Fórum dos Leitores

Participação dos leitores

O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2016 | 03h00

PODER JUDICIÁRIO

Fazendo escola

O juiz titular da 7.ª Vara Criminal Federal, dr. Marcelo da Costa Bretas, condenou o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pereira da Silva a 43 anos e a filha dele a 14 anos de prisão, mais 12 pessoas, por desvio de recursos na construção da usina nuclear Angra 3. Realmente, o culto e atuante Sergio Moro está fazendo escola entre os juízes honestos na Justiça Federal.

ARTUR TOPGIAN

topgian@terra.com.br

São Paulo

Lewandowski e o PCC

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, concedeu habeas corpus para revogar a prisão cautelar de um suposto integrante do PCC. Em decisão ainda no recesso do Judiciário, o ministro concluiu que a prisão cautelar por longo prazo era desnecessária, mesmo sabendo, segundo o Ministério Público do Ceará, que Luís Fabiano Ribeiro Brito é integrante da facção criminosa e fora a Fortaleza para coordenar ataques à estrutura policial, “planejando atingir batalhões”, postos de vigilância, oficinas de manutenção de veículos de segurança, bem como atear fogo em viaturas e, principalmente, ceifar vidas de número indeterminado de policiais. Diante disso, gostaria de saber: o que leva Lewandowski a permitir que a população de Fortaleza fique tão exposta a um indivíduo com tantos indícios de ser terrorista?

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

Existe algo muito mais “subliminar” na autorização do ministro Lewandowski para soltar o bandidão do PCC preso em Fortaleza. Como petista de carteirinha, está abrindo jurisprudência para quando a petralhada começar a entupir a cadeia de Curitiba. Vai libertar todos eles com o mesmo argumento: “Até que se prove o contrário, todos são inocentes perante a lei”. Afinal, se soltou bandido perigoso, traficante e assassino, porque a lei permite, por que não fazer o mesmo com os cumpanheiros? Essa gente está ficando muito previsível!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Ao conceder habeas corpus a preso com extensa ficha criminal, Lewandowski, de fato, nada mais fez do que aplainar o futuro cárcere dos seus amigos do PT. Que o Ministério Público Federal e outros ministros do STF não se “acovardem” diante de tanta insensatez e parcialidade.

ARNALDO RAVACCI

arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

Celulares liberados

Agora o STF resolveu que os presos têm todo o direito de usar celular nos presídios, proibindo os Estados de exigirem das operadoras o bloqueio do sinal. É que seu uso talvez ajude na ressocialização, seria um procedimento constrangedor privá-los dele... Que país é este?!

LUÍZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Pokémon Go

O Supremo decide que leis estaduais não podem bloquear celulares nos presídios. Agora só está faltando o STF liberar o Pokémon Go nos presídios também... Afinal, o que é um joguinho a mais para quem comanda ações criminosas contra toda a sociedade honesta – aquela que, vale lembrar, paga os altíssimos salários e todas as mordomias e ajudas de todo tipo que os srs. ministros se autoconcedem?

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Meritocracia

Já pensaram se os salários dos ministros do STF fossem calculados pela produtividade? Salário mínimo já seria demais!

M. CRISTINA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

Amigos para sempre...

O ministro Dias Toffoli – aquele que nunca passou em concursos para juiz, foi advogado do PT e indicado para o STF pelo amigo Lula – até que ia bem, mas ao aceitar habeas corpus e deliberar monocraticamente pela libertação de seu amigo Paulo Bernardo, marido da sua amiga Gleisi Hoffman, teve uma recaída, e das grandes! Ao alegar falta de provas, Toffoli subiu aos píncaros da hipocrisia, haja vista o conjunto probatório apresentado pelo Ministério Público. Veremos agora como se vai comportar o presidente do STF, ministro Lewandowski, ao presidir o julgamento do impeachment de sua amiga Dilma Rousseff. Será que há alguém amigo do povo para trancafiar quem roubou dos aposentados federais e “aposentar” quem arruinou o País?

CESAR ARAUJO

cesar.40.araujo@gmail.com

São Paulo

Apadrinhados

Todos os juízes do STF deveriam assumir o cargo só após passarem em concurso público, e não ser indicados por presidentes. Ou alguém acha que o indicado será totalmente honesto ao, eventualmente, julgar quem o indicou? É o caso atual de quem julga o indefectível Lula.

AGOSTINHO LOCCI

legustan@gmail.com

São Paulo

A propósito de Lula, se ele é o cara “mais honesto do mundo”, que diferença faria ser julgado pelo STF ou em Curitiba?

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

Muito ‘ixperrrto’

O ministro Luís Roberto Barroso, no seu estilo de falsa Poliana, saiu por aí se dizendo indignado e demandando leis mais duras para “desincentivar” a corrupção no Brasil. Alguém precisa desenhar para o ministro que basta que as leis existentes sejam cumpridas e penas duríssimas sejam aplicadas de forma célere, principalmente pelo STF – do qual Barroso faz parte, mas finge desconhecer nessas horas.

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

OLIMPÍADA

Suprema bagunça

Não entendo o espanto dos membros do COI com a suprema e absurda bagunça nos Jogos Olímpicos. O que eles esperavam? Alguma organização da parte dos governos do Rio de Janeiro e do PT?

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Novas modalidades

Como o COI não para de inventar jogos, sugiro bolinha de gude, porrinha (jogo de palito) e bafo (virar figurinhas com a mão). Aceitam-se outras sugestões.

