Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

27 Maio 2015 | 03h00

Marcha à ré

Programas sociais e de educação são suprimidos ou ameaçados, o desemprego avança a cada mês, as previsões de inflação pioram. Em cinco meses de Dilma 2, esse é o cenário do País, que caminha em marcha à ré. No primeiro mandato Dilma Rousseff exorbitou nos seus gastos, efetuou camuflagens para esconder as dificuldades e esticou a corda para ganhar a eleição. Urnas fechadas, a conta chegou para ser cobrada – e veio exorbitante! E o PT com seu chefe Lula, que se chama sempre pela terceira pessoa, como se se tratasse de um ente superior?! Lula continua pescando e “bebericando” em águas turvas, falando mal de Dilma pelas costas e tentando salvar as aparências em público, revelando que está tão perdido quanto sua pupila, uma “Pinóquia” cuja estabilidade despenca a cada dia.

CARLOS IUNES

carloiunes@gmail.com

Bauru

‘PT agrava impasse’

Na ânsia de manter a imagem de benfeitor dos pobres, o PT põe sem querer o dedo na ferida. Afinal, por que cobrar do povo a reparação das falcatruas do governo? Se honesto, o governo deveria imolar-se em reconhecimento dos erros cometidos, caso erros tenham sido. Como governo é desonesto e pratica o dolo, não se imola e exige a sangria do povo. E o ajuste é propagado como sendo de responsabilidade do povo. Nada mais injusto.

OTTFRIED KELBERT

okelbert@outlook.com

Capão Bonito

Sem rumo

Não deixa de ser engraçado – para quem ainda não está desempregado ou com o nome sujo na praça – ver os sabichões de outros tempos do PT quebrando a cabeça para decidir se o melhor é governar o País ou fazer oposição ao governo deles. Que aprendam, pelo menos, que fazer demagogia e populismo é bem mais fácil que ter de tomar medidas impopulares. E deixem de atirar pedras e falar bobagens sobre o governo FHC, um dos melhores que o Brasil já teve.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euros@ig.com.br

Avaré

Sorte tucana

O PSDB deu muita 

sorte ao perder a eleição para o PT. Se os radicais petistas criticam o governo do PT, imaginem o estardalhaço que fariam se o arrocho fosse promovido por Aécio Neves. Parece que nem a oposição fazia ideia do tamanho do rombo. O Lula deve estar se roendo de raiva, pois perdeu uma bela chance de surgir de novo como salvador da Pátria. Os impopulares ajustes de FHC no Plano Real foram um prato cheio para Lula se eleger e se lambuzar tanto a ponto de quebrar o prato, os talheres, a mesa, etc. Sua pupila acabou quebrando o resto. A diferença é que agora eles é que terão de consertar tudo.

JOÃO CARLOS A. MELO

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

O Titanic e o impeachment

Neste fim de semana estive num shopping center de classe média na hora de almoço e fiquei estarrecido com o baixo movimento nos corredores e quase zero dentro das lojas. Observando dois restaurantes que nesse horário habitualmente estavam cheios, um deles tinha três mesas ocupadas e outro, menos de um terço. Entre esse dois restaurantes, um grupo de músicos, três violinos e um violoncelo, executava músicas maravilhosas, que me fizeram lembrar o filme Titanic, com o navio prestes a afundar. A associação de imagens é perfeita para o momento que vivemos no País. Como é doloroso ver tamanha injustiça, com empresários e funcionários sofrendo as consequências nefastas da incompetência e da burrice de uma política econômica esquizofrênica! Só isso já não justificaria o impeachment desse governo? E nas notícias diárias, o que vemos senão trabalhadores sendo demitidos em todos os segmentos? Nosso país, os empresários e os trabalhadores não merecem tamanha vergonha!

JOÃO MAGRO VENTURA

joaomv@terra.com.br

São Paulo

Desemprego

Os números recém-apresentados pelo Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged) apontam o pior mês de abril de toda a série histórica, iniciada em 1992: foram fechadas nada menos que 98 mil vagas em todo o País. A indústria demitiu quase 54 mil; a construção civil, 23 mil; o comércio, 21 mil; e o setor de serviços encerrou com 7,5 mil empregos a menos. Somente nos primeiros quatro meses do segundo mandato de Dilma o Brasil já cortou um total de 137 mil vagas. Como se vê, a economia patina em falso e o País anda de lado, como caranguejo. Dias piores virão. Oremos.

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Contra a corrente

Mais uma vez os “grandes economistas” petistas advogam pelo aumento dos impostos existentes e pela criação de outros mais. Vale a pena lembrar que a irresponsável e incompetente administração petista já subiu a relação carga tributária/PIB em aproximadamente 5%, passando de 32% em 2002 para 37% em 2014. Essa mesma relação nos demais Brics (Rússia, China, Índia e África do Sul) é, em média, de 22%. Só para variar, o PT anda contra a corrente ao querer criar mais impostos sobre o patrimônio. A maioria das economias desenvolvidas que optaram por esse tipo de taxação voltou atrás, uma vez que impostos sobre o patrimônio desincentivam a poupança e, consequentemente, a capacidade de investimento, acabando por ter um efeito paradoxal.

