Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

01 Julho 2015 | 03h00

Dilma e a delação premiada

A ocupante da Presidência da República declarou que não respeita delator – no caso, Ricardo Pessoa, da UTC. Então, sra. ocupante da Presidência, seja coerente e devolva os R$ 7,5 milhões que essa pessoa que não merece o seu respeito doou para a sua campanha eleitoral.

CARLOS MARTINS RIBEIRO JR.

cmrj@terra.com.br

São Paulo

*

Dúvida a esclarecer

Depois das pérolas da última semana, quando louvou a mandioca e descobriu a mulher sapiens, a sra. Dilma Rousseff disse não aceitar as delações. Não aceita a prática em si, ou não aceita porque está chegando perto?

SERGIO CORTEZ

cortez@lavoremoveis.com.br

São Paulo

*

Contra o Brasil

Se a presidente em exercício é contra atitudes que esclareçam fatos que vêm prejudicando o País, ela é contra o País. E, consequentemente, a favor dos criminosos. Delatores arrependidos que relatam fatos que possam levar à punição de cidadãos desonestos são aliados de um presidente responsável. Sua atitude de menosprezar os delatores demonstra claramente de que lado ela está quanto ao bem do País.

RUBENS SOUSA PINTO FILHO

rubanfilho@hotmail.com

São Paulo 

*

Nós e ‘elles’

A frase de Dilma “eu não respeito delator” revela a visão absurda do PT: põe de um lado “governo/PT + empresários cooptados pelo esquema de corrupção do governo” e, de outro “delator + Ministério Público + povo brasileiro, que paga a conta em impostos”. Nem ela, nem Lula, nem petistas conseguem enxergar além dos próprios interesses. Só nos resta dizer: eu não respeito esse grupo que se apossou deste país.

LIA QUEIROZ DO AMARAL

amaral@if.usp.br

São Paulo

*

Delator

Dillma, logo ela, cria do Barba, diz não respeitar delator?!. Seria essa a razão de seu distanciamento de Lulla?

ROBERTO DE MAMEDE C. LEITE

r-mamede@uol.com.br

Ubatuba

*

De respeito

A presidente respeita a mandioca, a bola de futebol de bananeira, até o ET de Varginha. Mas não respeita delator, em procedimento que é estabelecido pela legislação brasileira. Pode-se concluir que ela não respeita a lei?

VLADMIR STANCATI

vladmir.stancati@gmail.com

São Paulo

*

Dilma não respeita delator, não respeita a língua portuguesa, não respeita a Constituição, não respeita o TCU, não respeita o TSE, não respeita os jornalistas, não respeita o dinheiro do contribuinte brasileiro, não respeita as teorias econômicas, não respeita os conceitos de administração, não respeita o dinheiro do Fies e não respeita a saúde do seu próprio povo!

JOSÉ CARLOS SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

O que é que é 

Na entrevista nos EUA, a presidenta Dilma, praticando seu português trôpego, declarou saber “o que é que é” resistir à tortura sem delatar os parceiros. Manifestou também desprezo pelos bandidos que entregam outros bandidos. Para Dilma, bandido bom é bandido calado.

HÉLIO DE LIMA CARVALHO

hlc.consult@uol.com.br 

São Paulo

*

Diz a nossa excelentíssima presidente sobre a delação premiada dos envolvidos nos escândalos de corrupção que afligem o Brasil: “Até porque eu estive presa na ditadura e sei o que é. Tentaram me transformar numa delatora. Eu garanto para vocês que eu resisti bravamente”. Em outras palavras, quer dizer aos “camaradas” que estão sendo presos: resistam e bico fechado, não digam nada sobre as nossas operações clandestinas! Ela ainda vive a guerrilheira da VAR-Palmares. Eram outros tempos, presidente, quando ainda havia ideologia dos dois lados. Hoje, não, trata-se apenas de roubos públicos e danos ao Brasil. E levará décadas para nos recuperarmos.

LUIZ FABIANO ALVES ROSA

fabiano_agt@hotmail.com

Antonina (PR)

*

Alhos e bugalhos

Para variar, dona Dilma está confundindo delação com traição.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

Confusão

A presidenta Dilma confunde “um bife à milanesa” com “um bife ali na mesa”. Nada que ver delação premiada com delatores de seus tempos. E ainda falar que na sua campanha “nunca houve nada de irregular” é demais. Fez promessas, oferecendo aos trabalhadores o mundo com mentiras mil, que envergonhariam qualquer se humano. Melhor cair na real e abrir os olhos, pois mentira tem limites e perna curta!

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

Mais uma vez a presidente Dilma mostrou estar pessimamente assessorada e/ou com péssimo equilíbrio emocional (não que este último seja uma virtude da nossa presidente) ao abordar o tema da delação premiada do dono da UTC. A lambança verborrágica foi tamanha que se pode até entender que tais delações são verdadeiras. Para ser traidor é preciso, antes, ser amigo... Língua traidora!

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

Se a delação premiada está prevista em lei – que foi sancionada pela sra. Dilma – e se a delação do sr. Ricardo Pessoa está homologada pelo Supremo Tribunal Federal por decisão do ministro Teori Zavascki (indicado pela sra. Dilma), as recentes manifestações da sra. Dilma, por certo fruto dos tormentos de outrora, lastreadas na delação de Joaquim Silvério dos Reis quando da Inconfidência Mineira, não passam de meras alucinações hipnagógicas, dignas de dona Maria I, rainha de Portugal, conhecida por “Maria Louca”.

