Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2016 | 04h03

CIDADE DE SÃO PAULO

Enchentes

Projeto existente nos arquivos da São Paulo Light, de autoria dos engenheiros da empresa, feito em 1895 para evitar enchentes na capital paulista – ou seja, do Tietê –, consistia da construção de um túnel ao lado da barragem Edgar de Souza com a capacidade de escoar três vezes a maior enchente do rio. Esse túnel seria fechado por comportas. Para manter a eficiência do controle da vazão seria necessário também canalizar todos os afluentes do rio a montante. As autoridades de então indeferiram a obra pelo alto custo e porque a Baixada do Glicério teria condições de absorver todo o excesso de vazão fluvial. Parece-me que não evoluiu nada a mentalidade dos nossos políticos desde aquela época.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

Degradação urbana

Endosso, com tristeza, o desalento e a indignação de articulistas e leitores que vêm apontando o descaso no centro da nossa cidade. A recente eleição municipal trouxe à mesa a necessidade de se ambicionar gestão eficiente também nesse sentido. É chocante ver como a administração pública permitiu a degradação não só dos edifícios públicos, mas também dos espaços públicos, basta ver o descaso com desabrigados e drogados que vagueiam e se alojam precariamente pelas ruas. Um percurso usual pela Avenida 23 de Maio, trecho do elevado leste-oeste e acesso ao centro via Theatro Municipal expõe paisagem desanimadora: mais de 80% de paredes, fachadas, portões, tapumes e quaisquer outras faces estão pichados. São símbolos, garranchos, supostas letras, desenhos alucinantes ou alucinados no alto de prédios, ocupados ou não, sobrepondo-se aos grafismos incentivados, como os dos arcos de tijolos, antes recuperados, na Bela Vista. E avançam por tudo, pilares, vigas, túneis, o que for. A paisagem das ruas parece mais poluída do que antes de vigorar a Lei Cidade Limpa. Pergunta-se: essas intermináveis pichações serão a expressão cultural da cidade de São Paulo? Esse estado de coisas interessa à cidade e a seus cidadãos? Faltam locais como galerias de arte, parques de exposições, lápis de cor, papel, para acatar toda essa fúria de incontida expressão popular que continua avançando? Será possível que o poder público venha a assumir a responsabilidade de orientar e ordenar o uso dos espaços públicos pensando em todos os cidadãos? Poderão os desabrigados, mendigos e drogados obter apoio e orientação efetiva do Município em política de recuperação da qualidade de vida da cidade? É chocante rever a degradação instalada nas áreas centrais de São Paulo, permitida por administradores incompetentes e desinteressados. Isso é tão triste quanto conviver com os nossos rios transformados em esgotos a céu aberto.

RONALDO PARISI

rparisi@uol.com.br

São Paulo

Semáforos

Agora que João Doria foi eleito prefeito de São Paulo e já começou a circular pela cidade e a apresentar ideias interessantes, como o conselho de ex-prefeitos, que tal ajudar os paulistanos em dois aspectos cruciais? Um é a recuperação da CET, que hoje está mais para Companhia Engarrafadora de Trânsito. O outro, também relacionado ao trânsito, é o projeto de manutenção dos semáforos. Pois basta cair um pingo de chuva que já é o suficiente para os semáforos começarem a piscar, tornando o trânsito mais caótico. O atual prefeito preocupou-se em espalhar radares e mais radares – que nunca param de funcionar! –, na sua imensa preocupação de arrecadar, opa!, queria dizer de reduzir acidentes, e não se deu ao trabalho de fazer algo inteligente para o funcionamento da cidade. Ficam as solicitações.

RENATO AMARAL CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Melhor desenhar

O prefeito eleito quer dar vez e voz a ex-prefeitos de São Paulo. Diante do resultado das urnas, qual terá sido a parte que ele não entendeu? Se quiséssemos ouvir palpite infeliz do atual prefeito, ele teria sido reeleito!

