Fórum dos leitores

DELAÇÃO PREMIADA

O Estado de S. Paulo

22 Junho 2015 | 03h00

Críticas no meio jurídico

Após a Operação Lava Jato são comuns críticas, desprovidas de fundamento, à delação premiada. Ora, esse instituto é previsto em nossa legislação e na de muitos países adiantados e nada tem que ver com injustiça. Seus efeitos benéficos em favor da apuração de crimes estão comprovados. Mesmo porque, no caso da citada operação, só estão sendo detidos aqueles sobre os quais surgem indícios veementes de prática do que se convencionou chamar eufemisticamente de malfeitos. E as delações só são levadas em conta e surtem efeitos em favor do delator se comprovados os fatos informados. Isso graças ao equilíbrio e bom senso do juiz Sergio Moro. Posso estar enganado, mas sinto que por trás dessas manifestações há um movimento em busca da desmoralização do instituto. Para proveito de quem?

JOSÉ ETULEY B. GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

O artigo sobre delação do advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira (20/6, A2) é sereno e bastante técnico, criticando a forma como esse instituto vem sendo utilizado na Operação Lava Jato. É importante dizer que o celebrado advogado se apega a importantes e essenciais proteções que o Direito instituiu há séculos para o respeito aos direitos individuais do cidadão contra os abusos de poder dos governantes e monarcas. Mas não se pode esquecer que a sociedade também precisa de proteção contra cidadãos desordeiros. Assim, faço uma pergunta ao articulista: por acaso alguma delação no Brasil já gerou acusações mentirosas contra pessoas inocentes? É que o jurista argumenta que o delator pode mentir para obter sua liberdade. Daí pensar o ilustre criminalista que o instituto da delação não seja oportuno para a colheita de provas. Todavia, se assim o for, nenhum tipo de processo seria legítimo, pois o depoimento testemunhal sempre foi aceito como um dos meios de prova em juízo. O perjúrio sempre é um risco, mas isso não desqualifica esse indispensável procedimento em todos os tipos de ação, até porque o Direito tem meios de defesa contra o perjúrio. E aqui faço uma observação a todos: o Direito e a proteção dos direitos individuais não podem ser usados como mera desculpa por criminosos, que prejudicam toda a sociedade. Se há séculos o Direito protege o cidadão contra os monarcas, o Direito moderno precisa de atualização, para proteção da sociedade contra homens corruptos, sem ética e criminosos poderosos. Urge que o Direito se atualize. E que todos os advogados se adiantem na busca de um Direito protetivo da sociedade contra aqueles que se valem do próprio Direito para continuar perpetrando seus crimes. E, principalmente, que se criem igualmente melhores mecanismos contra governantes que não exercem competentemente o seu mandato.

ALBERTO HELZEL, advogado

alberto@helzel.adv.br

São Paulo

*

Li com interesse o artigo do ilustre advogado criminal A. C. Mariz de Oliveira. Achei curioso o destaque do princípio de “voluntariedade” para legitimar a delação, assim como o de “verificação de necessidade” para justificar a custódia de suspeitos. Mas eu sou leigo em matéria jurídica. Gostaria que o articulista explicasse aos leitores leigos quais outras alternativas existem à disposição da Justiça para chegar às evidências que possibilitem a apuração dos fatos e o indiciamento dos suspeitos em casos da magnitude dos que temos visto. Vivemos num país onde a impunidade é a regra. Será que um figurão (corruptor, corrupto ou operador), com acesso aos melhores advogados do País, entregará os detalhes desses megaesquemas no conforto de sua sala de casa? Penso que não. 

FERNANDO BARRETO NOGUEIRA

fernando@bikeways.com.br

São Paulo

*

Mariz de Oliveira, grande cultura jurídica! Mas pergunto: se o que o juiz Sergio Moro faz está errado, por que os habeas corpus são negados?

LUIZ FUMIKO HACHIYA

lufuya@gmail.com

Curitiba

*

Em que pese o reconhecimento do cabedal jurídico do dr. Mariz de Oliveira, cabe uma oportuna observação quanto ao ali inserido. Salientar que há complacência da mídia e da sociedade às prisões objetivando obrigar os acusados a delatar é até aceitável. Porém incluir nesse rol as autoridades ligadas à distribuição da Justiça Penal me parece um exagero, pois nas três esferas de jurisdição da Lava Jato apenas o sr. Renato Duque teve sua prisão relaxada, inicialmente. Todas as demais prisões foram mantidas e após a instrução penal os acusados foram libertados do cárcere e mantidos em prisão domiciliar pelo STF. De fato, nossa legislação penal é rígida quanto a manter encarcerado o réu até o trânsito em julgado de sentença, salvo situações excepcionais. No caso da Lava Jato, ao que temos assistido é possibilidade de fuga, interferências, ocultação de provas, etc., dadas as posses dos envolvidos, com contas no exterior e conluio com autoridades atuais e anteriores, caracterizando necessárias, por óbvio, as prisões levadas a efeito.

