Fórum dos Leitores

.

O Estado de S. Paulo

04 Janeiro 2017 | 03h02

VIOLÊNCIA

Circo dos horrores

Dia de Natal: um vendedor idoso é brutalmente espancado até a morte numa estação de metrô das mais movimentadas de São Paulo. A morte é filmada, as pessoas na estação assistem a tudo inertes, sem nenhuma reação, enquanto as câmeras mostram um homem roubando a carteira daquele que agonizava. A segurança do Metrô não aparece, devia estar “enquadrando” algum camelô naquele momento! Quando a gente imagina que a bestialidade atingiu o auge no Brasil, acontece outro caso de violência inominável: em Campinas, na véspera do ano-novo, um homem mata 12 pessoas da família e se suicida em seguida. Mas logo esses dois fatos brutais são superados: em Manaus, um motim num presídio provoca a morte de pelo menos 56 presos. O que está acontecendo com a nossa sociedade?!

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

Tragédia em Campinas

O poder público e a sociedade precisam deixar de ser coniventes, ainda que eventualmente, com a violência praticada contra a mulher. Quem vai a uma delegacia, especializada ou não, é porque precisa de ajuda. Se o autor dos assassinatos em Campinas tivesse sido preso em tempo hábil, jamais teria acontecido essa tragédia. Ou se mudam a legislação e os atendimentos, em vários níveis, ou as estatísticas continuarão a nos estarrecer.

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE

mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

Massacre no presídio

Impressiona-me a situação em que se encontra o sistema prisional no Brasil. O massacre na penitenciária em Manaus, movido pela disputa territorial e pela disseminação das drogas em quase todo o território nacional, é uma consequência do descaso com o gravíssimo problema criminal, complexo e de difícil solução. Mas me surpreende mais ainda a notícia de que a política está conivente com o crime, especialmente no caso das eleições. Esse fato foi revelado e exemplificado com a negociação do governador José Melo, do Amazonas, que teria pedido a uma facção criminosa apoio para sua reeleição. Como assim...?!

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Superlotação carcerária

Massacres em presídios acontecem em razão da superlotação carcerária, causada por governantes corruptos que, ao desviarem dinheiro público, deixam de construir escolas; famílias desestruturadas e escolas que não educam; falhas no policiamento preventivo e deficiências nas investigações, que aumentam a certeza da impunidade; falta de oportunidades para os jovens; morosidade da Justiça e leniência das leis penais, principalmente a de Execuções Penais, conhecida como a “madrinha dos criminosos”. Atrelada a isso, a ineficiência do sistema prisional, que não consegue identificar as facções criminosas e suas lideranças no cárcere. O Brasil é considerado um dos países mais violentos do mundo, onde 160 pessoas são assassinadas por dia. Mas neste primeiro dia do ano batemos o recorde, com o acréscimo dos 56 presos de Manaus.

LUIZ FELIPE SCHITTINI

fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

Universidades do crime

O entendimento mais lógico é o de que o infrator, quando condenado e mandado para uma penitenciária, passa a ser monitorado e ter seus passos controlados pelo Estado. Falácia! O que se tem observado no cotidiano dos presídios brasileiros, com raríssimas exceções, é que não são geridos por uma administração nomeada pelo governador ou prefeito. A gestão dessas casas está na mãos dos bandidos mais poderosos. Quando e onde se dará a próxima rebelião, o próximo massacre? O sistema penitenciário brasileiro está falido. O que são os presídios de segurança máxima senão sindicatos do crime organizado, de onde partem as ordens para mega-assaltos a bancos, explosões de caixas eletrônicos, sequestros e mortes encomendados? A nomeação para o cargo de diretor de presídio é um castigo... Onde houver um presídio estará pronto o palco para a rebelião e o massacre.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

FERNANDO PIMENTEL

‘Tô nem aí...’

