Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO E IMPUNIDADE

O Estado de S.Paulo

03 Julho 2016 | 05h01

Lava Jato em perigo

Investigado na Lava Jato, o presidente do Senado, Renan Calheiros, desengaveta projeto de lei de 2009 cujos objetivos são tolher suas atividades, procurando impor medo de agir nos agentes públicos, incluídos delegados da Polícia Federal (PF), membros do Ministério Público e juízes federais. Na verdade, os aproveitadores e saqueadores dos cofres públicos querem continuar as suas atividades delituosas sem a intervenção da força-tarefa da Lava Jato. Não querem a aplicação da lei contra eventuais excessos, na realidade o que eles desejam é antepor obstáculos legais às atividades exemplares da operação. Por exemplo, Paulo Bernardo não meteu a mão em dinheiro público e de aposentados deste país?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Os incomuns

Os nobres parlamentares estão ouriçados com a atuação da PF. Não é à toa que o “impoluto” (e investigado pela Operação Lava Jato) presidente do Senado, Renan Calheiros, quer desengavetar projeto que prevê punição com detenção para qualquer autoridade que ofenda a intimidade e a vida privada dos “incomuns” membros da confraria. Seria esse o resultado da choradeira daquela senadora por “constrangimento” sofrido quando o marido foi levado pela PF e da visitinha feita à presidenta? Interessante os nobres se queixarem de constrangimento, quando metem, sem nenhum pudor, a mão no bolso dos contribuintes. Esquecem-se de que estão onde estão para trabalhar em prol do povo, e não de seus interesses escusos?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Calheiros contra o crime...

A cada dia somos brindados com a revelação de um novo esquema criminoso a dilapidar os cofres da Nação. Em pouco mais de uma semana tomamos conhecimento da Operação Custo Brasil, fraude de R$ 100 milhões no Ministério do Planejamento que levou à prisão preventiva o ex-ministro Paulo Bernardo (PT); ao depois, a Operação Boca Livre, mostrando a farra do Ministério da Cultura (MinC), estimada em R$ 180 milhões; e, na sequência, a Operação Saqueador, um roubo de R$ 370 milhões protagonizado pelos notórios Carlinhos Cachoeira e Fernando Cavendish, este dono da empreiteira Delta. A coisa está, como se diz na roça, na base do “cada enxadada, uma minhoca” e a impressão que fica é de que a corrupção só não é encontrada onde não é investigada. Neste contexto malcheiroso, curtido em 13 anos de desgoverno lulopetista, em que a putrefação é total, soa singular o presidente do Senado, Renan Calheiros, desengavetar um projeto de lei para – é mesmo de pasmar, brasileiros! – dificultar as apurações da Lava Jato com todo tipo de estorvos às investigações e até para as prisões preventivas da canalhada. Renan Calheiros – alvo de nove inquéritos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) – não está nada preocupado em combater a corrupção no Brasil, e sim em salvar a própria pele e a de seus coleguinhas delinquentes apontados pela força-tarefa de Curitiba.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Fugir da cadeia

Renan e o senador Romero Jucá preparam a nova legislação para se defenderem da Lava Jato, tentando evitar temporadas na cadeia. Ambos foram citados em inúmeras denúncias de roubo de dinheiro público e certamente são candidatos à prisão. Ambos já têm também, há anos, vários processos (alguns deles por apropriação indébita de recursos do Estado) no STF, mas não são julgados por “camaradagem” da Corte. E só não serão presos se o STF continuar a protegê-los. O que dificulta o saneamento do Congresso Nacional, que está cheio de parlamentares “ladrões”, é a morosidade do Supremo em julgá-los, por algum motivo estranho. É responsabilidade do STF a aplicação da lei aos parlamentares, como a qualquer pessoa com foro privilegiado, o que não tem sido feito, por razões ignoradas.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Tolinho!

Como é tolo o senador Renan Calheiros! Desengavetando projeto que enfraquece a Lava Jato e pedindo urgência de pauta, ele nada mais fez do que mostrar ao Brasil inteiro quem ele é.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Trabalho incansável

A Polícia Federal e o Ministério Público vêm trabalhando incansavelmente no combate à corrupção no Brasil. Hoje os brasileiros sabem por que pagam tanto imposto para pouco retorno. A sociedade precisa reagir contra aqueles que tentam impedir o prosseguimento desse trabalho, que com certeza colocará o Brasil nos trilhos. Todo e qualquer projeto que venha de corruptos que estão aninhados no poder, que tenha a intenção de barrar o trabalho de agentes públicos que buscam pôr na cadeia os ladrões que realizam desvios fraudulentos dos cofres públicos, deve ser rechaçado. Fiquemos atentos. Há quem deseje que num futuro bem próximo um policial federal, no cumprimento de uma missão, tenha de indagar ao criminoso se ele deseja ser preso.