FLAVIO BATISTA

f22batista@gmail.com

São Paulo

*

Perguntar não ofende

Será o dr. Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, brilhante causídico, advogado de defesa de algum dos réus da Lava Jato?

MARCIO B. DAVINI

mbdavini@uol.com.br

Ubatuba

*

VENEZUELA

Bolivarianismo a nu

Nada melhor para demonstrar o regime de força em que vive a Venezuela do que a recepção violenta que tiveram nossos senadores que foram visitar os presos políticos. Se a recepção tivesse sido normal, não teria repercussão. Assim como foi, fica cabalmente demonstrado o regime de força imposto ao país por um tirano que aparenta estar mentalmente perturbado.

DÉCIO ANTÔNIO DAMIN, médico

deciodamin@terra.com.br

Porto Alegre

*

Foro de São Paulo

O regime chavista não é delirante, é apenas marxista-leninista, como vários outros latino-americanos (o nosso inclusive) reunidos no Foro de São Paulo, fundado por Fidel Castro quando ficou órfão da União Soviética e arrebanhou os outros órfãos no continente para se manter. E qualquer regime marxista-leninista nem sequer entende a lógica do mundo capitalista, daí o caos econômico (de novo, o nosso inclusive).

CÁSSIO DE REZENDE CAMARGOS

cassiocam@terra.com.br

São Paulo

*

Ataque de milícia 

Os black blocs chavistas foram treinados pelos black blocs nazipetistas ou o contrário?

ANDRÉ COUTINHO

arcouti@uol.com.br

Campinas SP

GRANDE TEATRO

As "pedaladas fiscais" do governo Dilma escondem a real situação financeira do País, que virá à tona mais cedo ou mais tarde. O verbo omitir não é sinônimo de pedalar. O grande teatro encenado pelo BNDES, pela Caixa Econômica Federal, pelo Banco do Brasil, por ministros, parlamentares e pela presidente não resolve os problemas do Brasil. Os resultados financeiros negativos precisam ser tratados com seriedade, planejamento e boa administração. Os cortes nas folhas de pagamento do governo federal, dos governos estaduais e municipais ainda não foram feitos, por exemplo. Os aumentos de impostos, que parecem ser a solução mais rápida, não resolvem a situação. O governo federal precisa apresentar planos exequíveis, que garantam o crescimento econômico, aumento de postos de trabalho, parcerias com a iniciativa privada, controle da inflação e aumento da exportação de produtos primários.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

CPI DO BNDES

Se é fato que o dinheiro "emprestado" pelo BNDES aos países amigos do governo do PT é transparente e gera inúmeros empregos aos brasileiros, por que tanto medo de uma CPI, a tal ponto de tentarem blindá-la a todo custo?

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

O BANCO CAMARADA

Um banco que, para suas operações, adota critérios políticos e ideológicos, e não técnicos, empresta a devedores duvidosos com juros abaixo do mercado e prazos a perder de vista, e, acima de tudo, com a garantia do Tesouro do nosso país, e não do Tesouro do país beneficiado, só pode fazer o povo brasileiro "entrar pelo cano". Urgem providências!

Níveo Aurélio Villa

niveoavilla@terra.com.br 

Atibaia 

*

TRANSPARÊNCIA NA MARRA

Duas coisas saltam evidentes no BNDES das últimas semanas: a transparência em suas atividades não tem nada de espontânea, vez que é fruto da pressão popular e política através da imprensa e da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que o obrigou a mostrar detalhes de suas obscuras operações com os "campeões nacionais" ao Tribunal de Contas da União (TCU) e, em segundo lugar, a maneira como as novas diretrizes de financiamento que se anunciam doravante, mais rígidas e menos tolerantes com benevolências em favor de empresários-financiadores-políticos, se fazem estranhamente sem a substituição de seu presidente, que por tantos anos adotou postura completamente diferente.

Ademir Valezi

adevale@gmail.com 

São Paulo 

*

EXPORTAR É O QUE IMPORTA, NÃO A QUALQUER PREÇO

O bordão relativo à importância das exportações soa familiar, no entanto é preciso moderar a defesa incondicional das iniciativas do BNDES. No informe publicitário "Diga não ao fechamento de postos de trabalho gerados pela exportação de bens e serviços de engenharia", são apresentados mitos e verdades, na óptica da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). O texto possui seus méritos, mas talvez não seja suficientemente sólido para resistir a uma leitura crítica. Difícil de admitir que, no caso da construção de um porto ou de uma estrada num país distante - e aqui não vai nenhuma crítica ao bolivarianismo, hipótese contra a qual se insurge a ilustre senadora Gleisi Hoffmann - envolvendo um financiamento à empreiteira contemplada com a obra, a execução caberá à mão de obra local. O projeto e a supervisão serão eventualmente de autoria de brasileiros. Quanto ao pagamento, que permitirá o reembolso aos financiadores, resta torcer para que de fato ocorra. Em se tratando de países como Argentina, Cuba ou Venezuela, que atravessam uma fase de escassez de moeda forte, resta-nos torcer para que haja entrada no nosso país de recursos em moeda forte nos prazos contratuais.