Vivemos em efervescência, social, política e econômica. Mas o governador de Minas, Fernando Pimentel, aquele que é pivô de uma dezena de escândalos, “tá nem aí”, mais um não vai fazer diferença. Usou helicóptero oficial para buscar seu filho após o réveillon. E afirma ser legal. Sem entrar no mérito, eu afirmo: é imoral e uma tremenda insolência contra o povo mineiro!

J. PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

Coisas do Brasil

Fernando Pimentel, o ainda governador de Minas Gerais, disse que a utilização de um helicóptero oficial para buscar, particularmente, o seu filho num condomínio após uma festa de réveillon foi um ato regular e que seguiu normas previstas em decreto. Talvez Pimentel esteja certo quanto a isso. Irregular, mesmo, é a sua permanência à frente de um Estado como Minas, mesmo depois de tantas evidências do seu envolvimento em casos de desvios de dinheiro público e de total falta de ética, como este, o que só a nossa complicada Justiça permite que aconteçam. Como diria o saudoso Tom Jobim, são coisas do Brasil.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Calúnia e difamação

Pimentel disse que vai processar por calúnia e difamação o deputado que divulgou nas redes sociais o vídeo em que o petista usa helicóptero do Estado para buscar o filho depois da balada num condomínio de luxo. No PT até a verdade documentada em vídeo é calúnia e difamação...

ELY WEINSTEIN

elyw@terra.com.br

São Paulo

Se Pimentel tivesse moral, o vídeo não seria posto nas redes.

MOISÉS GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

ANIVERSÁRIO DO ‘ESTADO

Farol da democracia

Nesta data especial, parabéns a toda a equipe do Estadão por mais um aniversário de vida empresarial e jornalística independente. Como um dos maiores jornais do Brasil e do mundo, ressalto a importância do Grupo Estado para a imprensa do nosso país, assim como para a consolidação de nossas instituições. O Estadão é o farol que guia a democracia brasileira.

SÉRGIO TANNURI

sergio@tannuri.com.br

São Caetano do Sul

“Os presídios hoje são apenas escritórios de criminosos para planejar crimes. Escolas não 

teriam menor custo e maior benefício?”

LUIZ FRID / SÃO PAULO, SOBRE O FALIDO E CARÍSSIMO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

luiz.frid@globomail.com

“Pela leitura do jornal, parece-me que este também é um imaturo e deslumbrado com os recursos disponíveis. 

Isto lá é hora de usar helicóptero?”

CARLOS A. A. BORGES / RIO DE JANEIRO, SOBRE O GOVERNADOR PETISTA FERNANDO PIMENTEL

borges49@hotmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

NÍVER ESTADÃO

Ao enviar cumprimentos e felicitações ao Estadão pelo 142.º aniversário de sua fundação - 137.º de vida independente -, cabe, ao mesmo tempo, lamentar profundamente que o jornal permaneça há infindáveis 2.654 dias (!) sob censura em pleno Estado Democrático de Direito, a tão duras penas reconquistado, após os anos de chumbo grosso do regime de exceção, de triste e lamentável memória. Por oportuno, convém citar a escritora e filósofa francesa Simone de Beauvoir: "Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja nossa própria substância." Longa vida ao Estadão nosso de cada dia!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

