Fórum dos Leitores

IMPEACHMENT

O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2016 | 03h06

Julgamento no Senado

É inacreditável que alguém possa assistir sem perplexidade ao espetáculo de horror que o Senado nos proporciona, tendo de julgar um fato tão importante como o afastamento da presidente da República. Quanto dinheiro jogado fora... Que tristeza!

RENATO NÓBREGA CENTOLA

mrs5@uol.com.br

São Paulo

Uma República vira-lata

Cidadão brasileiro quase septuagenário, chego ao terço final da minha vida assistindo pela TV (constrangido e envergonhado) ao julgamento do impeachment de uma presidente eleita pelo voto popular (com fundamento em propaganda eleitoral mentirosa) que mais parece um espetáculo de circo mambembe de cidade do interior. Alguém aqui, neste Fórum dos Leitores, já disse, com muita propriedade, que isso tudo poderia ser evitado se o STF tivesse orientado a aplicação de um simples teste psicotécnico na sra. Dilma Rousseff. Se a Constituição federal previsse a aplicação de tal teste para quaisquer candidatos à Presidência, Jânio, Collor, Lula e Dilma, por exemplo, não teriam sido presidentes. Agora presencio pela TV a abertura do julgamento do impeachment com uma “questão de ordem” interposta por uma senadora arguindo a moral dos seus pares para julgar a “presidenta” (sic) que ela defende, respondendo essa parlamentar a processo na Justiça (juntamente com o marido, que até já foi preso) por uso de verba ilícita em sua campanha eleitoral e em proveito próprio. Nestes novos tempos vividos por nossa “República vira-lata”, consta que Antonio Gramsci se tornou leitura obrigatória entre os presidiários de alta periculosidade em todo o País, com o fito de também reivindicarem a condição de “guerreiros do povo brasileiro”, como são considerados os criminosos do PT e agremiações partidárias agregadas praticantes dos mesmos ilícitos penais.

RUY TAPIOCA

ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

Na bucha

O senador Ronaldo Caiado, como bom pecuarista que é, mostrou que sabe dar nome aos bois quando se referiu a Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), como “assaltante de aposentados”.

ROBERTO BRUZADIN

bobbruza@terra.com.br

São Paulo

Paciência de Jó

O procurador Júlio Marcelo de Oliveira tem o savoir-faire, a calma, a diplomacia, a elegância e a paciência de Jó para aguentar as mal-educadas, grosseiras e perdedoras senadoras dilmistas.

ELISABETH MIGLIAVACCA

São Paulo

História

Dizem que a História vai absolver a Dilma. Também, com a quantidade de historiadores descaradamente pró-PT...

GERALDO MAGELA XAVIER

gsilvaxavier@bol.com.br

Belo Horizonte

Duas despedidas

Nos anais da nossa História, a decisão que será tomada nos próximos dias sobre o impeachment da “presidenta” Dilma Vana Rousseff será de suma importância, pois dela poderão resultar uma de duas despedidas: “tchau, querida” ou “adeus, Brasil republicano e livre”. Resumindo: agora ou vai ou racha. Se ela não for, o Brasil racha! Rezemos.

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Quem é contra a Lava Jato?

É realmente estranha a suspensão das negociações para a delação premiada de Léo Pinheiro por Rodrigo Janot. O procurador, que alguns acertadamente chamam de “Enganô”, embora não o faça diretamente, acusa o ministro Gilmar Mendes, e por extensão o STF, de querer o fim da Operação Lava Jato. Mas foi Janot que suspendeu as tratativas para essa importante investigação, que sabidamente atingiria altas figuras da política, entre as quais Lula e Dilma. Isso nos leva a suspeitar de que o vazamento tenha saído das tubulações da própria Procuradoria-Geral da República (PGR), com o objetivo de levar exatamente à suspensão e, quiçá, ao cancelamento da delação-bomba de Léo Pinheiro. Quem é, então, que trabalha contra a Lava Jato? Quem é que vem, desde sempre, direcionando seletivamente as investigações para proteger determinadas figuras, entre as quais as supracitadas e seus aliados de ocasião (Renan Calheiros, com 11 inquéritos nas costas, continua livre, leve e solto na presidência do Senado!)? Em vez de ficar gritando “pega ladrão” e criando, ele mesmo, a cortina de fumaça a que se refere (24/8, A5), o dr. Janot faria melhor pela Lava Jato se desenvolvesse os maiores e mais sinceros esforços para identificar a autoria do vazamento. Quanto ao ministro Gilmar Mendes, embora defenda a correta tese da necessidade de freios para evitar abusos dos agentes da Justiça, entre os quais os procuradores da Lava Jato, seus exageros retóricos acabam por dar aparente razão aos oponentes, que aproveitam para colocá-lo no papel de vilão – contrário à Lava Jato. Paciência e moderação do ministro são as virtudes que o ajudarão a combater o endeusamento dos procuradores e da própria operação. Afinal, já conhecemos os efeitos nefastos desse tipo de messianismo. Já vimos isso – e estamos sofrendo as consequências – com o “cidadão acima de qualquer suspeita” Lula da Silva, pelo qual o dr. Janot parece ter reverência (ou será medo?).

