Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

01 Junho 2015 | 02h00

Pedalando sempre 

Depois de afundar a nossa economia, até mesmo com suas pedaladas fiscais, a presidente da República, tranquila como se não devesse nenhuma satisfação ao povo brasileiro, passeia de bicicleta por Brasília. Lógico que não foi um teste para medir a sua popularidade. Para sorte da decadente presidente, ninguém a reconheceu, a não ser o jornalista do Estadão Daniel Carvalho. Mas, diferentemente do povão, que já não come o suficiente por causa da alta da inflação e do desemprego e tampouco pode andar de bicicleta por aí, como na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, que leva facadas de pivetes até a morte, Dilma Rousseff estava acompanhada de dois seguranças pagos pelos contribuintes. 

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.coam

São Carlos

Espectro da fome

Chegou o limite, faz tempo. A sra. presidente precisa saber que nós, os que trabalhamos, muitas vezes não temos dinheiro nem para coisas básicas. Até para nos alimentarmos!

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Queda do PIB e do consumo

Durou pouco a alegria do pobre. Isso é o que dá não se informar e votar errado.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Se o PIB encolheu 0,2% no verão (primeiro trimestre), esperem só para ver o que vai acontecer no inverno.

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

Demolição total

Há um ano, em campanha eleitoral, a presidente Dilma bradava que em 2015 a economia iria “bombar”. Entendida no assunto, ela acertou em cheio. Com as meias medidas tomadas, que só prejudicam a cadeia produtiva, Dilma jogou uma bomba na economia e - cabum! - acabou com ela em apenas cinco meses. Encontramos um campo no qual Dilma é competente... 

GLÓRIA ANARUMA

gloria.anaruma@gmail.com

Jundiaí

As ‘vitórias’ de Dilma

Afinal, tantas promessas ouvimos, tanto ela falou na mídia sobre a maravilha que o Brasil ia ser, e agora, entrando no segundo mandato, Dilma conduziu o País, a sétima maior economia do mundo, ao vergonhoso 95.º lugar em renda per capita, tal como o Gabão, e ao 56.º em competitividade. Um fracasso inigualável! Jamais tivemos perdas nessa escala e justamente o PT, com promessas imensas, nos traz a esse patamar com inflação elevada, desemprego acelerando para enormes proporções, queda gigantesca da produção industrial, com grande falta de competitividade, situação educacional e de saúde ainda no nível africano. Não foram essas suas promessas na campanha, ao contrário. Esse é o padrão PT de governar? O Brasil quer se livrar desse padrão que nos entristece e assusta.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Pagando pecados alheios

Fernando Henrique Cardoso assevera que o PT está pagando os seus pecados. Todavia podemos acrescentar que, na verdade, é o povo quem está pagando os pecados do lulopetismo. Porque está sendo oprimido com inflação, desemprego e ameaças a seus direitos trabalhistas. Na verdade, o povo foi chamado para tapar os ralos e buracos feitos pelos assaltantes do lulopetismo, bastando lembrar que metade do que foi surrupiado da Petrobrás daria para suportar todo o ajuste fiscal imposto por dona Dilma. O difícil é pagar pecado sem nada dever!

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

Renúncia

Com certeza Deus renunciou a cidadania brasileira. O diabo esta pintando e bordando neste pobre país.

JOSÉ LUIZ TEDESCO

wpalha@terra.com.br

Presidente Epitácio

Taxação de investimentos

Mais uma vez os magos da economia tupiniquim apontam para os investimentos das pessoas físicas como mecanismo para arrecadar, esquecendo que são esses investidores, pequenos ou grandes, que sustentam a economia deste país. Ignoram que muitas dessas economias pessoais são fruto de trabalho honesto durante sua vida profissional e hoje servem para sustentá-los e completar as despesas diárias, dada a aposentadoria irrisória. A calamidade nessa arrecadação é que a taxação é sobre o rendimento bruto, isto é, não é deduzida a inflação do período, o que causa enorme distorção. Como a inflação atual é galopante, fica fácil imaginar o futuro desses aposentados. Já que somos obrigados a pagar a conta pelos desmandos provocados por aqueles que dirigem nosso país, que seja de maneira mais justa e racional. Alteram as regras dos investimentos, querendo taxar os isentos, não considerando o intuito de como aqueles foram criados. A sanha é só arrecadar.

JOÃO ERNESTO VARALLO

jevarallo@hotmail.com

São Paulo

Voltar a crescer?

É lógico que todos os brasileiros concordam com a opinião do ministro de Fazenda, Joaquim Levy, de que “o Brasil não tem desculpa para não voltar a crescer” (30/5, B4). O problema é a falta de confiança nesse governo petista, que até agora não fez a sua parte e nem sequer demonstra vontade de fazê-la.

