Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

09 Maio 2015 | 03h00

Devagar se vai bem longe

Como diz o samba, "é devagar, devagarinho...". Esse parece ser também o lema do PT, pois devagar vai acabando com os direitos trabalhistas, que foram tão duramente conquistados! Devagar vai aniquilando os aposentados e pensionistas. O Lula dizia que num governo petista jamais um aposentado ou pensionista pagaria Imposto de Renda, o que é injusto! O PT dizia-se socialista, mas faz tudo para agradar ao capital, o antigo demônio que seria exorcizado pelo partido. Hoje no governo, as coisas funcionam assim: a seca fez com que se produzisse menos energia? As empresas não podem ter prejuízos, mas não tem problema, eis a solução: decreta-se um aumento brutal nas contas de luz para a população arcar com os "prejuízos". Secaram os reservatórios de água? Sobem-se os preços das tarifas. Roubaram a Petrobrás? Fácil, manda-se a conta para o povo! E assim, aos poucos, vamos caminhando para a rabeira do mundo. Do jeito que a coisa vai, logo pedirão revogação da Lei Áurea.

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

*

Pela metade

Quer dizer que na morte de um dos cônjuges o aluguel, a energia elétrica, a água, etc., também serão cobrados pela metade? Digo isso porque a medida provisória do ajuste fiscal reduz em 50% a pensão do sobrevivente.

CLÁUDIO RUGGIERO

ruggiero@uol.com.br

Barueri

*

MPs do arrocho

Primeiro parágrafo do Estadão de ontem: "Governo e PT tratarão de forma distinta traições e ausências durante votação na Câmara da MP 665, que integra pacote do ajuste mortal, digo, fiscal da gestão Dilma Rousseff e restringe benefícios sociais". Então é isso: com profundo senso de patriotismo e preocupação com as agruras pelas quais o povo que votou neles está passando, o governo, a base alugada e aquele clã misterioso que se autointitula oposição se debruçaram sobre o balcão das negociações e dos conchavos para decidirem a vida dos trabalhadores, sem a participação de um único trabalhador! Eles decidem quanto vão ganhar para votar e decidem também quanto temos de perder para que o País "se salve"! E traidor, na novilíngua petista, é todo aquele que não vota a favor da traição de Dilma contra os trabalhadores, que garantiu, na campanha eleitoral, que não mexeria nos direitos trabalhistas já conquistados. As ações diárias dos políticos brasileiros nos fazem lembrar o filme A Fuga das Galinhas: enquanto as galinhas sonham com uma vida melhor na granja da sinistra Dilma Tweedy, esta planeja transformá-las em torta para incrementar um novo negócio e, então, a saída é aprender a voar. Assim, panelaços, buzinaços, apitaços e todos os aços possíveis, com todas as Gingers e Rockys disponíveis e bem dispostos, traduzirão A Revolta dos Coxinhas, o filme que escreveremos, produziremos, dirigiremos e seremos protagonistas de nossa própria história.

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

Barganha vergonhosa

Na escola da politicalha, os alunos rebeldes, representados por partidos políticos voluntariosos e desobedientes, recebem como castigo a não oferta de cargos na administração pública. A troca é feita de forma deslavada, devendo a agremiação política votar nos projetos designados pelo Palácio do Planalto. Assim fica constatada a imoralidade de ambos os lados: do Planalto, ao vender a coisa pública, e dos partidos ao se submeterem, humilhantemente, aos desígnios palacianos. Diante da corrupção autenticada e aceita pelo poder público e diante de tantos distúrbios éticos e morais, como ensinar o bem, a dignidade e a decência aos jovens deste país? Educação não é só investimento, é também exemplo das autoridades.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

'Oposição ao ajuste'

Com todo o respeito, discordo do colunista Celso Ming (8/5, B2). Governantes que insistiram, conscientemente, em sangrar por 12 anos consecutivos a economia brasileira não podem assistir impunemente, de camarote, a uma sangria terapêutica terceirizada de resultado ainda duvidoso. As críticas à oposição parecem-me injustas. Não consigo imaginar uma coalização patriótica emergencial para sanear o País dos "maus feitos" das gestões de Lula e Dilma. Na minha opinião, prioritariamente, fora PT, doa a quem doer. Estou disposto a pagar pra ver.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

