Fórum dos Leitores

GOVERNO LULOPETISTA

O Estado de S. Paulo

10 Maio 2015 | 03h00

Acorda, Brasil!

A que ponto chegou a miscelânea em que se converteu o PT! O sr. Aloizio Mercadante, integrante do governo, não se envergonha de confessar que quem vota com o governo tem preferência em cargos. Realmente, estamos encrencados e mal pagos.

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

*

Que país é este?

Frases ou pensamentos permitem várias interpretações, algumas positivas e outras, não. O ministro Mercadante não se sente inibido, envergonhado, ao afirmar que o governo dará preferência para cargos a quem vota com o governo. É o sentido mais negativo da expressão de São Francisco de Assis “é dando que se recebe”, popularizada no Brasil durante o governo Sarney.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

É dando que se recebe

Aconselho aos brasileiros ficarem de olhos bem abertos para o Diário Oficial da União. Parece que a fim de melhorar a administração pública cerca de 70 cargos de segundo e terceiro escalões serão preenchidos e seus ocupantes terão o nome publicado. Não tenho dúvida de que não há relação alguma com a articulação política conduzida pelo vice-presidente para a aprovação da medida provisória que pretende realizar o ajuste fiscal.

MARCO ANTONIO ESTEVES BALBI

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

‘Michelão’

Com o mensalão extinto e o petrolão estancado, ao governo do PT restou distribuir cargos, via vice-presidente, para conseguir apoio político. É o “michelão” cooptando parlamentares.

JULIO GUERRA

jfguerra@yahoo.com

São Paulo

*

O que esperar da oposição?

Lamentavelmente, a bancada do PSDB, de maneira unânime, votou contra as medidas de austeridade propostas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy; medidas essas que qualquer pessoa inteligente, de bom senso, com um mínimo sentimento de patriotismo e respeito pelo Brasil apoiaria incondicionalmente. Tenho certeza que no caso de vitória do senador Aécio Neves sua equipe econômica proporia ao Congresso medidas semelhantes para tentar remediar o caos econômico causado pela incompetência do ministro Mantega e seus “pedaleiros”. Mas, adotando a doutrina petista do “quanto pior, melhor”, o PSDB e seus aliados PPS, PSB, etc., resolveram azucrinar o governo do PT, atacando toda e qualquer proposta apresentada ao Congresso, independentemente de viabilidade e do interesse da Nação. Resta ao eleitor que rejeitou o desgoverno petralha um sentimento de desamparo, abandono e total descrédito nos políticos brasileiros.

LUIZ ANTÔNIO ALVES DE SOUZA

zam@uol.com.br

São Paulo

*

Aparelhamento

Mesmo tendo sido aprovada a MP 665, a presidente vai punir os aliados que votaram contra o congelamento de cargos. Isso é o chamado aparelhamento que eles implantaram no governo e lhes garante o poder. Com essa situação, nenhuma oposição vai reverter a condição.

WAGNER MONTEIRO

wagnermon@ig.com.br

São Paulo

*

Ganância desmedida

A história do PT faz-me lembrar aquela do cachorro que tinha um belo osso na boca, mas ao mirar seu reflexo no lago achou que o osso refletido era bem maior que o dele e ao tentar pegá-lo ficou sem nada. Assim é o PT, com sua ganância de poder: achou que a fonte nunca secaria, chegando a ponto de não ter dinheiro para cumprir os programas sociais prometidos, deixando o povo frustrado. Ninguém consegue “roubar” sem ter cúmplices e isso custa caro.

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

*

Indicação para o STF

Com todas as confusões e os percalços a enfrentar, a presidente Dilma Rousseff abre outra frente de desentendimento: a escolha do advogado Luiz Fachin para ministro do Supremo Tribunal Federal. Ideologias à parte, o fato é que esse cidadão exerceu dupla função: foi procurador do Estado e exerceu a advocacia ao mesmo tempo, fato eufemisticamente denominado “violação do ordenamento legal” em investigação feita pelo Congresso. Ora, é inadmissível que o Executivo indique uma pessoa para cargo dessa relevância e responsabilidade sem prévia averiguação de antecedentes. Impossível não ter sido identificada a ciência da dupla jornada de 16 anos, já que ocupava cargo relevante no Estado de origem. Assim sendo, fica a dúvida sobre a real intenção dessa indicação. Quis a presidente demonstrar simplesmente seu poder, seu conhecido voluntarismo ou queimar um nome que foi obrigada a aceitar por suas ligações ideológico-partidárias? De qualquer modo, trata-se de mais um questionamento que desfavorece o seu governo.