JEOVAH FERREIRA

jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

Mani Pulite 2

De fato, estão se delineando claramente ações para transformar a Operação Lava Jato no mesmo que aconteceu com sua congênere italiana Mani Pulite, que acabou em pizza, com todos os políticos corruptos soltos e a volta da corrupção. Esse projeto de 2009 desengavetado na última hora para votação em caráter de urgência pela corja legislativa deste país, a título de prevenir o que os safados consideram abuso de autoridade de membros do Judiciário, do Ministério Público, mas, na verdade, visa a sufocar as ações da citada operação, é um sinal claro da sem-vergonhice de seus patronos. A libertação de um ex-ministro do Planejamento suspeito de envolvimento num roubo deslavado de cidadãos necessitados que se utilizaram do sistema de crédito consignado é outro sinal. É espantoso ver como o STF, que até agora não mandou prender um político corrupto sequer, se apressou em mandar soltar um preso que nem foro privilegiado tem. É demais essa desfaçatez! As lideranças de movimentos civis que lutam pela moralização, pela política ética e honesta em nosso país estão inexplicavelmente silenciosas depois da passeata de março. Têm de se mobilizar nova e rapidamente para organizar manifestações ruidosas de rua contra essas tentativas espúrias de destruir a nossa luta contra a corrupção.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

TOFFOLI PISA NA BOLA

A prisão do “larápio” do dinheiro dos aposentados e funcionários públicos usando os créditos consignados foi considerada pelo ministro petista, Dias Toffoli como “flagrante constrangimento ilegal”. Seria hilário se não fosse cruel a revogação de sua prisão, pois, se há algum constrangimento, esse é dos que foram lesados e do povo em geral cansado com tanta roubalheira, principalmente porque Paulo Bernardo e sua arrogante esposa senadora já estão sendo investigados na Operação Lava  Jato. Ao mesmo tempo o tal ministro despreza o trabalho feito pela Polícia Federal (PF), pelo Ministério Público (MP) e por juízes que se empenharam com seriedade e competência. Será que voltaremos aos tempos tenebrosos da impunidade?  

Leila E. Leitão 

São Paulo 

*

INTERVENÇÃO DO SUPREMO 

Onde se lê foro privilegiado, leia-se permissão para impunidade. Ou esta aberração acaba, ou ela acaba com o País!

Luiz Sergio Valle luizsergiovalle@gmail.com

São Paulo

*

INDULTOS

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sugere a extinção da pena de Zé Dirceu, condenado pelo Mensalão. Ministro do STF, Dias Toffoli, libera ex-ministro Paulo Bernardo da prisão preventiva . Lulla da Silva entra com mandado pedindo o retorno dos seus processos para o STF. Para onde vamos?

Antônio Carelli Filho  palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

MENSALÃO

Dr. Janot, sem essa de extinguir a pena do ex-ministro José Dirceu, condenado no caso do Mensalão. O sujeito roubou milhões de dólares, foi condenado e continuou com as suas falcatruas na operação Lava Jato, debochando da Justiça e do povo brasileiro. Por que ele mereceria perdão? Provavelmente ele deve estar metido em mais algum crime, em outras operações. Por que não pergunta à população brasileira se ele deve ter a pena extinta no caso do Mensalão? Todos os anos a que foi condenado jamais expressarão a pena que realmente merece, visto que a saúde, a educação e a segurança ficaram à míngua...

Walter Lúcio Lopes wll@uol.com.br

São Paulo 

*

DIRCEU, VACCARI E O PT

Esse humilde pedido de José Dirceu e de João Vaccari Neto de que o PT assuma sozinho os malfeitos por eles praticados, supostamente em nome do partido, não seria uma confissão explícita da cleptocracia petista, instalada para que se mantivesse ad infinitum no poder? 