HAMILTON PENALVA

hpenalva@globo.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OLIMPÍADA RIO-2016

 

Os Jogos Olímpicos 2016, após tanta polêmica, vão enfim começar. A abertura oficial ocorre hoje, e serão 16 dias da maior competição esportiva do mundo, envolvendo 42 modalidades, algumas desconhecidas do público. Particularmente, desde o início me manifestei contra a realização dos Jogos no Brasil, pois o esporte nacional não valoriza a formação dos atletas, onde os investimentos são mínimos ou inexistentes, e as estruturas de cada município revelam tal realidade. Mas, independentemente deste caos esportivo, vou assistir e torcer. E que os Jogos Olímpicos sejam um sucesso em todos os sentidos. 

 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

 

*

COMPLEXO DE VIRA-LATA

 

A expressão criada pelo dramaturgo e escritor brasileiro Nélson Rodrigues teve origem em 1950, quando a Seleção Brasileira foi derrotada pelo Uruguai, na Copa do Mundo de 1950, em pleno Maracanã, só se recuperando em 1958, quando ganhou a Copa do Mundo na Suécia. Ledo engano. Ao que parece, esse complexo está grudado na pele do brasileiro, e, em especial, momento em boa parte dos cariocas. Qualquer grande metrópole que estivesse sediando uma Olimpíada estaria orgulhosa por apresentar-se diante do mundo como anfitriã do mais importante acontecimento esportivo do planeta. O gigantismo do evento por si só admite pequenas falhas que, para o nosso complexo ainda não erradicado, não deve haver indulto, os responsáveis devem ser execrados e ainda mais num ano de efervescência política. Pensemos nos mais de 6 bilhões de viventes que já estão voltados para a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, que a partir de hoje será a capital do mundo esportivo. E será mais ainda maravilhosa. O pódio é a nossa meta.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

ESPÍRITO OLÍMPICO

 

Depois de a tocha passar, deixando um rastro de muita corrupção, aliás, que campeia por todo o País há muito, ficam as esperanças da maioria do povo por dias melhores. Por medalhas de ouro, principalmente, nas áreas de educação, saúde e segurança pública. Por mais espírito olímpico que tenhamos, por se tratar do maior evento esportivo do planeta, e pelo orgulho de sermos cariocas e estarmos vendo nossas belezas nacionais geradas para bilhões de pessoas, nunca podemos nos esquecer do legado real que vai ficar, independentemente de alguns esforços, qual seja, o dinheiro público desviado pelos que sempre se utilizam desses recursos e da boa-fé, também de alguns poucos. Deixando o ufanismo e a torcida exagerada, muitas vezes cega e muda, de lado, já que tanto crime lesa-Pátria tem sido praticado, devemos torcer, sim, pelo que os atletas vão fazer para melhor nos representar e, se possível, atingir o pódio (se bem que o mais importante é já estar naquele grupo seleto). Mas não devemos – e não podemos – nos esquecer de fazer coro e marchar ao lado dos guardiões da Justiça que lutam para que o Brasil deixe de atingir as marcas negativas na corrupção e tantos outros crimes contra os 206 milhões de brasileiras e brasileiros. E aplaudir parlamentares que, por exemplo, lutam para afastar Dilma Rousseff e a quadrilha, em definitivo, melhorando, mesmo, sua qualidade de vida. Independentemente de Copas do Mundo, Olimpíada, eleições, etc.

 

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

 

*

LIBELO ESPORTIVO

 

Nestes Jogos Olímpicos, vale lembrar de Jesse Owens. Ele sempre será um dos maiores atletas olímpicos. Afinal, ganhou 4 medalhas de ouro na Alemanha nazista, em 1936. Hitler não suportou e saiu do local para não apertar a mão da supremacia negra. Um libelo esportivo contra o racismo.

 

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

 

*

TEMPO DE CONGRAÇAMENTO

 

Ser um atleta olímpico por si só já é ser campeão. Todos os participantes são vencedores, embora poucos sejam os medalhistas. O espírito olímpico é congraçar os povos, quando os atletas, independentemente de cor, raça, língua, credo e nacionalidade, são irmãos, adversários leais a disputar o pódio, com mútuo respeito entre vencedores e vencidos. Nos Jogos, em que todas as modalidades são praticadas, ser adversário não é ser inimigo e o objetivo maior é estimular a paz e a harmonia entre os povos da Terra.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

PAUSA NO NOTICIÁRIO

 

Com a pausa que teremos do noticiário de nossas mazelas – agora duramente atacadas pelas Operações Lava Jato e similares ¬–, em face da predominância do desenrolar da Olimpíada, teremos tempo para, passados os Jogos Olímpicos, continuarmos pressionando nossas éticas e legítimas autoridades no sentido de concluir o processo saneador da gestão pública e da iniciativa privada. Somente assim teremos condições de  construir a grande nação com que tanto sonhamos e que temos condições de ser, beneficiando a população brasileira, que em sua esmagadora maioria luta para alcançarmos tal sonhado patamar.

 

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

QUEM ACENDERÁ A PIRA OLÍMPICA?

 

Pelé foi um craque futebolístico fantástico. Inegável. Mas lembremos que, propositadamente, alijou dois colegas de profissão dos campos. Dificultou o reconhecimento de sua paternidade. E o pessoal de Santos poderia incluir outros fatos nessa lista. Para mim, representaria muito mais o ideal olímpico a sra. Maria Esther Bueno.