MONOTONIA ZERO

Vários movimentos sociais prometem voltar às ruas em 2017 e a agenda dos protestos é variada, indo do “Fora, Temer” à luta contra a “PEC dos Gastos Públicos”. “A pauta que vai puxar os protestos contra o governo é o combate à reforma da Previdência (...) no fim chegaremos ao grito de Diretas-Já”, garganteia em tom desafiador Vagner Freitas, da CUT. Mesmo a Força Sindical – mais branda – adverte que se o governo insistir “nesse modelo previdenciário” vai ser “impossível não protestar”. Seria de se perguntar se alguém, em sã consciência, considera que o atual modelo previdenciário tem algum tipo de sustentação, mas discutir números, gráficos e estatísticas com sindicalistas é absolutamente inútil. Já o carbonário Guilherme Boulos (MTST) dispara sem medo: “a luta em defesa dos direitos sociais vai se intensificar (...) e vamos nos aproximar de um estado de convulsão social”. O dito cujo esteve em Cuba juntamente com Vagner Freitas (CUT), João Pedro Stédile (MST), Lula, Dilma e outros do clã esquerdista para as exéquias de seu ídolo, Fidel Castro, recentemente falecido. Se vivessem em Cuba, Boulos, Freitas, Stédile & Cia. estariam ou presos ou capitaneando uma escrivaninha no politburo cubano, já que, lá, nem pensar essas coisas de “sindicato” ou manifestações de rua – muito menos promover “convulsão social”, como eles ameaçam destemidamente fazer aqui. E, por fim mas não menos importante, tem a pauta da Lava Jato, de onde também se espera combustível para muita indignação. Como se vê, 2017 promete tudo menos monotonia.

Silvio Natal silvionatal49

São Paulo

*

LULA DESEMPREGADO

Mas, afinal, quando e onde é que o Lula esteve empregado? Dilma Rousseff, coitadinho do Lula, não? Que fase difícil ele atravessa, trabalhador abnegado como ele, agora perseguido e até sem os convites das grandes empresas para fazer as suas esclarecedoras palestras, que lhes rendiam uma grana maravilhosa! Por que será que secou essa fonte que até lhe fazia esquecer o sertão nordestino?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

UMA AFRONTA AO POVO BRASILEIRO

O governador de Minas Gerais, mesmo diante das finanças arrasadas do seu lindo Estado, mesmo diante de milhões de brasileiros que chegaram em 2017 com dificuldades para comprar um simples pão com manteiga na padaria da esquina; não obstante as inúmeras empresas impossibilitadas de quitar suas dívidas com os bancos devido aos juros estratosféricos; enfim, esse ínclito senhor vem a público dizer com uma candura cínica que é "normal" a utilização de um helicóptero pago com os impostos dos mineiros e de todos nós para ir buscar o filho depois de uma festa de arromba num point fashion. É por essas e outras que, dentro da minha abissal ignorância, entendo que somos um povo, mas ainda não somos uma nação. Pois uma nação, na sua soberania, e amparada pelas diretrizes da democracia, jamais toleraria uma afronta dessa magnitude.

Luiz Oliveira Rios oliveira.rios@hotmail.com

Descalvado

*

E O LADO MORAL?

Diante das dificuldades financeiras que o governo federal e a maioria dos Estados e municípios brasileiros atravessam, -- dívida de R$ 120 bilhões a bancos públicos --, o que chama a atenção da sociedade são os gastos extravagantes dos nossos dirigentes políticos, como por exemplo, o uso de 238 vezes dos aviões da FAB (estudo do Estadão), a maioria sem justificativas, pelos ministros do governo Temer . E agora para completar, o recente caso do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que usou o helicóptero do governo para buscar seu filho e amigos em festa de Réveillon, tendo ainda coragem de dizer que é legal, e está de acordo com a lei. E o lado moral, como fica ? Só um detalhe : essas ocorrências de imoralidade , só confirmam o resultado de confiança da pesquisa produzida em 28/out. pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), ou seja, a confiança da população no Congresso é 10% , Presidência da República 11% e Partidos Políticos 7 %.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

O HELICÓPTERO DO PIMENTEL

O custo do uso do helicóptero oficial, para buscar o filhinho após a festinha, entra no valor do salário do chefe do executivo, para fins de calcular o valor do teto dos vencimentos dos demais servidores públicos? Ou essa despesa é apenas uma regalia disponível para os filhinhos de governadores e presidente da República? Minas Gerais é um dos Estados brasileiros mais endividado, mas para a família Pimentel, não há crise. E para continuar garantindo as mordomias dos políticos brasileiros, o povo está recebendo as cobranças do IPTU e IPVA com valores regiamente corrigidos bem acima da inflação anual. Assim não dá para ser feliz.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PIMENTEL NÃO PERDE A POSE

