Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

15 Maio 2015 | 03h00

Alô, Conar!

A Secretaria de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff veicula propaganda dizendo que o governo está precisando fazer cortes para ajustar a economia e continuar a atender a população. O Conar deveria tirar do ar essa propaganda enganosa. O que está acontecendo é o epílogo da catastrófica gestão dos dois governos Lula e do primeiro governo Dilma. Gastaram sem ter. Concederam facilidades de crédito, de compra de veículos, de eletrodomésticos, etc., para se reelegerem. Compraram as reeleições. E agora os consumidores estão pagando alto preço, tendo de tomar o remédio amargo. Não há crédito oficial, só em bancos privados. Triplicaram o custo da energia elétrica, a inflação voltou, com aumento geral de preços. A quem querem enganar com essa propaganda? Bem, vão continuar enganando aqueles que sempre enganaram, os analfabetos e semianalfabetos, que não são poucos. Os que têm alguma instrução ou conhecimento não acreditam mais neles.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

Aberração

O descanso visual e auditivo das propagandas enganosas dos governantes do PT acabou e elas voltaram com tudo. Não entendo: faltam verbas em todos os ministérios, mas para gastar em propaganda inútil não faltam. Não há como barrar essa aberração com o dinheiro público? Se houver, passem-me a receita.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

A dívida nossa de cada dia

Situações de intenso desespero acometem neste momento milhões de brasileiros que já perderam seus empregos e outros tantos que estão com o deles com seus dias contados. As contas chegam e precisam ser honradas – até quando? –, o alimento tem de ser posto na mesa, com sacrifícios hercúleos, o plano de saúde está cada vez mais insustentável e o ônus tributário escorchante vai se tornando impossível de ser deglutido pela população. Enquanto isso, o governo perdulário não corta seus gastos e, pior ainda, vai aumentando com mais e mais comissionados indicados pelos políticos servis, preenchendo os cargos dos escalões inferiores. Os do andar de cima já se locupletam há 12 anos. Economia é o povo que tem de fazer, mesmo nas mais difíceis e tristes situações por que, infelizmente, passa o nosso país graças à irresponsabilidade e incomPeTência dos governos lulopetistas. Enfiaram o nosso país no buraco e agora sobra para o trouxa do povo tampá-lo. Dias muito, muito difíceis se projetam num horizonte sombrio. 

ALOISIO A. DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

Forma dilmista de governar

Países com crescente inflação e estagnação econômica, como o nosso hoje, costumam reativar a economia reduzindo impostos, para que o público tenha mais dinheiro para investir, cortando gastos de governo e criando condições para investimentos em infraestrutura para uso coletivo, que geram muito emprego. Aqui, no Brasil, tem sido feito diferente: os impostos e custos de serviços públicos, como água e eletricidade, são aumentados, bem como os gastos com pessoal governamental, e os investimentos públicos são reduzidos, porém mais dinheiro é dado a políticos e partidos políticos. Essa é a forma dilmista de governar, a mesma que quebrou aquela lojinha de R$ 1,99.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com .br

Cotia

*

Levy x Dilma

Observo na imprensa o aumento do desemprego e o comércio vendendo menos. Numa face da moeda, vejo no governo o esforço do ministro Joaquim Levy, da Fazenda, para equilibrar a economia e o Banco Central elevando a taxa Selic para conter a inflação, mas na outra face da moeda a presidente Dilma não está nem aí. Dilma nem sequer cogitou de reduzir o número de ministérios e, sem nenhuma demissão, ainda por cima está distribuindo cargos em troca de apoio político. Assim a conta não fecha e mais uma vez vai para o inocente contribuinte, enquanto Dilma segue na desenfreada gastança.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

Manobras escusas

Stédile condecorado pelo governo do PT de Minas Gerais – ele é amigo de Luiz Fachin, candidato ao STF. O Congresso aprova leis que prejudicam a classe dos trabalhadores, mas reforça o caixa do Planalto em mais ou menos R$ 15 milhões. A fonte da Petrobrás secou com a Operação Lava Jato. Só os inocentes acreditam na recuperação financeira do Brasil, escangalhado pelo lullopetismo. Está na cara que o PT quer se recuperar, somente ele.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

Educação em queda livre

Quando afirmamos que o PeTelulismo arrasou o Brasil, somos criticados por elles. Mas é só ver que no ranking mundial da educação estamos em ridículo 60.º lugar entre 76 países. Vergonha!

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

Culpa de FHC?

E agora, sra. presidente Dilma, que mentira e/ou desculpa contará para justificar a queda de posição do Brasil no ranking mundial de educação para 60.º lugar? Vai mais uma vez culpar FHC?