SERGIO HOLLLARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

MENSALÃO

Como seria diferente

O livro Una Oveja Negra al Poder (Uma Ovelha Negra no Poder), recentemente lançado, escrito pelos jornalistas Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, resume os cinco anos do ex-presidente José Mujica à frente do governo do Uruguai. No livro os autores transcrevem uma declaração do velho político segundo a qual seu companheiro brasileiro lhe afirmara que o mensalão, concebido ao lado do gabinete presidencial, em Brasília, era a única maneira de governar o Brasil. Isso contraria, portanto, toda a ladainha repetidamente anunciada dando conta da ignorância do nosso então presidente sobre o que estava acontecendo. É lícito especular como hoje o Brasil estaria numa situação diferente daquela em que se encontra se Lula tivesse exibido um mínimo de espírito de estadista e aproveitado seu enorme capital político, sua popularidade e o imenso carisma para, eleito pela primeira vez, repleto de credibilidade, enfrentar todo o ambiente de chantagem e imoralidades que revelou existir por aqui e que o levou a aceitar opção corruptora como único caminho.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

JOGO DO BICHO

Na cabeça

Há 70 anos, com os pracinhas brasileiros em terras europeias, a “cobra fumou”. E aqui, em 2015, queiram ou não, a “vaca tossiu”. Vai dar na cabeça!

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

“Não é só o peixe que morre pela boca, Lulla também.

Na dúvida, Mujica explica...”

A. FERNANDES / SÃO PAULO, SOBRE O LIVRO QUE CONFIRMA QUE O EX SABIA DO MENSALÃO

standyball@hotmail.com

*

“Mujica é o Zé do Caixão

do Lula, vai enterrá-lo”

HAROLDO NADER / VALINHOS, IDEM

nader.haroldo@gmail.com

*

“Talvez Lula alegue que Mujica estava com overdose de maconha... Ah, ah, ah!”

LUIZ FRID / SÃO PAULO, IDEM

luiz.frid@globomail.com

*

DIA DAS MÃES

A mãe é uma figura essencial na formação de cidadãos conscientes, um porto seguro, alguém com quem se pode ser completamente honesto, revelando anseios e medos. Mãe dá exemplo, pensa no melhor para os filhos. Defende-os inclusive quando lhes falta razão. A vigília começa no primeiro contato e não termina mesmo após o último suspiro de um dos dois. São aquelas que fazem chorando o que pedimos sorrindo. O amor de mãe não tem cor, raça, credo ou classe social. É homogêneo e não faz diferenciações. E não se esgota perante as adversidades. Nesta data, fica a homenagem às grandes heroínas do cotidiano.

Gabriel Bocorny Guidotti gabrielguidotti@yahoo.com.br

Porto Alegre

*

POEMA DE MÁRIO QUINTANA

"Mãe... São três letras apenas / As desse nome bendito. Também o céu tem três letras... / E nelas cabe o infinito."

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

O DIA DAS MÃES NA VISÃO DA HISTÓRIA

Hoje em dia, as mães se submetem a uma jornada dupla ou até tripla: trabalham fora e cuidam da alimentação e da educação de seus filhos. Mas amor de mãe é incondicional. Mesmo estando distantes, as mães se preocupam com seus filhos a todo momento. Ligam diversas vezes para casa para saber como está sua prole. Ficam doentes de preocupação quando os filhos adquirem alguma enfermidade ou quando voltam tarde para casa. Vida de mãe não é fácil. Afinal, como diria Barbara Kingsolver, "a força da maternidade é maior que as leis da natureza". Vamos conhecer um pouco mais sobre o surgimento desta data tão especial: o Dia das Mães. Anna Jarvis, uma norte-americana da Virgínia Ocidental, perdeu sua mãe em 1905 e entrou num estado de profunda depressão. Preocupadas, algumas amigas resolveram perpetuar a memória de sua progenitora organizando uma festa. Anna quis que a festa fosse estendida a todas as mães. A ideia era fortalecer os laços entre os membros das famílias e o respeito dos filhos por seus pais. No Estado da Virginia Ocidental, a primeira comemoração oficial só teria ocorrido em 26 de abril de 1910, quando Willian E. Glasscock, governador do Estado, incorporou a data ao calendário oficial. Nos Estados Unidos da América, as primeiras sugestões em favor da criação de um dia dedicado às mães foram realizadas em 1872 pela escritora Julia Ward Howe, autora do Hino de Batalha da República dos Estados Unidos. As comemorações em homenagem às mães, todavia, são mais antigas. Na entrada da primavera na Grécia antiga, havia uma festa dedicada a Reia, mãe dos deuses do Olimpo. Ela era esposa e irmã de Cronos e teria dado à luz Deméter, Hades, Hera, Héstia, Poseidon e Zeus. Era uma deusa associada à fertilidade. No século 17, a Inglaterra dedicou o quarto domingo da Quaresma às mães das operárias inglesas. Era o chamado "Mothering Day", quando as trabalhadoras inglesas podiam ficar em casa ao lado de suas progenitoras. Nesse dia, era comum que as operárias fizessem o "Mothering Cake", um bolo feito em homenagem às mães. Anna nunca quis que a data fosse usada para que os comerciantes e fabricantes tivessem lucros, mas, infelizmente, o desejo de Anna não se concretizou. No Brasil, por exemplo, o Dia das Mães é responsável por um enorme volume de vendas, só perdendo para o Natal. Em 1914, o presidente norte-americano Woodrow Wilson unificou a celebração do Dia das Mães em todos os Estados, estabelecendo que a data deveria ser comemorada no segundo domingo do mês de maio. Em pouco tempo, mais de 40 países aderiram à comemoração. Durante toda a vida, Anna Jarvis lutou para que as pessoas reconhecessem a importância das mães. Ela dizia frequentemente que as pessoas não reconheciam o amor que recebiam de suas progenitoras. Ironicamente, Anna nunca chegou a ser mãe. Morreu em 1948, aos 84 anos, e recebeu muito reconhecimento em vida pela criação da data. No Brasil, a primeira comemoração do Dia das Mães ocorreu em 12 de maio de 1918, organizada pela Associação Cristã de Moços. Em 1932, o presidente Getúlio Vargas oficializou a data no segundo domingo do mês de maio. Em 1947, a data foi incorporada ao calendário oficial da Igreja Católica. Neste 10 de maio vamos homenagear nossas mães, afinal, como dizia Sófocles, autor grego, "os filhos são para as mães as âncoras da sua vida".

