Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2016 | 03h03

Justiça humilhada

A maioria das pessoas informadas ainda não entendeu por que o Lula não está preso (parece que a Justiça está mesmo acovardada...). Mais: Lula foi ao Conselho de Direitos Humanos da ONU e expôs a Justiça brasileira à humilhação internacional – e sem nenhuma reação do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal. Lula não se importa com o País desde que consiga se safar da cadeia.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Nova safra de juízes

Muito bom ver a coragem dos juízes à Sergio Moro. O juiz Ricardo Leite, de Brasília, não deixou por menos, aceitou denúncia contra Lula. Agora Lula é réu. Que mais juízes venham para fazer o serviço que o STF não tem coragem de fazer. Os brasileiros aplaudem de pé.

IZABE AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Triste fim

O PT está mesmo no mato sem cachorro. As eleições municipais deste ano servirão para mostrar se de fato, como fumaça ao vento, o Partido dos Trabalhadores acabou. O mantra do “golpe” não engana mais ninguém. Melhor é o PT fazer um mea culpa e assumir os erros cometidos, assim pode ser que, tal como a flor de lótus em meio à lama, alguns consigam salvar-se. Difícil – quase impossível – vai ser reverter a opinião pública. Os eleitores estão cansados da mesma cantilena, das mesmas “boas intenções” de sempre. Hoje os candidatos do PT não sabem mais se, ao contrário de eleições passadas, é melhor ou pior ter o ex-presidente Lula ao seu lado. É um triste fim para um dos líderes mais carismáticos que o Brasil já teve. E aí fica a dúvida: será que para entrar na política é preciso ser corrupto, como a maioria, ou só entra na política quem já é corrupto por natureza? A sorte do PT está lançada. Difícil não é conquistar um amor, difícil é reconquistar o amor perdido. Dá um trabalho danado e só aqueles que estão dispostos a mudar radicalmente, sem incorrer nos mesmos erros, são capazes.

MIRNA MACHADO

mirnamac@uol.com.br

Guarulhos

Poste é isso

Em entrevista a uma emissora de TV, a presidente afastada, Dilma Rousseff, disse que não pretende participar da Olimpíada “numa posição secundária”. Até que enfim, demorou, mas caiu-lhe a ficha. Em posição secundária ela se encontra desde que o “grande líder” a colou (para nosso azar) como trampolim para o seu tão almejado salto para a Presidência em 2018.

LUÍS LAGO

luislago2002@hotmail.com

São Paulo

Perdão de dívidas

Foi noticiado que o Ministério Público do Estado de São Paulo vai investigar o acordo pelo qual o governo de Geraldo Alckmin perdoou dívidas de pelo menos R$ 116 milhões da multinacional francesa Alston. Muito louvável essa ação. A dupla Lula e Dilma negociou mais de US$ 1 bilhão de dívidas de países, quase todos africanos, e desse volume foram perdoados mais de US$ 700 milhões, ou 70% do total de tais operações financeiras. Será que isso está sendo investigado pelo Ministério Público Federal? Esse perdão é legal? Se esse dinheiro tivesse sido aplicado no Brasil, quantos empregos poderia ter criado? Ah, e perdoar as minhas minúsculas dívidas, nem pensar, né?

GILBERTO ABU GANNAM

gilbgag1@hotmail.com

Piracaia

PETROBRÁS

Venda de área do pré-sal

Ironicamente, os que mais agitaram as bandeiras do nacionalismo e da estatização foram os que, pela corrupção desenfreada e administração sofrível, conduziram as estatais para o caminho das privatizações.

NÍVEO AURÉLIO VILLA

niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

Oxalá...

Lembram-se dos baluartes do setor energético dos malfadados governos petistas? Os srs. Luiz Pinguelli e Mauricio Todeschini, além da “presidenta” que está sendo impichada, fizeram estragos que levaremos muitos anos (talvez décadas....) pagando! E agora, por ocasião da venda pela Petrobrás de sua participação na área de Carcará, vem o sr. Pinguelli opinando que a dívida teria outros equacionamentos (quais, sr. Pinguelli?) e que a venda reflete “a cabeça do Pedro Parente” e uma política de privatização... Tomara que ele esteja certo uma vez na vida. Mas não me iludo. Felizmente, tiramos esses senhores de posições em que possam perturbar os destinos do nosso país.