Mais abobrinhas

No Acre, Lulla mais uma vez soltou suas esfarrapadas frases de efeito (abobrinhas) para tentar justificar a incompetência da sua criatura Dilma: "Quando se fala de ajuste fiscal, todos se assustam, mas é uma coisa que até dona de casa faz". Ele se esquece de que a criatura não fez o ajuste, ao contrário, fez o diabo para ganhar a eleição e gastou o que tinha e o que não tinha?! Para não cair na inadimplência manda a conta para todos os brasileiros. Só pelo fato de ter aplicado um enorme 171 Dilma Rousseff deveria ser posta pra fora do governo.

OLAVO FORTES C. RODRIGUES

olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

De coerência

O PT, que tanto critica o projeto de terceirização em tramitação no Congresso Nacional, na verdade foi o primeiro a adotá-la. De cara, terceirizou a Presidência da República. 

LAZAR KRYM

lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

Bolivarianismo explícito

Dilma Rousseff não recebeu as venezuelanas Lilian Tintori, mulher do líder oposicionista Leopoldo López, preso pelo regime chavista, Mitzy Capriles de Ledezma, mulher do prefeito de Caracas sequestrado e detido pela polícia secreta bolivariana, e Rosa Orozco, que teve uma filha assassinada durante manifestação contra o governo, na capital venezuelana. Essa atitude é mais uma demonstração do apoio de Dilma ao governo ditatorial de Nicolás Maduro. Uma vergonha para o Brasil. Uma pergunta que não quer calar: Dilma pediu clemência para dois brasileiros executados por tráfico de drogas na Indonésia, mas se nega a receber essas senhoras, duas das quais pedem a ajuda dela para salvar o marido delas das garras de Maduro? Qual a razão para esse comportamento covarde? O Brasil é um país democrático e não pode compactuar com essa barbárie. Onde está a diplomacia brasileira, que usa dois pesos e duas medidas? Dilma, a que foi guerrilheira, não aprendeu nada na vida?

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

OPOSIÇÃO AO BRASIL

Na sua coluna de ontem ("Oposição ao ajuste", 8/5, B2), o colunista Celso Ming está corretíssimo. A posição do PSDB na votação do ajuste fiscal no Congresso foi lamentável. O interesse público que se lixe, o que interessa é ver o governo Dilma Rousseff sangrar. Eu sou radicalmente contra o PT, mas agora, esta Medida Provisória 665 é para tentar ajudar a colocar a economia no lugar. É obrigação de todo deputado responsável aprová-la. Estão de parabéns os oito deputados do DEM que assim o fizeram.

Gilberto Junqueira Meirelles gilberto@castanhal.com.br

São Paulo

*

DESILUSÃO

Eu, que sempre votei no PSDB, esperava que o partido tivesse a grandeza de votar pelo ajuste fiscal de que tanto necessitamos, ainda que proposto pelo governo federal. Ao votar contra, faz oposição ao Brasil e desilude seus eleitores.

César Garcia cfmgarcia@gmail.com

São Paulo 

*

O QUE NOS RESTA?

PSDB, que decepção! PSDB mostra a cara no ajuste fiscal! Com o PSDB igualando-se ao que há de pior no PT, o que nos resta?

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br 

Valinhos

*

POSIÇÃO POLÍTICA

Sobre o editorial "No reino da incoerência" (8/5, A3), o posicionamento da oposição na votação das MPs do ajuste fiscal está correto, porque considera todo o contexto político e social envolvido: as mentiras do governo e da então candidata Dilma Rousseff, o impacto social das medidas e a consciência nacional (sim, ela existe). Não se trata de avaliar o mero impacto econômico, mas de marcação de posição política, que é o papel da oposição. Um ajuste econômico promovido pelo PSDB ou pelo PSB, que, sim, o anunciaram em meados de outubro de 2014, seria totalmente legítimo e completamente diferente, o que não ocorre com a coalizão liderada pelo PT, que utilizou de mentiras grosseiras para pintar um país das maravilhas para iludir seu eleitor e agora faz o ajuste de forma atabalhoada. Caros editores, estranho seria a oposição apoiar a ajuste fiscal deste governo. Observem que a atual oposição é muito maior que a bancada eleita. Pesquisas demonstram que Dilma e o PT não venceriam se a eleição fosse hoje. São milhões de eleitores enganados que votaram em Dilma. Nada mais coerente e correto que a oposição captar os ecos deste estelionato eleitoral. E sob a pragmática ótica econômica, meus caros, a MP 665 não fará cócegas nas finanças públicas, mas precarizará a subsistência de milhares de trabalhadores. Contudo, novamente satisfez o ego do governo (PMDB) e o capital internacional.