MARCIA MEIRELLES

marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

Infelizmente, o prefeito eleito parece mesmo não ter entendido o recado das urnas. A cidade de São Paulo está nesse caos por causa dos ex-prefeitos convidados por João Doria para formar um conselho municipal. As urnas disseram em alto e bom som: fora esquerdistas, fora PT! Ou será que o gestor e trabalhador por mais de 45 anos está com medo do cargo de prefeito? Nós, paulistanos, dispensamos essas figuras – Haddad, Erundina, Kassab, Maluf, Marta – dando palpites na Prefeitura. Chega. São pessoas de ontem com ideias de anteontem. Doria que vá ao arquivo municipal e estude a atuação e as realizações dos grandes prefeitos de São Paulo, entre outros, Prestes Maia, Faria Lima e Olavo Setubal. Temos a certeza de que lhe será extremamente útil. Senão ficará entre nós, seus eleitores, um sentimento de arrependimento por termos votado nele. Acerte e erre com suas próprias pernas.

MAURICIO BESSA

monmau@icloud.com

São Paulo

PT em extinção

Definitivamente, o PT caminha para extinção! Não bastasse o massacre das eleições, pelo que entendi das informações veiculadas na imprensa, o único nome capaz de liderar a reformulação do partido é Fernando Haddad, casualmente, o pior prefeito que São Paulo já teve. É mole?

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Lazer no Minhocão

O Estado informa em 16/10 que “ativistas” pró “parque” sobre o Elevado João Goulart, o Minhocão, estariam preparando convite para a sra. Bia Doria vir visitar o local e tentar sensibilizá-la para aderir à pretensão deles, porque “as crianças não têm outra área de lazer”. A ideia de “parque” sobre um elevado feito para uso viário, a oito metros de altura, “sem as mínimas condições de segurança”, conforme laudo técnico do Corpo de Bombeiros, não constitui uma insensatez? O artigo 132 do Código Penal não estabelece ser crime colocar pessoas em local que ofereça risco de vida e à saúde delas? A região conta, para a diversão de nossas crianças, com o belo e bem cuidado Parque da Água Branca, além da extensa área do Memorial da América Latina, do Largo do Arouche, da Praça Princesa Isabel, da Praça da República e do previsto Parque Augusta. Condiz com a verdade falar que as nossas crianças não têm outra área de lazer a não ser em cima do Minhocão? Não é para ficar perplexo com a manipulação de nossas crianças para um absurdo desses?

FRANCISCO G. MACHADO, diretor de Assuntos Sociais e Comunitários do Conselho de Segurança de Santa Cecília, Barra Funda, Higienópolis e Campos Elísios

fmachadosp.fgm@gmail.com

São Paulo

“Ou Doria prova que é realmente gestor e se cerca de pessoal com gabarito, ou já perdeu a credibilidade antes mesmo de assumir”

CARMELA TASSI CHAVES / SÃO PAULO, SOBRE O ANUNCIADO CONSELHO DE EX-PREFEITOS

tassichaves@yahoo.com.br

“Se o prefeito eleito tivesse dito na campanha que faria um comitê de ex-prefeitos para discutir os problemas da cidade, eu não teria votado nele. Esse povo pouco fez quando no poder, imagine agora fora dele”

LUIZ FRANCISCO DE ASSIS SALGADO / SÃO PAULO, IDEM

salgado@grupolsalgado.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

Dando asas à teoria da conspiração, aponto que: 1) Lula fechou a tramela e se encafifou sabe-se lá onde. 2) Espalha-se, através de comentaristas, a ideia de que não é prudente prender Lula pois a comoção será nacional (quero lembrar as 20 almas penadas que passaram a noite vigiando seu apartamento quando um blog petista levantou o boato de que na madrugada de domingo para segunda Lula seria preso. 3) Fazendo coro e dando apoio a isso, a sempre amiga CNT/MDA (CNT = Confederação Nacional dos Transportes...) divulga pesquisa dizendo que Lula ainda lidera a corrida presidencial de 2018. Quem concorre contra ele? Ninguém... Ele pode estar na última posição, mas para a CNT ele lidera. 4) Como se não bastasse o zunzumzum a respeito de Lula procurar asilo político numa embaixada para fugir do juiz Sergio Moro, seu filho Luiz Claudio Lula da Silva começou a trabalhar num clube de futebol da primeira divisão no Uruguai, como preparador físico. 5) Na quinta-feira (20/10), o editorial do "Estadão" ressaltava os indícios de que Lula quer desmoralizar o Brasil perante a opinião pública mundial, passando a versão de que hoje somos uma republiqueta ditatorial e a Justiça brasileira, sem isenção, teria evidente intenção de acabar com sua biografia para tirá-lo do páreo de 2018. 6) Lula continua conectado no seu umbigo e pondo em prática o ensinamento do mestre vietnamita general Vo Nguyen Giap, que lhe incutiu o espírito de que nunca se deve desistir, nem que seja preciso inventar o que for para chegar à sua meta. Entregar-se, jamais. As palavras não são exatamente estas, mas a ideia, sim. Por isso se entende a obstinação de Lula... 7) Sua obstinação é igual à nossa... aprendemos com ele. 8) Falei muito para dizer: Lula vai dar no pé! Atenção!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PESQUISAS