 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

 

*

‘GAMBIARRA’

 

Segundo a diretora Daniela Thomas, a abertura dos Jogos Olímpicos no Maracanã será na base da “gambiarra”. É a especialidade brasileira, vai dar tudo certo, mesmo estando tudo errado, porque não tem uma regra, algo definido, então é só alegria. O carnaval, desde que existe, é uma “zona” e sempre dá certo. O que não pode é tentar organizar, aí vira bagunça. Boa festa a todos.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

FAIXAS OLÍMPICAS

 

O carioca está sendo punido sem saber por quê. É que pintaram, às pressas, faixas olímpicas no asfalto das principais avenidas da cidade sem orientar o motorista. Além do serviço mal feito, quem saberia dizer o que significam linhas azuis, verdes ou a inscrição Rio-2016? Na pista do Aterro do Flamengo, por exemplo, as marcações se misturam: contínuas, pontilhadas, curvas, abruptas e até borradas. Com ou sem multa, quem seguir o chão não deverá chegar muito longe...

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

LEGADO FALACIOSO

 

Hoje se dará a abertura oficial da Olimpíada, que já teve competições nos dias 3 e 4 de agosto. Espero que façamos uma grande festa de abertura, com atrações condizentes com a importância do evento. Também espero que os presentes não cometam a deselegância de vaiar a família Temer e seus convidados. Não é o espaço para isso. Pois bem, posto isso, tenho a lamentar a sangria nos cofres públicos (não apenas da cidade-sede, como também da União) que os preparativos materiais e pessoais efetivamente causaram. Não resta dúvida de que a festa, as competições, os sorrisos, os prantos, a torcida, tudo isso e muito mais são acontecimentos realmente históricos, afinal, ocorrerão no nosso Brasil. Porém, trata-se de um “entretenimento muito caro”. Exemplifico: imagine que meu anseio feminino é a aquisição de uma bolsa Prada. Se não tenho dinheiro suficiente, nem sequer entro na loja para admirar o inalcançável. Assim é que se dá. Ou, num outro cenário, entro e compro a bolsa estourando o limite de meu cartão de crédito. Claro que, na segunda opção, terei de arcar com os juros extorsivos do cartão de crédito. Vou lamentar não ter aonde ir com minha nova bolsa, uma vez que não tenho mais dinheiro para sair e estou me matando para conseguir pagar os juros. Infelizmente, a megalomania de Lula conseguiu trazer a Olimpíada para o Brasil. Só não nos disse como pagá-la. E mais: a expressão “legado” é tão falaciosa quanto foi na Copa do Mundo de Futebol. Entretanto, com o estrago já feito, o jeito é curtir a Olimpíada, com a bolsa Prada a tiracolo.

 

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

 

*

ANSIEDADE

 

O povo com muita ansiedade aguarda pela cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos. Querem ver a coragem do “homem mais honesto” do País e do seu “poste”. Ou seja, se Lula e Dilma aparecerem, serão vaiados sem dó, para todo o mundo ver.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

OVAÇÃO

 

Alguns jornais estão soltando em manchetes que Michel Temer sofrerá uma vaia enorme na abertura da Olimpíada, tal como Dilma e Lula já levaram em estádios. Mas por justa causa! Agora, por um acaso estão incentivando os cidadãos “maria-vai-com-as outras” a  adotar esse mesmo comportamento? Pois eu acho melhor a ideia de que o povo grite “Mooorooo!” em pleno estádio. Não só Temer ainda não merece vaia alguma, como Moro é digno de toda a nossa ovação! Que a abertura da Olimpíada sirva para homenagearmos aquele que está ajudando a passar o Brasil a limpo.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

DOPING – A RÚSSIA BANIDA

 

A resposta da última pergunta da entrevista do “Estado” feita com Hans Gumbrecht (“Banir a Rússia foi decisão política”, 30/7, H3) foi: “Se for fazer uma pesquisa histórica, é bem possível que se descubra, que ele fazia uso de doping (...) Eu me recordo que, aos 14 anos, ouvi escondido uma luta dele na rádio que me marcou para sempre. Hiperbolicamente, acho que foi uma das maiores felicidades da minha vida ter compartilhado aquele momento e mais cinco décadas com Muhammad Ali. Não quero que um moralista destrua isso. Não quero”. Na minha mocidade, era contra um atleta que não fosse amador. Já cresci o suficiente para discernir que o atleta profissional aperfeiçoará melhor seu rendimento. Agora, eu ir ao ponto de dizer sejam inesquecíveis os feitos de Borg, Ben Johnson, Coppi, Armstrong, isso seria ir longe demais! Inesquecível seria somente a grandeza da vida do cidadão Ali, da luta de Armstrong em recuperar sua saúde. O resto, tenha dó, senhor entrevistado, queira destruir, sim!

 

Manoel Fernandes Menendez mfmenendez@superig.com.br

São Paulo

 

*

AUMENTO PARA MINISTROS DO STF

 

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o aumento de salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), de R$ 33.763,00 para R$ 39.293,32, mostrando uma ausência completa de respeito e sensibilidade para com o povo brasileiro. Será que na cabeça deles não cabe uma parcela de dignidade? Aumentar assim um salário que já era alto, e não se lembrar dos muitos desempregados e dos que ganham salário mínimo neste país? Querem levar o povo à revolta? Por favor, senhores ministros, recusem este aumento e mais ainda 10% do salário atual e peçam para o dinheiro ser enviado para a área da saúde. Os senhores mereceriam, então, o nosso agradecimento.

 

Maria H. Silva Dutra de Oliveira mhsdoliveira@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DESRESPEITO

 

O aumento de salário para o STF, para o Tribunal de Contas e Ministério Público Estadual é, no mínimo, um desrespeito à sociedade, que tem hoje milhões de desempregados, está endividada e sofrendo a falta até de condições financeiras para se alimentar. Aumentos? Mesmo supondo que mereçam, e diante do que já lhes é assegurado, o mínimo a fazer, diante da miséria presente, se respeitassem o País, era nem mesmo fazer com que a matéria fosse objeto de pleito, muito menos de aprovação. Péssimo exemplo vindo de cima, e bem de quem...