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

Lá não tem PT

A “pátria educadora” aparece no 60.º lugar entre 76 países classificados pela OCDE. Os primeiros cinco são asiáticos, incluindo a pequena Cingapura e o populoso Japão. São países sérios, governados por partidos políticos de resultados, e não partidos “lesa-pátria”, como no Brasil. Convencidos de que o progresso passa pela educação de qualidade, avaliam bem o custo/benefício de seus investimentos na área. Bolsas de estudo, só na base do mérito do aluno e da instituição onde vai estudar. Investem na qualificação do professor e na melhoria das escolas, não em “festas” eleitoreiras como o programa Ciências sem Fronteiras. Seu modo de mostrar serviço é peculiar: excelentes resultados!

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

Pátria educadora

Temos de reconhecer que o governo Dilma está fazendo um trabalho excelente na educação. Universalizou o ensino gratuito: não está pagando a ninguém do setor, sejam as universidades federais, os repasses do Pronatec e até os bolsistas no exterior.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

“O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirma que a crise é temporária. Será que Dilma vai renunciar?”

 

ROBERTO TWIASCHOR / SÃO PAULO, SOBRE A DEGRADAÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA NOS GOVERNOS LULOPETISTAS

rtwiaschor@uol.com.br

*

“Então, a desaceleração da economia é temporária? Ministro Levy, sem ‘manteguices’, por favor!”

LUCIANO HARARY / SÃO PAULO, IDEM

lharary@hotmail.com

__________________________________________________

Cartas selecionadas para ¬¬o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

FUNDO DO POÇO

Confesso que me surpreendeu, como cidadão, o teor da reportagem que relata que a empreiteira OAS nega pedido judicial e impõe condições ao juiz para atender à ordem de entrega de documentação sobre as consultorias de José Dirceu, numa clara e evidente defesa do mensaleiro (A47). Certamente, os repórteres se equivocaram, porque, se for verdade, chegamos ao fundo do poço. É inimaginável tamanho disparate num país que se diz democrático e em pleno Estado de Direito. Estamos à mercê de uma quadrilha institucionalizada, ramificada em vários setores da sociedade, que não tem o menor receio de desafiar a lei e a ordem na defesa da impunidade, e desafia, às claras, um dos Poderes da República, o Judiciário. Entendo que o sr. presidente do Supremo Tribunal Federal, como chefe do Poder Judiciário, tome as providências que a lei exige, punindo, dentro da lei, exemplarmente os responsáveis, porque, na verdade, não uma desobediência ofensiva a um juiz, mas a todo o Poder Judiciário. Vamos acordar enquanto é tempo.

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com 

Rio Claro

*

ISSO PODE?

Construtora OAS nega-se a entregar documentos solicitados pela Polícia Federal referentes às consultorias do mensaleiro José Dirceu. E ficamos por isso mesmo? E se os demais envolvidos nas tramoias da Operação Lava Jato fizerem o mesmo? Realmente, devem estar negando tal documentação pois elas não existem, foram de fachada, apenas para abastecer o “melhor” consultor brasileiro com recorde de faturamento em consultorias que ninguém viu.

  

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br 

São Bernardo do Campo 

*

AS GARRAS DAS EMPREITEIRAS

As empreiteiras estão mostrando as garras para a Justiça. Afinal, ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo, diz a nossa sábia lei. Com esse argumento, as empreiteiras podem se recusar a apresentar documentos que possam ser usados contra elas. Gostaria de ver alguém prosperar com um argumento desses nos Estados Unidos ou em qualquer outro país que tenha um sistema judiciário de verdade. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

DEZ ANOS DO MENSALÃO

Ontem, 14 de maio, fez exatamente dez anos que Mauricio Marinho, funcionário dos Correios, foi flagrado recebendo R$ 3 mil de propina. Na ocasião, o funcionário explicou que o esquema montado nos Correios para desviar dinheiro de contratos com empresas tinha o dedo de Roberto Jefferson, deputado federal (PTB). Um mês depois, Jefferson abriu o jogo e espalhou areia no ventilador do Congresso Nacional. A partir daí, todos ficaram sabendo da existência do mensalão, que o presidente Lula na época disse ter sido traído, chegou a  pedir desculpas à Nação e, depois, negou a existência do esquema, mesmo com a prisão de vários políticos e empresários. Passados dez anos, eis que o País é sacudido com o maior rombo já visto na Petrobrás, onde os valores roubados estão na casa de bilhões de dólares. Triste ver que em duas décadas os brasileiros não aprenderam a lição, pois em diversos pleitos a quadrilha que saiu voltou, outros ameaçam voltar e o País segue saqueado. E a presidente Dilma Rousseff, incompetente que foi na sua primeira gestão, tem mandado a conta aos brasileiros: cortou direitos trabalhistas justificando a necessidade imperiosa de promover ajustes na economia. Deveria haver uma pena muito severa para governantes que são corruptos e desonestos. Mas, no Brasil, poucas pessoas se lembram desse fato.

Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

MÁFIAS

No artigo de Gilles Lapouge de 14/5/2015, “A máfia do Mediterrâneo”, nos é identificado o termo “hawala”, muito utilizado pelos contrabandistas da Europa, responsáveis pelos migrantes que chegam àquele continente de forma ilegal. Como diz o artigo, é um termo “célebre em textos árabes do século VIII, que se baseia na confiança entre os intermediários financeiros”. Tudo isso para fazer transferência de dinheiro sem notas, recibos, transações bancárias. Já pensaram se a moda pega entre os envolvidos no mensalão e no petrolão? Vamos em frente, Polícia Federal e juiz Sérgio Moro! Enquanto tais réus ainda não adotaram essa política por aqui!

Gisele De Campos gisele2613@terra.com.br

São Paulo

*

MAIS UMA FARSA PETISTA

Com a Operação Lava Jato escancarando de vez a corrupção dos governos petistas, o partido, desmoralizado que está, no último mês de abril, como mais um manjado golpe de marketing, anunciou que “doravante” o PT não aceitaria mais verbas, inclusive as ilícitas, das empresas. Lógico que ninguém acreditou neste farsante milagre de ressurreição ética do PT. E o “Estadão”, em seu editorial com o título “Nem era mesmo para valer” (12/5, A3), confirma que a decisão do Diretório Nacional do PT era uma história para boi dormir, já que o partido, endividado e sem recursos para pagar suas despesas do pleito de 2014, na Bahia, no Ceará e em Mato Grosso seus dirigentes correm atrás dos empresários para arrecadar fundos. E a cúpula do partido, ao tomar conta deste fato divulgado pelo jornal “Valor Econômico”, de forma lacônica afirma que somente depois do Congresso do PT, a ser realizado em junho, é que essa medida anunciada com estardalhaço será validada. Será?! É bom ficar de olho, porque somente o partido em São Paulo tem uma dívida da eleição passada de R$ 55 milhões. E agora, José?

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

‘NÃO ERA MESMO PARA VALER’

Só um idiota acredita no que a cúpula do PT fala. O partido é um balaio de gatos de mentirosos, começando pelo “chefão”, e vai até o faxineiro com a medalha na lapela. 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A CULPA É DA LAVA JATO

Mantida a tendência do PT de sempre tentar encontrar culpados pelas mazelas do País, construídas ao longo dos seus governos – a “zelite”, a mídia, a direita, entre outras –, nada mais natural que supor que seu líderes passem a responsabilizar a Lava Jato pela profunda crise que ora aflige a população, com desdobramentos no aumento do desemprego e no recrudescimento da inflação, bolhas que estouraram ao fim de mais de 12 anos de administração demagógica, corrupta e perniciosamente populista, visando exclusivamente à manutenção do poder a qualquer custo.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A DOLEIRA ABILOLADA

Quem assistiu ao depoimento da doleira Nelma Kodama na CPI da Petrobrás ou leu a reportagem de quarta-feira (13/5) no “Estadão” não pode deixar de ficar surpreso com as suas declarações. Muitos podem ter aventado a hipótese de aquela senhora ser abilolada, mas com certeza não é o caso. Chegando a dar as costas para os membros da comissão, com a desculpa de mostrar onde teria colocado os dólares com os quais foi presa, não na calcinha, mas nos bolsos de trás de sua calça, na verdade demonstrou, a seu modo, a falta de respeito para com os seus integrantes. Também, para ilustrar o fato de ter sido amante do doleiro Alberto Youssef, deu-se o direito de cantarolar a composição de Roberto Carlos e só parou porque o presidente da comissão a interrompeu. Também aproveitou para desenvolver uma teoria cínica, tentando demonstrar que a corrupção é que move o País. Agora, que se quebrou o esquema, o Brasil entrou em crise. Aparentemente, desconhece o fato de que, ao contrário do que disse, a corrupção é o único fator que impede que um país com tantos recursos se torne um grande país e se encontra na penúria em que está na atualidade. A ré, enfim, demonstrou uma tranquilidade e uma desfaçatez que não combinam com o fato de já ter sido condenada a 18 anos de prisão, tanto que já negocia uma delação premiada. Em termo bem popular, a depoente tirou um sarro da cara dos parlamentares. Mas com certeza foi um depoimento bem estudado, pois sabe que não ficará muito tempo presa, dadas as inúmeras regalias que o Código Penal poderá lhe proporcionar.  

