Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2016 | 04h02

CORRUPÇÃO

Prisão de Cunha

Surpreendeu o Brasil e o mundo a determinação da prisão do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha pelo juiz federal Sergio Moro. A Operação Lava Jato já figura na História mundial como uma das mais eficientes e abrangentes no combate à corrupção, comparável à Operação Mãos Limpas, que nos anos 1990, na Itália, teve como saldo a investigação de 6.059 pessoas, dentre elas 872 empresários, 1.978 administradores e 438 parlamentares. Excetuando algumas reações ideológicas apaixonadas em contrário, a maioria dos brasileiros apoia todos os esforços para conter a corrupção, visto ser essa a raiz de todas as mazelas e a principal causa do atraso brasileiro. Imprescindível que haja transparência, ética e eficiência administrativa, em conjunto com um Poder Judiciário atuante, para o País crescer e retomar a confiança do investidor estrangeiro.

DANIEL MARQUES

danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

Base trêmula

Foi exatamente como se esperava a repercussão da prisão de Eduardo Cunha. Parece que ninguém tem nada que ver com o assunto. Os ex-aliados no Congresso tremeram na base, porque se o ex-deputado fizer delação premiada, apesar de ele negar que o fará, muita gente vai se dar mal. A reação da tigrada petista é típica de quem desta vez não tem como deixar de elogiar a Operação Lava Jato. Mas como o Cunha de hoje pode ser o Lula de amanhã, veremos como reagirão esses mesmos petistas que num primeiro momento aplaudiram Sergio Moro e a Polícia Federal.

HENRIQUE SCHNAIDER

hschnaider4@gmail.com

São Paulo

A República de joelhos

Se a simples prisão de Eduardo Cunha causou um estresse político capaz de interromper os trabalhos na Câmara dos Deputados e de trazer o presidente Michel Temer de volta do exterior, imaginem o que será deste país quando ele resolver aderir à delação premiada. Aliás, acima das histórias rocambolescas da Operação Lava Jato, da novidade do anel citado por Cavendish e do desnorteamento da Câmara após a prisão de Cunha, paira uma gigantesca exclamação: como roubaram este país!

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Escolados

A trajetória política de Eduardo Cunha, que sempre esteve atrelado a um cargo público, o que o fez conquistar vários mandatos de deputado federal pelo Rio de Janeiro, faz-me lembrar uma ótima observação de Millôr Fernandes: “Deve haver escondida nos subterrâneos do Congresso uma escola de malandragens, golpes, perfídias e corrupção. Não é possível que os congressistas já nasçam com tanto conhecimento acumulado”. Somente isso explica a quantidade de mau-caratismo na política brasileira. Que prendam todos e, principalmente, tragam o dinheiro de volta.

LUIZ THADEU NUNES E SILVA

luiz.thadeu@uol.com.br

São Luís

Camaradagem?

Alguns se perguntam por que as autoridades se sentem tão bem por terem “foro por prerrogativa de função”. Mas, afinal, por que impropriamente é chamado de “foro privilegiado”? O advogado de Eduardo Cunha, Ticiano Figueiredo, ao explicar por que considera uma injustiça a prisão de seu cliente, afirmou: “O STF passou seis meses com o pedido e não prendeu. Moro, com uma semana, decreta prisão sem fato novo”. Então, para ser mais clara: a demora do STF em decidir questões difíceis ou muito delicadas faz os réus sob sua jurisdição desfrutarem o “privilégio” pertinente ao foro. Como bem disse José Nêumanne em artigo no Estadão de anteontem (19/10, A2), as autoridades que têm prerrogativa de foro contam com “a camaradagem no Supremo Tribunal Federal”.

ANDREA METNE ARNAUT

andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

Terror

Se a prisão de Eduardo Cunha causou pânico em Brasília, calculem qual será o estado de espírito do Congresso se Renan Calheiros vier a ser preso. Bendito foro privilegiado.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Desmoralização

Lula quer desmoralizar o Brasil (20/10, A3). Ele deveria ser processado por difamação da Justiça brasileira.

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

Missão impossível

Depois de 13 anos de (des)governo lulodilmista é impossível qualquer esforço, por maior que seja, de desmoralizar o Brasil mais do que já está. O que a Nação precisa é “remoralizar-se”, e com a máxima urgência. Infelizmente, com a classe política de que dispomos, trata-se de missão quase impossível.