Ricardo Barros Sayeg ricarbarros@uol.com.br

São Paulo

*

PRESENTE

Dilma Rousseff, sendo mãe, deveria fazer uma surpresa para nós, brasileiros: não fazer gravação de discurso na mídia, e, sim, ir ao vivo à TV e renunciar. Seria aplaudida e ovacionada no Brasil inteiro.

Lucila Esteve luliesteve@gmail.com

São Paulo

*

HOJE NÃO TEM PANELAÇO

Ainda bem que Dilma Rousseff resolveu não discursar no Dia das Mães nas rádios e na TV, até porque as panelas, frigideiras e caldeirões estarão todos ocupados no preparo das iguarias para o almoço de domingo. Com ironia, por favor!

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

POPULARIDADE EM BAIXA

O inferno astral da "presidenta" Dilma anda tão longo que até panelaço serve de propaganda para seu governo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PROTESTOS E PANELAÇOS

Será que a presidente Dilma ainda não se deu conta de que o seu desgoverno está sendo o responsável direto pela falência da civilidade?

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

FUGA

A presidente Dilma Rousseff está fugindo de todas as atividades públicas pertinentes a seu cargo, com receio das vaias. Acho estranho uma pessoa que não teve medo do regime militar ter medo do povo brasileiro.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

COMO PRISIONEIRA

Afinal, o que faz ainda na Presidência da República a sra. Dilma? Só está se escondendo, há meses. Não aparece em público. Não tem coragem de olhar na cara do cidadão. Perdeu o apoio. O PMDB é o governo de fato. Dilma evita discursar, como no caso do dia Primeiro de Maio, não aparece mais em eventos públicos com receio de manifestações contrárias, como quando decidiu não comparecer a evento no Monumento dos Pracinhas, no Rio de Janeiro, em memória ao fim da 2ª Guerra Mundial. Está aquartelada no Palácio do Planalto. É como se fosse prisioneira.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SEM SAÍDA

A presidente Dilma delegou poder especial ao vice, Michel Temer, para negociar em seu nome no Congresso Nacional, desistiu do pronunciamento em rede nacional no Dia do Trabalho, resolveu também não comparecer a uma solenidade comemorativa do fim da 2ª Guerra no Rio de Janeiro. Neste momento, está na mão de abutres governistas que lhe exigem cargos em troca de apoio. Provavelmente seja essa uma das formas mais esdrúxulas de abdicação de poder da qual se tem notícia.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

GOVERNO DILMA

Impeachment não é possível, renúncia não resolveria, fugir para a Europa resultaria em repatriações, pronunciamentos mentirosos ao povo brasileiro geram panelaços, votações a favor dos ajustes necessários ao País provocam queda abismal de popularidade. O que fazer, meu Deus? Sugiro que rasguem suas bandeiras vermelhas, reconheçam seus erros, confessem seus crimes, prendam e punam seus corruptores, tragam à luz todos os seus esquemas fraudulentos criados para enganar o povo (todos os brasileiros), devolvam o dinheiro roubado e passem a honrar a bandeira verde, amarela, azul e branca do Brasil.