O PT, que nos seus quase 14 anos de poder, do qual foi escorraçado, deixou marcas como da incompetência, da corrupção, e do desrespeito às nossas instituições, etc., infelizmente deixa alguns filhotes de seu partido em cargos majoritários que continuam fazendo estragos! Como o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que inclusive é investigado por corrupção, e pode a qualquer momento perder o seu mandato. Porém, mesmo ter decretado calamidade financeira do Estado que governa, fruto de sua péssima administração, ainda assim não perde a pose! Já que, no último réveillon usou sem se ruborizar o helicóptero oficial somente para buscar seu filho Mathias de 20 anos, que participava de um evento num balneário ás margens do lago de Furnas. E na maior cara de pau diz que não cometeu nenhuma irregularidade... Assim como o Lula e Dilma, no Planalto, que se lixaram com os empregos e recursos dos contribuintes, o investigado Pimentel, arrota caviar mesmo com o seu estado falido... Ou seja, um fiel exemplar do DNA petista!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

NA CORDA BAMBA

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que já é alvo de várias investigações da Polícia Federal por corrupção, mostrou que segue com esmero a cartilha petista. Decretou calamidade pública por causa da séria crise econômica do Estado, que apresenta um rombo em suas contas maior que R$ 8 bilhões de reais, mesmo assim, resolveu buscar seu "rebento" em um condomínio de luxo, com helicóptero oficial, ignorando e não se preocupando com os gastos públicos. Além do mais, autorizou a gastança de aproximadamente R$ 400 mil reais para compra de bebidas e guloseimas para abastecer os três palácios que utiliza. Se essa atitude é autorizada por Lei, ela é no mínimo imoral e descabida e só poderia ser praticada por pessoas irresponsáveis. Muda Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

LIBERE O PROCESSO

Pergunto ao governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel: o helicóptero do governo por acaso é movido a cuspe? Estima-se que a carona ao seu filho tenha nos custado cerca de R$ 40.000,00. Chega de deboche, meu senhor! Ministro Teori, agilize o exame do caso Pimentel, para o qual o senhor inexplicavelmente pediu vistas, e o libere logo para que seja julgado. Pimentel faz o que faz porque pode fazer sem sofrer nenhuma consequência, pois o Supremo Tribunal se omite e permite. Esta imoralidade em Minas Gerais precisa ter fim.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

A VIDA COMO ESTATÍSTICA!

A vida humana no momento está sendo motivo somente para estatísticas fúnebres. Sentimos na pele, lágrimas rolaram com a tragédia da Chapecoense, o assassinato da família campineira nos colocou em estado de choque - como é possível odiar desta maneira? -,a queda do avião russo, com a morte de todos os ocupantes, o sumiço do avião egípcio com mais de duzentos passageiros, o ataque às boates na França e em Istambul, os milhares de imigrantes ilegais tragados pelo Mar Mediterrâneo, as centenas de vidas ceifadas por homens- bomba, em mercados, restaurantes e templos islamitas - não respeitam nem seus irmãos de fé -;os motins de prisioneiros regados a sangue, como esse agora de Manaus. Cada preso morto e esquartejado tem uma família que chora, lamenta, mesmo sabendo do mal, que seus filhos fazem à sociedade. Os responsáveis, como sempre, saem pela tangente, ficando para nós, pobres cidadãos contribuintes, o ônus da tragédia. Porque, se tivéssemos escolas em número satisfatório, hospitais públicos atuantes, segurança pública decente, empregos na indústria e no comércio bombando, não teríamos toda essa leva de homens desviados do convívio da sociedade. Essa celeuma toda serve somente para engordar números estatísticos da ONU, dos direitos humanos e de ONGs pseudorreligiosas, que só atrapalham, em vez de ajudar.

