Fórum dos Leitores

PODER JUDICIÁRIO

O Estado de S. Paulo

14 Maio 2015 | 03h16

É brincadeira!

Vi, atônito, o despacho de um juiz libertando presos que falsificaram produtos químicos no interior de São Paulo. Segundo o magistrado, “se o STF colocou na rua, membros de uma organização criminosa que causaram prejuízo de bilhões à Petrobrás e ao País, por que manter na cadeia bandidos que causaram prejuízos muito menores à sociedade?”. Seria cômico se não fosse trágico. É evidente que um erro não justifica outro. Se a moda pega, logo estaremos com os nossos presídios vazios, já que a grande maioria dos criminosos, certamente, causou prejuízos muitos menores à Nação brasileira. Este não é um país de brincadeirinha? E o Fachin está chegando para engrossar o nosso Judiciário chapa branca.

ELIAS SKAF

eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

Indicação para o Supremo

Pelo andar da carruagem, o advogado Luiz Edson Fachin vai mesmo ser o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Vejo – como qualquer brasileiro pensante e atento às atitudes deste governo – a continuidade do aparelhamento da Justiça brasileira pelo PT. Já não chega o “tapa na cara” que o povo brasileiro levou com a nomeação de um advogado do PT, reprovado em concurso para juiz e assessor direto de um réu do mensalão, que não teve nenhum escrúpulo em participar do julgamento da Ação Penal 470? Dona Dilma Rousseff repete a dose ao indicar alguém que participou de sua campanha eleitoral. Teria isenção quem, como magistrado, participa de campanhas políticas? Tendo participado da campanha da atual presidente da República, ele se declarará impedido se, após as declarações do doleiro Alberto Youssef, dona Dilma e o “não sabia” vierem a ser incluídos no bojo do petrolão? Além disso, pesam outras suspeitas de condutas que ferem o decoro dos cargos que Fachin exerceu. Pode ser considerado de ilibada reputação quem, em benefício próprio, desrespeitou a Constituição do Estado do Paraná? Pois é, com muita tristeza sentimos a desfaçatez caminhar a passos largos para desmoralizar a nossa cidadania.

ANTONIO C. GOMES DA SILVA

acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

*

Prova de isenção

Faço uma proposta ao sr. Luiz Edson Fachin: se aprovado no Senado para ocupar a 11.ª vaga no STF, que desde já se declare impedido de julgar os casos do petrolão e questões agrárias envolvendo o MST. Topa?

ARTHUR BIAGIONI JUNIOR

biagioni.jr@gmail.com

Campinas

*

Dois aspectos relevantes

Se efetivada, a aprovação pelo Senado do nome de Luiz Edson Fachin – indicado pelo Planalto para substituir Joaquim Barbosa – exporá dois aspectos que não podem deixar de ser considerados. O primeiro é a concordância do Parlamento em relação ao plano de aparelhar o Judiciário no sentido de apressar a construção do projeto de poder explicitado pelo PT, reforçando, ao mesmo tempo, sua opção ideológica, em face do passado do candidato, ligado à organização ilegal MST, com nome vetado por Lula, quando presidente, por considerá-lo esquerdista demais. O outro é o desgaste da oposição representada pelo PSDB, pelo fato de seus principais caciques se terem surpreendentemente manifestado favoráveis à indicação.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

Sabatina

A Fachin, na deprimente sabatina em que se comportou como carola recém-saído do confessionário, faltou a pergunta que todo brasileiro que não tem cabeça só para separar as orelhas gostaria de fazer: por que tanto empenho, tanta sofreguidão da presidenta para colocá-lo lá?

HOMERO VIANNA JR.

homeroviannajr@hotmail.com

Niterói (RJ)

*

PESSOA DO ANO

Congratulações negadas

Conforme Sonia Racy (12/5), Dilma quebrou uma tradição de 47 anos e pela primeira vez um presidente brasileiro não manda mensagem de congratulações ao vencedor do prêmio Pessoa do Ano, concedido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. A premiação é dada sempre a um brasileiro e um americano que se tenham destacado na aproximação entre os dois países. Este ano os homenageados foram Fernando Henrique Cardoso e Bill Clinton. Dilma queria que o homenageado fosse quem: Lula, José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Henrique Pizzolato ou qualquer outro condenado no mensalão?

CLÁUDIO MOSCHELLA

arquiteto@claudiomoschella.net 

São Paulo

*

LULOPETISMO

Herança bendita?!