Como acreditar nas pesquisas no Brasil? Na última, sobre o governo Temer, ele obteve aprovação menor do que a de Dilma, que somente afundou o País. Onde será que esse pessoal faz essas pesquisas? Pelo resultado, a amostra foi realizada em redutos de esquerda apenas e não representam a realidade.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

PARA LEMBRAR

Ao saber que o caçula de Lula foi o primeiro do clã dos "da Silva" a se mudar para o Uruguai, eis que a sua menção na Operação Zelotes ressurge na memória. E logo em seguida vem a pergunta: ele teve ou não algum papel no caso dos 36 caças Gripen adquiridos pelo Brasil da empresa sueca Saab? Houve ou não superfaturamento no valor pago, de R$ 13 bilhões? A Wikipédia informa um custo unitário referencial de menos de US$ 70 milhões por unidade. A Suécia, com certeza, poderia ajudar, pois sabe direitinho quanto tem custado a unidade para a sua força aérea. Pode parecer um detalhe, mas se trata de valor semelhante a um semestre do Bolsa Família. E, ultimamente, dezenas de bilhões fazem falta ao Brasil. Além do que, a escolha destes aparelhos é uma questão de segurança nacional. Entender o que o marketing esportivo teve que ver com isso é algo que não ficou claro quando foi notícia nem ficou esclarecido quando deixou de ser notícia.  

     

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

PLANO DE ESCAPE

 

Para escapar da prisão, Lula pensa, como primeira alternativa, asilar-se no Uruguai. As razões são óbvias: proximidades geográfica e ideológica. Há, ainda, a precedência de Jango. Após os primeiros contatos e consultas, o andamento já deu seus primeiros passos. E, como se diz, onde há fumaça há fogo. No caso, a fumaça vem de vários fogos. Um deles, o "hambre zero uruguaio", nada mais é que relembrar a falácia do "fome zero", do primeiro mandato de Lula. Lembre-se, aqui, que à época os caminhões de alimentos que seguiram para o Nordeste foram meras doações de empresários, sem participação efetiva do governo. Mas o mais recente sinal desse plano são as declarações de Yamandu Costa, presidente do Juventud de las Piedras, clube de futebol uruguaio, quando anunciou a chegada de Luiz Cláudio Lula da Silva, já atuante no preparo dos jogadores e no desenvolvimento do programa "Gol a futuro", naquele país. Luiz Cláudio, o Luleco, como dianteiro, abriu a porteira e por onde passa um boi, passa a boiada.

 

Luiz Carlos Tocalino lctn13@gmail.com

Campinas

*

ESCALA

"Senhores passageiros com destino a Montevidéu. Informamos que será feita uma escala em Curitiba. Agradecemos a compreensão. O motivo é justo."

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo 

*

JOÃO SEM BRAÇOS

Lula, em desespero de causa e à mingua de defesa de provas contra as acusações que lhe são atribuídas e para questionar a atuação do juiz federal Sérgio Moro na condução das investigações contra si, está dando um golpe de "João sem braços", arguindo suspeição do relator da Operação Lava Jato, o desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4.ª região, de manter "amizade íntima" com referido juiz. Assim, o voto deste relator seria desqualificado e rejeitado, pelo vício de suspeito. Portanto, o relatório seria juridicamente nulo. Qual o maior fundamento dessa arguida suspeição? Pasmem, senhores leitores: só porque o desembargador Gebran Neto se recusou a esclarecer se mente relação de amizade íntima com o juiz Sérgio Moro. No que fez muito bem, como pessoa íntegra. Esse argumento é tão absurdo, tão antijurídico que, se vingar, todos os magistrados, antes de proferirem suas sentenças, terão de provar que não são parentes de nenhuma das partes processuais na causa, para evitar uma chuva de recursos iguais, evitando que a Justiça vá para as calendas gregas.