Aloisio De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

VIOLÊNCIA E LOUCURA

Na noite de natal dois jovens violentos agrediram dois travestis por preconceito. Um vendedor ambulante popular tentou intervir, mas foi violentamente agredido com socos e chutes no rosto e cabeça. O ambulante morreu. Várias pessoas passavam pelo local e ninguém mexeu um dedo para deter os agressores. – Na festa de réveillon 12 pessoas foram assassinadas em Campinas. O assassino estava inconformado com o processo de separação e distanciamento do filho. E insano premeditou a morte da ex-mulher e do filho de 8 anos e dos familiares. Posteriormente se matou. Neste triste drama, o matador era um homem trabalhador, exercia o cargo de técnico de laboratório no campo de ciência e tecnologia. Isso mostra que ninguém está mais seguro em nenhum lugar, nem em época de paz, amor e de confraternização. Enfim, os violentos e loucos estão em todos os lugares, e nunca sabemos quem é ou será!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

PRISÕES

Enquanto as sociedades humanas forem assim, desiguais, injustas, hipócritas, corruptas e egoístas, teremos presos sendo trucidados em vez de serem recuperados, terroristas infiltrados nos quatro cantos do mundo, guerras, sangue inocente derramado, fome, insegurança, e vingança. Bandido bom não é bandido morto. Bom é não existir bandido.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

MASSACRE DE MANAUS

Qual foi o resultado prático da preocupação da ministra Cármen Lúcia com o sistema prisional e a sua evidente degradação? Tipo convocar juízes e Ministério Público para arregaçar as togas e fazer um mutirão dentro das cadeias?! No mais, só blá-blá-blá!

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO

Recentemente, a ministra Presidente do STF, Cármen Lúcia, mostrou-se indignada ao saber que havia 32 presos, em cela de determinada prisão, onde deveriam caber somente 8. Deveria ela ficar ciente de que há casos em que há 55 presos para uma cela que comporta 10. Ressalte-se que o problema é sério e vem-se arrastando há muitos anos, com avisos constantes às autoridades. O caso agora de Manaus é muito sério, porque a morte de 60 pessoas é algo que impressiona mal em todo o planeta. As manifestações do Ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, serão inócuas se não houver a efetiva construção de novos presídios, onde predomine a segurança e o limite de ocupantes por cela. A mistura, a sujeira,a contaminação e as drogas farão novas rebeliões em nome de uma vida mais digna e mais humana. Cães e gatos , na atualidade, vivem e convivem melhor !

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

AVANÇO?

Há 25 anos, na tragédia do Carandiru ouvi exatamente o mesmo discurso que estou ouvindo hoje dos responsáveis pelo sistema prisional. Incrível as mudanças que tivemos...

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O SILÊNCIO DE QUEM DEVERIA DOMINAR

Durante as negociações para terminar o levante, os prisioneiros não pediram quase nada. Afinal já tinham feito tudo o que queriam. O Estado Organizado ficou nu, sem papel e sem estratégia neste caos total. Segundo comentários, trata-se apenas de uma primeira batalha entre as facções para decidir quem, no final, irá dominar. Como explicar o silêncio do governo federal cuja estratégia não ficou clara e é quem, em nome da sociedade, deveria dominar?

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

REBELIÃO EM PRESÍDIO

O massacre no presídio de Manaus reflete situação mais grave do que aparenta. O tráfico de drogas no Brasil é um negócio de bilhões de reais por ano. Os traficantes, cada vez mais poderosos, usam esse dinheiro e compram quem for necessário (juízes, desembargadores, policiais, políticos, advogados, jornalistas) para manter o negócio e o domínio da situação. Rebeliões em presídios são apenas parte da estratégia. Até quando? Quem alimenta o sistema é o consumidor de drogas. Que fica completamente impune. Uma montanha de dinheiro sai da legalidade e vai para a ilegalidade , num processo terrível. Com isso, o tráfico de armas pesadas prospera e os grandes assaltos continuam. Qual a saída? Ou se legaliza o consumo de drogas no País ou passamos a punir os usuários de drogas. Nenhuma das soluções é fácil. Mas alguma coisa precisa ser feita e com urgência.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