LUIGI PETTI

luigirpetti@gmail.com

São Paulo

Mais impostos...

É notório que o PT, partido da “gerentona” de meia-pataca, sempre sabotou o ajuste financeiro de Joaquim Levy e de qualquer outra pessoa de bom senso. Agora, para tentar justificar o inevitável corte nas despesas da farra irresponsável que o partido fez nos últimos 12 anos, apoia o aumento de impostos para empresas, heranças e de “grandes fortunas” para quem tem mais de R$ 1 milhão. Mas é importante que o PT entenda que é preciso frear a roubalheira infernal, arrasadora e absurda que marcou as suas gestões. Caso contrário, não adianta rigorosamente nada. O partido quer aumentar a arrecadação de impostos e não para de meter a mão no bolso do contribuinte. É uma gentalha de quinta categoria!

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Exportação

Perguntar não ofende: quem exportará carne para a China? O Friboi? Neste país ninguém dá ponto sem nó. 

ROSELY FERREIRA POZZI

rosepozzi@gmail.com

São Carlos

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DESVIOS NO PRÉ-SAL

Primeiro veio o escândalo do mensalão, depois veio o assalto à Petrobrás e, agora, há fortes indícios de que houve superfaturamento na compra de equipamentos que serão utilizados para extrair o petróleo do pré-sal. Enquanto isso, a sofrida sociedade brasileira trabalha para pagar tributos e contas de água e de luz mais caras. Muitos foram obrigados a reduzir seus gastos até na compra de gêneros de primeira necessidade, e isso sem falar de milhares de trabalhadores que perderam seu emprego e praticamente nada poderão consumir. E, o que é pior: temos de ouvir o ex-presidente Lula dizer que ele poderá voltar a governar o País em 2018...

Virgílio Melhado Passoni 

mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

CAMPO 'ROBALO'

 

Como se bastante não fora a descoberta, pela Operação Lava Jato, do esquema de propina no âmbito das refinarias - com prejuízo admitido em balanço no item "corrupção" da ordem de R$ 6 bilhões -, agora pesam suspeitas de que também estaleiros, responsáveis por plataformas, sondas, etc., passaram a integrar o escopo das investigações e com indícios de que a propina ali era igualmente "salgada", da ordem de 1% do valor dos contratos. A se confirmarem as suspeitas, podemos dizer que a Petrobrás, então a maior empresa do País - ela própria -, transformou-se, sob o desgoverno petista, numa "plataforma" tentacular para a prospecção prioritária não de petróleo, mas de propina destinada a lubrificar o caixa do PT e de seus cúmplices da base aliada. Pelas "sondagens" iniciais, a Lava Jato parece estar longe de ter delimitado toda a vastidão deste abjeto campo do petrorroubo - que poderia chamar-se "Campo Robalo" -, cuja profundidade, tudo faz crer, é inimaginável, nunca antes vista na história "deste país". A solução é seguir investigando a fundo, amealhar provas e punir, com muitos anos de "estaleiro", os exploradores da Nação.

 

Silvio Natal 

silvionatal49@gmail.com 

São Paulo

*

PERNAMBUCO CHORA SUAS PERDAS

Empresários de vários setores em Pernambuco estão chorando suas perdas. Por onde a Petrobrás passou, espalhou prejuízos e desilusão. Tudo ia muito bem, até a chegada da Operação Lava Jato. O que se vê, hoje, são milhares de empresas falidas, pessoas desempregadas e miséria por todo lado. Cabe, aqui, perguntar cadê o homem que saiu Brasil afora vendendo facilidades aos empresários e prometendo o renascimento de Pernambuco? Lula pregava o protagonismo do Nordeste. Muitos acreditaram, investiram e hoje amargam imensos prejuízos, mas o governo saiu-se bem, ganhou a eleição. Garantia para poder ficar mais tempo, prometendo muito e dando quase nada. O que se vê no Nordeste não é diferente das demais Regiões do Brasil. Lula está derrotado e não tem moral para ir ao Nordeste reverter suas promessas para aquele povo sofrido.  Uma coisa é certa, aquele projeto mirabolante de Lula deixou bem ele, seus familiares, muitos parlamentares, empreiteiras e todos os indicados na Petrobrás para cargos que podiam roubar a estatal sem serem incomodados. Só falta dizer que a culpada de tudo isso foi a Operação Lava Jato, como quer o PT que os atingidos acreditem.

Izabel Avallone 

izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

TESE ABSURDA

A tese dos petistas e das empresas corruptoras é de que o Brasil vai parar, a menos que se ignore a corrupção na Petrobrás!