JOSÉ MILLEI

millei.jose@gmail.com

São Paulo

Nas previsões otimistas do rumo da economia, parece que Levy está usando a mesma bola de cristal que Mantega usava.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br 

São Paulo

Levy e as “incertezas”: o cara também é um profeta!

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Fim de um ciclo

Algo me diz que a era lulopetista está chegando ao fim.

FLÁVIO PORTO GOMES CAMACHO

fpcamacho@bol.com.br

Guarulhos

Com o motor da economia fundido, inflação em alta e PIB abaixo de zero, a era PT já era!

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

“Bye-bye, FGTS dos trabalhadores brasileiros!”

LUIGI VERCESI / BOTUCATU, SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE R$ 10 BILHÕES PARA O BNDES

luigiapvercesi@gmail.com

“Para um partido que se diz defensor dos trabalhadores, mexer até no FGTS é renegar suas raízes, a própria sigla e os ideais a que se propunha”

MARIA DO CARMO ZAFFALON LEME CARDOSO / BAURU, 

SOBRE O PT

mdokrmo@hotmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

UM PAÍS DE LOGOMARCAS

No dia 10 de fevereiro de 2011, a ministra-chefe da Secretaria de e Comunicação Social da Presidência da República Federativa do Brasil (Secom), Helena Chagas, apresentou à imprensa, no Palácio do Planalto, a nova logomarca do governo federal: "País rico é país sem pobreza". Por ocasião de sua campanha pela reeleição em 2014, Dilma Rousseff lançou a logomarca mais utópica do que a "Utopia" de Thomas Morus (1478-1586). Já tivemos o "Brasil, país de todos", logo parodiado para "Brasil, país de tolos". O "Pátria Educadora" soa mais para deboche quando se tem notícia das lastimáveis condições da educação no Brasil. O ensino fundamental e o médio são um fracasso, enquanto o superior vai cumprindo o seu objetivo de diplomar à tripa forra. Esta pátria educadora, pela Lei Orçamentária Anual (LOA), destinava R$ 3,3 bilhões para o Ministério da Educação em 2015. Para o ministro Joaquim Levy, a Educação está muito bem, porque ele ignora setores do governo que torram o dinheiro público - o excesso de ministérios, os aumentos salariais do Poder Judiciário e do Poder Legislativo, o brutal programa assistencialista que nada mais é do que um alimentado curral eleitoral - e reduz os R$ 3,3 bilhões para R$ 2,6 bilhões. Países emergentes que se tornaram grandes nações tiveram por apanágio a educação, enquanto no Brasil tira-se da educação e da saúde, bases do futuro de uma nação.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

PROFESSORES EM GREVE

Engraçado, nos cinco Estados do Brasil onde os professores estão em greve, todos são governados pelo PSDB. Até parece que no tal slogan "Pátria Educadora" da "presidenta gerenta" Dilma, a verba foi parar direto no bolso dos sindicatos desses Estados para financiar a bagunça, porque não existe dinheiro nenhum suficiente para mudar a educação no País. Aí não custa bagunçar a educação nos Estados considerados "inimigos", porque é muito estranho este movimento grevista apenas nesses Estados. O pior é que nenhuma luz acende nos iluminados da oposição para dar o troco.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo

*

É POLÍTICA

A greve de professores, que é nitidamente política, pois só ocorre em Estados governados pelo PSDB, já cansou a opinião pública, que começa a enxergar a intransigência dos sindicatos presididos por petistas de carteirinha. O movimento virou um dramalhão sensacionalista que mais parece novela mexicana. Existe professor que recebe quase R$ 20 mil mensais e que está em greve. Um verdadeiro acinte num país onde muitos recebem salário mínimo e não fazem greve. Que os pais dos alunos, estes os maiores prejudicados por essa politicagem irresponsável, exijam a reposição integral de cada hora de aula perdida. Professores, assumam suas responsabilidades e vão trabalhar. Chega de preguiça!