CARLOS E. DA SILVA BRAGA

bragaconsu@sti.com.br

São Paulo

Malícia e memória fraca

Ainda não conhecemos toda a esperteza do PT nem toda a capacidade dos brasileiros de esquecer. Logo, logo, o “golpista” Michel Temer vai ser responsabilizado por afundar a Petrobrás, pelo desemprego e outros males que ele herdou.

MILAN TRSIC

cra612@gmail.com

Ribeirão Preto

Privatização da BR

A Petrobrás Distribuidora, como subsidiária da Petrobrás, é (ou era até há pouco tempo) uma empresa fechada. Não tinha ações na Bolsa de Valores nem acionistas com parcelas de seu capital. Ao se transformar em sociedade anônima, não sei como se dividiria o capital em ações ordinárias e preferenciais, pois seu acionista continuará sendo apenas a Petrobrás-mãe. Ao privatizá-la, como se definirá a sua marca? Não deve continuar a se identificar como BR nem usar o logotipo verde-amarelo, que a identifica como uma empresa do Estado brasileiro. (Na época da privatização da Embratel, no governo FHC, a nova companhia privada, estrangeira, continuou, até hoje, a se chamar Empresa Brasileira de Telecomunicação, evidente denominação enganadora.) Na Argentina, no tempo do Menem, o comprador da Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF) fez questão de ser autorizado a manter a bandeira, evidente fraude contra o consumidor ao abastecer o carro. É bom lembrar que a fábrica do lubrificante Lubrax pertence ao acervo da BR. Durante muitos anos a camisa do Flamengo fazia propaganda do Lubrax, sob o patrocínio da BR. Isso tem alto valor comercial. “Petrobrás: do poço ao posto.” As distribuidoras de combustíveis no Brasil, quase todas estrangeiras, já têm suas redes de postos e não possuem cacife para comprar a BR. O possível comprador será estrangeiro, talvez nem ligado ao ramo de petróleo. Quem sabe um chinês?

ROLDÃO SIMAS FILHO

rsimas@aos2.com.br

Brasília

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DESAJUSTE FISCAL

O governo do presidente em exercício Michel Temer assumiu o poder prometendo austeridade fiscal e a retomada do crescimento econômico. Porém, nesses poucos meses à frente da Presidência da República, o que vimos foi um verdadeiro desajuste nas contas públicas federais. O governo concedeu um reajuste bastante generoso ao Poder Judiciário e, agora, concederá outro aos funcionários da Receita Federal. Certamente, essa benevolência com o nosso dinheiro deverá ser estendida aos demais setores do funcionalismo federal, de modo a elevar o já gritante nível de endividamento público. Paralelo às benesses federais, o governo interino planeja promover sérias alterações na legislação trabalhista e previdenciária, de modo a penalizar os trabalhadores. A conta pela irresponsabilidade de Temer será paga, por um longo período, pela mesma sociedade que clamou o impedimento petista, ou seja, pela sociedade de bem.

 

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

AJUSTE AMEAÇADO

No caso da nova capitulação do interino Michel Temer à chantagem do funcionalismo da Receita Federal, que terão R$ 193 mil, em média, de gratificação, além dos polpudos salários, é preciso considerar também que a sempre propalada reforma tributária jamais terá chance de ocorrer, porque esses funcionários de elite estão muito bem servidos com o sistema atual. Mudar para quê? Para simplificar para as empresas e prejudicar os auditores que ganham status com a complexidade reinante? Isso não passará.

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo 

*

CADÊ A IGUALDADE?

