Fórum dos Leitores

MÊS DO DESGOSTO

O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2016 | 04h00

Prenúncios agosto

Agosto se inicia com um dos Estados da União convulsionado pelo crime organizado ligado ao tráfico de drogas e seu governo, como sempre em situações semelhantes, solicitando a ajuda de tropas federais para controlar a situação. É também o mês da Olimpíada na cidade do Rio de Janeiro, fortemente protegida nos pontos relacionados aos jogos, mas desguarnecida no restante, como o demonstra, no rastro da ausência policial, o aumento do número de arrastões em vias públicas e roubos. Neste mês começará a ser decidido no Senado o destino de Dilma Rousseff, presidente afastada por meios constitucionais legítimos, e durante seu transcorrer também se espera a intensificação das ações da Justiça no sentido de apontar e punir responsáveis pela irrespirável atmosfera de corrupção que sempre vigorou por aqui e agora dá sinais de ser ao menos detectada e combatida, em que pesem os esforços dos poderosos envolvidos para moldar a Justiça em seu benefício. Por ser um mês de má fama ao longo da História, confirmada por suicídio de presidente, renúncias e mortes, às vezes misteriosas, de ídolos políticos, não há como deixar de indagar: sobreviveremos a este agosto?

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Quando setembro chegar

O futuro, ou a falta dele, será definido na primeira quinzena de setembro. Devemos ter a continuidade da Operação Lava Jato, que foi paralisada ou deixou as decisões mais importantes e os mandados de prisão mais esperados para o pós-processo de impeachment da presidente afastada, seja qual for a decisão. Na hipótese de a sra. Dilma ser inocentada por um voto e reconduzida à Presidência, o que será o nosso amanhã? Não é possível imaginar um governo saído da sepultura, um morto-vivo, a governar um país que enfrenta a pior crise de sua existência. Se os que defendem a sra. Dilma pensassem um pouco no futuro do País, de seu povo, suas crianças, seus moribundos em hospitais sucateados nos 13 anos de governo petista, um país sem infraestrutura para crescer no curto ou médio prazo, pediriam sua renúncia como um ato de coragem e patriotismo. É um sonho e a resposta todos sabemos: que se danem o povo, as crianças, os velhos, os doentes e o futuro; o que importa é o maldito poder e o maldito orgulho de uma quadrilha que saqueou os cofres da Nação e tem como último objetivo acabar com a nossa esperança. Que venha setembro e, com ele, o milagre de um futuro melhor.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

TERRORISMO

No Rio Grande do Norte

O governo federal autorizou o envio de tropas das Forças Armadas para combater as ações de organização criminosa no Rio Grande do Norte. Até a noite de domingo o Estado havia sido alvo de 54 ataques de bandidos em represália pela instalação de bloqueadores de sinal de celular em presídios. Numa dessas ações, um carro explodiu no estacionamento de um supermercado, em Natal. Dezenas de ônibus e carros foram incendiados. Ações semelhantes foram registradas em cidades do interior. Incendiar e explodir veículos em outros países se caracterizam como terrorismo. Mas por pressão de partidos alinhados com a esquerda – entre os quais o falido PT, do falido Lula e da falida Dilma – foi subtraído do Código Penal o enquadramento desse tipo de eventos como atos de terrorismo. Por trás disso, todos sabemos, o objetivo foi poupar de penas severas profissionais dos chamados movimentos sociais, como os “soldados” do MST, entre outras facções especializadas em invasões e depredação de patrimônio. Com o advento de novos ares, depois de a madame voltar definitivamente para Porto Alegre e com a grande possibilidade de o apedeuta em breve ver o sol nascer quadrado, seria o caso de nossos congressistas voltarem a pensar seriamente no assunto.

SÉRGIO LUIZ CORRÊA

seluco@uol.com.br

Santos

PREVIDÊNCIA SOCIAL

Nome aos bois

Foi aberta a temporada de terrorismo com a Previdência Social: vai quebrar, todos ficarão sem receber, sem mudança precisamos aumentar os impostos em 10% do PIB... O contribuinte já paga hoje R$ 2 trilhões. E o que ninguém fala é de onde vem esse rombo, já que a conta dos que contribuíram (urbanos) sempre foi superavitária, só deixou de o ser agora, com 11,5 milhões de desempregados. Vamos criar coragem e dar nome aos bois.

GUSTAVO GUIMARÃES DA VEIGA

ggveiga@outlook.com

São Paulo

Só pensam naquilo!

No caderno de Economia, manchete de sábado: Petrobrás vende, por US$ 2,5 bilhões, primeiro campo na região do pré-sal; e no domingo: Sem mudar Previdência, será preciso aumentar imposto em 10% do PIB. Na alegação de que é preciso aumentar impostos vejo uma falta de eficiência de nossos administradores de bens públicos, pois a única coisa que falam com maestria é em aumento da carga tributária. Vale lembrar que somos um país rico em recursos naturais e não ouvimos nenhum homem público dizer que um porcentual deles será destinado a criar fundos para nossas futuras gerações. Até quando?