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com   

Ponta Grossa (PR)

*

DEBATE ÀS CLARAS

Críticas às greves do professorado causam enorme espanto e são, constantemente, pré-julgadas. Elas, em nenhum aspecto, fazem alusão à impugnação do direito de greve e livre manifestação ou organização - estabelecido constitucionalmente. As análises são ao real objetivo do movimento que está aí instalado no Paraná - portanto, é uma especificidade, sem generalizar para a questão da educação nacional.  Todos, ou a maioria, concordamos com a precária e desrespeitosa condição da educação brasileira, uma mazela de longa data. O cerne da discussão é o problema do federalismo brasileiro, que ao longo da História se alternou entre modelos centralizadores e descentralizadores. O que temos hoje é uma desproporcionalidade entre receita e gastos dos municípios e Estados. A maior arrecadação sempre é da União, então era de esperar que os projetos e investimentos também fossem. Ao revés, nos especializamos em repassar o mínimo para os municípios e Estados, ao mesmo passo que deles são responsabilidade os projetos e custos. Administração se faz com localidade. Mas o atual modelo inviabiliza melhorias na educação (além da saúde, da segurança pública, do saneamento...). No que tange à questão das manifestações, das 27 unidades da Federação, 20 enfrentam problemas na rede pública de professores. Entre elas se destacam as "movimentações" no Pará, Paraná, São Paulo e Santa Catarina. O curioso do assunto é que as manifestações perdem seu foco original ao apresentarem três aspectos: 1) ocorrem sob gestão tucana; 2) os centros de organização estão vinculados à CUT e a diretórios do PT e do PCdoB; e 3) sucederam às passeatas pró-impeachment. A educação é questão de emergência? Sim. É passível de reivindicações? Claro, diga lá no cenário atual. Mas se apropriar indevidamente da insatisfação dos educadores com a finalidade de jogatina político-eleitoral não é o caminho. Em São Paulo, a questão beira o insano. Num momento de recessão econômica, somado à independência dos Estados, pedir um reajuste de 75% é algo plausível? Os governadores e prefeitos (é evidente que existem esquemas de desvios e irresponsabilidade por parte dos gestores) fazem malabarismo para fechar as contas e atingir o superávit primário. É com partidarismo, da maneira como se está fazendo, que alcançaremos avanços sociais? Palurdice. A reforma é mais profunda: fiscal e moral. Infelizmente, o PT perdeu a oportunidade de fazê-la em 2003, além de jogar fora a macroeconomia que estava dando certo. A questão é complexa, o debate não pode ser superficial.

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com 

Nepomuceno (MG)

*

'O PROFESSOR E SEUS DESAFIOS'

Meus cumprimentos ao jornal "O Estado" pelo editorial "O professor e seus desafios" (26/5, A3).  Merece destaque o parágrafo "entre as maiores satisfações da atividade docente, 72% dos entrevistados citaram a possibilidade de contribuir com o aprendizado do aluno. Os dois fatores menos citados na pesquisa foram a remuneração (20%) e o reconhecimento social (17%)". O professor é, antes de mais nada, um educador, e com isso presta inestimável serviço à formação integral do cidadão, isto é, à Nação.

Benedito Lima de Toledo bltoledo@uol.com.br  

São Paulo

*

ESCOLA, CENTRO DE ENSINO OU DE TORTURA?

Menina de 12 anos é estuprada por três colegas em escola estadual na zona sul de São Paulo; policiais são acusados de agredir quatro alunos em escola na zona norte de São Paulo; parte dos professores estaduais de São Paulo está em greve há mais de 60 dias; o Brasil ocupa o 60.º lugar no ranking de educação feito pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com 76 países. A culpa é do governador Geraldo Alckmin (PSDB/SP)? A culpa é da direção da escola? Ou a culpa é da sociedade e da família, que não interagem com as escolas, que apenas levam seus filhos para lá e esperam que a escola e/ou o professor ensinem e eduquem seus filhos? Está na hora de a sociedade parar de procurar culpados e de buscar soluções, participando mais da comunidade e educando melhor seus filhos. E, para finalizar, uma última pergunta: qual deve ser a punição para os menores estupradores? Antes de responder, peço que cada um se coloque no lugar da vítima e/ou de seus pais. Li um artigo muito interessante sobre o perdão, mas, sinceramente, após ler sobre este crime, esqueci tudo o que dizia o artigo.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

*

A EDUCAÇÃO ARCAICA BRASILEIRA

Greve de professores no Brasil inteiro. Ano após ano. Greves contínuas. Banalização da greve. Surge a profissão de "grevessor", profissional da greve. Sabem por quê? Porque a estrutura do ensino brasileiro é tão arcaica, no velho estilo medieval presencial, que se tornou inútil. Basicamente, sua utilidade está resumida ao carimbo, à certificação, que hoje também é inútil, salvo em algumas corporações para finalidade legal, e não educacional. Soluções: 1) Fies estadual em larga escala; 2) ampliação dos convênios com ONGs e escolas particulares; 3) sobretudo, migração imediata da escola presencial para a escola na velocidade do pensamento.

