Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2016 | 03h07

‘Comandante máximo’

O Ministério Público Federal (MPF), via Operação Lava Jato, materializou ontem o que todos já sabíamos: Lula é o capo di tutti capi. Algemas nele!

TANIA TAVARES

taniatma@yahoo.com.br

São Paulo

Finalmente foi dita uma verdade real e absoluta, verdade essa que nós estávamos cansados de saber: o ex-presidente Lula, o “cara”, como era conhecido, foi, é e será sempre o único “maestro da orquestra” da corrupção.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

República de Curitiba

O procurador Deltan Dallagnol não fez só a denúncia de Lula, “desenhou” em linguagem simples e direta o papel dele na sua cleptocracia. Para quem duvidava, Lula vai morrer na cadeia.

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

Direto ao que interessa

Lula lá e parlamentarismo já.

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

Hipocrisia desmascarada

Lembro-me ainda da fala do então presidente Lula, no final de 2010, fim de seu segundo mandato, após eleger a hoje ex-presidente, recém-impedida, dizendo-se feliz porque terminava seu governo bem, enquanto os EUA iam mal. Hoje, a economia dos EUA dá sinais de expressivo crescimento e o presidente Barack Obama, em final de mandato, apresenta notáveis índices de popularidade interna e externa, enquanto no Brasil assistimos ao anúncio de ter chegado o MPF ao topo da organização criminosa que dilapidou o País: Lula da Silva. Finalmente!

ANA LÚCIA AMARAL

anamaral@uol.com.br

São Paulo

Iguais perante a lei

A falta de representabilidade política, somada à dilapidação dos cofres públicos, tornou a situação insustentável. E foi isso que trouxe o povo às ruas para tomar o controle do país. A revolução foi provocada pela população em geral, e não por um grupo de deputados. As frases anteriores não se referem ao PT nem ao Brasil de Lula, mas à Revolução Francesa. Foi ela a mãe do conceito de igualdade de todos os cidadãos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, tal como consta no artigo 5.º da nossa Constituição. E esse é o nome do que ontem bateu à porta do sr. Lula da Silva e da sra. Marisa Letícia. Sinceramente, inacreditável!

JORGE A. NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Alma lavada

Enfim, a coletiva dos procuradores da Operação Lava Jato definindo Lula como o comandante máximo do maior esquema de corrupção jamais ocorrido no Brasil deixa a maioria dos brasileiros de alma lavada. Lula é o vértice dessa pirâmide podre, e ponto final!

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Ofidiário

O povo está curioso para saber como é que uma jararaca procede numa situação dessas.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Celso Daniel

Marcos Valério Fernandes de Souza, já condenado no mensalão, confirmou ao juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato, a chantagem havida contra os chefões petistas Lulla, Gilberto Carvalho e José Dirceu para não ligá-los ao assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel, cometido há 14 anos. A Justiça tarda, mas não falha!

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Parece que agora os detalhes do assassinato de Celso Daniel estão aparecendo e, como desconfiávamos, o Lula está envolvido. Você tinha alguma dúvida?

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Questão de caráter

O ex-ministro de Relações Institucionais, no governo Dilma, Ricardo Berzoini, nega ter pedido doações a Léo Pinheiro, da OAS. Mas quem conhece um pouco do seu passado “riscado de faca” quando presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), que lesou centenas de famílias, sabe que ele não só pediu, como levou, pois esse é o seu caráter.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

MORDOMIAS DA EX

Não dá para acreditar

A ex-presidente Dilma Rousseff tinha 34 motoristas e 28 carros à sua disposição. Fazendo uma conta de chegar, conclui-se que ela tinha mais de um motorista para cada dia do mês. Gostaria de saber o que esses motoristas faziam no restante do tempo, além de receberem sem trabalhar. Só por curiosidade: alguém poderia me dizer qual era o salário de cada um desses motoristas? E como só era possível ela andar num carro de cada vez, eu me pergunto: qual a finalidade de tantos automóveis? Ganha um doce quem adivinhar. Com essa amostra de desperdício do dinheiro público posso imaginar os demais gastos do palácio. Nem mesmo o pintor Salvador Dalí poderia imaginar uma situação tão surrealista.

JORGE EDUARDO NUDEL

jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

Impostos são para isso?

É de estarrecer ler no Estadão que Dilma tinha no Alvorada 34 motoristas para seu uso. É para isso que pagamos tantos impostos? Até quando os governos federal, estaduais e municipais continuarão a desperdiçar o dinheiro do contribuinte? Antes de falar em novos impostos, os governos, nas três esferas, têm muito que cortar!

FÁBIO ZATZ

fzatz@uol.com.br

São Paulo

‘Presidenta’ x presidente

Enquanto Dilma Rousseff tinha à sua disposição 34 motoristas, pouco mais de um por dia, a um custo mensal, sem dúvida, absurdo, a nova presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, dirige o próprio carro diariamente e foi à sua posse de carona, no carro da irmã, e ainda dispensou comes e bebes, para evitar gastos.