Antônio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

      

*

ESCAPISMO

Os argumentos usados pela Odebrecht para evitar que dados sejam enviados da Suíça para a Lava Jato e os argumentos usados por Lula para obter a suspeição de João Pedro Gebran Neto, do TRF da 4.ª Região, relator da Lava Jato, têm em comum um desesperado desejo de evasão.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

LULA E SEUS ACUSADORES

Se todo juiz, desembargador, etc. que acusar a "alma mais honesta" do País tiver seu afastamento consumado, como querem os advogados de Lula, não vai sobrar ninguém. Outro dia foi o juiz Sérgio Moro, ontem o desembargador João Pedro Gebran Neto. Aliás, quem está bancando financeiramente esta equipe de advogados?

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo 

*

A ROUPA NÃO CABE MAIS

O editorial "Lula quer desmoralizar o País" ("Estadão", 20/10, A3), num determinado momento, enfatiza: "A até recentemente bem-sucedida trajetória política de Lula foi alavancada pelo marketing. E é com o marketing que ele pretende sair da grossa enrascada em que se meteu. Sem ter elementos concretos e convincentes de defesa, apresenta-se como vítima dos 'inimigos do povo'". Não é nova a veste de vítima como "modus operandi" do PT e, em especial, de Lula. E, de um modo geral, a empatia é a consequência provável da vitimização. Prosseguindo neste raciocínio, procuramos estabelecer a conotação escolhida para "empatia", que envolve um processo racional e objetivo de compreensão, exclui fenômenos afetivos (simpatia, antipatia) e os juízos morais. Então funcionou por um bom tempo, mas, com tantos escândalos, não há como "entrar" nas vestes de vítima e causar empatia. O marketing não funciona mais.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

QUER DESMORALIZAR?

Ao ler o título do editorial "Lula quer desmoralizar o Brasil", ocorreu-me imediatamente que ele já o desmoralizou, e faz tempo! Imaginem um país que elege um cidadão com o caráter Lula. Um cidadão que se revelou um grande mentiroso, um chefe de quadrilha dedicada a roubar dinheiro público e a extorquir empresas, inclusive em outros países; capaz de mentir e enganar até mesmo chefes de grandes nações; que ludibriou centenas de empresários no Brasil e fora dele, prometendo entregar o que não existia. Elegemos e reelegemos esta figura e ele ainda fez uma sucessora! A imprensa o bajulou e o considerou, ao menos por um tempo, o melhor presidente que o Brasil já teve. Ainda hoje, parte do Brasil, mesmo pequena e sabendo tudo o que sabemos, o considera como um nome para a Presidência em 2018. Ainda hoje este senhor tem fãs, inclusive na imprensa. Este senhor é ouvido pelos jornais, a dar palpites sobre temas nacionais. O mesmo senhor que hoje é notícia das páginas policiais dos jornais mundo afora é chamado a escrever um artigo em um jornal de grande circulação no Brasil. E, pior, este senhor continua solto! Não é preciso mais nada, senhores. O Brasil está desmoralizado há tempos. Lula consolidou a imagem do Brasil, talvez para sempre, como o País da Malandragem. 

Maria C. Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ESPERNEIO

Lula está se julgando a pessoa mais perseguida do Brasil, pelos que têm medo de sua candidatura em 2018. Acho que está se dando uma importância que não tem. Se não estiver preso será ótimo o teste...

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

MOVIMENTOS SUSPEITOS

O ex-presidente Lula deve estar sabendo que seu dia de ir para Curitiba está próximo. Só isso para explicar seu movimento nos últimos dias. Primeiro, publica um vasto artigo na "Folha de S.Paulo", manifestando-se como sendo honesto e dizendo nunca ter participado de corrupção. Depois, enviando carta a todos os sindicatos do mundo se dizendo "perseguido político", talvez na esperança de receber asilo político em alguns deles. Mas, para todos os brasileiros, a "alma mais honesta deste país" está dando seu último suspiro antes de fazer companhia em Curitiba a todos os que se locupletaram dos cofres públicos. Haja paciência para ficar acompanhando esta estratégia frouxa engendrada por um bando de advogados pagos a preço de ouro. Dr. Moro, acabe com o sofrimento de Lula, cadeia nele. Nós, brasileiros, agradeceríamos.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO ENTENDO

Não consigo entender certas coisas. Se você, por questões financeiras e famintas, for ao supermercado, abrir um pacote de bolacha para amenizar a fome, e não tem dinheiro para pagá-lo, simplesmente você vai preso. O cidadão Luiz é réu em três processos, gasta fortunas com caríssimos advogados para tentar tapar o sol com peneira, pois está mais que na cara de que ele é culpado, no entanto continua solto, falando uma série de impropérios. Onde ele arranjou tanto dinheiro?