 

Jacob Bettoni noergologia@gmail.com  

São Paulo

*

BENEFÍCIOS SEM CONTROLE

O Fies precisou de uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) para identificar 46 beneficiários mortos, e o mais revoltante é assistir às reportagens chapa-branca que noticiam que essas bolsas já foram canceladas. Como "já", cara pálida? O TCU faz auditorias todos os meses no Fies? Claro que não. Os meses que foram pagos para estes bolsistas mortos serão estornados? Claro que não, afinal é apenas dinheiro público distribuído sem controle para ser usado em propagandas políticas. Essa falta de controle é ainda mais preocupante quando se trata de beneficiários vivos, mas que não frequentam a universidade. Quantos recebem o financiamento do Fies, mas não estudam, são reprovados, apenas ocupam a moita e, com toda certeza, não pagarão o empréstimo, pois nunca se formarão? Esse descontrole todo do Fies é repetido no programa Bolsa Família? Quantos beneficiários do Bolsa Família faleceram nestes dez anos de programa? Quantos ascenderam social e economicamente e foram retirados do programa? Ou eles serão mantidos como beneficiários eternamente? O que vemos nos últimos anos é apenas um crescimento exponencial dos beneficiários do Bolsa Família, que já ultrapassa 55 milhões de beneficiários. Portanto, a conclusão é de que os governos petistas estão aumentando a pobreza no Brasil. O PT só se preocupa com os necessitados brasileiros durante as eleições.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 

São Vicente 

*

PÁTRIA (DES)EDUCADORA

Quando vemos a propaganda da presidente Dilma, cujo último mote é o de que o Brasil é uma "Pátria Educadora", e nos confrontamos com a realidade, a vontade é de chorar. Para não nos alongarmos muito, vamos nos ater apenas a dois exemplos: o corte de verba no Ministério da Educação; e o tempo para aprovação de uma patente no Brasil, que é de 11 anos. Isto significa que, entre 20 países, estamos em 19.º. Como é que vamos competir com outros países com uma "burrocracia" desta?

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br  

São Bernardo do Campo

*

AJUSTE NA SAÚDE E NA EDUCAÇÃO

O ajuste fiscal para corrigir as asnices e loucuras de Dilma Rousseff e Guido Mantega será feito mesmo é na saúde (corte de R$ 11,7 bilhões) e na educação (corte de R$ 9,5 bilhões), que já estão em estado lastimável. Reduzir o número de ministérios, nada!  Cortar os gastos suntuosos deste (des)governo indecente, tampouco. Cessar as ajudas financeiras a Cuba, Bolívia e quejandos, protegidas como segredo de Estado, nem pensar. E a roubalheira segue, impávida. Que vergonha!

Eduardo Spinola e Castro  esc@scvs.adv.br

São Paulo

*

PT PAPAI NOEL

 

Lula presenteou Evo Morales com uma refinaria da Petrobrás e perdoou dívidas dos países africanos em quase R$ 1 bilhão. Dilma financiou um porto em Cuba e uma complementação de obras que chegam a outro bilhão. Os médicos cubanos recebem R$ 2.500,00 e Cuba recebe R$ 7.500,00 por médico, ganhando por ano mais de R$ 1 bilhão pelo aluguel dos mesmos. Onde estão a Polícia Federal e o Ministério do Trabalho?

 

Marius Arantes Rathsam mariusrathsam@hotmail.com 

São Paulo

*

CORTE DIABÓLICO

 

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e outras porcarias já esfarelaram há tempos, agora cortar da educação e da saúde é injustificável. Isso é o PT, que agora vai pôr a culpa no diabo.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

SETORES VITAIS

 

Os investimentos em saúde e educação sempre foram pífios e deixavam muito a desejar. Pelo ajuste fiscal de agora, cortam-se mais recursos para esses dois setores, vitais para o País. O que se pode esperar de uma nação que sacrifica a educação e a saúde de sua população? Os gastos excessivos e desmandos deste governo perdulário promoveram um retrocesso para o País, com consequências gravíssimas. Desde o início do mandato de Dilma, vários setores da sociedade reclamam deste absurdo de manter 39 ministérios na administração federal. Mas a teimosia da presidente não se preocupa com os interesses do Brasil, e, sim, com os do seu partido, o PT.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 

São Paulo

*

O QUE MAIS VEM POR AÍ?