Igualdade de direitos e deveres entre todos é pura ilusão. Não existe o direito igual nem entre os iguais. No serviço público a elite recebe aumento, os barnabés não. Existe uma covarde e imensa diferença entre a classe A e B no serviço público federal que infelizmente a população não percebe. A classe A é bem remunerada, já na classe B o funcionalismo aguarda por anos qualquer reajuste salarial e nos proventos dos aposentados. Antes do sr. Fernando Henrique existia a isonomia no serviço público, os aumentos tanto para militares e civis tinham o mesmo porcentual e data, mas, a partir dali, tudo mudou e piorou para os civis.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CORTANDO NA PRÓPRIA CARNE

As notícias divulgadas em todos os veículos de comunicação do País sobre as mudanças na Previdência são importantes, desde que elas se iniciem pela Previdência dos políticos (principalmente o presidente da República, ministros, etc.), Judiciário, entre todas as outras classes de trabalhadores com salários elevados. Pode ser pequeno o montante, mas eles têm de dar o exemplo, cortando na própria carne. Cortar os salários dos pobres aposentados é fácil, pois não têm o mesmo poder de fogo que a classe dominante. No entanto, os poderosos de hoje precisam pensar nas próximas eleições. Certamente, vão pensar com maior cuidado na elaboração desta norma. Aí, então, a população prejudicada poderá retribuir.

João Coelho Vítola jvitola1@gmail.com

Brasília

*

MUDANÇAS NA CLT

Estão propondo alterar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no pior cenário econômico para o trabalhador. Estão se aproveitando de um momento desfavorável ao trabalhador, como de desemprego, por exemplo, para proporem as mudanças que os empresários querem há décadas. Falam no aumento da jornada de trabalho para 60 horas semanais. Enquanto na Europa a maioria dos países já adota uma jornada semanal abaixo de 40 horas, aqui querem aumentá-la. Reconheço que há correções a serem feitas na CLT para que seja mais flexível a atualizada com os tempos atuais. Mas pior não poderia ser o momento. O governo deveria e poderia, pela parte que lhe cabe nesta relação, fazer algo, como assumindo alguns compromissos de forma a aliviar um pouco o ônus dos empregadores. Neste momento a parte fraca nesta relação é o trabalhador. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AUMENTO DE IMPOSTOS

Se o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em reunião do G-20, na China, afirmou que o Brasil está no rumo certo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chama a atenção do grupo político do governo para que, se o projeto do teto de gastos pela inflação do ano anterior não for aprovado pelo Congresso, não restará outra alternativa (a pior de todas) ao aumento de impostos. Isso não significa que Meirelles está pessimista, já que a sua equipe econômica até aqui tem merecido a confiança do mercado e o ministro também vê com otimismo com a reforma da Previdência, afirmando que é viável, e os estudos estão bem encaminhados. E neste ritmo de boas expectativas é importante também que, neste próximo mês de agosto, com o provável impeachment de Dilma Rousseff, dê-se um fim à interinidade deste governo de Michel Temer e o País retome com vigor a recuperação da nossa economia e dos empregos dizimados.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

É A ÚNICA ALTERNATIVA?

Como se não bastasse a recessão, temos o maior desemprego de todos os tempos. A corrupção, única responsável pelo caos que estamos vivendo, é praticada em todas as instâncias. Nossos governantes, quando não corrompem, fazem vistas grossas para os que fazem, e olha que são muitos. Qual o remédio? Acreditem, não há outro se não a produção, mas nossos governantes, como cegos, são  incapazes de dar o primeiro passo no sentido de  incentivar a indústria brasileira, sem nenhuma criatividade, só fazem criar e tentar ressuscitar antigos impostos, parece até que não existem outras alternativas?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

SÓ QUERIA ENTENDER           

As medidas que Guido Mantega e sua equipe econômica tomaram durante os oito anos de governo Dilma Rousseff quebraram o País, mas não precisavam passar pela aprovação do Congresso. As medidas foram sendo introduzidas com as explicações incrédulas com aquele de superioridade do sr. Mantega. Para tentar reerguer o País e fazê-lo funcionar novamente, todas as medidas propostas pela equipe econômica do sr. Henrique Meirelles têm de ser antes aprovadas pelo Congresso. Alguém pode explicar por quê?