ARMAS NA CADEIA

A rebelião em um presídio de Manaus com a morte de 60 prisioneiros e o desafio dos detentos contra o sistema policial, usando armas de fogo é uma situação dramática. De um lado os criminosos não se entendendo enquanto integrantes de facções diferentes. E de outro lado, como eles conseguiram os armamentos? E este fato é comum. Mais do que nuca se fazem necessárias as medidas para evitar que estes fatos se repitam .E que começa pelas das condições de quem presta serviços em casas de detenção.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

TERCEIRIZADAS

Sou arquiteto formado nos Estados Unidos (Universidade de Illinois) e tive um colega americano que abriu um escritório em Chicago, onde emprega 80 arquitetos e somente elabora projetos para casas de detenção. Esteve no Brasil na época do massacre de Carandiru, explicando que presididos são mais complexos do que projetos hospitalares. Além de um sofisticado esquema interno e externo de segurança, deve prever despensa, cozinha, refeitório para detentos e funcionários, ginásio e pátios para esportes, oficinas, administração, enfermarias e pronto-socorro, salas de estar para detentos e funcionários, auditório, e acomodar no mínimo 300 prisioneiros, preferível não mais de mil. Ainda bibliotecas, salas de reuniões e aulas. Também desejáveis áreas externas para hortas e pomares. Tem clientes público-privados em quase todos os 50 Estados. Não são do meu conhecimento escritórios especializados e padronizados no Brasil.

Gregório Zolko gzolko@terra.com.br

São Paulo

*

FLÁVIA PIOVESAN

Será que eu entendi bem o que declarou a secretária Especial de Direitos Humanos? O Estado tem mesmo o dever de assegurar a integridade física, psíquica e moral dos presos? Tudo bem sobre assegurar a integridade física, mas as demais não faz o menor sentido, se considerarmos que o objetivo principal do sistema prisional é a recuperação psíquica e moral do preso.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)]

*

INTERVENÇÃO POLICIAL

Depois de ver a carnificina entre presos que foi a rebelião no presídio de Manaus, pergunta que não quer calar: num presídio com 7 mil presos, como era o Carandiru, não houvesse uma intervenção da polícia a carnificina teria sido igual, maior ou menor? Quantos seriam os mortos, degolados e/ou esquartejados? o tempo sempre esclarece muito na vida que se segue. Não?

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

OUTRA REBELIÃO

Há indícios de que está em marcha uma rebelião no Complexo Médico-Penal do Paraná. As facções Corruptos Chapa-Branca e Corruptos Empreiteiros estão se desentendo com relação a dois pontos: 1) Acerto de contas dos valores das propinas combinados e dos valores pagos; 2) diferença de tratamento jurídico entre as facções - rigorosa contra os Corruptos Empreiteiros na primeira instância e leniente a favor dos Corruptos Chapa-Branca, no STF. Vai voar "pena" pra todo lado!

Carlos Alberto Roxo roxo_7@terra.com.br

São Paulo

*

O CRIME VALE A PENA

No Brasil o crime vale a pena. Todos os tipos de crime valem a pena. Literalmente. O que é a pena? Se tem formação superior, e quer se livrar do seu cunhado, faça o que tem de fazer, sem crueldade, contrate um bom advogado, trabalhe ou até estude por períodos de três dias ganhando um dia de remição para cada três (Art. 126) e, com certeza, em menos de 5 anos de cadeia civilizada você estará de volta, livre dele e ainda mais sábio e experiente. Mas com bom comportamento, viu? As leis penais no Brasil compensam. E o incrível é que como há um limite de máxima pena, quanto maior o crime mais ele compensa. Assim se quer se livrar de três cunhados, a pena será a mesma compensando três vezes mais. Não é ridículo? Mas experimente propor penas maiores... A impunidade incentiva o crime. Por isso ele só cresce!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br www.dib.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.