Foram anunciados mais resultados do "Programa de deterioração Total" da vida dos brasileiros, implantado pelo PT há 12 anos. Além do corte de R$ 69,9 bilhões, que engloba o PAC e áreas como saúde, educação e habitação, estimam-se, otimistamente, uma inflação de 8,26% ao ano e retração da economia de 1,2%. Outros sinais recentes do sucesso deste programa são o 60.º lugar no ranking da educação da OCDE, o esfaqueamento de quatro pessoas no Rio de Janeiro e em Brasília nos últimos dias e o aumento de 240% nos casos de dengue em 2015. Quais serão os novos "ajustes", resultados das reuniões da presidente Dilma com Lula e os ministros do PT? 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

FÓRMULA ERRADA

Não sou economista, mas a fórmula para driblar a inflação e buscar mais dinheiro para cobrir a incompetência deste governo está errada. Quando aumentam os impostos dos bancos, quem paga essa conta somos nós, os idiotas; quando alteram as regras da pensão por morte, há os espertos de Brasília que ganham até três pensões - e que pensões! Por que não cortam na carne dos ministros, senadores, funcionários públicos, cargos em comissão, cartão corporativo, viagens, etc.? Dona Dilma praticamente vendeu 1/3 do Brasil para os chineses. Acorda, povo brasileiro, que não tem mais volta.

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br 

São Paulo

*

OS CORTES FAJUTOS

Digamos que uma pessoa gastou seus R$ 50 mil de salário no ano de 2014. Agora, em 2015, ela elabora seu orçamento e decide cortar R$ 10 mil de despesas e compras que pretendia fazer, mas garantindo que não vai gastar menos do que gastou em 2014. Ao contrário, vai gastar um pouco mais de R$ 50 mil. Onde está o corte de gastos? Ora, na previsão de aumento salarial que estava projetando receber. A projeção era uma enganação, porque seu salário não iria subir tanto. Ela simplesmente se contenta em não gastar o que realmente não iria receber. É a isso que o governo Dilma vem chamando de ajuste fiscal, quando transportados os dados para as contas nacionais. Não vai resolver problema nenhum, a não ser provocar algo como um efeito placebo na população, que paga a conta através da inflação descontrolada e nos impostos sem retorno em serviços efetivos.

Ademir Valezi adevale@gmail.com 

São Paulo 

*

EFEITO ORLOFF

 

Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central, relatou o socorro financeiro da União Europeia à Espanha e à Grécia para que, em contrapartida, efetuassem reformas saneadoras. A Espanha fez o dever de casa ao reduzir a dívida e os gastos públicos, enquanto a Grécia blefou, ignorou o compromisso ao eleger governante contrário a tais reformas. A Espanha está no caminho certo, melhorando, enquanto a Grécia, de pires na mão, caiu na real e está em vias de acatar as condições da União Europeia para obter mais auxílio. Vejo o Brasil semelhante à Grécia. O blefe eleitoral contábil e a camuflagem da caótica situação interna para se reeleger. Agora, a conta não fecha e, ao invés de diminuir a dívida e os gastos públicos, reduz R$ 70 bilhões em investimentos e despesas essenciais como educação e saúde, mantendo a gordura de 39 ministérios. Compromete o futuro (remessa de lucro) em troca de US$ 53 bilhões chineses e engorda a máquina pública com novos cargos para obter apoio político. Agindo assim, é claro o efeito Orloff: o Brasil de hoje será a Grécia amanhã.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

*

CUSTO DOS MINISTÉRIOS

R$ 8,89 bilhões é o valor máximo permitido de gastos dos 39 ministérios brasileiros em 2015, que é 67% maior que o lucro líquido da Petrobrás no primeiro trimestre deste ano, que foi de R$ 5,3 bilhões, produzindo 2.803 mil barris/dia. Haja petróleo para sustentar esta eficiente e gigantesca máquina ministerial brasileira!

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

PIB 2015

Previsão do PIB em 2015: Índia, 7,5%; China, 6,8%; EUA, 3,1%; México e Chile, 3% e 2,7%, respectivamente; Alemanha, 1,7%; e Brasil, -1%! Com Dilma no comando da Nação, com artifícios contábeis conhecidos como "contabilidade criativa" praticados pelo governo e na Petrobrás, temo por ainda pior.

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

SURTO NO AJUSTE

No brejo, a vaca já tossiu. O ministro ficou gripado, mas ainda não espirrou...

A.Fernandes standyball@hotmail.com  

São Paulo

*

JOAQUIM LEVY DESGASTADO

Se o próprio PT não tem se empenhado tanto na votação das medidas provisórias para o ajuste fiscal no Congresso Nacional, com a resistência dos senadores de Lindbergh Farias e Paulo Paim e o jogo duplo do ex-presidente Lula para a aprovação das medidas, nota-se que Joaquim Levy, apesar da sua competência e de seu empenho, sairá desse embate desgastado. Para preservar a sua imagem, saia fora enquanto é tempo.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

COSTAS LARGAS

Joaquim Levy não deveria esperar um tratamento diferenciado, com tapetes vermelhos em sua chegada. Era só ele se lembrar do que ocorreu anteriormente e ter costas largas para aguentar o peso da falha, caso o ajuste que ele propõe não dê certo.