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo

*

CORTES NA DESPESA PÚBLICA

Parece estar com toda razão o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quando pleiteia ao presidente interino Michel Temer que o seu ministério assuma o controle dos gastos da União, o que, certamente, trará uma unicidade no comportamento do Ministério da Fazenda com relação à despesa pública. O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, é que detém o controle solicitado. Na realidade, o controle dos gastos da União precisa ser efetuado de forma incisiva e de modo que libere o governo da obrigação de aumentar impostos, matéria e ônus que são reprovados pela quase totalidade do povo brasileiro.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

HENRIQUE MEIRELLES X DYOGO OLIVEIRA

 

"Ministro da Fazenda quer tirar poder do Planejamento sobre gastos da União" ("Estadão", 28/7). Então, as crianças já começaram a brigar?!

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

BOBAGEM

O governo federal quer constitucionalizar o rétido (resultado) contábil de seu balanço. Essa tentativa esdrúxula de substituir a política fiscal por um artigo constitucional redundará na mesma bobagem constitucional do artigo que previa juros máximos a 12% ao ano. O risível artigo constitucional nunca fora regulamentado e acabou sendo extirpado da Constituição federal. Por causa da indexação de gastos à inflação, a meta da inflação sempre estará acima, pois "inflação gera inflação". A Constituição federal jamais poderá ser a "guardiã do rétido da União". Superávit ou déficit dependem diretamente da "política econômica", não da Constituição federal. Atualmente, todos os "limites legais de gastos" são manipulados. O "rétido legal" será mais um "limite legal" a ser manipulado. Abaixo as bobagens constitucionais!

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

A OPINIÃO POPULAR

A pesquisa sobre a visão da população brasileira em relação à economia efetuada por um organismo internacional constatou um elevado porcentual de pessimismo. Mas pode-se afirmar que isso atinge ainda outras áreas, como a política. É o reflexo de manifestações promovidas por pretensos líderes que sabem apenas incentivar as críticas, mas nada fazem em termos de organização social, em busca de soluções. Isso precisa mudar. E o momento eleitoral é um bom caminho, por certo. É o despertar da consciência, que pode influenciar nos resultados.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

REFRIGÉRIO

Embora questões cruciais para a recuperação perene do Brasil ainda estejam em avaliação, sente-se, hoje, no ar certa euforia. Sentimo-nos "mais leves" e acreditando num possível futuro promissor. A seriedade parece ter voltado! Não ouvir aquelas figuras carimbadas falando de "golpe" a toda hora e incitando até a resistência violenta traz-nos a tranquilidade, a paz de espírito e o refrigério de que estávamos necessitados.

Décio Antônio Damin deciodamin@terra.com.br

Porto Alegre

*

REFLEXO DO DESEMPREGO

Se, antes, era triste nós, paulistanos, nos depararmos com isolados moradores de rua, vivendo em total abandono, agora nos deparamos com famílias inteiras, provavelmente culpa do desemprego em massa que acontece em nossa cidade. São mulheres, crianças de colo que colocam até cartazes pedindo ajuda de alimentação, leite e até fralda descartável. Esse o triste saldo de um desgoverno petista que só soube criar cabides de emprego para os "companheiros" e ciclovias para uma população que nem tem o que comer, muito menos comprar uma bike. Quase quatro anos do poste petista Fernando Haddad, que se elegeu prometendo mundos e fundos a essa população carente, e não entregará nem 1/5 de suas promessas de campanha. O resultado dessa incompetência criou este novo contingente de moradores de rua, que, desempregado, com família para sustentar e sem dinheiro para pagar aluguel, vê nas ruas sua saída. Muito triste.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O MONOPÓLIO DO FGTS