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas

Atos condenáveis

Em recente entrevista, o ex-presidente Luiz Inácio afirmou que em 40 anos de vida pública jamais encontraram um ato desonesto de sua parte. Desejo esclarecer que determinadas atitudes e decisões adotadas por um chefe de Estado podem perfeitamente ser consideradas, sim, atos desonestos, se afetarem a soberania nacional. E ele adotou várias. Rememorando: em 13 de setembro de 2007 a ONU apresentou uma proposição a favor dos povos indígenas do mundo que lhes concedia total autonomia e independência dos países onde vivessem. Como é de conhecimento geral, temos na Amazônia mais de cem reservas indígenas. E todos os países em situação idêntica à nossa, como a Nova Zelândia, os EUA, a Austrália, etc., votaram contra. Já Luiz Inácio, sem ao menos consultar o Congresso Nacional, determinou ao então ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, que votasse a favor de tal proposição. Logo as organizações não governamentais (ONGs) internacionais que pululam na Amazônia começaram a se movimentar entre as tribos – como a ianomâmi, por exemplo. E o Brasil corre o risco de perder territórios, além de reservas minerais e biodiversidade. Um crime de lesa-pátria. Mas citemos outras decisões condenáveis, como os empréstimos secretos, de mais de US$ 2 bilhões, tendo como origem o BNDES, que foram destinados a países como Angola, Cuba, Venezuela e outros mais. Ora, por que secretos? Depois de criar com Fidel Castro o Foro de São Paulo, Luiz Inácio passou a investir em obras de vulto nos países que compõem esse organismo, em vez de realizá-las no Brasil, nos setores da saúde, educação, segurança... Luiz Inácio pisou na bola!

RICARDO PEREIRA DE MIRANDA

ricarmiran@terra.com.br

Salvador

“Depois que o pinguim foi capturado, o sapo barbudo que ponha as barbas de molho”

OSCAR ROLIM JÚNIOR / ITAPEVA, SOBRE A LAVA JATO

rolimadvogado@gmail.com

“A cacetada acertou a cabeça da cascavel...”

LUIZ RESS ERDEI / OSASCO, IDEM

gzero@zipmail.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A FORTUNA DE EDUARDO CUNHA

O ex-deputado Eduardo Cunha, preso na Operação Lava Jato, está sendo acusado de ter recebido uma propina de US$ 1,5 milhão e mais uma de US$ 5 milhões, que representam aproximadamente R$ 20 milhões, e tem seus bens bloqueados em R$ 220 milhões. Quer dizer que a absurda diferença de R$ 200 milhões seria fruto de seu "honrado trabalho"? Nem a velhinha de Taubaté acredita que a propina recebida por este indivíduo seja somente a apontada até agora.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

R$ 200 MI SÓ DE CUNHA

Tem muita coisa errada em nossa República democrática. Como pode apenas um deputado, dito do baixo clero, conseguir amealhar mais de R$ 200 milhões em propina, abastecido pelo petrolão? Um indivíduo que por toda sua vida foi apenas parlamentar? Esse foi o valor colocado indisponível pela Polícia Federal nas contas do ex-deputado Eduardo Cunha. Se esse valor foi encontrado em contas de apenas um deputadinho cuja existência até há pouco tempo o Brasil desconhecia, imaginem o que encontrariam no "alto clero"? No Senado federal o "alto clero" já está se mexendo para aprovar lei que inibirá investigações no Ministério Público. Precisamos urgentemente acabar com o foro privilegiado, porque não dá para nós, contribuintes, ficarmos vendo esta gente impune, escondida atrás de um Supremo Tribunal Federal (STF) inoperante.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

AUMENTANDO A CAPACIDADE

Qual é a lotação máxima do ERJ 145 da Polícia Federal? Não seria melhor já trocá-lo por um Embraer 170?

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

ANSIEDADE A MIL

Estão dizendo que os mesmos petistas que fizeram vigília outro dia na frente do prédio de Lula querem a imediata soltura de Eduardo Cunha. É que, com o ex-deputado preso nesta quarta-feira, ficou sem sentido o discurso de que a Lava Jato "perseguia" o PT, sem importunar os corruptos de outras legendas. Pensando bem, até que faz sentido... Vai um ansiolítico aí, Lula?

