Fórum dos Leitores

PREVIDÊNCIA SOCIAL

O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2016 | 05h00

 

Alhos e bugalhos

No artigo Previdência – injusta, insustentável e ineficiente (17/9, A2), o autor afirma a certa altura: “Isso significa que o País está gastando, per capita, 14 vezes mais com aposentadorias e pensões do que com a educação de suas crianças e seus adolescentes (13/7 = 1,86 versus 4/30 = 0,13). Decidimos ‘investir’ em nossos idosos, em lugar de investir em nossas crianças e nossos adolescentes”. Sem desmerecer a necessidade de darmos aos nossos jovens uma boa educação, parece-me que estamos comparando alhos com bugalhos. Crianças e adolescentes não pagam aluguel, água, luz, telefone, IPTU, IPVA, gasolina, padaria, açougue, supermercado, remédios, médico, dentista, vestuário, escola dos filhos...

PEDRO M. C. DE CASTRO

pmcc1324@gmail.com

Lorena 

CORRUPÇÃO

 

Ainda o discurso

Foi patética, ignóbil e mendaz a fala do Lula, ainda que vista pelo prisma da dúvida. Em momento algum abordou o mérito da imputação, esquivou-se, resvalou e tal qual “bagre ensaboado” fez apenas um discurso político, usando o velho conhecido chavão “sou apenas uma pobre vítima deles”, os de sempre, a elite, conservadores, direitistas, “coxinhas” e por aí afora. Ah, claro, os jornalistas foram convenientemente “calados”, proibidos que foram de lhe dirigir perguntas. E após a longa apresentação teatral, num mix de comédia, tragédia e drama, concitou os brasileiros a vestir-se de vermelho. Nada mais obtuso e pernóstico no momento em que o Brasil mais que nunca prestigia o verde, amarelo, azul e branco.

CARLOS B. PEREIRA DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

 

Personagem

O Lulla de vermelho parece o Chapolim e faz corar até o Stalin. Imaginem os candidatos a prefeito vestidos a caráter...

ARNALDO RAVACCI

arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

Camisas verdes, camisetas pretas e, agora, camisas vermelhas. Getúlio Vargas, Mussolini, Lula, faltou a cor do Hitler, quarteto maravilhoso.

CARLOS GANDOLFO

carlosgandolfo1946@icloud.com

São Paulo

 

O poderoso chefão

É conhecida a forma centralizadora e personalista de Lula no comando do PT. E assim foi ao governar o País. Lula não é presidente formal do PT, mas comanda o partido como hors-concours, nada se faz sem seu aval. Criou a fórmula “nunca antes neste país” de governar, ou seja, queria que a população entendesse que tudo começara com ele. Tais comportamentos tornam não crível que se apresente como pessoa alheia aos fatos e evidências negativas que se lhe imputam e a seus familiares. A imagem de novo cavaleiro da esperança popular é substituída pela de um ser muito vulnerável às benesses do poder. Soube capitalizar a popularidade auferida, mas agora luta em terreno desfavorável. Precavido, funda sua defesa num quadro invejável dos mais proeminentes advogados do País. Independentemente de sua criminalização jurídica, porém, a população já faz o julgamento da forma lulopetista de governar, já detectado até em pesquisas do próprio PT. Seu reflexo está na timidez dos candidatos petistas a prefeito em aliar seu nome à sigla do partido. Preferem mostrar só o 13. 

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba

 

Lula e a Lava Jato

Lula, demagogo, farto de proselitismo e falto de ética, chorou em sua última e demorada fala. Disse, com conhecimento de causa, que o ruim da mentira é que após a primeira se segue uma sequência de outras. Não sei se chorou por histriônico ou por sentir um laço forte em seu curto pescoço. Mas, seguramente, não foi por remorso ou sentimento de culpa, que lhe são alheios. Lula é pernicioso e não vacila em dividir a Nação, em busca de votos. Sua mente deformada não lhe permite autocrítica e limites. Malicioso, discursa induzindo sua base e militância a pensar em perseguição, e não em justiça. Apresenta os políticos como os únicos honestos, pois têm de prestar contas ao povo visando às reeleições, enquanto juízes, promotores, professores e outros prestam concursos e adquirem estabilidade. Lula, entre o bem republicano e a causa própria, não vacila e não tem medidas, para ele prevalece o interesse particular. Lula é danoso, é maléfico para o Brasil.