José Fernandez Rodriguez rodriguez1941@gmail.com

São Paulo

*

TRI

Agora, que Lula foi denunciado três vezes, já pode pedir música no "Fantástico"?

Sergio Aparecido Nardelli saparecidonardelli@bol.com.br

São Paulo

*

NUNCA ANTES...

Simplesmente magnífico o artigo de José Nêumanne "Nunca antes na História deste país e de país nenhum", publicado no "Estadão" de quarta-feira (18/10). O Brasil quase faliu porque o PT e seus aliados dilapidaram os cofres públicos, e para isso "contaram com uma oposição omissa, a prerrogativa de foro e a camaradagem do Supremo Tribunal Federal", segundo José Nêumanne. Será que a oposição era omissa ou estava salvando a sua parte nos cofres estaduais? E onde estavam os empresários? Aplaudindo Lula num evento na Fiesp. E o povo? Assistindo ao futebol ou à novela e perdendo seu emprego. E vai continuar se dando mal, enquanto não aprender a escolher melhor seus representantes políticos e não souber cobrá-los e fiscalizá-los. Para mudar, seria necessário investir mais em educação, mas, mesmo o governo querendo contribuir nessa área, os alunos preferem invadir as escolas, paralisar as aulas, pedindo que tudo fique como está. Sinceramente, vamos continuar seguindo com nosso complexo de vira-lata.

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

A FILA ANDOU

Após a detenção do ex-deputado Eduardo Cunha, a prisão ou a fuga para o exterior de Lula é questão de semanas. A conferir...

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CUNHA ANTES DE LULA

É justo que Eduardo Cunha tenha sido preso antes de Lula. Não há dúvidas de que Lula desviou muito mais dinheiro público que Cunha, mas, enquanto Lula adota o discurso do coitadinho nordestino miserável analfabeto, Eduardo Cunha não perdeu a pose, pelo menos até agora. Vai repetir a ladainha do truste que não é conta e vai apresentar parecer dizendo que não mentiu porque truste não é conta, vai dizer que ficou rico vendendo carne enlatada para a África. Cunha é muito mais perigoso que Lula, deve ficar isolado da sociedade por muito mais tempo do que Lula. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

TRAIÇÃO

A traição é considerada como o maior dos pecados humanos. Traidores são "Judas" na configuração religiosa, e por isso são tratados com repulsa e castigos mais severos. No nosso sistema político são muitos os que escapam dos castigos terrenos, mas quem sabe dos outros? Assim, recomendar mais fidelidade e mudança na lei para evitar alianças de última hora e desastrosas para nossa República seria a melhor solução. Finalmente, o inimigo número dois foi encarcerado, falta o número um. Quando teremos o prazer de assistir a essa prisão? Tomara que não demore, precisamos progredir sem estes fantasmas do passado que se esqueceram do lema "não roubar, não deixar roubar e pôr na cadeia quem roubar".

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PROVAS

Não sou petista nem nunca votei em Lula, mas, se ele ainda não foi preso, é porque não há, pelo menos até agora, provas indiscutíveis das acusações que lhe fazem há meses. Também não concordo que "sem ter elementos concretos de defesa, apresenta-se como vítima", mencionado no editorial do "Estadão" de 20/10. O acusado não tem de provar nada, só quem o acusa. Posso estar enganado, mas antes de julgado ele não será preso. E o julgamento será controverso, em qualquer caso.

Ademir Valezi  valezi@uol.com.br

São Paulo 

*

INSÔNIA

Preso, Eduardo Cunha dormirá a sono solto. Insônia só aos que têm rabo preso.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CONSELHO

Se conselho fosse bom, não se dava, vendia-se. Mas aqui vai um de graça: "Lula, a melhor coisa a fazer será se apresentar espontaneamente ao juiz Moro em Curitiba. Economizaria seu tempo e o dinheiro do contribuinte. Sabe quanto custa um voo daquele jatinho da Polícia Federal até o Paraná? Com ironia, por favor!  