 

Luiz França Guimarães Ferreira luizfgf.adv@gmail.com

São Paulo 

*

BOCA NO TROMBONE

É bem suspeita a sugestão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de perdoar o petista presidiário José Dirceu, logo após o dito-cujo ameaçar botar a boca no trombone, o que fatalmente implicaria de vez Lula, Dilma e centenas de parlamentares. 

José Carlos Alves sjcalves@jcalves.net

São Paulo

*

ASSALTO AOS COFRES PÚBLICOS

Seja no mensalão, petrolão, furto de dinheiro de empréstimo consignado ou Lei Rouanet. O Brasil e os brasileiros foram literalmente assaltados!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

VEXAME DIÁRIO

A intempestiva senadora da República Gleisi Hoffmann foi muito inconveniente ao sugerir que a advogada Janaína Paschoal ficasse calada durante os trabalhos da Comissão do Impeachment do Senado. Gleisi, que foi eleita pelo povo, não teve a menor consideração com a advogada, que apresentou denúncia contra Dilma pelos crimes de responsabilidade por ela cometidos. Janaína, por sua vez, está exercendo a sua função de acusação, defendendo os interesses do povo brasileiro e principalmente dos contribuintes. O atrevimento da senadora Gleisi é um vexame diário para o Congresso Nacional, que deveria exercer as nobres funções do Poder Legislativo de forma gentil e decente. 

José Carlos Saraiva da Costajcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

COMPORTAMENTO DE GLEISI

Gleisi Hoffmann, como sempre arrogante e mal educada, mandou a advogada Janaína Paschoal se calar por não ser senadora, na sessão da comissão do impeachment. Como se ser senador fosse um endeusamento, uma categoria acima dos cidadãos brasileiros. Gleisi, com sua política petista de desconstruir adversários - já que não tem argumentos -, mostra o pior do partido que representa. É uma senadora medíocre, hipócrita e extremamente grossa. Típico retrato da maioria dos membros desta sigla que desconstruiu o Brasil.

Sérgio Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

CHEGA!

É óbvio que a presidente Dilma não reúne condições administrativas - nunca as teve -, morais e políticas, para voltar ao cargo. Não duvido que, se confirmado o afastamento, virá a ser processada por omissão, obstrução da Justiça, etc. E isso ela sabe. O PT, ao defendê-la, só o faz para proteger as milhares de  “boquinhas”  e o dinheiro daí advindo. Foram 13 anos trágicos, o conserto demandará sacrifícios que os mais humildes já estão sentindo. Chega! 

 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo 

*

A ‘ÉTICA’ DO PT

João Vaccari Neto está recebendo tratamento diferenciado da cúpula do PT, pois ele não embolsou os recursos desviados da Petrobrás; foi tudo para o partido. Já José Dirceu e André Vargas não recebem o mesmo carinho, pois fizeram uma coisa feia. Usaram parte dos mesmos recursos ilícitos para bancar despesas pessoais. Eis a ética delinquente do PT, nua e crua!

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

PILARES DA CORRUPÇÃO 

 

Furiosos, pois o führer está solto, Vaccari, Dirceu e André Vargas apelam (Estado, 26/6) para os mesmos argumentos de Hermann Goring, Rudolf Hess e Joseph Goebbels de que apenas cumpriam ordens do partido. Felizmente a Lava Jato está aí para não dar espaço ao arbítrio, trapaça nem brecha para a corrupção. 

Nilson Otávio de Oliveira  noo@uol.com.br

Valinhos

*

DITADO POPULAR

A Rouanet que bate em Francisco poderá bater em Chico... aguarde!

Adilson Pelegrino gumerci@terra.com.br

São Paulo

*

REFORMAS URGENTES

Duas reformas contribuiriam decisivamente para modificar o ambiente político: 1) a extinção do foro privilegiado; 2) a profissionalização de todos os cargos públicos, acabando com as nomeações de segundo  e  terceiros escalões. O atual governo tem condições políticas para promovê-las?