Alexandru Solomon

alex101243@gmail.com

São Paulo

*

BRASIL LADEIRA ABAIXO

Está ficando impossível salvar a economia do nosso país. Primeiro, foram as irresponsabilidades praticadas por Dilma durante o seu primeiro mandato, que estão levando o atual ministro da Fazenda a lutar por um ajuste fiscal para tentar colocar o País de volta aos trilhos, mas por enquanto, estamos recebendo como herança apenas inflação fora de controle e desemprego em alta. E para ajudar a derrubar o País, os parlamentares, de forma irresponsável, derrubaram o fator previdenciário em vigor desde 1990, colocando em risco o sistema previdenciário nacional, justamente no momento em que o sistema deveria buscar mais receitas, e não o contrário, por causa do aumento de expectativa de vida. Quanto mais tempo esses irresponsáveis permanecerem no poder, maior será o tempo para recuperar o prejuízo por eles causados e maior será o nosso desembolso, pois sabemos que no final quem paga por suas burradas somos nós.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

*

PAÍS DE TOLOS

O Brasil é mesmo um país de tolos. Dona Dilma gastou o quanto quis, teve suas contas reprovadas pelo TCU e ganhou um fôlego de 30 dias para justificar seus gastos? O TCU apontou que, em vez de cortar gastos, o governo camuflou despesas. Com isso, as receitas previstas de 2011 a 2014 ficaram R$ 251 bilhões abaixo do estimado. Vamos assistir calados a mais uma pizza? Já passou da hora de o povo ir às ruas gritar contra tantos malfeitos.

 

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

AS CONTAS DE DILMA

TCU dá um mês para Dilma explicar contas de 2014. Que maldade com a presidente Dilma: limitada como ela é, em um mês ela não terá nem aprendido a tabuada. 

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo 

*

SORTE OU AZAR?

Treze é o número das "pedaladas fiscais" que a presidente Dilma Rousseff terá de explicar ao Tribunal de Contas da União (TCU) e a 200 milhões de brasileiros. Para isso, inexplicavelmente, foi presenteada com 30 dias para as devidas considerações. Quem não se lembra da justificativa esdrúxula apresentada pela presidente, quando estourou o caso da desastrada compra da Refinaria de Pasadena (EUA), quando era a pessoa com maior autoridade na hierarquia da Petrobrás, presidente do Conselho de Administração: "O relatório era falho e incompleto". Pronto, não se falou mais do nefasto negócio, abafado que foi pelo maior ato de corrupção do mundo, o petrolão, também iniciado sob a sua gestão na petroleira e cujos responsáveis pelo roubo a Polícia Federal e o Ministério Público ainda caçam. Não se surpreendam, caros leitores, se ao fim do prazo outra esfarrapada desculpa seja pronunciada: "Os computadores do Planalto sofreram pane geral e apresentaram uma pequena diferença no resultado final das contas de 2014, R$ 40 bilhões". Portanto, oh! Azar, o relatório falho apresentado pelos técnicos contábeis foi o causador das escorregadas.

Sérgio Dafré

Sergio_dafre@homail.com 

Jundiaí

*

PEDALADAS E MORALIDADE

O lulopetismo faz assim: omite das contas R$ 37 bilhões em pedaladas, de acordo com o TCU. Recebe, com todos de pé e aplaudindo, no Congresso do PT em Salvador, João Vaccari Neto, o tesoureiro do partido, preso pela Polícia Federal por entrar no propinoduto da Petrobrás. Deseja, ademais, aumento de tributos, com a recriação, inclusive, da CPMF. Assaltam os cofres públicos e querem que o povo deste país pague mais impostos para repor o caixa. Mas o partido, segundo Lula, não está morrendo, mas apenas machucado. Falta à verdade. O PT está agonizando, atacado por moléstia gravíssima e que afasta milhares de medo do contágio. É preciso salvar o País da moléstia.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneiro.jcc@uol.com.br 

Rio Claro

*

APOSENTADORIA ESPECIAL

O governo e o Congresso Nacional estão discutindo como mexer nas aposentadorias de forma a diminuir o déficit da Previdência. Só não são discutidas, nem mudadas, as regras para os políticos e funcionários públicos com suas aposentadorias sempre integrais. No caso de políticos, não há nem pré-requisitos como escolaridade, só o voto. Ainda não tem a idade mínima e o tempo de contribuição é absurdo. No caso de funcionários públicos, o que os difere é o concurso. Se o concurso nada mais é que um vestibular, em que não precisa mais estudar, por que um médico, um engenheiro, um advogado, que faz vestibular e ainda tem de estudar mais cinco a seis anos, não tem o mesmo privilégio? Por que ninguém reclama?