PEDRO ROMEIRO HERMETO

pedro@romeirohermeto.com.br 

São Paulo

*

Brasil

Nosso país está passando por uma crise de valores. Como não temos um líder que nos devolva a dignidade, só nos resta repetir Camões: “Um fraco rei faz fraca a forte gente”.

JAIME M. DA COSTA FERREIRA

jaimemcferreira@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA ROUSSEFF CONTRA DELATORES

Nos EUA, a "presidenta incompetenta Dilma" disse que "não respeita delator", porque, inclusive, já esteve presa e sabe o que significa ser delator e que ela nunca foi delatora. Não são apenas em palavras que Dilma se enrola, mas com relação a períodos e ocasiões. Na ditadura militar, delatar significava entregar os locais das reuniões dos guerrilheiros, contar como organizavam roubos a bancos, de armas, etc. para levar adiante o sonho de uma ditadura comunista-cubana. Os delatores de hoje mostram onde, quando e para que roubaram nossa melhor estatal, praticamente levando-a à falência. Dois momentos importantes, mas idênticos em seu perfil. Porque, tanto na ditadura quanto hoje, o fim continua o mesmo: perpetuarem-se no poder para implantar a ditadura bolivariana-castrista. Mas tem lógica: nos dois casos o sonho de perpetuar o PT e este comunismo caquético foi-se água abaixo. O povo brasileiro agradece de joelhos aos delatores.

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br  

São Paulo

*

COMPARAÇÃO

Será que a "mulher sapiens" acha que delação premiada é o mesmo que delação no "pau de arara"? É parecido, só. É claro que tem de haver alguma prova, mas não creio que os envolvidos, do lado jurídico, não tenham se preocupado com isso. Senão, nada nos salvará.

M. Mendes de Brito

voni.brito@gmail.com 

Bertioga

*

RESPEITO

Delator Dilma Rousseff não respeita; corruptos, sim. E sem-vergonha que mentem descaradamente, será que ela respeita?      

Milton Bonassi

mbonassi@uol.com.br 

São Paulo

*

DILMA SELETIVA

Dilma não respeita delator. Somente corrupto e corruptor. 

Ariovaldo J. Geraissate

ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo 

*

MANTENEDORA

Dilma declara que não respeita delatores. Os corruptos não respeitam delatores... Então Dilma respeita os corruptos? Ou mantém alguns em seu entorno somente como amostragem para preservação da espécie?

Gustavo A. S. Murgel

gustavomurgel@hotmail.com 

Campinas

*

DILMA ROUSSEFF

E ela estaria a merecer o respeito dos cidadãos de bem?

Odilon Otávio dos Santos

o.o.snts@hotmail.com 

Marília

*

BESTEIROL

As palavras da presidenta realçam bem como ela não conhece de leis e outras obrigações mínimas para ser presidente de uma nação, além de ela se contrapor a um outro poder, o Judiciário. A delação premiada é regulada por lei e aplicada por juízes em plena capacidade e com apoio do STF. Portanto, só nos cabe aguardar cerca de 3,5 anos para pararmos de ouvir besteirol. 

Jose Guilherme Santinho

msantinho@uol.com.br 

Campinas 

*

INCOERÊNCIA

Na primeira página do "Estadão" de ontem, lia-se em letras garrafais: "Dilma diz que não respeita delator". Porém, logo abaixo, no mesmo texto, ela afirma que Ricardo Pessoa, dono da UTC, também fez doações a Aécio Neves. Essa afirmação é uma delação. Cuidado com sua incoerência.

João Baptista Villano

jbvillano@gmail.com 

São Paulo

*

GRANDE EXEMPLO

"Recebi, mas o outro também recebeu." Eis a desculpa e o grande exemplo que a "presidenta sapiens" deixará à infeliz posteridade brasileira. E viva a mandioca, maior das conquistas pátrias!

Edméa Ramos da Silva

paulameia@terra.com.br 

Santos

*

DISTÂNCIA DO PETROLÃO

Sempre no eufemismo, no falsete, na dubiedade de ideias, embora mantenha o estilo arrogante, vai tentando a presidente eximir-se das suas responsabilidades no petrolão. A sua honestidade ideológica é inquestionável, seja lá que ideologia ela hoje professe. Mostra asco ao delator legal e se jacta de não ter denunciado, mesmo sob suposta tortura, seus companheiros nas criminosas atividades da luta armada. Para ela, os fins justificam os meios, daí declarar inaceitável dinheiro ilegal na sua campanha, mas omitir a "expropriação" dos milhões do governador Adhemar de Barros.

Paulo Roberto Santos

prsantos1952@bol.com.br 

Niterói (RJ)

*

DILMA, A DELAÇÃO E O COFRE

Dilma, em Washington, escudou-se no seu passado para refutar as acusações de recepção de recursos do "petrolão" para a sua campanha, ao tempo em que repudiou a delação premiada do presidente da UTC. Já Golbery, no passado, havia proferido a sentença mais que perfeita: "Adoro uma traição, mas detesto o traidor". Sugeriu a presidente "mulher sapiens" quem, mesmo tendo sido torturada nos seus tempos de terrorista, a ninguém teria denunciado. Essa parte da história é, possivelmente, verdadeira. Quanto à sua honestidade há dúvidas. Naquele mesmo passado, uma das informações que não "entregou" foi onde escondeu e o que fez com a grana (US$ 1 milhão) roubada do cofre do Adhemar, que planejou e executou.