Nada mais alvissareiro do que a recente manchete em letras garrafais sobre a possível quebra do monopólio da Caixa Econômica Federal no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Qualquer banco, mesmo em parceria, gostaria de gerir R$ 300 bilhões, como é o caso do Santander e do Bradesco, que acenam com remuneração em dobro. Essa acomodação do fundo com a Caixa é uma das grandes obras do finado governo petista. Que seja quebrado o monopólio. O trabalhador, no momento em que é obrigado a fazer uma poupança, recolhe 8% do salário mensalmente e é remunerado a uma taxa que é menos da metade da inflação. Exemplificando: se você tinha um saldo de R$ 100 mil em dezembro de 2014, tomando o cálculo como é hoje, seu saldo seria de R$ 104.722,00. Com correção pela inflação, R$ 14.294,00. Com os novos cálculos que poderiam remunerar o seu fundo em até 8% e 10%, seu saldo de R$ 104 mil poderia chegar até a R$ 110 mil. Os trabalhadores apoiam.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

TERRAS PARA ESTRANGEIROS

Entre as medidas tomadas pelo governo federal, inspiradas pelo ministro Couri, está a venda de terras da Amazônia para estrangeiros. A falta de patriotismo neste país eu diria que chega às raias da inconsequência. Como cidadã brasileira que trabalha e paga os impostos em dia, protesto veementemente. Se não me engano, o México perdeu o Texas e a Califórnia para os norte-americanos num processo que começou dessa forma. Perguntamos por que os que desviaram bilhões do dinheiro público nos escândalos do mensalão, do petrolão e de outros ãos não devolvem as fortunas acumuladas. A solução é vender a Pátria, as reservas naturais e as fronteiras? 

Maria Cecília Naclério Homem mcecilianh@gmail.com

São Paulo

*

'JUS ESPERNEANDI'

A defesa do ex-presidente Lula recorreu à Comissão de Direitos Humanos da ONU contra o juiz Sérgio Moro. O que dizer sobre a petição protocolada na ONU? Apenas que "jus esperneandi" é um recurso usado por todos os idiotas. Sorte do advogado de Lula, que encontrou um cliente cheio de "pixulecos" para pagar seus honorários. Mas até quando haverá "pixulecos"?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

MINA DE OURO

O advogado de Lula na ONU, Geoffrey Robertson, cobra R$ 40 mil por dia. A fonte pagadora desses honorários parece ter infinitos recursos disponíveis. Lula continua esbanjando, hospedando-se em hotéis luxuosos em Brasília e viajando de jatinho particular. Nenhum ex-presidente brasileiro vive com tanta ostentação. Lula não realizou palestras nos últimos meses, portanto, a sua maior mina de ouro acabou. Perguntam-se os curiosos contribuintes brasileiros: de onde vem tanto dinheiro?

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

'QUID PRO QUO'

Em mais um ato desesperado e covarde, o maior boquirroto do planeta apresentou ao Comitê de Direitos Humanos da ONU denúncia contra o Estado brasileiro objetivando tentar barrar ações do juiz Sérgio Moro que ele classifica como "abuso de poder". Não seria o caso de também o denunciarmos (por todo o conjunto de sua obra) na Corte Internacional de Haia, por crimes contra a humanidade? Diante de tantas provas existentes, teríamos muito mais possibilidade de sucesso do que a sua lamentável e deplorável tentativa de se livrar da justiça que lhe é devida.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

LULA E OS DIREITOS HUMANOS

Sugiro ao colegiado da ONU que, antes de analisar o chororô de Lula, investigue seu patrimônio pessoal, o da família e dos amigos. E note que ele e o PT levaram à falência a Petrobrás e suas subsidiárias, quebraram os bancos públicos e os fundos de pensões. Enfim, faliram o Brasil. Na análise, a comissão dos direitos humanos deve rememorar que nos Jogos Pan-americanos o sr. Lula entregou a cabeça na bandeja dos lutadores Erilandy Lara e Guillermo Rigondeaux ao seu grande amigo Fidel Castro e negou a extradição à Itália de Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua por quatro homicídios. E tem mais: é só pesquisar a sua relação íntima com ditadores da América do Sul, do Caribe e da África.