Eugênio José Alati 

eugeniojalati@gmail.com  

Campinas

*

CADEIÃO

Tive conhecimento, pela mídia televisiva, de que presos na Operação Lava Jato, os ex-deputados André Vargas, Luiz Argolo, Pedro Correa e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, foram transferidos da carceragem da Polícia Federal de Curitiba para o Complexo Médico Penal do Paraná. Uma pergunta que não quer calar: desde quando roubar é uma doença? Eles deviam mesmo era ser transferidos para o cadeião, como os outros bandidos pagam a pena.

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho 

arluolf@hotmail.com 

Itapeva

*

GOVERNOS PETISTAS E O BNDES

Em mais uma de suas pérolas, a presidente Dilma Rousseff, desta vez parodiando Nelson Rodrigues, vaticinou: se a seleção brasileira é a pátria de chuteiras, a Petrobrás é a pátria com as mãos sujas de óleo. E, indo muito além do que recomenda o senso de austeridade em tempos de vacas magras, a gerentona defendeu o financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a ampliação do Porto de Mariel, em Cuba; e, confirmando aquilo de que já se desconfiava, disse que o banco seguiu uma orientação de governo, o que, em outras palavras, significa dizer que o BNDES aparelhado obedeceu às ordens de cima. Desafio a presidente a explicar quais as razões de tanta generosidade para com a ditadura cubana? Será que está sobrando dinheiro no Brasil? Por que financiar um porto em Cuba, quando os nossos portos estão sucateados e abandonados? 

Peter Cazale 

pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

BANCO SECRETO

A presidente vetou a quebra de sigilo das vultosas operações de crédito do BNDES, certamente porque as maiores delas seriam difíceis de explicar. Pelo visto, a sigla parece ser de "Buracos Não Discriminados e Submersos"...

Nelson Carvalho 

nscarv@gmail.com

São Paulo

*

A COISA TÁ FEIA

Do jeito que as coisa andam e, como é do costume dos petralhas abandonarem à própria sorte os companheiros que cometeram e que foram flagrados em "malfeitos", seria oportuno para o presidente do BNDES ir negociando a sua delação premiada...

Ivan Bertazzo 

bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

PAÍS DE TODOS?

 

José Sarney retirou seus recursos aplicados no Banco Santos um dia antes da intervenção federal na referida entidade. Ficou evidente que Sarney foi avisado com antecedência para não sofrer prejuízo algum - pelo contrário, abocanhou bons lucros. Os outros correntistas sofreram perdas irreparáveis. Deparamo-nos, agora, com a notícia de que a Justiça Federal anulou a sentença que condenava Edemar Cid Ferreira, dono do banco, a 21 anos de prisão. O processo em que Edemar está incurso deverá ser refeito novamente, por causa de erros processuais. Há possibilidade de que ocorra a prescrição desse crime, que causou sérios prejuízos a inúmeros correntistas. Será mesmo que o Brasil é um país de todos, como mostra a propaganda oficial?

  

Francisco Zardetto 

fzardetto@uol.com.br 

São Paulo

*

PRESIDENTE DE FATO?

Como um ex-presidente como o senhor Lula da Silva, que está legalmente fora do Executivo desde 30/12/2010, ainda faz reuniões na Granja do Torto, negocia com membros do Senado (PMDB), dá palpites e tenta negociações? E sabemos como suas negociações funcionam - vide "Paulinho" da Petrobrás e Marcos Valério x Delcídio Amaral no caso do mensalão. Tudo isso depois do grande vexame de sua má gestão e do estado lamentável da economia brasileira hoje.

Celso de Carvalho Mello 

celsosaopauloadv@uol.com.br 

São Paulo

*

NAU SEM RUMO

Afinal, quem é que governa o Brasil? Dilma Rousseff, Renan Calheiros, Lula, Eduardo Cunha,  Michel Temer, Aloizio Mercadante ou Joaquim Levy, ou…?

Fernando Moreno 

frodg434@hotmail.com

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

Começa a ser votada a reforma política no Congresso Nacional, mais conhecida como a reforma Eduardo Cunha. Quem acredita que a situação não poderia ficar pior verá o que vai resultar dos desmandos de um governo perdido, dominado por "gângsters" na presidência da Câmara e do Senado.

Marcos Barbosa 

micabarbosa@gmail.com  

Casa Branca

*

O QUE ESPERAR?

Que reforma política vai sair do Congresso? O que esperar de uma reforma política na qual o artista principal, o eleitor, não foi ouvido? As sugestões apresentadas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e outras entidades foram ignoradas. Até a comissão constituída na Câmara para tal fim foi desrespeitada pelo presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha, ao decidir levar ao plenário a discussão sobre o assunto, ponto por ponto, ignorando o trabalho da comissão. O que esperar de uma reforma feita pelos dois partidos, PT e PMDB, com maiores bancadas na Câmara? Alguém acha que vão aprovar algo para prejudicá-los? Para mim, este processo está todo errado. Deveria ser feito a partir do eleitor, mas estão fazendo ao contrário. Mudam e simplesmente dizem para o eleitor "agora é assim".