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

EXPECTATIVA

 

Em analogia à máxima de que "o bom da festa é esperar por ela", podemos afirmar que "é angustiante saber que vai ser preso, mas não saber quando". Em ambas as situações, é grande a expectativa, seja ela boa ou má, até que um dia acontece o sonho ou pesadelo... Apesar de extrapolar os 15 minutos de fama, não gostaria de estar na pele de Lula.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

PALESTRAS COM O DINHEIRO DO PETRÓLEO

Coincidência ou não, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nunca mais ministrou nenhuma palestra. Parece que a Operação Lava Jato desestimulou Lula a cobrar US$ 200 mil por cada palestra. Lula, que já é réu em três processos, nega que o dinheiro das palestras se tratava de propina. Lula está envolvido até o pescoço nos esquemas ilícitos da OAS, Odebrecht e demais empreiteiras do País. A farra dessa quadrilha resultou no fracasso financeiro da Petrobrás. Calcula-se que o total recebido em palestras ultrapassa a quantia de US$ 6 milhões. Ninguém consegue entender o motivo pelo qual não se escuta mais a voz de Lula em palestras, já que o negócio é altamente lucrativo.

  

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

BNDES

Para sabermos das maracutaias envolvendo Lula, Dilma, PT e seus agregados, basta investigar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para rastear para onde foram de fato o dinheiro teoricamente destinado para obras em Angola, Cuba, Venezuela, Colômbia, para a compra da Refinaria de Pasadena, no Texas, e o dinheiro destinado ao empresário Eike Batista, do Grupo EBX.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PEQUENO COMENTÁRIO

Pelo amor de Deus! Estou lendo a noticiazinha de que a "Petrobras aprova a venda da refinaria no Japão por US$ 130 milhões". A pergunta que não pode ficar sem resposta é: "Órgãos fiscalizadores estão acompanhando esta operação com 'lupa'?". Não basta só a Petrobrás aprovar. O povo tem de saber se não está ocorrendo uma "Pasadena II". Só isso.

Arthur de Lucca arthurcaiolucca@gmail.com

Goiânia

*

ILUSTRES PERSONAGENS

A ausência de José Sérgio Gabrielli e de Luciano Coutinho na Operação Lava Jato deve estar com os dias contados. Os ex-presidentes da Petrobrás e do BNDES, por dever de ofício, avalizaram as escandalosas, bilionárias e tenebrosas transações que começam a ser reveladas ao público pagante. Os conselhos das duas gigantes estatais (Dilma incluída) também referendaram o butim petista institucionalizado. Mas nada teria ido adiante sem a decisiva participação de Gabrielli e Coutinho. Curitiba os espera.

Júlio Cruz Lima Neto  Julio.CruzLima@plastekgroup.com 

São Paulo

*

A AUSÊNCIA DE PUNIÇÃO

Um anel comprado por Fernando Cavendish, dono da Delta Engenharia, no valor de R$ 800 mil, foi comprado em Mônaco, na Van Cleef & Arpels, famosa joalheria, na Place du Casino, a pedido de Sérgio Cabral, para presentear a esposa do ex-governador do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo. Cavendish relatou o caso à força-tarefa da Operação Lava Jato com o objetivo de fortalecer seu pedido de delação premiada. O caso só vem a público porque o acusado quer se livrar da cadeia. Podemos imaginar o que não acontece neste Brasil, aonde a imprensa não chega. A revelação é uma afronta aos brasileiros e, principalmente, ao povo carioca, que vem morrendo sem atendimento nos hospitais, onde o crime tomou conta da cidade maravilhosa, um Estado que foi devassado por um governador corrupto e inconsequente e que não tem dinheiro para honrar seus compromissos. O que surpreende a Nação? Que este senhor esteja solto, gastando o que roubou, sem que a lei o alcance. Vamos nos acostumando com a ausência de punição aos colarinhos brancos que vêm fazendo o que querem nas barbas da lei. Quanta decepção ver nosso Judiciário sentado nos processos por anos a fio. Eis a consequência: os caras roubam tanto que, depois, terão dinheiro para pagar grandes advogados.  

Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MICHEL TEMER NO JAPÃO

Errou o presidente Michel Temer em não pedir publicamente perdão em nosso nome, de pé e com a devida reverência, ao governo japonês, aos empresários e ao povo daquela nação pelos prejuízos que nós causamos pelas mãos do desgoverno Dilma Rousseff quando esta não cumpriu os acordos que firmou frustrando os investimentos que aqui fizeram tanto os empresários como o governo japonês... Quem já teve o mínimo de contato com a cultura, moral e decência dos japoneses sabe o quanto vale um ato sincero e público de constrição. Não somos mesmo um país sério e, pior, somos mal educados.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

O CUSTO DO JUDICIÁRIO

Estudo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) revela que o Judiciário brasileiro consome quase R$ 80 bilhões por ano, o que equivale a absurdos 1,3% do PIB brasileiro. Cada juiz custa em média R$ 46 mil/mensais. Em países desenvolvidos e com renda per capita muito acima da nossa, como França, Alemanha, Inglaterra, etc., gasta-se de 0,2% a 0,3% do PIB, ou seja, de 6 a 9 vezes menos. Os salários dos magistrados são bem menores do que aqui e a Justiça funciona melhor. Como se não bastasse, 1.161 juízes (6,7%) estão afastados e recebendo seus altos salários normalmente. Temos um Judiciário lento, ineficiente, caro e que não presta serviços adequados ao povo. Não se admite que, em pleno século 21, juízes e promotores tenham privilégios como 60 dias de férias, auxílio-moradia de quase R$ 5 mil/mensais e diversas licenças e auxílios, tudo pago com o nosso dinheiro.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

A RECÍPROCA NÃO É VERDADEIRA

 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que fiscaliza o Judiciário brasileiro, divulgou que a despesa em 2015 quase chegou a R$ 80 bilhões, cabendo a cada cidadão contribuir com a importância aproximada de R$ 400,00. O estudo engloba todas as justiças do País, excluído o Supremo Tribunal Federal. Mas a recíproca não é verdadeira. Na tormentosa fase de execução de sentença, o hipossuficiente cidadão aguarda, em média, nove anos para receber o que a justiça lhe concedeu. Os protagonistas desta situação são os infindáveis recursos, e "poderosos" conseguem interpor até 35 recursos protelatórios numa única causa, e também os próprios governos municipal, estadual e federal contribuem com essa penosa situação, pois, obrigados por lei, apelam em todas as instâncias. Infelizmente, se não houver uma mudança radical no sistema recursal, este quadro desolador se perpetuará. Enquanto isso, o demandante vitorioso não conseguirá usufruir de seus direitos, deixando esse legado aos seus sucessores e familiares. É o que vemos.   

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ALVÍSSARAS

Finalmente um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) veio a público e reconheceu que o julgamento no Supremo é enfadonho. Em entrevista recente ao "Estadão", o ministro Luiz Fux afirmou que as decisões sobre os julgamentos poderiam ser muito mais produtivas: "Num dado momento de amadurecimento nós poderíamos estabelecer, até regimentalmente, que aquele que estiver de acordo (com a questão em discussão) manifeste essa posição em menos de um segundo. Quem não estiver de acordo disporá, para discordar, o mesmo prazo dos advogados que sobem à tribuna, 15 minutos. É uma regra que agiliza". Certamente, o ministro já deve ter conhecimento de que essa nova sistemática contaria com o apoio de toda a população brasileira. A partir do julgamento do mensalão, a sociedade acompanhou ao vivo e em cores as sessões do STF, quando se exasperou com o voto de cada um dos ministros que duravam no mínimo uma hora. E, como comentou o ministro na entrevista, citando Rui Barbosa, "o juiz não tem de mostrar quanto direito ele sabe, mas o direito que a parte pede". E, de fato, o que os nossos ministros fazem e mostrar à sociedade quanto eles conhecem de leis e até de decisões anteriores em casos assemelhados do próprio STF e de outros tribunais, inclusive de outros países. O procedimento torna-se mais estranho ainda quando cada ministro afirma que o seu voto já foi dado por escrito e juntado ao processo. É realmente uma sistemática absurda, pois, como propõe o ministro Fux, na sessão do plenário, bastaria o ministro explicitar que, no seu voto por escrito, ele apresenta os argumentos que o levaram àquela decisão. E quem assistiu tanto às sessões do Supremo no processo do mensalão quanto agora, na Operação Lava Jato, sabe que o ministro Fux tem razão, pois cada ministro relata seu voto muito mais para mostrar sua erudição. Lembro-me do voto de Minerva do ministro Celso de Mello na votação para a aceitação dos embargos infringentes, no processo do mensalão, que demorou exatamente duas horas, para no fim acatar o recurso a favor dos réus, que ele havia condenado no julgamento inicial. Em sua participação no programa "Roda Viva", na TV Cultura, segunda-feira, a ministra Cármen Lúcia, atual presidente do STF, consultada, concordou com a opinião do ministro Luiz Fux.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.