Pacientes são atendidos no chão por falta de macas e leitos em hospitais do Nordeste. Uma desumanidade. Professores em greve em vários Estados, solicitando melhoria de salários e de condições para o desempenho de sua nobre missão. Montadoras de veículos dispensando funcionários e fechando unidades, por queda nas vendas. A fila de candidatos a emprego é assustadora, com pessoas aflitas e ansiosas lutando freneticamente por uma vaga. Em 12 anos de poder, é o que nos foi legado pelo governo de plantão. E ainda querem que qualifiquemos isso de herança bendita... O que apontamos acima já é perverso, mas incomparável diante dos roubos bilionários perpetuados contra a Petrobrás, o BNDES, etc., etc.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

CÂMARA MUNICIPAL

Pele de animais

A Lei 537/2013 recém-aprovada pela Câmara Municipal paulistana, que proíbe o foie gras em restaurantes e a comercialização de pele animal no vestuário, em São Paulo, tem o meu apoio quanto ao primeiro produto. Mas acho que vamos ter problemas com o que se refere o segundo item. Que será feito com o couro dos animais abatidos para consumo de carne? Será jogado fora? Entendo que os nossos ilustres vereadores deveriam tomar mais cuidado e analisar mais detidamente o que aprovam. Se formos seguir a lei à risca, malas, sapatos, cintos, etc., só fora da nossa cidade!

FERNANDO FAY

fernando@fay.com.br

São Paulo

*

ELETROPAULO

‘Equívoco’ na conta de luz

Consumidor de energia da AES Eletropaulo, veja na sua conta com vencimento em maio de 2015 o índice da bandeira vigente vermelha que é cobrado, R$ 0,25586/KWh, quando a Aneel indica o valor de R$ 0,055/KWh. Esse “equívoco” é grande e atinge todas as contas de energia de maio. E a ouvidoria da Eletropaulo não atende... Reclame!

EDGARD SALEMI

salemiarquitetura@uol.com.br

São Paulo

*

“Como bom petista, o dr. Fachin negou tudo o que fez e faz. Falou só o que a plateia precisava ouvir. Sabatina fajuta”

MIGUEL PELLICCIARI / JUNDIAÍ, SOBRE O CANDIDATO A SUBSTITUTO DO MINISTRO JOAQUIM BARBOSA NO STF 

emepe01@uol.com.br

*

“Trocar Joaquim Barbosa por esse outro é injusto com o Brasil. Esperem e verão. Está 6 x 5 para o PT”

PAULO ROBERTO / PRAIA GRANDE / IDEM

prfarat@gmail.com

_____________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OPERAÇÃO LAVA JATO

Absolutamente delirantes as declarações de Lula sobre o depoimento do doleiro Alberto Youssef – dizendo que o Planalto sabia do que se passava na Petrobrás. Atribuir aos pacatos aprendizes da oposição o script de Youssef diante da CPI é um excesso de criatividade mentirosa. A tática se repete eternamente: abandonar o fato e desqualificar o adversário. O fato é que o PT assassinou a Petrobrás e Lula não fez nada, ou talvez tenha feito tudo.

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br 

São Paulo

*

DE VOLTA AO PASSADO

Por que Lula da Silva não reassume a sua vocação de sindicalista e se candidata a presidente da CUT? É o único lugar onde ele pode falar bobagens e é aplaudido. 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com 

São Paulo

*

FALÊNCIA DO ESTADO

O ex-deputado Pedro Corrêa, condenado pelo mensalão e preso na Lava Jato, em depoimento na CPI da Petrobrás, disse que “só não prenderam Lula porque ninguém tem coragem”. Gostaríamos de saber (todos os brasileiros de bem) quem poderia e não tem coragem de colocá-lo na cadeia? Isso nos remete ao tempo de Pablo Escobar Gavíria, o maior traficante de drogas da Colômbia – e do mundo – dos anos 80, que atemorizava aquele pobre país na época. Pois é, vejam aonde chegamos, o Brasil pior (ou igual) à Colômbia daqueles terríveis tempos. Porque tráfico de drogas, corrupção endêmica, roubos e conluio de quadrilha de malfeitores andam de mãos dadas e degeneram o sistema representativo, levando à decadência, de forma inexorável, para a decomposição social e a falência total do Estado.

José Eduardo Victor je.victor@estadao.com.br 

Jaú

*

PAÍS REFÉM

Lula afirma que o Brasil se tornou “refém de criminoso”. Ele tem total razão, mesmo tendo o seu mandato expirado há mais de quatro anos.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br 

São Paulo

*

ESCÁRNIO

Foi o que fez Nelma Kodama na CPI da Petrobrás, ao declarar-se amante de Alberto Youssef cantando “Amada Amante” e dizer que não levava 200 mil euros na calcinha, e, sim, nos bolsos traseiros da calça (e, fazendo troça, mostrou o traseiro, indicando os bolsos). Dá para acreditar que uma pessoa que pretende embarcar para o exterior circule pelo aeroporto com os bolsos traseiros recheados de euros? Suas atitudes e suas fotos demonstram que ela pouco está ligando para o que está acontecendo. Seu procedimento é de quem acredita na impunidade, o que se espera que não ocorra. 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

VERGONHOSA REALIDADE

“Brasil é movido a corrupção.” Quando foi que nos tornamos um povo tão corrupto? Será que foi a partir de janeiro de 2003? Atualmente, está descarado, nem ministro tem mais vergonha de afirmar que somente os parlamentares que votarem a favor do governo receberão cargos. E isso não é uma forma de corrupção explícita? Mas ninguém questiona, pois a doleira Nelma Kodama apenas teve a coragem de dizer o que todo brasileiro esclarecido tem vergonha de admitir: tornamo-nos o povo mais corrupto do planeta Terra. O Executivo tornou o Legislativo e o Judiciário balcões de barganhas, e o esquema é institucionalizado em todos os níveis: federal, estadual e municipal. Que vergonha! 