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

NÃO SE ESQUEÇAM!

 

A diferença de R$ 5.530,38 no salário atual dos ministros, que é de R$ 33.763,00, não os deixará mais ricos ou pobres. Mas numa hora destas...! Se houver o tal aumento, é um murro na cara dos 12 milhões de desempregados, além de termos elevação de outros salários País afora em cascata. Espero que os srs. congressistas, eleitos com os nossos votos, e também os ministros do STF, ambos pagos com nossos impostos, lembrem-se de todos os brasileiros que estão desempregados e sufocados com tantos impostos, provocados por tanta corrupção e desfaçatez!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

CONTAS PÚBLICAS

 

A medida para a efetiva redução de gastos públicos encontra barreira no Congresso Nacional. Já foi retirada do projeto a proibição dos Estados de dar reajuste e contratar novos funcionários pelo período de dois anos. Isso era de esperar, partindo de um Parlamento podre, onde a política suja, praticada por políticos igualmente sujos e corruptos, continua a mesma. Para decepção da sociedade, está ficando claro que também o presidente em exercício ou faz parte da gangue ou vergonhosamente acovardou-se. Desta vez nem as moscas mudaram.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

CONGRESSO NÃO COLABORA

 

Lamentavelmente, os fatos vêm demonstrando que Michel Temer não é o presidente que queremos e muito menos de quem o Brasil precisa no momento. É uma fraquejada atrás da outra que compromete as metas pretendidas. Só quero ver até quando o ministro Henrique Meirelles vai aturar esses contratempos. O Brasil precisa de um grande líder, que no momento está em falta. Sem coragem de enfrentar com firmeza o Congresso, não iremos a lugar nenhum.

 

Károly J.Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo

 

*

O SONO DE TEMER

 

Michel Temer, o presidente que só cede. Assim não dá. Virou brincadeira. Acorde, presidente, caso contrário, é melhor renunciar ao cargo.

 

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

 

*

SAÍDA PARA TEMER

 

Desculpe-me o professor Fernando Schuler (entrevista “Direto da Fonte” de ontem, 4/8, C2, “‘Saída para Temer é esperar o impeachment’”). O melhor momento para Michel Temer não se curvar às exigências de “grupos difusos” (chantagistas) e mostrar ser um estadista é agora, porque ele tem, neste momento, um maior poder de barganha, que é: “Ou vocês me apoiam ou deixem Dilma voltar”.

 

Victor Hugo victor-raposo@uol.com.br

São Paulo

 

*

A INTERINIDADE ETERNA

 

O editorial publicado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, “O preço da interinidade” (4/8, A3), falando sobre o peso da interinidade do governo Temer, vai direto no problema que permeia o nosso sistema de representação. Ocorre, porém, que isso não se deve apenas ao status de interino do presidente em exercício, pois, infelizmente, esse modelo de barganha existe desde que o primeiro navio português se firmou em solo brasileiro. Todos os mandatários foram e são reféns do poder de barganha do Congresso. Ainda que o presidente exerça um poder imperial, é importante dizer que, quando os congressistas querem que sua vontade tenha valor, eles sabem exatamente como fazer. O caso do impedimento da presidente Dilma tem, sim, um viés de revanchismo. Se ela tivesse apoio congressual e fosse uma política com excepcional traquejo diplomático (a exemplo de seus antecessores), o impeachment jamais teria saído. A causa não foram as pedaladas, isso está mais do que evidente. Para o Brasil progredir, precisamos acabar com a interinidade eterna dos presidentes.

 

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

 

*

NOTÍCIAS RELEVANTES

 

Apesar da dura recessão econômica que atravessamos, notícias importantes na área surgem: o acordo fechado com os EUA para que o Brasil volte a exportar carne para a terra de Tio Sam, com estimativas de negócios em torno de US$ 1 bilhão por ano; o saldo positivo da balança comercial do mês de julho, de US$ 4,6 bilhões, e que nos primeiros sete meses de 2016 as exportações brasileiras acumulam um superávit de US$ 28,2 bilhões, o melhor resultado desde 1989. E, pelas estimativas dos especialistas, pode atingir um superávit acima dos US$ 50 bilhões, até dezembro, diminuindo consideravelmente o nosso déficit externo. É relevante também o número apresentado pelo IBGE sobre o setor industrial, que pelo quarto mês consecutivo demonstra uma leve recuperação. Como no último mês de junho, com crescimento de 1,1%, apesar de em 12 meses acumular uma queda de 9,8%. Vale salientar que essas gotas de notícias relevantes surgiram em meio a uma grave crise política. E tendo ainda em curso o estafante julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Certamente, com a sua provável queda e com o fim da interinidade de Michel Temer, nosso país poderá alavancar a recuperação econômica e dar sinais positivos para que os 11,6 milhões de desempregados recuperem também seus postos de trabalho.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

SÓ MUDARAM ALGUMAS MOSCAS

 