JORGE MANUEL DE OLIVEIRA

jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

A Lava Jato chegou ao vespeiro-mor. Quem não deve não teme. Que infiltrações tanto preocupam os ministros do STF?

ALICE ARRUDA CÂMARA DE PAULA

alicearruda@gmail.com

São Paulo

Mais dois?

Segundo consta, além de Dias Toffoli, há mais dois magistrados do STF alvos de investigações. Será que os que têm reclamado com veemência da Lava Jato e da PGR estão incluídos? Afinal, medo de que e por que tanta resistência a essa operação? O País não pode mais esperar!

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

O magistrado

A temida caneta do jovem e internacionalmente reconhecido juiz brasileiro Sergio Moro é um verdadeiro bisturi, na mão firme, lancetando dispendiosas pústulas públicas e particulares disseminadas pelo organismo social brasileiro. Menoscabar suas decisões pode ser um não querer enxergar a realidade ou, ainda, um corporativismo renitente dos mancomunados com os que têm pavor da incisão.

ADAMASTOR AMADO STOFFEL

sfirveda@yahoo.com.br

Santos

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

IMPEACHMENT

Começou o julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff por crime de responsabilidade fiscal. É a etapa final do processo de impeachment que poderá dar um fim aos seus dias de soberba. A presidente, se não fugir mais uma vez, deverá ir ao Senado na segunda-feira e terá 30 minutos para discursar à Nação, e não aos senadores, pois está consciente de que a reversão dos votos é impossível e sua destituição do poder é líquida e certa. Então, posará de mártir, tática de seu guru e criador, Lula, e para isso estará em treinamento neste fim de semana, antes de sua apresentação teatral no plenário do Senado. Cá para nós, serão necessários três dias para decorar um script maçante e irreal, que se resume somente a uma palavra, "golpe"? Portanto, artistas que se interessarem em aprimorar a arte de representar, não percam na próxima segunda-feira, às 9 horas, ao vivo e em cores, aula ministrada pela professora Dilma, PhD em artes cênicas. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

O PARTO DA MONTANHA

O processo contra Dilma Rousseff durou exatos 9 meses de muita procrastinação, o tempo de uma gestação. E, neste finalzinho, seus aliados não poderiam deixar de dar um espetáculo mesquinho a toda a Nação. Seguidos pedidos de ordem, estardalhaço estridente de Gleisi Hoffmann, tudo para retardar o parto da montanha. Esta será a última picuinha contra Michel Temer, empurrar com a barriga para tentar estragar sua viagem à China, a primeira como presidente de fato. Não importa tudo o que fizerem, são apenas estertores finais de um patético governo moribundo. Está por um fio. Adeus, adeus, adeus!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

SUFOCO NACIONAL

Depois de nove meses de gestação, este impeachment tem de sair, mesmo se for a fórceps.

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

NOVIDADES?

As punições do impeachment já começaram: as testemunhas já estão em prisão domiciliar. Existe algum fato novo depois de 9 meses de tudo igual?

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

DIA HISTÓRICO

Neste dia histórico em que começou o julgamento da presidente Dilma, os brasileiros de bem reafirmam que o Brasil não é mais do PT, o País é do povo. Uma democracia não pode mais conviver com ladrões. 

Elisabeth Migliavacca

São Paulo 

*

RETA FINAL

O brasileiro ainda vai ter de aturar por mais sete dias a tropa de choque e o advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, com as mesmas ladainhas, insistindo na tese de que a presidente afastada não cometeu crime de responsabilidade e que o processo é resultado de um "golpe" deflagrado pelo então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. O que se espera, agora, é uma posição dos senadores, especialmente aqueles que se declaram indecisos ou não querem se posicionar publicamente, votando a favor do impeachment, impedindo a volta do desgoverno mais corrupto do mundo, para o bem do Brasil.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo 

*

CADA DIA CONTA

Se a defesa da presidente afastada não estivesse sendo paga com o nosso dinheiro, a diversão com os pronunciamentos seria infinitamente maior.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

O PAÍS TEM PRESSA

Atenção, senhores senadores da República, a nação brasileira espera que cumpram seu dever e votem pelo impeachment de Dilma Rousseff. Não podemos perder mais tempo. O País padece por falta de investimentos e pela paralisia política e econômica. A responsabilidade dos senhores é histórica. Os cidadãos de bem, futuras gerações, eleitores e contribuintes deste país agradecem.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

MOENDO ÁGUA

Assistindo à sessão de impeachment de dona Dilma e o comportamento tanto de defensores quanto de acusadores, tive a nítida sensação de que estão moendo água. Vira, vira, vira e não vão para os "finalmentes". Sempre a mesma ladainha.