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

EXÍLIO

Se não der certo na ONU, só restará pedir exílio na Venezuela, na Bolívia ou em Cuba.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

OS CRIMES DE LULA E MARISA

No Direito Civil existem a propriedade de imóvel de direito, aquela registrada em cartório, e a propriedade de imóvel de fato, aquela propriedade visível ao mundo externo ou aquela demonstrada por atos de propriedade, mas que são ocultados, assim como no crime de ocultação de valores. No Código Penal, para se caracterizar a corrupção passiva, basta a existência de algum benefício pelo servidor público. Senhores juristas, alguma dúvida de que Lula cometeu crimes de ocultação de bens e de corrupção passiva?

Edenilson Meira merojudas@hotmail.com

São Paulo

*

RIO-2016 - A IMAGEM DO BRASIL

Às vésperas da abertura da Olimpíada do Rio de Janeiro, que deverão ser assistidas ao vivo por cerca de 3 bilhões de pessoas mundo afora durante duas semanas, que fique bem claro ao governo federal e ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) que o que está em jogo nestes Jogos é a imagem do País. Como não haverá outra oportunidade igual em muitos anos, é melhor caprichar em todos os detalhes para não dar vexame. Boa sorte, Brasil!

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O 1.º CAMPEÃO OLÍMPICO BRASILEIRO

É lamentável que, em pleno clima da primeira Olimpíada sediada pelo Brasil, ainda não se viu na imprensa quaisquer referências a respeito dos primeiros campeões olímpicos brasileiros. Foi Afrânio António da Costa que conquistou a primeira medalha olímpica para o Brasil, prata em tiro esportivo, em 1920, na Antuérpia (Bélgica). Primeira Olimpíada em que participou o Brasil. Afrânio, natural de Macaé (RJ), pertencia a uma tradicional família, filho e neto de proeminentes advogados. Ele também foi um grande jurista, tendo sido ministro do - hoje chamado - Superior Tribunal de Justiça (STJ). Casou-se, mas não teve filhos. Era sobrinho de meu avô, o engenheiro Manfredo António da Costa, um dos fundadores da Cia. Paulista de Força e Luz (CPFL).

Maria de L. Moraes Costa udemoraes@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ELEIÇÕES 2016

 

No dia 2 de outubro de 2016, eleitores de 5.560 municípios brasileiros irão às urnas para escolher     prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Espera-se que, com a proibição da doação empresarial e com os limites de gastos de candidatos estabelecidos pelo Tribunal Superior Eleitoral, tenhamos eleições mais limpas. Acabou a história de empresário investir no candidato para, depois, sangrar os cofres públicos, ou seja, ficar com total liberdade para a prática do superfaturamento. Fazer quase nada e levar bastante.  É preciso valorizar o voto. É preciso exigir qualidade do candidato. Um Brasil melhor começa por municípios bem governados. É melhor um candidato pobre íntegro do que um candidato poderoso corruptível. O eleitor precisa lembrar que cabe ao prefeito administrar os serviços públicos da cidade, aplicando os recursos provenientes dos impostos e dos repasses dos Estados e da União, em obras que tragam benefício para a população, e não para a prática da corrupção. Aos vereadores cabe elaborar as leis municipais e fiscalizar a administração do prefeito. São eles que definem onde serão aplicados os recursos provenientes dos impostos arrecadados pelo município. Caro eleitor, não vote em troca de um churrasco. Vote pela melhoria da qualidade de vida da população da sua cidade. Investigar a vida do candidato, eis a solução.  

 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

GASTANDO A RODO

Para aqueles que acreditam que nosso país está em crise, por certo ainda não tomaram conhecimento do quanto Estados e municípios irão gastar em campanhas política deste ano.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CAMPANHA FRANCISCANA

Campanha deste ano será franciscana, diz Aécio Neves. Não. Todas as passadas é que foram, pois foi dando que se recebeu.