LUIZ CARLOS TOCALINO

lctn13@gmail.com

São Paulo

 

Espertezas da Silva

Embora tenha fartos recursos financeiros – vindos de palestras magnas, aposentadorias –, Lula nunca comprou um imóvel. Os imóveis que usa estão em nome de amigos. Isso porque sempre soube que um dia iriam pegá-lo e, assim, não lhe poderiam tirar seus bens. Marisa Letícia apressou-se a obter cidadania italiana porque vislumbrava que a situação delituosa em que vivia seria descoberta e assim teria onde se esconder. Os Da Silva sempre tiveram noção de que um dia seriam descobertos, tal a magnitude de sua expertise. 

GERALDO DE PAULA E SILVA

geraldo-paula2015@bol.com.br

Teresópolis (RJ)

Quando Lula diz “provem uma corrupção minha e eu irei a pé para ser preso”, deixa escapar a certeza de um crime perfeito. Afinal, o sítio em Atibaia é de um amigo, o triplex pertence à OAS, e assim, como a sombra que o acompanha, há sempre um laranja assumindo a titularidade em seu lugar. Claro que todas as possibilidades foram minuciosamente estudadas caso algo saísse errado, incluindo alguns testas de ferro que já estão presos. O grupo só não esperava vir do Ministério Público e do juiz Sergio Moro um dos mais famosos bordões da ficção: “Não contavam com minha astúcia!”.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói

Cornucópia

Seria interessante saber de onde vêm os honorários dos advogados do Lula. Que devem estar cobrando uma verdadeira fortuna para defendê-lo. Será que eles sabem de onde vem o dinheiro? Não seria de algum paraíso fiscal?

DURVAL ARREBOLA

durval.arrebola@gmail.com

Guarulhos

Jesus?

Quando um sujeito se propõe a afirmar a sua honestidade, é como admitir que é desonesto. O honesto não precisa alardear ao mundo o seu caráter. Considerar-se tal e qual Jesus é pura loucura, heresia criminosa. Talvez o Lúcifer travestido de santo, faz mais o tipo. 

WILSON MATIOTTA

loluvies@gmail.com

São Paulo

“Perguntar não ofende: por que o Lula não aparece 

na propaganda do PT como nas eleições anteriores?”

MOISES GOLDSTEIN / SÃO PAULO, SOBRE A CAMPANHA MUNICIPAL

mgoldstein@bol.com.br

“O PT quer que seus candidatos em campanha defendam Lula. Que 

ótima estratégia! O final disso é uma bela surra

nas urnas e a jararaca chorona na gaiola”

ALESSANDRO LUCCHESI / CASA BRANCA, IDEM

timtim.lucchesi@hotmail.com

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

NOVOS ARES NO MERCOSUL

O Itamaraty divulgou, na semana passada, a solução concertada entre Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai que exclui definitivamente a possibilidade de a Venezuela exercer a presidência rotativa do Mercosul, e, ainda, dando prazo até 2 de dezembro para aquele país cumprir seus compromissos assumidos com o bloco, sob pena de suspensão. Isso reflete a mudança de postura no Ministério das Relações Exteriores brasileiro, abastardado e posto a serviço dos interesses espúrios e subalternos de um partido político e de uma ideologia totalitária no curso do período de desgoverno recém-findo. Finalmente, novos ares. Alvíssaras!

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

MAIS MÉDICOS CUBANOS

Depois de vários meses sem menção a este assunto, temos visto que nas últimas semanas ele voltou à tona, inclusive com a renovação por mais três anos do programa Mais Médicos. Não sou contra a vinda de profissionais médicos que se disponham a trabalhar nos confins do País, porém, sou contra e não entendo por que o novo governo, que não é alinhado com o bolivarianismo, não revê o montante que é transferido para Cuba e o reverte para o pagamento dos profissionais contratados. Não dá para continuar financiando um país comunista que explora seus cidadãos.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

SERRA, CORRUPÇÃO E RELAÇÕES EXTERIORES

 

Os temas de atuação da política externa brasileira são variados e multifacetados. Podemos enumerar: América do Sul e integração regional; ação contra a fome e a pobreza; assistência humanitária; biocombustíveis; ciência e tecnologia; meio ambiente; e ainda outros. Acho que já passou da hora de o tema "corrupção" integrar a lista de prioridade também nas Relações Internacionais. A corrupção caseira é um óbice intransponível a vários outros temas, mas, em especial, à América do Sul e sua integração regional. Mas José Serra, atual ministro das Relações Exteriores e citado por Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, em delação premiada, como um dos que receberam propina do PSDB (o outro é Aécio Neves), teria disposição para lutar contra o vírus da corrupção, aqui e em nossos países vizinhos, muitos deles ainda defendendo que houve no Brasil um golpe institucional. Ainda bem que o mundo desenvolvido tem ciência de que ocorre uma "limpeza geral" da corrupção nacional. O "Estadão" de 15/8 trouxe as manchetes do americano "The New York Times", do britânico "The Guardian" e do espanhol "El País", todos noticiando a denúncia de Lula como um fato, não como um "golpe".