Luiz F. de Assis Salgado salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

*

INDECÊNCIA TOTAL

O que vemos ocorrer no País é simplesmente vergonhoso, indecente, repugnante. O Brasil, junto com a sua população, está agonizante e sem nenhuma perspectiva, totalmente à deriva. No julgamento do impeachment de Dilma Rousseff nos deparamos com senadoras e senadores - desnecessário citar seu nome, pois são sempre os mesmos - sem escrúpulos, sem bom senso e muito menos vergonha, além de envolvidos em corrupções querendo defender o "petelulismo" agressivamente e de maneira desafiadora. Entre outras coisas, um dos maiores motivos para tal comportamento é querer defendê-lo para continuar mamando nas nossas tetas.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

OS PRÓ-DILMA

Assistir à sessão do impeachment no plenário do Senado foi insuportável, até os partidos pendurados no PT estão contra o comportamento dos execráveis. Tem-se a certeza de que o PT acabou de dar uma rajada de metralhadora no próprio pé, pois a repulsa dos senadores aumenta vertiginosamente. Os jornais já publicam um placar de 52 votos a 19 em favor do impeachment.

Ivan Bertazzo ivan.bertazzo@gmail.com

São Paulo

*

FALTA MÉRITO

O início do processo visando ao afastamento definitivo da atual presidente vai marcar a história brasileira como um momento em que a classe política exerce um poder para o qual não se faz merecedora. E fica mais uma vez comprovada a necessidade de mudança no nosso sistema político, substituindo o presidencialismo pelo parlamentarismo. Mas com novas eleições em todos os níveis.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

O GOVERNO E AS TROCAS

 

Um bom número de integrantes do Poder Legislativo, deputados e senadores, age olhando seus próprios e exclusivos interesses, excluindo os da Pátria, cuja importância põem nas lembranças de gaveta. Porque possuem o poder de barganha, no momento, vê-se que o número dos negocistas é grande. Votam a favor do impeachment, desde que seus interesses sejam postos na primeira linha. Na verdade, tudo isso precisa ser mudado doravante com notícias sobre tais cidadãos. Pensem se a imprensa tivesse sido calada e não pudesse relatar e noticiar as falcatruas havidas e denunciadas pela Operação Lava Jato. É de aguardar a votação do impeachment no Senado.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

MOVIMENTOS CONSPIRATÓRIOS

Michel Temer, sem nenhum constrangimento, reúne-se com senadores nordestinos para comprar seus votos contra Dilma Rousseff no processo de impeachment, que se iniciou ontem no Senado. A imprensa noticia esses movimentos obviamente conspiratórios sem tomar posição. O Maranhão ganhará um porto se seus três senadores incriminarem Dilma. Outros Estados também receberão favores de Temer se Dilma for definitivamente tirada do caminho dele, para a glória de sua presidência. Até acho que Dilma administrou mal o Brasil, mas Temer até agora tem feito pior, a começar pelos atos de franca traição e falta de pulso para as questões econômicas que tem demonstrado.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo 

*

A QUEM RECORRER?

O povo precisa e quer saber: quando se tem um Congresso corrompido, um presidente na corda bamba e um Supremo Tribunal Federal tendencioso, a quem devemos recorrer? Quem poderá nos salvar? Talvez o Chapolim?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