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

A REVOLTA DOS TRABALHADORES

As manifestações sindicais em prol do emprego deveriam ser transferidas das portas das fábricas para a porta do Palácio do Planalto, afinal de contas os responsáveis pela atual situação da economia do País não são os empresários, que investem, treinam, produzem, pagam impostos e, visando a resultados, sempre farão mais do melhor. Ao contrário do governo, que não produz, não gera riqueza, não investe adequadamente, apenas administra recursos e não o faz eficientemente. Ele é quem tem de ser amolado e cobrado.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com 

Matão 

*

AGIOTAGEM

Inadmissível que, em face da sua incapacidade, passividade, ineficiência além da conivência junto aos bancos e instituições financeiras, o governo permita a prática da agiotagem absurda e suicida. Basta ver que o juro médio ao ano pago no rotativo do cartão de crédito foi para 347,5% (29% ao mês), e o do cheque especial, para 226% (18,8% ao mês). Ou seja, se considerarmos que quem utiliza tais linhas de crédito são pessoas extremamente necessitadas e que, por não terem liquidez, pagam o mínimo mensal, o saldo corrigido com esses porcentuais absurdos é galopante, tornando-se impagável. Isso faz com que a inadimplência cresça mês a mês, como vem ocorrendo ultimamente. 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

A MÃO DO GOVERNO NO BOLSO DO POVO

No fim do ano passado, as Loterias da Caixa aumentaram os jogos em 25%. Neste mês, aumentaram de novo entre 38% e 50%, para uma inflação de 8% - diz o governo. Isso quer dizer que estão com a mão no bolso do povo em geral e que vão arrecadar perto de R$ 1 bilhão a mais em alguns meses. É o nosso ajuste fiscal, sem alarde. Vergonhoso.

Stanko Svarcic  ssvarcic@gmail.com

São Paulo

*

'SINODEPENDÊNCIA'

Há 70 anos, o Brasil é dependente econômico de um país ocidental e democrático e capitalista, os Estados Unidos. Agora, o Brasil é também dependente econômico de um país oriental e ditatorial e comunista, a China. Em 70 anos, continuamos dependentes econômicos não só de um império capitalista, mas também de um império comunista. Somos dependentes tanto do império capitalista quanto do império comunista. E essa nova "sinodependência" não é obra nem dos milicos nem dos tucanicos. É obra dos piticos!

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br 

São Paulo 

*

O PLANO CHINÊS

Parece-me que a China está aplicando um plano sólido, de longo prazo, garantindo seu futuro abastecimento, mundo afora, especialmente nos países carentes de recursos financeiros, mas com potencial de exportação de alimentos e matérias-primas. Cultura multimilenar, o cálculo frio e pragmático leva o governo a ignorar suas carências internas (por exemplo, que levam idosos ao suicídio) e exibem um planejamento que tem muito de impiedoso. A democracia aceitaria tal tipo de procedimento?

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com 

São Paulo 

*

FIM DE MUNDO

O Brasil é o país mais distante da China, se consideramos rotas marítimas, tanto no sentido leste quanto no oeste. Com fretes e seguros tão elevados, nossas autoridades deveriam privilegiar comercialmente os mercados consumidores mais próximos, como Estados Unidos, União Europeia, Oriente Médio e África. Deixar, por enquanto, o mercado chinês para os especuladores incautos mais ambiciosos.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

*

PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR

Ainda no governo do PT, quando foi dado o voto à China na Organização Mundial do Comércio (OMC), reconhecendo sua prática como dentro das regras, o Brasil negociou mal e não recebemos nada em contrapartida - saiu o apoio de graça para a China. Todo brasileiro de bem e patriota sabe e deseja para o futuro do Brasil uma saída para o Oceano Pacífico. Agora uma pergunta que não quer calar: estamos recebendo agora a contrapartida? Ou os brasileiros em desespero estão entregando nossa soberania nacional? Os chineses não brincam em serviço e não são bonzinhos.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 

São Paulo

*

BRASIL COLÔNIA

Minguando a "mina" nos EUA e da Europa, a China se volta a governos como o do Brasil, que tem grande potencial de "colônia". Até já é um governo comunista, tem tudo para dar "samba" para a China, evidentemente.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