Panayotis Poulis 

ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

DISTRITÃO

  No Brasil temos um sistema eleitoral republicano, democrático, do povo para o povo, que seria eficaz se soubéssemos a forma correta de votar. Como não sabemos, querem nos enganar com o "distritão", como se fosse algo bom que não o é nem para o Afeganistão, um dos únicos países do mundo a usá-lo. Isso é nos passar atestado de burro. Em primeiro lugar, não se vota em candidato individualmente, como votamos erradamente aqui, porque em democracia não se governa sozinho. É preciso haver partidos fortes que se responsabilizem pelos seus eleitos, para que possamos cobrá-los, já que o número de candidatos é de no mínimo dez vezes o número de vagas, e a grande maioria é descartada (93,7% na última eleição). Os eleitos são por uma porcentagem ínfima dos eleitores (média de 0,1%), e no "distritão" não será diferente a representatividade, com a agravante de se reelegerem com campanhas caríssimas financiadas com pólvora do governo. Temos de lutar com as armas e o sistema que já temos, mesmo sem as tais reformas que não querem fazer - e impedir que esses desonestos se aproveitem do momento para piorar as coisas e aprovar meios de nos enganar. É claro que se perguntarem se acham certo um candidato se eleger com a metade dos votos de outro que foi descartado, dirão que está errado, mas nem tudo o que parece ser é. Informemo-nos.

Cesar Maluf 

malufcesar@googlemail.com 

São José do Rio Preto

*

NADA MUDA

Os pertencentes a uma "casta" "que tem um discurso de mudanças (tal reforma política) somente votam naquilo que não muda nada, com esta tal proposta de um "distritão". Na última eleição, todos os eleitos continuariam eleitos, exceto três ou quatro que foram rebocados. Nós continuaríamos sendo escravizados para sustentar esta "corte" a aos seus (de vagabundos) e suas proles (de boquinhas).

Nelson Pereira Bizerra 

nepebizerra@Hotmail.com  

São Paulo

*

VOTO DISTRITAL

Para vereador, votamos nos candidatos do nosso município. Para deputado estadual, votamos nos candidatos do nosso Estado. Para deputado federal, votamos nos candidatos do nosso Estado. Os deputados federais são reeleitos nos seus Estados. Ele apresentam emendas para seus Estados, destroçando o Orçamento federal e ainda interferindo na administração de seus Estados à revelia dos mesmos. Não temos deputados nacionais que se preocupem com a administração federal. O voto distrital em nível federal irá agravar essa situação, pulverizando o Orçamento federal.

Alfredo M. Dapena 

alfredomdapena@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

CESTO DE CARANGUEJOS

Disputa emperra reforma política (25/5, A1 e A4) e, ainda, temos o minoritário PT insistindo no voto em lista para poder implantar ditadura bolivariana, como fez Chávez. A dita "oposição" do PSDB, agora com o apoio até do PT, pleiteia o voto distrital misto, a ser testado nas eleições municipais, mas não explica, caso o teste dê certo, como o brasileiro estará protegido da sanha stalinista petista em não largar o osso se o tal sistema for ampliado ao nível federal.

Suely Mandelbaum 

suely.m@terra.com.br 

São Paulo

*

NÃO VAI RESOLVER

Reforma política não resolve. Seria preciso demolir isto tudo que aí está e reconstruir o País do zero. Os erros são tantos que uma simples reforma não teria nenhum efeito, as mudanças propostas visam apenas a enfraquecer a pessoa do candidato e fortalecer ainda mais os partidos políticos, que cada vez mais se parecem com quadrilhas criminosas organizadas para roubar os cofres públicos. 

Mário Barilá Filho 

mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

DÍVIDA E PIB

O fermento que o PT, há quase 13 anos, utiliza para tentar promover desenvolvimento no País é o mesmo de governos totalitários, e, diga-se, há muito perdeu sua validade. Não é por outra razão que a nossa dívida pública cresce vertiginosamente, enquanto o produto interno bruto (PIB) despenca, e ainda se prevê uma inflação insana de 8,37% neste ano. Ou seja, somente no mês de abril a dúvida pública cresceu 0,42%, ou mais R$ 10 bilhões, para um total de R$ 2,451 trilhões. E, com o juro médio de 13,60% ao ano sobre os R$ 2,451 trilhões, o governo, para sustentar essa imensa dívida, deve tirar do bolso dos contribuintes R$ 334 bilhões só para pagar juros... Como o Planalto gastou mal tudo o que arrecadou em impostos, não investindo adequadamente em educação, infraestrutura, etc., o crescimento do PIB tem sido medíocre. E em 2015 não será diferente, como mostra a previsão do Banco Central, de uma queda de 1,24%, um dos piores índices da nossa história. Se Lula e Dilma assimilassem a sabedoria de um ex-presidente do EUA como Abraham Lincoln, que tinha como lema "não poderás criar estabilidade permanente baseado em dinheiro emprestado", o Brasil hoje seria um País mais próspero e justo socialmente.  