 

Shigueo Kuwahara kuwahara@uol.com.br

São Paulo

*

CLÁUSULA PÉTREA

Para votar medidas provisórias do ajuste fiscal, proposto pelo ministro Joaquim Levy, sugiro uma reforma provisória do regimento da Câmara. Primeiro, considerada cláusula pétrea, votação nominal de 100% da bancada dos deputados do PT; posteriormente, a votação nominal dos deputados dos demais partidos que compõe a base da presidente Dilma, desobrigados da imposição de adesão.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

*

ROTA DE COLISÃO

Antes das eleições de 2014, o governo da presidente Dilma fazia propaganda mostrando o sucesso dos programas Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, dentre outros. O ministro da Fazenda afirmou, agora, que "todas as atividades do governo dependem do ajuste fiscal". Disse também que, daqui para a frente, o governo federal e as administrações estaduais irão discutir como promover uma política regional concreta. De repente, os programas sociais do governo estão sem recursos, as empresas não encontram atrativos para se estabelecerem em outras regiões e a criação de empregos é ameaçada. A Caixa Econômica Federal perdeu R$ 7 bilhões da poupança neste ano, abalando o financiamento da habitação. O Brasil está sem controle, em rota de colisão, tal como a nave que caiu no oceano.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

DÚVIDA CRUEL

Governo de coalizão nestes tempos de falta de ética poderia ser considerado formação de quadrilha?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

POUPANÇA NADA ABUNDANTE

Que sina para nossa sociedade estes restos do desgoverno petista! Quebraram a Petrobrás, fundos de pensão de estatais, desviaram bilhões de reais das nossas estatais e ainda fizeram "o diabo" com a nossa economia. E, não bastassem o fardo agudo e pesado da inflação na casa de 8,17% e o desemprego crescente, com um índice assustador de 7,9%, somos obrigados a nos desfazer da nossa tão sonhada poupança, a fim de tentar sobreviver com um mínimo de dignidade. Neste mês de abril, confirmando a penúria do bolso do trabalhador, os saques da poupança superaram os depósitos em R$ 5,85 bilhões, como o pior resultado para o mês em 20 anos. Somente neste quadrimestre de 2015 o saldo negativo da poupança alcança os R$ 29,08 bilhões. Número que equivale a 50% do que esta relapsa e irresponsável gestão Dilma necessita, e não consegue economizar, para entregar um magro superávit primário de 1,2% do PIB, mesmo com a previsão de arrecadar em impostos somente para o governo federal, em 2015, astronômicos R$ 1,429 trilhão. Isso posto, o PT certamente está zombando do otário trabalhador brasileiro, pedindo mais sangue, suor, e lágrimas.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FUNDOS DE PENSÃO

Quando o lulopetismo passou a mandar nos fundos de pensão das estatais, deveria ter mostrado a "lambança" feita nos governos passados, desde José Sarney. Não mostrou. Por conveniências óbvias: a tal da governabilidade e outros interesses inconfessáveis. E esqueceu também que um dos maiores benefícios da privataria foi a esterilização de moedas podres: os bancos se livraram de moedas  e de dívidas impagáveis contraídas pelas estatais. Lembro-me muito bem da trabalheira insana que tiveram na conversão de dívidas de estatais em URVs, o que "cortava" muitos zeros. O outro benefício foi a liquidação dos diversos bancos estaduais, eternas fontes de rombos piramidais. Defender governos anteriores a Lula? Jamais, mas distorcer os fatos, definitivamente, não é o melhor caminho. Agora, colocar pelegos na direção dos fundos de pensão é ter certeza do desastre. Quem deve pagar o rombo são as empresas, e não os contribuintes.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