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

FALTAM EXPLICAÇÕES

Com a habitual habilidade retórica, o ex-presidente Lula discursou por mais de uma hora, na quinta-feira, um dia depois de ter sido denunciado na Operação Lava Jato. Contou a vida dele, multiplicou as realizações do seu governo, enfim, agiu costumeiramente. Porém faltaram desmentidos aos fatos. Lula não negou a corrupção na Petrobrás nem explicou por que nomeou Nestor Cerveró, Paulo Roberto Costa, Renato Duque para diretorias da estatal. Não desmentiu que a construtora OAS pagou o depósito do acervo que ele levou consigo quando deixou a Presidência. Nem uma palavra de solidariedade aos companheiros presos, cumprindo as ordens dele. Lula continua Lula, mas ele não está sendo denunciado por comer arroz e feijão na Vila São José.

 

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br

São Paulo

*

LULA E O 'PETROLÃO'

O Ministério Público apenas tornou público, na semana passada, aquilo que estávamos cansados de saber: quem é o artífice da bandalheira e da rapinagem dos recursos do País. O inominável ex-presidente poderá até se livrar de todas as acusações, haja vista o batalhão de advogados - muito bem remunerados - a serviço de sua defesa. O que de fato não tem preço é saber que esse personagem nefasto da história do Brasil não poderá usufruir dos bens, que alega não lhe pertencerem, sem se incriminar.

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

O PODEROSO CHEFÃO

Todo mundo já sabia que Lula era o chefe do esquema de corrupção na Petrobrás. Sérgio Moro deve condená-lo. O problema vai ser quando o processo bater no Supremo Tribunal Federal (STF), onde Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e mais alguns outros provavelmente vão absolvê-lo.

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br

São Paulo 

*

'RETO FINAL'

Um grande amigo americano, que conheço há 40 anos, quando veio morar no Brasil, criou a expressão "reto final" para rotular uma situação irreversível. As claras evidências do enorme esquema de corrupção comandado pelo ex-presidente - apresentadas em 14/9 pelos procuradores da Operação Lava Jato - permitem constatar que finalmente Lula chegou ao reto final. 

Claudio Janowitzer cjano@terra.com.br

Rio de Janeiro 

*

CONVICÇÃO

Depois de ouvir suas declarações na quinta-feira da semana passada, cheguei à conclusão de que Lula está absolutamente convicto de que a mentira, como discurso político, e a corrupção, como prática de governo, devem ser os caminhos mais adequados para o Brasil. 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com 

Campinas

*

ATO FALHO

"A profissão mais honesta é a do político, sabe por quê? Porque todo ano, por mais ladrão que ele seja, ele tem de ir pra rua, encarar o povo e pedir voto. Concursado não, ele vai lá, faz uma universidade, um concurso e tá garantido pro resto da vida" (Lula, quinta-feira, em coletiva à imprensa). De fato, nesta frase, Lula denuncia-se de forma cristalina, afirmando que qualquer prática, mesmo ilícita, é permitida a um político que, certamente, lembrando os dizeres da "ex-presidenta", pode até mesmo fazer "o diabo" para se eleger e, claro, continuar no poder para sempre. De tão acostumado a mentir, Lula não percebeu que falou a verdade sobre si mesmo, como nunca antes em sua história. Incrível o poder dos atos falhos de revelar verdades íntimas. Freud afirmava que eles escapam sem que deles se tenha controle. E, por fim, Lula dá a entender que os procuradores, a estes sim, é permitido dizer a verdade, já que nada perdem porque suas carreiras já lhes estão garantidas. 

Eliana França Leme efleme@gmail.com

São Paulo 

*

OFENSA

O malfadado discurso de Lula ofendeu a classe política inteira, as pessoas que estudam para ter qualidade de vida e, principalmente, os cristãos, ao ter a ousadia de se comparar com Cristo.

  

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

PERDEU AS ESTRIBEIRAS 

"Todo ano, por mais ladrão que ele (político) seja, ele tem que ir pra rua encarar o povo e pedir voto. O concursado, não. Se forma numa universidade, faz o concurso e tá com o emprego garantido pro resto da vida [sic]." Assim o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diferenciou sua classe, a de políticos ladrões, de servidores públicos concursados. Faltou ao quadrilheiro de São Bernardo do Campo dizer que, após garantirem emprego com anos de dedicação aos estudos, os concursados também trabalham quase que o resto de suas vidas; ao contrário dele e de seus asseclas, que viveram a última década pendurados nas tetas do Estado numa vadiação muito bem remunerada. Faltou ao criminoso-mor da República bananeira do PT reconhecer que são os técnicos que fazem as engrenagens da estrutura de Estado funcionarem. Faltou ao líder messiânico dos socialistas do capital alheio reconhecer, por fim, a herança maldita que ele e seu projeto criminoso de poder - expressão do decano do STF Celso de Mello - deixam ao País: a volta do corporativismo da ditadura do Estado Novo e a instalação do culto à mediocridade, vide a presença de Dias Toffoli no Supremo. Lula não é nenhuma jararaca, é apenas um criminoso que, às vésperas da Papuda, perdeu de vez as estribeiras. 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Belo Horizonte