MAG

O senhor Marco Aurélio Garcia, conhecido pelo acrônimo de MAG, beneficiado pela Lei da Anistia em 1979, quando regressou ao Brasil após autoexílio no Chile e na França, foi um dos fundadores do PT e teve papel preponderante na coordenação dos programas de governo de Lula e de Dilma. Sempre arredio e atuando nos bastidores, emergiu na mídia, no entanto, por protagonizar o insólito episódio do "top-top", quando foi flagrado ao gesticular obscenamente, em regozijo pela divulgação de que a queda do avião da TAM em 2007, no qual 199 pessoas perderam a vida, decorreu de defeito técnico, eximindo, assim, a então propalada responsabilidade do governo, veiculada por alguns setores da imprensa, dentro do contexto da crise aérea da época. Sem formação específica na área diplomática, ocupa hoje o indefinido cargo de assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais, o que faz dele, entretanto, o verdadeiro timoneiro da política externa do País, desastrada, com posicionamentos constrangedores diante da comunidade internacional, e divorciada dos verdadeiros interesses comerciais do País, por estar atrelada a tratados que a engessam, relegando, ao mesmo tempo, a segundo plano o ministério respectivo, com pesada tradição de atuação. É conhecido por suas tendências esquerdistas radicais, fato ilustrado pelo seu papel preponderante na montagem do subterrâneo Foro de São Paulo e pela circunstância de ter formado sua equipe de "companheiros" no âmbito da diplomacia. Assim, não é surpreendente que tenha manifestado, como consta em alguns órgãos da imprensa, seu descontentamento pela desaprovação no Senado, do nome do sr. Guilherme Patriota para ocupar cargo na Organização dos Estados Americanos (OEA), anunciando inclusive uma ameaçadora crise a ser desencadeada pela decisão. Seria interessante que MAG fizesse uma autocrítica da sua atuação durante os governos petistas, reconhecesse os entraves na política externa pelos quais foi responsável, descesse do alto de sua arrogância e, sendo minimamente coerente, renunciasse. Certamente, a diplomacia brasileira respiraria aliviada.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro  

*

BÔNUS NA PETROBRÁS

Aí fica difícil. Este país é uma mãe em direitos aos trabalhadores. Não que não os devam ter, mas que sejam na justa medida. Realmente a legislação trabalhista brasileira, passando pelos sindicatos das categorias, tem de ser urgentemente revisada. Pasmem que a Petrobrás, com todo o prejuízo que teve, reconhecido no balanço, da ordem de R$ 21,6 bilhões, terá de pagar bônus aos seus funcionários da ordem de R$ 1 bilhão, porque o acordo de petroleiros estabelece remuneração mesmo na ausência de lucro. Trocando em miúdos: eles não querem nem saber se a empresa deu lucro ou prejuízo. Querem o deles. Isso é uma beleza! Brasileiro, jamais verás um país igual a este.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

O BILHÃO DESMORALIZADO

O governo petista conseguiu a incrível proeza de banalizar o bilhão. A todo momento temos notícias de fatos promovidos pelo PT em que essa cifra já está se tornando lugar comum. É bilhão de roubo na Petrobrás, bilhão de financiamento para a Friboi, bilhão de custeio dos ministérios, bilhão de juros da dívida interna, bilhão de dívidas dos bancos com a Receita, bilhão de contingenciamento que o povo acha que é corte, mas não é, bilhão jogado fora nas Refinarias Premium 1 e 2, bilhão para a Olimpíada, bilhão na compra de aviões, bilhão de empréstimo chinês, sabe-se lá a que custo, e por aí vai! Enquanto isso, edita e aprova medidas para tirar direitos dos trabalhadores, com a desculpa da extrema necessidade para o ajuste fiscal. O ministro da Fazenda virou a Geni de Chico Buarque e, daqui a pouco, será vaiado nas ruas, como seu antecessor. É, o bilhão está desmoralizado e até achamos que o roubo de Pedro Barusco é "merreca" perto das outras falcatruas do PT...

Paulo Tude petude@hotmail.com 

São Paulo

*

PETROLÃO ARRASA TERRA DE LULA

O ex-presidente Lula, que se diz pai dos pobres e muito sensível aos graves problemas sociais principalmente do Nordeste, em seu governo permitiu um dos maiores roubos da história republicana deste país, loteando para verdadeiros picaretas, inclusive de seu partido, as nossas estatais. A fotografia do desemprego no seu Estado natal, Pernambuco, é desoladora em virtude da derrocada da Petrobrás, que tenta construir na região a superfaturada Refinaria Abreu e Lima. Reportagem do "Estadão" (24/5) destacou com precisão esta verdadeira tragédia da população local. E o título da matéria definiu bem o golpe de Lula e de seu PT: "Após anos de euforia, Petrobrás provoca frustração e quebradeira em Pernambuco". Aliás, em todo o País... E Lula apenas esteve onipresente quando a opinião pública estava a seu favor...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

BASTA DE CORRUPÇÃO!

