Fórum dos leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2016 | 06h00

PERSPECTIVAS

Considerando apenas o fechamento de 18 mil lojas (em shopping centers) em um ano, já concluímos que fomos e somos vítimas do maior assalto à mão desarmada de que se tem notícia neste país. Todavia, há muito mais que isso. Vemos pela TV pessoas no Rio de Janeiro chorando por não receberem seus legítimos salários, crianças que não receberam presente e muitos que nem tinham o que comer na maior festa da fraternidade mundial. Enquanto isso, os que provocaram esse caos continuam nadando na imoralidade e não apenas aproveitam a fartura de suas mesas, mas buscam mais imoralidade ainda para sua abjeta vida: enquanto o Brasil se debate, eles viajam para a Europa ou para a Disneylândia; procuram criar caminhos tortuosos nas leis vigentes para se livrarem da devida punição – como o caixa-2 “romântico”; 30 vereadores paulistanos indignos de seus mandatos aprovam aumentos vis que são uma afronta a quem trabalha de fato e paga os maiores impostos do mundo. Todas as medidas que Temer tenta aprovar não são, necessariamente, ofertas de libertação para um povo cada vez mais empobrecido e desrespeitado e que, como sempre, é chamado a pagar a derrama. É impossível sonhar com um País melhor com a safra de políticos que compõem o Congresso Nacional, governo federal e estaduais, além de todas as prefeituras e vereanças ou com a safra de juízes que compõem o STF. Para 2017 trabalharemos pela renovação com melhor qualidade de tudo isso que está aí e só contamos com a nossa união, com a força da esperança que não nos abandona e com a nossa fé pois, se Deus é por nós, quem será contra nós? 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

SHOPPINGS NA CRISE

Não só barracões industriais estão sendo fechados (2,4 milhões de metros quadrados em São Paulo), como demonstrou o Estadão, mas por volta de 12 mil lojas foram fechadas em diversos shoppings do País, o que vem demonstrar o tamanho da recessão que estamos a enfrentar, requerendo a gravidade da situação providências enérgicas do atual governo para ocorrer o estímulo à economia: indústria e comércio precisam contar com estímulos, além de baixos juros. De outro lado, temos que o processo de causação circular progressivo foi quebrado na economia, desligando os elos da corrente, porque sem dinheiro não há aquisições e sem estas não há novos investimentos e empregos. O restabelecimento da cadeia – produção, distribuição e consumo – é absolutamente necessário, por meio de mais dinheiro na mão do povo e mais possibilidades de empregos.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DESEMPREGO

Estamos no início da crise, criada exclusivamente pela incapacidade e pelos desvios do PT. Agora, no Estadão, vimos a notícia dos shoppings fecharem 18.100 lojas, aumentando o índice de desemprego, do qual nem sabemos a realidade. E o PT, neste momento em que deveria preocupar-se em contribuir pela recuperação de situação que eles geraram, pois se dizem partido do trabalhador, não está nem aí. E pior, além de eles não se preocuparem com a situação, complicam ainda mais, com movimentos, declarações e muitas coisas mais que atrapalham a recuperação do País. E, para piorar mais ainda, estão lançando o Lula para presidente. É mole?!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

MUDEM A LEI

A imprensa noticiou no final de semana o gasto colossal do ex-presidente Lula com combustível. Outras benesses, todas previstas em lei, contribuem para que os ex-presidentes produzam gastos substanciais nas finanças públicas, gastos estes pagos por todos nós. Considerando que estão amparados em lei dos tempos do Sarney, 1986, não seria o caso de alterarem a lei? Com a palavra o Legislativo!

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

TÁ EXPLICADO!

Agora eu entendi. Caixa 2, nada... Na verdade, as empreiteiras eram filiadas ao PT e pagavam o "dízimo". Que variava conforme cargo e salário. Bem que poderiam ajudar a saúde e educação, áreas que concentram 70% das fraudes.