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 

São Paulo

*

ENCENAÇÃO

Nelma Kodama está de parabéns. O seu depoimento na CPI deixou bem claro que tudo aquilo não passa de uma encenação para desviar a atenção do povo brasileiro. Só faltou dizer que todos os que lhe estavam inquirindo são farinha do mesmo saco. Lamentavelmente, o Congresso Nacional não tem moral pra questionar ninguém, basta ver quem são os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 

São Paulo

*

MOVIDO A CORRUPÇÃO

Ex-amante do doleiro Alberto Youssef, a doleira Nelma Kodama, presa desde o início da Operação Lava Jato, diz com todas as letras que o Brasil é movido a corrupção. Segundo ela, “parou a corrupção, parou o Brasil”. E não é que a moça tem razão? Ou será que, mesmo parado, estagnado, a corrupção ainda corre solta no País?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

CONTA DE LUZ

Tantas chicanas para colocar o preço de energia elétrica nas alturas levam-nos a suspeitar se logo, logo, não surgir a Lava Jato da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Junte-se mais a goela abaixo da Aneel na manutenção da iluminação pública para as prefeituras. 

Waldir Bottura Marcio marcio.kikuchi@hotmail.com   

Atibaia

*

ROMBO NO POSTALIS

República Federativa do Brasil e Fundo Postalis têm tudo em comum. Mal administrados, tiveram déficits bilionários e mandaram a “conta” respectivamente para o povo brasileiro (severo ajuste fiscal) e para os funcionários dos Correios (corte de 25,98% nos contracheques).

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br   

Monte Santo de Minas (MG)

*

AJUDA

Nós, 120 mil empregados dos Correios, somados aos dependentes, precisamos que a imprensa continue nos ajudando a gritar pela indignação do uso de nosso dinheiro em aplicações que nos levaram a pagar muito caro pela “falta de zelo”.

Regiane Gomes Martins regianemartins1913@ig.com.br   

São Paulo

*

‘PÁTRIA EDUCADORA’?

Na “Pátria Educadora” – slogan de Dilma para seu segundo mandato –, universidades e colégios (UFRJ, Colégio Pedro II, Colégio de Aplicação) fecham as portas por falta de serviços básicos, como limpeza e segurança, e por impossibilidade de pagamento de salários de professores e funcionários, tudo porque o governo federal não repassa as verbas que deveria repassar. Enquanto isso, Dilma compra a aprovação das medidas de ajuste fiscal com carradas de nomeações para os ditos “cargos de segundo escalão” (com remunerações de primeira). Que vergonha de ser brasileiro!

 

Eduardo Spinola e Castro esc@scvs.adv.br   

São Paulo

*

PÁTRIA EMBURRECEDORA

O Brasil vem caindo sem parar em vários rankings e índices: de 57.º para 78.º no ranking de desenvolvimento do capital humano, e entre os Brics o Brasil ficou atrás da Rússia (26.ª) e da China (64.ª); na América Latina, no quesito educação básica, o Brasil ocupa o 91.º lugar, e na qualidade das escolas primárias cai ainda mais, para o 109.º lugar. Este governo, na minha opinião, está  empostado no milésimo lugar em competência e ética. Só é bom em propaganda.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

A DIETA DA PRESIDENTE

Em vez de cuidar da silhueta, não seria mais importante cuidar do País?

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

*

‘SERVIÇOS PÚBLICOS À DERIVA’

Excelente o artigo do jornalista Carlos Alberto Di Franco publicado na edição 11/5, intitulado “Serviços públicos à deriva”. Abordou com maestria a situação da nossa “Pátria Educadora”. Merece ser lido pelas nossas ilustres autoridades.

Luiz Bedran lcbedran@gmail.com 

Vitória

*

AS ESCOLAS DOS VIZINHOS

Gostaria que as escolas públicas brasileiras tivessem o mesmo padrão das escolas que vemos em filmes protagonizados em diversos países da América do Sul: com aulas de música, esportes acontecendo, bem cuidadas, pintadas, com bons banheiros, com auxiliares de saúde, etc.

Regina Ferrari ferrari@tavola.com.br  

Santana de Parnaíba

*

REPUGNANTE

A humilhação nos hospitais públicos precisa parar o Brasil. O deboche da vez é pôr a culpa na Petrobrás pela falta de recursos. O que tem que ver o SUS com as calças? E nos anos anteriores? Chega!

