Fórum dos Leitores

OPERAÇÃO LAVA JATO

O Estado de S.Paulo

23 Junho 2016 | 03h00

Pressão popular

Pedro Barusco, ex-diretor da Petrobrás, prometeu devolver US$ 100 milhões e Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, R$ 75 milhões, ambos do esquema de propina da Petrobrás. Além do envolvimento de muitos outros na corrupção na petrolífera, em boa parte das outras estatais também havia o mesmo esquema de desvio de dinheiro público. Isso sem falar da corrupção em níveis estadual e municipal Brasil afora. Estima-se que 15% do Produto Interno Bruto (PIB) do País seja desviado todo ano dos cofres públicos. Isso explica a falência da União, bem como de Estados e municípios, com reflexos importantes em saúde, educação, etc. A sociedade deve manter vigilância constante e cobrar do Congresso Nacional o avanço das 10 Medidas contra a Corrupção propostas pelo Ministério Público Federal, o performance bond na prestação de serviços de empresas ao governo, etc. Só a pressão popular pode forçar mais seriedade no trato da coisa pública pelos políticos.

PAULO DE TARSO ABRÃO

ptabrao@uol.com.br

São Paulo

Triste conclusão

À medida que o cidadão honesto vai tomando ciência da roubalheira praticada neste país, sob os olhos da Justiça, que até aqui parece a mais injusta, vai ficando um sentimento de indignação, revolta, injustiça, desesperança e decepção. Senão vejamos: o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, em sua delação, confessou a propina recebida, citou políticos e expôs a prática de um de seus filhos ao lidar com investimentos. Todos são milionários. A pena para o senador? Uma tornozeleira em casa, com todo conforto de que seu lar dispõe, por três anos. O roubo? Bilhões, mas Machado vai devolver cerca de R$ 75 milhões, sendo R$ 10 milhões 30 dias após sua homologação e R$ 65 milhões parcelados em 18 meses. Conclusão: neste país o crime compensa, principalmente aos olhos daqueles que se matam de trabalhar para ter algum bem. Inaceitável a pena que se dá aos bandidos assaltantes dos cofres públicos. Está muito difícil de educar os jovens com tantos maus exemplos.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

‘Canalhocracia’

Como denominou o eminente professor Roberto Romano em seu excelente artigo no Estadão de 19/6, o Brasil criou um novo sistema político, com algo em comum entre a Operação Lava Jato e a Operação Mani Pulite, na Itália: a canalhocracia. Na Itália, já sabemos o resultado: depois de algum tempo, conseguiram, por meio de cambalachos, jogar por terra a limpeza ética no Judiciário e na política daquele país. Na prática, muito pouca gente foi condenada e, como resultado, os italianos ainda viram assumir o governo a figura no mínimo polêmica e populista de Silvio Berlusconi. Aqui, no Brasil, nós ainda estamos em pleno andamento da Operação Lava Jato. Temos de estar vigilantes, pois já existe uma operação abafa contra a Lava Jato, um grande acordão envolvendo governo, Congresso, Senado e STF, em Brasília. Senhores, olho vivo e faro fino em cima dessa gente, ou teremos uma grande decepção ao fim de todo este processo.

HENRIQUE SCHNAIDER

hschnaider4@gmail.com

São Paulo

Idiotice

Idiotice pura daqueles que tentam abafar a Operação Lava Jato, e maior idiotice ainda a do senador Renan Calheiros, presidente do Senado, se cogita de aceitar pedido de impeachment do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Faz-nos dar atenção ao apelido de “o cangaceiro do Congresso”, como o chamou Delcídio Amaral. Entendam, o Brasil é outro, agora corruptos e bandidos vão para a cadeia – Papuda ou Curitiba.

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

O quinhão do Judiciário

Chama a atenção a insistência com que intelectuais responsabilizam os políticos pela canalhice que impera neste país. Esquecem-se dos membros do Poder Judiciário que, mancomunados com os Poderes Executivo e Legislativo, enfiam a faca nos contribuintes sem dó nem piedade. Remanescentes da monarquia apreciam como ninguém o status, a opulência e a impunidade, como se verifica na escandalosa pressão a que estão sendo submetidos os jornalistas do jornal paranaense Gazeta do Povo.