ARIOVALDO J. GERAISSATE

ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

“Enfim acertaram a jararaca na cabeça. 

A paciência venceu a dissimulação criminosa”

EDUARDO AUGUSTO DELGADO FILHO / CAMPINAS, SOBRE O ‘CARA’

e.delgadofilho@gmail.com

“Como cantávamos nos bailes de terça-feira de carnaval, está chegando a hora... Para o inominável”

GUTO PACHECO / SÃO PAULO, IDEM

jam.pacheco@uol.com.br

“É, a hora dele está chegando, o triplex caiu”

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS / SÃO PAULO, IDEM

rzeiglesias@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O IMPOSSÍVEL ACONTECE

Lula foi ontem denunciado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Só pode ser algum erro judicial, pois a "alma mais honesta" jamais praticou qualquer crime. Vale o velho ditado: Deus é brasileiro!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

TARDE HISTÓRICA

Dia 14 de setembro de 2016 do Anno Domini. Data para jamais ser esquecida. O jovem procurador Deltan Dallagnol, que tem nome de mosqueteiro justiceiro, proclama para o Brasil inteiro todo o esquema de corrupção chefiado por Lula. O Brasil agradece, comovido e aliviado. Obrigada, Lava Jato! Obrigada, juiz Sérgio Moro! Obrigada, Polícia Federal! 

Elisabeth Migliavacca

São Paulo 

*

O MAESTRO

Depois de ver o depoimento do procurador da República Deltan Dallagnol, que indicia o ex-presidente Lula como "maestro da orquestra criminosa", chegamos à conclusão de que a culpa é do PSDB. Se tivessem cassado Lula como chefe do mensalão, em 2006, o País não estaria hoje sangrando por causa da "propinocracia". O PSDB nos deve mais de R$ 42 bilhões por não ter estancado essa lama viscosa e fedorenta em que o governo do PT se transformou. Se não fosse a Operação Lava Jato, o que restaria deste país, que já é um "enorme deserto economicamente arrasado"? Apesar de tantas tentativas para abafar a Lava Jato, esses nobres agentes públicos, incansáveis, continuam a desenrolar este novelo de corrupção, chegando finalmente ao Ali Babá e àss dezenas de ladrões. 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

CHEGOU O DIA

Deltan Dallagnol mostra todo o esquema desde o mensalão, apontando Lula como a peça-chave, no centro de todas as articulações. Lula, em suma - já foi dito várias vezes -, é o chefe do esquema de corrupção que governa o Brasil por meio da propinocracia. Parece que a Lava Jato já sabe disso há tempo e só estava esperando o momento propício para alardeá-lo. E este momento apareceu, um dia depois de Cármen Lúcia se tornar presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Aleluia! Não tem mais como Lula se livrar da cadeia!

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

JUSTO AQUI

Com tantos países no mundo, Lula, esta horrível criatura, foi nascer justamente aqui, no Brasil. E ainda dizem que Deus é brasileiro. Se fosse, não teria permitido tamanha catástrofe.

Agostinho Locci legustan@gmail.com

São Paulo

*

O EXTERMINADOR DO FUTURO

O Brasil deve se preparar para tempos muito difíceis, ainda estamos no paraíso. O cuidado com as palavras pode salvar vidas. Minha opinião sobre o indiciamento do ex-presidente é de que o mijo, se colocado na água fria e deixado para ferver, vira uma papa. Deve ser colocado sempre na água fervente.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

PRESIDENTE

Depois de o senhor Lula da Silva ter sido declarado, pelo procurador de Justiça Federal Deltan Dallagnol, na coletiva de 14/9 em Curitiba, como sendo o "comandante máximo e o maestro da orquestra" do esquema de corrupção investigado na Lava Jato ("propinocracia"), o povo brasileiro vai "escolher" o senhor Lula da Silva para presidente, só falta definir se para Presidente Bernardes ou para Presidente Wenceslau, ambos presídios de segurança máxima no interior de São Paulo. 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

PROBLEMA RESOLVIDO

O sistema carcerário brasileiro está falido, por causa das superlotações, que geram rebeliões e muitos mandados de prisão deixam de ser cumpridos. Mas, para solucionar esse grave problema, basta que todos os advogados dos bandidos usem os mesmos argumentos usados por Rui Falcão, presidente nacional do PT, em defesa de Lula, o homem mais honesto do planeta: que seu cliente não cometeu nenhum crime, que está sendo perseguido pelo Ministério Público e que, se for preso, será uma arbitrariedade incrível e impensável. Pronto, agora nenhum bandido mais vai ser preso, inclusive Lula, comandante máximo do esquema de corrupção, de acordo com Deltan Dallagnol, procurador da Lava Jato. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

CARA DE PAU

Lula disse na posse da ministra Cármen Lúcia, no Supremo Tribunal Federal (STF), que "Temer vai ter muito trabalho para tirar o Brasil da crise política e econômica". Como se ele e sua abominável criatura não tivessem sido os principais responsáveis por esta crise política e econômica que afundou o País. Lula, por que não te calas?