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 

São Vicente 

*

NOVO BRASIL

 

Cumprimento a Operação Lava Jato, que, por meio do juiz Sérgio Moro, com um trabalho intenso e independente, está conseguindo uma parte do dinheiro desviado da Petrobrás de volta, o que é pouco, pois nesse dinheiro jamais se deveria ser tocado, mas ele o foi, com o apoio dos governos do PT pelas nomeações da dita “coligação” – e acabou nisso. Mas essa operação deveria ser mais ampla: por que não investigar todo o dinheiro usado pelo sr. Lula no “mensalão” ou os 10% de desvios durante quase 20 anos ao PT, nos quais também se envolveram os senhores Rui Falcão e João Vaccari Neto, que continuam mentindo dizendo que o dinheiro das doações de campanha era lícito? Assim como Dilma Rousseff na compra da Refinaria de Pasadena com valores superfaturados, que ela diz ter sido baseada num relatório falso. Mas como, sra. presidente, nós vamos acreditar nisso tudo? Se na era Kubitscheck, em cinco anos, o Brasil avançou 50 anos? Que vexame ver os governos Lula e Dilma atrasarem o País em quase 20 anos, com um PIB negativo consecutivo, dado à incompetência governamental, sem investimentos e, agora, com o governo querendo tirar dos trabalhadores seus benefícios para cobrir os rombos que eles provocaram. Em qualquer país de Primeiro Mundo, com certeza, eles estariam sob investigação. Mas aqui, num país pobre de educação e cultura, como poderíamos fazer isso? A resposta está nas urnas!

 

Nelson Scatena nelson.scatena@hotmail.com 

São José dos Campos

*

OS ROYALTIES E OS SERVIÇOS ESSENCIAIS

 

Curioso é vermos como governadores e prefeitos vêm reclamando da queda na transferência dos chamados royalties do petróleo. Segundo alguns mandatários, tais cortes “vêm atrapalhando seus orçamentos” e eles teriam de “fazer cortes em serviços e outros”. Ocorre que nenhum Estado ou município pode considerar como verba permanente os citados royalties. São valores normalmente variáveis, que nunca existiram e até podem deixar de existir. Esses valores não podem ser regulares na manutenção de serviços essenciais, como os de saúde nos municípios, nem para a manutenção da folha de pagamento pelo menos dos servidores estatutários. Verbas de royalties devem ser usadas em casos em que os gastos não sejam regulares e anuais, como na construção de prédios, na reforma destes, pavimentações, etc. Absurdo é alegar que a queda nos royalties possa, por exemplo, prejudicar o atendimento médico ou a remuneração dos servidores e até a merenda escolar.

 

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br 

Araruama (RJ)

 

*

HOMENAGEM EM NOVA YORK

FHC é homenageado em Nova York, juntamente com seu amigo e ex-presidente americano Bill Clinton, com o prêmio “Pessoa do Ano”, concedido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos de Nova York, por colaborarem com as relações entre Brasil e Estados Unidos. Enquanto isso, Lula não pode frequentar locais públicos, pois corre o risco de ser vaiado e de ganhar um bom panelaço. Pois é, nada como um dia após o outro. Assim a história vai sendo escrita e, no futuro, os brasileiros saberão quem governou para o povo e quem deixou uma herança maldita.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br  

Americana

*

PRÊMIO ‘PESSOA DO ANO’

Congratulações ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que recebeu em Nova York o Prêmio “Pessoa do Ano”. Agradecemos ao estadista FHC, por mais esta alegria que dá ao povo brasileiro, já tão cansado e constrangido com os desmandos de nossos governistas, com a maioria dos malfadados políticos que pouco nos representam e com os rumos para decadência de nosso país.