*

CONCURSADOS E 'ELLE'

Aos meus 71 anos e aposentado como médico concursado do serviço público, arrependo-me, pois deveria aprender a roubar, filiar-me a um partido político e ir caçar votos na rua e seguir o exemplo "delle".

Cláudio A. S. Baptista clabap45@gmail.com

São Paulo

*

PERDEU O BOM SENSO

O ex-presidente Lula realmente perdeu o bom senso. Dizer que a profissão mais honesta é a de político é coisa de quem tem de ser colocado numa camisa de força. Reconheço que há honestos, mas contam-se nos dedos, e é capaz de faltarem dedos, mas daí a classificá-la como a profissão mais honesta é de um exagero sem tamanho. Bem, nos países nórdicos, na Finlândia, com certeza é, mas por aqui... E disse isso tendo atrás dele a senadora Gleisi Hoffmann e o senador Lindbergh Farias. Ela, envolvida na acusação contra o marido por desvio nos empréstimos consignados, e ele, que teve seus bens bloqueados recentemente pela Justiça do Rio de Janeiro. E Lula ainda deu uma prova de antipatriota: pediu que os petistas usassem vermelho. Pensei que, brasileiros como são, e patriotas, fosse pedir que usassem verde e amarelo. É, cada vez me convenço mais e mais de que um dos grandes erros do presidente Figueiredo foi ter dado a anistia ampla, geral e irrestrita. Deveria ser só ampla, geral e restrita. Não poderiam mais se candidatar a nenhum cargo político nem serem nomeados.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CABELOS TINGIDOS

Por que será que Gleisi Hoffmann tingiu o cabelo? Será para disfarçar a vergonha pelo impeachment de Dilma e as verdades sobre Lula divulgadas pela Justiça? Ela, ao invés de se preocupar com eles, deveria estar preocupada com a sua situação e a do marido, Paulo Bernardo, na Justiça. Com certeza será a próxima. Finalmente, parece que a Justiça começa a funcionar no País.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

A MENTIRA

Ninguém duvida de que, em todo o mundo, o político usa a mentira como matéria-prima para alcançar o poder e nele se manter. Tal circunstância faz parte do mundo real e devemos conviver com ela, aceitando-a como uma das imperfeições da natureza humana, de difícil ou quase impossível correção no horizonte temporal visível. Em alguns países democráticos, no entanto, onde as escolhas dos mandatários são feitas por eleitores com bom nível de educação, o alcance dessa prática de ilusionismo com a coisa pública tem limitações e, volta e meia, constatam-se situações nas quais os prestidigitadores são punidos com o ostracismo e não se aventuram em novas empreitadas de poder. No Brasil, porém, a mistura mortal de votantes despreparados com políticos que se excedem na prática da mentira cria um caldo de cultura que permite a eternização de tais enganadores. Até quando?

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MAL COMPARANDO

O molusco boquirroto se compara a Tiradentes, a Getúlio Vargas e a Jesus Cristo em discurso proferido para uma seleta audiência de seus advogados (que são tantos que gostaria de saber com dinheiro advindo de onde estão sendo pagos) e uns poucos idiotas petralhas. A comparação do execrável com Jesus Cristo não vou me dar ao trabalho de comentar. Já quanto a Tiradentes, a ilustre figura foi inconfidente, enquanto o honesto crápula é um indecente, e Getúlio, um estadista que cometeu suicídio, o que será pedir demais ao oportunista covarde e mentiroso que também o cometa, para que a comparação pelo menos tenha um único ponto em comum. 

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

ESTRATÉGIA DE DEFESA?

Não sei mais se Lula é um palhaço, um mentiroso contumaz ou mesmo se estão adotando uma estratégia da defesa e, também, para o próprio PT, para tentar livrá-lo da cadeia, porque as sandices que ele tem dito ultimamente deverão ser alegadas pelos companheiros quando for decretada sua prisão, de que ele não está no uso pleno de suas faculdades mentais ou, talvez, que ele seja inimputável, já que poderia ser considerado incapaz. De qualquer modo, vale um comentário: a que ponto chega um ser humano. Que coisa triste!