Luiz G. Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo

*

TEMPOS DE CÁRMEN

De Cármen Lúcia Antunes Rocha, agora presidente do Supremo Tribunal Federal, esperamos o mínimo e o máximo: fazer respeitar a Constituição e torná-la a porta do cárcere para a rataria de Brasília, com ou sem foro privilegiado. Quem respeita a apelidada Carta Magna na cena brasiliense? Nascida em fraude revelada por Nelson Jobim, cognominada Cidadã por Ulisses Guimarães, cuspida por Lula da Silva na indicação de ministro para o STF sem os requisitos constitucionais exigidos, a Constituição federal, chamam-na os íntimos, se tornou a "Constituição Fatiada", por manobra cavilosa de Renan Calheiros em conluio com Ricardo Lewandowski, luminosa obscuridade elevada ao topo do Judiciário pelo notável currículo de ser amigo de amigos do quase foragido da Justiça Luiz Inácio Lula da Silva. Intocado, teflonado, Renan Calheiros deita, rola, pinta, borda, abusa. Ousou o impensável: fatiar a Constituição, emendando-a por votação de destaque. Um achincalhe regimental primário à letra clara da Lei Fundamental. Quanto a Eduardo Cunha, ele poderia ser condecorado em praça pública com a Ordem do Cruzeiro do Sul pelo relevante serviço de contribuir para o fim do desastre Dilma Rousseff e, no seguir, algemado, recolhido à Papuda, permitam-me a imagem e o exagero. 

José Maria Leal Paes josemarialealpaes@gmail.com

Belém

*

UMA POSSE CONTAMINADA

Na posse da ministra Cármen Lúcia na presidência do STF, a presença de José Sarney e de Lula despertou curiosidade. Quem os convidou? A presença de Caetano Veloso para cantar o Hino Nacional, de acordo com a mídia, foi a convite da ministra Cármen Lúcia e causou surpresa, uma vez que, por sua posição política contrária ao impeachment, seria perfeitamente dispensável. Quanto aos ex-presidentes Sarney e Lula, não se entende, ainda, o "dono" do Maranhão e responsável maior pelo atraso geral daquele Estado ainda gozar de prestígio ao ponto de ser convidado para ato de tal importância. Pior ainda a presença de Lula, denunciado na Operação Lava Jato com possibilidade de ser condenado. Se a tradição obriga convidar ex-presidentes da República, então faltaram Collor e Dilma. 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

COMPARANDO

A meu ver, convidar "Lularápio" para a posse é o mesmo que pedir para o condenado regular a voltagem da cadeira elétrica.

Paulo Celso Biasioli pcbiasioli@yahoo.com.br

Limeira 

*

NOVO STF?

Começa muito mal o "novo" STF com a presidente Cármen Lúcia. A presença de Lula, de Fernando Pimentel, de Sarney "e caterva" mostra que o STF precisa ser completamente reformulado. A nova presidente cita que a população está descontente com o Judiciário. Não é só isso. Temos é medo do Poder Judiciário, principalmente do STF, que até agora, depois de muitos meses de Lava Jato, não teve coragem de prender ninguém. Além disso, pergunto: para que pagar cachê para Caetano Veloso cantar o hino? Por que não fazem como nas cerimônias de praxe e usam uma gravação oficial?

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

SEM CONSERTO

Estávamos sentindo um aroma de esperança, pensamos: "Agora o STF deverá ter uma nova postura". Mas ocorreu o contrário, com a apresentação no STF de uma verdadeira ópera bufa, assistimos ao Hino Brasileiro sendo interpretado por um cantor sem voz, sem música, sem letra nem verso, e com um homem às portas do tribunal criminal na plateia. Resultado: eu, como milhões de brasileiros, fomos abatidos por um forte sentimento de que este nosso país não tem conserto.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

MÁ DIPLOMACIA NO SUPREMO

Embora a expectativa quanto à atuação da ministra Cármen Lúcia na presidência do STF fosse boa, ela perdeu muito apoio e admiração com duas falhas horríveis que cometeu. Caetano Veloso, o artista do "Fora Temer", convidado para cantar o Hino Nacional não foi uma boa escolha, haja vista a fisionomia do presidente durante a solenidade. A presença de Lula na mais alta Corte do País, quando ele está para ser preso por imensas roubalheiras nos 14 anos em que o PT esteve no poder, não foi, também, uma boa ideia. Uma "casa de justiça" não deve, para a posse de sua presidente, convidar o maior ladrão do Estado que o País já teve. Nunca alguém fez tão pouco de seu país quanto o convidado da ministra Cármen. Ela tentou inovar na cerimônia, mas não fez as escolhas corretas, foi muito desastrada não respeitando o presidente da República - o mínimo esperado da Corte.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

FHC

Estranhamente, o ex-presidente FHC não foi convidado para a posse da presidente do STF. Mas, em compensação, os que têm ação no tribunal...