Roberto Maciel

rvms@oi.com.br 

Salvador

*

DELAÇÃO PREMIADA

Causou-me certa estranheza o fato de a deleção premiada de Ricardo Pessoa, da construtora UTC, ter sido homologada pelo ministro Teori Zavascki justamente no momento em que o Tribunal de Contas da União (TCU) julgou as contas da Presidência da República. Pessoa aguardava a homologação há quase um mês, dependente da decisão do juiz. Numa das delações ele indica uma mesada para o filho do ministro Cedraz, presidente do TCU. Como os fatos que balizaram a decisão do ministro Teori já eram de conhecimento público, por que essa demora no aceite da delação?

Paulo Tude

petude@hotmail.com  

São Paulo

*

NO VENTILADOR

Agora entendi por que o STF demorou tanto para autorizar a delação premiada para o executivo da UTC Ricardo Pessoa: quanta m... no ventilador!

Silvio Leis

silvioleis@hotmail.com    

São Paulo

*

COMO LEVAR A SÉRIO?

Não dá para aceitar nada que venha de nossa presidente, se esta não tem mais credibilidade. Mais do que ela mentiu na campanha eleitoral; mais do que usou e abusou de discurso perverso para enganar os brasileiros; a realidade não permite que aceitemos nada que venha dela. Negar a delação premiada é o mínimo que se poderia esperar de uma pessoa que perdeu o respeito de seus eleitores e cuja rejeição já se equipara à de Fernando Collor antes de seu impeachment. Dilma deveria se ater aos acordos que já deveriam ter sido assinados há tempos e parar de insistir em manter relações comerciais com países bolivarianos.

Carlos de Oliveira Avila

gardjota@gmail.com 

São Paulo

*

RICARDO PESSOA E FERNANDO COLLOR

O delator Ricardo Pessoa uniu-se aos ratos da pornográfica revista "Veja" para jogar as patas contra Fernando Collor. Dedo-duro safado como Pessoa, acusa a própria mãe para livrar a cara. Pessoa tem de provar que destinou dinheiro de propina para Collor.  Ilações não servem de provas para condenar ninguém. Por sua vez, "Veja" não tem nenhuma credibilidade para acusar Collor. A Editora Abril pagou R$ 1,5 milhão de indenização ao ex-presidente Collor. O senador foi o único homem público que teve a coragem de enfrentar a torpe "Veja" nos tribunais. Enfrentou e ganhou. Porque tem a consciência tranquila e não teme ameaças. Quem permitiu o vazamento da delação de Ricardo Pessoa para a "Veja" é da mesma laia da revista. Se merecem. São sujos e irresponsáveis.   

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com  

Brasília

*

DOAÇÕES LEGAIS

Agora que o delator Ricardo Pessoa resolveu contar a forma como se davam os pagamentos ilegais, os ministros do governo Dilma dizem que as doações ao partido (PT) foram legais? Em primeiro lugar, quem é idiota, estando preso, pode ser condenado e vai mentir? A Justiça precisa desmascarar estes tais envolvidos, mandá-los para a prisão e devolver o dinheiro roubado dos cofres. Daqui a pouco haverá eleições e, se nada for feito, os marginais políticos vão se eleger, e vai ficando tudo igual. Até quando?

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com   

São Paulo

*

A GRANDE CORRUPÇÃO

As denúncias do empreiteiro Ricardo Pessoa no atual escândalo da Petrobrás têm potencial que pode ter magnitude que poucos imaginavam. Se suas acusações forem confirmadas, os efeitos institucionais poderão ser maiores do que atualmente é divulgado, pois atingem um lapso temporal bastante grande, alcançando um número significativo de figuras públicas ainda não alcançadas pelo "manto corruptor" de tal personalidade, tida pelos mais antenados jornalistas do País como um dos maiores conhecedores e praticantes desses atos de corrupção que agora se apuram entre nós. 

José de A. Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com  

Rio de Janeiro

*

A CRISE FICOU?

Nossa presidente viajou aos EUA, após fazer birrinha, e diz que deixou o glorioso ministro Aloizio Mercadante no Brasil para que a crise fique no País. Ora, "ella" não sabe ou ainda não percebeu que a crise é "ella" própria?! 

Renato Amaral Camargo

natuscamargo@yahoo.com.br  

São Paulo

*

FOGO

Que coisa feia, presidente Dilma Rousseff, com vergonha de seus ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Comunicação Social), só porque foram citados na delação premiada do empresário Ricardo Pessoa? Eu apenas acho que onde tem fumaça tem fogo. Agora, ao barrar a viagem dos dois aos EUA, ela deixou bem claro que atrás da fumaça tem fogo, sim.