UMA VISÃO EQUIVOCADA

Durante 13 anos, o PT, sob o comando de Lula e Dilma, lentamente, destruiu a economia brasileira, o que inclui o desvio de verbas públicas. E ninguém reclamou, pois, enquanto os "petralhas" assaltavam o erário, eles também distribuíam migalhas para o Congresso Nacional, agraciando os "nobres" deputados e senadores com cargos e "pixulecos", distribuíam bolsas-empresários com juros subsidiados para empresários por meio do BNDES, davam esmolas aos mais carentes por meio das bolsas-misérias, a mídia embolsava verbas públicas por meio de falsas publicidades enaltecendo o progresso brasileiro, enquanto, na verdade, o Brasil afundava. Agora, que o dinheiro acabou e restou apenas uma enorme dívida para ser paga, ninguém é culpado, ou, melhor, o culpado é somente o PT, e não todos aqueles que se aproveitaram do dinheiro fácil que circulou todos esses anos pelo País. E todos querem, desejam ou exigem que o atual presidente da República, Michel Temer, faça milagres, que em poucos dias ou meses conserte todo o estrago de anos e anos de roubalheira e desperdício de verbas públicas, sem aumentar impostos, sem cortar mordomias dos políticos e de funcionários públicos, além de continuar oferecendo benesses aos empresários, que se acostumaram a receber subsídios e desconhecem as palavras competência e competição. Sinceramente, quem nasceu para vira-lata jamais chegará a ser um pastor alemão. 

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

SEMANA DA VERGONHA NACIONAL

Verdadeiros símbolos da vergonha nacional, os governos de Lula e Dilma rasgaram a dignidade de 12 milhões de desempregados e suas famílias.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

AGONIA DESNECESSÁRIA

A quem interessa a permanência de Dilma Rousseff como presidente? A ela própria e ao seu séquito - principalmente estes. E por quê? Porque perderão suas boquinhas e mordomias. Nunca fizeram nada na atividade, imaginem agora. Vão ter dificuldades para arranjar empregos, porque quem vai querer gente com tamanha desqualificação? Talvez consigam uma boquinha no Bolsa Família, pois nem seguro-desemprego têm direito. E também se beneficia aquele time nojento que a defende com unhas e dentes visando tão somente aos holofotes. Os eleitores saberão defenestrá-los nas próximas eleições.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

São Paulo

*

CÁLICE

Após mandar soltar um traficante e criminoso preso, o sr. dr. ministro do Supremo Ricardo Lewandovski poderá usar sua caneta para livrar a sra. "presidenta" Dilma Rousseff de todas as mazelas por ela criadas quando exerceu o mandato-mor do País e, de quebra, canonizar o sr. Lula ainda vivo. O Brasil inteiro conclama: "Pai, livrai-me deste cálice de vinho tinto de sangue".

Urias Borrasca urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertaõzinho

 

*

CONFISSÃO VOLUNTÁRIA

A conhecida, voluntariosa e desconexa "Dilmona" disse que a única coisa que asfixia parasita antidemocrata é um diálogo arejado. Então ela politicamente se suicidou asfixiada... Essa fala é uma confissão voluntária?

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo 

*

A 'DEMOCRACIA' DO PT

E o PT continua mentindo. Num encontro na terça-feira, em São Paulo, o assunto era contra o impeachment e, para variar, a "aberração" de falar em democracia. Será que essa turma de comunistas sabe o que é democracia?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

CARAS DE PAU

O ministro afastado Ricardo Berzoini afirmou que o PT foi tragado por uma "máquina política", mas não diz que o País foi devastado por um sistema corrupto de governar. Fora os corruptos!

                                                                                               Roberto A. Tassi bobtassi@terra.com.br

São Paulo

*

O PT E A HISTÓRIA

O PT se despede da nossa história política, porém uma gosma de desmoralização vai lambuzar os que restarem neste partido marcado pela corrupção.  

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

CADÊ A ESTRELA?

Por que o sempre "ético" e "honestíssimo" PT está tirando a famosa e fundamental estrela das suas propagandas políticas este ano? Afinal, um partido tão honesto, tão diferenciado dos outros no quesito ética na política, está fazendo isso? Por que sabe que seus membros estão mais sujos do que pau de galinheiro? Como sempre, eles vieram para confundir, e nunca esclarecer, e agora querem se eleger sem a famosa estrela? Mais uma prova de que quem deve teme - e como.  

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

OS 'JUDAS' DO SENADO

Lula diz que Dilma vai se expor a "Judas" do Senado. Mais uma vez, Lula procura confundir quando não consegue explicar. Desta vez, igualando a Judas Iscariotes os senadores contrários à volta de Dilma à Presidência. Bem ao estilo petista, ele propositadamente inverte valores para safar o "poste" e o partido de tantos desmandos, cujo impeachment é a prova final da irresponsabilidade e de outros atributos negativos que trouxeram a ruína ao País. A rigor, Judas Iscariotes foi um traidor entre os 12 apóstolos e entregou Jesus Cristo aos captores por 30 moedas de prata, e, segundo a tradição católica, entrou em desespero enforcando-se e se condenando ao inferno. Ela não precisará chegar a tanto, pois nossa história se lembrará de que, em matéria de traição, ninguém supera Dilma Rousseff, que se vendeu não por 30 moedas, levada pela avareza. Foi pior: com incompetência na gestão pública, enganou não 11 apóstolos, mas milhões de brasileiros desempregados e endividados. 