Leila E. Leitão 

São Paulo 

*

PRESIDENTES DA REPÚBLICA

Enquanto um recebe prêmios, outros podem receber intimação judicial, voz de prisão, ordem de despejo...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

LANTERNA DE PROA

Como nunca antes na história deste país um ex-presidente da República foi homenageado com jantar contando com 1.200 pessoas, FHC falou bem no evento e disse o que pensa a milhões de brasileiros sobre o País dever ser dirigido com uma lanterna na proa, e não na popa, figura de linguagem que ressalta um navio que precisa ser bem dirigido, sob pena de naufragar. Sem dúvida que o lulopetismo desmontou todas as coisas boas deixadas como herança bendita por FHC, para mergulhar num populismo inconsequente e que estagnou uma faixa enorme da população deste país, acomodando-a com o auxílio do Bolsa Família, instituto em que o beneficiado entra, e não tem data para sair. A homenagem a FHC foi merecida e deve servir de alerta, porque ela é a resposta aos panelaços ocorrentes na Nação.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br  

Rio Claro

*

CLINTON SOBRE FHC

“Ninguém serviu o Brasil melhor ou de maneira mais leal do que ele.” Aí chegaram os petralhas e... A história irá nos dizer!

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 

São Paulo

*

INFERNO ASTRAL

Lula segue em seu inferno astral. Barack Obama, em momento de precipitação, declarou que Lula era “o cara”. Agora, quem recebe prêmio nos EUA, ao lado de ninguém menos que Bill Clinton, foi Fernando Henrique Cardoso. Lula deve estar com azia...

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 

São Paulo 

*

CRÍTICAS DE LULA A DILMA

Lula percebeu que, antes tarde do que nunca, tem de se dissociar de Dilma. Já começou. A tarefa é difícil. Acho que Dilma poderia retribuir, com o abraço do afogado. Afundem juntos.

Ulysses Fernandes Nunes Jr. Ulyssesfn@terra.com.br  

São Paulo

*

O MARQUETEIRO SUMIU

Penso que na terça-feira Dilma Rousseff perdeu o texto escrito por seu “ministro de marketing”. Resultado: só gafes na inauguração de condomínios do Minha Casa Minha Vida no Rio de Janeiro. Chamou o ministro interino dos Esportes, Ricardo Leyser, de “Glayser”, disse que ele era ministro dos Transportes, mas ele é dos Esportes. Também, com tantos ministérios, realmente é possível se atrapalhar. De sobra, ainda chamou o condomínio Vivenda das Gaivotas de “Recanto” das Gaivotas, depois de “Jardim” das Gaivotas e disse, ainda, que pessoas deixariam de pagar aluguel de R$ 300 a R$ 400 mil. Socorro, chame o meu marqueteiro!

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

ATRASO

O excelente texto de Gastão Reis (“Repúblicos, frei Vicente e Adam Smith”, 13/5, A2) torna evidente “as veias abertas” do atraso econômico e social no Brasil de hoje. Brilhante!

 

Zenaide Farnese de Assis zenaide.farnese@brturbo.com.br 

Brasília

*

A EMBRAER DE MUDANÇA

A Embraer vai deixar de produzir seus modelos “Phenom” em São José dos Campos (SP) e passará a produzi-los nos Estados Unidos, em Melbourne (FLA). Essa notícia foi anunciada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e teria sido confirmada pela Embraer. O que não consta que tenha sido dito é por qual ou quais razões a empresa teria adotado tal decisão. Provavelmente, é por ser muito mais barato e eficiente produzir nos Estados Unidos do que no Brasil. Com certeza os norte-americanos não têm culpa alguma por nossas deficiências, limitações e incompetências. Talvez isso devesse ter sido esclarecido pelos anunciadores do fato, se não lhes faltassem coragem e hombridade para fazê-lo.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 

Campinas

*

A BALELA DA ‘PÁTRIA EDUCADORA’

Se a presidente Dilma recentemente humilhou estudantes que pretendiam entrar no ensino superior, cortando radicalmente as verbas do Financiamento Estudantil (Fies), agora, na mesma esteira das balelas petistas de que transformaria a Nação numa “Pátria Educadora”, dá outro golpe nos milhões de estudantes, porque pretende reajustar as inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dos atuais R$ 35 para R$ 62. Um aumento cavalar de 77%. E não é por outra razão que, numa pesquisa realizada em 76 países que acaba de ser divulgada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil ocupa vergonhosamente a 60.ª posição.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

EDUCAÇÃO

Educação é um assunto que virou clichê em nosso país. Todos os políticos são a favor de que nossa educação seja a prioridade das prioridades, porém só antes das eleições e de vencerem seus pleitos, pois, alcançado o intento, continuamos a perder investimento para a pasta e o resultado é que, na classificação internacional do setor, somos o 60.º no ranking de 76 países avaliados.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com   

Casa Branca

*

PROPAGANDA ENGANOSA

O lema de governo lançado pela presidenta Dilma Rousseff em sua posse, em 1.º de janeiro, para o segundo mandato, foi “Pátria Educadora”. Enquanto gasta milhões e mais milhões para nos fazer acreditar no seu novo lema, o governo federal abandona financeiramente não só os candidatos ao Fies, inclusive e espantosamente os estudantes de Medicina (afinal, sempre podemos “importá-los” de Cuba), como também uma parte importante das melhores cabeças universitárias deste país, os participantes do programa Ciência Sem Fronteiras. Em carta enviada na semana passada aos estudantes do programa, o IIE, parceiro do governo brasileiro nos EUA, sugeriu, certamente sob orientação do governo petista, que os estudantes brasileiros fossem “criativos” para encarar o não envio dos recursos de suas bolsas. Criativos? Como? Trabalhando ilegalmente? Pedindo comida na igreja? Roubando a Petrobrás? E tem gente que ainda acredita no que este grupo que governa nosso país há mais de 12 anos diz. 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com 