AUGUSTO CÉSAR FURTADO

furtadocesar@hotmail.com

São Paulo

Paradoxo do Paraná

O mesmo Estado onde a Operação Lava Jato, de maneira exemplar, faz uma reforma na política nacional, observamos a tirania de quem teoricamente deveria respeitar as leis. O comportamento de magistrados e promotores do Paraná no caso da Gazeta do Povo é lamentável. A propósito, o verdadeiro juiz se deveria opor aos privilégios do Poder Judiciário, como alguns poucos desembargadores e juízes já fizeram ao recusar o reajuste salarial de até 41,47% (até 2019). Inacreditável que a própria Justiça renegue a justiça social quando o assunto é o benefício próprio. No momento em que o País deveria se unir para buscar a igualdade postulada na Constituição, a Lei Orgânica da Magistratura pretende ampliar estes benefícios imorais. Esperamos que uma parcela expressiva da magistratura e do Ministério Público pressione para que tais benefícios deixem de ser oferecidos, fortalecendo o respeito da população pelo Poder Judiciário.

ROBERTO FOZ FILHO

robertofoz@gmail.com

Jundiaí

GREVE NA UNIVERSIDADE

Aulas secretas

Ainda temos salvação! Fiquei feliz com a notícia de que Greve faz docente dar ‘aula secreta’ em faculdade (Estado, 22/6, A14). Aqui, em Bauru, já me manifestei contra esta irresponsabilidade dos grevistas da Unesp. A paralisação nas universidades estaduais paulistas me lembra o tempo da ditadura, quando nós, estudantes, tínhamos de nos reunir secretamente. Agora, a luta é contra a ditadura desta esquerda retrógrada do “antigolpe”, do desarranjo econômico e do desemprego.

JOSÉ ANTONIO GARBINO

ja.garbino@gmail.com

Bauru

OLIMPÍADA 2016

Onça Juma

Lamentável o assassinato a tiros de uma onça acorrentada após festa do revezamento da tocha olímpica no Amazonas. Que povo somos nós? O que fazia aquela onça na ridícula cerimônia de uma Olimpíada num país que não a merece? Faço minhas as palavras de Arnaldo Jabor (Estado, 21/6, C8): “Somos uns miseráveis cercados de miseráveis por todos os lados”.

LEDA TEREZINHA MARCHIORI

ledaterezinhamarchiori@gmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

POLÍTICO ‘EXEMPLAR’

Ouvindo a entrevista de Eduardo Cunha me senti profundamente envergonhado por, em algum minuto de minha vida, ter duvidado da inocência de tão cândida criatura. Após sua magnífica defesa, onde demonstrou toda a retidão de seu caráter, sua insofismável inocência e seu inabalável senso público e político em ajudar o País nessas angustiantes horas, fiquei com a alma lavada e a certeza de que o Brasil está salvo, pois temos em nossa casta de dirigentes os dois seres mais honestos do Planeta e, quiçá, de todas as galáxias – Lula e Cunha.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

SEM VERGONHA

A capacidade de o deputado Eduardo Cunha tripudiar sobre a inteligência das pessoas é absolutamente inacreditável!

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

EDUARDO CUNHA/LULA

Se Lula e Cunha não forem encaminhados para jogar dominó no xadrez, depois de tudo que já foi descoberto e provado na Operação Lava Jato, é melhor repensar este país. Não poderemos mais conviver com esses bandidos, que fazem o que querem e nada acontece contra eles! Tudo bem que, depois de algum tempo, irão pra casa com uma tornozeleira, mas que algo tem de acontecer não temos a menor dúvida. O povo e o País não merece esta impunidade.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

EDUARDO CUNHA – IMPEACHMENT

Na concorrida entrevista coletiva que deu em Brasília (20/6), o presidente afastado da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse que: “Livrar o Brasil de Dilma e do PT será uma marca que terei a honra de carregar”. De fato e sem lugar à dúvida, que a ele seja creditada a dívida do País por este importante e decisivo marco na sua história.