NAVE PROGRESS

A nave "Progress" se desintegrou sobre o Oceano Pacífico. Que pena, bem que poderia ter sido sobre o Palácio do Planalto.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

SABATINA NO SENADO

O Poder Executivo solicitou e o Legislativo concordou: adiou por uma semana a sabatina regulamentar prevista pelo Senado para arguir o dr. Luiz Edson Fachin, indicado pela presidente da República para o cargo vago do Supremo Tribunal Federal (STF). Parece que pretendia ganhar mais tempo para convencer os senadores das excelsas virtudes do nominado. Pior a emenda que o soneto, já diziam os mais experientes! A cada dia que passa surge um fato novo que contribui, ainda mais, para pôr em dúvida a atuação do causídico em questão. A última foi uma entrevista gravada em vídeo em que o dr. Fachin reafirma sua crença absoluta nos ditames do Partido dos Trabalhadores. Vou utilizar mais um conhecido bordão: isso pode, Arnaldo?

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

VAGA NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Uma vaga de ministro no Supremo Tribunal Federal só será preenchida por indicação e nomeação pelo presidente da República, de candidato que contiver todas as exigências do artigo 101 da Constituição federal. Entre estas, a de "notável saber jurídico". E, depois de "aprovada a escolha por maioria absoluta" da mencionada Corte. Assim, o STF só poderá intervir na indicação de qualquer candidato se houver, entre outras, esta ofensa ao artigo em tela. Essa intervenção se dará por "nota técnica do Senado" a pedido de qualquer senador. É o que está acontecendo, agora, com a indicação do advogado Luiz Fachin. Nota técnica do consultor do Senado, elaborada a pedido do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), afirma que o aludido indicado exerceu no Paraná, entre 1990 e 2006, dupla atividade jurídica: como procurador do Estado e como advogado com escritório próprio, ao mesmo tempo, "violando ordenamento legal", o que é proibido pela Constituição daquela unidade federativa. Assim, cometeu infração grave por acumular funções. Este comportamento ilegal do indicado, quando for sabatinado no Senado, naturalmente lhe trará muita dificuldade para que sua indicação seja aprovada. Onde está seu "notável saber jurídico"? Está propositadamente ignorado?

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis 

 

*

MUDAR PARA CONTINUAR O MESMO 

Aprovando a chamada PEC da Bengala, permitindo que ministros dos tribunais superiores e do Tribunal de Contas da União possam exercer suas funções até completarem 75 anos de idade, pergunto aos meus botões: com a atual composição do Supremo e, na hipótese de que nenhum de seus atuais ministros se aposente até a nova idade limite, haverá, realmente, julgamentos que não agridam o bom senso? Haverá julgamentos que reconheçam a existência de quadrilha, quando um conjunto de espertalhões a atuar de forma coordenada, coerente e sucessiva para assaltar os cofres públicos? Não será essa aprovação mais uma medida demagógica para iludir crédulos? Por que não há decência e coragem para votar uma lei que determine sejam os ministros escolhidos pelo próprio Poder Judiciário, em tese mais capacitado para avaliar a exigência constitucional do notável saber jurídico do candidato? Será que, acima do Poder Judiciário, o Senado possui pessoas mais competentes para medir o notável saber jurídico de alguém? Concluo que, de fato, há mais mistérios entre o céu e o reino Tupiniquim além daquilo que possa prever nossa imaginação.

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br 

Itanhaém

*

MANIFESTAÇÃO LEVIANA

A aprovação da emenda que permite aos juízes do STF ficarem nos cargos até os 75 anos de idade motivou alguns pronunciamentos de oposicionistas, alegando que o governo federal perderá o espaço na indicação de pelo menos cinco magistrados e de ocupantes de outros nomes para outros cargos. Uma manifestação leviana, tentando caracterizar o comprometimento do indicado com quem o indicou. Apenas no STF são nove os juízes. Eles aceitam que seus colegas estão sendo desonestos nos seus procedimentos? É por certo uma tentativa de desmoralizar um setor público da maior importância.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

"Medida medievalesca que cobriria de vergonha qualquer sociedade civilizada" - ministro do STF, sobre a manutenção da prisão preventiva, determinada pela Operação Lava Jato, dos nove empreiteiros envolvidos com o esquema de corrupção na Petrobrás. Como assim, nobre excelência? O que causa vergonha - e muita - é a medieval forma de governar, com miseráveis mantidos por esmola na miséria, os trabalhadores como escravos achacados por impostos exorbitantes, sem retorno em educação, saúde, segurança e transporte decentes, enquanto as excelências de todas as esferas vivem como nababos, mamando nas tetas da Re(S)pública, através de arranjos políticos e/ou roubo mesmo.