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

CUNHA

A prisão de Eduardo Cunha destrói o discurso de Lula de que a Lava Jato só persegue políticos do PT, que o juiz Sérgio Moro não é imparcial e que, enfim, a Justiça do Paraná não é justa. O que parece é que Lula será preso, sim, e que o policial federal Lucas Valença, o "lenhador da Federal", deixará a internet mais eufórica ao escoltar o ex-presidente.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DEBANDADA

Luis Cláudio, filho de Lula, foi contratado para ser o preparador físico de um timeco do interior do Uruguai que ninguém conhece. Mas a pergunta que fica é: a debandada dos Lula da Silva já começou?

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

MUDANÇA

Dizem que Lula está se transferindo para o Uruguai. Por que será?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

PRESENTE

Cunha foi o aperitivo. Lula aniversaria no dia 27, e é possível que nós é que ganhemos o presente, com a sua prisão.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

ESTRAGO

Segundo Garotinho, Cunha avisou a Michel Temer que "não vai sozinho para o sacrifício". E acrescentou que os piores estragos que podem ser feitos na vida de um homem são por ex-mulheres e ex-amigos. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

VIA-CRÚCIS

Eduardo Cunha, com sua prisão, estará percorrendo sua via-crúcis. Nada melhor do que lembrá-lo de uma sentença do genial Confúcio (551 a.C.-479 a.C.): "Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade, na desgraça, a qualidade".

 

Luiz Bianchi luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

*

CUNHA VAI FALAR?

Os presos pela Lava Jato recebem o salário de presidiário? Se Eduardo Cunha abrir o bico, este valor estourará a PEC do Teto!

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

*

CORRUPTOS NA CADEIA

O tempo não apita na curva e tampouco faz esperar. E a hora chegou para um dos barões da corrupção petista, Eduardo Cunha, que finalmente foi preso pela Polícia federal, a pedido do juiz Sérgio Moro. Sem foro privilegiado, o que mais temia Cunha era ser levado preso, como ocorreu, para Curitiba e ser interrogado pelo implacável juiz Moro. A esta altura da Lava Jato, e com dezenas de envolvidos no esquema de corrupção fazendo delação premiada para tentar diminuir suas penas, o deputado cassado do PMDB vai precisar de muita criatividade para reunir provas contundentes e inéditas para conseguir sua delação. E, principalmente, como deseja, livrar de condenação a sua esposa e filha, que também são investigadas. Agora, com ou sem vigília, os olhos da sociedade brasileira se voltam para a cidade de São Bernardo do Campo (SP), onde reside o barão chefe da corrupção petista, Luiz Inácio Lula da Silva.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CALMANTE

Com a prisão de Eduardo Cunha estão acabando os estoques nas farmácias de Brasília dos remédios ou calmantes Rivotril, Olcadil, Donaren, Serenos, entre outros. Os fitoterápicos Remilev e Pasalix também estão com seus estoques limitados. Calmante é o que interessa, o resto não tem mais pressa!    

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

OS COMENTÁRIOS DO SENADOR

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) declarou que Michel Temer não dura um dia na Presidência se Cunha fizer delação premiada. Declaração intempestiva, de um cara-pintada, porque, salvo engano, Dilma e Temer foram eleitos na mesma chapa e as maracutaias, o caixa 2 e pagamentos em dólar no exterior são obra do Partido dos Trabalhadores. Senador, guarde seus comentários para quando o mais honesto do mundo chegar a Curitiba. O senhor vai ter de ser forte, porque as senadoras "lulistas" vão entrar em choque e precisarão de seu apoio. Para não perder a viagem, a UNE ainda existe ou já se fundiu ao PT? Graças a ela o senhor está aí...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

LINDBERGH FARIAS

Esperar o que das palavras do líder estudantil que NUNCA estudou e que ainda apoia o líder dos trabalhadores que NUNCA trabalhou?

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

'O GATO DE SCHRÖDINGER'

O físico Erwin Schrödinger demonstrou os paradoxos da mecânica quântica num experimento imaginário denominado "o gato de Schrödinger", no qual a condição de um gato numa caixa dependeria do seu observador. A cela do ex-deputado Eduardo Cunha na Polícia Federal, por analogia, assemelha-se a tal caixa. Para alguns observadores, Cunha é um corrupto que paga, tardiamente, por seus crimes. Para outros, ele é mero bode expiatório do juiz Sérgio Moro para justificar a iminente prisão de Lula. Decidam-se!

