lewandowski, adiou sine die a discussão sobre a mudança da regra que permite a prisão do réu após o julgamento na 2.ª instância, que seria discutida na reunião de 22 de junho. Foi uma sábia decisão, pois, de acordo com o delator Sérgio Machado, muitos políticos que ocupam hoje cargos importantes demonstraram interesse em modificar a decisão anterior daquele tribunal. A alteração seria feita pelo Congresso Nacional, inconformado com a determinação do STF, que, na prática, acabou com os recursos (as chicanas). Nossa legislação permite tantos recursos aos réus que aqueles mais abastados podem contratar advogados para conduzir seu processo com tantas contestações que muitos crimes acabam prescrevendo. Atualmente, a Lava Jato nos faz conhecer um número inimaginável de roubos aos cofres públicos. Para a população resta a impressão, senão a certeza, de que o País é governado há anos por uma poderosa quadrilha que rouba o dinheiro público em quase todas as atividades da política nacional. Nossos congressistas já deveriam ter se convencido de que os tempos estão mudando e de que a sociedade não vai mais aceitar nenhum tipo de cambalacho.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Enquanto isso, no Paraná

Se, por um lado, a Operação Lava Jato, liderada por representantes do Poder Judiciário e do Ministério Público do Paraná, demonstra estar em sintonia com o que anseia a sociedade brasileira no século 21, por outro lado, as ações judiciais movidas em caráter intimidatório por magistrados e promotores desse Estado contra jornalistas do jornal Gazeta do Povo provam que muitos destes servidores ainda estão estacionados no século 19. Pior do que ter os privilégios e regalias indecentes devidamente divulgados à população, que paga a conta, é essa atitude provinciana, inaceitável e imoral de senhores que deveriam ser os guardiões da lei. Se o Paraná tem orgulho do seu Poder Judiciário, agora também tem motivos para dele se envergonhar.

SANDRO FERREIRA

sandroferreira94@hotmail.com

 

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.