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com    

Niterói (RJ)

*

GOVERNO DOS POBRES

Em complemento à matéria do “Estadão” de 10/5 que informa que as Santas Casas e hospitais filantrópicos trabalham atendendo os pacientes do SUS com déficit de 40%, na melhor das hipóteses, eu informo que a mesma coisa ocorre com as instituições que acolhem deficientes e idosos. Ao longo dos últimos anos o governo federal vem sistematicamente diminuindo seus repasses, causando desespero para quem trabalha em tais instituições. Pelo que sei, no caso do Estado de São Paulo, o governo estadual e as prefeituras passaram a conceder melhor ajuda, o que fica muito distante do necessário, causando grande ônus para a sociedade, que na medida do possível ajuda tais instituições, com mensalidades, leilões, rifas e demais eventos. Para concluir: transferiram para os cidadãos aquilo que era obrigação do Estado. Eita governo dos pobres.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br 

Batatais

*

A BOA VIDA DE LULA   

Enquanto Lula se esbalda em festas de uma elite que ele tanto critica quando nos palanques, aqueles eleitores que o colocaram neste mundo de delícias morrem jogados no chão imundo de locais que dizem ser hospitais, sem pessoal e equipamento para atendê-los de forma decente. Seria bom que todos eles vissem vídeos da boa vida de Lula e se lembrassem destas cenas na hora de votar.

Laércio Zanini  spettro@uol.com.br 

Garça

*

BARGANHA

O ex-presidente Lula tem um encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros, para tentar reaproximar o senador do governo. Bem, vem mais negociação e barganha por aí. Deve ter sido do tipo “o que você quer para apoiar o governo?”. “Quero isso e aquilo, por enquanto.” E assim caminha a política no Brasil: um balcão de negócios. Acaba sendo o presidente de fato. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

A VERDADE VEM SURGINDO

É bom Lula, Dilma, Graça Foster, José Sérgio Gabrielli colocarem as barbas de molho, pois o cerco está apertando cada vez mais na Operação Lava Jato, da Petrobrás. Delatores já estão afirmando que também estão envolvidos Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Fernando Collor, Edison Lobão...

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

REDE PARA TUBARÃO

Aos poucos, os nomes do chamado primeiro escalão começam a aparecer. Lobão, Roseana, e é só espremer mais um pouco que ainda tem muito suco de fruta podre para sair. Quem se achava inatingível que se cuide. Não há mais discurso raivoso que se sustente. Desta vez a rede é para tubarão, e não mais lambaris. 

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo 

*

ERA UMA VEZ...

A delação do “chefe do clube” das empreiteiras envolvidas na corrupção da Petrobrás nos remete a um clássico. Era uma vez, num vilarejo chamado Brasil, uma empresa chamada PTbrás. Chamava-se assim porque há 12 anos usava uma bandeira vermelha, presente que ganhou do povo que acreditava que fariam coisas extraordinárias (...) Ia tudo muito bem, até que o Lobão e outros Pessoas assim que a viram quiseram pegá-la (...) 

Marco Dulgheroff Novais marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

*

CULPADOS

No caso do petrolão, a culpa das construtoras não é maior que a da Petrobrás. A tolerância aos roubos que perduraram por tanto tempo também envolve a empresa, pelos seus responsáveis. Aparentemente, a intenção do governo em usar acordos de leniência para não penalizar as construtoras tem em vista isentar a Petrobrás de sua culpa. Quais outros diretores da Petrobrás e altos membros do Executivo  foram responsáveis ou tolerantes aos malfeitos executados por tanto tempo? Precisam ser identificados.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br  

Cotia

*

E OS OUTROS?

Há uma coincidência muito interessante e peculiar, mas nada engraçada. Somente políticos não eleitos ou mortos estão envolvidos, até agora, na Lava Jato.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr. Ulyssesfn@terra.com.br  

São Paulo

*

DECEPÇÃO

Que decepção com Luis Fernando Veríssimo (e com o “Estadão”, que não publica minhas críticas contra o blindado Veríssimo), de glorioso passado como cronista, e hoje omisso nas críticas ao seu guru Lula e sua quadrilha (“Encanto”, 14/5, C8). Honre seu passado e justifique o seu salário. Assuma que estava errado. Sei que o “Estadão” não vai publicar. Meus pêsames aos dois.