Silvia Maria Pinheiro Rezende silviapr54@hotmail.com

São Paulo

*

DESNECESSÁRIO

Realmente, não há o menor cabimento em falar de impeachment da nossa presidente. Não há necessidade de perder tempo nem dinheiro com isso, pois ela não manda mais absolutamente nada!

Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com

São Paulo

*

CRIME DE RESPONSABILIDADE

Em depoimento à CPI da Petrobrás, o ex-diretor Paulo Roberto Costa afirmou que, dos R$ 60 bilhões de déficit da companhia, R$ 6 bilhões (10%) foram devidos a corrupção. O restante, R$ 54 bilhões (90%), foi causado pelo governo ao impedir o reajuste do preço dos combustíveis. Se isso realmente for verdade, configuraria crime de responsabilidade da presidente da República, o que poderia gerar a abertura de processo de impeachment. Se existia dúvida na oposição sobre tal procedimento, penso que a mesma foi dirimida com o depoimento.

Paulo de Tarso Abrão ptabrao@uol.com.br

São Paulo

*

LEI DA IRRESPONSABILIDADE FISCAL

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) está completando 15 anos, mas, na minha opinião, ela foi revogada pela Lei da Irresponsabilidade Fiscal, adotada pela presidente Dilma Rousseff durante o seu primeiro mandato. Dilma merece ou não merece o impeachment? Aproveito para cumprimentar todos os brasileiros que, como eu (sozinha, em meu apartamento em Americana/SP), desligaram a televisão durante o horário da propaganda eleitoral do PT e fizeram um maravilhoso panelaço.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

IMPEACHMENT

Segundo o professor Ives Gandra da Silva Martins, em artigo publicado pelo "Estadão" de 2/5, o ministro Celso de Mello interpretou o parágrafo 4.º do Art. 86 da Constituição federal concluindo que "não há irresponsabilidade penal do presidente da República". Tais considerações feitas pelo jurista decorrem do pedido de arquivamento de qualquer investigação sobre a presidente Dilma Rousseff, pelo ministro Teori Zavascki e a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no processo sobre o "assalto à Petrobras", em que a presidente já foi citada 11 vezes. O STJ decidiu que "imprudência, negligência, imperícia ou omissão que provoquem grave lesão ao patrimônio público constituem crime de improbidade administrativa", mesmo que o chefe do Executivo não se tenha beneficiado pessoalmente. A acusação pressupõe investigações preliminares. A manutenção de Graça Foster na presidência da empresa, após ser descoberto o crime, foi irregular. O impeachment pode ocorrer em decorrência dessa investigação. Há acusação, também, de a presidente Dilma ter feito campanha para o seu 2.º mandato com recursos da empresa. O articulista chama a atenção de Teori Zavascki e de Janot para a impossibilidade de arquivamento. Permanecerão, entretanto, as suspeitas de que Dilma sabia do assalto provocado nos porões da Petrobrás.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

POR QUÊ?

Se o renomado jurista e professor Ives Gandra Martins diz que há provas para o impeachment, então por que estão demorando tanto para resolver entrar com o pedido? Alguém poderia explicar ao povo que paga os maiores impostos do mundo?

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

DESMEMÓRIA

A insistência do PSDB café com leite em conclamar a classe média a panelaços ou ao impeachment da presidente reflete a desmemória das elites. Foram elas que receberam fartas bolsas Miami até anteontem, muito mais fartas que as Bolsas Família - ambas discutíveis. Um Aécio Neves destemperado demonstra seu despreparo para a função de um presidente, se fosse eleito. Aliás, se eleito fosse, teria de enfrentar os mesmos pulhas que chantageiam Dilma. As manifestações de rua e do "púlpito" devem voltar-se contra as facções que controlam o Congresso, tendo à frente políticos de estatura infame, como Eduardo Cunha e Renan Calheiros. Como dar um basta à falta de ética política nas casas do Congresso? Até um parlamentar do PSDB cumprimentava Calheiros, ainda outro dia, em sessão no Senado, por sua "atuação histórica" - que de histórica só tem seus desmandos e conchavos.