Paulo Panossian 

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MISSÃO IMPOSSÍVEL

Na iniciativa privada, se algum executivo fosse chamado para reestruturar as contas de uma empresa cambaleante, mas cuja presidência nem sequer cogita extinguir pelo menos metade de suas 39 diretorias e inúmeros postos de trabalho desnecessários, ineficientes e caros, de duas uma: ou o executivo não aceitaria a missão ou já pediria as contas logo no primeiro mês de trabalho, por motivos óbvios. Qualquer semelhança com a realidade atual é mera coincidência.

Frederico d'Avila 

fredericobdavila@hotmail.com 

São Paulo

*

INCONSEQUENTES

O Partido dos Trabalhadores (PT) continua a administrar o País inconsequentemente. Os poderes não assumem suas responsabilidades na execução do ajuste fiscal. A presidente cria animosidade gratuita com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para mostrar que manda. Dá um tiro em seu próprio pé, já que precisa da união em momento político tão difícil. Já o Congresso teme a impopularidade das medidas de ajuste a serem implementadas. Lança cortinas de fumaça, criando despesas inúteis, mas mediáticas para cobrir os aumentos dos impostos aprovados e já implementados. O Judiciário, por sua vez, aumenta despesas majorando salários de servidores que já receberam aumento recentemente, atitude totalmente descabida diante de trabalhadores da iniciativa privada que sofrem com o desemprego. Voluntarismo não significa liderança no governo de um país. Em momentos difíceis, há que se ter líderes maduros e equilibrados para seu melhor gerenciamento e desempenho. Este governo demonstra o contrário.

Sergio Holl Lara 

jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba 

*

CORTES CRUÉIS

 

Não há dúvidas sobre a necessidade de ajuste fiscal. Ao mesmo tempo, porém, a de punição política de quem arrasou o Estado brasileiro, ao arrepio de uma de nossas melhores leis - a Lei de Responsabilidade Fiscal. Os trabalhadores, em seu curto mundo corporativo, não percebem que o corte de mais de R$ 11 bilhões e R$ 9 bilhões nas combalidas saúde pública e educação os suplicia, e à sua família, em grau incomparavelmente maior aos já intoleráveis pisoteamentos de direitos sociais e previdenciários. Há muitas formas de o pecador se redimir, mas, ao que tem poder, não lhe aprazem suas próprias penitências. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula 

amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

*

SUGESTÕES PARA A REDUÇÃO DOS GASTOS 

Acabar com a publicidade oficial, incluindo a do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e da Petrobrás. Pôr fim aos cargos de confiança no governo federal e nas estatais. Fim das viagens aéreas para consultar Lula em São Bernardo do Campo. Neste caso, usar o telefone. Cortar salários de presidente, vice, ministros, deputados e senadores. No mínimo, isso valeria como exemplo. Como a única guerra em curso é contra o povo, suspender a compra dos caças suecos. E, claro, fechar 20 ministérios.

Cloder Rivas Martos 

closir@ig.com.br 

São Paulo

*

ONDE ESTÃO?

Onde estão os cortes nos 39 ministérios, grande parte dos quais apenas para distribuir cargos àqueles que concordam com o Palácio do Planalto? Onde estão os cortes nos milhares de cargos públicos "aparelhados"? Onde estão os cortes das despesas inúteis do governo? Por que só cortes que afetam apenas e tão somente o já esmagado povo pagador de impostos escorchantes e as classes menos favorecidas? 

Roger Cahen 

rcahen@uol.com.br 

São Paulo

*

PAÍS PARADO, OBRA DO PT

Justamente por termos um economista ditando regras é que o País está parado e em recessão. Como é que pode cortar gastos básicos e aumentar impostos? De onde virão os impostos, se não houver vendas, serviços ou empregos? Por que não se cortam cargos comissionados, empregos de favor e ministérios que não servem para nada? Por que não se cortam 50% das horas dos empregados das estatais e de todos os funcionários públicos, diminuindo, assim, os encargos e a folha de pagamento inchada do governo, sem demitir ninguém? Por que não se incentiva a construção civil, criando empregos e fazendo girar a máquina?  A construção civil sozinha geraria mais de 1 milhão de empregos, e com isso faria com que as outras indústrias produzissem mais para atendê-la. Gerando mais empregos, haveria mais compras e as demais indústrias também produziriam, e a máquina giraria. Com ela girando, simplesmente os impostos viriam por causa das vendas e dos serviços. Só que um economista não vê isso. Se visse, estava fora do governo, já que este governo que aí está não tem visão para nada. Sobram então: uma presidenta e um economista parando o País; uma cambada de ladrões em todas as camadas dos Poderes; e um povo ignorante e que vive abaixo de chicote, cestas básicas, futebol e carnaval.