Aparecida Dileide Gaziolla  aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul 

*

MAIS UMA CROCODILAGEM

Nós, brasileiros, que contrariamos toda a roubalheira que aconteceu e provavelmente ainda continua acontecendo na Petrobrás, não temos dúvidas de que o Relatório da Administração e Demonstração Contábeis da Petrobrás, divulgado num encarte com 32 páginas nos jornais de maior circulação no País, é mais uma crocodilagem deste governo que está à deriva desde 2002. Certamente, pagaram caro, um papel de primeira linha, para justificar o injustificável. Como acreditar nas divulgações de um governo em que seus inescrupulosos líderes garantem benesses para "deputados e senadores", também inescrupulosos, aprovarem as medidas provisórias (MPs) de interesse do governo? Como exemplo, temos as MPs 664/2014 e 665/2014, que tiraram direitos já conquistados pelos trabalhadores.

 

Leônidas Marques  leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

VAQUINHA BOA

Abrindo o "Estadão" de ontem, como faço todos os dias, confesso que fiquei surpreso. Não entendo como pode uma empresa roubada em bilhões, com sua estabilidade financeira correndo sérios riscos, publicar seu bonito "Relatório da Administração e Demonstrações Contábeis Auditadas" (sic) em papel de altíssima qualidade e em cores. Com certeza, mesmo com toda essa encenação, que chega a ser cômica, da Lava Jato, a roubalheira continua solta, com muita gente ganhando muito dinheiro. A vaquinha Petrobrás continua dando leite. Pobre Brasil!

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com 

São Paulo

*

RELATÓRIO PETROBRÁS

Foi alguma socialite quem escolheu o papel utilizado na impressão do relatório da Petrobrás? Definitivamente, austeridade não é o forte dessa estatal.

Márcio Camargo Ferreira da Silva cfsmarcio@gmail.com

São Paulo

*

DINHEIRO SOBRANDO?

Pela qualidade do papel utilizado para imprimir o Relatório da Administração e Demonstrações Contábeis Auditadas Petrobrás 2014, no "Estadão" de 8/5/2015, a empresa tem dinheiro de sobra ou seus dirigentes não querem sujar mais as mãos utilizando papel jornal?

Gilmar Barreto barretogilmar58@gmail.com

Campinas

*

BOA LEITURA

Espero que o ex, a presidenta  e os "cumpanheiros" consigam ler o relatório da Petrobrás. Está bastante resumido!

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

*

ENCOLHENDO

Sob o desbotado desgoverno vermelho-petista, a verde-amarela Petrobrás segue de vento em proa. No ranking global das 2 mil maiores empresas do mundo da tradicional revista "Forbes", a estatal, que ocupava a 10.ª posição em 2012, despencou vertiginosamente para a 416.ª colocação em 2015, sendo apontada como "uma das maiores perdedoras" entre as analisadas. No curto período de apenas um ano, de 2014 para cá, já perdeu 50% de seu valor de mercado - de R$ 86,8 bilhões para R$ 44,4 bilhões. Parece que o fundo do poço não tem fundo. Se continuar assim, a Petrobrás vai virar apenas água sal.

J. S. Decol  decoljs@globo.com 

São Paulo

*

O TAMANHO DO ROMBO

Partindo do artigo "Sábado na Boca Maldita", de Fernando Gabeira (8/5, A2), e do cálculo do repórter José Casado, tem-se: o escândalo da Petrobrás, durante seis anos e seis meses, causou uma perda de R$ 17,4 milhões por dia, ou R$ 41,238 bilhões no período. Seriam necessários cerca de 7 contêineres marítimos (de 65,60 m³ cada) para transportar essa importância transformada em notas de R$ 100, considerando as medidas oficiais da cédula: 156mm comprimento; 70mm largura; 0,1mm espessura.