 

Ary Braga Pacheco Filho ary.pacheco.filho@gmail.com

Brasília

*

NEM TIRADENTES

Quem tem "complexo de mártir" fala muito de si mesmo (reclamando até, por exemplo, que ninguém surge nem para lhe segurar o microfone ou para lhe trazer um copo de água). Diz que escolheu sofrer por uma causa nobre (a eterna luta em prol dos pobres e oprimidos, grupo com o qual ele se identifica). Age como se estivesse constantemente perseguido por falta de reconhecimento das pessoas por tudo o que de bom ele fez para elas (estas elites que tanto enriqueceram à minha custa, os membros do partido e da base aliada que só chegaram ao poder de carona na minha popularidade ou por meio de minhas nomeações...). Não hesita em expressar seu descontentamento com as injustiças que sofre, procurando divulgá-las para tantas pessoas quanto possível (espalhando sua triste versão da história para o mundo inteiro, literalmente). Compara-se com outros grandes mártires que, assim como ele, foram injustamente perseguidos (Jesus Cristo e Juscelino Kubitschek). Lula não sofre deste complexo, mas que sabe desempenhar este papel com maestria, isto lá, ele sabe. Nunca, em nossa história, o Brasil viu um mártir melhor.  

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

A CARNE É FRACA

Os fundos de pensão indecentemente assaltados nos governos da honesta "presidenta" Dilma Rousseff e do homem "mais honesto do Brasil", Lula, estão montando estratégias para recuperar os recursos perdidos em investimentos irregulares investigados na Operação Greenfield, da Polícia Federal. A postura da Petrus e da Previ em cobrar na Justiça os prejuízos com os desvios chama a atenção pela facilidade como dirigente e políticos do poder petista manuseavam recursos de funcionários em nome de um projeto de poder e enriquecimento próprio. O envolvimento da J&F, controladora da processadora de carnes JBS e da Alpargatas, originou um acordo, o Ministério Público Federal (MPF) fez com que a Justiça Federal suspendesse as medidas cautelares impostas a executivos como Joesley e Wesley Batista, que poderão retornar ao grupo J&F. O País gostaria que a Operação Lava Jato pudesse tirar merecidas férias, mas está demonstrado que a gatunagem era de tal porte que essas férias tão cedo não poderão ocorrer.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ANÁLISE FURADA

As agências ditas de classificação de risco, ao longo dos últimos anos, têm um histórico de erros cometidos que comprometem a credibilidade de suas análises e notas. Caso mais recente, no mês de junho deste ano, foi a inconcebível recomendação dada pela Fitch ao mercado sobre a administração do fundo de pensão da Caixa Econômica Federal (Funcef), em que afirmam que a Funcef tem "estrutura sólida de governança e extenso uso de comitês" e "processo de tomada de decisões de investimento muito bem definido e estável". Ora, não dá para classificar como sendo ingênua essa agência de classificação de risco. Mesmo porque a imprensa brasileira vem divulgando há tempos denúncias de graves irregularidades na administração dos fundos de pensão ligados a empresas públicas federais. Se realmente tivessem o mínimo de zelo pelo trabalho que desenvolvem, deveriam consultar a Polícia Federal. Isso porque no mês de agosto foi deflagrada pela Polícia Federal a Operação Greenfield, em que prenderam por temerária aplicação de recursos e corrupção, entre outros, administradores de quatro dos maiores fundos de pensão do País: Petros (Petrobrás), Previ (Banco do Brasil), Postalis (Correios) e a própria Funcef. Juntos, geraram quase R$ 50 bilhões de prejuízos. A Fitch, neste caso, como agência de classificação de risco, está mais para ser rebaixada...   

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CORRA, STF, CORRA

O Supremo Tribunal Federal (STF) precisa agir rápido e punir com todo o rigor da lei todos os parlamentares envolvidos na Operação Lava Jato. Isso é o mínimo que se espera do Judiciário, onde os seus 11 ministros têm a obrigação de guardar a Constituição. Os facilitadores dos esquemas de corrupção implantados no Brasil não podem ficar impunes, escondidos atrás do foro privilegiado. Os parlamentares das duas Casas do Congresso Nacional foram escolhidos pelo povo, pelo voto direto, e têm a obrigação de defender os direitos de seus eleitores, seguindo estritamente o que determinam as leis do Brasil. Ninguém pode viver às margens da lei. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

O TETO SALARIAL DO STF

  

Uma maneira bem simples de o governo controlar as retribuições dos servidores públicos seria passar o teto remuneratório (por meio de Proposta de Emenda Constitucional, PEC) para o subsídio do presidente da República. Como os presidentes são responsáveis diretos pela economia do País, tal subsídio nunca seria exagerado. Seria abrangente para os Três Poderes (conforme ocorre hoje em relação ao STF), empresas estatais e também atingiria Estados, o Distrito Federal e municípios. Incluiria todas as parcelas em dinheiro, percebidas mensalmente. A PEC mencionaria o que a Constituição já traz, no sentido de ser proibida qualquer equiparação e vinculação, sendo necessárias leis específicas para qualquer alteração remuneratória ou de subsídios.