Justiça se faça à incansável desfaçatez de nossos políticos, pois, apesar da pressão da sociedade contra o desgoverno de Dilma Rousseff e das descobertas dos escandalosos roubos aos cofres públicos, graças à Operação Lava Jato, a Câmara dos Deputados aceitou a denúncia contra a presidente e encaminhou o pedido para decisão do Senado. Em 12/5/2016 os senadores também aceitaram a denúncia e votaram pela abertura do processo de impeachment e o vice-presidente Michel Temer assumiu o governo. Daí em diante, passamos a assistir a um inimaginável ordenamento de seu andamento, estabelecido pelos ministros do STF, de tal forma moroso que ainda estamos às vésperas de o governo em exercício completar dois meses e ainda nada foi decido quanto ao destino final da presidente. Paralelamente, a inflação vai corroendo o poder aquisitivo daqueles que ainda estão empregados, enquanto quase 12 milhões de desempregados vêm tentando sobreviver como podem. Entretanto, diante de tal situação da sociedade, um porcentual indecente de políticos continua em sua vil prática de seguir vivendo na base de chantagear o Executivo para obter vantagens indecorosas, “acreditando” como verdadeira a “Lei de Gerson”. O Executivo, por sua vez, acena para a possibilidade de retirar alguns direitos adquiridos pelos trabalhadores e aumentar os impostos. O que está ocorrendo, na realidade, é que, depois de tantas manifestações e pressões da população, mudaram apenas algumas moscas em Brasília. Se é fato que algumas das mais perniciosas se foram ou estão de malas prontas, muitas outras já deveriam ter partido também.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

IMPEACHMENT

 

Assistindo à votação do relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), a favor do impeachment de Dilma Rousseff, não posso deixar de registrar minha indignação com os discursos dos senadores pró Dilma. Durante todo o tempo, os partidos que apoiaram o governo hoje afastado foram agressivos na forma e no conteúdo com que se expressaram, agredindo aqueles que não comungavam de suas ideias. Hoje em minoria, os senadores destes partidos que chamam o impeachment de “golpe”, se revoltam com expressões usadas pelos acusadores de Dilma. Discutir se eles podem ou não usar tais expressões não vem ao caso, o que interessa é que o povo que paga a conta deste desastrado governo, que conquistou 12 milhões de desempregados, pode, sim, chamar de quadrilha, facção e de fraude eleitoral todo este imbróglio a que foram submetidos. Esperamos que este triste episódio enterre de vez esses canalhas que tomaram o poder e destruíram o País. O povo clama por justiça.

 

Izabel  Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

A DEFESA DE DILMA ROUSSEFF

 

Sr. José Eduardo Cardozo, será que da para mudar o lado do disco? Chega de mesmices!

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

 

*

AGONIA PRORROGADA

 

A quem interessa a permanência de Dilma Rousseff como presidente? Ela própria e seu séquito, principalmente estes. E por quê? Perderão suas boquinhas e mordomias. Nunca fizeram nada na atividade; imaginem agora. Vão ter dificuldade para arranjar empregos. Quem vai querer gente com tamanha desqualificação? Talvez consigam uma boquinha no Bolsa Família, pois nem a seguro-desemprego têm direito. E também aquele time nojento que a defende com unhas e dentes na Comissão de Impeachment do Senado visando tão somente aos holofotes. Os eleitores saberão defenestrá-los nas próximas eleições.

 

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

São Paulo

 

*

A AVÓ DE DILMA

 

Certamente, metade da população brasileira se lembrou recentemente da mãe de dona Dilma, sugerindo-me que seria oportuno lembrar também da avó dela. Ora, dona Dilma é certamente uma criação de Lula, e Lula (o importante) é uma criação da CIP, Comissão Interministerial de Preços, que tinha, entre outros, o poder de aprovar os reajustes de preços das montadoras. Quando Lula descobriu que cada greve que ele ganhava era um reajuste que era aprovado, consequentemente mais créditos ele teria com as montadoras, créditos que podiam ser cobrados. Lembrando que um camelo é um cavalo de corrida feito por uma comissão, é perfeitamente adequado que Dilma seja neta de uma comissão.

 

Tarcisio de Barros Bandeira tbb@osite.com.br

São Paulo

 

*

R$ 13 MIL POR MINUTO

 

Uma palestra dada pelo ex-presidente Lula em 2013 a operários do Consórcio QUIP – integrado por UTC, Queiroz Galvão e Camargo Correa –, com duração de apenas 29 minutos, custou R$ 13 mil por minuto. Lula deveria entrar para o “Guinness Book” como o palestrante mais bem remunerado, inovador e assertivo do universo. Mas fica uma incógnita: qual foi o assunto abordado na palestra? Deve ter sido de importância tão única que foi digno de ser guardado para a posteridade. Será que o Instituto Lula filmou, fotografou e guardou as imagens? A conferir...

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

POBRE VÍTIMA

 

Por incrível coincidência, no mesmo dia em que se veiculou a notícia de que Lula apresentou denúncia no Comitê de Direitos Humanos da ONU alegando “falta de imparcialidade” e “abuso de poder” da Justiça brasileira, que o estaria perseguindo, um laudo da Polícia Federal (PF) agora trazido a lume afirmava que há indícios categóricos de que Lula e sua esposa, Marisa Letícia, orientaram em detalhes e presencialmente obras realizadas pelas empreiteiras OAS e Odebrecht no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), o mesmo imóvel que Lula jura, com a mão direita pousada sobre a “Bíblia Sagrada”, não ser dele. A mesma PF afirma que o suposto dono da propriedade, o empresário Fernando Bittar, à vista de sua declaração de Imposto de Renda, não tinha rendimentos suficientes para a compra e a reforma de dito imóvel. Será que o Comitê de Direitos Humanos da ONU, depois disso, vai comprar a história de que Lula é mesmo uma pobre “vítima” das autoridades brasileiras?