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com 

São Paulo

*

CRISE EMBARCADA 

Segundo consta, Aloizio Mercadante e Edinho Silva, ambos alvos de denúncias do dono da UTC, o empresário Ricardo Pessoa, foram instados a ficar no País para evitar que a "crise não embarcasse para os EUA junto com Dilma". Será que não quiseram tapar o sol com peneira? Mercadante é o chefe da Casa Civil de Dilma e Edinho, o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social do governo. Não há nada mais próximo de um presidente brasileiro que seu chefe da Casa Civil. Também é considerado ministro "da casa" (como dizem) o chefe da Secom. De outra sorte, Edinho Silva foi o tesoureiro responsável pela arrecadação das "doações legais" postas em dúvida por suposto vício de origem. Tais doações - suspeitas, repita-se - ajudaram a reeleger Dilma Rousseff ao cargo que ora exerce. Por lógica, não há como dissociar a figura da "presidenta" - beneficiária daqueles recursos em sua campanha - das acusações de Ricardo Pessoa, já que a origem da grana era a Petrobrás, pilhada sob a tutela de... Dilma Rousseff. A "presidenta" pode não ter sido avisada, mas, goste ou não, está no epicentro da crise que supõe ter "ficado no Brasil", restrita às pessoas dos citados auxiliares.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com  

São Paulo

*

MERCADANTE FORA DA COMITIVA

Enquanto o Brasil está indo com a farinha, os Estados Unidos já estão com o pão pronto. O PT está sempre a subestimar a inteligência dos brasileiros e agora pensa que vai subestimar a inteligência do presidente Barack Obama e investidores americanos. Não se enganem, senhores, lá, sem contar que o buraco é mais embaixo, a conversa é de pedinte com plutocrata, e o Brasil é o mesmo mendigo de sempre. Parece que os assessores de Dilma ainda vivem na época da comunicação com sinais de fumaça. Impedir que Mercadante faça parte da comitiva da viagem aos EUA, para deixar o escândalo (das investigações da Operação Lava Jato) "circunscrito ao Brasil" (29/6, A4), chega a ser uma medida risível. Graças à evolução dos sinais de fumaça até os dias de hoje, o mundo inteiro já sabe que "o nosso país não é um país sério". Um dos grandes problemas de quem ocupa o poder, sem contar a própria falta de competência, é a falta de bons conselheiros (afinal, os petistas "só pensam em cargos"). 

Mirna Machado

mirnamac@uol.com.br 

Guarulhos

*

PRESIDENTE NOS EUA

Obama pergunta para a Dilma: o Brahma não veio?

Vagner Monteiro Franco

monteirofranco@uol.com.br 

Bauru

*

DÚVIDA CRUEL

Entre uma possível Dilma redimida pelos equívocos do passado e um incógnito Michel Temer de um PMDB cooptado pelas influências do poder e seus delírios, qual será a melhor opção para o Brasil? Seguir avante, sem impeachment, ou entregá-lo às moscas e raposas da corja sem ideologia que contemplamos, senão a que brota de seus ungidos umbigos?

Carlos Leonel Imenes

leonelzucaimenes@gmail.com      

São Paulo 

*

A SAÚDE DE JOAQUIM LEVY

Ministro Joaquim Levy, em 1985, eu estava no 4.º ano da Faculdade de Medicina quando Tancredo Neves, já eleito presidente do Brasil, adoeceu gravemente em 14 de março, véspera da posse; e, em 21 de abril, morreu deixando uma nação atarantada e órfã. Na ocasião, ouvimos comentários de professores, médicos e principalmente de políticos sobre como a saúde de uma figura pública importante não diz respeito apenas a ela, mas a toda uma nação. O Brasil passou para as mãos de José Sarney porque Tancredo descuidou de sua saúde. Lembrei-me disso quando vi sua foto nos jornais de segunda-feira falando com repórteres em Nova York. Nossa, que cara, ministro! É óbvio que o sr. não deveria ter viajado, sobretudo após uma embolia pulmonar. Desculpe-me, mas foi uma loucura! Por favor, ministro Levy, cuide de sua saúde. O sr. é a figura mais importante para o Brasil neste momento, mas não vale a pena sacrificar-se por este governo que está aí. Não tenha dúvidas, ministro, se o seu trabalho der certo, Dilma vai ficar com todo o bônus do sucesso para ela e seu partido, mas, se der errado, ela, Lula, o PT e todos os milhões de eleitores que votaram neles vão dizer que o ônus do fracasso é só seu!

João Manuel Carvalho Maio

clinicamaio@terra.com.br 

São José dos Campos

*

QUEM ATENTOU CONTRA A VIDA DE QUEM

Desenterrando a história contada sobre João Rosa, mordomo de Tancredo Neves, que juntamente com o patrão foi internado com fortes dores abdominais e que, depois de várias cirurgias, acabou morrendo, também de diverticulite, ouso perguntar: o que e onde Joaquim Levy comeu e bebeu no sábado, em Brasília?

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br  

Monte Santo de Minas (MG)

*

VELA MAL GASTA

Se, por um lado, é louvável o esforço do ministro Levy para estar presente na viagem da presidente Dilma (que sem dúvida ele ajudou a preparar), ao que parece até contrariando recomendações médicas, não podemos deixar de registrar que tanta dedicação ao governo que aí está é gastar vela com mau defunto.