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

STF ENGALANADO

Boa sorte, ministra e nova presidente do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia! Com mérito chega a este honroso cargo! Como sempre, sensível às questões sociais, certamente no curso de sua gestão também será implacável, em nome da ética, condenando os políticos envolvidos na Operação Lava Jato!   

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

A FOTO DA ESPERANÇA

O "Estadão" estampava ontem (13/9) em primeira página uma bela foto tirada na posse da ministra Cármen Lúcia como presidente do STF, na qual os Três Poderes da República, representados por seus respectivos presidentes, estão harmoniosamente juntos, o que nos leva, como diz o referido jornal, a acreditar na esperança de que a posse em tela virou um "ato anticorrupção". Também, ainda, no discurso de posse da presidente Cármen Lúcia, como comentou mais o "Estadão" no pé da mencionada foto: "Cármen pulou cumprimentos a autoridades e direcionou discurso à sua excelência, o povo". Isso vem de encontro com a locução latina "ex aequo et bono" ("o magistrado deve proceder  de acordo com aquilo que é justo e bom"), naturalmente para o povo! Enfim, aguardemos para o nosso Brasil dias melhores e administradores honestos, nas órbitas federal, estaduais e municipais, com fé no ditado popular que diz que a esperança é a última que morre! Amém.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis 

     

*

TRISTE BIOGRAFIA

O ministro Ricardo Lewandowski, que esta semana transferiu a presidência do STF à ministra Cármen Lúcia, tem uma triste biografia. Já atraiu a atenção no processo do mensalão porque afirmou que, como revisor, iria precisar de muito tempo para liberar o processo para julgamento, e teve de levar um tranco para agilizar. Eleito presidente, esvaziou o Conselho Nacional de Justiça impedindo-o de punir juízes desonestos. Quando se tratou de aprovar que os condenados em segunda instância sejam presos, votou contra, beneficiando criminosos de colarinho branco. Conhecedor das imensas dificuldades de caixa do Tesouro, lutou com unhas e dentes por um enésimo aumento de seu honorário, pouco se importando com o estrago que iria causar. Finalmente, no impeachment de Dilma Rousseff, trouxe a lição de casa preparada por sua assessoria para justificar o injustificável e desrespeitou a Constituição, que deveria ter sido defendida por ele. É triste pensar no que ele vai contar aos netos a respeito de sua biografia...

Aldo Bertolucci accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

UM DIA MUITO ESPECIAL

12 de setembro de 2016 é uma data para ficar registrada como de grata memória para os brasileiros. Neste dia assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal a ministra Cármen Lúcia e Eduardo Cunha foi escorraçado da Câmara dos Deputados.   Enquanto, à tarde, a ministra transmitiu uma mensagem que reanimou as esperanças na direção do País por pessoas comprometidas com a dignidade, compostura e dedicação ao bem comum, ao final da noite foi removida uma chaga aberta que infectava a Câmara dos Deputados e causava asco aos brasileiros. Aleluia!

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

*

SINTOMA

Finalmente, após sobreviver por 11 meses (um absurdo), o deputado Eduardo Cunha foi cassado pela Câmara dos Deputados (450 votos contra 10). Considerado por muitos um "chantagista de carteirinha", chantageou o governo Dilma, o PT e, ultimamente, estava se dedicando a chantagear também o governo Temer. Ele é um exemplo de como não fazer a verdadeira política, e também deixou claro à sociedade o sintoma do apodrecimento da política brasileira. 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

A FOME DE JUSTIÇA

Os petistas comemoraram efusivamente a cassação de Eduardo Cunha. Mas foi apenas por vingança, e não pela corrupção praticada pelo deputado, já que corrupção para eles não é motivo de repulsa ou indignação. Praticaram-na o tempo todo para justificar seus fins, sejam políticos ou por ganância pessoal. Fizeram da corrupção um método de governança - todos sabem, até eles mesmos. Já os que não são petistas comemoraram o fato de termos agora um corrupto a menos. Que sejam punidos, cada um na instância jurídica cabível, todos, sem exceção. E há muitos na fila à espera de julgamento, a começar pelos mais poderosos, porém, de agora em diante, sob a batuta da ministra Cármen Lúcia, sem acordões para abrandar crimes, quaisquer que sejam. Vamos torcer para que os que roubaram e deixaram roubar, nas palavras do decano Celso de Mello, sejam exemplarmente punidos com o rigor da lei. Está mais do que na hora de ficar exaustivamente disseminada para a sociedade brasileira de ponta a ponta a cultura da honestidade e da honradez. Só então poderemos nos sentir orgulhosos de nós mesmos e do nosso país. Daí, sim, será bom demais, sô, mesmo com as dificuldades que sempre teremos de enfrentar. O combate à corrupção nos traz muita esperança e vontade de sonhar e desejar, porque temos mesmo fome de Justiça, querida presidente do Supremo Tribunal Federal.   

Eliana França Leme efleme@gmail.com

São Paulo

*

MORRENDO ABRAÇADOS

Caíram Dilma Rousseff e Eduardo Cunha. E Renan Calheiros?

Mário Issa drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

*

'PICARETAS'

Um já foi. Só faltam 299... E o "pro lixo" já está na mira!

Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com

São Paulo

*

QUE ASSIM SEJA

Se perguntarem ao Lula se Cunha deve ser julgado pela Operação Lava Jato, sua resposta será, certamente, afirmativa. Do outro lado, se perguntarem a Cunha se Lula deve ser julgado pela Lava Jato, a resposta será, da mesma forma, afirmativa. Então que se atendam aos desejos dos políticos moribundos.

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

CUNHA FORA

O ex-deputado Eduardo Cunha, tão apegado à "Bíblia", também deveria saber: a soberba precede a ruína. Talvez a troca de residências (da Câmara para uma das celas da República de Curitiba) o dê tempo para refletir. Parabéns à Câmara dos Deputados pelos raros lampejos de moralidade. P.S.: Cunha literalmente pode se gabar de contar seus amigos nos dedos das mãos.

Marco Dulgheroff Novais marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

*

O DESFRUTÁRIO

Notável a cara de pau do ex-deputado Eduardo Cunha para descrever suas contas bancárias no exterior. Na saída da sessão da Câmara em que foi cassado, ele explicou que não é titular de contas bancárias, e sim um "desfrutário de algumas condições (...)". Não satisfeito em basear sua defesa inteiramente na semântica - afinal, ter contas bancárias ou trustes é a mesma coisa -, ele ainda criou um neologismo para explicar que é um desfrutador dos dividendos propinescos. Agora cabe à Justiça acabar com esse desfrute.

Nestor R. Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

PERGUNTA PERTINENTE

Como o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (Recart) abrange também os veículos de investimentos sob a forma de trust e não beneficia políticos e seus dependentes até o segundo grau, como ficam os trustes de Eduardo Cunha? O deputado Paulo Pereira (Paulinho da Força, SD) já apresentou projeto para que a medida seja estendida aos políticos e seus parentes. Isso é inadmissível, seria um tapa na cara da sociedade brasileira, que foi roubada descaradamente pela classe política durante décadas.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

VINGANÇA

A vingança política se concretizou. Eduardo Cunha, o algoz de Dilma Rousseff, foi cassado num julgamento eminentemente político. 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

OBRA

Eduardo Cunha disse que pretende escrever um livro sobre os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff. Ele quis dizer enciclopédia...

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

SIMILITUDE POLÍTICA

É muita pretensão de Eduardo Cunha esperar que, publicando um livro com personagens reais, será um best-seller. Ledo engano: é Oscar na certa.  

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

CUNHA E DILMA

A perda do mandato de Eduardo Cunha não tem nenhum vínculo com a da ex-presidente Dilma. Portanto, não queiram usá-la como uma muleta de recuperação.

Oscar Rolim Júnior rolimadvogado@gmail.com

Itapeva 

*

PALADINOS DE MEIA PATACA

Depois do linchamento, é a hora de os paladinos de meia pataca tripudiarem sobre Eduardo Cunha. A estupidez humana não tem limites. Humilhar e jogar pedras nos derrotados são a vocação dos covardes e hipócritas.  

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

A CASSAÇÃO DE CUNHA

Regurgitando falação sobre "ética", discursos dariam ótimos vomitórios.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FORO PRIVILEGIADO

Agora, Eduardo Cunha e Lula terão "foro privilegiado" em Curitiba, com o juiz Sérgio Moro! 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

A MORTE DA POLÍTICA 

Na preguiçosa terça-feira de manhã, uma multidão que cantava tomava conta do Centro do Rio de Janeiro. Questionei-me do que se tratava: seria a greve dos bancários? Ou algum grupo divulgando seu candidato nesta fraquíssima campanha eleitoral carioca pós-impeachment do PT ou até mesmo comemorando a cassação de Eduardo Cunha? Nenhuma dessas opções. Eram vários rapazes com a camisa rubro-negra indo ao aeroporto apoiar o time do Flamengo, que estava com "cheiro de heptatlo" para o jogo de quarta-feira em São Paulo contra o Palmeiras. Ou seja, como o Zaratustra de Nietzsche, que anunciava que Deus estava morto, poderíamos fazer um paralelismo com a morte da política brasileira. 

Fabio Nogueira de Freitas Vale fabiovale@globo.com

Rio de Janeiro 

*

GREVE OS BANCÁRIOS

Leio e respeito comentários sobre as dificuldades enfrentadas por pessoas que dependem de um banco que está em greve. Muitas vezes também sou vítima de paralisações, de qualquer segmento, mas venho oferecer um contraponto, dado um fato que me aconteceu. Também necessitei de um serviço bancário, havia atendimento telefônico e, no entanto, nada, nunca, me causou tanto transtorno quanto o desserviço prestado. Aliás, meu Deus, por que aquela funcionária não estava em greve? Que bênção teria sido! Sabem o tipo de funcionário negligente, inconsequente, que quer o emprego - carteira assinada, vale isso, vale aquilo, abono, PLR -, mas não quer trabalho? Não cito o banco, pode ser qualquer um, em todo lugar há funcionários assim, sair de um e ir para outro é descer da cruz e cair na caldeirinha, e dele virá apenas um pedido de desculpas como retorno da reclamação que formulei. Fica, então, um alento aos que não foram atendidos em suas necessidades. Poderia ter sido muito pior...