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

CONSTRANGIMENTO

 

Ao encaminhar uma denúncia contra o Estado brasileiro ao Comitê de Direitos Humanos da ONU alegando “abuso de poder” do juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Operação Lava Jato, o ex-presidente Lula pretende criar um constrangimento internacional para evitar a sua prisão. Vale considerar: 1) quem não deve não teme; 2) o único constrangido será ele mesmo; e 3) parece que o ex-presidente perdeu totalmente a noção do ridículo. Fico imaginado a cara de espanto dos integrantes do referido comitê ao receberem a descabida denúncia.

 

Sérgio Kocinas sergio.koc@hotmail.com

São Paulo

 

*

CONTA SALGADA

 

O ex-presidente sr. Lula entrou com processo na ONU contra o que chama de perseguição do juiz Sérgio Moro. Para isso, Lula contratou um advogado internacional de grande expressão no meio. Como os honorários devem ser astronômicos, eu e o povo brasileiro gostaríamos de saber qual é o valor dos honorários advocatícios e quem os está pagando.

 

Walter Lúcio Lopes wll@uol.com.br

São Paulo

 

*

PÉ NA ESTRADA

 

Ao ver que Deus e o diabo não vão conseguir socorrê-lo, Lula procurou a ONU e o mais caro advogado do mundo, para pavimentarem a estrada pelo caminho do asilo político. Boa viagem.

 

Aurélio Paiva aureliobpaiva@gmail.com

Brasília

 

*

ESTRANHO

 

“Peraí”, é estranho, muito estranho, que o travestido moralmente que pretende ser o “mais honesto dos brasileiros” tenha recorrido à ONU contra o “abuso de poder da Justiça brasileira que viola os direitos humanos” quando ele, que mais recorreu ao abuso de poder em suas duas gestões, sempre violando os direitos humanos, continue se julgando “vilipendiado em sua honra”, atributo moral que nunca possuiu. É lamentável!

 

João Roberto Gullino jrobertogullino@gmail.com

Petrópolis (RJ)

 

*

DESONESTIDADE

 

Lula, que diz ser o mais honesto do País, é o maior mentiroso. Além de ter fundado o Partido dos Trabalhadores sem praticamente ter trabalhado, diz não ser proprietário do sítio em Atibaia e do apartamento no Guarujá que foram reformados por empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato. Isso sem contar os inúmeros imóveis que tem em São Bernardo do Campo e as terras e os bois que possui em sociedade com o filho no sul do Pará...

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

 

*

PRECIPITADO

 

Até que enfim! Além das associações de juízes, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes também criticou a decisão do ex-presidente Lula de recorrer à ONU contra o juiz Sérgio Moro. Disse que o ex-presidente agiu de forma precipitada. Eu esperava que o presidente do STF se pronunciasse tão logo houve conhecimento público da decisão do ex-presidente Lula, mas tal não aconteceu. Não sei por quê. Não é à toa que o ex-presidente Lula disse, ao ser liberado depois de detido pela Polícia Federal para depoimento no início de março, que temos um STF de m..., um STJ de m..., além de outras acusações. Por enquanto, safa-se apenas o ministro Gilmar Mendes. Aliás, gostaria de saber por que o ex-presidente Lula, agora sem foro privilegiado, na condição de cidadão comum, ainda não foi preso. Qual a razão?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

UM OSCAR PARA OS CORRUPTOS

 

A Empreiteira Queiroz Galvão é tida pelos investigadores da 33.ª fase da Operação Lava Jato, denominada de Operação Resta Um, como um exemplo da corrupção sistematizada na Petrobrás. “Foram cometidos todos os pecados e toda espécie de crime”, afirmou o procurador regional da República, Carlos Fernando dos Santos Lima, durante entrevista em Curitiba. Para quem não sabe, o Grupo Queiroz Galvão fatura R$ 11 bilhões e emprega 34 mil funcionários. A construtora é apenas um dos oito braços do grupo que leva o mesmo nome. Segundo provas levantadas pela investigação, a empreiteira teria atuado no esquema de corrupção na estatal, como as obras das refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, Landulpho Alves, na Bahia, Henrique Lage, em São Paulo, e Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, além de negócios na construção do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj). Além das suspeitas sobre pagamento de propina a agentes públicos e lavagem de dinheiro, a Procuradoria aponta a atuação dos ex-dirigentes da empresa Ildefonso Colares Filho e Othon Zanoide Moraes Filho, que foram presos preventivamente esta semana, suspeitos de obstruírem as investigações da Operação Lava Jato. Os dois ajudaram o ex-diretor financeiro da Queiroz Galvão Augusto Amorim Costa a deixar o País, em novembro de 2014. A viagem ocorreu três dias após Colares e Zanoide serem soltos das primeiras prisões temporárias.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

 

*

CORRUPÇÃO

 

O Brasil sofre e padece nesta infausta quadra de sua história não apenas da corrupção sistêmica, instituída e sistematizada como prática diária de manutenção do poder, por meio do assalto ao erário, como também da corrupção dos valores morais, éticos e políticos, imposta pelo populismo desavergonhado do sórdido e nefasto lulopetismo. Por oportuno, cabe citar frase da presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), Maria Silvia Bastos: “A corrupção só vai acabar quando a sociedade se tornar intolerante”. Basta!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

JABUTICABA

 

Segundo o jornal “Valor”, “o procurador da República Frederico Paiva, coordenador da força-tarefa da Operação Zelotes, afirmou nesta quinta-feira que era nítida a intenção do Bradesco em obter, por vias escusas, benefícios fiscais”. Não existe, no entanto, a figura jurídica de “processo por intenção”, muito menos processo por suposta ou, que seja, nítida intenção de obter benefícios. Acresça-se que essa suposta intenção, de acordo com o próprio Ministério Público, não se materializou. Por mais que essa atitude do sr. procurador possa alegrar aqueles que tendem a demonizar as instituições financeiras, aparentemente estamos diante de uma jabuticaba, salvo melhor juízo.