Carlos Norberto Vetorazzi cnorbertovetorazzi@yahoo.com.br 

São José do Rio Preto

*

VENEZUELANAS PEDEM AJUDA

A postura da senhora Dilma Rousseff acerca das esposas de líderes venezuelanos oposicionistas é simplesmente vergonhosa! Uma vergonha para o Brasil! Esta maldita mentalidade esquerdista da governança brasileira está acabando com o País. Aqui não conseguimos nos desvencilhar desta mentalidade arcaica e obtusa que sufoca o desenvolvimento. Estado não promove desenvolvimento, no caso brasileiro, só atrapalha! O Brasil é o país do coitado e da vitimização da pobreza. E só fazemos nos unir às nações mais atrasadas do planeta. Com certeza, tal mentalidade jamais irá criar uma nação com o mínimo de desenvolvimento. Nossa praga são lideranças presas a um socialismo rasteiro que apenas promove e defende a mediocridade das pessoas e do Estado. Vergonha, dona Dilma! A Venezuela foi destruída pela mesma mediocridade que nos governa.

Paulo Alves pauloroberto.s.alves@hotmail.com 

Rio de Janeiro

*

DESTRUIÇÃO E RECONSTRUÇÃO

O povo simples do Nepal passou por um momento de muita tristeza: a ocorrência de um violento terremoto, aliás, vários. E nesta semana outro abalo matou dezenas de pessoas naquele distante país. A recuperação do país levará anos, ao custo de mais de US$ 1 bilhão. Com certeza absoluta eles vão conseguir, assim como o Japão, a Indonésia e tantos outros países conseguiram se reerguer. Sorte deles é que não têm políticos e governantes como o Brasil, pois aqui levaremos décadas para recuperar os estragos feitos pelo PT e sua base aliada. Empresas estatais destruídas, economia em frangalhos, programas sociais desacreditados e o crime organizado em pleno desenvolvimento. Eles são mais terríveis e destruidores que terremotos e outras ações da natureza.

 

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br 

Bauru

*

UM MINISTRO PARA O STF

A independência do Poder Legislativo em relação ao Executivo está posta à prova por meio da sabatina do professor e advogado Luiz Edson Fachin. Sua aprovação para integrar o Supremo Tribunal Federal (STF) será o sinal de sua subserviência à presidente Dilma, que deseja impor à Nação um homem com currículo comprometedor. Seu passado faz transparecer a parcialidade diáfana diante de assuntos que possam comprometer a presidente da República. Fachin carrega consigo a imensurável dívida de favor pela sua indicação ao Supremo, motivo pelo qual chegou ao cúmulo de fazer campanha por meio da internet para o cargo a que está indicado – fato estranho e exótico de exposição pública para uma pessoa que se diz contra a publicidade de trabalhos do STF. O nome que deveria estar na alça de mira da presidente Dilma é o do juiz Sérgio Moro, que trata da Operação Lava Jato, mas infelizmente a presidente insiste em manter-se ideológica politicamente em quase todas as decisões em que é obrigada a se posicionar.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

MARQUETEIRO PELO STF

O salário de ministro do Supremo Tribunal Federal deve ser formidável, pois consta que o pretendente Luiz Edson Fachin contratou até marqueteiro para fazer sua campanha junto aos senadores.

Mauro Lacerda de Ávila lacerdaavila@uol.com.br 

São Paulo

*

DISSIMULAÇÃO

Será que, para ser aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, para ser ministro do STF, Luiz Edson Fachin precisava encarnar um personagem?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

‘SPTF’ CONFIRMADO

Com o novo ministro, o STF confirma-se como “SPTF”, definitivamente. Segurança maior para os envolvidos no petrolão. Quem está sendo sabatinado é o povo brasileiro, que paga a conta.

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com 

São Paulo

*

CENSURA DO JUDICIÁRIO NA INTERNET

  

A internet vem sendo censurada de maneira sutil, através da interpretação de certas leis, o que vem cerceando direitos universais e constitucionais, no sentido da livre expressão de pensamento e opinião. Tem-se tornado comum os Ministérios Públicos e a Justiça processarem pessoas comuns, tendo em vista suas manifestações de opiniões genéricas na internet e que nem sequer se dirigem a determinada pessoa. Como exemplos, cito o caso de uma jovem do Rio Grande do Sul que usou os meios sociais para emitir opinião desfavorável ao Maranhão e os costumes de seu povo. Já em Manaus, três pessoas foram condenadas até pela Justiça Federal, também por emitirem opiniões desfavoráveis a outro Estado e seus costumes, no caso, a Bahia. Todas essas atitudes, partindo dessas autoridades, constituem um ato de ditadura e intimidação, indo contra os princípios universais e constitucionais da livre manifestação de pensamento e opinião. Tais fatos não ocorrem em democracias como a dos Estados Unidos, onde ninguém que critique, por exemplo, o Estado do Texas e seus costumes pode ser incriminado e condenado. Nem no nosso chamado regime militar ocorreu tal tipo de cerceamento.