Santana de Parnaíba

*

PRESIDENTE ACUADA

Renan Calheiros adiou a votação para aprovação do novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) para o dia 19 de maio. Em uma semana, vai arrancar ainda mais “Favores” da presidente Dilma e do PT. A situação da presidente e do partido chegou a um ponto sem volta, quando se perde a credibilidade, a autoridade, o respeito da população. E sobra o quê? Senhora presidente, a situação é insustentável, a instituição Presidência da República está sendo agredida e menosprezada pelo Executivo e pelo Legislativo. A renuncia é a única saída digna, e que se vire o PMDB com a herança maldita do PT!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 

Osasco

*

A SABATINA DE FACHIN

Assisti a boa parte da intensa e longa sabatina de Luiz Edson Fachin no Senado. Aprendi muito sobre a cultura do Direito, tema que me era estranho. Ficaram evidentes o notório saber jurídico e a erudição deste candidato ao Supremo Tribunal Federal (STF). No entanto, ainda sete nobres senadores da República o repudiaram, apesar de tudo a que assistiram, ouviram e puderam contestar. Independentemente da conotação política da indicação, faltam a alguns representantes do povo a humildade e a serenidade para se colocar onde realmente deveriam estar.

 

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com 

Lorena

*

FACHIN APROVADO NA CCJ

A ópera “Pagliaci”, de Rugero Leon Cavallo, que nos seus primeiros versos descreve “vesti la giuba, e la facha infarina”, reflete de forma realista o que se passou na terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), depois de exaustivas 12 horas da sabatina do candidato de Dilma ao Supremo Tribunal Federal, Luiz Edson Fachin, em substituição ao juiz dos mensaleiros, Joaquim Barbosa. Fachin já sabia de antemão o resultado final, menos que seria uma goleada de 20 votos a 7. O segundo ato dessa pantomima terá como palco o plenário do Senado, na próxima terça-feira, dia 19, e o resultado não deverá ser diferente. Voltando aos primeiros versos da ópera de Leon Cavallo, só faltaram aos protagonistas a fantasia e a cara pintada. É sabido que o ministro Fachin sempre esteve seriamente comprometido com o Partido dos Trabalhadores, áulico de Dilma e soldado de infantaria do exército de Lula comandado por Stédile. Há mistérios entre o Congresso e o Palácio do Planalto que nem sonha a nossa capenga política. Se a voz do povo é a vos de Deus, o Congresso está fazendo ouvidos moucos às sonoras vaias e aos estridentes decibéis dos panelaços. “Initium sapentiae timor Dilma” (o temor a Dilma é um princípio de sabedoria).

  

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com  

Vassouras (RJ)

*

ÀS CLARAS

Frase do dr. Luiz Edson Fachin: “Não me escondi atrás das palavras. Sou quem sou”. Espero sinceramente que o senhor Fachin não se esconda atrás das palavras e tampouco atrás dos processos, como por exemplo o julgamento dos planos econômicos Bresser (1987) e Verão (1989). Sempre é bom lembrar o velho e bom ditado popular: “Como o verniz cobre um pote de barro, as palavras fingidas cobrem um coração mau”. Espero que com o quadro completo o STF faça o julgamento antes da minha ida para o silêncio do cemitério.

José Martin jlmartin@estadao.com.br 

São Paulo

*

VIVA O REINO TUPINIQUIM!

Das posições religiosas, políticas e filosóficas do senhor Fachin nós já ficamos sabendo, pois foram expostas à exaustão, bem como suas promessas de bem cumprir suas futuras atribuições. Note-se que, na sessão da CCJ não faltaram discursos que mais pareciam manifestações de campanha eleitoral. O ambiente, por vezes, estava mais compatível com torcida de clube de futebol, e não com a solenidade devida a um momento de extrema responsabilidade, por ser o Supremo Tribunal Federal o guardião da nossa última esperança de justiça. Parabéns para os sete senadores que votaram “não”. 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém 

*

TORTURA

Os senadores aguentaram apenas 11 horas de tortura na sabatina de Luiz Edson Fachin. Logo, para se livrar do problema, começam a rir desmotivadamente, alegando cansaço e fazendo piadas. Ora, senadores, francamente...

Luiz Felipe Dias Farah  Felipefarah@gmail.com

São Paulo

*

O TROCO

Em passado recente, no mensalão, o povo fez o STF decidir “com a faca no pescoço”, nas palavras de um de seus ministros. Agora, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) vinga o STF e põe a população com um Fachin entalado no respectivo. Somos um povo faquir.