Luiz Antonio de Castro Santos lacs@compuland.com.br

Petrópolis (RJ)

*

CONTRADITÓRIA

Dilma, uma viagem ao contraditório.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

TUDO É GOLPE

Qualquer movimento, seja manifestação nas ruas, seja na educação dos estudantes carentes sem financiamento, dos metalúrgicos em férias coletivas, dos panelaços... tudo é golpe! É claro que Dilma foi eleita em pleito democrático, com políticas demagógicas e mentiras, como o Bolsa Família, o cartão eletrodoméstico, com a saúde (cheia de médicos cubanos) e as "filas", com a dengue em dimensões desproporcionais, com a educação ceifada de investimentos, que, por sinal, poderia até ser referência, não fossem os desvios de 10% nos contratos da Petrobrás ao partido - negados por Rui Falcão, Lula e por ela, que defendem que o dinheiro era lícito. Durante quase 20 anos, imaginem como poderíamos estar com o avanço na educação? Mas isso não é importante para eles, pois, com pessoas que sabem o 1 e o 3 (ou seja, o 13) para votar neles em troca de bolsas, promessas e ilusões, é o que basta. O povo está esgotado, pois não quer ser dilapidado, ele quer mesmo é ser digno, com empregos, com educação, com segurança e com saúde. E já está na hora de nos livrarmos de tudo isso com a volta da eleição com cédulas de papel, esta que nos países de Primeiro Mundo são mais seguras.

Nelson Scatena nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

*

COLA, DESCOLA E ENROLA

Dilma Rousseff tenta se descolar do PT; Lula tenta se descolar de Dilma (criador renegando a criatura); já o PT, por sua vez, quer se descolar do governo. O PT já havia se descolado dos trabalhadores há muito tempo, vide o que aconteceu na quarta-feira na votação na Câmara dos Deputados. Quem não votou contra simplesmente sumiu; faltaram caráter e hombridade para assumir uma posição. Conclusão: ninguém assume os erros e todos só pensam em sobreviver politicamente. Haja Araldi e solvente para tanto cola/descola. O problema maior é que, para qualquer adesivo ser eficaz, é necessário que as superfície estejam limpas. No caso do PT, jamais vai funciona mesmo.

Claudio Juchem

São Paulo

*

RENÚNCIA

Inquilina do Palácio do Planalto, pense na sua saúde física e psíquica e renuncie já. Faltam mais de três anos para encerrar o seu governo e esteja certa de que nenhum organismo humano aguenta duas ou três críticas e desconfiança do povo publicadas pela mídia todos os dias. Tenha bom senso e coragem. Decida-se: renuncie já.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com

Itapetininga

*

RECALL

Na sexta-feira o "Estadão" publicou anúncio de fabricante de carrinhos de bebê convocando para recall. Se existe recall até para carrinho de bebê, por que não para presidente da República que está fora dos padrões de qualidade?

Eduardo Domingues domingueseduardo2012@gmail.com

São Paulo

*

VALORES DESTRUÍDOS

Sempre vejo comentários sobre o governo do sr. Luiz Inácio relembrando o sucesso no resgate de parcela da população brasileira da pobreza extrema. Sem alongar sobre esse tema, quero apenas contrapor que precisamos indicar também que o sr. Luiz Inácio terá sido o pior presidente que este país já teve (a história irá julgar), pois perdeu a oportunidade de consolidar (ou pelo menos tentar) o desenvolvimento sustentável deste país durante um período de crescimento mundial com intensidade e duração que eu, em meus 50 e poucos anos de vida, ainda não tinha visto. E, pior ainda, desvalorizou drasticamente a conquista do sucesso pelo esforço e trabalho árduo de cada um. Recordem os maiores exemplos que ele citava, além dele próprio. Sempre exaltou a possibilidade de chegar lá sem estudos e sem esforço. O aprendizado que as "elites" têm de que cada um precisa estudar, trabalhar e conquistar o seu sucesso não serve para ele e seus amigos, e, obviamente, não serve para o Brasil. E aí está o efeito mais pernicioso que existe. Os maiores valores morais de uma nação foram destruídos.

William Pinto wppto@uol.com.br

Sao Paulo

*

APOSTAS

Lembram-se? Lula e o PT foram contra o Plano Real (fundamental no combate à inflação e ao equilíbrio econômico), a Lei de Responsabilidade Fiscal (contenção das irresponsáveis gastanças dos prefeitos e governadores), os programas de transferência de rendas (Bolsa Escola, Bolsa Alimentação e Auxílio-Gás), as privatizações (maior produtividade e ganho sob a forma de impostos) e, agora, contra a terceirização da mão de obra (maior segurança ao trabalhador). Lula e o PT estão alinhados e financiando ditadores via BNDES com empréstimos subsidiados; protetores do impune exército paramilitar em suas incursões invasoras/destruidoras; são os pais do Foro de São Paulo (maior inimigo da democracia); defensores incondicionais dos mensaleiros e sob suspeição de maiores beneficiados do petrolão. Lula e o PT foram contra as transferências de rendas que, sob maquiagem, foram unificadas na Bolsa Família, carro-chefe para a reeleição de Lula e de Dilma, além de privatizar rodovias e aeroportos por absoluta falta de recursos para investir, embora a carga tributária beire a 40% do PIB. Enquanto o apoio aos ditadores deturpou a até então respeitada diplomacia brasileira e ignorou as nossas carências básicas e, no campo, mesmo com invasões e as destruições/insegurança, o setor agropecuário é destaque na produção/exportação. Em resumo: Lula e o PT perderam as apostas, mas foram os maiores beneficiados em tudo o que criticaram e suas interferências e inovações são altamente prejudiciais à diplomacia, à economia e à democracia.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