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

*

O SILÊNCIO DO SINDICATO

Por que o sindicato dos bancários, sempre presente nas manifestações cívicas realizadas no Brasil, até agora não apresentou nenhuma decisão ou pronunciamento em solidariedade aos funcionários da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil sobre os desmandos (sinônimo de roubo no último governo) existentes nos seus planos previdenciários, que demandarão longos anos para refazer os rombos encontrados pela Operação Lava Jato. Quais são os planos para melhorar a vida dos funcionários bancários sócios de seu sindicato em relação aos problemas que os descontos durante muitos anos em salários dos ativos e inativos?

Ciro Bondesan dos Santos cirobond@hotmail.com

São José dos Campos

*

AVACALHOU GERAL

Os fundos de pensão, por muitos e muitos anos, foram transformados em jardins do Partido dos Trabalhadores (PT) e quadrilhas associadas. Por lá passaram Sérgio Rosa, Ricardo Flores e outras "flores que não se cheiram". O balanço da jardinagem é impressionante, o déficit acumulado de todo o sistema em 2015 é de míseros R$ 48,7 bilhões, assim distribuídos: R$ 22,6 bilhões (Petros); R$ 16,1 bilhões (Previ); R$ 8,8 bilhões (Funcef); R$ 1,2 bilhão (Postalis). Agora, leitor, atente para um detalhe, depois de ler toda essa podridão que a mídia está divulgando, há 48 horas tive a curiosidade de fazer uma pesquisa para ver a reação do mercado, e, para minha surpresa, o dólar abriu com uma desvalorização de 1,65%, quando deveria estar em alta. No mínimo estranho! Avacalhou geral? 

Humberto de L. F. Filho lunafreire@falandodebrasil.com.br

São Paulo

*

OS FUNDOS, A BOLA DA VEZ

Fico abismada com a capacidade de políticos e grandes empresários na roubalheira dos cofres públicos. Eles se superam a cada dia, e a cada dia o País descobre uma nova sujeira e nos mais variados "modus operandi". Enquanto eu e milhões de cidadãos honestos e trabalhadores estamos sem saída, no fundo do poço, eles enchem o bolso diariamente. Quanto mais têm, mais querem. É a sina do poder? Chego à conclusão de que o PT colocou todos os seus "cumpanheiros" (políticos ou não) em posições estratégicas para, juntos, darem o maior desfalque aos cofres públicos, jamais visto no País. Nunca antes na história deste país se viu tamanha sujeira e roubalheira. Parabéns, PT. Dane-se, Brasil.

Márcia Rossi Soares marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

*

A RECONSTRUÇÃO DO BRASIL

Complemento os comentários do leitor sr. Aldo Bertolucci (13/9, A2), de que para a mudança não basta a cobrança apenas dos nossos políticos, mas também a participação e o engajamento dos cidadãos, nas várias instâncias. Por exemplo, nos diferentes conselhos, como da saúde, da habitação, etc. Neste contexto, é necessário que o governo municipal divulgue amplamente a existência desses conselhos, a sua função e os seus objetivos, o processo de eleição dos seus membros, entre outros, o que não tem acontecido na maior metrópole deste país. Começando com o fortalecimento da participação dos munícipes, conseguiremos construir um Brasil mais forte e cidadão. 

Cleria Valle cfsrv@bol.com.br

São Paulo

*

EDITORIAL

Quero cumprimentar o jornal "O Estado de S. Paulo" pelo magnífico e brilhante editorial "Tempo de reconstruir" (13/9, A3).

Sidney Cantilena sidneycantilena@bol.com.br

São Paulo

*

ALVÍSSARAS

O "Estadão" de sábado (10/9) trouxe uma notícia boa, que grita em meio a tantas mazelas. Enfim, o Tribunal Superior do Trabalho (TST), por meio da Subseçao I, Especializada em Dissídios Individuais, entendeu válido o acordo realizado entre a empresa e seus empregados, sem a anuência ou mesmo contra a vontade do sindicato correspondente. Ocorre que, quando há a promulgação de nova Constituição, se dá um fenômeno chamado "recepção", segundo o qual todas as leis preexistentes mantêm fundamento de validade, contanto que não contrariem a nova ordem constitucional instituída. Quando temos a desconformidade de qualquer norma anterior à Constituição, está a norma tacitamente revogada (expulsa do ordenamento jurídico). Pois bem, logo após a Carta de 1988, o TST entendeu que o artigo 617 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) foi tacitamente revogado, pois colidente com a nova Carta Constitucional (a CLT é de 1943). O art. 617 é aquele que estabelece a possibilidade de acordo direto, entre trabalhadores e empregadora. A boa novidade é que a interpretação da Corte "evoluiu", como costumam dizer os julgadores, para entender lícito o acordo entre a Braskem e seus empregados relativo à jornada de trabalho (acordado estava entre as partes da relação empregatícia o cumprimento de turnos ininterruptos de 12 horas de jornada). Ótima alteração. Não sei dizer se vai prevalecer quando a questão chegar ao Supremo Tribunal Federal, que dirá se o art. 617 é ou não constitucional. Mas só a notícia de que o TST, famoso pela aplicação exagerada do primado "in dubio pro misero", não se manteve alheio à realidade social já é um lufo de esperança. 