Está coberto de razão o procurador-geral da República quando diz que a corrupção deve deixar de ser uma realidade diária deste país. A opinião pública nacional não suporta mais que ditas posturas antiéticas continuem sendo praticadas e exigem que as legítimas lideranças brasileiras ponham fim a tais descalabros, processando, julgando e condenando, nas penas da lei, os responsáveis pelos atuais desvios que agora estão sendo divulgados e apurados. Somente assim se poderá evitar grande parte de futuros delitos que tanto engessam nosso desenvolvimento socioeconômico.   

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 

Rio de Janeiro

*

REAJUSTE NAS PASSAGENS EM SP

Alguns meses atrás houve reajuste de tarifas de transporte público em São Paulo para R$ 3,20. Foi uma grita geral: passeatas na Avenida Paulista, sujaram a cidade com palavrões, etc., em sinal de protesto. Porém, poucos dias depois, veio um aumento novamente. Só que desta vez, para R$ 3,50. Ninguém protestou. Por quê? Não entendi. Gostaria que alguém, ciente do assunto, viesse a público e explicasse.

Jasminor Mariano Teixeira jasminormariano@gmail.com 

São Paulo

*

O BRASIL PERDEU O TREM

Minha mãe tem 83 anos e se lembra perfeitamente de ter vindo de trem para São Paulo. Hoje não existem mais essas estradas de ferro e as antigas estações, abandonadas, são apenas monumentos à ignorância, falta de visão e à incompetência de nossos governantes. Lembro muito bem de usar ônibus elétricos em São Paulo. Era uma delícia, rápido e silencioso. Também não existem mais. Depois de não terem sido capazes de fazer operar uma linha de trem regular entre as duas maiores cidades do País, o governo se atreve a falar em construir uma ferrovia até o Oceano Pacífico. Para tanto, a presidente Dilma e sua turma teriam de aprender a ler, a escrever e a fazer contas antes de se lançarem nesta nova aventura. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

ENERGIA

Usinas com barragens voltam à discussão. Descobertos sinais de vida inteligente no Ministério de Minas e Energia...

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br 

Atibaia

*

INSPEÇÃO VEICULAR

Tenho a impressão, como estudioso do tema há 25 anos e autor dos textos regulatórios do Conama da inspeção ambiental, que a inspeção nos estados só andaria de houvesse uma modificação nas regras do Conama de modo que nas áreas onde há violação dos padrões de qualidade do ar, se os governadores não implementarem os programas, eles estarão sujeitos a cortes de repasses de verbas federais de qualquer espécie. É assim que os EUA garantem o cumprimento de leis federais de controle de poluição do ar nos estados. Além da penalidade dos repasses, é necessário que as autoridades responsáveis pela paralisia e não cumprimento da lei, sejam devidamente acionadas por leniência e improbidade administrativa. É um deboche o que se faz aqui com essa lei da inspeção veicular, que vem sendo descumprida sem o menor constrangimento pelos governadores há 18 anos (lei 9503/97, artigo 104). É possível contabilizar as mortes por doenças respiratórias ocorridas ao longo desses anos pela ausência desse e outros programas, como, por exemplo a instalação de filtros de particulados (retrofit ou adaptação de veículos a diesel). Santiago instalou 3000 filtros em seus ônibus urbanos, Bogotá 2000 e agora o México adere a esse programa. A Alemanha acabou com o problema instalando filtros em toda frota nacional. Existem dois milhões de filtros adaptados em frotas antigas e poluentes ao redor do mundo. Vamos então agir por aqui, ou continuaremos a fazer artigos com blá blá blá e choradeira pela péssima qualidade do ar e pela inação do Poder Público. E as ONGs, o Ministério Público e a Justiça, por que não cumprem seu papel nesse campo? Só sabem falar de ciclovias. Há um mundo complexo em movimento fora do neverland das ciclovias.

 

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br 

Cotia

 

*

O DESTINO DO MINHOCÃO

É temerária a afirmação preliminar de técnicos da CET de que o fechamento definitivo, ou mesmo demolição do Minhocão, não devem causar impacto no trânsito da região. Se com o viaduto em pleno funcionamento há congestionamentos em horários de pico, a possibilidade mais óbvia é que haverá piora significativa, se não houver alternativa viável. Este tipo de avaliação não pode ser política ou eleitoreira, mas exclusivamente técnica. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.