Rogerio Vilela Silva rogeriofrutty@gmail.com

São Gonaçalo Sapucaí (MG)

*

ROTEIRO PREVISÍVEL

Inicia-se a disputa eleitoral por prefeitos e o cenário que se vislumbra é o já conhecido de todos: somos forçados a escolher pessoas, e não propostas. Com isso, fica claro que mais uma vez o objetivo dos candidatos é a mera conquista do poder. Lamentavelmente, nossa política partidária definha sob a visão míope de que a discussão dos rumos a serem imprimidos às cidades deve ser relativizada ante o personalismo preponderante inconsequente. E assim a nave se mantém, conduzida em berço esplêndido pelos mesmos em situações que nos levam a resultados previsíveis de baixo retorno de políticas públicas beneficiárias, a despeito do alto porcentual de impostos pagos pelos munícipes.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

FOI GOLPE!

O dia de festa que marcou a passagem da tocha olímpica pela cidade de São Paulo coincidiu com o das convenções que definiram os candidatos a prefeito da Capital paulista. Não obstante os largos sorrisos estampados em todas as fotos, deve ter pairado uma grande frustração entre os partidários petistas por não verem seu Grande Líder participando no revezamento da condução da tocha, uma vez que, além de atletas, também participaram alguns apresentadores e artistas midiáticos. Demonstração clara de "golpismo", devem ter pensado. 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

*

O APOIO DE LULA A HADDAD

Isso não é apoio, é uma poita.

Paulo Barros dr.paulobarros25000@gmail.com

São Paulo

*

GESTÃO HADDAD

Existe muita má vontade contra a administração do prefeito Fernando Haddad da maior cidade brasileira. Temos de esquecer tudo o que ele prometeu e não cumpriu e nos atermos ao que realmente mudou São Paulo: a tão criticada ciclovia, este, sim, o maior legado que um alcaide proporcionou para a população, que um dia ainda irá agradecer ao prefeito. Na rua em que trabalho (Rua Curuça), ela prejudicou um pouco o comércio, aumentou o trânsito, mas, em compensação, circulam em média uns quatro ciclistas por dia em horário comercial. Fantástico! Eis o jeito PT de governar: muita espuma e poucas realizações.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

ESTUPIDEZ

O prefeito petista de São Paulo trata com desrespeito seus cidadãos, deflagrando uma guerra contra os carros. Nossa cidade é complexa, andar de bicicleta é lindo, mas essa falta de critério só traz mais problemas para o caos paulistano. Ficar se espelhando nas capitais europeias é estupidez, não se pode comparar alhos com bugalhos. São Paulo está em péssimas mãos.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo 

*

ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

Contra os candidatos que aí estão, o voto nulo é solução.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

LONGE DA TURQUIA

Lendo frases de políticos como Luiza Erundina (candidata, este ano, à Prefeitura de São Paulo) ou do ex-ministro da Cultura e outros, todos sem nenhuma importância, mas que estão sempre na "boquinha", referindo-se ao governo do presidente interino Michel Temer como "golpista", é que percebo como fomos governados e enganados por 14 anos por ignorantes, que não têm sequer um exemplar da Constituição à mão ou são analfabetos. Não estou na defesa de Temer, mas seu governo é legítimo, graças ao desgoverno petista. Vivemos numa democracia e qualquer indivíduo pode recorrer se achar que seus direitos não estão sendo respeitados. Estamos longe da Turquia.

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

IMPEACHMENT

As alegações finais da presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment foram protocoladas no Senado com a numeração DOC 171. Nada é por acaso!