Eduardo Augusto Delgado Filho

e.delgadofilho@gmail.com  

Campinas

*

GOVERNO DILMA

Contas públicas completamente desequilibradas causadas pela política econômica irresponsável, em que a gastança desenfreada do governo, principalmente no ano eleitoral de 2014, superou com folga a arrecadação do governo. A inflação está em alta e nada indica que vai arrefecer no curto ou no médio prazos, os juros em elevação e suas consequências altamente prejudiciais, principalmente para a população de baixa renda, e o crescimento negativo do PIB em 2015. Somado a isso, desemprego crescente e a menor renda caracterizam um quadro econômico recessivo. Do ponto de vista político, Dilma apanha mais do que mulher de malandro, é diuturnamente derrotada pelo presidente da Câmara e pelo do Senado. Isso sem contar que, dentro do seu próprio partido, não recebe o apoio necessário para governar e está completamente isolada. Como desgraça pouca é bobagem, o maior embusteiro deste país, Lula da Silva, o criador desta criatura neófita, tenta desesperadamente se descolar dela. Dilma me lembra o escritor colombiano e Prêmio Nobel de Literatura Gabriel García Marquez, em sua obra "O general em seu labirinto". A credibilidade e a popularidade da presidente estão no nível das profundezas do pré-sal. Enquanto ministra de Minas e Energia e presidente da República, ocorreram os maiores escândalos que este país já teve, como o mensalão, que mandou para a cadeia os próceres do partido, e o petrolão, considerado o maior escândalo de corrupção da face da Terra. Segundo o dono da UTC, Ricardo Pessoa, em depoimento da delação premiada da Lava Jato, houve repasse ilegal de R$ 3,6 milhões, para a campanha presidencial de 2010, e de R$ 7,5 milhões, para a campanha de 2014. Dilma é detentora do maior estelionato eleitoral ocorrido no País. Burlou sistematicamente a Lei de Responsabilidade Fiscal para maquiar as contas públicas. Diante deste quadro desolador, o País inteiro espera que a "mulher sapiens", num ato de humildade e grandeza, renuncie ao cargo de presidente da República, ou impeachment já.

José Ernesto Hurtado Parada

jehurtado@bol.com.br  

São Paulo

*

BRASIL-EUA

Primeiro embaixador em Washington depois do golpe de 1964, Juracy Magalhães entrou para a história com a frase "o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil". Oxalá a visita de Dilma Rousseff possa trazer bons resultados à combalida e debilitada economia brasileira!

J. S. Decol

decoljs@globo.com  

São Paulo

*

DILMA NOS EUA

O Brasil é grande demais para afundar. O Titanic também era.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br  

São Paulo

*

TRADUÇÃO

Alguém sabe informar como conseguir os discursos completos de Dilma Rousseff? É preciso preservar o conjunto da obra para que as futuras gerações não pensem que tenha sido apenas uma lenda. O dilmês, com sua lógica desafiadora aplicada na construção instigante de conclusões caleidoscópicas. Mandioca, à parte. Como será que o tradutor reduziu isso tudo a Barack Obama?

José Roberto Sant'Ana

jrsantana10@gmail.com   

Rio Claro 

*

A PRESIDENTA E A MACAXEIRA

Dilma Rousseff passou a investir em tiradas fora do contexto. Aproveito, então, para respeitosamente pedir a ela que desestimule esse costume de chamá-la de "presidenta". Esse vocábulo está dando azar: com "presidenta", o Brasil só tem andado para trás. Na verdade quem a chama de "presidenta" é petista, puxa-saco ou gozador. Aproveito o momento para lembrar também que há dois tipos de mandioca: a mandioca-brava, que tem o ácido cianídrico, venenoso; e a mandioca-mansa, conhecida como aipim ou macaxeira, que é a que consumimos habitualmente. Seria bom, então, a presidente falar em aipim ou macaxeira, pois a mandioca-brava, embora reflita seu estilo, é perigosa. 

Geraldo de Paula e Silva

geraldodepaula@ibest.com.br  

Teresópolis (RJ)

*

AINDA A SAPIÊNCIA E A MANDIOCA

Uma coisa é certa: até Fernando Collor falava e se expressava melhor!

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com   

Avanhandava

*

QUESTÃO DE GÊNERO

Só existe uma razão para a presidente Dilma criar e utilizar pela primeira vez o neologismo "mulher sapiens". Como ela é flagrantemente antimachista, entende errado e injusto só existir a expressão "homo sapiens".

Antonio Claudio Guimarães do Canto

acgcanto@uol.com.br  

São Paulo

*

O DISCURSO DA PRESIDENTE

"Mulher sapiens" gosta de mandioca.

Nelson Pereira Bizerra

nepebizerra@hotmail.com   

São Paulo

*

ULTIMATO

Pelo que estou entendendo, o ex-presidente Lula está exigindo que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, interfira nas investigações que a Polícia Federal vem desenvolvendo na Operação Lava Jato? Que tipo de interferência seria essa? Intimatória do tipo "eu sou o chefe, aqui quem manda sou eu e quem tem juízo obedece"? E o discurso moralista assumido há 12 anos, de que corruptos não teriam a mínima chance neste país, que não ficaria pedra sobre pedra, doa a quem doer? Pelo jeito, esses lemas valeriam somente para os inimigos do "rei", mas, como a dor já atinge os calos do falastrão Lula e os joanetes da presidente Dilma, o discurso mudou, não está mais aqui quem falou. Vamos tentar encobrir as mazelas, a sujeira e estamos conversados? Espero e faço votos de que este incômodo que sentem agora nos pés se transforme numa baita lombalgia capaz de alijá-los da contenta por um longo tempo, de preferência para sempre.     

Sérgio Dafré

Sergio_dafre@hotmail.com 

Jundiaí 

*

REINCIDENTE

Lula manda PT defender as empreiteiras envolvidas no petrolão com o argumento de defender empregos. Ele, em 2010, já contrariou parecer do TCU pela paralisação das obras da Refinaria Abreu e Lima com o mesmo argumento. Deu no que deu. Agora reincide! Até quando vamos tolerar calados diante dessa aberração? Onde estão os partidos políticos que deveriam representar a população contra este escândalo?