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

LULA

Se já não bastasse a tristeza de ver o País na profunda depressão econômica em que está, ter de assistir ainda Lula, leve, livre e solto se fazendo de vítima, aí já é demais!  

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

TOGADOS

E mais uma vez a nossa Corte Suprema desconcerta a sociedade, na medida em que, assoberbada por processos, alguns há anos parados, envolvendo autoridades suspeitas de atos de corrupção, que deixariam qualquer Justiça democrática mundo afora em permanente estado de constrangimento pela demora de um desfecho e respectiva punição, desperdiça seu precioso tempo para tornar réu o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), por ter ele, em 2014, respondido publicamente, em termos desrespeitosos, a uma ofensa igualmente pública e igualmente desrespeitosa feita contra ele pela deputada Maria do Rosário (PT-RS). Não há dúvida de que se trata de episódios lamentáveis, exibidos em um recinto que deveria primar pelo debate respeitoso de questões de interesse da população. Entretanto, constatar que os togados, dos quais se  esperam coerência e dedicação a assuntos de importância real e imediata, praticam suas nobres atividades no exame de uma arenga entre dois parlamentares mal comportados, além de deixarem transparecer aquela desconfortável sensação de viés ideológico, que paira permanentemente no ar. É desanimador!

Paulo Roberto Gotac pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DESCRÉDITO SUPREMO

Ao perder seu tempo (e nosso dinheiro) discutindo bate-boca entre deputados, o Supremo Tribunal Federal (STF) só contribui para aumentar o descrédito de nossas instituições. 

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo 

*

JUSTIÇAMENTO

Dificilmente esta carta será publicada, pois fere as regras do jogo no Brasil atual. Mas tenho que dizer: o politicamente correto “justiçou” mais um: Jair Bolsonaro. A deputada estava alterada, por causa do posicionamento de Bolsonaro a favor da redução da maioridade penal e de punições severas a estupradores e interrompeu uma entrevista que ele dava, insultando-o na frente das câmeras. Ofendido, Bolsonaro perdeu a cabeça e reagiu de forma infeliz e confusa, o que lhe rendeu um processo no Supremo Tribunal. Ao que parece, alguns ministros da primeira turma do STF não consideraram que não há nada demais em ser chamado de estuprador. Todavia, alguns homens, como Bolsonaro, ainda ficam transtornados, não assumindo a máxima dos últimos dias de que “todo homem é um estuprador”. Cumprindo uma pauta da esquerda, joga-se fora as leis e o bom senso para punir seus inimigos, mobilizando para isso toda a militância, alojada nos mais variados meios. Goste-se ou não do deputado, o que se viu ontem no Supremo Tribunal Federal foi o já tão conhecido “justiçamento”. Acusar Jair Bolsonaro, defensor da castração química para quem comete este crime, é uma piada de mau gosto. 

M.Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

BOLSONARO, RÉU?

Mais uma vez o STF exorbita usando um poder indevido para decidir uma questão de natureza cultural. "Cultura do estupro", sem definição clara do que seja, é a nova expressão que passa a decidir julgamentos e a influenciar costumes e comportamentos do povo, já atordoado e confuso com a escala de valores do País, que elimina a fronteira entre o certo e o errado. Colocar um deputado na condição de réu, por causa de uma troca de insultos entre ele e uma deputada, e não colocá-la na mesma forma por tê-lo insultado de estuprador, somente prova que o País está perdendo o pouco do bom senso que ainda lhe resta.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