 

Túllio M. Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

        

*

PRENDERAM MEU HERÓI

Entre tantas falcatruas cometidas, alguém conseguiu salvar a Pátria. 

Eduardo Vieira de M. Lopes dudu.melloel@gmail.com

Barueri

*

100 ANOS DE PERDÃO

Pela primeira vez discordo de uma decisão do juiz Sérgio Moro. A prisão preventiva decretada contra Eduardo Cunha foi intempestiva e injustificada. Nenhum dos pressupostos legais está presente. Isso não significa que ache que ele é isento de culpa e que as denúncias, via delação premiada, sejam inconsistentes ou falsas. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. E tem mais: a serem verdade os mimimis da tigrada petista, de que foi Eduardo Cunha o responsável pelo afastamento de Dilma Rousseff e do PT do governo, ouso exclamar: "100 anos de perdão para Eduardo Cunha". 

 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS E POLÍTICAS

No que concerne à emblemática prisão do sr. Eduardo Cunha, até recentemente, líder do PMDB, presidente da Câmara dos Deputados e terceira autoridade na linha de sucessão presidencial, cabem indagações recorrentes. Justiça ou leniência? Ética ou nanismo intelectual? Eficácia ou indigência? Política ou satisfação de interesses pessoais? Foro privilegiado ou equidade dos cidadãos perante a Justiça? Suprema Corte ou primeira instância? A resposta a esses questionamentos e as ações e processos resultantes têm o potencial de adequar a práxis democrática - não raro, confundida com eleições, apenas! - ao que a sociedade aspira e sonha. Que os intelectuais descompromissados com facções políticas e ideológicas - ou seja, simplesmente, intelectuais - tratem dessas questões com a sabedoria requerida e coloquem luz em todas as sendas da cidadania. Daí poderiam resultar estímulos para as transformações sociais e políticas substitutas das revoluções constantes da história de todas as nações desenvolvidas. E nosso país se constituiria em caso único na evolução de nações e civilizações.

Aléssio Ribeiro Souto souto49@yahoo.com

Brasília

*

DELAÇÃO SELETIVA

 

A Delta Engenharia, por meio de seu dirigente Fernando Cavendish, envolverá em delação premiada Aloysio Nunes Ferreira (SP), Marconi Perillo (GO) e outros políticos do PSDB, valendo ressaltar que não importa qual a agremiação política, mas o fato delituoso, desde que o instituto da delação premiada não prevê o sistema de seletividade. Quem recebeu propinas, seja de qual partido for, merece ser julgado e demonstrado ao público.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DELTA

"Proposta de deleção de dono da Delta atinge PMDB e PSDB" ("Estadão", 19/10). E eu que pensava que era só no PT que havia lavanderia.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A 'ONDA DE DIREITA'

Será que os 12 milhões de desempregados surgidos na esteira do declínio do PIB por mais de três períodos consecutivos, caracterizando, segundo algumas escolas de Economia, não somente uma recessão, mas uma depressão, estão preocupados com a "onda de direita", contra a qual o sr. Fernando Henrique Cardoso (FHC) se manifestou recentemente, associando-a equivocadamente à "bancada da bala" (sic), acrescentando, sem maiores especificações, que, "do ponto de vista de costumes", tal fato é muito delicado? Certamente não, por se tratar de discurso teórico e inconsistente com o momento de grave crise motivada por um partido desonrado e incompetente enquanto governo, o PT, ao qual o velho dinossauro apela para unir forças com o "seu" (há outro, de Geraldo Alckmin) PSDB, a fim de conter a suposta onda por ele denunciada.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ABUSO DE AUTORIDADE

Na atual situação do Brasil, com as investigações contra a corrupção no País avançando, ter um Renan Calheiros tentando votar o projeto para punir o abuso de autoridade é o mesmo que colocar um estuprador cuidando de crianças.