OLAVO DE ALMEIDA SOARES

olavoasoares@gmail.com

São Paulo

GASTANÇA ASTRONÔMICA

Partidos políticos

O Brasil gastou R$ 9,4 bilhões com partidos em dez anos. Infelizmente, esse é apenas o custo registrado; o custo real do loteamento político das organizações do Estado (federais, estaduais e municipais) é muito maior. Se levarmos em conta a possibilidade de a eliminação do loteamento resultar em, no mínimo, economia de 20% dos recursos arrecadados, chegamos ao valor aproximado de R$ 380 bilhões anuais. Mas considerando o prejuízo causado à população pelos serviços públicos (educação, saúde, segurança, saneamento, transportes, etc.) e infraestrutura precários, o custo cresce de forma astronômica! O valor da corrupção já está incluído. O estímulo ao loteamento político gera nas eleições um processo de seleção de bandidos para o Legislativo e o Executivo muito eficaz!

DARCY ANDRADE DE ALMEIDA

dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

Supermordomias

Nossa República mais parece uma monarquia do século 18. O presidente tem um palácio para viver durante o mandato e uma granja como alternativa de moradia, o vice também tem palácio. Os presidentes do Senado e da Câmara têm mansões como residência oficial, sem contar os ministros. E centenas de empregados para cuidar de todos eles, mais carros oficiais, combustível, telefonia, entre outras coisas, tudo pago pelo trabalhador.

FRANCISCO DA COSTA OLIVEIRA

fcoxav@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ESQUIZOFRENIA OU TEATRO?

 

Esquizofrenia ou teatro são as únicas alternativas que explicam as recentes declarações do ex-presidente Lula. Após virar réu por evidências gritantes de tentativa de obstrução de Justiça na Operação Lava Jato e depois da divulgação de diálogos comprometedores entre o então presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, e o arquiteto da empreiteira, Paulo Gordilho, envolvendo o sítio em Atibaia, Lula não só insiste em não dar explicações acerca dos fatos, como ainda afirma: “Eu duvido que tenha alguém neste país que seja mais cumpridor da lei do que eu. A única coisa que eu quero é respeito”. Ora, o mínimo que se espera de uma pessoa pública da envergadura dele e que se diz cumpridora da lei é que se defenda publicamente, de forma convincente – não por frases de efeito ou tergiversação – dos crimes de que está sendo acusado. Se ele quer respeito, o povo também quer.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

ETERNO PRESUNÇOSO

 

“Lulla” afirmou, mais uma vez, que duvida que tenha alguém neste país que seja mais cumpridor da lei do que ele, que respeite mais as instituições do que ele e que querem tirá-lo da disputa de 2018. Mas o eterno presunçoso ainda não atinou. Ninguém pretende tirá-lo da disputa de 2018. O povo quer mesmo é colocá-lo na cadeia!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

ALMA PRETENSIOSA

 

Lula é a única alma honesta ré do mundo, e a primeira a querer dizer o que a Justiça deve fazer.

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

EMBUSTEIRO PROFISSIONAL

 

Discursando em São Paulo, Lula voltou a fazer-se de santo e desafiou: “Duvido que tenha alguém neste país que seja mais cumpridor da lei do que eu, que respeite mais as instituições do que eu”. Falar não paga imposto, mas as palavras do ex não correspondem aos fatos. Os exemplos de que Lula desdenha tanto da lei quanto das instituições nacionais são inúmeros e estão aí para quem quiser ver. Nos Jogos Pan-americanos do Rio, Lula deteve ilegalmente dois pugilistas cubanos que apenas pretendiam tocar sua vida profissional em outro país (EUA), repatriando-os arbitrariamente para as garras da ditadura cubana, rompendo com antiga tradição brasileira de acolher estrangeiros, mormente os perseguidos. Na contramão, deu asilo político a um extremista italiano, Césare Battisti, condenado nos tribunais democráticos da Bota. Em discurso proferido no ano de 2010 Lula deu o exato tom de seu apreço ao Poder Judiciário: “Não podemos ficar subordinados, a cada eleição, ao juiz que diz o que a gente pode ou não fazer”. Todos, ademais, se lembram de que Lula ameaçou convocar um tal “exército do Stédile” para defendê-lo, talvez pensando em confrontar o Exército brasileiro, caso algo lhe acontecesse de ruim.  Também foi notória a recusa de Lula para depor nas investigações em curso contra sua pessoa, tanto que o magistrado optou por sua condução coercitiva – fato, aliás, de que agora se prevalece para atacar a magistratura nacional no Comitê de Direitos Humanos da ONU. O que não faltam, por conseguinte, são exemplos do enorme “apreço” de Lula pelas instituições nacionais. Resta saber se o pessoal das Nações Unidas vai comprar seus embustes.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

PACIÊNCIA TEM LIMITE

 

Lula, vulgo “pixuleco”, anda abusando da paciência dos brasileiros. Disse recentemente que duvida que tenha alguém neste país que seja mais cumpridor da lei do que ele, que respeite mais as instituições do que ele. Na semana que passou dois fatos envolvendo Lula e sua família desmentem mais essa bravata. Primeiro, em perfeito desrespeito às instituições, usou de forma criminosa o Poder Judiciário para maquiar seus crimes, quando ajuizou ação civil pedindo danos morais à União, neste caso se escudando na mulher, filho e nora. Segundo, contratou o famoso e caríssimo advogado inglês Geoffrey Roberston para difamar e caluniar o Brasil na ONU. E o custo desses processos, quem banca? Para quem se diz parco de recurso financeiro, é um feito em tanto. E, coincidentemente, na mesma semana o caminho para a prisão deste apedeuta já foi aberto, é só aguardar.