CONTROLE OS IMPULSOS

Deputado Jair Bolsonaro, por favor, contenha um pouco os seus impulsos, todos sabemos da sua indignação, afinal, seus pares no Congresso nos decepcionaram diante de tanta bandalheira, mas ainda nos resta um pouco de esperança em homens como o senhor e o juiz Sérgio Moro. Precisamos muito dos dois para incentivar cada vez mais a luta contra o estado calamitoso de corrupção que se instalou no País nesses últimos 13 anos! Sonhamos com dias melhores a partir da Operação Lava Jato! Ela conseguiu interromper esse ciclo maléfico que causou a quase falência do País e destruiu nossa maior empresa estatal. Com a ajuda de gente honesta, que continua trabalhando pela recuperação e o bem de todos, iremos vencer os maus e reconquistar muita coisa perdida. A grande verdade é que os processos contra os poderosos são engavetados por preguiça ou cumplicidade. Vamos trabalhar pelo País e em nome do povo.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

1 X 0

Que Justiça é essa que não incrimina a deputada gaúcha do PT Maria do Rosário que chamou Bolsonaro de "estuprador" e, quando ele revida à altura, com a frase: "Não a estupro porque você não merece", é declarado réu pelo STF? Errou ele sim, mas e ela, não? Quem não respeita o outro, não pode exigir ser respeitado. Ou será que estou errada? Já antecipo que não sou eleitora de Bolsonaro, mas me sinto agredida pela injustiça cometida. O favorecimento no julgamento se deu pelo fato de ela ser mulher? Aí, sim, sinto-me mais agredida, pois isso indica um protecionismo que não combina com a propalada igualdade de gênero!  No meu entender, a decisão do STF deveria ser pautada pela isonomia e isenção. E não foi.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

TSE X BOLSONARO

A primeira Turma do STF parece que não lê a Constituição Federal que textualmente estabelece no seu “Artigo 53: “Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”. Hoje á tarde aceitaram a denúncia contra o deputado Jair Bolsonaro por sua entrevista em que descreveu o  incidente ocorrido com a deputada Maria do Rosário. No vídeo do referido incidente, fica claro que o deputado apenas reagiu à provocação da deputada, que o chamou de estuprador. O texto Constitucional e tão claro que é inacreditável que os ministros não tenham simplesmente arquivado a denúncia por inepta que é.

 

Carlos N. Coutinho cncoutinho@uol.com.br

Rio de Janeiro 

*

REALIDADE ESCANCARADA

Com exceção dos ideólogos empedernidos de esquerda e dos beneficiários da corrupção institucionalizada pelo petismo, ninguém mais tem dúvida sobre o despreparo, a falta de ética e a incompetência moral da dupla Lula-Dilma.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas  (MG)

*

CADÊ O LULA?

Não tem jeito, Lula está associado a tudo de ruim que está acontecendo neste país; a Oi se foi, a Petrobrás, a Eletrobrás e os Correios também estão indo “pro buraco” que o PT institucionalizou. A única instituição que está sobrevivendo (por enquanto) é o instituto que ele criou com dinheiro surrupiado do povo brasileiro, por meio das empreiteiras. E ainda há gente sonhando com a volta dele! 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

    

DÚVIDA

A Oi não é a antiga Telemar que comprou os jogos do filho do Lula?

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

O LEGADO DO PT

Oi falida. Mais um legado de Lula, PT e caterva. Tudo começou com a Gamecorp do gênio Lulinha. Depois, como é do conhecimento do Brasil e do mundo, vieram o mensalão, petrolão etc. Frustrou seus eleitores com falsa ideia de ascensão social. 

Iria de Sa Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

RECUPERAÇÃO JUDICIAL RECORDE

Mais uma das empresas que os petralhas entraram de sócios ocultos com o dinheiro público vai pro buraco? Quantas ainda faltam? Quem vai investigar? 

Nelson Pereira Bizerra  nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

O PT E A OI

Esse pedido de recuperação da Oi, que acarretará bilhões de prejuízos ao BNDES, certamente tem que ver com aquela viagem de Marcos Valério e de José Dirceu para tratar de uma doação ao PT por uma empresa portuguesa no episódio do mensalão.