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

BALELA

Dizer que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu que empresas e funcionários têm competência legal para negociar diretamente condições de trabalho, quando as entidades sindicais da categoria se recusarem a fazê-lo, é pura balela, pois o funcionário quase nunca, para não dizer nunca, tem capacidade para enfrentar o patrão para discutir condições e mesmo salário ou piso salarial de qualquer categoria. O governo tem, sim, de participar, tem a obrigação de proteger o trabalhador em todos os seus direitos e deveres. Deixá-los à mercê de seus patrões é o mesmo que abandoná-lo no meio de feras feridas e famintas.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

ESGOTOSFERA

A cada dia que passa e a cada vassourada ou espanada que o governo Temer promove para limpar e desinfetar cada polegada no Palácio do Planalto, vem a convicção de que a defenestração do PT da vida política administrativa do País teve duração longa demais e não poderia exceder esses 13 anos sem que restassem somente escombros do País, que já foi a quinta economia do mundo. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, deu um exemplo de como os governos do PT trataram a coisa pública. Brasília tem o Lago Paranoá, que não é um lago tão piscoso que possa acolher 45 mil pescadores. Pois esse lago, estéril para a pesca, consumia milhões para pagamento do auxílio-defeso. Mas esse escândalo petista não fica só nas águas do lago. Na esgotosfera petista, na primeira investida do governo, o ministro Osmar Terra encontrou 10 mil fantasmas no Bolsa Família. Só com o esforço de tapar os ralos o governo acha que pode estancar um gasto de R$ 35 bilhões. Os técnicos do governo acham que será possível reduzir em R$ 10 bilhões os atuais R$ 23 bilhões que o governo paga de auxílio-doença. Existem 900 mil pessoas que estão há mais de dois anos recebendo auxílio-doença, quando o normal é ter o benefício por 15 dias, prorrogáveis por mais 15, mas não dois anos. Ir para as ruas bradando "Fora Temer" e "Volta Dilma" é de uma insanidade mental robotizada, verdadeiros anti Policarpo Quaresma.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SUPERMINISTRO

A lei que dispõe sobre a organização dos ministérios confere ao chefe da Casa Civil poderes de superministro, pois tem competência para coordenar a ação governamental dos ministérios, avaliar a gestão de entes e órgãos da administração federal, bem como verificar a constitucionalidade e a legalidade dos atos presidenciais. Merecia, também, ser alcançado pela Justiça quando um presidente sofre impeachment.

Paulo Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A TÉCNICA VERSUS A CORRUPÇÃO

Quem pensa que Michel Temer não se preocupa com a corrupção está redondamente enganado. Foi ele que acabou com a Controladoria-Geral da União (CGU), convertendo-a num ministério, ao invés mantê-la como órgão de fiscalização independente. Ou seja: a análise da técnica foi substituída pela da política. A ONU, acertadamente, criticou essa infeliz decisão. Mas agora que temos, ao invés da CGU, o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, alguma sugestão para que este possa contribuir para a transparência, a fiscalização e o controle? Sim: ferramentas de software anticorrupção de última geração têm se mostrado capazes de cruzar informações de instituições públicas e privadas detectando de forma automática e muito eficiente anomalias, movimentações suspeitas e fraudes em meio a um mar de dados e de procedimentos administrativos. Consultorias especializadas poderiam estabelecer parcerias público-privadas com o novo ministério, sendo remuneradas por um porcentual dos valores que conseguirem recuperar. Que tal?

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

SILÊNCIO! AS CRIANÇAS PODEM ESCUTAR!

Pois bem. O Planalto colocou as reformas da Previdência e trabalhista na geladeira, porque, em sendo assunto polêmico, não quer que o assunto contamine as campanhas às prefeituras. Todos os detalhes picantes já são públicos, os candidatos ocupando cadeiras no Legislativo federal estão tendo de responder perguntas sobre o assunto, mas o Planalto finge que nada está acontecendo. Na era da internet e do smartphone universal, os nossos governantes continuam a tratar a todos como se fôssemos crianças, ignorantes e hipossuficientes. Chega! Precisamos de um Estadista (maiúscula não acidental) que dê rumo ao País e saiba comunicar o mesmo à Nação de forma simples, direta e honesta. Já voltaste do passeio à China, Michel Temer. Topa o desafio?