Mario Junior Cobucci maritocobucci@gmail.com

São Paulo

 

*

MELANCÓLICO

Às vésperas do impedimento de Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, em assentamento rural em Mato Grosso do Sul, mais uma vez descarregou: "Os trabalhadores continuam gostando de mim. Os ricos é que torcem para o golpista do Temer". Não desiste da velha, imoral e enfadonha retórica do "nós" e "eles". Ocaso melancólico de um ex-líder. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

LULA TORCE POR TEMER

A capacidade de Dilma para falar frases de efeito bobas contaminou Lula: "Os trabalhadores continuam gostando de mim. Os ricos é que torcem para o golpista do Temer". Ora, Lula não é trabalhador e é rico, portanto "torce para o Temer"! 

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

EM BAIXA

Nem mais no conselho deliberativo do seu time do coração Lula faz parte. Foi desligado. Uns dizem que por faltar às reuniões, outros dizem que é pelo seu perfil nada confiável. 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

AGENDA

Não é possível: Lula não é mais conselheiro do Timão, não faz mais palestras milionárias e a única coisa que não deixa de fazer é continuar a assombrar o País com seus discursos evasivos e inócuos.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

PÁGINAS DE HUMOR

Esta semana, a pessoa mais honesta deste país participou de um encontro com trabalhadores e sindicalistas, em Niterói, "em defesa da Petrobrás, da indústria naval e pela geração de empregos". Essa notícia deveria estar nas páginas de humor, porque não é possível que o sr. Lula possa falar em defesa da Petrobrás, quando foi ele um dos responsáveis pelo assalto que o seu partido praticou na empresa, que é de todos os brasileiros, com o intuito de ganhar eleições e de se perpetuar no poder. Lula disse, ainda, que "hoje (25/8) é o dia em que começam a rasgar a Constituição do País". Eu tenho certeza de que não. Quem tentou rasgar a Constituição foram o sr. Lula e a sua criatura quando encenaram aquele triste episódio de empossá-lo como ministro da Casa Civil com o intuito de dar a ele foro privilegiado. Lula, pare de usar trabalhadores para fazer claque nos seus discursos. Lula, o Brasil está cansado das suas artimanhas e das suas mentiras. Lula, vá para Curitiba resolver suas pendências com a Justiça.

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo

*

BOA TROCA

O presidente interino Michel Temer, assumindo definitivamente o poder com o provável impeachment de Dilma Rousseff, pode dar uma contribuição das mais relevantes para o esporte brasileiro se materializar, como pretende, o enxugamento da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Essa empresa pública, além da agência de notícias e da rádio que transmite há décadas o programa "A Voz do Brasil", foi inflada por Lula com o objetivo de acomodar seus camaradas e fazer propaganda do PT com recursos públicos, criando em 2007 a improdutiva TV Brasil. Dos exagerados R$ 750 milhões do orçamento anual da EBC, mais de 50% é gasto com milhares de funcionários muito bem pagos na área da TV, mas não se conquistou ali nenhum traço positivo nas pesquisas que auferem audiência. É um absurdo manter esta TV Brasil no ar. Por que ter uma TV pública para transmitir até jogos de futebol, como faz a TV Brasil? A sugestão é que Temer feche essa TV e destine em torno de R$ 400 milhões dos R$ 750 milhões do orçamento anual da EBC para construir 27 centros esportivos em cidades com mais de 200 mil habitantes, em cada Estado da Federação e mais o Distrito Federal, para que se incentive a prática de modalidades olímpicas. Além disso, criar uma empresa longe das garras da politicagem de Brasília, entregando a gerência dos centros esportivos nas mãos de administradores do mercado e de ex-atletas olímpicos. Certamente, em poucos anos, descobriríamos talentos e formaríamos campeões. Estes 27 centros esportivos, após sua construção, poderiam abrir oportunidades até como meio de vida para mais de 40 mil jovens, além de gerar emprego para ex-atletas, instrutores, médicos, professores de educação física, etc. Seria uma verdadeira revolução no esporte, capaz de transformar nosso país em poucos anos numa potência olímpica. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Paulo

*

AS '10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO'