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com  

Valinhos

*

UM MINISTRO ENÉRGICO

Não creio que o candidato à vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) que foi sabatinado durante 11 horas pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado seja o ideal, pois sua atitude serena e sábia é de um apaziguador. O que o Brasil necessita é de um ministro enérgico, e não condescendente, que ajude a restabelecer o respeito e a ordem neste país.

Jose Millei millei.jose@gmail.com 

São Paulo 

*

CADEIRA HONROSA

       

Se escolhido, Luiz Edson Fachin honrará com a mesma independência de Joaquim Barbosa? Ou será mais um?

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

A LUTA DESESPERADA DE FACHIN

O que mais chama a atenção neste processo de aprovação do candidato Fachin ao STF é a força desproporcional que ele faz para ser aprovado. Por que um advogado de nome certamente envolvido em homenagens e vitórias maiúsculas, percebendo invejáveis honorários, se mata para ser aprovado e passa por cima de todas as suas ideias anteriores, jurando que não é bem assim? Será que engrossar as fileiras do PT no STF vale essa mudança? E, se vale, por que será que vale?

 

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

ESFORÇO

É de estarrecer o esforço que o governo federal faz para aprovar o nome de Luiz Fachin à vaga no STF. O mesmo governo enrolado até a medula com a corrupção, sustentado por um partido que se beneficiou, apoiou e incentivou a corrupção, agora faz de tudo para o crime não ser apurado e os culpados, punidos. Se o candidato tivesse mais dignidade, não aceitaria este papel que lhe será cobrado no futuro, como vemos com outros que se prestaram a essa situação.

Lúcio Felix de Souza Filho luciofsf@superig.com.br 

Salvador

*

‘O DIABO’

Qual a diferença entre a eleição para a Presidência e a indicação para o STF? “Faremos o diabo” para ser indicado?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

*

MAL EXPLICADO

Não aceito muito certos tipos de constatações de pessoas que se dizem “sobreviventes”. Sobreviventes, para mim, são aqueles que ficaram 5, 7 dias embaixo de escombros no Nepal. O sr. Fachin, em sabatina na CCJ, se disse um sobrevivente por ter tido uma vida difícil, com muitas restrições e trabalho árduo, mas assim é com a enorme maioria da população mundial. Aqui, nada distante de nós, vemos brasileiros que matam um leão por dia, todos os dias de sua vida, para dar conta de seu recado. Sr. Fachin é, na verdade, um vitorioso, que acumulou conquistas no decorrer de sua vida, diferentemente de muitos que nem saem do lugar muitas vezes apesar da dura labuta. E, cá entre nós, sua explicação sobre ter advogado enquanto procurador do Estado não convenceu, ficando a impressão de que não seguiu a lei que rege contra a dupla militância. Por que, no Brasil, leis não são observadas à risca e tal atitude recebe apoio de autoridades? 

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br 

São Paulo

*

LOBO OU CORDEIRO

Pelo teor das respostas do doutor Luiz Fachin, vamos ter de engolir mais um “lobo com pele de cordeiro” no STF. Impressionante como ele se fez de santo, parecia um padre e só foi fraco na dramatização do choro. Respondeu a todas as perguntas como se fosse realmente neutro, mas sabemos que concretamente é um simpatizante antigo do Partido Comunista e defende as teses bolivarianas do PT e do MST. Pobre Justiça brasileira, também sendo aparelhada por este desgoverno incompetente, nefasto e mentiroso.

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

CARTAS MARCADAS

Como num jogo de cartas marcadas, Fachin foi sabatinado. As perguntas foram tão previsíveis que só faltava alguns parlamentares terminarem o questionamento dando um selinho no candidato ao STF!

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br 

São Paulo

*

FACHIN APROVADO

Claro que a comissão é “escolhida” a dedos, e quase que com certeza as perguntas dos ilustres comissionados já foram antecipadamente “blindadas”. O fato é que o ilustre “togado” é o que é, um comunista como o tal Dias Toffoli e um petista como Ricardo Lewandowski, “compadre” de Lula. E é evidente que não vai para o STF defender a justiça, mas a “Justiça brasileira”, em que as leis... ora, as leis...

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com 

São Bernardo do Campo

*

ÁLVARO DIAS PRÓ-DILMA

O esperto e sempre marqueteiro Álvaro Dias, do PSDB do Paraná, parecia um escudeiro do novo candidato a ministro do STF – e isso, é claro, deve ter um motivo que ainda não sabemos. Não e normal um senador da oposição, mesmo sendo do Estado do candidato, se portar como se do governo fosse?

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br 

São Paulo

*

O PSDB É MESMO OPOSIÇÃO?