 

Jose Pedro Vilardi 

vilardijp@ig.com.br 

São Paulo

*

SEDE ARRECADATÓRIA

De Dilma para o ministro Levy: arrecadar é preciso e que nem mesmo o céu seja o limite.

Roberto Twiaschor  

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

A DEFESA DO NOSSO BOLSO

Até quando iremos ficar calados, pagando com nosso imposto os descalabros para reeleger Dilma Rousseff? Não temos, realmente, uma oposição para dar um basta a tais ajustes que mexem em nosso bolso?

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso 

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

ERRO PRIMÁRIO

A presidente, que não sabe cortar os supérfluos gastos com ministérios, apaniguados, etc., etc., faz sempre o mais fácil: transferir a conta para nós, os trouxas. Para inglês ver, aumenta alíquota que os bancos pagarão sobre lucro, mais uma bobagem demagógica, pois os bancos simplesmente aumentarão os juros (e taxas) e a economia, já capengante, piorará com as pequenas e médias empresas insolventes. Esta falta primária de conhecimento me faz duvidar de seu diploma. Conviver com a mentira pode ser suportável, mas o custo da incompetência é enorme, como vemos, e atinge a todos, até seus incompreensíveis eleitores.

 

André C. Frohnknecht 

caxumba888@gmail.com 

São Paulo

*

DE OLHO EM 2016

 

Será que se esqueceram das despesas com os Jogos Olímpicos em 2016? O quanto será desviado e quais serão as chantagens de última hora? 

 

Luiz Ress Erdei 

gzero@zipmail.com.br 

Osasco

*

EMBUSTE

O ajuste é defendido por todos, por gente séria e também - lógico - por gente menos séria. Só que é um grande embuste e uma grande injustiça, pois não é o povo o culpado pelo descalabro, e tampouco o povo está no luxo para que lhe seja cortada parte dos míseros benefícios ou serviços de Terceiro Mundo a que tinha direito, como se estes representassem um excesso. Se fosse um governo sério, a Nação não estaria nessa situação. Como não o é, não está no direito de promover ajustes em detrimento dos direitos do povo. Como não corta os benefícios próprios e pessoais, merece um único destino: RUA!

Ottfried Kelbert 

okelbert@outlook.com  

Capão Bonito 

*

O PRÓPRIO UMBIGO

Com ou sem o ajuste fiscal de linha ortodoxa de Chicago praticado por Levy, pelas nuances dá para perceber que na prática o lulopetismo só olha para o próprio umbigo!

Francisco José Sidoti 

fransidoti@gmail.com  

São Paulo

*

FÓRMULA

O ministro Joaquim Levy disse que o dinheiro acabou. Sugiro que ele mande o governo fazer como nós: que vá trabalhar!

Luiz Frid 

luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

A INSATISFAÇÃO DE LEVY

Passado a "gripe", o ministro Joaquim Levy considerou adequado o corte de R$ 69,9 bilhões e alertou que "a arrecadação não tem atendido às necessidades do governo". Com governo como este, ineficiente e corrupto a arrecadação nunca é suficiente, ainda mais em época de crise econômica. Espera-se que ele opta por enfrentar as razões verdadeiras de falta de recursos, e não pelo aumento da nossa estratosférica carga tributária, pois não aguentamos mais!

Omar El Seoud 

ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

JOAQUIM LEVY 'ENGRIPOU'?

O descontentamento do ministro Joaquim Levy não é diferente do dos 200 milhões de brasileiros. Aos poucos, ele está percebendo que o governo está mais interessado em velhos casuísmos, mantendo e aumentando verbas do Bolsa Família e esquecendo  de outras áreas também importantes para recuperação da economia. Um conselho ao inocente ministro Levy: caia fora, dê no pé, não segure essa bomba, que o senhor não é o pai da criança. Estamos entendidos? Depois não reclame, não diga que não foi avisado.

Arnaldo de Almeida Dotoli 

arnaldodotoli@hotmail.com 

São Paulo

*

BRASIL DOENTE

Enquanto o País está gravemente "doente", enfraquecido pelo sangramento diário em quase todos os segmentos econômicos, os ministros Joaquim Levy e Nelson Barbosa encenam falsa "gripe" e "dor lombar". O Brasil não pode mesmo ser levado sério, pois não?!

J. S. Decol 

decoljs@globo.com 

São Paulo

*

JOAQUINS

Só tem uma solução para o Brasil sair da crise: trocar o Joaquim Levy pelo Joaquim Barbosa, com amplos poderes, para engaiolar toda a canalha que tomou o País de assalto.

  

Olavo Fortes Campos Rodrigues 

olavo_terceiro@hotmail.com 

São Paulo

*

VELA BOA PARA DEFUNTO RUIM

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está triste, pois a arrecadação não tem atendido às necessidades do governo. Caro ministro, não sei se você já percebeu, mas para atender às necessidades desse governo populista e corrupto não tem dinheiro que chegue. E também não quero ter a pretensão de ensinar o Pai Nosso ao vigário, mas como um país em crise, com inflação e desemprego em alta, pode arrecadar mais? E sinto informá-lo, mas o seu ajuste fiscal chegou tarde e ele apenas vai ajudar a derrubar ainda mais a arrecadação. Para salvar o País, só temos uma opção: desista de ser ministro da Fazenda e ajude a derrubar o governo do PT. Não vale a pena queimar vela boa com defunto ruim. Fica a dica. 