 

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

 

*

QUEM NÃO DEVE...

 

Lula contratou um advogado nos EUA para representá-lo na ONU. Pergunta: de onde saiu esse dinheiro? Será que agora, com essa contratação, não fica caracterizada uma confissão de roubo à Nação? E tem mais um lado: quem não deve não teme. Se ele é a alma mais honesta do planeta, por que uma defesa tão veemente? Se não deve nada, é só aguardar o fim das investigações, que resultarão em nada (para quem não deve, logicamente).

 

Márcia Rossi Soares marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

 

*

DÚVIDA

 

Como Lula sempre afirmou que não tem nada em seu nome, quem estará pagando o advogado na ONU?

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

 

*

LULA GOEBELLIANO

 

Joseph Goebbels, marqueteiro de Hitler, de triste memória, dizia que uma mentira reiterada torna-se verdade. O sr. Lula da Silva assevera aos quatro quantos que é o homem mais honesto do mundo, bem como aquele que nunca descumpriu as leis, sempre respeitou as instituições, nunca obstruiu a Justiça, enfim, um exemplo de dignidade como homem público. Todavia, sr. Lula da Silva, sua desfaçatez joga por terra todo este seu rótulo de bom samaritano. Aliás, ressalte-se que a contratação de advogado de reputação internacional para defendê-lo na ONU, já que se tornou réu em ação judicial da Justiça brasileira, é algo “sui generis” e que deve propiciar elevados honorários à referida banca (com que recursos?). São 12 milhões de brasileiros desempregados, um país que vive a maior crise econômico-financeira das últimas décadas, o que propiciou com a sua ação ou omissão que os maiores crimes financeiros fossem perpetrados contra a Nação. No seu desgoverno e no de sua pupila, Dilma, não houve limites para a corrupção desenfreada, muito bem orquestrada pelo seu partido, o PT, com sua anuência. Tudo isso ensejou um rombo descomunal nas finanças públicas, em razão do desvio sistêmico de bilhões de reais dos cofres de nossas estatais. Assim, sr. Lula da Silva, não tendo vossa senhoria e seus asseclas nenhum limite, não podemos dizer que “o céu é o limite”! Talvez, o inferno.

 

Luiz A. Garaldi de Almeida lagaraldi@uol.com.br

São Paulo

 

*

UM DURO GOLPE

 

A recente decisão (29/7) do juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10.ª Vara Federal de Brasília, que recebeu a denúncia contra o ex-presidente Lula na investigação sobre a tentativa de obstruir a Justiça, de fato causou um grande impacto no meio político. Sempre é bom lembrar que a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não é somente baseada na delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral na Operação Lava Jato, más há registros de diversas conversas telefônicas entre Lula e seu “amigo do peito” José Carlos Bumlai, que pagou ou mesmo ofereceu R$ 250 mil para calar o diretor da Petrobrás Nestor Cerveró. A decisão do juiz Ricardo é, sem dúvida, um duro golpe para o PT, Lula e a presidente Dilma. O PT passa o pior momento em seus 36 anos de vida. 

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

A VERDADE

 

Lula vira réu na Lava Jato por tentar obstruir investigação. Finalmente ele está sendo desmascarado!

 

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

 

*

CORRIDA DE OBSTÁCULOS

 

Uma das provas do atletismo mais difícil é a corrida com obstáculos, e Lula está se preparando para vencer essa competição. O primeiro obstáculo são a “República de Curitiba” e a crueldade do juiz Sergio Moro, que fez o ex-presidente apelar para a comissão de direitos humanos da ONU. O segundo é a Justiça do Distrito Federal, onde o “jararaca” tornou-se réu e a paulada pode, agora, atingir sua cabeça. Os demais obstáculos, que são muitos, vêm tirando o sono do “messias” do PT, e quem não dorme direito não tem como vencer nenhuma corrida.

 

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

 

*

LULA VIRA RÉU NA LAVA JATO

 

Provas, provas, provas e mais provas. E nada acontece com “o cara”.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

ESQUECERAM DE MIM?

 

“Lulla” e “amigos” tornaram-se réus. E o Mercadante?

 

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

 

*

ANTES QUE SEJA TARDE

 

Considerando que Lula já é réu, o que a força-tarefa da Lava Jato está esperando para solicitar a retenção do seu passaporte?

 

Sergio Diamanty Lobo diamanty18@gmail.com

São Paulo

 

*

‘FOGE-LULA’

 

O ex-presidente Aberto Fujimori, do Peru (1990 a 2000), fugiu para o Japão em 2000 para escapar da prisão por corrupção. Ao retornar ao Peru em 2007, foi condenado a 25 anos de cadeia, onde permanece. Aqui, no Brasil o ex-presidente Lula (2003 a 2010) – diante das evidências inquestionáveis de profundo envolvimento em corrupção para beneficio próprio e de aliados – parece estar armando a estratégia “Foge-Lula”. É premente que vá imediatamente para a cadeia aqui, no Brasil.

 

Claudio Janowitzer cjano@terra.com.br

Rio de Janeiro

 

*

ASILO

 

Imaginem Lula pedindo asilo ao Japão. Justificativa do pedido: “Moro de medo do Moro”.