XADREZ

O cenário político brasileiro está mais complicado que um jogo de xadrez para quem não conhece este jogo. O movimento das peças é matreiramente para dar o xeque-mate no adversário, ou seja, capturar o rei adversário ou fazer o adversário desistir, o que certifica a vitória de seu oponente - com raras exceções declaram-se o jogo empatado. Imaginemos Brasília como um enorme tabuleiro estendido no Planalto Central do País, Dilma joga primeiro, portanto, com as pedras brancas, legitimada pelos eleitores; hoje pedem sua captura. Ora o jogador oponente, das pedras pretas, é o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, por vezes passa o jogo para Renan Calheiros, presidente do Senado, e por trás dos bastidores está sempre Lula como uma dama de companhia do rei - quem manda é a dama... O nível de complicações desse jogo dos poderes em Brasília chegou a tal ponto que Dilma não mais mexe as pedras, delegou ao seu vice, Michel Temer, essa função, além da tutela exercida por Lula; se bem que um tutor desses até eu dispensaria, traiçoeiro quando lhe põe um microfone nas mãos... Por vezes os peões do mesmo oponente se rebelam e racham seus partidos. Imaginem isso num universo de mais de 30 partidos dessa República Federativa do Brasil; vira uma verdadeira esbórnia. Os cidadãos, desde os que votaram em Dilma e obviamente aqueles que não votaram, querem sua saída do governo e a extinção, execração, aniquilamento do Partido dos Trabalhadores, que na realidade nada mais tem de conceito de trabalhador, e, sim de magnatas de colarinhos brancos, ricos investidores em latifúndios, imóveis a fazer inveja aos sheiks do petróleo, além de encherem os cofres em dólares e ouro nos bancos suíços e dos paraísos fiscais. Lula disse recentemente, aliás, ao fundo barulhento de um panelaço, que Dilma é uma mãezona. Na realidade, mãezona (deles, do PT) são a Petrobrás, o BNDES, os Correios, a CEF e o Banco do Brasil. Os brasileiros estão em xeque-mate, pois já não aguentam mais andar em tantas passeatas, carreatas, cavalgadas e se especializaram em fazer das panelas seu meio de comunicação e de protesto. E Dilma blefa no jogo: sorri e diz que está tudo bem e que isso é democracia, que ela ajudou a criar no País. E o PT vai à televisão e diz tantas inverdades que seus componentes imaginam, a começar pelo presidente de honra, Luiz Inácio Lula da Silva, que a população brasileira é formada por homens imbecis, para não dizer debiloides. Até quando?

Gilson Marcio Machado gilsonmmachado@yahoo.com.br

São Paulo

*

O TOMA LÁ DÁ CÁ DO GOVERNO

O que se viu no Congresso Nacional na noite de quarta-feira define claramente o que se pode esperar de políticos que usam o mandato dado pelo povo como moeda de troca para obter vantagens pessoais. A poucas horas do início dos trabalhos, contava-se como certa a derrota do governo em duas medidas provisórias (a do ajuste fiscal e a da regulamentação do trabalho de empregados domésticos). Aí entraram em campo Dilma Rousseff, Michel Temer e articuladores políticos com a única argumentação que têm: o fisiologismo. Tiveram uma "vitória de Pirro". Parodiando o escritor português Albino Forjaz de Sampaio, "os políticos são como engrenagens emperradas que ameaçam quebrar a cada instante. O fisiologismo é o óleo que as mantém em movimento". Enquanto isso, somos tripulantes de um barco à deriva em que o comandante recolheu-se acovardado na cabine, o timoneiro sumiu e a bússola está quebrada. A Câmara dos Deputados mostrou a marca da "Pátria Educadora", que é a marca do PT. Fisiologismo, "toma lá dá cá", loteamento de cargos e aparelhamento do Estado. Nos últimos dias têm surgido luzes no fim do túnel, e não é o trem-bala de Dilma. Há um cisma no Congresso que abala o Planalto. A grande expectativa no momento político brasileiro está assentada na pergunta: Dilma terá combustível para chegar ao fim de 2018? Viva e verá.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PARA QUE FACILITAR?