Ricardo Nobrega

cnc.eng@terra.com.br

São Paulo

*

NOVO MODELO DE PREVIDÊNCIA

Com o Sistema Único de Saúde (SUS) que temos, a expectativa de vida da população brasileira vai diminuir!

Luigi Vercesi

luigiapvercesi@gmail.com 

Botucatu

*

SEJAM ESPERTOS

O governo está preocupado com o que acontecerá em 2060 com a Previdência. Porém, o povo está preocupado hoje. Os direitos adquiridos pelos verdadeiros trabalhadores há muito foram esquecidos. Hoje a grande maioria não tem dinheiro nem mesmo para comer, enquanto vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores, presidentes, juízes e mais um monte de gente que deveria trabalhar de graça determinam quanto querem ganhar e ainda recebem ajuda de custo para viagens, contratar funcionários, morar e outros tantos benefícios impossíveis de enumerar. Se a Previdência em 2060 estará quebrada, sejam espertos hoje e criem modelos diferentes para os que começam a trabalhar agora. Acabem com as mordomias dos vagabundos. Economizem e não maltratem o trabalhador. Nós, velhos, não podemos ser castigados pela desinteligência de nossos representantes. Se nada for feito agora, talvez o Brasil não tenha 2060. 

Wilson Matiotta

loluvies@gmail.com 

São Paulo

*

'PONTO PARA O GOVERNO'

Por ensejo do elogio deste jornal ao amadorístico modelo de aposentadoria (19/6, A3), indago por que não se cobra do governo o ajuste de seus próprios gastos, seus supérfluos, seus desperdícios e por que não da aposentadoria de seus políticos e membros, o que resultaria em boa economia em benefício do povo, e quiçá melhoraria a imagem deste governo corrupto e perdulário? 

Ottfried Kelbert

okelbert@outlook.com 

Capão Bonito

*

TRANSPARÊNCIA

O artigo "Transparência, abra as asas sobre nós" (19/6, A2), de Fernando Gabeira, trata de um tabu da política. Na teoria, não há político contrário a ela. Na prática, simplesmente a ignoram. Infelizmente, a Lei Federal 12.527/2011, mais conhecida como Lei de Acesso à Informação, não prevê penalidades para seu descumprimento. Em minha cidade, Pouso Alegre (MG), o "Portal Transparência" da Prefeitura Municipal está desatualizado e omite grande parte das informações que deveria divulgar, inclusive os contratos celebrados pela prefeitura. Já fiz diversas solicitações formais para obtenção dos dados, inclusive por meio de um ofício ao prefeito, mas nunca fui respondido. Em 2013 denunciei o fato ao Ministério Público de Minas Gerais, sendo aberto o Inquérito Civil MPMG 0525.13.000490-2. Somente assim, a prefeitura fez a manutenção das informações do portal, mas, menos de um ano após, parou de atualizar os dados. Ninguém foi responsabilizado.

Luciano Nogueira Marmontel

automat_br@ig.com.br 

Pouso Alegre (MG)

*

NÃO HÁ O QUE RECLAMAR

Entrevista com Jô Soares, senadores na Venezuela, inflação e desemprego, ajuste fiscal, Operação Lava Jato. O governo está reclamado do quê?

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com 

Avanhandava

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

Prenderam o presidente da Odebrecht e da Andrade Gutierrez. Não pensei que chegassem a tanto! Como naquela música antiga, da saudosa Dalva de Oliveira, "Tá faltando um"...

Roberto Maciel

rvms@oi.com.br 

Salvador

*

CORRUPÇÃO ENDÊMICA

Se empresas como a Odebrecht, a Camargo Corrêa e outras tantas envolvidas em escandalosos casos de corrupção não fossem tão aéticas e amorais, provavelmente nossos políticos seriam menos corruptos, não por virtude, mas por ausência de corruptores.

Mário Rubens Costa

costamar31@terra.com.br 

Campinas 

*

ODEBRECHT E ANDRADE GUTIERREZ

Que desviaram milhões é certeza. A ser esclarecido pela Polícia Federal: para quem?

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

UM CONSTRANGIMENTO PARA O BRASIL?