Mário Issa drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

*

PODRIDÃO BRASILEIRA

Até quando este país estará discutindo as podridões praticadas nos 13 anos do partido 13? O Lula, Dilma, PT e seus cúmplices dos três Poderes deixaram este país semidestruído, desmoralizado, arrombado e nada foi visto pelos Poderes Judiciário e Legislativo? O que estão esperando para prender todos os culpados e exigir uma prestação de contas do mal praticado contra a Nação e os brasileiros? 2018 está chegando e haverá severa cobrança pelos eleitores brasileiros, como já foi feita parcialmente nesta última eleição municipal. Deu para entender?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

UMA ETERNIDADE

Esse ano de 2016 está demorando tanto para acabar, que parece uma eternidade. Tantas notícias ruins para os brasileiros sofridos, que ninguém mais aguenta. A única benesse foi o impeachment da "poste" e da queda do PT nas últimas eleições, tudo em função da corrupção descarada. Adeus Ano Velho, Feliz 2017! 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ACABOU 2016?

Pelo andar da carruagem, a única mudança à zero hora de 1/1/2017 é o tamanho do porre de cada um.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

ESPERANÇA DE UM BRASIL MELHOR

O objetivo dos cinco partidos de oposição a Temer, PT, PDT, PC do B, PSOL e Rede, é destruir o governo, como eles já arrasaram o Brasil durante os governos Lula e Dilma. Felizmente, agora eles não têm estrutura para barrar no voto projetos de interesse do Executivo, mas, mesmo assim, fazem de tudo para atrasar e tentar inviabilizar as sessões no Congresso, atuando sempre de forma furiosa. Mesmo assim, Temer tem se saído muito bem, articulando apoio político, sem precisar apelar a acordos ilegítimos e pagamento de propina para conseguir aprovar projetos de interesse do Brasil, ao contrário do PT, que só aprovava algo mediante repasses de dinheiro desviado do contribuinte, da Petrobrás e de outras instituições federais. Seu governo já tem avanços como a queda da inflação e redução dos juros, dentre outros. Por tudo isso, o presidente Michel Temer tem todas as condições de terminar bem a sua administração, sem se preocupar tanto com a popularidade.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

GOVERNO TEMER

Não podemos nos entusiasmar muito com "a maior e mais coesa base política da história recente", ela é frágil e temporária, os políticos atuais, em sua grande maioria picaretas, perceberam que não há alternativa para tirar o País do buraco que eles mesmo colocaram,:ou apoiam Temer, ou perderão a boquinha. Quanto maior a crise, mais eles perdem. Lá só tem raposa escaldada, é só as coisas melhorarem um pouquinho que eles atacarão.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo 

*

TUDO OU NADA COM TEMER

2 + 0 + 1 + 6 noves fora zero. 

2 + 0 + 1 + 7 noves fora 1% de crescimento do PIB.

2 + 0 + 1 + 8 noves fora 2% de crescimento do PIB.

Os "noves fora" ficam por conta da Lava Jato

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.

Monte Santo de Minas (MG)

*

PANELAÇO?

Nós, os "coxinhas", que pagamos impostos e ainda fomos espoliados, saímos às ruas para exigir "Fora Dilma", "Fora Lula". Torcemos pelo presidente Temer, o primeiro que, em tantos anos, falou em Deus, em pátria – e em bom português! Está promovendo o controle das contas públicas e a necessária reforma do ensino médio e fundamental no Brasil!

M. Cecilia Naclério Homem mcecilianh@gmail.com

São Paulo

*

POLÍTICA INTERNA

Prezado sr. presidente Michel Temer: li com toda a atenção o seu artigo "Uma diplomacia presidencial a serviço do Brasil" (25/12. A2), no qual discorre sobre sua política externa. Ocorre que os maiores problemas deste sofrido país não estão lá fora, mas aqui dentro, e bem nas suas barbas. E não vai ser nomeando péssimos ministros num mês e tendo de demitir no outro que vamos chegar a algum lugar. Com todo o respeito, Excelência, o senhor não pode mais se submeter a, digamos assim, "certos interesses obscuros" do seu partido. Tem de lembrar que é presidente da República, e não somente membro do PMDB, que, aliás, tem mais políticos devedores da Justiça do que o PT, incluindo aquele tristemente "famoso" da Câmara que está preso e este não menos "famoso" do Senado, que está prestes a ser. Sr. presidente, por favor, escolha melhor os seus assessores ou, tal como a anterior ocupante sazonal do cargo, não termina 2017... A força das redes sociais não deixarão!

Paulo Sérgio Pecchio Gonçalves ppecchio@terra.com.br

São Paulo

*

SABEDORIA

Concordo plenamente com o artigo de autoria do nosso presidente Michel Temer e particularmente me identifico com a sua maneira de pensar quando afirma: "Temos consciência de que a prosperidade do Brasil está vinculada à prosperidade de nossos vizinhos". A minha vivência de 83 anos diz: "Acredito que não há ilha de felicidade cercada de miséria por todos os lados".