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

O TERROR SEM LIMITE

Paris, Bruxelas, Istambul são manchetes de jornais e noticiários de televisão, que, infelizmente, se repetirão e que vem acontecendo dede 2004. O último foi no Aeroporto de Istambul, na Turquia. Quem será o próximo alvo, quem serão as próximas vítimas? Os responsáveis pela segurança da Olimpíada têm uma séria dor de cabeça a enfrentar.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ATENTADO COVARDE

Tristeza imensa a notícia da morte de tanta gente e ferimento de tantas outras após essa ação covarde executada por monstros no Aeroporto de Istambul. No entanto é preciso lembrar que a Turquia utiliza de pesos e medidas diferentes para coisas similares. Ela condena e luta contra o terrorismo do PKK e ISIS. Ao mesmo tempo, abriga uma grande delegação do Hamas, mundialmente reconhecida como terrorista. A Turquia até 48 horas atrás aceitava que lideranças do Hamas usassem seu território para planejar e lançar ataques terroristas no exterior.

Julgo muito cínico justificar terrorismo de uns e lutar contra o de outros. Ou o mundo se volta contra o terrorismo como um todo, ou este ataque não será o último a ceifar vidas inocentes.

Marcos L Susskind mlsusskind@gmail.com

São Paulo

*

DÚVIDA

Os guardas-civis devem andar armados? Não. Devem correr desarmados.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PM DESPREPARADA

Se a Polícia Militar (PM) paulista fosse bem treinada e preparada psicologicamente, o episódio envolvendo o universitário Espinoza teria outro desfecho e ele não será o ultimo. Pior, os argumentos dos agentes serão sempre os mesmos e o governo só falará em números.

Wilton de Castro wiltondecastro@gmail.com

São Paulo 

*

PAPEL DA POLÍCIA

Mais tiroteios entre a PM e supostos bandidos dirigindo loucamente e atirando. Mais manchetes contra a polícia. Até quando? Se não são bandidos, por que não levantam os braços e mostram as mãos desarmadas? O que acontece neste País primitivo, que não consegue desenvolver a simples cultura de que a polícia existe para combater o crime, tendo sim o dever legal de usar a força para defender a sociedade contra os criminosos? E tem de ser respeitada e não desafiada? Que país é esse, onde as leis que existem não se impõem e a impunidade continua sendo a lei? 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo      

*

UNIVERSITÁRIO MORTO

Júlio Cesar Espinoza era universitário, não tinha passagens pela polícia e foi morto. Sim, é lamentável. Porém, ele desobedeceu a ordem de parada da polícia. Falta grave! Usualmente, um cidadão de bem não precisa fazer isso. Multas e um licenciamento vencido fizeram com que este jovem assumisse riscos enormes, numa atitude drástica. Sua vida valia mais do que um carro. Mas ele resolveu arriscar. Novamente, é lamentável. Deve-se sim investigar a conduta dos policiais envolvidos. Mas se o jovem tivesse parado, nada disto teria ocorrido.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

INVERSÃO DE VALORES

Marginais mortos em flagrante delito e em confronto com a polícia, mesmo menores de idade, não deixam de ser marginais. É triste, mas é real.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo      

*

FRAUDE DA MERENDA ESCOLAR

Realmente, fraude no fornecimento de merenda escolar é um assunto sério e merece rigorosa investigação, julgamento e condenação dos responsáveis. Mas esqueçam essa coisa de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), pois isso é conversa para boi dormir. A nós, cidadãos honestos, trabalhadores e pagadores de impostos, só nos resta torcer para que a Operação Alba Branca, da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual de São Paulo, tenha o mesmo sucesso que a Operação Lava Jato. 

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

LEI ROBALÊ

Sou presidente da Apae de Matão e não posso deixar de me manifestar ao ler uma notícia como esta. Este ano não tivemos correção do repasse da verba de subvenção do governo do Estado de São Paulo. O projeto de instalação do centro de atendimento ao autista com repasse de verba federal simplesmente não saiu do papel, a dificuldade pelas quais passam as instituições de filantropia com um corpo docente, clínico e social verdadeiramente competente e dedicado somada ao voluntariado comunitário, montando bingos beneficentes, quermesses, bazares, etc.. tudo  à base de doações de prestadores de serviço, comércio e indústria locais, além de pagarem seus impostos diga-se de passagem, é o que mantém vivo e operante o atendimento a 300 pessoas entre crianças, jovens e adultos, enquanto uns poucos desnecessitados usufruem das benesses do Estado. Total inversão de valores.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

São Paulo

*

LEI ROUANET

A Lei Rouanet entra na enxurrada de fraudes que acometem todo os serviços públicos. A mesma lei que sempre foi alvo de defesa alucinada daqueles que recebiam suas benesses!

Marcos Barbosa 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.