 

Jonas de Matos jonas@jonasdematos.com.br

São Paulo

 

*

O MUNDO PRECISA SABER

 

A decisão equivocada de Lula ao recorrer à ONU contra suposto abuso de autoridade do juiz Sergio Moro passou a ideia de que a Constituição não estaria sendo cumprida nas investigações contra ele e o mundo precisaria saber disso. Uma desculpa esfarrapada e sem consistência, pois, se o “mundo” precisa saber o que acontece no Brasil, precisa saber quem foi o mentor do petrolão, quem foi o cara que mais lucrou no governo vendendo ilusões ao povo e que em nome de “palestras” pouco convincentes arrecadou milhões para seu cofre. Com o surgimento da internet, não há como não saber o que acontece nos países. Ocorre que muitos jornalistas que cobrem matérias políticas no Brasil têm dificuldades de entender o tamanho da corrupção, seja por preguiça, por ideologia ou mesmo por desinteresse. Basta ler jornais e revistas sérias e verão que a ONU nada poderá fazer, a não ser confirmar o que já sabe sobre Lula. De resto, Lula recorreu à ONU porque tem dinheiro em caixa. Seria importante o Ministério Público investigar de onde veio o dinheiro para pagar o advogado e, depois, contar ao mundo, pois o mundo também precisa saber das falcatruas petistas. 

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

LULA NA MÍDIA MUNDIAL

 

Lula conseguiu o que queria: voltar à mídia mundial. Afinal, estava mais apagado que vela de cemitério antes de Finados. Com sua “apelação” à ONU, foi matéria até em noticiário matutino, com imagens e comentários na RAI italiana no sábado, dia 30 de julho.

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

BRINCADEIRA TEM HORA

 

Lula “pagodinho” é um covarde. Após jogar vários companheiros aos leões, desesperado com medo ser preso, recorre à ONU. Cínico, diz respeitar as instituições. Como disse seu companheiro Delcídio, sua conta chegou, agora segura o rojão, meu irmão. E, para terminar, parafraseando uns versos do companheiro Bezerra da Silva, “você com o poder na mão é um bicho feroz, sem ele anda rebolando até muda de voz”...

 

Mário Aldo Barnabé mariobarnabe@hotmail.com

Indaiatuba

 

*

RESPOSTA

 

O Poder Judiciário como um todo e o Brasil esperam uma resposta do Supremo Tribunal Federal (STF), na pessoa do seu presidente, ministro Ricardo Lewandowski. Uma palavra, um esclarecimento em face das reclamações do sr. Lula da Silva perante a ONU, achando que é vítima de uma retaliação e perseguição de juízes brasileiros. O sr. Lewandowski deve esclarecer ao referido senhor que o Poder Judiciário julga fatos delituosos ou não, nunca as pessoas por operações políticas. Essa omissão é grave!

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PROBLEMA NÃO É O JUIZ

 

Com medo de ser preso, Lula contratou um famosíssimo advogado internacional para apresentar um recurso ao Comitê de Direitos Humanos da ONU contra o suposto “abuso” de poder do juiz Sérgio Moro. Ocorre que outro juiz federal em Brasília, Ricardo Augusto Soares Leita, aceitou denúncia contra Lula e outro pela obstrução de Justiça na Operação Lava Jato, tentando comprar o silêncio de Nestor Cerveró. Ou seja, o problema verdadeiro não é o juiz, é que o ex-presidente organizou e participou de tantos atos ilícitos que está chegando agora a justiça, graças as delações premiadas de muita gente. Caiu muito mal se projetar como injustiçado, pela atenção voltada ao Brasil nesta época da Olimpíada. Danem-se a imagem do Brasil, e os enganados brasileiros que votaram nele, em Dilma e no PT, pois o que importa agora é salvar a pele do “capo de tutti capi”.

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

DENÚNCIA NA ONU

 

Que tal denunciar os corruptos do Brasil à ONU?

 

Oscar Rolim Júnior rolimadvogado@gmail.com

Itapeva

 

*

CERTEIROS

 

Entre vários textos primorosos na edição de sábado, 30/7/2016, permito-me destacar dois deles: por primeiro, o artigo do professor Brasílio Sallum Jr., absolutamente certeiro na análise que fez das razões pelas quais Collor e Dilma, inebriados pelos esplendores do poder, deixaram-se levar pelo abuso do seu exercício, com exacerbado voluntarismo que os levou inexoravelmente a um desfecho melancólico; em segundo, o primoroso editorial “Habeas corpus preventivo”, no qual ficou escancarada para os leitores a verdade escondida na iniciativa, aparentemente trêfega, de Lula denunciar o Estado brasileiro ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas por “abuso de poder” cometido contra ele pelo juiz federal Sérgio Moro. Tal atitude, que está causando estupefação a muitos pela sua aparente insensatez, foi muito bem articulada para transformar o “Berlusconi brasileiro” numa vítima da perseguição política, obnubilando ainda mais a frágil consciência política do povo brasileiro, completamente iludido pela demagogia rastaquera disseminada pelos espertalhões de plantão que, há mais de uma década, tornaram a vida pública a continuação da privada, como já dizia o arguto Barão de Itararé…    

 

Newton De Lucca  desnewtondelucca@gmail.com

São Paulo

 

*

ABUSO DE PODER

 

O ex-presidente Lula vem alegando que vem sendo vítima de abuso de poder. Na realidade, como é de praxe com o lulopetismo, Lula acusa seus adversários das práticas que ele mesmo pratica. Ou alguém tem qualquer dúvida de que Lula ainda não foi preso justamente em razão do poder que ele ainda detém e abusa para manter a Polícia Federal longe da sua porta?