  

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

*

O QUINHÃO DE CADA UM

Nos anos 90, durante conferência na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, surgiu nos debates com eminente jurista a questão dos "relativamente modestos" (à época) salários do STF. Justificou o palestrante dizendo que os destacados homens da lei, quando alçados ao STF, já eram bem-sucedidos na vida, não dependendo de grandes salários. O Supremo era a suprema glória, uma distinção, o coroamento de uma carreira de sucesso. Mas, quando todos sugam o Estado, ninguém quer ficar de fora...

Paulo Roberto Santos prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

*

O DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA

A Fundação Anfip de Estudos da Seguridade Social e Tributária, da Associação Nacional dos Auditores Federais da Receita Federal do Brasil, divulgou o resultado de estudo que comprova que o alegado déficit da Previdência Social é falso. Nele ela aponta que a denominada Seguridade Social, inaugurada pela Constituição de 1988 em seus artigos 194, 195 e seguintes, estabeleceu as fontes e a vinculação da arrecadação da Seguridade Social, obrigando a gastar com ela aquilo que se arrecada para a mesma. Em 1994, de conformidade com o previsto nas Disposições Constitucionais Transitórias, foi instituída a Desvinculação de Receitas da União (DRU), ou seja, um mecanismo que permite ao governo federal usar livremente 20% de todos os tributos federais vinculados por lei a fundos ou despesas. A principal fonte de recursos da DRU são as contribuições sociais, que respondem a cerca de 90% do montante desvinculado. Na prática, permite que o governo aplique, entre outros, os recursos destinados à Previdência Social em qualquer despesa considerada prioritária e na formação do superávit primário e para pagamento dos juros da dívida pública. E o estudo apresenta tabela, elaborada pela Anfip, em que se verifica que entre 2011 e 2015, em todos os exercícios, a Previdência Social apresentou saldo positivo, e não déficit. Os déficits, apontados pelos governantes da vez, são decorrentes também das retiradas das suas verbas próprias, pelos porcentuais previstos nas DRUs. Dentro do balanço federal, o déficit da Previdência é, portanto, artificial. A alegação de que as alíquotas reservadas para a Previdência e outras despesas engessam o orçamento público e não permitem verbas para os investimentos é verdadeira apenas em parte. É sabido que os recursos públicos são mal aplicados, como o inchaço da máquina pública com a campanha amiga do cacique da vez. Seus responsáveis administram mal, planejam e projetam pior ainda. Licitam igualmente com erros e outros deslizes e contraem dívidas que um indivíduo normal não contrairia jamais. São inúmeros os exemplos de como é mal administrado o dinheiro público, denunciados quase diariamente pela mídia. Podemos citar, como exemplo, os erros absurdos nas construções de linhas de transmissão de energia elétrica, como a de Manaus (AM) a Boa Vista (RR), a aquisição da refinaria de Pasadena pela Petrobrás, os empréstimos do BNDES para obras em países estrangeiros, a juros de pai para filho, além dos escandalosos furtos bilionários que estão sendo revelados pela Operação Lava Jato. Pode-se discutir, por oportuno, o aumento da idade mínima para a aposentadoria, mas com um cálculo real, levando em conta todos esses fatores. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

APOSENTADORIAS SERÃO REVISTAS

Dois anos após o ex-presidente Lula assumir a Presidência do Brasil, alarmados com o salto no déficit da Previdência, constataram que haviam triplicado os casos de aposentadoria ou afastamento por doença. Com certeza, laudos estavam sendo superestimados, o que levou a ditarem normas. Mas como nestes 14 anos do luludilmismo o déficit da Previdência ultrapassou limites suportáveis, quebrando o País, o atual governo resolveu convocar todos os afastados para reavaliação. Mas bastou anunciarem bônus para os mais de 2 médicos médicos responsáveis pela avaliação incentivando-os a agilizar os processos, para que sindicalistas contra ameacem entrar no STF alegando "inconstitucionalidade". Depois da era PT, onde tem sindicalista, tem falcatrua. Não seria de admirar encontrarem parentes, amigos e "cumpanheiros" totalmente sadios aposentados por invalidez permanente. Esperamos que nesses casos o governo exija ressarcimento aos cofres da Previdência.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