Absolutamente nada contra os direitos das domésticas. Na última semana, num programa veiculado pela TV, houve uma enxurrada de questionamentos e dúvidas sobre várias questões sobre esta nova lei. É ponto pacífico que, se o governo pode dificultar mais a vida dos cidadãos, é evidente que nunca irá facilitar. Por que complicam tanto essa questão? Especialistas da área poderiam colaborar para tornar as coisas mais fáceis para o recolhimento dos impostos devidos pelos que contratam. Mas...

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

O AJUSTE E O DESAJUSTE BRASILEIRO

Agora o todo-poderoso ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é que anuncia o aumento dos juros e também os que mais lucram com ele, como os banqueiros. Competem entre si os quatro maiores bancos do País, que faturaram em 2014 R$ 55,8 bilhões líquidos. Enquanto isso nossa indústria encolheu 5,9%, e encolheram junto a construção civil e as montadoras de veículos, com 15%. A pior decisão da nossa péssima gerente-presidente foi o corte de 5,8 milhões de famílias do programa Tarifa Social de Baixa Renda nas contas de luz, e a conta agora é tarifa normal, sem descontos, mas com acréscimo de 70%. Moral da história: os poucos ricos ficarão mais ricos e os milhões de pobres ficarão mais pobres e inadimplentes. Este é o Brasil hoje, e a roubalheira continua. Só recuperamos um pouco do dinheiro da Petrobrás, por meio de Pedro Barusco. Os outros se negam a devolver os recursos desviados. Vamos pagar o ajuste e o desajuste com a fome e a miséria do povo brasileiro. Vergonha nacional.

Jose Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com

Curitiba

*

'NO REINO DA INCOERÊNCIA'

Queiram me desculpar, mas as medidas propostas pelo governo, no caso do ajuste fiscal, não significam a admissão tácita de graves erros que esse mesmo governo cometeu em mandato anterior. Na minha opinião, o PSDB está agindo corretamente, enquanto o PMDB insistir em "salvar" o PT.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O BELO RELATÓRIO DA PETROBRÁS

No caderno de Economia dos principais jornais do País, recebemos na sexta-feira, como brinde, o Relatório da Administração e Demonstrações Contábeis Auditadas da Petrobrás. São 32 páginas com o logo indicativo: "Governo federal - Brasil, Pátria Educadora". Logo na segunda página, parei para ler o desempenho das ações. Muito blá blá blá para justificar a queda das ações nos mercados - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&F e Bovespa), além da Bolsa de Nova York (Nyse). Que "bunitinho": nada que ver com a malversação de recursos, a ingerência e incompetência administrativas e, para não dizer da lambança, gatunagem e espoliação daquela que foi das maiores companhias do mundo. Devemos ficar gratos, felizes e tranquilos?

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

ORGULHO DE QUÊ?

O companheiríssimo Lula vangloria-se de ter acabado com a pobreza e de ter proporcionado muita riqueza à elite. Os ex-pobres e a elite agradecem, mas queriam que Lula tivesse acabado com a maracutaia no governo e proporcionado honestidade e ética ao PT.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

NAS BARRAS DA JUSTIÇA

Ex-presidente e candidato às próximas eleições é oficialmente indiciado por corrupção e tráfico de influência... Na França, por enquanto.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

O QUE DESTÓI MAIS?

Fazendo uma análise minuciosa e fria sobre as notícias que circularam insistentemente nos últimos 30 dias em todos os veículos de comunicação, duas me chamaram mais a atenção pela repercussão que tiveram no Brasil e no mundo. A primeira foi a catástrofe da Petrobrás e a segunda foi a catástrofe do Nepal. O Nepal, um país pobre, mas de gente honesta, situado na região montanhosa da Ásia entre a China e a Índia, foi vítima de um terremoto que deixou ao seu povo um prejuízo material calculado em mais de US$ 6 bilhões e pelo menos 7 mil mortos. O Brasil, um país rico, mas de gente desonesta e governado por bandidos, situado na América do Sul entre a corrupta Argentina e a não menos corrupta Venezuela, há 13 anos, é vítima de um fenômeno artificial chamado corrupção, que faz tremer os cofres públicos e já deixou ao seu povo prejuízo de US$ 30 bilhões, só em uma empresa, e mais de 60 mil mortos no País por falta de saúde e de segurança públicas. A nossa Petrobrás, que figurava entre as 30 maiores empresas do mundo, segundo o ranking da "Forbes" (revista americana de negócios e economia), hoje não passa da 416.ª. Uma vergonhosa posição. Voltando: os tremores brasileiros são detectados por todo o País, com maior ou menor intensidade, e têm como epicentro os cofres públicos. A intensidade do tremor é proporcional ao volume de dinheiro arrecadado através dos impostos gerados pelo trabalho honesto da sociedade produtiva. Mas, para que não restem dúvidas, saibam que o maior sismo registrado até o momento, atenção, até o momento, em nosso território e em todos os tempos, ocorreu no subsolo da Petrobrás, a 10 metros de profundidade. Porém estudos ainda não geologicamente comprovados dão conta de que um sismo de proporções gigantescas deverá ocorrer muito em breve numa região conhecida por BNDES. Esse alerta está sendo dado com certa antecedência, e corrobora com a tese levantada ultimamente por cientistas sobre a aguçada sensibilidade de animas para prever com grande antecedência fenômenos dessa natureza. No Brasil, o fenômeno está sendo confirmado pelas ratazanas que, assustadas, estão fugindo do governo e do partido governista sem nem olhar para trás.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