 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

RETROCESSOS À VISTA

 

Renan Calheiros, presidente do Senado, afirma que será votado o projeto para mudar a lei de crime por abuso de autoridade antes do recesso, pois é urgente. Já o governo tira o regime de urgência dos três projetos contra corrupção. E, como se não bastasse, o Supremo Tribunal Federal (STF), com centenas de processos a julgar, trabalhando a passo de tartaruga na condenação de corruptos, ao contrário de Curitiba, mais uma vez nos impacta com a decisão de Celso de Mello que suspende mandado de prisão de condenado em segunda instância, criando insegurança jurídica e atrapalhando a Lava Jato. Os movimentos de rua devem urgentemente alinhar suas demandas, e o povo tem de ir maciçamente às ruas, pois só a pressão popular pode impedir estes retrocessos à vista.

 

Paulo Cesar Feltrini pc.feltrini@hotmail.com

São Paulo

 

*

GRANA SEM CLASSE

 

Na semana passada tivemos a gostosa notícia de nova prisão de Carlinhos Cachoeira, desonesto preso e liberado diversas vezes. Mas a imagem de 90% da cueca deixados à mostra ao entrar no camburão prova que fortuna adquirida criminalmente não compra noções básicas do ridículo para um criminoso sexagenário.

 

Paulo Ruas pstreets@terra.com.br

São Paulo

 

*

INSUSTENTÁVEL

 

O melhor da justificativa do desembargador relator do pedido de volta a prisão dos srs. Carlinhos Cachoeira e Cavendish foi ter dito que “o País não aguenta mais tanta corrupção e impunidade”. Espero que essas palavras encontrem eco e sensibilizem outros poderes da República, principalmente o Judiciário.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

MICHEL TEMER E A REELEIÇÃO

 

A entrevista do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), em que atribui ao presidente Michel Temer (PMDB) a condição de candidato à reeleição em 2018, é, pelo menos, inoportuna. Para desfazer desconfianças, espera-se que o presidente convoque sem demora os jornais e a rede nacional de rádio e televisão para declarar com todas as letras que está comprometido com a governabilidade do País e, portanto, não será candidato à reeleição em hipótese alguma. Destaque a grande tarefa que o destino colocou sobre seus ombros, de tirar o País da grave crise econômica, política e ética. E, com isso, tenha forças para capitanear a recuperação nacional para, ao final de 2018, entregar o poder ao sucessor legitimamente eleito. Se cumprir só essa tarefa, sem pensar nem admitir reeleição ou continuidade, a história, com certeza, o reconhecerá como um verdadeiro estadista.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

 

*

PASSAGEIRO

 

Deve ter sido por ingenuidade ou infantilidade que Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, tenha apoiado para 2018 o presidente interino Michel Temer. Michel Temer veio apenas preencher o espaço constitucional para nos livrar do desastre econômico em que a “presidenta incompetenta Dillma” nos colocou, mas está longe do ideal, já que por trás do PMDB os antigos caciques, coronéis do atraso, como Sarney, Jader Barbalho e Renan Calheiros, continuam agindo nas sombras. Imaginem se o PMDB vier a assumir o poder com o apoio do povo brasileiro? Rodrigo Maia, menos, menos! Michel Temer é o único instrumento que tínhamos no momento. Daqui a dois anos e cinco meses queremos gente nova, e não comprometida com a corrupção endêmica, da qual o PMDB fez parte.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

A CONTRIBUIÇÃO DE TEMER

 

Ao assumir interinamente a Presidência da República no dia 13 de maio, Michel Temer assumiu também os compromissos de adotar medidas econômicas necessárias – mesmo que impopulares – e, para tanto, não buscar a reeleição em 2018. Tais promessas lhe conferiram o apoio de setores antipetistas (avessos ao populismo) e do mercado. As especulações da última semana, que o apontam, sim, como presidenciável, traem aqueles que vislumbraram no perfil de governo traçado por Temer uma alternativa ao descalabro lulopetista. Reformas mais complexas, como a da Previdência e a trabalhista, estão pendentes há algum tempo, o que é compreensível, haja vista o caráter interino do governo; pensar, mesmo que remotamente, em 2018 irá influenciá-las negativamente. O presidente interino tem a nobre missão de dar o pontapé inicial na recuperação da economia brasileira e, através da cláusula de barreira, arar o terreno de transição para o sistema parlamentarista. Se a ambição falar mais alto, Temer não dará sua devida contribuição para a história tupiniquim.

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Belo Horizonte

 

*

CANDIDATURA AÇODADA

 

Enquanto o povo brasileiro está empenhado em resolver os problemas de 2016, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de forma açodada e infeliz, faz lançamento de candidatura para 2018! Só pensa naquilo!

 

Walter Rosa de Oliveira walterrosa@raminelli.com.br

São Paulo

 

*

MENOS...

 

Moleque deslumbrado. Cala a boca, Maia. Menos.