RAIO-X

Questionam tanto a situação deficitária da Previdência Social, mas até hoje não apareceu um economista honesto, corajoso e suficientemente competente para fazer um raio-x da sua vida econômica e resolver o martírio imposto aos seus contribuintes. Sem ser um especialista em economia eu consigo visualizar o resultado desse raio-x imaginário e dar o diagnóstico para a sua solução, tanto para a Previdência Social como para os fundos de pensões privados: tirem o acesso do governo e de políticos às suas administrações, os associados elejam seus administradores e que o governo tenha apenas um papel de fiscalizador e também de contribuinte, sem poder fazer os costumeiros saques que vêm arrombando a Previdência Social e os fundos de pensões. O que falta é transparência e rigor na administração desses bens não pertencentes ao governo e habitualmente usados por ele e por intrusos chapa-branca. Haja vista a última ação da Polícia Federal que apurou um rombo de R$ 8 bilhões só nos quatro maiores fundos de pensão do País: Postalis, Previ, Petros e Funcef. Agora, imaginem a Previdência Social, uma mina de dinheiro para os maus políticos! JK limpou o seu caixa para construir Brasília e nunca devolveu o dinheiro; Lula, em seus dois mandatos, sacou mais de R$ 200 bilhões, e quanto ele devolveu? Os governos sabem sacar o seu dinheiro, falar em rombos, mas nunca os vi apresentar o seu movimento de receita e despesas. Por quê? Alguém poderia me responder?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

BASTA DE DEMAGOGIA

Foram justamente as "conquistas históricas", tipo aposentadorias de quem nunca contribuiu, seja na cidade como no campo, bem como aposentadorias privilegiadas, que inviabilizaram a Previdência. Se esta vier a quebrar de vez, milhões irão à penúria. Basta de demagogia e burrice. Sem reforma trabalhista, continuaremos atrasados, sem competitividade em vários setores, inviabilizando investimentos. 

 

Andre Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA PREVIDENCIÁRIA

Fernando Henrique fez uma, Lula fez duas, agora vem aí mais uma reforma da Previdência. Sugestão pessoal minha: por que já não jogam para 80 anos a idade mínima de aposentadoria? Dilma Rousseff já acabou com alguns direitos trabalhistas. Se todo político que vier pela frente dilapidar, corromper e roubar, vamos ter de fazer muitas e muitas reformas previdenciárias. Ou então que se tire da Previdência o que nela não deveria jamais estar, como ações sociais como bolsas qualquer coisa. Se não, vamos ter de ver por aí muitos velhinhos de bengala e tudo nas filas dos desempregados, pois, afinal de contas, todo mundo sabe que depois dos 40 anos é muito difícil arrumar emprego. E não esqueçam nossas autoridades de que não se pode contar com a ilusão de que nossos empresários não vão mais preferir pessoal jovem, cheio de energia e vitalidade.

Mara Mendes maraherdade@gmail.com.br

São Paulo

*

NO CAMINHO CERTO

Sabendo que o Brasil precisa urgentemente de reformas estruturais que o encaminhem para o crescimento econômico, é difícil entendermos as propostas que vãos surgindo, por ministros governistas, que mais criam confusão do que possíveis soluções, como a desastrosa e depois corrigida reforma trabalhista. Como diretamente interessados, ousamos opinar com algumas sugestões: acabemos com o INSS, pois ele nos toma 30% do nosso salário e não nos atende quando precisamos. Sem ele, poderíamos escolher o convênio que pudéssemos pagar, com muito mais qualidade no atendimento, e evitaríamos os desvios que comumente são feitos nesse órgão. Mas, sem sombra de dúvidas, o mais urgente é extinguir o excessivo número de sindicatos, que são o reflexo do atraso trabalhista. Por exemplo, enquanto a Argentina tem cerca de 91 sindicatos, nós temos mais de 15 mil! Para que isso, se não vemos nenhum deles tomarem iniciativas para defenderem nossos interesses diante dos "vendilhões da Pátria"? A única coisa com que se preocupam é com a ajuda financeira do governo e a contribuição obrigatória que nos é imposta, e para ouvirmos a imbecilidade proferida pelo presidente da CUT convocando greve geral para o dia 22, num país em que a classe trabalhadora já está parada pelo desemprego em massa! Ou raciocinamos para tomar as medidas certas - coisa que o governo anterior também não fez - ou este governo se perde no meio do caminho. Torcemos pelo seu êxito, presidente Michel Temer, mas é preciso ter determinação e se cercar de pessoas que nem de longe possam lembrar Renan Calheiros.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

DISCUSSÃO NECESSÁRIA

O que leva a imprensa e as nossas celebridades econômicas persentes diária ou semanalmente em nossos jornais e revistas a ignorar as grotescas diferenças existentes entre a Previdência do funcionalismo público, onde temos 980 mil aposentados e pensionistas, e as do setor privado, que abriga 32 milhões? A diferença dos salários médios das duas categorias, mais de R$ 20 mil para o setor público e R$ 1.200,00 para o setor privado - ou seja, um funcionário do setor público vale quase 20 vezes mais que um do setor privado - é gritante. Se essa discrepância não for discutida, mais uma reforma da Previdência vai cair nas costas do setor privado. Enquanto este país for o país dos privilégios e do corporativismo, não chegaremos a lugar nenhum.  