 

Alexandru Solomon asolo@alexandru.com.br

São Paulo

 

*

DESABAFO

 

Há tempos continuo lendo artigos de jornais, assistindo a noticiários, ouvindo comentários de amigos, e nada me acordava. Perdi completamente a garra, a vontade de me expressar, estava em estado de perplexidade com tudo de ruim que está acontecendo na política brasileira. Nada fazia eu voltar a me indignar da forma como preciso, mas graças a Deus assisti à entrevista na noite de 2/8 com um dos procuradores da Operação Lava Jato, dr. Daltan Dallagnol, e acordei. Ele me emocionou com uma frase, que soou como um apelo: não podemos parar de nos indignar se quisermos mudar este país! Foi o suficiente para resgatar dentro de mim a vontade de voltar a escrever e fortalecer os pensamentos e opiniões de muitos que escrevem neste incrível espaço dedicado aos que desejam mudança no País. Concordo com e reforço o que dizem os leitores sr. Roberto Abrahão (3/8) e Julio Brisola (3/8), e acrescento, como resposta à pergunta do leitor Ghellere Filho (3/8), ao conteúdo da narrativa da leitora sra. M. Cristina Rocha Azevedo (8/3), concluindo: se continuarmos com o STF manipulado por um presidente que não esconde sua simpatia pelo partido que colocou o País no caos que se encontra, com a morosa Justiça que temos, vamos colocar a Operação Lava Jato no descaso, como já aconteceu antes com outros processos políticos.

 

Márcia Callado marciacallado@bol.com.br

São Paulo

 

*

A NOMEAÇÃO DOS MINISTROS DO STF

 

Existe já no Senado proposta, a ser encaminhada para a Comissão de Constituição e Justiça, para mudar a Carta Magna no que respeita à nomeação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Pela proposta, o candidato a ser escolhido pelo presidente da República sairá de uma lista sêxtupla assim composta: dois indicados pelo Ministério Público; dois pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ); um pela Câmara dos Deputados e um pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Assim, a proposta encurta o caminho desejado por Ônyx Lorenzon (DEM-RS) de incluir nos dez itens enviados pelo Ministério Público para combate à corrupção, sob sua relatoria, mais um, e relativo à escolha de ministros do STF.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

A GUERRA CONTRA A CORRUPÇÃO

 

Muito mais do que impedir que o presidente da República nomeie os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o Brasil precisa tomar medidas para estabelecer a independência entre os poderes e lutar contra a corrupção institucionalizada. É ridículo que uma decisão do Tribunal de Contas da União seja revista por deputados e senadores. A imunidade parlamentar é uma aberração jurídica completamente inconstitucional, diretamente responsável pela falência moral e ética que destruiu o País. A estrutura político-partidária é responsável pela formação de verdadeiras quadrilhas criminosas especializadas em roubar dinheiro público com a esfarrapada desculpa do criminoso caixa 2 de campanha. O Brasil tem um longo e árduo caminho rumo à civilização, é preciso dar o primeiro passo.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

ABUSO DE AUTORIDADE

 

O senador Renan “Encalheiros” está tentando impedir que a Polícia Federal e o Judiciário julguem os políticos por seus malfeitos, apresentando um projeto de lei contra o abuso de autoridade e poder. O foro privilegiado, a aposentadoria com salários integrais sem pagar a contribuição por 35 anos, carros, residências e motorista pagos, trabalhar só três dias por semana, férias e recessos pagos pelos contribuintes, enfim, quando a Constituição diz que todos são iguais perante a lei não é abuso de autoridade? Calheiros quer manter os privilégios e os contribuintes que os paguem.

 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

 

*

ABUSOS

 

Será que Renan Calheiros, quando quer apressar a aprovação do projeto que pune o abuso de autoridade, está se referindo ao ministro do STF Antonio Dias Toffoli, que atropelou algumas instâncias para libertar da prisão seu amigo Paulo Bernardo?

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

IRRESPONSABILIDADE

 

O projeto do senador Renan Calheiros vai de encontro com a história do poder da autoridade constituída e representa um enorme retrocesso no combate sem tréguas à corrupção endêmica no Brasil, responsável pela crise sistêmica que atravessamos. A irresponsabilidade do Parlamento se contrapõe à responsabilidade de todos que exercem cargos e funções públicas no escopo do fortalecimento da democracia e responsabilização dos culpados, pondo cobro ao foro privilegiado e às mazelas da impunidade.

 

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

 

*

TERRORISMO EM NATAL

 

Há alguns anos, quando um grupo de baderneiros incendiou o primeiro ônibus em São Paulo – e não me lembro qual o motivo alegado –, enviei a este “Fórum”, espaço de desabafo de nós, leitores, um e-mail em que eu pedia providências urgentes de aplicação de uma lei antiterror que penalizasse de forma dura quem participasse de tais atos, algo como uns 30 anos de cadeia, sem direito a diminuição de pena. Sugeria que manifestantes que depredassem  propriedade pública ou privada, como estações de trens, de Metrô e agências bancárias, também fossem enquadrados na mesma lei. Como nada foi criado para penalizar de forma dura tais situações, virou moda qualquer grupo de baderneiros sair por aí queimando ônibus, na certeza de impunidade, como acontece hoje  no Rio Grande do Norte, onde a situação mostra que o governo de lá não tem condições de combater esses ataques e foi necessário acionar um grupo da Força Nacional para ajudar a reestabelecer a ordem naquele Estado, Força esta que, a bem da verdade, ainda não foi testada de fato para avaliarmos até onde sua criação possa ser aprovada.  E então, politicalha, até quando vamos presenciar terroristas agirem  sem uma punição pesada que desestimule tais crimes?