 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

 

*

TEMERIDADE

 

No fim de semana, inaugurando uma obra que também está atrasada, apesar de todo o tempo que o Brasil teve para se arrumar para a Olimpíada, foi uma “temeridade” o presidente interino Michel Temer usar o momento para apregoar a união do País, quando até os brasileiros sabem que isso é retórica ensaiada e pouco efetiva. Só teremos união quando os políticos falarem o mesmo idioma do povo e do contribuinte!

 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PROMESSA É DÍVIDA

 

A promessa de Temer ao assumir foi de eliminar mais de 4 mil cargos comissionados (o que ainda é pouco). O povo brasileiro está esperando impaciente!

 

Elcio Espindola elcio.espindola2013@gmail.com

São Paulo

 

*

INSENSÍVEL

 

Michel Temer perdeu boa oportunidade de ficar calado ao dizer que o câncer serviu para deixar Pezão, o governador do Rio de Janeiro, mais bonito. Quem diz uma asneira dessas ainda não sabe o que significa passar por essa doença.

 

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

 

*

IMPEACHMENT

 

Dilma Rousseff prepara uma carta a ser enviada aos senadores supostamente para justificar suas ações e livrar-se do impeachment. O texto, segundo consta, será discutido com seus apoiadores, inclusive os do partido. Conhecendo a autora e suas dificuldades em expressar-se, tudo indica repetir a enfadonha retórica populista voltada aos desinformados e à classe trabalhadora – ora com 11,6 milhões de desempregados. E, na incúria habitual, deverá reafirmar do Gênesis de nosso país pelo guia Lula, devendo deturpar o resultado do Apocalipse fruto de seu desgoverno.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

MANIFESTAÇÕES

 

Domingo, 31 de julho, foi mais um dia de manifestações pelo impeachment. O processo continua e deve afastar de vez Dilma Rousseff, Lula e o PT do poder. Michel Temer assumirá definitivamente, para um mandato de dois anos, cujo principal foco é a Economia. Missão cumprida? Muito ao contrário. Nova missão: a reforma do Estado, que, como diria Shakespeare, está podre. A partir de setembro as manifestações deverão mudar, para mudar o Brasil. Reforma deve ser a nova palavra de ordem, e, como o problema do País é a má gestão, o primeiro item a melhorar são os gestores − os que governam e os que fazem as leis. O voto popular é obrigatório e de baixa qualidade, influenciado por propaganda eleitoral ruim, debates fracos e mais de 30 partidos que registram candidatos sem a mínima qualificação... Portanto, a mudança deve começar com uma reforma político-eleitoral profunda e urgente, começando pelo voto facultativo e restrito apenas aos cidadãos que provem ter o mínimo de conhecimento da Constituição e do sistema político nacional. O voto é a chave para fechar as portas do passado e abrir as do futuro. Mãos à obra!

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

A COBERTURA DA IMPRENSA

 

A imprensa, que foi tão atuante na campanha Diretas Já, no impeachment de Collor e em tantos outros movimentos, agora, nas manifestações pelo impeachment de Dilma, se omite. Mais uma vez, não dão a menor cobertura. Por que será? Eu estranho essa atitude da grande imprensa. Afinal, segundo os “petralhas”, a mídia seria a grande fomentadora do “golpe”. Acho que é o contrário. Dá a impressão de que estão do lado escuro do poder. Está na hora de passarem para o lado claro, límpido, honesto e fazerem uma cobertura descente do que o brasileiro quer, que é “fora Dilma” já! Chega de omissão.

 

Elisabete Darim Parisotto beteparisotto@gmail.com

São Paulo

 

*

APELO IRRESISTÍVEL

 

Tem muita gente anti-PT participando de manifestações a favor do próprio. Com a situação em que este mesmo partido deixou os brasileiros, um sanduíche oferecido não dá para desprezar.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

LIDERANÇAS

 

As manifestações do último domingo mostraram mais uma vez que falar em nome do povo é muita presunção. Alguns pretensos líderes efetivamente desejam a manutenção de uma decisão que é política, e não jurídica. Isso, sim, tem repercussão negativa para o Brasil em relação às democracias mundiais. É lamentável o ponto a que chegamos ultimamente.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

 

A cidade de São Paulo, graças ao prefeito Fernando Haddad (PT), está um lixão, e, pior, mesmo com a falta de emprego, não há candidatos competentes para administrar a cidade a partir de 2017. Infelizmente, as opções de candidatos vão dos tempos das cavernas (Luiza Erundina), passando por incompetência já comprovada (“Martaxa”), por opositor da ficha limpa (Celso Russomano), por desconhecedor e inexperiente na administração pública (João Dória Jr.), além do inaceitável Fernando Haddad. Pobre São Paulo. Salve-se quem puder!