Maria Carmen Del Bel Tunes 

carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

*

AJUSTANDO NO TRABALHADOR

Eureka! As centrais sindicais, tentáculos do naufragado e desmoronado governo do Partido dos Trabalhadores, usando o seu caldeirão de poções mágicas, descobriram uma abracadabra para solucionar o combate ao desemprego. Isso é que é cortar na própria carne (a dos outros). Parece que as centrais sindicais estão invertendo a real atribuição sindical, que é a defesa do trabalhador. Sindicalistas atrelados ao governo defendem a proposta do Planalto que prevê corte de 30% na jornada de trabalho e 15% nos salários. Até alguém com a visão do Mr. Magoo (HQ) é capaz de ver que todo esse desajuste fiscal, toda essa desaceleração da produção industrial, da queda de consumo por efeito de uma inflação que insiste em dobrar enfrentando a meta do governo, são produto de um estelionato eleitoral que levou a presidente Dilma à reeleição à Presidência da República com gastos exorbitantes sabendo o que viria no futuro, porém com o propósito de um déspota esclarecido voltado para uma única meta: poder perpétuo. Toda aurora tem seu ocaso, todo império tem o seu "mene, mene tekel".

Jair Gomes Coelho 

jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

GREVE EM SBC

O PT precisa se definir, se é a favor ou contra o trabalhador. Quando o governador Geraldo Alckmin resolveu cortar salário dos professores em greve, acionaram toda a máquina de guerra, CUT, MST, black blocs, etc. para protestar contra o governador. Agora, que o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), que enfrenta a pior greve do funcionalismo em sete anos, anuncia desconto no salário dos grevistas, até agora nenhum protesto dos cabos de guerra do PT. O PT é a favor do trabalhador somente quando não faz parte do seu governo? 

Beatriz Campos 

beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo

*

OPORTUNIDADE VINDA DA CHINA

A economia brasileira, em seus mais diferentes segmentos, é motivo de muita preocupação. E, quando surge a notícia de que a China planeja abrir estaleiros e fábricas de trens no Rio de Janeiro, não apenas os segmentos ligados a essas áreas precisam se movimentar. Afinal de contas, é a possibilidade de abertura de um amplo mercado de trabalho. E são vários os campos, como a retomada da construção de ferrovias, a implementação de um sistema de transporte marítimo e hidroviário, a fabricação de navios e equipamentos ferroviários, enfim, o uso do aço, que vai movimentar as siderúrgicas brasileiras, atualmente passando por uma crise reduzindo a produção. E sem esquecer que a pesquisa será também outro desafio. Que este espaço seja ocupado no menor tempo.

Uriel Villas Boas 

urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

MÃO DE OBRA CHINESA

A Força Sindical não deveria temer a entrada de trabalhadores chineses no País, mas a força dessa mão de obra. É certo que, se de um lado os direitos trabalhistas no País são protegidos pela Carta Magna, na República Popular da China talvez seja algo embrionário. Mas é também certo que foi a força de trabalho de uma nação gigantesca que catapultou nosso agora patrocinador à posição de primeira economia mundial. Os brasileiros devem acordar do berço esplêndido e saber que para os "xing ling" não existe a velha máxima de que "quem trabalha muito não tem tempo de ganhar dinheiro".

Marco Dulgheroff Novais 

marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

*

MAIS ABERTURA PARA A CHINA? 

Quando Lula assumiu a Presidência, desejou  também  ser importante no mundo, e  para isso  buscou auxílio de outros países  para que o Conselho de Segurança da ONU aumentasse os cinco membros atuais para sete e destes um seria o Brasil. Atrás de apoio, buscou a poderosa China, que pareceu simpática à pretensão lulista, mas em troca conseguiu dele a abertura quase sem freios do mercado brasileiro para os negociantes chineses, inclusive a compra de minério de ferro a preço de banana para, depois, com lucros, quando transformado em aço, voltar para cá. E o resultado está aí, uma invasão de produtos daquele país, e isso é fácil de comprovar, basta ver a quantidade de etiquetas que apresentam o "Made in China" e invadiram o mercado brasileiro, o que diretamente levou muitas indústrias daqui a fechar as portas. Hoje, por meio da presidente criatura, o Brasil novamente bate bumbo para a China, que volta com promessa de investimentos que passam de US$ 50 bilhões. Mas ocorrerá? E, se sim, qual o custo? Esquecem Lula e a criatura que estão tratando de negócios com um povo que muito antes de o Brasil nascer já eram negociantes há mais de 2 mil anos. 