Diante o inusitado ataque de "populares" venezuelanos aos senadores brasileiros que foram àquele país e com a abordagem de militares com câmeras filmadoras à comitiva de senadores brasileiros, transportados por avião da Força Aérea Brasileira e devidamente autorizados pelo governo venezuelano a ingressarem no país, a presidente Dilma Rousseff ficou irritada. Com o governo chavista daquele país? Não, ela criticou senadores que foram à Venezuela, para visitarem políticos da oposição presos de maneira ainda não bem esclarecida. Disse que a iniciativa dos senadores colocou o governo numa "armadilha" e criou um constrangimento para o Brasil. Como é que é? Uma comitiva oficial de senadores de um país, cujo governo tem apoiado o governo chavista muito mais que ele faz por merecer, sofre um ataque covarde de chavistas, que evidentemente estavam autorizados pelo seu governo e o constrangimento é nosso? Todos sabem que nenhum grupo de populares ousaria atacar os nossos senadores se não estivessem autorizados pelo presidente Nicolás Maduro. Se os senadores da oposição queriam provar que o governo venezuelano é uma ditadura muito mal disfarçada, conseguiram plenamente o seu objetivo. E cabe agora à presidente cobrar duramente o mandatário venezuelano, inclusive chamando o embaixador daquele país ao Palácio do Planalto para cobrar explicações. E diante desse episódio, veio de imediato à minha memória a verdadeira fortuna que o governo brasileiro emprestou ao governo venezuelano, a juros de papai para filho e prazo a perder de vista, através do BNDES, utilizando inclusive dinheiro do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e com a garantia no final das contas do Tesouro Nacional. E o constrangimento é nosso? Eu entendo que o Parlamento deveria aproveitar o incidente e aprovar uma PEC que obrigue o Executivo a pedir autorização ao Congresso Nacional para conceder empréstimos e financiamentos a países estrangeiros. Reportagem recente do "Estadão" demonstrou que o que vem ocorrendo nessa área definitivamente não é do interesse do Brasil. E nesse incidente pudemos sentir a "gratidão" do governo venezuelano.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br 

São Paulo

*

A VENEZUELA É AQUI

 O que aconteceu na Venezuela no dia da ida de senadores para visitar opositores presos é a história certinha com que as pessoas brincam: "Entenderam ou quer que eu desenhe?". Para esquerdoides de plantão, ou gente que não entende, desta vez ficou claro: quem apoia este tipo de governo é fascista igual. E a hora de o PT se mostrar favorável a ele mesmo é agora, o governo tem de exigir a libertação de opositores ao "chavismo". Só uma besta humana pode achar este regime possível: o país quebrado, uma ditadura miserável. E não só o Brasil, mas todos os países do Mercosul têm de retirar urgentemente a Venezuela deste bloco. E o embaixador brasileiro deve explicar o porquê e quem o mandou abandonar a delegação de senadores do Brasil, se ele recebeu ameaça na Venezuela ou ordem de quem do Brasil. Resumindo: ou o Brasil exige imediata libertação dos opositores venezuelanos ou corta relações imediatamente com aquele governo nojento.

Roberto Moreira da Silva

rrobertoms@uol.com.br 

São Paulo

*

CAINDO A MÁSCARA

O que houve na quinta-feira em Caracas foi nova manobra do regime chavista, certamente em conluio com o Planalto - que em hipótese alguma pode ser acusado de ter estado alheio aos fatos -, para, desta feita, embaraçar a missão dos senadores brasileiros que pretendiam avistar-se com alguns dos principais presos políticos na Venezuela. Os celerados que atacaram e intimidaram a van dos senadores não atuaram de forma independente: aquilo é tudo milícia não uniformizada do regime de Maduro obedecendo cegamente às ordens do Palácio de Miraflores. Aquela gente agiu numa operação levada a efeito pelo serviço de inteligência do regime... que tem cubanos com décadas de expertise por detrás.  Os senadores brasileiros, todavia, fizeram a sua parte e os obstáculos (literais) havidos em seu caminho têm uma eloquência que dispensa maiores considerações, desnudando a falência das instituições democráticas no país vizinho - situação apoiada ativa e passivamente pelo desgoverno brasileiro que cinicamente debocha dos brasileiros quando faz praça de seu apego à "democracia" enquanto se alinha ao mais abjeto autoritarismo em nosso continente. Se Brasília insistir em olhar para o outro lado enquanto o chavismo bota para quebrar prendendo todos quantos ousam fazer-lhe oposição, isso fica por conta e risco de Dilma Rousseff e seus cúmplices vermelhos no Brasil e no exterior. A missão dos senadores em Caracas, ainda que sem conseguir avistar-se com os presos políticos daquele país - e até por isso mesmo -, desnudou o pouco que restava saber sobre a natureza do regime chavista unha e carne com o odioso lulopetismo.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com 