 

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

PAPELÃO

 

Marta Suplicy perdeu uma grande chance de ficar calada ao criticar o PT, partido ao qual pertenceu, por ocasião da divulgação oficial de sua candidatura a prefeita de São Paulo pelo PMDB. Ou seja, simplesmente cuspiu no prato em que comeu a vida toda. (Não estou defendendo o PT, mas, sim, criticando sua péssima atitude). Outra grande oportunidade perdida foi quando quis sambar ridiculamente no palco de mãos dadas com seu vice, Andrea Matarazzo, totalmente desengonçada e fora de ritmo. Acabou com a escola de samba, né não?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

  

*

‘OS MILITARES E A SEGURANÇA PÚBLICA’

 

A propósito do contundente editorial “Os militares e a segurança pública” (1/8, A3), sobre projeto do deputado Esperidião Amin (PP-SC) que altera o Código Penal Militar, para que seja transferido à Justiça Militar o julgamento de crimes dolosos cometidos por seus pares contra civis até o final deste ano, cabe, por oportuno, destacar o Art. 5.º da Constituição federal do Brasil: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”. Com certeza, o valoroso Exército Brasileiro não deve se julgar melhor ou acima da Lei que rege a todos, pois não? Em latim, “erga omnes”.

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

ACIDENTE COM CAÇA DA MARINHA

 

Não é nada bom duvidar da capacidade operacional das nossas Forças Armadas, mas a atuação da nossa Marinha no caso do choque ocorrido com dois dos seus caças é preocupante. Pelos informes divulgados, o acidente teria ocorrido próximo ao porta-aviões, então se presume que a localização dos destroços não seria problemática. Outro fato interessante é a comunicação – segundo o “Estadão”, a Marinha teria informado que “a identidade do piloto é conhecida”. Puxa! Ainda bem. Só faltava desconhecerem quem pilotava uma aeronave de sua responsabilidade e que custa alguns milhões de dólares.

 

Nestor R. Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

 

*

ELEIÇÃO NOS EUA

 

Em menção à carta do leitor sr. Marco Aurélio Agarie (“Fórum dos Leitores” online, 30/7), gostaria de pontuar que, embora o mundo esteja contaminado pelo câncer do esquerdismo, o coro feito contra Donald Trump, candidato republicano à Presidência dos EUA, se deve muito mais às bizarrices que ele defende/representa que pela ideologia política. Prezado sr. Agarie, particularmente me considero na direita da esfera política. Sou conservador, meritocrata, sionista, partidário do amplo direito à liberdade irrestrita de expressão e pensamento e contrário à sodomia de assistencialismos promovidos por governos de esquerda, os quais não assistem apenas quem necessita, mas também quem tem “braço curto” (se compreende a expressão popular). Partidário dos direitos iguais que sou, me oponho ao feminismo nazi, defendido por diversas pessoas de esquerda, e me agarro num conceito mais simples e sólido: combatamos o machismo. Trump é machista. Já quanto às deportações que ele defende, concordo que grande parte da reputação da América Latina ruiu nos EUA em razão da imigração quase parasita do México. Ainda assim, não compactuo com a ideia de que todos os mexicanos são bandidos e estupradores, como Trump defende. Na política internacional, Trump não gosta dos aliados históricos dos EUA. Após termos derrotado o satânico nazismo, houve a necessidade da manutenção de relações com França, Reino Unido, Itália – e, posteriormente, a própria Alemanha – para que pudéssemos combater o câncer seguinte ao regime de Hitler; o – também totalitário, porém no sentido oposto – comunismo endêmico, plantado pela finada União Soviética e que infectou boa parte da América Latina, além de empurrar Cuba, a Coreia do Norte e o Vietnã para o buraco da falência comunista, recheada de totalitarismo, repressão e sangue, como até hoje observamos nestas nações. A União Soviética deixou de existir, mas a Rússia não deixou suas raízes maléficas, trocando o comunismo totalitário por um regime mafioso, obscuro e igualmente repressor. E Trump quer se aliar com Vladimir Putin, figura sinistra do que restou da KGB. Por mais que o socialismo francês e a frieza alemã sejam difíceis de lidar, é melhor termos eles como parceiros do que uma nação que já quis – e ainda quer (!) – vencer o “American Way of Life”. Trump não gosta dos islâmicos. Eu tenho minhas reservas, devido ao meu posicionamento sionista, porém tenho plena convicção de que é errado tachar todos os seguidores de Alá como terroristas. É apenas uma religião. Infelizmente, conduzida de maneira errônea em diversos países onde não há instrução e liberdade para pensamento e contestação de ideias. E quem prega com viés distorcido e usa dessas metodologias nefastas para impor sua visão acaba criando o que vemos atualmente. Ainda assim, de modo contrário a Trump, creio em agentes do mal na religião. E não no mal da religião. Trump também crê que pode tratar as pessoas como quiser, devido à maneira com a qual alcançou sucesso nas organizações que preside. Mais do que mandar, gerir empresas e pessoas requer tato. Pulso firme, sempre. Mas sem perder o tato. E isso Trump não tem. É perfeitamente possível observar isso na grosseria de suas atitudes. Um presidente não pode ser assim. Já não basta termos visto Fidel Castro, Hugo Chávez, os Kirchner e tantos outros estúpidos líderes? Na política americana, sempre preferi os republicanos, ainda que simpatize com os democratas – os menos esquerdistas, lógico. Todavia, desde o fim da era Reagan, o “Grand Old Party” (Partido Republicano) encontra-se numa crise de bons líderes. Bush pai foi um zero à esquerda. Bush filho foi um desastre. Quando do fatídico 11 de Setembro, concordei e apoiei plenamente a invasão do Afeganistão, uma “terra de ninguém” dominada pelo sanguinário Taleban. Um país esquecido por Deus, que precisava de ações enérgicas para combatermos o então “terrorismo islâmico”. Ocorre que Bush resolveu inventar uma desculpa para invadir o Iraque – de onde seu pai foi expulso no tapa – e mexeu num vespeiro que parece não ter fim. Saddam Hussein era um ditador sanguinário, mas sua retirada exigia mais planejamento dos americanos, para tentar evitar o caos pós-fim do escudo de ferro. E agora o Iraque é mais um país esquecido por Deus. Trump não parece tão interessado em intervir no mundo, como Bush filho. Mas é necessário que os EUA, a nação mais importante do planeta – queiram ou não os esquerdistas, é a verdade – mantenham-se presentes nos quatro cantos do mundo, a fim de buscar a manutenção na ordem e na gestão dos conflitos. Retirar-se do cenário internacional e ignorar os aliados históricos é um erro crasso de Trump. E pode desencadear diversos cenários sombrios, onde Rússia, Coreia do Norte e China podem querer tomar as rédeas da situação, culminando em sabe-se Deus o que. Além do mais, o ostracismo americano que Trump deseja implementar seria uma enorme ameaça à continuidade da existência do Estado de Israel, visto que toda a intifada palestina, apoiada pela anarquia dos esquerdistas ignóbeis e patrocinada pela Arábia Saudita, Irã e pelos Emirados Árabes, não encontraria limites em sua “jihad antissemita”. Outro problema para o qual Trump não demonstra ter intenções mais profundas é o caso da Síria. Após a autoinstituição do califado do Estado Islâmico, estamos observando uma Terceira Guerra (ainda não oficial) se desenhando. Dos confins do que restou daquele país, terroristas proliferam e seus ideais multiplicam-se como praga, mundo afora. Não adianta ficar com este “mimimi” de ataques aqui e ali, protagonizados pelos EUA de Obama e outros aliados, ou pela política do “morde e assopra” de Putin, que esfaqueia, ao mesmo tempo que alimenta o caos naquela parte do mundo. É preciso haver uma ação conjunta e organizada de grandes potências mundiais e seus aliados, na Síria e no Iraque. Sim, outra guerra. Mas uma que resolva a situação. Algo em que Obama não quis mexer e o socialismo europeu finge não ver – porém agora começam a sentir na pele o caos da falta de ação contra a praga. Em suma, falta a Trump o bom senso que esperaríamos de outro republicano, como Jeb Bush ou John Kasich, candidatos derrotados nas prévias do G.O.P. Particularmente, simpatizo com Hillary Clinton. Sei que não é o melhor que poderia vir do lado democrata, mas é bem menos pior que o socialista Sanders. Não creio que causará revoluções no mundo, mas ao menos há um sentimento de certeza de que tudo se manterá em pé, até que apareça outro candidato, daqui a quatro anos, mais promissor. Já Trump ameaça os pilares do mundo como o conhecemos. Suas atitudes extremas, seja pelo fascismo de algumas opiniões ou pelo ostracismo americano que pretende impor, podem turbinar os anseios nefastos de China e Rússia. E da dominação por essa gente queremos todos distância. Saudações.