Luciano Mendes de Aguiar luciano.mendes@aguiar.com

Santana de Parnaíba

*

‘AEROTEMER’

A compra de alimentos para o avião presidencial, prontamente cancelada pelo presidente Michel Temer, custaria R$1,75 milhão, tudo com preço máximo previsto, no atacado, maior do que o encontrado no varejo. Se, como podemos imaginar, acontecia uma compra dessas para cada ano, desde 2005, quando o nosso “Air Force One” foi entregue ao governo, o gasto total chega bem perto dos R$ 20 milhões. Somando essas práticas de mais de uma década no âmbito do governo federal, sempre lastreadas por irresponsabilidade, incompetência e corrupção, facilmente entenderemos o absurdo valor de R$ 170,5 bilhões previsto para o déficit público federal neste catastrófico 2016.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

GULOSEIMAS

Apesar do cancelamento da licitação de alimentos – guloseimas, na realidade – para abastecer o avião presidencial, cabem algumas considerações do público pagante. Se há meses estamos apertando o cinto, excluindo qualquer supérfluo na alimentação, por que os nobres incomuns não o fazem? Será que a Presidência manteve em sua equipe os nababos funcionários puxa-sacos do governo anterior, que até canapés de caviar incluíam no menu? Será que é necessário esse tipo de “alimento”. O exemplo não tem de vir de cima?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul 

*

QUE TAL VENDER?

Como somos bobos e custamos a aprender! As redes sociais “ferveram” com a noticia da licitação de sorvetes para o avião presidencial. O assunto, é evidente, é pauta do PT, e os jornais, na ânsia de noticiar primeiro, esqueceram de fazer a apuração dos fatos. De outra forma, teriam se dado conta de que os gastos com alimentação naquele avião nunca foram tão baixos. Lula gastava cerca de R$ 3,7 milhões, e Dilma, pelo menos o dobro gasto por Temer. Detalhe: sem licitação! A tal marca de sorvetes sofisticada que provocou o bafafá é a mesma usada ali há pelo menos três anos. Segundo o Jornal Nacional, em 2015 Dilma comprou 500 potes do mesmo sorvete, gastando R$ 1,750 milhão. Dilma manteve o cardápio instituído por Lula em 2006, com carnes variadas, como pato, costeletas de carneiro, picanha, coelho assado e rã, e canapés de caviar, camarão e salmão defumado. Coisa de gente rica! Como se nota, na verdade Michel Temer reduziu os gastos dos lanchinhos a bordo. Este ponto esclarecido, devíamos nos perguntar o óbvio, que fugiu à muito gente: em um país pobre, mergulhado em recessão, endividado, cheio de gente desempregada, faz sentido existir um Airbus presidencial? Mauricio Macri, nosso vizinho da Argentina, desloca-se em aviões de carreira, sem luxo algum. Mais que os lanchinhos ou o sorvete, o que deveria nos preocupar e indignar seriam os gastos de combustível e deslocamento da aeronave, usada até mesmo para Dilma fazer visitinhas pessoais a Lula nos finais de semana. Pode-se afirmar que uma viagem daquelas nos custou mais que todos os potes de sorvetes comprados no ano. Que tal vendermos o Aerolula ou Bafo – Brazilian Air Force One –, como o Airbus presidencial ficou conhecido? 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

GOVERNAR PARA TODO O PAÍS

Numa oportunista frase de efeito, o presidente Michel Temer disse pretender terminar o seu mandato como o “maior presidente do Nordeste”. As cisternas contra a seca (motivo do pronunciamento), a liberação das contas inativas do FGTS, medidas para reaquecer a economia, contenção de gastos do governo e as explosivas reformas em curso fazem parte da cruzada presidencial para recolocar o País nos eixos. Muita coisa ainda está por vir e tumultuar o cenário nacional. Temer, o homem de Tietê, precisa ter paciência e perspicácia. É o primeiro paulista a governar o País em 110 anos. Para terminar bem o seu mandato é importante que trabalhe não para ser o melhor presidente do Nordeste, de São Paulo ou de qualquer outra região. O ideal é que passe para a História, se não como o melhor, como o presidente que restaurou o Brasil...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br 

São Paulo

*

BUCHADA DE BODE

Que o súbito amor de Michel Temer pelo Nordeste seja submetido ao teste gastronômico da “buchada de bode”, prato típico cuja degustação é crucial para que o enamoramento de um político pela sofrida região seja validado. De sorvetes caros e importados o povo depauperado já sabe que o presidente da República gosta muito, conforme visto em escandalosa licitação recém-cancelada, mas de “buchada” falta saber.