José Candido de Freitas Júnior prov.patrimob@santacasasp.org.br

São Paulo

 

*

VOANDO DE BICO PARA O CHÃO

A empresa que os milicos tornaram de "Primeiro Mundo" os petistas estão tornando em de Quinto Mundo. Claro que "o petróleo é nosso" nunca passou de demagogia de imbecis.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

BANCOS ESTATAIS

É interessante a forma como os bancos liberam empréstimos e patrocínios. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) faz empréstimos ou financiamentos para porto e aeroporto de Cuba, do ditador Fidel Castro, enquanto os do nosso país carecem ou padecem de investimentos. É lícito isso? A Caixa Econômica Federal patrocina diversos clubes de futebol em todo o País, e a maioria deve milhões de reais em impostos. Qual é o segredo para adquirir verbas sendo um devedor ou um péssimo pagador? É lícito? As muitas prefeituras deste Brasil, quando têm débitos com os Estados ou com a União, não obtêm recursos ou financiamentos para inúmeras obras emergenciais ou necessárias, com o que toda a população sofre. Os bancos estatais precisam rever suas regras sobre empréstimos e financiamentos. Afinal, o que são prioridades?

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré 

*

GREVE DOS PROFESSORES

 

Nada contra os professores em greve, mas a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) de indeferir recurso do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo  (Apeoesp),  mantendo a decisão do governador Geraldo Alckmin de descontar no holerite as faltas dos professores grevistas desde 1 de abril, está para lá de correta. Greve remunerada nunca tem fim, e esta de compensar os dias parados no caso de um eventual acordo entre as partes é conversa para "boi dormir". E mais, alguém já viu nos jornais comprovante de pagamento de multa por algum sindicato que  descumpriu uma ordem da Justiça trabalhista em caso de greves? E o projeto de lei que regulamenta o direito de greve do servidor público, que está engavetado há mais de 24 anos no Senado?    

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 

Campinas 

*

PSEUDOPROFESSORES

Acredito que professores não se prestariam a dar exemplo de vandalismo, na tentativa de invadir a Secretaria de Educação. São pseudoprofessores, adeptos da baderna, prejudicando com suas passeatas e bloqueio de vias uma maioria trabalhadora. Se estão descontentes, por que não pedem exoneração e vão trabalhar nas escolas particulares? Por que não fazem as manifestações no sábado ou no domingo? Prejudicam milhares de alunos, que deixarão de aprender, já que as aulas perdidas jamais serão repostas.

Paulo Aguiar Aguiar5120@gmail.com 

São Paulo

*

PAUTA

Acho que, assim como outras profissões, os professores merecem respeito, bons salários e todo o direito de greve, entretanto, deveriam incluir na sua pauta de reivindicações o fim de aprovação continuada, a proibição de uso de celulares e outros aparelhos em sala de aula, a exigência para que os alunos fizessem, por exemplo, as contas de Matemática e, principalmente, fazer pesquisas e saber escrever. Estariam, assim, fazendo um grande bem à educação, e aqueles que não atingissem nota simplesmente seriam reprovados. Greve se faz com respeito aos bens públicos em geral.

José Fernandez Rodriguez cholo@terra.com.br

Santos

*

PALAVRAS VAZIAS

No programa do PT na noite de 5/5/2015, em rede nacional de TV, Rui Falcão, presidente do partido, disse que filiados que forem condenados pela Justiça serão expulsos. A nova medida não terá, pelo que parece, efeito retroativo. Não ficaremos livres, portanto, dos condenados do mensalão, as figuras carimbadas como José Dirceu, Genoino, Cunha, Delúbio. Outros do petrolão, mesmo sendo condenados no futuro, poderão escapar da punição, porque o PT poderá considerar que prestaram "relevantes" serviços ao partido. Militantes sem expressão, estes, sim, poderão ser expulsos, como bois de piranhas, enquanto a manada passa. Então, tudo poderá ficar como dantes no quartel de Abrantes. Cansa-nos ouvir lorotas. Vamos continuar demonstrando a nossa indignação contra as mentiras que nos contam. E não vamos aceitar, jamais, uma bandeira vermelha em nossa nação.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

PANELAÇOS 

Produção industrial brasileira caiu pelo segundo mês. Seria bom o PT fazer propaganda uma vez por mês. Assim, pelo menos, as indústrias de panelas ajudarão o índice a subir. 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

NORMAL?