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

 

*

DETALHE LINGUÍSTICO

 

Se Hillary Clinton vencer a eleição nos EUA, o homem mais poderoso do mundo, então, será uma mulher.

 

Wellington Anselmo Martins am.wellington@hotmail.com

Bauru

 

*

OS VINDOUROS

 

Nossos políticos devem estar felizes com o protagonismo de Trump nas eleições americanas. Se alguém com as qualificações (ou falta de) sobejamente demonstradas, debatidas e veiculadas está à beira da eleição presidencial americana, imaginem as oportunidades políticas que se abrem no Brasil. Infelizmente, a falta de mudanças na prática político-partidária faz manter o risco de elegermos líderes messiânicos, populistas ou candidatos-poste sem traquejo político ou capacidade administrativa. No fim do mês o País julgará o fim de mais uma experiência política desastrosa. Neste momento, deveria estar também em julgamento a eficácia de um sistema que mantém as premissas que nos levaram a essa situação. Evitaríamos que os vindouros passem o que estamos sofrendo.

 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

 

*

A LEITURA, PORCHAT E KARNAL

 

O jornal não morreu e seguirá eterno. A leitura é um prazer que também se perpetuará. Alguns podem apreciá-la mais cedo, outros mais tarde e isso por diversos motivos. Enquanto isso, o jornal seguirá sua jornada. Existem jornais excelentes, bons, ruins e muito ruins. Existem escritores (escritoras) excelentes, muito bons, bons, ruins e aquelas pessoas que não são escritoras, e um jornal precisa entender isso e nunca se esquecer de sua alma, de sua função. Ainda existem leitores, mesmo nos tempos dos “I-isso”, “I-aquilo” e do “zapzap”. Em seu primeiro texto no “O Estado de S. Paulo”, Karnal escrevia constrangido e lisonjeado por estar ao lado de Veríssimo. No domingo, 31 de julho de 2016, o grande comediante Fábio Porchat se despediu deste grande jornal. Que siga feliz em seus vídeos e comédias, pois é muito bom e eu me divirto muito com o trabalho dele. Que o jornal nunca se esqueça de sua alma! Nem tudo está perdido!

 

Marlus Garcia do Patrocínio marlusgp@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.