Ininteligível a frase do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) publicada na "Coluna do Estadão" de 25/8. Disse ele: "As dez medidas estão sendo vendidas como única forma de combater a corrupção. O trabalho da Lava Jato demonstra que não há essa necessidade". Ora, se não há necessidade, por que as tais 10 medidas foram estudadas e, depois, amplamente divulgadas por procuradores da República, mas sobretudo pelos personagem da Operação Lava Jato, o procurador-geral da República, o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, e os demais procuradores e agentes da Polícia Federal, além do próprio juiz Sérgio Moro, que esteve na Câmara dos Deputados em 4/8 justamente para falar do pacote contra a corrupção enviado ao Congresso pelo Ministério Público Federal? Então, saiu-se a divulgar e pedir assinaturas àquelas medidas, que, entregues ao Congresso, passaram a ser o Projeto de Lei 4.850/16. A Lava Jato precisa, urgentemente, de alguma liberdade, todos sabem o quanto custou a Moro a divulgação do grotesco diálogo Lula/Dilma, que, por tal razão (podem fizer outros motivos, como a invasão das atribuições do procurador-geral da República, por causa do foro por prerrogativa de função da presidente, mas o verdadeiro motivo foi a leviandade com que tratam a nomeação para um dos ministérios de Estado mais importantes), teve ele - Moro - de explicar-se ao Supremo Tribunal Federal (STF). Então a fala do presidente da OAB, Claudio Lamachia, não tem sentido. Ignora que todos da Lava Jato aguardam a aprovação do já agora Projeto de Lei 4.850/16.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

ILÍCITOS

Há um bate boca em torno das "10 Medidas Contra a Corrupção", propostas pelo MPF. Um dos pontos mais controversos é a aceitação de "provas ilícitas" pelo MP. Ora, "ilícito" se refere ao que não é permitido perante a lei, ética ou moral; relativo à ilegalidade; algo que é proibido pela lei. De que forma a lei pode comportar, em seu bojo, uma ilicitude? Ou muda-se o conceito de "ilícito" ou a lei já nasce como um aleijão moral! Ou será que o MP pretende relativizar o conceito de ilicitude, aplicando-o ou não conforme o caso? Quem julgaria que aquilo que é ilícito tornou-se lícito por causa da lei? É preciso cuidado antes de sair por aí defendendo causas que, sob um olhar mais atento, mostram-se bastante perigosas. As palavras têm um significado, senhores. O momento exige lucidez, bom senso e maturidade.  

Maria C. Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

RECOMPEN$A AO 'INFORMANTE DO BEM'

A prática sistemática de negociatas obscuras, malfeitos e ilícitos de toda ordem tornou-se tão usual e corriqueira no dia a dia dos bastidores da politicagem do País, sobretudo nos infelizes 13 anos de desgovernos petistas, que, para combatê-la, discute-se na Câmara um anteprojeto de lei do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) que cria a persona do "informante do bem", designando qualquer cidadão - funcionário público ou não - que denunciar um ato suspeito de corrupção. A proposta visa a dar proteção e recompensa financeira (de 5% a 10% do valor recuperado) ao informante, nos mesmos moldes dos cartazes de caça-bandidos do Velho Oeste norte-americano. A que ponto chegamos!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O PASSAPORTE DEVOLVIDO

Lamentável a decisão do juiz federal Sérgio Moro determinando a devolução do passaporte à acusada Claudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha (PMDB/RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados. Ambos são acusados da prática de vários crimes graves, como lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito, corrupção, fraude, sonegação e desvio de dinheiro público. O Ministério Público Federal se manifestou contrariamente, mas Moro não deu ouvidos ao parecer ministerial e mandou devolver o passaporte. Imparcialidade e isenção são o mínimo que se espera na conduta de um magistrado. Não se admite o "dois pesos e duas medidas". O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deve tomar as medidas cabíveis contra juízes que violem as leis e garantias constitucionais, algo inaceitável num Estado Democrático de Direito.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ENQUANTO ISSO...

José Dirceu foi encontrado com carregador de celular na cela. Estará caçando Pokémon para passar o tempo? 

Leo Coutinho leo.coutinho@uol.com.br

São Paulo

*

FREIOS À LAVA JATO

Sobre a declaração do ministro Gilmar Mendes, do STF, de que é preciso colocar freios à Operação Lava Jato, seria medo de investigação do STF? E a premissa constitucional de que todos são iguais perante a lei? E o cumprimento da Constituição? Para que serve o STF?                                         

Alice A. Câmara de Paula alicearruda@gmail.com

 São Paulo

*

AUXÍLIO-BLINDAGEM

Já sei! Será criada mais uma "gambiarra", segundo disse o ministro Gilmar Mendes: o ABJ, ou Auxílio para Blindagem dos Juízes. Que tal R$ 5 mil por mês, sem descontos, claro, de INSS e Imposto de Renda?