Oscar Seckler

oscarmuller2211@gmail.com 

São Paulo

*

ÉTICA PECULIAR

1) Quando Lula foi eleito em 2002, recebeu a então embaixadora dos EUA no Brasil, Donna Hrinak, para quem confessou, talvez para quebrar o gelo, ser grande admirador de Lyndon Johnson e, sem nenhum prurido de ordem ética, emendou que já havia usado trechos de discursos do presidente americano sobre a pobreza sem dar créditos ao autor, como se isso fosse uma esperteza digna de admiração. 2) O escritor João Antonio (1937- 996), autor do livro "Paulinho Perna Torta", citou o termo pixulé na seguinte frase: "Humilde, eu recolhia a groja magra. Tudo pixulé, só caraminguás, uma nota de dois ou cinco cruzeiros. Mas eu levantava os olhos e agradecia". Já João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, chamava a propina que era constituída de 1% dos bilionários contratos da Petrobrás de "pixuleco", como se o que roubasse do povo brasileiro fossem meros caraminguás. Essa é a peculiar ética dos líderes que nos governam por 13 anos. Merecemos gente dessa laia, que nos faz sentir tanto nojo? Por Deus, chega dessa podridão! Queremos governantes éticos e dignos para que possamos experimentar, de uma vez por todas, orgulho do nosso país. 

Eliana França Leme

efleme@terra.com.br 

São Paulo

*

VÍTIMAS DO PETROLÃO

Na guerra entre os bandidos do petrolão, quem está tomando tiro são os trabalhadores das empresas fornecedoras do setor petrolífero e coligadas. Os corruptos do governo, Petrobrás, PT e demais partidos envolvidos estão com muito dinheiro. Os empreiteiros, doleiros e trambiqueiros, com mais dinheiro ainda. E os "obreiros" (trabalhadores) das empresas privadas estão desempregados. Essa é a última chance para o Poder Judiciário mostrar que tem dignidade, coragem e caráter, e botar todos esses bandidos (todos) na cadeia. Ou, então, que se extinga de uma vez por todas. 

André Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

O OCASO DE UM PARTIDO

Reportagem do "Estadão" nos informou que a Executiva Nacional do PT em São Paulo tomou duas decisões importantes. A primeira, tornada pública, foi aprovar uma resolução política na qual sai em defesa das empreiteiras enroladas na Operação Lava Jato. Um partido, que está governo, em defesa daquelas que roubaram dinheiro do Tesouro Nacional, sob a denominação de "sobrepreços em obras públicas e corrupção ativa". No referido documento, o PT defende pressa nos acordos de leniência que permitam o desbloqueio de recursos para as empresas e afirma que as empreiteiras são vítimas de "prejulgamento". Pode ser até entendida como piada, mas infelizmente não é. Mas a segunda decisão "importante", até agora mantida em sigilo, foi "convidar" o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a dar explicações ao partido sobre as últimas ações da Polícia Federal, subordinada a ele. Mas, segundo integrantes da cúpula petista, a ideia é enquadrar Cardozo, pois entendem que é ele o responsável pela manutenção da prisão temporária do ex-tesoureiro João Vaccari Neto e pelas buscas no escritório político do governador do PT de Minas Gerais e na agência Pepper, que presta serviços à sigla. Se verdadeira tal informação, aí já é o caso de ignorância explícita. A manutenção dos réus presos independe da vontade do ministro da Justiça, pois está na esfera do Poder Judiciário, sobre o qual o ministro não só não manda, como tem obrigação de obedecer às suas decisões. Quanto à atuação da Polícia Federal, ignoram também que na administração pública muita gente faz o que quer, seja legal ou não, mas só até alguém formalizar uma acusação e assinar embaixo. Daí em diante, o processo segue as normas estabelecidas em leis e ninguém se dispõe a colocar a sua mão nessa cumbuca, pois a possibilidade de se enrolar, sem ter culpa no cartório, é praticamente 100%. Mas, segundo dirigentes, a defesa é um pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e isso depois da prisão do presidente da Odebrecht, do qual ele é bem próximo. A cúpula do partido poderá agora até ser convocada pela Justiça para provar as acusações feitas. É lamentável assistir à decadência de um partido no qual durante muito tempo parcelas consideráveis da população depositaram muitas esperanças.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br 

São Paulo

*

QUEM USA CUIDA!

Os petistas tentam salvar as empreiteiras corruptoras. Quem usa cuida!

Eugênio José Alati

eugeniojalati@gmail.com 

Campinas 

*

FRAQUINHO

O PT tem toda razão. Colocou José Eduardo Cardozo como ministro da Justiça e ele não consegue segurar as investigações e punições aos companheiros que são corruptos. Até nisso ele é fraco.

Luíz Frid

luiz.frid@globomail.com  

São Paulo

*

LULA E A LAVA JATO

Lula anda muito nervoso ultimamente. Será que ele já sabe o nome da próxima etapa da Lava Jato? Vai se chamar "arrastão no mar", vão pegar toda espécie de peixe, de crustáceos e moluscos. Como anda muito nervoso, um conselho para se acalmar: na  próxima vez que usar um jatinho de algum empreiteiro, leve consigo a Rose, vai lhe fazer bem.