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

QUANDO SETEMBRO VIER

Será que quando setembro vier nossos ouvidos serão finalmente poupados da chorumela da mulher mais honesta do País? Melhor ouvir bobagens do que ser surda! Mas precisa ser tanta bobagem? Agora, a criatura do criador diz que quem tem a obrigação de responder por caixa 2 das campanhas dela é o PT, como se nada tivesse com o partido e o dinheiro caísse do céu... Como assim, cara senhora? Com relação à festa de abertura da Olimpíada, disse não querer ser coadjuvante num evento em que ela se empenhou desde o início, desde a "escolha" do País como sede!  Ah, bom, pensei que fosse para não ser vaiada! Com a afirmação, ficou mais do que claro quem foi responsável pelo serviço porco e caro da Vila Olímpica e pela falta de limpeza da Lagoa Rodrigo de Freitas, entre outros pormenores, porque o tempo foi pequeno (sete anos) para a roubalheira, né, não?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul 

*

NEM FICA VERMELHA

A última pérola da "presidenta" afastada Dilma Rousseff é de que a responsabilidade do caixa 2 em sua campanha não é dela, mas, sim, do marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica "chicletinho" Moura.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A MEDICINA DESMORALIZADA

Alô, Conselhos Regionais de Medicina! Alô, Conselho Federal de Medicina! Estão desmoralizando e prostituindo a profissão. O médico hoje não passa de joguete nas mãos de órgãos de saúde, nos quais critérios médicos foram substituídos pelo proselitismo político populista, amplamente utilizado pelos corruptos que compõem a cúpula dirigente deste Estado aparelhado. A judicialização da saúde está cada vez mais patente, levando os usuários do serviço público de saúde cada vez mais a procurarem seu direitos constitucionais em demandas judiciais, o que só na esfera federal já elevou os custos em R$ 1,5 bilhão nos últimos anos, dinheiro esse que poderia ter sido utilizado na própria rede pública de saúde. Esta Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), invadida por sindicalistas ideológicos, já demonstrou sua incompetência por ocasião da polêmica sobre a "pílula do câncer". Nosso arsenal terapêutico tem de ser tratado com competência, e não por sindicalistas ligados à ideologia de partidos políticos. A podridão na área da saúde não está restrita ao governo federal, abrange o estadual e o municipal. Em Piracicaba, o senhor Geraldo Alckmin enterrou, entre obras e propinas, R$ 79 milhões num hospital fantasma - nunca funcionou. Agora, só para encerrar, vejam se dá para entender: o ministro das Relações Exteriores, José Serra, confirmou que o Brasil fará uma doação de remédios para a Venezuela. O valor dos insumos não foi informado oficialmente pelo governo brasileiro, mas sabe-se que ele chega às cifras dos milhões. E os postos do SUS, como ficam, senhor Serra? E o que eu, contribuinte, tenho que ver com a ditadura de Nicolás Maduro? Por que eu tenho de contribuir com isso?

Humberto de Luna Freire Filho, médico hlffilho@gmail.com

São Paulo 

*

ABUSO DOS PLANOS DE SAÚDE

Na terceira idade, tornei-me vítima do plano de saúde da Unimed Paulistana e consegui portabilidade para outro, gerenciado pela carteira coletiva da Qualicorp. Sou pensionista e o que ganho dá equilibradamente para as despesas, os remédios e a manutenção do lar. Agora, recebo da Qualicorp uma carta avisando que o meu plano terá em agosto um reajuste de quase 30%. Pergunto: que país é este no qual o Estatuto do Idoso nada vale, onde se permite que o órgão regulador consinta e, ao mesmo tempo, escale um caminho perigoso para que a terceira idade, no momento em que mais precisa, fique sem assistência médico-hospitalar? As entidades de classe e o Ministério Público devem ajuizar ações para barrar um aumento ilegal, abusivo e violador das regras do Estatuto do Idoso.

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

AIDS NO BRASIL

Triste observar nosso país - um dos pioneiros no combate ao HIV/Aids - indo na contramão do mundo, com crescentes casos de infecção pelo vírus, num cenário em que a doença diminui pelo resto do planeta. Parece que os jovens não sabem o que ocorreu com Cazuza, Freddie Mercury, Liberace, Renato Russo, Rudolf Nureyev, Arthur Ashe, Rock Hudson e tantos outros ícones que vimos esvaírem-se por cauda desta nefasta síndrome.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.