Eugenio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

MAQUIAVELISMO

A Oi deve inúmeros favores ao PT. Não se pode esquecer que, em 2010, Lula e José Dirceu foram a Portugal. Convenceram o então primeiro ministro José Sócrates a comprar 23% das ações da tele, pela Portugal Telecomunicações, por três bilhões e setecentos milhões de euros. Atualmente Sócrates e alguns políticos lusitanos estão presos por causa dessa nebulosa transação. Esse pedido de recuperação judicial da Oi significa que ela receberá um aporte de R$ 65 bilhões do governo federal, além de não pagar a dívida de R$ 9,8 bilhões aos bancos públicos e R$10 bilhões à Anatel. Vejo como mais uma estratégia do PT de quebrar mais ainda a nossa combalida economia e enfraquecer o novo governo. Os meios justificam os fins, não importando o futuro do País, mas sim retornar ao poder, custe o que custar.

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

EM BUSCA DA JUSTIÇA

Teori critica a Polícia Federal (PF), Diz que não cabe ao órgão indiciar sete parlamentares. Ora, a PF é o único órgão de apuração criminal do colarinho branco que ainda funciona neste país! Quando vai ser feita Justiça? Por falar nisso, quando vamos ver Paulo Maluf, Renan, Cunha, Lula dentre tantos outros na cadeia?  Se depender de apuração do Supremo, nunca!

José Carlos Alves calves@jcalves.net

São Paulo

*

ONÇA JUMA

É absolutamente imperdoável a atitude esdrúxula e ignóbil do Comando Militar da Amazônia (CMA), responsável por matar a onça Juma, após uma exibição do animal para o evento da presença da Tocha Olímpica. O despreparo do CMA, que deveria utilizar - inquestionavelmente - apenas munição com tranquilizantes, demonstra, além da falta de humanidade, o treinamento primitivo que ainda há no trato com animais. Era perfeitamente possível não ter matado a onça. A Olimpíada ganha mais uma marca negra.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

MAIS UM CRIME

Não bastassem a corrupção desenfreada, a incompetência e arrogância do governo petista, a falência do Rio de Janeiro, a ridícula e inoportuna pretensão de organizar uma Olimpíada, como se nosso País não tivesse nenhum problema, agora abateram um inocente animal a tiros. Este que atirou não merece vestir a farda que traja.

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

*

BARBÁRIE

O Brasil inteiro assistiu à cena absurda onde a onça  Juma teve de ser sacrificada, pois nosso Exército  sabe nesta hora se apresentar com armamento de ultima geração. Pois bem, como é que vai ficar esta atrocidade cometida com o sacrifício da onça? Nossos órgãos protetores dos animais vão deixar passar em brancas nuvens este crime? É simples, quando é contra a população civil é fácil processar, prender etc. e quando é contra o Estado nós brasileiros temos de aceitar essas barbáries e nos calar. 

Urias Borrasca urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertãozinho

*

FAMÍLIA SARNEY

Ah, essa família Sarney... Apesar de tudo o que já foi visto e é de conhecimento do povo, a família Sarney não perde mesmo o viço. O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, nomeou Samir Jorge Murad, cunhado de Roseana Sarney, para uma diretoria no ministério. A família Sarney é a mesma que mantém há sete anos censura ao Estadão. Que ninguém se espante se logo também o “chefão” do clã José Sarney for guindado ao ministério!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

RYANAIR - NO THANKS!

“Ryanair diz querer distância do Brasil” (B6, 22/6). Os brasileiros podem se sentir ofendidos pela decisão da Ryanair de não voar no País por causada da corrupção, mas, como passageiros, deveriam na verdade comemorar. Já existe um número suficiente de companhias aéreas no Brasil que tratam os passageiros como gado, sem que precisemos acrescentar mais uma. Recentemente viajei com a Ryanair na Espanha e o serviço foi horrível – atraso de 4 horas, mudança de portões de embarque sem anúncio e pessoal amador totalmente desinteressado pelo conforto do passageiro. Os argentinos podem pensar que a vida está difícil agora, mas com a chegada da Ryanair – com atraso, naturalmente – vai torná-la ainda pior.

John Fitzpatrick johnfitz668@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.