Álvaro Dias vira cabo eleitoral do “sabatinado” Luiz Edson Fachin, indicado de Dilma para o STF, em substituição a Joaquim Barbosa. E José Serra, Tasso Jereissati e Aécio Neves trocaram a sabatina de Fachin pela festa de Fernando Henrique Cardoso em Nova York. Agora, a pergunta que não quer calar: qual a diferença entre Renan Calheiros, que após uma voltinha no jato de Dilma voltou  de cabeça  feita, e os  senadores  acima  mencionados, que se ausentaram da sabatina de Fachin?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

SENADORES EM NY

Não obstante os altos vencimentos que recebem como senadores (e incontáveis outras mordomias), Aécio Neves e José Serra, duas poderosas vozes da oposição ao governo petista, preferiram ir a Nova York fazer a claque de seu colega homenageado, FHC, ao invés de trabalharem num momento crítico em que poderiam fazer a balança da aprovação de Luiz Fachin ao STF pender para o outro lado. Fica a pergunta (para a qual já sei a resposta): ao menos terão seus vencimentos descontados? Não me venham dizer que este passeio foi “a trabalho”.

 

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br 

Pouso Alegre (MG)

*

MAIORIDADE PENAL

Em artigo publicado no “Estadão” em 12/5/2015 (“Os vendedores da bala de prata”), o advogado Conrado Hübner Mendes defende com veemência a permanência da maioridade penal em 18 anos e pretende, com isso, responder a todos os argumentos apresentados a favor da redução, tais como: o indivíduo com 16 anos pode, conforme a lei, se emancipar, casar, ter filhos (e como os tem), trabalhar, ter conta em banco, abrir empresa e, sobretudo, decidir com o seu único voto desempatar numa eleição para presidente da República, então ele também pode ser responsabilizado pelos seus crimes. Porém o articulista se esqueceu de uma fortíssima razão: em 2011, uma pesquisa promovida pelo Senado revelou que 86% dos entrevistados querem que a maioridade penal seja reduzida para 16 anos, e pesquisa semelhante foi feita pela CNI, revelando, então, que 92% querem a mesma coisa. E pesquisa recente, neste ano, realizada pela Datafolha, revela o mesmo, agora com 96%. Os congressistas, representantes do povo que querem ser reeleitos que se cuidem, eles têm de observar essas pesquisas e não podem de modo algum contrariar seus eleitores que com toda certeza querem que a maioridade penal seja reduzida e que eles vão ficar atentos ao placar eletrônico da Câmara dos Deputados. O advogado Conrado Hübner Mendes e as demais celebridades jurídicas fazem parte apenas daqueles 4% que querem que a maioridade penal fique como está. 

José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com 

São Paulo 

*

‘OS VENDEDORES DA BALA DE PRATA’

Em “Os vendedores da bala de prata”, o senhor Conrado Hübner Mendes diz que a opinião dos ex-ministros de FHC, Lula e Dilma é uníssona contra a alteração da maioridade penal. Ora, o senhor Mendes se esqueceu de que deste grupo fazem parte Maria do Rosário e Ideli Salvatti? Por tudo o que elas já falaram, fizeram e não fizeram, não tenho dúvidas em afirmar que a opinião delas é totalmente irrelevante. Se isso não bastasse para desqualificar o grupo, ainda diz que ‘a sociedade civil gritou junto com a elite jurídica paulista”. Pergunto: que sociedade civil? E que elite jurídica paulista? E mais: por que a opinião da “elite jurídica” é melhor que a de qualquer outra? Não se trata de interpretação de leis, mas apenas de mudá-la ou não. Desconheço esta gritaria e me parece que o senhor Mendes desconhece ainda mais pesquisas que dizem que mais de 80% da população é favorável à alteração. Finalmente, enquanto o senhor Mendes e demais “personalidades” defendem, incansavelmente, os direitos dos bandidos que assassinam a sangue frio, eu defendo o direito que todo cidadão correto tem de não ser assaltado, assassinado, molestado, estuprado ou sequestrado por “jovens” que, caso sejam presos, permanecem dois anos numa instituição para serem reintegrados, quando deveriam ser afastados para sempre da sociedade.

 

José Alfredo de T. Andrade tolosajaa@uol.com.br 

Santos

*

CRIMES CONTRA A VIDA

Entendo que a maioridade penal só caberia nos crimes contra a vida, bastando, para isso, acrescentar no artigo 228 da Constituição: “exceto para os crimes contra a vida ou lesões corporais, definidos em lei, praticados por maiores de 16 anos”.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br 

Mogi Mirim

  

*

PLEBISCITO

Mesmo com o extenso conteúdo e mencionando inúmeras entidades, o sr. Conrado Hübner, em “Os vendedores de balas de prata”, não altera a minha, e acredito que a de milhares de cidadãos, posição favorável à redução da maioridade penal. Não se chamou de conquista o fato de poder votar para escolher o máximo mandatário do País? Então por que, com o volume de informações a que o jovem tem acesso, não pode responder por seus atos criminosos? Não estamos num país democrático? Façamos, então, um plebiscito e deixemos que o cidadão eleitor faça sua escolha. Sugiro aos que são contra a redução da maioridade penal que “adotem” os infratores para que convivam com sua família.