São Paulo

*

OPOSIÇÃO KAMIKAZE

 Muita ingenuidade dos senadores do PSDB pensar que seriam recebidos pelos asseclas de Maduro com fogos de artifício e desfiles de fanfarras. Henrique Caprilles, líder da oposição venezuelana, está preso e Nicolás Maduro não seria um Eremildo em permitir uma visita tão inoportuna. Os nossos senadores correram risco de vida muito sério com essa aventura e podem crer que esse "passeio" poderia ter ficado muito caro. Vamos tentar solucionar a balbúrdia nossa de cada dia, que não é pouca. Diga-se a bem da verdade que a oposição capitaneada pelo PSDB não tem encontrado espaço útil diante das desproporcionais forças exercidas por um projeto de aparelhamento tão adredemente preparado que parece ter sido concebido por um dos gênios do mal, Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do Reich nazista. Isso é o que o PT conseguiu fazer com os brios da nossa política e a soberania nacional. Vejamos qual será a réplica do governo brasileiro sempre de parceria com o bolivarianismo.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

DIGNIDADE PELO BREJO

Pelo andar da carruagem, percebe-se que nada será feito de efetivo com relação a hostilidade sofrida pelos nossos senadores durante a visita à Venezuela no dia 18 de junho de 2015. Aliás, o Brasil novamente dobra-se perante outro país latino, tal como Lula fez por ocasião da tomada de posse de nossa refinaria pelo índio cocaleiro Evo Morales, da Bolívia, tudo em nome da ideologia. A dignidade brasileira pode ir para o brejo que o governo do PT não se importa, pelo contrário, só colabora.

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

VERGONHA NACIONAL

Em relação ao vexame na Venezuela, dos senadores, vergonha nacional que não pode ficar sem resposta, nossa presidente se omitiu vergonhosamente. Deveria o Congresso restringir visto de venezuelanos ao Brasil por 90 dias, até pedido de desculpas pela Venezuela.

Carlos Ambar

ambar@netonne.com.br 

Paraguaçu Paulista

*

AFRONTA AO BRASIL

Se a presidente Dilma realmente respeita a nação e o cargo que ocupa, deve questionar duramente este delinquente governo venezuelano! Já que seis senadores da nossa República, entre eles Aécio Neves, Aloysio Nunes Ferreira, José Agripino Maia, ao chegarem ao aeroporto de Caracas, com o objetivo de visitar Leopoldo Lopez, líder da oposição da Venezuela, que está preso de forma arbitrária, foram hostilizados por populares adeptos ao governo Nicolás Maduro e também pela polícia local. Esse governo venezuelano que o PT, sabe Deus porque, insiste apoiar, e que há tempos comete um verdadeiro vandalismo institucional, mais uma vez e sob o silêncio do Planalto, afronta o Brasil. É hora de Dilma dar um basta a esta humilhação e desrespeito não somente ao nosso Parlamento, como também ao povo brasileiro.   

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

A FAO PREMIA O DESASTRE

Só podia ser obra de brasileiro o prêmio maluco outorgado pela Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) ao governo bolivariano da Venezuela, representante ilegítimo do mendicante povo venezuelano. Brasileiros, realmente patriotas, deviam cultuar Dom Pedro I, alcunhado o Libertador, impondo aos nossos vizinhos o alcantarianismo, o bragancianismo ou até o bourbonismo. Bolivarianismo, jamais.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

*

PRÊMIO FAO

Nicolás Maduro ganhou o prêmio com uma ideia simples: para diminuir a fome, racionou os gêneros alimentícios; o papel higiênico foi só consequência...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

RÉQUIEM PARA QUEM?

O professor emérito da Universidade de São Paulo (USP) José Goldemberg ("Réquiem para os combustíveis fósseis?", 15/6, A2) colocou no final do seu artigo que o Brasil pode reconquistar papel de liderança por ter uma das menores taxas porcentuais de combustíveis fosseis na sua matriz energética. Ainda que isso possa soar como verdade, é uma visão bem diferente daquela do também professor da USP Ricardo Abramovay, conforme artigo publicado no dia 17 de junho de 2015 no "Valor Econômico", com o título "A energia do Brasil estaciona no século 20". Infelizmente, o Brasil não prestou atenção ao último título da sua Constituição, "Da Ordem Social", que abrange, entre outros temas, Educação, Ciência e Tecnologia, Cultura e Meio Ambiente, temas caros aos países que hoje despontam como emergentes. Assim dá para entender, no meio dos escândalos revelados na Operação Lava Jato, por que, no governo Lula, se fez uma Empresa de Pesquisas Energéticas para viabilizar as inviáveis hidrelétricas na Amazônia, que sabidamente, por comprometerem a floresta, acabam contribuindo para a emissão de gás carbônico, na qual, aliás, ocupamos o nada honroso quarto lugar, simplesmente pela devastação florestal. Que o diga a promotora Thais de Santi.