Hamilton Penalva

hpenalva@globo.com 

São Paulo

*

DINHEIRO E PODER

Muitos políticos brasileiros adoram o dinheiro e o poder, mais do que qualquer coisa. Para eles não há limite e não se preocupam com ninguém. A Operação Lava Jato tem nos mostrado isso. Investidores americanos já estão processando a Petrobrás, pois não admitem perder os seus lucros para político algum do Brasil. Os brasileiros perderam muito com o esquema de corrupção da Petrobrás, e sem saber de nada, ainda devem estar perdendo por meio de outras estatais, onde há muitos diretores olhando apenas os interesses do poder. Estamos perdendo sem parar a estabilidade econômica, a rota do crescimento, a credibilidade internacional, o otimismo, os postos de trabalho e a confiança nos órgãos públicos fiscalizadores. O futuro do Brasil foi abortado nos últimos 12 anos.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

A RECEPTAÇÃO NO BRASIL

É interessante ver que qualquer indivíduo que compre mercadorias/produtos "sem origem ou fruto de roubo/furto" é considerado receptador e sujeito às penas da lei, mesmo que depois ele os venda com nota fiscal. No caso dos políticos, Lula, Dilma, seus ministros e outros, não importa a origem do dinheiro que receberam e recebem, pois não basta o simples argumento de que foi tudo declarado na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), assim fica tudo acertado e completa a lavagem do dinheiro tirado do povo. As alegações são primárias, pois todos eles sabem de onde veio o dinheiro e que não houve doações, mas, sim, repasse da grana extorquida ou desviada das empresas estatais e pagas por nós, contribuintes. Quem acredita que empresas honestas, trabalhando para sobreviver, teriam tanto lucro e motivos decentes para fazer tamanhas doações aos políticos? Para completar o quadro, agora vêm Lula e o PT dizer que o ministro da Justiça deveria controlar a Polícia Federal e proteger o bando petista e os corruptos. Afinal, ministro é nomeado para trabalhar pelo Brasil ou pelo partido trambiqueiro?

Luiz Lucas C. Branco

whitecastel.castellobranco@gmail.com 

São Paulo

*

A CRISE GREGA

O pior não é a Grécia entrar em default e sair do euro. O pior são as alternativas, e uma delas, segundo o assessor econômico do Syriza, partido do governo, seria procurar novas alianças internacionais, com a Rússia e, pasmem, Brasil e Venezuela. Ante este plano B, que inclui republiquetas da América do Sul, acho melhor o povo grego votar "sim" à proposta dos credores, que exigem mais austeridade. Aliança com Brasil e Venezuela é pesadelo.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

A CAMISA DOS ESQUERDOPATAS

Em várias cidades do Equador, como Quito Machala, Ambato, Guayaquil, Latacunga e até Galápagos, acontecem protestos contra o presidente do Equador, Rafael Corrêa. A democracia no Equador está contaminada pelo bolivarianismo e, pelo que se vê, o presidente age com desenvoltura para impedir a expansão dos movimentos. Na província de Azulay, o governo bloqueou a passagem dos ônibus para que os moradores não chegassem às manifestações em Cuenca. Há um protesto veemente à intervenção do governo nas cozinhas ao bloquear o subsídio do gás. No governo, dizem os oposicionistas, há uma política de inviabilizar a reação e a participação cidadã dos equatorianos nas ruas. Brasil, Argentina, Venezuela, Equador e Bolívia, todos vestindo a camisa dos esquerdopatas, invenção do saudoso Hugo Chávez, todos têm enfrentado manifestações populares, nenhum tem administração de resultados positivos e todos com afinidades com as Forças Armadas. A era dos caudilhos ameaça a democracias das Repúblicas mencionadas, carecendo cada uma de solução diferente.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

'O CONTO DO VIGÁRIO DOS PRECATÓRIOS'

Segundo artigo do presidente da Comissão de Precatórios da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Nacional, publicado em 26/6/2015 na página B2 do "Estadão", agora, quando parecia certo que os pagamentos dos precatórios finalmente aconteceriam em razão de determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), vêm os srs. Geraldo Alckmin e Fernando Haddad com Proposta de Emenda Constitucional para jogar tais pagamentos para as calendas gregas. O povo tem sempre de pagar as contas do governo, mas por que será que o governo nunca se dispõe a pagar o que deve para o povo na pessoa de milhões de cidadãos credores de precatórios? Até quando esses milhões vão sofrer calados sem usar a força de sua união para protestar, fazer valer seus direitos e lutar contra a eleição desses políticos ricos em esperteza e carentes de vergonha na cara? 

Paulo Teixeira Sayão

psayaoconsultoria@gmail.com 

Cotia

*

CALOTEIROS

Sobre o novo conto do vigário contra os precatórios judiciais (artigo do dr. Marco Antonio Innocenti), cabe uma observação: quando se trata de aplicar calote, até os adversários políticos se juntam.

Gastão Paolillo

mpmvende@hotmail.com 

Carapicuíba

*

BRASIL, ESTADO LAICO

A Constituição federal, em seu artigo 150, inciso VI, letra "b", diz que é vedado instituir impostos sobre "templos de qualquer culto". A isso se resume a imunidade tributária das igrejas no País. Esse dispositivo tem recebido um elastério interpretativo que permite a formação de grandes fortunas de seus líderes, como apontou editorial de "O Estado" de 29 de junho (A3). A imunidade se refere aos templos, e não às atividades. Os templos e, no máximo, seus locais agregados fisicamente, como estacionamentos. Entretanto, estendem-se as imunidades, por exemplo, a alugueres, e não são poucos. E a outros rendimentos da pessoa jurídica, inconstitucionalmente. Agora aparece um jabuti grudado à Medida Provisória 668, para isentar de tributação os rendimentos das pessoas físicas vinculadas às igrejas. Somos um Estado laico, que privilegia em níveis escandalosos e injurídicos as "atividades religiosas". 