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

ELEIÇÃO 2016

A entrevista do prefeito Fernando Haddad (PT-SP), candidato à reeleição naquela cidade, à Rádio JovemPan, esta semana, só comprovou aquilo que todos nós já sabíamos: Haddad é cínico, escuso, arrogante e não dá a mínima para São Paulo. Agradeço aos jornalistas da Rádio JovemPan e ao professor Marco Antônio Villa, por permitirem que até os negacionistas da incapacidade de Haddad chegassem ao incontestável, que este é o pior prefeito que São Paulo já teve! Vai tarde!

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

UBER

Srs. Pedro Vencelau, Valmar Hupsel Filho e Ricardo Galhardo, jornalistas do "Estado", o título da reportagem "Contra Russomanno, rivais adotam Uber como bandeira" (13/9, A9) só demonstra o oportunismo dos candidatos. Marta Suplicy acha que resolve o problema da concorrência predatória patrocinada pelas empresas de tecnologia isentando os taxistas de taxas, decisão curiosa para quem foi apelidada de "Martaxa". Isso, na verdade, significa apenas uma maneira de desregulamentar o serviço, mais uma vez em favor de empresa que claramente desrespeita o direito do consumidor e do trabalhador, coisa que os outros candidatos não levam em conta. Grupos de pesquisa infelizmente não conseguem avaliar um problema sob ângulos muito diferenciados, dependendo da metodologia aplicada. À luz da legislação federal, Russomanno entende que o serviço prestado através dos aplicativos peca por infringir leis que tratam dos direitos do consumidor e do trabalhador, coisa que o prefeito Fernando Haddad parece não levar em conta, assim como a imprensa e a própria sociedade. Diante da crise, outra lei parece estar se institucionalizando: a velha Lei de Gerson - daqueles que gostam de levar vantagem em tudo, sem medir consequências. O horário de TV faz diferença, sim. Em 25 de agosto, metade do eleitorado nem sequer conhecia João Dória. Levy Fidelix era mais conhecido que o empresário-apresentador de TV. Que outro meio poderia tê-lo tornado em tão pouco tempo (menos de um mês) conhecido a ponto de subir no ranking, se não em função do horário nobre no rádio e na TV, principalmente? Isso ocorre em todas as eleições. A imprensa e a sociedade parecem não terem se dado conta ainda da gravidade da situação enfrentada por taxista e motoristas cadastrados nas empresas de aplicativos. Quem são? Quantos são? Como são calculados os preços, tarifa dinâmica? Quem está pautando as regras? A prefeitura de São Paulo regulamentou o serviço, mas até hoje não foi capaz de produzir e divulgar um único relatório esclarecendo essas questões. Não seria hora de cobrar o prefeito sobre isso? Transporte individual não pode ter o mesmo valor/preço do transporte coletivo que, aliás, tem subsídio. Por que é tão difícil entender isso?

Adilson Amadeu, vereador adilsonamadeu@camara.sp.gov.br

São Paulo

*

PROMESSAS DE CAMPANHA

Lembro-me perfeitamente da campanha da última eleição para prefeito de São Paulo. Fernando Haddad (PT) prometeu que o primeiro dinheiro da Prefeitura seria para a atualização tecnológica dos semáforos (ele pode verificar em seus arquivos de campanha), mas, depois de quatro anos, não fez absolutamente nada. Só induziu a população às multas, instalando centenas de radares pela cidade. O que será que pretende prometer agora?

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

'PEQUENOS SEGREDOS'

Intelectuais e artistas que apoiaram o governo irresponsável e inconsequente de dona Dilma Rousseff - entre eles Sonia Braga - e que se manifestam contra o filme "Pequenos segredos", escolhido para representar o Brasil na festa do Oscar, em detrimento de "Aquarius", têm de se conformar e aceitar pacificamente, afinal estamos numa democracia, palavra tão propalada pelos petistas. Uns preferem Dilma, outros optaram por "Pequenos segredos", e ponto final.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

O STF E AS MANIFESTAÇÕES

Uma das atribuições do STF é julgar um ato normativo federal ou estadual. Alguns governadores dos Estados já sancionaram leis proibindo o uso de máscaras em manifestações públicas. Entidades como a OAB e movimentos sociais se posicionaram contra, alegando serem inconstitucionais. Os atos estão se tornando cada vez mais violentos, podendo advir um óbito, tanto do lado dos manifestantes como da polícia. Será que a Suprema Corte está esperando que ocorra uma tragédia, para então se posicionar? É o velho ditado popular prevalecendo: depois da porta arrombada é que se lembram de colocar o cadeado.

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CRIME ABJETO

Nos meus 70 anos de existência, pensava que já tinha visto tudo neste mundo! Mas me espantei ao ver, na mídia, a notícia de que um coronel reformado da Polícia Militar do Rio de Janeiro, que passava a imagem de um homem impoluto, religioso, sério e  defensor dos valores familiares, foi acusado de estrupo de vulnerável (uma menina de 2 anos). Será que só agora, e não ao longo de sua carreira militar, houve um desvio de conduta deste senhor? Como se não bastassem nossos políticos, todos deixando a desejar, agora temos também integrantes das forças policiais estuprando crianças. Francamente, acreditava que Deus era brasileiro, mas pelo jeito...

 

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.