Caio Quintela Fortes

caioqf4@hotmail.com 

São Paulo

*

ARMAS BRANCAS

A Câmara Municipal de São Paulo vai analisar um projeto de lei que proíbe o porte de armas brancas como facas e punhais com lâminas de mais de dez centímetros. Porte de lâminas com nove centímetros de comprimento pode, uma vez que a veia jugular fica à flor da pele?

Cláudio Moschella

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

BANDIDAGEM

Dizem as estatísticas que caiu o número de latrocínios em São Paulo. O que temos visto é a "queda" de vítimas baleadas. A polícia parece fazer sua parte, pois centenas de pessoas são presas mensalmente, a maioria já com passagens pelos presídios. Com a palavra, o Judiciário...

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

BASE DA PM

A Praça Pedro Lessa, no Centro, conhecida como Praça do Correio, há alguns anos conta com uma Base da Polícia Militar estrategicamente colocada, o que garante segurança às milhares de pessoas que diariamente se dirigem ao comércio, ao terminal de ônibus e à estação do Metrô. Só que, sabe-se lá por que, a base foi deslocada para o fundo da caixa de força da praça, e em frente a uma fonte d'água desativada, que, aliás, por acumular água, tornou-se um foco de mosquitos. Atualmente, a base está praticamente escondida, o que pode facilitar a ação dos bandidos que há muito tempo sumiram do local por causa da base. Sugiro às autoridades reverem a atitude.

Haroldo Lopes

aluisantos@yahoo.com.br 

São Paulo

*

OS CONCEITOS DO PREFEITO

É notório o aumento do risco de atropelamento de pedestres em São Paulo, com o incentivo crescente ao uso de bicicletas numa cidade de 12 milhões de habitantes, trânsito caótico e motoristas indisciplinados. Reforçou-se, com as ciclovias, um clima de "liberou geral", com bicicletas, patinetes e skates circulando em ambos os sentidos. Não basta mais observar apenas o sentido em que vêm carros e motos, ao atravessar as ruas. É indispensável olhar frente, trás, lados, calçadas, ruas... Isso sem falar na redução da velocidade de circulação dos ônibus, por conta do estreitamento das pistas provocado pelas ciclovias. Não será assim que melhoraremos a qualidade de vida na cidade nem tampouco o exercício da cidadania. Os fisicamente menos ágeis estão sofrendo ainda mais, neste novo "modelo" de mobilidade. Nosso prefeito, Fernando Haddad, se deixa levar por conceitos infantis de modernidade, mais uma vez.

Tânia Regina Carneiro

tania.r.carneiro@bol.com.br 

São Paulo

*

A CICLOFAIXA NA PAULISTA

Finalmente a grande obra cicloviária na Avenida Paulista, do criativo, comPeTente e operoso prefeito, apropriadamente chamado de "Malddad", será inaugurada no domingo 28/6! Para coroar esse trabalho importante, existe a pretensão de fechar essa via aos domingos, destinando-a a skatistas, pedestres e - claro - ciclistas, sob a alegação de que é uma tendência internacional, para que haja maior integração entre as pessoas. O comPeTente secretário municipal de Transportes disse, ainda, que a Prefeitura já está acostumada com o fechamento da avenida às sextas-feiras para protestos. Será que os usuários desse importante corredor de ligação estão tão acostumados assim com esse fechamento e vão aprovar o pretendido? 

Aparecida Dileide Gaziolla

aparecidagaziolla@gmail.com 

São Caetano do Sul

*

DOMINGOS NA PAULISTA

Já que não podem proibir ninguém de andar de carro na cidade, como, ao que parece, eles gostariam, os srs. Fernando Haddad e Jilmar Tatto procuram tornar mais difícil a vida dos "coxinhas" e "reacionários" que ainda insistem em se utilizar desse meio de transporte, como ao propor o fechamento da Avenida Paulista aos domingos, além da diminuição da velocidade em algumas vias, como as Marginais. Com isso, eles podem não resolver a questão da mobilidade, mas podem posar de "moderinhos", "progressistas", etc. 

Alexandre Fontana

alexfontana70@yahoo.com.br 

São Paulo

*

DELÍRIO

Um famoso jornalista da área de entretenimento comparou a infeliz ideia do fechamento da Avenida Paulista aos domingos ao ocorrido na Times Square, em Nova York. É o mesmo que comparar laranja com feijoada. Não-ciclistas terão de dar a volta ao mundo para ir do Paraíso ao Pacaembu aos domingos. Parece que há um delírio de felicidade de alguns em estar lá, no meio do asfalto - no, chamado por muitos, "Cartão Postal da Cidade" - junto com 100 mil pessoas. "Dio Santo", que falta de imaginação! O que é isso? Algum tipo de fetiche obsessivo com essa avenida? A ciclovia não bastou? Por que as pessoas têm necessariamente de ir à Avenida Paulista para terem lazer aos domingos? Tem o Minhocão, o Sambódromo, as grandes praças como o Estádio do Pacaembu, Parque do Morumbi, Largo da Batata, Parque do Carmo e muitos outros. Bastaria a Prefeitura promover atrações interessantes e... "voilá", o lazer se faz. Por que ir justamente a um eixo fundamental de tráfego que não dispõe de alternativa viária? É essa a pergunta a ser feita aos administradores da cidade. Talvez haja nesta questão um pouco de mau-capricho, podendo desaguar em má administração das opções de lazer na cidade.