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

INTERVENÇÃO

 

Atualmente, cumpre-se algo que já se tornou rotina: um governador solicitar às Forças Armadas para auxiliar a Polícia Militar quando o Estado perde o controle da segurança pública, sem  que seja  decretada a intervenção  da União no  Estado, como previsto na Carta Magna. Paradoxalmente, as Polícias Militares estaduais é que são forças auxiliares do Exército.

 

Paulo  Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

‘OS MILITARES E A SEGURANÇA PÚBLICA’

 

O editorial do nosso prestigioso e lutador “Estadão” de 1/8 (página A3) aborda considerações ao projeto de lei do deputado Esperidião Amin, transferindo da esfera civil para a Justiça Militar o julgamento de crimes dolosos praticados por militares. Tudo bem. Mas a referida matéria condena essa transferência, invocando o princípio da isonomia, a igualdade de todos perante a lei. Ora, gostaria que nosso redator continuamente defendesse esse princípio, que não vemos aplicado nas esferas políticas, como na Câmara federal, no Senado e em elevados cargos das administrações federal e estaduais, além do Poder Judiciário, sendo uma exceção vergonhosa ao direito igualitário da cidadania, quando não, o escandaloso acobertamento dos ladrões e corruptos, em especial dezenas de deputados, senadores e até governadores.  E na sombra dessa regalia/benesse se acomoda subliminarmente gente com evidente culpabilidade criminosa, como o sr. Luiz Inácio da Silva, famoso Lula.

 

Ubiratan de Oliveira Uboss20@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

INDÚSTRIA DE MULTAS – ROUBO EM SP

 

Os “petralhas” precisam de dinheiro de qualquer maneira agora, que as estatais estão sendo controladas. Há várias histórias de safadeza petista, mas esta deve ser especial: em 2014, meu carro sofreu um acidente e foi para a oficina. Foi necessário retirar o motor para retificação, conserto que demorou semanas. Nesse período em que o carro estava sem motor, recebi uma multa, aplicada numa região longe de onde moro, com o motivo “deixar de dar preferência a pedestre”. Entrei com recurso informando que deveria ser engano do agente que multou, pois o carro estava sem motor, numa oficina na zona sul. Juntei uma carta da oficina, que testemunhava que o carro multado estava na oficina, sem motor, na data indicada. Vários meses depois, veio uma comunicação do Departamento de Operação do Sistema Viário  (DSV) simplesmente dizendo que o recurso fora indeferido, sem indicar razão nem assinatura de alguém. Entrei com novo recurso, dia 23/2/2015, informando mais sobre a oficina e indicando que o chefe da oficina estava à disposição para confirmar que o carro não poderia ter circulado na data. Passaram-se vários meses e, em 21/7/2016, recebi nova comunicação (Refaz: 101.186) – sem indicação de quem foi o responsável pela decisão, notificando que novamente minha solicitação não foi aceita, sem nenhuma indicação da razão. Isso é roubo! Coisas que os petistas estão bem acostumados a fazer... Lembremo-nos desta sem-vergonhice nas eleições de outubro. Chega de PT!

 

Arlindo Marin amarin@amcham.com.br

São Paulo

 

*

ZONA AZUL NA RUA ALAGOAS

 

Espero que o próximo prefeito de São Paulo reveja muitos atos indecentes e puramente arrecadatórios de Fernando Haddad, mas, em especial, o que esse prefeito exótico prejudicou e quer prejudicar mais ainda o comércio da região da Praça Vilaboim, em especial na Rua Alagoas, onde temos uma universidade e muito comércio que depende dos clientes e dos alunos, e mesmo os valets. Eles precisam parar ali, mas vem o prefeito ou algum revoltado e diz “mas ali é bairro de rico”, como é comum em preconceitos infelizes da esquerda minhoca. Só sei que eu terei um prejuízo enorme e terei de desempregar no mínimo cinco motoristas,  pois terei de ter convênio com estacionamento, e não mais funcionários. Peço encarecidamente que a mídia me ajude na divulgação para o próximo prefeito não permitir zona azul em toda a Rua Alagoas. A sede arrecadadora desse partido na capital é digna de descobrir que esse partido é a pior coisa que aconteceu ao Brasil. Que Deus nos livre definitivamente em agosto e, depois, totalmente em outubro.

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

*

2.502 DIAS

 

Aos leitores do “Fórum” talvez tenha passado despercebido que estamos sem notícias sobre o rumoroso “Caso Sarney” simplesmente há 2.502 dias, o que significa 6,85 anos, um período extremamente longo, aguardando essa publicação por estar o “Estadão” sob censura por todo esse período. Na realidade, quem deveria já ter se manifestado há muito tempo deve pensar que o tempo levará ao esquecimento, como tem acontecido com muitos assuntos no Brasil. Estamos esperando o julgamento para a liberação dessa censura, para que possamos tomar conhecimento sobre o que está por trás de mais uma pessoa “incomum”. Com a palavra, o órgão ou a pessoa responsável pelo julgamento pela liberação dessa censura não só descabida por atentar contra a nossa Carta Magna, mas pelo desleixo em tomar as providências devidas.   

 

Sebastião Hetem sebahetem@gmail.com

Taiuva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.