Amadeu R. Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

*

ISENÇÕES ÀS IGREJAS

O Estado brasileiro é laico. Esta laicidade merece o seguinte sinal de pontuação (?).

Fausto Ferraz Filho

faustofefi@ig.com.br 

São Paulo

*

'O PAPA E A AMAZÔNIA'

Denis Lerrer Rosenfield, sempre exibindo seu viés ultraconservador (um direito seu), desta vez ultrapassou as fronteiras do razoável. Ao escrever o artigo "O papa e a Amazônia" (29/6, A2), apresenta um trecho da Encíclica Laudato Si, em que se fundamenta para identificar como perspectiva do papa o domínio da Amazônia por organismos internacionais, ONGs, ambientalistas, indigianistas e indígenas. Ora, a intenção manifestada na Encíclica é clara: a preservação ambiental no mundo, em especial a água, se sobrepondo ao pensamento, hoje predominante, do interesse econômico. Simples assim. O resto é um pretensioso exercício de vidência, pelo autor. Em tempo: sou agnóstico, o que não me impede de identificar boas iniciativas, mesmo aquelas do mundo religioso; e o português da linguagem papal apresentada é o europeu, e não "de Portugal", como referencia o autor.

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto   

*

A ENCÍCLICA PAPAL E A AMAZÔNIA

A Encíclica Laudato Si, do papa Francisco, vem se juntar às recomendações cada vez mais urgentes dos meios científicos responsáveis pelas medidas que se fazem necessárias na preservação de alguns biomas florestais, como a Amazônia, vitais na manutenção de grandes ilhas de biodiversidade e no equilíbrio do clima planetário. O desmatamento da Amazônia nos últimos 40 anos acumula uma perda de 760 mil km2, (mais do que o território do Chile), cerca de 42 bilhões de árvores exterminadas (mais de 200 árvores por cada brasileiro), devastando regiões inteiras de uma biodiversidade riquíssima e, conforme confirmado por pesquisas científicas nos últimos dez anos, este desmatamento responde também pelas alterações do clima nas demais regiões do País, com a diminuição das chuvas e o agravamento das reservas hídricas no Sudeste. Como o Estado e a sociedade brasileira têm se mostrado incapazes de não só brecar essa devastação, como ainda de iniciar o reflorestamento das áreas destruídas, surgem iniciativas no nível internacional para recomendar a transferência da gestão territorial e ambiental da Amazônia aos órgãos sob a égide da ONU que deveriam assumir a proteção do Bioma Amazônico. Infelizmente, no Brasil, a falta de escrúpulos e a ganância ilimitada de alguns indivíduos e de certos grupos da exploração agropecuária continuam levando grande vantagem sobre as medidas paliativas do poder público, que, por ignorância, desleixo ou corrupção, não soube limitar as perdas ambientais gravíssimas que já foram perpetradas na Amazônia. Não sabemos se as medidas de intervenção internacional sobre a área amazônica chegarão a tempo de salvá-la, pois não acreditamos mais na capacidade do Estado e da sociedade brasileira de alterar definitivamente este quadro tão trágico. Restará como nossa contribuição para a falência ambiental do planeta.

Tomás Arruda

tomasarruda@terra.com.br

São Paulo

*

O ARAUTO DA MEDIOCRIDADE

Fechar a Avenida Paulista para veículos, mesmo que apenas aos domingos, não é um ato de sanidade, mas, sim, de sandice e imbecilidade. Aliás, a permissividade de obstruir a citada via, a qualquer pretexto, é uma expressa irresponsabilidade. Bem sabem aqueles que necessitaram se deslocar, acompanhando alguém afligido por algum mal, a um dos 14 hospitais existentes na região, todos distando menos de 500 metros da avenida. Um perfeito ato que caracteriza a atual mediocridade instalada na Prefeitura de São Paulo.

Oswaldo Colombo Filho

colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

FESTA E VAIAS NA AVENIDA PAULISTA

Já que colocaram uma propaganda (enganosa) do sr. alcaide (pré-candidato à Presidência em 2018) na inauguração de mais um desastre da Paulista, deveriam informar quantos paulistas e paulistanos de São Paulo estiveram na "malfeita" (custo de R$ 600 mil o quilômetro) ciclovia. Tive o cuidado de contar entre as bicicletas alugadas que os paulistas e paulistanos de Osasco estavam em número de 28. Como minha amostra estava totalmente viciada (pela fotografia estampada no jornal), acredito que o número seja bem maior. Sugiro um levantamento pelo "Estadão". Ou deixa para lá, o "Estadão" continua sob censura. Mas nós, paulistas e paulistanos, continuamos informando que o meu dinheiro de impostos não é para deitar "pérolas a porcos" da Revolução dos Bichos. É isso aí. O Parque Continental, ao lado de Osasco, tem uma ciclovia "virgem", inoperante e malfeita, de 4 mil metros.

Flavio Prada

flavioprada39@gmail.com 

São Paulo

*

TINTA AZUL NAS CICLOVIAS

Surpreendido com a tinta azul que os fascistas coxinhas-Daslu jogaram no vermelho das ciclovias da Avenida Paulista, fica-me a questão: e que tinta, de que cor, vão jogar nas sujeiras de 20 anos do corrupto e impune desgoverno do PSDB do Estado de São Paulo, Samparaguai, o Estado-máfia?

Silas Corrêa Leite

poesilas@terra.com.br 

Itararé

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.