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

DESTEMPERO NA SUPREMA CORTE

Alguém está precisando de freios. Seria Rodrigo Janot, o procurador-geral da República? Quem está usando indevidamente a autoridade do cargo que ocupa? Seria Moro? E a revista "Veja", tão ciosa da qualidade do que escreve e do impacto de suas capas, falhou em cheio. Foi com muita sede ao pote e este virou pedra no seu sapato.

Dagma Paulino Reis dagpauli@gmail.com

Campo Grande

*

É GERAL

"Polícia Federal prende presidente do PSDB em Goiás." E eu que acreditava que era só no PT que havia larápios.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A ENERGIA DA OLIMPÍADA

Depois de todas as loas à Olimpíada, ainda muito cedo já começa a chegar a conta para os cariocas. Gastaram milhões em energia elétrica e querem repassar o valor às contas de luz do povão. A brincadeira ficou em R$ 432,1 milhões para a companhia Ligth em consumo de luz só na área do Parque Olímpico. É bom lembrar que esse evento é privado e deve ter rendido muito mais milhões aos responsáveis, e a eles se devem reverter os gastos, e não mandar para conta ao consumidor. Nem tudo é festa.

 

Leila E. Leitão

São Paulo 

*

RESCALDO

Parabéns aos cariocas que organizaram uma espetacular Olimpíada, desde sua lindíssima abertura, passando pela organização de todos os seus eventos e culminando com um encerramento emocionante e típico da Cidade Maravilhosa. Os poucos incidentes ocorridos foram mínimos e desprezíveis diante de todo o resto. Tudo foi espetacular. Um sucesso! Porém, agora, chegou a hora do rescaldo e do acerto das contas. Já foi solicitada pelo tribunal competente para análise a abertura das contas sobre os gastos incorridos, para apurar sua correção e, principalmente, para verificar se não houve corrupção. Sim, porque acreditar que tenham sido gastos R$ 40 bilhões em obras feitas por várias empreiteiras, algumas condenadas na Operação Lava Jato por práticas ilícitas, e acreditar que na Rio-2016 tudo tenha decorrido "dentro dos conformes" é muita inocência. Seria o mesmo que acreditar em Papai Noel ou na Cegonha entregando bebês. Logo, os responsáveis pela Rio-2016 têm a obrigação de abrir as contas com toda transparência, o que não estão fazendo. Vamos lá, pessoal, mostrem que tudo está correto! Só falta isso para encerrar a 31.ª Olimpíada com chave de ouro.

 

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

A MAIOR LIÇÃO

Creio que o principal legado para a comunidade mundial é que país pequeno, pobre ou remediado não pode sediar Olimpíada, pelo simples fato de que o que é gasto faz falta para manter as necessidades principais, como educação, saúde, segurança e investimentos sustentáveis. O exemplo mais significativo das perdas que ocorrerão são os elefantes brancos representados pelas diversas arenas que se perderão, pela qualidade da construção e pelo alto custo de manutenção. Após os participantes da Olimpíada deixarem a Vila Olímpica, ela provavelmente será invadida por movimentos que pleiteiam moradia e não resistirá, pela qualidade da construção, prejudicada pelas razões que todos conhecem. Outro fator importante é que o governo não pode promover a maioria dos atletas, e sim deixar para a iniciativa privada, pois ao governo cabe investir em educação de qualidade na escola fundamental, estimulando o esporte como elemento na formação dos alunos. A Olimpíada será lembrada por nós, brasileiros, como resultado da megalomania de um grupelho que se julgava capaz de fazer o que bem quisesse, inclusive roubar para si próprio no afã de se perpetuar no poder.

Alberto Bastos C. de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

*

SEGURANÇA SEMPRE!

Por que não manter o esquema de segurança que deu tão certo no Rio de Janeiro durante a Olimpíada ou, ainda, estendê-lo a outros Estados da Federação? Num passe de mágica, tudo mudou: ruas superlotadas, sucesso no comércio e tranquilidade para o ir e vir.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

PREMIAÇÃO DESIGUAL

 

O sucesso dos Jogos Olímpicos no Rio foi destaque na imprensa internacional, superando o temor do zika vírus e da segurança ao ponto de quem não veio se arrepender. Vejo como fato negativo o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) permitir a premiação de R$ 12 milhões da rica Confederação Brasileira de Futebol aos futebolistas brasileiros, num repreensível destaque, quando todas as demais modalidades são merecedoras. Condeno a passividade do COB à interferência da CBF, justo com os mais bem remunerados na área esportiva brasileira.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

POR QUÊ?