Wagner Alberico wagneralberico@yahoo.com.br

São Paulo

*

A PAUTA DE RENAN

Não obstante já existir em nossa Constituição a Lei n.º 4.898 de 9 de dezembro de 1965, que trata amplamente sobre abuso de autoridade, o senador Renan Calheiros, não se sentindo suficientemente garantido com esta lei pelo fato de estar encrencado com a Operação Lava Jato e morrer de medo de algemas, tenta emplacar o PLS 280/2016, que trata sobre abuso de autoridade, num evidente esforço de autopreservação. Para não ficar tão evidente, tal oportunismo defende que tal proposta seja julgada junto com a da reforma política e com as novas leis de combate à corrupção. Ou seja, tenta misturar numa mesma gamela vários ingredientes para enganar o paladar do povo... Eu quero crer que o Senado não se deixará levar pela pauta indecorosa do presidente do Senado, até porque os políticos estão bem cientes da vontade popular, que anseia pelo fim da corrupção e dos corruptos, na política e fora dela!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

O sindicato do crime em que se transformou o Congresso Nacional já pensa em votar uma "reforma" para voltar ao espúrio sistema de financiamento empresarial de campanhas eleitorais. O verdadeiro barateamento das campanhas se dará pelo único sistema legítimo de eleição: o voto distrital com recall, em que o voto de qualquer brasileiro tenha o mesmo peso, ou seja, se temos 500 cadeiras na Câmara, deveria haver 500 distritos com o mesmo número de eleitores. Isso tornaria a eleição para deputado direta, pois hoje é indireta, aproximaria o candidato do eleitor e traria o barateamento das campanhas, pois estas seriam localizadas. Mas isso não se discute, pois não interessa aos grandes chefões desta gigantesca máfia.

Jose Severiano Morel Filho zzmorel@icloud.com

Santos

*

TOM

"Riforma pulítica." Inacreditável, mas foi assim que ouvi a pronúncia. Ouvi várias vezes e constatei o que estava ouvindo. Isso foi dito por Renan Calheiros, presidente do Congresso, 12 processos criminais no Supremo Tribunal Federal (STF), etc., etc. Neste tom, a reforma política jamais sairá. Pareceu-me Tiririca (com todo respeito) com curso superior. E é só.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A BASE

Reformas (na verdade, reconstruções) são mais que necessárias no Brasil. Mas, para que essas reformas, num país semidestruído por anos de corrupção e irresponsabilidade, tenham efeito, precisamos garantir a base de credibilidade da sociedade, que é o Judiciário. Hoje, o Poder Judiciário é, com raríssimas exceções, um amontoado de semideuses arrogantes, uma entidade custosa, sem compromisso com a sociedade. Processos que demoram anos para uma conclusão mostram o descaso dessa turma para com o cidadão, a vida do brasileiro e o País.

  

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

LIBERDADE DE IMPRENSA

Com 2.578 dias de censura imposta ao "Estadão", pergunto à ministra Cármen Lúcia, presidente do STF: onde está a propalada liberdade de imprensa apregoada por V. Excelência em palestra na ESPM?

                               

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

'A 'PRIMAREVA' SECUNDARISTA'

Sob o título de "A 'primavera' secundarista", o editorial do "Estadão" de quarta-feira (19/10) trata do aumento preocupante de escolas ocupadas por estudantes. Conta que, "em menos de duas semanas, as ocupações de escolas públicas de ensino médio passaram de 90 a 670, em todo o País". Depois, descreve o que está de fato ocorrendo: a conhecida manipulação de grupos por outros grupos de "esquerda", que, a despeito de insignificantes como partidos políticos, atuam de forma coesa com "facções radicais de centrais sindicais", e outros. Talvez a maioria nem saiba por que está lá, pois todos os entes federais já garantiram que não haverá qualquer alteração no ensino médio em 2017. Salienta que o governo de São Paulo, para garantir a legalidade da retomada das escolas, vem pautando-se em parecer da Procuradoria-Geral do Estado (PGE). Como resposta à consulta jurídica feita à sua PGE, o governo conseguiu retomar a posse de várias escolas, mesmo sem mandado judicial de reintegração de posse. É que o artigo 1.210 do Código Civil, que em seu § 1.º dispõe: "O possuidor turbado, ou esbulhado, poderá manter-se ou restituir-se por sua própria força, contanto que o faça logo". Portanto, só contrário das arbitrárias ocupações, a administração vem tentando solucionar observando a legalidade. Esta semana, uma manifestação na Avenida Paulista de estudantes do ensino médio terminou na apreensão de um menor. De acordo com o "Correio Braziliense", após o ato, que teve início na Paulista e terminou na Praça da República, os jovens tentaram fazer um "catracaço" no Metrô, ou seja, pular as catracas sem pagar a passagem. Muitos conseguiram, mesmo agredindo seguranças do Metrô. Outros foram impedidos pelos seguranças. O menor apreendido foi indiciado por lesão corporal e dano, depois liberado. Como enfatiza o editorial, é necessária a manutenção do Estado Democrático de Direito em que vivemos. Muitos, inclusive estudantes, perderam a vida para conquistá-lo.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