Laércio Zanini  

spettro@uol.com.br 

Garça

*

FERROVIA TRANS-ANDINA

A ideia de uma ferrovia sul-americana que dê acesso brasileiro ao Oceano Pacífico não é nova. Já foi defendida por Pedro II no Império e por Franco Montoro na República. A proposta se tornou mais atual com o interesse da China em acessar o continente brasileiro, tão importante para ela quanto para o Brasil em poder alcançar mais facilmente o Oceano Pacífico. Há diferentes traçados estudados, considerando que é para lá que se desloca o eixo-econômico mundial, com a presença de países dinâmicos como China, Rússia, Chile, Japão e EUA. Mas não será projeto para apenas um governo brasileiro que mal começa e até parece que já está acabando.

 

Rogerio Belda 

rbelda@terra.com.br 

São Paulo

*

HAITIANOS NO BRASIL

O governador do Acre, Tião Viana, petista histórico, disse em entrevista ao "Estadão", sobre a descontrolada e irresponsável imigração de haitiano ao Brasil, via Acre com destino a São Paulo e outros Estados mais desenvolvidos do Sudeste e Sul, que "mas isso não pode continuar assim. Daqui a pouco vamos virar o único lugar do mundo em que o imigrante ilegal é recebido com um documento, abrigo e transporte e moradia. Isso não vai terminar bem". Pois é, governador, isso só é possível graças à irresponsabilidade dos petralhas, pois dona Dilma criou em 2012 o inusitado "visto humanitário" só para atender aos haitianos. Nada contra nossos irmãos haitianos, mas a crítica é a forma irresponsável com que o PT administra problemas graves, que afetam os direitos sociais dos já sofridos brasileiros. Apenas cria-se novo problema, maior, para mitigar o anterior. Acorda, Brasil!

Carlos Benedito Pereira da Silva 

carlosbpsilva@gmail.com 

Rio Claro

*

'O DESESPERO, DO HAITI A SÃO PAULO'

Utopias à parte, o sr. Roberto Romano (23/5, A2) se esqueceu de que o Brasil é um país pobre. Cada haitiano assistido equivale a um brasileiro desvalido abandonado. Simples assim.

Sônia Maria Benfatti Resstel 

sbresstel@gmail.com 

São Paulo

*

CONTRADIÇÃO

A ruindade do governo tem expulsado do Brasil milhares de cidadãos e, principalmente, jovens. Enquanto isso, desembarcam por aqui tantos outros estrangeiros, notadamente haitianos, uma verdadeira contradição. Se nem o brasileiro nato consegue sobreviver nessa terra, o que diriam os estrangeiros? Sem uma política séria e coerente, a vida na cidade grande se torna um inferno de Dante.

 

Yvette Kfouri Abrao 

abraoc@uol.com.br 

São Paulo

*

DILMA ROUSSEFF NO MÉXICO

Perplexidade. Essa é a sensação de quem pensa no quadro vivido pelo Brasil nestes dias de desalento ético, político e econômico poucos meses após a última eleição. Perplexidade é também a sensação de quem ouviu a entrevista que a presidente Dilma Rousseff "concedeu", por mais de uma hora, ao jornal mexicano "La Jornada". Perplexidade quando se ouve qualquer fala da sra. Dilma, em cujas mãos está o futuro do Brasil... Como foi possível a esta senhora ter se tornado a presidente do nosso amado país? Que conjunção de forças, que pecados terríveis cometemos, que destino desastroso estava escrito para nós, que somos descritos como um povo alegre e feliz? Quantas guerras teremos de vencer para superar o legado que nos restará, findos mais três longos anos de desgoverno? Perplexidade ao nos sentir atordoados e desconsolados, com as mãos atadas por invisíveis e invencíveis amarras que nos impedem de sonhar com uma saída de emergência para o bem do País...

Gilberto Dib 

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

QUE VERGONHA!

Nossa "presidenta" demonstrou total desconhecimento da história do México e suas origens, assim como das cores da bandeira do país, que fez questão de falar, errar e permanecer no erro, durante entrevista para um jornal mexicano. Continua Dilma a nos envergonhar aqui é lá fora, querendo mostrar que domina assuntos que, como chefe da Nação, deveria saber. Mas, se não tem conhecimento, que cerre a boca ou estude antes de se submeter às entrevistas. "Mojito é invenção de vocês?", perguntou, e teve de ouvir que o mesmo é cubano. Pode?

Leila E. Leitão

São Paulo

*

RECADO PARA DILMA

Presidente, quando houver uma pergunta que a senhora não souber, não fale. É melhor não saber do que dizer besteira. Os incas não eram do México, dona Dilma, incas eram do Peru.

Fabio Figueiredo 

fafig3@terra.com.br 

São Paulo

*

BEM QUERER

Todas as vezes que a presidente Dilma se ausenta do País, faço uma constatação: como os brasileiros a querem bem. Bem longe!

Eduardo Augusto Delgado Filho 

e.delgadofilho@gmail.com 

Campinas

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.