Olimpio Alvares

olimpioa@uol.com.br 

Cotia

*

ROTA DOS HOSPITAIS

Parece que o sr. prefeito não foi informado por seus assessores de que a Avenida Paulista, além de ser uma via importante pela ligação que possibilita entre inúmeros locais e bairros da cidade, reduzindo o tempo de acesso a esses locais, é o endereço de inúmeros hospitais e prontos-socorros. A pergunta que se faz necessária é, pois: será proibido a qualquer cidadão adoecer aos domingos ou o doente deverá ser conduzido na garupa de uma bicicleta? E, como cidadã contribuinte, gostaria também de aproveitar a ocasião para formular uma outra pergunta: já não passou da hora de regulamentar e mesmo proibir passeatas que são em geral programadas para as sextas-feiras de maneira muito pouco oportuna que simplesmente levam o caos a nossa cidade? 

Vera Augusta Vailati Bertolucci

veravailati@uol.com.br 

São Paulo

*

FALTA DO QUE FAZER

O sr. Haddad conseguiu acabar com a Avenida Paulista: não bastasse a ciclovia ridícula, agora quer fazer da avenida mais bonita do Brasil um parque aos domingos. Esta avenida é passagem para vários hospitais, então se o prefeito não tem nada o que fazer, peça a sua renúncia.

Maria José da Fonseca

fonsecamj@estadao.com.br 

São Paulo

*

DO LIMÃO, UMA LIMONADA

A equipe técnica do prefeito "Raddar Malddad" poderia estudar a viabilidade de substituição de circulação de bicicletas por motocicletas nas faixas vermelhas, pois assim não terá de apagá-las por falta de uso, diminuindo inúmeros acidentes diários com motoqueiros.  A propósito, se a "presidenta" ciclista se dispuser a pedalar sozinha pelas ruas paulistanas, constatará que sua bike representa 100% (cem por cento) dos usuários em boa parte delas. Apenas em algumas vias as faixas são aproveitadas por esportistas pedaleiros noturnos. Lugar de "magrela" é no Ibirapuera.

Luiz C. Bissoli

lcbissoli46@gmail.com 

São Paulo

*

MEDIDA INTELIGENTE

Morador de Itu (SP), tive de permanecer cerca de 2 horas no Largo do Arouche, em São Paulo, onde pude constatar a eficiência das medidas do prefeito do PT. Para dar lugar às frenéticas ciclovias, a medida engoliu centenas de vagas indispensáveis de veículos, para dar lugar à movimentação das bikes. Neste espaço em que lá permaneci, sabem quantas magrelas eu vi por ali transitando? Nenhuma!  Medida inteligente, bem à moda do PT.

José Horácio de Almeida Cancherini

josehoraciocafe@gmail.com 

Itu

*

VELOCIDADE DE 70 KM NAS MARGINAIS

Está mais que provado que a intenção da Prefeitura de São Paulo, através de seu secretário sr. Jilmar Tatto, é "engordar" os cofres da Prefeitura. As Marginais dos Rios Pinheiros e Tietê, por si só, já são uma lástima. Como pode o sr. Tatto querer reduzir a velocidade das vias expressas de 90 km/h para 70 km/h? O trânsito nestas vias já é lento, e com certeza vai piorar. Mas isso já era de esperar, em se tratando desta administração petista.

Carlos Roberto dos Santos  

carlos_rob@terra.com.br

São Paulo

*

INÉDITO NO MUNDO

A Prefeitura já havia diminuído o limite de velocidades nas duas pistas das Marginais Pinheiros e Tietê, e o secretário Jilmar Tatto teve a brilhante ideia de novamente abaixar para 70 km/h a velocidade máxima nas pistas "expressas" e para 60 km/h nas pistas locais, "para reduzir as mortes por atropelamentos". Não existe no mundo uma pista "expressa" com limite de 60 km/h, e nas nossas Marginais não existe nenhuma faixa de pedestres, pois só um suicida pode querer atravessar as suas pistas. O verdadeiro motivo não seria arrecadar mais multas nas únicas vias "rápidas" na nossa cidade? 

José Eduardo de Almeida Machado

jecameng@hotmail.com 

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.