 

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br 

Araruama (RJ)

*

SALSICHÃO

Como diz o ditado popular, “tem gosto para tudo”. Refiro-me às salsichas superfaturadas na atual gestão municipal de São Paulo, segundo o Tribunal de Contas do Município (TCM). 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 

Avanhandava

*

GREVE RELÂMPAGO

Não, não é justo. Motoristas e cobradores de ônibus paralisam os veículos, em 29 terminais, entre 10 horas e 12 horas, em dia de semana, prejudicando ao menos 675 mil pessoas, conforme reportagem de 13/5 (página A13), incluindo velhos, crianças, mulheres grávidas e pessoas com mobilidade reduzida. Se queria (e o sindicato exige) 15,5% de reajustes, este movimento poderia ser em fins de semana e deveria se restringir à imobilização das catracas, para pressionar as empresas.

José Erlichman joserlichman@gmail.com

São Paulo

*

VACINA CONTRA DENGUE

É inaceitável científica e eticamente uma empresa farmacêutica de alto nível afirmar que sua vacina de dengue, testada no Brasil, protege 60%, número obtido tirando uma média de 40-40-70-70 para quatro vacinas diferentes. É como tirar a média do preço de bananas com uvas! Para os dois primeiros tipos de dengue, ela não protege, e nenhuma vacina foi registra no mundo que protege 40%. Um outro problema é que não sabemos por que a incidência de dengue de janeiro para abril foi de 223 mil casos, em 2014, e de 746 mil, em 2015, subindo mais de 30%. Neste mesmo período, o número de mortes caiu de 410 (no ano) para 229 (até 18/4) sem vacinas e sem tratamento específico, que não existe. Se o Ministério da Saúde quisesse investigar, ofereça para 5 mil voluntários  3  cidades onde a  incidência de dengue foi alta, onde sem saber metade tomaria a vacina do Butantan e outra metade, a vacina francesa, usando frascos codificados para que nem o posto de vacinação nem o paciente saibam que vacina tomaram, quebrando os códigos com um comitê internacional de  especialistas que declarem antecipadamente que jamais trabalharam ou receberam benefícios  para a indústria francesa ou para o Butantan. Outra consideração importante que o ministro da Saúde parece não levar em conta: a vacina do Butantan protege acima de 90% para os 4 vírus da dengue,  com uma dose, mas a vacina francesa precisa de 3 doses com mais vacinas espaçadas, o que levaria 6%-9% para funcionar. A pergunta ao Ministério da Saúde é o preço das vacinas, e garanto que a do Butantan custará ao País pelo menos 15 vezes menos. Com a progressiva liquidação do programa nacional de autossuficiência, pagaremos ao cartel de produtores de vacinas cerca de US$ 5 bilhões por ano e estaremos expostos a epidemias toda vez que a produção for menor do que a demanda, como aconteceu com a vacina de influenza. 

Isaias Raw, professor emérito da FMUSP, foi diretor do Instituto Butantan e presidente da Fundação isaias.raw@butantan.gov.br 

São Paulo

*

JORNALISTA ECONÔMICO

Cumprimento o jornalista José Paulo Kupfer e “O Estado de S. Paulo” pelo prêmio Jornalista Econômico do Ano conferido pelo Conselho Regional de Economia. José Paulo Kupfer é, há muitos anos, um dos melhores analistas da situação e das perspectivas econômicas do País atuantes na imprensa brasileira, o que torna indispensável a leitura de seus comentários. 

Mario Ernesto Humberg marioernesto.humberg@cl-a.com 

São Paulo

*

PRÊMIO PERSONALIDADES DO ANO

Cumprimento o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pelo prêmio Personalidade do Ano, concedido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, junto com o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton.  FHC é um extraordinário líder, que representou e representa o Brasil perante o mundo com muita competência e dignidade e sempre honrou o cargo de presidente da República. Implementou uma política externa que fazia o País competir com os demais países, o que não acontece hoje, e não se omitia diante de violações de práticas democráticas de governos de esquerda, como acontece na Venezuela. Um prêmio merecido, de que a grande maioria dos brasileiros se orgulha.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Gratificante ver o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ser homenageado nos EUA. Este, sim, tem o gabarito exigido para um presidente.

Marco Sprovieri msprovieri@sincoeletrico.com.br 

São Paulo 

*

ADMIRAÇÃO

“FHC, a pessoa certa para qualquer tempo” (Bill Clinton). Será que algum dia Lula e Dilma serão merecedores da milésima parte da admiração e do respeito que FHC conquistou mundo afora?