SERVIÇO PÚBLICO

Em relação ao editorial "Freio nos privilégios" (17/10, A3), na atividade privada, o salário é estabelecido pelo tempo de serviço ou pela qualidade e importância do mesmo? No serviço público, é pela qualidade e importância (por meio de concurso), e não pelo fato de terem maior ou menor tempo de serviço, em que o iniciante e o veterano têm as mesmas responsabilidades.

 

Alexandre Tamburrino ratup@ibest.com.br

São Paulo

*

PIADA PRONTA

Brasil, o país da piada pronta, sem graça e triste. Na quarta-feira fomos surpreendidos pelo Comitê de Política Monetária (Copom) anunciando a megarredução de juros. Pasmem, senhores, sabem de quanto foi? A estonteante cifra de 0,25% (de 14,25% ao ano para 14% ao ano). Pergunta: qual o resultado disso? Nenhum.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

SELIC

Será que os 0,25% reduzidos da Selic não vão fazer falta para o governo? A segunda maior taxa de juros do mundo (Rússia) é a metade da nossa, que vergonha. 

Gustavo Guimarães da Veiga ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

JUROS BANCÁRIOS

Duas reportagens publicadas pelo "Estadão" nesta semana nos mostram que muita coisa está errada em nosso mercado financeiro. A primeira delas aponta que bancos públicos foram na contramão da concorrência e ajustaram gradualmente o juro cobrado dos clientes nos últimos meses. Banco do Brasil (BB) e Caixa Econômica Federal (CEF), agora, já cobram algumas das maiores taxas. O BB tem o maior juro no financiamento do automóvel e a Caixa o segundo maior no crédito rotativo do cartão de crédito. Na segunda matéria, ficamos sabendo que a diferença entre a captação dos bancos e o que eles cobram nos empréstimos passou de 25,3 pontos porcentuais, em 2014, para 53 pontos, este ano. E o diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do Banco Central disse ao "Estado" que os bancos precisam diminuir a diferença entre as taxas que cobram nos empréstimos e a que pagam na captação de recursos, o chamado spread bancário - ou, em bom Português, a margem de lucro líquido. E ele explica: em dezembro de 2014 os bancos captavam dinheiro a uma taxa anual média de 12% e emprestavam a 37,3%. Em agosto deste ano, o custo de captação estava em 12,3% ao ano, mas os empréstimos chegaram a 53%, ou seja, o spread teve uma alta de 60%. Eis por que os lucros dos bancos brasileiros estão entre os maiores do planeta. Ora, tem razão o diretor do Banco Central, mas, então, por qual motivo os bancos do governo, em lugar de praticar os maiores juros do mercado, não aplicam uma política para induzir os bancos particulares a diminuírem suas taxas de juros? Não como o praticado pelos governos petistas, mas de maneira mais racional. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

O MURO DAS LAMENTAÇÕES

Minha crítica é dirigida ao quadro expositivo "História e Controvérsia", na matéria "Unesco ignora queixa e adota texto sobre Muro" (19/10, A12). A informação sobre a construção do primeiro Templo pelo Rei Salomão (em 957 a.C) é equivocadamente creditada à "tradição judaica", quando, na verdade, trata-se de informação confirmada por inúmeras investigações históricas, pesquisas arqueológicas e documentos ou monumentos produzidos por outros povos. Os romanos, por exemplo, chegaram a registrar os saques que promoveram por ocasião da destruição do segundo templo, construído no mesmo local do primeiro. O Arco de Tito, situado em Roma, exibe o transporte triunfal do espólio do Templo à então capital do mundo (gigantesco candelabro que ornamentava o sítio em Jerusalém). Inúmeros textos escritos na época do reinado de Israel e, posteriormente, de Judá (textos religiosos e não religiosos, judaicos e cristãos) também contêm citações expressas e claras a respeito. 