Paulo Aguiar aguiar5120@gmail.com 

São Paulo

*

QUE PAÍS É ESTE?

À época de crimes pavorosos praticados por menores, como aquele em que um criminoso juvenil incendiou uma dentista, malgrado a comoção social que o fato causou, nenhum especialista, seja filósofo ou professor de faculdade, propôs qualquer solução. Agora, que tentaram fazer alguma ação para deter os crimes, aparecem os “inteligentes” para dizer que a fórmula está errada. Que país é este?

Marco Colagrossi macolagrossi2015@icloud.com

São Paulo

*

COMO FICAMOS?

Tenho assistido a muitos debates sobre a redução da maioridade penal – diga-se de passagem, a impressão é de que convidam apenas os que são contra – e gostaria de fazer algumas perguntas para os que afirmam que a medida não resolve o problema: a impunidade e a sensação de que podem praticar qualquer crime sem nenhuma consequência resolvem? Ficar na rua à mercê de traficantes e marginais vai resolver? A rua também não é uma escola do crime e talvez mais poderosa do que a cadeia? Como ficam os que são vítimas dos crimes praticados por menores? Como ficamos nós, que somos ameaçados por eles?

Maria Josefina Pinheiro maria.josefina2612@terra.com.br 

São Paulo

*

SUA CULPA

 

Na terça-feira, às 6h30, presenciei um assalto à mão armada. Eram três jovens em duas motos, armados, que levaram a bolsa de uma moça que aguardava o ônibus no ponto. E eu, que culpava o governo pela falta de policiamento, os políticos porque não fazem leis mais duras, eu, que culpava as drogas, a falta de escolas, a greve sem parar dos professores, quando olhei nos olhos daquele “de menor”, senti um arrepio. Primeiro, pela arma que ele portava; depois, porque “caí na real” e nos olhos dele vi a verdade: onde estão os seus pais? Os verdadeiros culpados de tudo o que está acontecendo neste país. Desde a manutenção de políticos bandidos na vida pública até mesmo a incapacidade de educar um filho... 

 

Jatiacy Francisco da Silva jatiacy@estadao.com.br 

Guarulhos

*

CAMINHO DA FAVELA

A Prefeitura do Rio de Janeiro quer evitar que a população tenha acesso por engano às favelas da cidade e, consequentemente, seja morta com tiros na cabeça. Não seria melhor e mais benéfico sinalizarem muito bem todos os caminhos que levassem à favela para, dessa forma, evitar seu acesso indevidamente? 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL

Ontem, 13/5, chegamos aos 127 anos da Abolição da Escravidão no Brasil, ocorrida em 13/5/1888. A Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, com apenas dois artigos, revogando a odiosa escravidão após mais de 300 anos. O Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravidão, uma vergonha e mácula na nossa história. Passamos 80 anos em arengas, discussões de filigranas jurídicas e idas e vindas até que a abolição ocorresse por aqui. Pior: os negros foram deixados à sua própria sorte e ficaram ao deus dará, sem nenhuma apoio ou proteção. Como consequência direta e natural, temos hoje uma das sociedades mais desiguais, injustas e violentas do planeta. Nossas cidades estão lotadas de favelas, cortiços e periferias, fruto do descaso da elite do País, que jamais se preocupou em assegurar cidadania e direitos básicos à população.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

*

SUGESTÃO

O dia 13 de maio, Abolição da Escravatura, já foi feriado nacional quando o 1.º de Maio ainda não o era.  13 de maio representa o fim do trabalho não remunerado no Brasil. É, portanto, data na qual pode ser comemorado o dia do trabalhador brasileiro, em vez de 1.º de Maio, data com origem na Internacional Socialista. Cabe lembrar que nos EUA e na Grã-Bretanha o feriado do dia do trabalho é comemorado na primeira segunda-feira de setembro. Proposta: transferir o feriado para a segunda segunda-feira de maio, comemorando-o como Dia do Trabalhador e como Dia da Abolição da Escravatura.

Roldão Simas Filho rsimasfilho@gmail.com 

Brasília

*

USP SEM PRECONCEITO 

Admiro tanto o professor Roberto Romano (10/5, A2) quanto a professora Mayana Zatz (12/5, A2). Quanto à polêmica envolvendo o professor Peter Person, gostaria de fazer apenas uma observação: sou engenheiro austríaco e, nos primeiros anos no Brasil, já dominava o português. Posso garantir que na Europa é inconcebível um profissional estrangeiro que, residindo há mais de dez anos no país, não se comunique no idioma oficial, independentemente do idioma utilizado no local de trabalho.

Gunter Ertl ertl@terra.com.br 

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.