“Buchada” no homem!

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

SECA NO NORDESTE

Recado ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP): em vez de enviar equipamentos para o povo nordestino, que deveria ser atendido pelo presidente Michel Temer e seus ministros, o senhor deveria gastar suas energias (eleitoreiras) em investimentos públicos no Vale do Ribeira. Onde a população está totalmente esquecida pelo senhor e por seu partido há 22 anos. Lembro ainda que faltam dois anos para a eleição e nesse período seria recomendado mais trabalho e menos politicagens e ações eleitoreiras, pois não é assim que se conquista o voto. Seu exemplo mostra a falta de seriedade dos políticos em relação ao sofrimento do nosso povo, sem saúde, sem educação de qualidade, sem acesso à informação e à transparência e sem transporte, segurança e habitação no Estado mais rico da Nação.

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru 

*

VEREADORES

Até quando a sociedade vai assistir calada e inerte ao espetáculo nababesco da Câmara Municipal de São Paulo de destinar a cada um dos 55 edis a vultosa soma de R$2,1 milhões por ano, entre salário e verba de gabinete? Se em tempos de bonança e vacas gordas o valor já é algo exorbitante, o que dirá em tempos de severa crise e vacas magras!Pelos resultados apresentados por esses políticos em prol da cidade e dos cidadãos, é dinheiro jogado fora, ou melhor dizendo, dentro do bolso dos vereadores. Basta!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

IMORALIDADE

Confiantes na velha teoria do Direito segundo a qual nem tudo o que é imoral é injurídico, vereadores de São Paulo, impatrióticos, concederam-se aumentos na calada do ano, verdadeiro insulto a uma sociedade em áspera e labiríntica crise. Esperemos que o Tribunal de Justiça de São Paulo mantenha a liminar inibitória da lei em causa própria. O princípio da moralidade já está presente na cabeça do artigo 37 de nossa Constituição federal. É muito discutível dizer-se que o atentado ao senso coletivo da moral não seja ofensivo ao direito.

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

CARADURA

A cara de pau dos "honrados" vereadores que defendem o aumento de seus salários nos leva a crer que todos decidiram se tornar vereadores sob a ameaça de um revólver apontado para suas cabeças.

Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2002@yahoo.com.br

São Paulo

*

ESPERTEZAS

Os 30 vereadores de São Paulo deram um golpe. Colocaram um bode de 26,3% na sala. O povo chiou, então agora eles diminuem e "ficamos" felizes. Será?

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

CONTAS PÚBLICAS

O editorial “Escorando as contas públicas" (28/12, A3) mostra o enorme buraco em que o País está metido. Acho que é o momento de acabar com um dos grandes erros da ditadura: a remuneração do vereador em cidades de pequeno e médio portes. É conhecida a gritante carência de recursos nesses municípios. A vereança não remunerada ali, como era antes da ditadura, não trará mal nenhum. Muito pelo contrário. Na reforma política de que tanto se fala caberia bem essa medida.

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

*

PAULISTANO QUEIMA NA PAULISTA 

Com o “caloraço” que tem acometido nossa estado e por tabela a capital, neste fim de semana o noticiário da tevê noticiou que a temperatura na Avenida Paulista atingiu 33º! Com temperaturas como esta, difícil entender o que leva o paulistano ir queimar o traseiro na Paulista, em vez de buscar sombras existentes nos parques Ibirapuera, Trianon, República, Vila Lobos e outros locais. Se os referidos não estão limpos ou falta segurança ao frequentador, cobrem da Prefeitura os cuidados que eles necessitam. A Paulista é para trânsito ou manifestações públicas desde que não em horário de trabalho.

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

HADDAD

Na entrevista feita por Bruno Ribeiro com Fernando Haddad, faltaram algumas perguntas. Dentre elas, a mais inquietante, para mim, decorre da última resposta dada pelo atual prefeito. Indagado sobre o risco dos investimentos já planejados, com a promessa do futuro prefeito de manter a tarifa de ônibus em R$ 3,90, Haddad respondeu: "Sou professor, não sou gestor". Para mim, a resposta é tão somente estarrecedora. O que fez o professor durante os quatro anos no comando da maior cidade da América Latina? Lecionou?!