Por que cada jogador da seleção olímpica de futebol recebeu R$ 500 mil de bonificação, ao contrário dos demais atletas olímpicos, que tampouco receberam por suas conquistas? Por que o povo brasileiro pagou R$ 17 bilhões, com dinheiro público, para a organização dos Jogos Olímpicos e vai continuar a padecer de carências básicas? A festa olímpica foi, sim, maravilhosa, mas e quando as festas acabam e o dia a dia da rotina do povo se apresenta fora do alcance das festivas e mágicas câmeras? 

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro

*

CARLOS ARTHUR NUZMAN

Parece-me que no COB temos um presidente com ideias bolivarianas. Está há 21 anos lá, não atingiu a meta e, agora, proibir a oposição de ter candidatos. Perguntar não ofende: o que o preocupa?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

TCHAU, RIO

Os bilhões de reais consumidos no projeto petista de o Rio de Janeiro sediar os Jogos Olímpicos de 2016 passam agora a ter os seus bônus e ônus avaliados à luz dos resultados, tanto esportivos quanto econômicos e sociais. Cada uma das 19 medalhas bravamente conquistas pelos nossos atletas custou R$ 194 milhões, o que daria um total R$ 3,6 bilhões no total. Imagine-se o que se poderia transformar com esse dinheiro a vida de grande parte do povo ou de 35 milhões que não têm acesso à água tratada; onde 100 milhões não têm suas casas ligadas à rede de esgoto. Apenas 40% dos esgotos nacionais são tratados (no Norte esse número cai para 14%, no Nordeste, 29%). O bônus que mais se evidenciou foi conquistado pelos organizadores do evento, pela surpresa positiva que mostraram ao mundo pelo sucesso do evento ante a enxurrada de profecias maléficas, no que prevalecia a violência nativa, zika e até o terrorismo islâmico. A Olimpíada fez muito bem ao turismo do Rio de Janeiro. Se, por um lado, o nosso esporte mostrou a sua pequenez, o Rio saiu agigantado pela sua beleza natural. Em 2008, em Pequim, ficamos com 15 medalhas e em l5.º lugar; em 2012, em Londres, ficamos com 17 medalhas e em 22.º lugar; em 2016, no Rio, ficamos com 19 medalhas, em 13.º lugar, o que mostra que em oito anos a nossa progressão no cuidado com os esportes olímpicos se movimentou montada num cágado sedado. Desconfio de que essa classificação (13.º) tenha sido a última citação de um número aziago que só causou catástrofes no Brasil.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PARALIMPÍADA

A campanha dos atores globais, apesar de equivocada, alcançou seu objetivo: a visibilidade dos Jogos Paralímpicos. Porém o uso dos artistas (Cléo Pires e Paulo Vilhena) ofereceu maior visibilidade a si mesmos do que aos atletas competidores. O que faltou foi a imagem conjunta dos dois grupos, para fazer uma referência fidedigna ao lema da propaganda "Somos todos paralímpicos".

Gustavo Bruder Woitowicz g.bruder2@outlook.com

Curitiba

*

MEGA SENA

Uma só aposta levou a Mega Sena de quarta-feira (24/8), e saiu para a cidade do Rio de Janeiro. Como sempre, começa a desconfiança, porque não se identifica o ganhador ou os ganhadores. Para acabar com essa desconfiança, bastaria fazer como nos EUA, onde ganhadores de apostas que chegam a mais de US$ 300 milhões, logo após o sorteio, tem sua identidade revelada para o país inteiro. A desculpa usada aqui, de que o anonimato é proteção ao ganhador, não serve, porque aquele que ganha milhões terá condições de sumir e de se proteger, afinal tornou-se milionário. 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

INTERNET E TECNOLOGIA

A internet encurta caminhos, oferece praticidade e gera economia. O avanço da tecnologia apresenta uma nova realidade aos acadêmicos em geral. Com um smartphone podem-se acessar sites ou aplicativos com o mesmo conteúdo de livros e impressos em geral, evitando, assim, o dispêndio com volumes e títulos. Há 20 anos, um estudante de Direito precisava ir à aula com a mochila entupida de capas e folhas - só o Vade Mecum pesa cerca de 2 kg - e toda vez que um docente solicitava consultas, era aquela correria para achar logo o bendito artigo. De posse do celular e com apenas alguns toques nos vemos municiados de toda informação. O fato é notório também em escritórios de advocacia, onde compêndios decoram as prateleiras. Sim, utilizo o termo "decorar" visto que não se perde mais tempo vasculhando páginas empoeiradas, pois virtualmente tudo se encontra na rede.

Edinei Melo edinei.melo@hotmail.com

Campinas

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.