PAÍS DESACREDITADO

Se dona Dilma tivesse sido eleita pela legalidade, representaria 38,2% dos eleitores brasileiros, dentre os quais 35 milhões são beneficiários de programas sociais "bolsa família ou voto" e deveriam estar impedidos de votar, por caracterizar "estelionato eleitoral". Pela sua popularidade atual, nem seria reeleita. Estamos chegando ao fundo do poço em criminalidade - um brasileiro é assassinado a cada 10 minutos -, além dos inúmeros crimes contra o erário e o patrimônio público que afloram e crescem junto de nossos governantes, políticos, até servidores públicos e bandidos urbanos, o que é por demais lamentável. Será que estamos precisando de uma revolução civil para pormos fim à destruição do País, desacreditado, desmoralizado e desgovernado?

Fernando Silva lfd.dasilva@2me.com.br

São Paulo

*

A SABATINA DE FACHIN

Mais uma "sabatina", com aprovação garantida programada pelo presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), senador José Maranhão PMDB-PB, vai acontecer no dia 12 de maio. Mais um indicado pelo grupo de Lula e Dilma Rousseff, Luiz Edson Fachin, vai ser "sabatinado" pelos senadores, que sempre, em qualquer época, foram capachos dos presidentes da República. Confesso que jamais vi um nome indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF) receber o carimbo de reprovado pela CCJ. Certamente, os senadores vão deixar no esquecimento o dia em que Fachin colocou seu nome num abaixo-assinado em prol do Movimento dos Sem Terra (MST), que legalizava a invasão de terras, e também no manifesto em defesa de Lula de opinar sobre as eleições. "Sabatina" é só mais um detalhe para o Senado Federal.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

A ESCOLHA DO NOVO MINISTRO DO STF

O senador Álvaro Dias que apoie quem bem entender e assuma a responsabilidade decorrente do aparelhamento lulopartidário, mas deve explicar aos eleitores que BO*#@%&*TA de oposição é esta, que joga os votos recebidos - mais de 40 milhões! - no lixo, enquanto tece loas e oferece flores - novesfora o resto! - a lulopetistas emessetistas bolivarianos togados e juramentados.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PEC DA BENGALA

Muito mais importante que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Bengala (que, a despeito de aumentar a "vida útil" de uma série de servidores públicos "especiais", obviamente tem o viés oportunista dos adversários da senhora presidente de impedir que ela nomeie, até o final do seu ainda iniciante mandato, tantos ministros para o STF a que teria direito), é mudar o critério constitucional de escolha dos juízes da Corte Suprema e tirar de quem ocupa a cadeira presidencial a exclusividade de tão nobre ofício. Porque, se aos senhores congressistas a PEC da Bengala serviria para eliminar eventuais indicações inconvenientes da atual presidente, por outro lado, estenderia a permanência de conjecturados integrantes inoportunos já lá togados.

Luiz França Guimarães Ferreira luizfgf.adv@gmail.com

São Paulo

*

DIREITOS HUMANOS NA ALESP

Cumprimento São Paulo pela eleição do coronel Telhada como membro da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Como comandante da Rota, o íntegro militar teve a oportunidade de demonstrar a sua real capacidade e aptidão para ocupar este tão importante cargo. Focando seu trabalho nas relações sociais e humanísticas inerentes ao real exercício dos direitos humanos, a colaboração do nobre deputado, com certeza, contribuirá para a melhoria da segurança pública e o apaziguamento das conturbadas relações entre nossos policiais com o crescente quadro de delinquentes, aliando o pulso firme, necessário à repressão, ao bom senso na tomada de iniciativas das Polícias Civil e Militar de São Paulo.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.