     

Gustavo Guimarães da Veiga ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

ESTAMOS DE OLHO

A esculhambação é total no Senado, na Câmara dos Deputados e nas Assembleias Legislativas do País. Senadores, deputados federais e deputados estaduais estão deixando de comparecer ao trabalho para se dedicarem às campanhas dos candidatos a prefeitos e vereadores de suas cidades, pouco se importando com os prejuízos que estão causando ao Brasil. Estamos de olho.

 

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

ELEIÇÃO EM SP

O atual prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT), tem o maior índice de rejeição entre os demais candidatos e um dos piores de aprovação. Entretanto, na sua campanha, ele segue defendendo sua gestão, inclusive as medidas impopulares que tomou, entre as quais a absurda redução da velocidade nas Marginais Tietê e Pinheiros, o suspeito aumento da arrecadação por conta das multas de trânsito e a rede cicloviária, a maior parte dela mal feita. A pergunta é: o prefeito está fazendo força para se reeleger ou para não se reeleger?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

ESTRELA CADENTE

Finalmente, o nefasto e corruPTo ciclo lulopetista está chegando ao seu triste e melancólico fim, juntamente com o ocaso de sua estrela cadente vermelha desbotada, escondida na maioria das campanhas de candidatos a prefeitos e vereadores Brasil afora, com destaque para a de Fernando Haddad, em São Paulo. A era PT já era. Basta!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A MEMÓRIA DO ELEITOR

Para surpresa geral, pesquisa eleitoral mais recente mostra a Marta Suplicy quase empatada com Celso Russomanno, que há poucos dias liderava com folga. Tal resultado nos leva a crer que o eleitor paulistano é analfabeto ou desmemoriado. Uma dessas coisas, ou talvez as duas "qualidades", explicam tamanho absurdo, pois a Marta de agora é a mesma "Martaxa Relaxa e Goza", lembram-se? Para os esquecidos, ela foi petista de 1981 a 2015 e, ao sentir que o barco PT-Lula adernava no oceano podre da maior corrupção já montada no País, escafedeu-se para o PMDB. O eleitor paulistano se esquece de que ela foi participante do governo petista durante os governos Lula e Dilma nos anos de 2003 a 2015, ocupando cargos federais ou como senadora, fazendo parte da bancada petista? Só um eleitor analfabeto pode acreditar que ela, como Lula, Dilma e petistas em geral, não sabia do gigantesco esquema de corrupção que quase faliu a Petrobrás e deu prejuízos de bilhões de reais ao fundo de Previdência dos funcionários da empresa, juntamente com os fundos dos funcionários do Banco do Brasil, da CEF e dos Correios. Pessoal, sei que é difícil de escolher em quem votar nesta eleição, mas qualquer porcaria a escolher é melhor que "Martaxa", ou será assinar atestado de burrice elevada ao cubo, porque permitiria ao PT renascer em nossa capital, já que, se eleita, ela voltará para os braços de Lula. 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

TUDO PELOS VOTOS

O candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomanno vem agindo da mesma maneira que fez Paulo Maluf, quando candidato, que oficializou e determinou por força do sindicato e interesses próprios a cor branca, para os táxis, para angariar os votos dos taxistas, seus familiares, seus aliados e agregados. Celso Russomanno, por sua vez, alegando que o Uber atua na ilegalidade, portanto não poderiam trabalhar, para tanto, utilizou um pretexto esdrúxulo, alegando que para tal finalidade só poderiam transitar com placas vermelhas. Que diferença?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

GUARDE ESTA FOTO

Se você tem uma foto sendo abraçado(a) ou beijado(a), às vésperas de uma eleição, por um(a) candidato(a), guarde-a cuidadosamente. Se e quando ele/ela for eleito(a) e você tiver alguma justa reivindicação a fazer ou insatisfação a apresentar,  bastará exibi-la, e terá livre e amplo acesso àquela agora autoridade. Afinal, abraço e beijo são sinais incontestáveis de afeto e consideração, que não esmaecem ou perdem intensidade após um pleito eleitoral vitorioso.

Eduardo M. Serra Netto decimoserranetto@uol.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.