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

MUDAR A CONSTITUIÇÃO

Sinto muito, mas não concordo que a origem de nossos males seja essa Constituição infantil. Nosso problema é que ela não é respeitada. O MPF tem a maioria de seus membros que ganha acima do teto. Idem o Judiciário. A Lei de Responsabilidade Fiscal foi atropelada por todos os políticos que distribuíram benesses ao funcionalismo público sem que os Tribunais de Contas os condenassem. Escolas e hospitais são roubados de todas as formas sem que os responsáveis sejam punidos. Por que existe a expressão "vá se queixar ao bispo"? Por que não há ninguém que realmente se preocupe em corrigir tudo o que está errado! Enquanto a população não apreender a controlar todos esses bandidos, não há Constituição que funcione!

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

DIA DE SÃO NUNCA

A ministra Carmen Lúcia, em sua posse como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que adotaria medidas para agilizar processos e, daria especial atenção a ações trabalhistas, porém, com a enxurrada de denúncias de políticos envolvidos na Operação Lava Jato, são deixadas para um segundo plano. Agora, além da morosidade costumeira para se proferir um voto, com intermináveis pedidos de vista, alguns suspeitíssimos, cansativos Data Vênia Excelência, leituras de publicações de antigos juristas, brasileiros e estrangeiros, existe uma acirrada briga com o Legislativo, que pode nos levar a uma crise institucional. Portanto, o que já era ruim, está piorando! Dias desses, um amigo ligado ao Poder Judiciário, me disse: do jeito que as coisas andam, muito provavelmente as ações trabalhistas só terão a devida atenção de suas excelências, quando forem julgados todos os processos de parlamentares envolvidos em falcatruas. Então amigos de infortúnio, com ações no Supremo, esperemos sentados, pois em pé, vamos sentir uma canseira danada. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

VOTO FACULTATIVO OU OBRIGATÓRIO

NO excelente “Constringir a soberania popular” (Estadão, A2, 28/12/16), o professor de Sociologia José Antonio Segatto discute a necessidade de uma reforma política, da qual destaca a tese do voto facultativo. Aqueles que o defendem alegam que o aumento das abstenções, dos votos nulos e inválidos são um sintoma da recusa dos cidadãos ao voto compulsório, e um indício da transformação dos pleitos em um farsa. Por outro lado, além de contestar esses dados com argumentos históricos, relembra à máxima condição de uma democracia – aos direitos à cidadania contrapõe-se os deveres do cidadão, e dentre estes, estaria o voto obrigatório, que é o “procedimento mais democrático no exercício da soberania popular”. Vou mais além. No ápice do processo democrático, não entendo como alguém possa se recusar a participar, pois esse é o momento em que escolheremos aqueles que, ou farão as leis que regerão nossas vidas ou administrarão os nossos recursos.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

*

VIOLETA JAFET

Quando estava escrevendo meu primeiro livro – “Gente do Líbano que faz no Brasil” – incluí a história da família Jafet, que se confunde com a do Hospital Sirio-Libanês, e tive a chance de fazer uma rápida entrevista com a querida Violeta Basilio Jafet, que ora nos deixa, aos 108 anos. Grande dama e grande empreendedora, pois foi na sua gestão que o HSL foi inaugurado. Quando o prédio foi devolvido, em 1959, após ser confiscado para sediar uma escola de cadetes do Exército, enquanto a definitiva era construída em Campinas, d. Adma Jafet, a criadora do hospital, tinha falecido havia três anos. E coube à sua filha Violeta continuar a obra, fazer nova campanha para reformar totalmente o prédio – desfigurado pelas adaptações para abrigar uma escola militar durante quase 20 anos –, equipá-lo e contratar pessoal para que, em 1961, o hospital começasse a funcionar, mesmo precariamente, tornando-se paulatinamente o gigante que é hoje.

Carlos Abumrad, jornalista e escritor de livros biográficos e institucionais culturalclc@gmail.com

São Paulo

*

SAUDOSA PRINCESA LÉIA

"Você vieram naquilo? Vocês são mais corajosos do que eu imaginava" - Princesa Léia ensinando ao mundo que a dificuldade em se chegar até onde se está engrandece as pessoas.

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.