Jacques Griffel advocacia@griffel.com.br

São Paulo

*

A UNESCO E O JUDAÍSMO

O antissemitismo e, principalmente, o antisionismo na Organização das Nações Unidas (ONU) e seus organismos (entre eles a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - Unesco) não é novidade. Com caráter extremamente parcial, a ONU e suas crias, usualmente, vão sempre contra Israel - a única democracia no Oriente Médio -, e em favor de ditaduras e regimes totalitários que violam os direitos humanos naquela região. Pois bem, eis que a Unesco resolveu aprovar uma resolução sobre a cidade velha de Jerusalém, referindo-se a locais sagrados do judaísmo em língua árabe, negando a importância de tais locais - entre os quais o Muro das Lamentações - para a religião judaica. Cabe lembrar à Unesco que, antes da fundação do Estado de Israel, em 1948, o Muro das Lamentações era utilizado pelos ocupantes do território, os palestinos, como "lixão" - inclusive num claro deboche à fé alheia. Israel controla o Monte do Templo, sim. E, apesar dos símbolos e templos islâmicos presentes no local, o governo israelense mantém o sítio em ordem e aberto inclusive aos palestinos, ainda que com vigilância para evitar conflitos e ataques. Será que até esta demonstração de "democracia" - não obtida com reciprocidade no passado, pelos árabes - a Unesco ignora? Lamentável.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

SOBRE A MOÇÃO DA UNESCO

Apesar do pretenso pedido de desculpas ao mundo, por tê-lo ofendido com a moção sobre o "status" de Jerusalém, ficou evidenciado que a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) é realmente um descendente da famigerada Liga das Nações, já que nos traz à memória do acontecido com os sudetos. Esta moção apresentou a face da "vendeta" dos derrotados, que combinou o encoberto antissemitismo latente entre as nações, mormente no continente europeu, cujo passado tem marcas como a Inquisição e o Holocausto nazista, e o interesse econômico, o que demonstra que os descendentes de Judas Escoriota não são apenas os judeus. Além da não disfarçada intenção de internacionalizar Jerusalém. Imaginem o Muro das Lamentações, cuja idade remonta a milênios, assim como o Santo Sepulcro e a Via Dolorosa, serem parte da área da Mesquita de El Aqsa. Isso é negar a Historia e a "Bíblia", é ofender todas as religiões ocidentais. Negar o vínculo de Jerusalém com o povo judeu ou o Vaticano com a cristandade se reflete em negar o vínculo de Meca com o islamismo. Cabe lembrar que o islamismo é o último descendente do ventre judaico, a população muçulmana em terras de Israel está vinculada a Saladino, aquele líder que derrotou as hordas das Cruzadas, o que nos permite constatar que a referida mesquita foi construída quando as religiões ocidentais já estavam ativas há várias centenas de anos. Ou seja, o problema também envolve a falta de conhecimento histórico ou, então, a intencional ignorância, já que cada geração tem o seu Chamberlain. Há aqueles ateus que acham que o maior patrimônio dos judeus, a sua Toràh, é apenas um livro de fantasias e lendas - cabe ressaltar que há mais de 3 mil anos o Senhor determinou que o espaço a ser ocupado pelos descendentes de Abraão, Isaac e Jacob seria entre o Mediterrâneo e o Eufrates, do Mar Vermelho até o Líbano, e considerando os árabes como descendentes de Abraão (via Ismael), não os confundir com os islamitas do sudoeste asiático nem com as populações do norte da África, ocupam exatamente esta área hoje. O Senhor de Israel prometeu proteger o povo eleito, e como justificar que os foguetes balísticos dos palestinos não atingem os seus alvos, senão pela obra divina? As promessas divinas nem sempre são compreensíveis ou de efeito imediato, mas vide o que está acontecendo nos países ocidentais europeus com o problema dos refugiados e os atos de terrorismo. A nós, crentes na obra do Senhor, isso teria relação com a história recente e passada do povo judeu, que, apesar das agruras com que teve de conviver, ensinou ao mundo "amarás o próximo como a ti mesmo".

Marcos Kramarski kramarskimarcos@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.