Dona Dilma afirmou, com muitas caretas no lugar dos costumeiros "beijinhos", aos jornalistas - aqueles que, somados, não têm 10% da honestidade daquele cidadão - que "manifestações são normais porque construímos a democracia" e que "em alguns outros países manifestações assumindo a forma de 'panelaço' ou qualquer outra forma não são normais". Se pudermos perguntar: por que, então, a defesa deste governo e o seu alinhamento aos piores ditadores e assassinos do mundo, inclusive com tentativas de amordaçar a imprensa?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com   

São Caetano do Sul

*

MELANCÓLICA VERDADE

O advogado italiano Alessandro Sivelli, defensor de Henrique Pizzolato, mensaleiro condenado, contra sua deportação para o Brasil, alega serem "dramáticas" as condições das prisões brasileiras e inadequadas a um cidadão italiano. Seria muito útil que nós, brasileiros, refletíssemos sobre essa melancólica verdade. As prisões brasileiras são desumanas. Deveríamos refletir também sobre o conceito que têm os italianos sobre nossa "inferioridade relativa", que foi mostrada pelo sr. Sivelli. Seria também de bom alvitre refletir sobre a decisão do ministro do STF Teori Zavascki para ver se a concessão de prisão domiciliar, concedida a empresários réus da Operação Lava Jato, tem os mesmos fundamentos dos alegados pelo advogado italiano do sr. Pizzolato. Ao que consta, a maioria dos réus beneficiados pelo ministro com a prisão domiciliar não tem cidadania ou ascendência italiana, o que invalida a tese da incompatibilidade de nossas prisões à nacionalidade dos beneficiados. Outras devem ter sido as motivações do ministro Teori Zavascki. A refletir.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

A FRANÇA, QUEM DIRIA

A França acaba de iniciar o processo de desmonte dos regimes democráticos representativos, com restrições à liberdade em favor de segurança, abrindo caminho para a ascensão de regimes totalitários. 

Ary Nisenbaum   aryn@uol.com.br

São Paulo

*

CONSULTA PÚBLICA

Está em andamento até 11/5 uma consulta pública sobre o regimento do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) propondo, entre outros, aumento de remuneração e critérios de escolha de conselheiros. Se aplicada a taxa de 0,5% sobre R$ 16 bilhões sob investigação de desvio (o que pressupõe que eram valores devidos à sociedade), estamos pagando R$ 80 milhões ao mês de custo financeiro. A conta pode aumentar, pois o valor do estoque de processos na entidade é da ordem de R$ 531 bilhões, segundo consta em seu sítio na internet.

Alguém quer pagar ainda mais? A lesão ou ameaça de lesão a um direito é protegida pela Constituição de 1988, que assegura recurso ao Judiciário, poder que também pagamos, pontual e regiamente. Algum país desenvolvido tem um órgão como o Carf? Se sim, o Carf, talvez, pudesse ser mantido. Se não, a extinção do Carf e congêneres (CRSFN, etc.) seria um bom começo para reduzir o déficit publico e nos aproximar das civilizações mais desenvolvidas.

José Fuente fuente2@bol.com.br

São Paulo

*

O DESAFIO PAULISTANO

A decisão da senadora Marta Suplicy (PT-SP) de desligar-se do Partido dos Trabalhadores (PT) faz lembrar a tragédia do transatlântico Costa Concórdia, em 13/1/2012, quando o comandante Francesco Schettino, na iminência de um naufrágio, tratou de salvar a própria pele e abandonou o barco. Marta não faz diferente. Vendo que a nau do seu partido está submergindo a cada lavagem a jato, trata de defender as suas pretensões à Prefeitura de São Paulo em 2016. Além da oposição petista, a loura inteligente terá de apagar duas marcas que ficaram gravadas quando administrava a capital de São Paulo: "Martaxa", pela carga de taxas impostas aos paulistanos, e sua resposta diante das reclamações da população sobre o caos aéreo ("relaxa e goza").  Diante de problemas tais como abastecimento d'água, mobilidade urbana e recrudescimento da cracolândia na cidade, só mesmo os holofotes do poder e a ambição dos postos mais elevados podem induzir um político a enfrentar o desafio paulistano. Marta deverá ingressar no PSB do saudoso Eduardo Campos, depois de 33 anos de obsequiosa obediência ao morubixaba apedeuta eneadáctilo.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