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com 

Campinas

*

RANÇO

 

Sonia Racy lembra em sua coluna “Direto da Fonte” de 14/5 que Dilma quebrou uma tradição de 47 anos. Pela primeira vez, um presidente da República não manda mensagem de congratulações ao homem do ano, pelo lado brasileiro, apontado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA. O “homem” de 2015, eleito em evento em Nova York, é Fernando Henrique Cardoso. Ignorar tal fato é feitio da petezada, que se traduz em inveja e ranço ideológico. Mensagem de congratulação desse pessoal do Planalto poderia ocorrer se o eleito fosse José Dirceu ou o boquirroto de Garanhuns.

 

Sérgio Luiz Corrêa seluco@uol.cm.br 

Santos

*

O PSDB EM NOVA YORK

Nossa oposição mostra a cada dia que é um verdadeiro lixo! Enquanto assuntos importantes devem ser acompanhados de perto por deputados e senadores da oposição no Congresso Nacional, estes vão para Nova York tomar vinho com Fernando Henrique Cardoso.  Oposição medíocre! Realmente, o PSDB  é um PT metido a intelectual.

  

Armando Favoretto Junior malhamania@dglnet.com.br 

São Jose do Rio Pardo

*

UM PRISIONEIRO VIP

A videoconferência é uma forma de interrogatório no Processo Penal legalmente instituída pela Lei 11.900/2009. Essa prática surgiu como forma de celeridade e eficácia no processo penal na hipótese de o preso encontrar-se em localidade distante. Essa introdução serve como suporte para uma tentativa de se justificar o traslado do traficante Fernandinho Beira-Mar, de Porto Velho (RO) para o Fórum do Rio de Janeiro, local do Tribunal de Justiça, a uma distância de 3.473 km. Nesse traslado do traficante foram gastos uns R$ 120 mil, utilizados 220 agentes, um jatinho e um helicóptero. Considerando que Beira-Mar está cumprindo pena de 200 anos de prisão pelas condenações acumuladas. Depois dessa viagem de vinda, de que, tiradas as circunstâncias, a maioria absoluta dos brasileiros jamais poderá desfrutar, Beira-Mar, na audiência, distribuiu beijinho e sorrisos para parentes e amigos, num evidente desprezo à instituição Justiça brasileira. Fernandinho, esquecido nas lonjuras de Roraima, voltou aos holofotes da mídia impulsionando o seu mau exemplo de herói do crime organizado e um péssimo exemplo para emergentes aprendizes de bandido.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

NOVA PUNIÇÃO

Trazer o traficante Fernandinho Beira Mar de Rondônia para o Rio de Janeiro envolveu avião, helicóptero, agentes da Polícia Federal e estadual do Rio de Janeiro (mais de 200 agentes). Fora isso, o cara já tem mais de 300 anos nas costas de condenação, ou seja, mais anos para quê? No Brasil, o país da impunidade aos poderosos e ricos, para que mais do que os 30 anos exigidos – limite penal? Para complicar, vemos todos os dias policiais sendo mortos por amigos de Beira-Mar, pessoas sendo maltratadas nos hospitais tanto estaduais quanto municipais e federais na dita cidade maravilhosa e não existem verbas para dar um tapa na Baía de Guanabara para a ridícula Olimpíada. Qual será o fim disso? Vergonha total e irrestrita de um país à deriva em todos os quesitos, menos na corrupção petista, que impera.

 

Jani Baruki Mendes janibaruki@bol.com.br 

São Paulo

*

CINEMA NACIONAL

O estreante cineasta brasileiro Maurício Eça ganhou o grande prêmio de Melhor Diretor do Festival Internacional de Cinema de Amsterdam, na Holanda, pela direção do seu “Apneia”. Uma grande façanha e motivo de orgulho para o cinema nacional. Curioso que, no Brasil, “Apneia” foi recebido com indiferença pelos críticos e praticamente ignorado pela mídia. O “Estadão” ignorou o filme e seu diretor, que são excelentes. É um bom exemplo de como o talento é ignorado e desdenhado no Brasil e só é reconhecido no exterior, em países onde a arte e cultura são valorizadas. Os críticos de cinema do jornal deveriam botar suas barbas de molho e rever sua atuação profissional.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

*

COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA

Só faltam 97 anos para o Corinthians ser bicampeão da Libertadores.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 

São Vicente 

*

CORINTHIANS X GUARANÍ-PAR

Perdemos. Mas o paraguaio era original...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.