MARTA AINDA DE VERMELHO

 

Marta Suplicy, em evento de grande envergadura em sua residência, fez sucesso vestida de "vermelho", praticamente na mesma semana em que se desligou do "vermelho" PT, dizendo não ter mais afinidades com o partido que ajudou a fundar. O vestido vermelho foi ato falho ou sem querer querendo, tipo o "relaxa e goza"?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO

O incêndio na região do Saara, no Rio de Janeiro, mostra que esta prefeitura só está preocupada em fazer media com a Olimpíada. Perguntas: as casas que pegaram fogo no Saara foram ou estavam sendo fiscalizadas pela prefeitura? E as outras, no mesmo local, quem fiscaliza? Espero que os prejudicados processem a prefeitura, afinal, com tantas verbas para a Olimpíada, a hora de recorrer é agora ou nunca.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

RINDO PARA NÃO CHORAR

No passado, alguém disse, sobre nosso Brasil, "este país não é sério" (frase atribuída, indevidamente, ao general Charles De Gaulle). Esta semana, o jornal televisivo SP-TV trouxe duas notícias: 1) as contas de água da Sabesp serão aumentadas. A concessionária justifica o aumento alegando que, por causa da crise hídrica, seus lucros caíram para mísero R$ 1 bilhão. E 2) por motivos semelhantes, as contas da Eletropaulo também serão majoradas para compensar, também, os problemas ocasionados pela crise hídrica e, assim, remediar os dividendos aos acionistas. Ok, e eu com isso? Quem investiu em ações dessas empresas sabia, quando fez seus investimentos, que estaria sujeito a risco. Pois é, mas, no caso da Sabesp, esse risco deveria ser evidente, dado que, há 11 anos, quando a Agência Nacional de Águas concedeu à Sabesp o direito a explorar o manancial do Cantareira, condicionou essa outorga à realização de investimentos que permitiriam a exploração de outros mananciais. Só que a empresa preferiu não fazer os investimentos recomendados, certamente para engordar os rendimentos dos investidores. No caso da Eletropaulo (e outras distribuidoras), os riscos também deveriam ser evidentes a partir do apagão ocorrido há cerca de 13 anos. Claro que, nesse caso, a encrenca foi agravada por nossa suprema governanta, que decretou redução nas contas de fornecimento de energia elétrica, supostamente com base nas expectativas das renegociações das concessões - que não deram certo. Só rindo mesmo (para não chorar).

David Hastings david.hastings.brazil@gmail.com

São Paulo

*

'FUNCIONALISMO DECADENTE'

Sobre o comentário do leitor sr. André Coutinho ("Funcionalismo Decadente", 30/3/2015), lembro que o Congresso Nacional tem mais de 15 mil funcionários, 80% deles nomeados sem concurso. Imaginem o que uma empresa coreana ou japonesa produziria com este contingente.

Antonio Acorsi acorsi.antonio@gmail.com 

Jundiaí

*

O TRILHO CERTO

Cumprimento, pelo projeto do voto distrital, o senador José Serra (PSDB-SP). Tenho certeza de que este projeto será aprovado, e também é com certeza um dos itens importantes da reforma política de nosso país.

Vanderlei Pereira de Jesus pvanderlei@hotmail.com 

São Paulo

*

FALTA DE MEDICAMENTO

Sou deficiente visual, sofro de uma doença crônica, faço uso contínuo do medicamento Alopurinol, 100 mg. Há mais de 10 (dez) dias estive na UBS Vila Barbosa, na Avenida Mandaqui, 197, Bairro do Limão, e também na AMA Especialidade Parque Peruche, mas o medicamento encontra-se em falta. Gostaria de ver a possibilidade de publicarem esta carta sobre a falta do medicamento para que os órgãos competentes tomem as providências cabíveis.

Reginaldo Luiz Marques reginaldomarques@yahoo.com.br 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.