Fórum dos leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S. Paulo

23 Julho 2015 | 03h00

Avaliação

Se Dilma Rousseff está “no volume morto”, como disse Lula recentemente, o índice de aprovação da presidente, de 7,7%, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT/MDA) divulgada anteontem, ainda não estaria alto?

ODILON OTAVIO DOS SANTOS 

Marília

ECONOMIA

Credibilidade

O governo Dilma gastou demais para se reeleger e desorganizou a economia. Precisou aumentar os juros para conter o consumo, reduzindo o ritmo da economia e, consequentemente, gerando menos impostos. Por isso precisamos fazer um ajuste fiscal. Gastar menos para equilibrar as contas públicas. O artigo 50 ações para o ajuste fiscal (Estado, 22/7, A2) propõe, de maneira clara e direta, caminhos para conduzir as contas públicas ao equilíbrio sem penalizar mais os contribuintes, que já sofrem com a economia em recessão. Não se pode esperar que um governo que não reconhece seus erros e se recusa a enfrentá-los com coragem e dignidade gere credibilidade. Precisamos urgentemente de um novo governo.

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA 

gardjota@gmail.com

São Paulo

Ao trabalho

O governo age como aquele indivíduo que, na dificuldade, para de construir sua casa, mas mantém seu carro de luxo. Só ouço o governo anunciar cortes de investimentos, o que, logicamente, arrefece ainda mais o mercado. Se não sabem como cortar custos, que leiam o brilhante artigo de Cid Heráclito de Queiroz no Estadão de 22/7. Ali estão, mastigadinhas, 50 excelentes sugestões de ajustes. Em vez de torrar dinheiro com propagandas enganosas, a sra. Dilma poderia ler o texto e arregaçar as mangas. Aí, sim, ganharia alguns pontinhos na aprovação.

JOÃO CARLOS A. MELO 

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

Para ajustar as contas

Entre as 50 ações sugeridas por Cid Heráclito de Queiroz, sugiro mais uma: convocar o Capitão Nascimento para dizer à presidente: “Pede pra sair!”.

FÁBIO BERTONCELLO

fabertoncello@hotmail.com

Jacareí

Um novo Brasil

Quem deveria ser o ministro da Fazenda é o autor de 50 ações para o ajuste fiscal. Se adotadas as medidas ali propostas, teríamos um novo Brasil, ascendendo da posição de país emergente para a de potência mundial, como chegou a ser conhecido antes de o mundo, estarrecido, tomar conhecimento da corrupção que minou o País.

SERGIO MONTENEGRO OTTONI

ottonismo@uol.com.br

Mairiporã

CORRUPÇÃO

Revelação do WikiLeaks

Agora ficam bem mais claros os motivos da indignação da presidente Dilma Rousseff diante da espionagem do governo brasileiro pelos EUA. Temia que o Brasil fosse descoberto exportando a corrupção flagrada pela Operação Lava Jato (EUA monitoram obras da Odebrecht no exterior e apontam sinais de corrupção, Estado, 22/7, A4). Noto que, na reportagem do Estadão, só são mencionadas as observações moderadas de oficiais das embaixadas americanas. Caso veiculassem suas análises mais incisivas, veríamos que não só o rei e essa empreiteira estão nus, como toda a corte. Com mais essa notícia, a Lava Jato justificadamente não tem como acabar tão cedo.

JOSÉ SIMOES NETO

jsmantrareg@gmail.com

São Paulo

TRÂNSITO

‘Experimental’

A redução da velocidade máxima permitida nas Marginais do Pinheiros e do Tietê, em vigor desde segunda-feira, é “experimental”, admitiu o prefeito Fernando Haddad (PT). Isso depois de questionamentos do Ministério Público Estadual; da Promotoria de Habitação e Urbanismo; de vereadores da Câmara; de especialistas em Transporte; e de motoristas que usam essas vias de São Paulo. Por que o prefeito não comunicou que seria “experimental” antes de pôr em prática essa custosa e reprovada medida?

JOSÉ ERLICHMAN 

joserlichman@gmail.com

São Paulo

Prejuízo

O Estado de ontem (22/7) noticiou que o prefeito Haddad pode rever os novos limites de velocidades nas marginais. Isso mostra, depois de ação movida pela OAB e da iniciativa do Ministério Público Estadual contestando a medida da Prefeitura, que tudo foi feito sem os estudos básicos e fundamentais para mudança de tamanho impacto. Se, como disse o alcaide (que já demonstrara incompetência no Enem), a redução dos limites é “experimental”, gerou prejuízos, por exemplo, com a sinalização (placas, pinturas no asfalto, radares, etc.) que devem ser repostos ao Município.

BENEDITO SILVÉRIO RIBEIRO

beneditosilverioribeiro@ig.com.br

São Paulo

Despreparado

São Paulo, agora, virou campo de experiências? Isso mostra todo o despreparo de Fernando Haddad para o cargo que ocupa. 

ALEXANDRE FONTANA

alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

Tentativa e erro

Nada contra a aprendizagem por tentativa e erro, mas é ético brincar com a cidade, fazendo-nos de ratinhos de laboratório?

SANDRA MARIA GONÇALVES

sandgon@terra.com.br

São Paulo

A conta é nossa

A experiência de Haddad com os limites de velocidade nas marginais mostra o empirismo dessa administração. Se não der certo, volta-se atrás e os munícipes pagam a conta.

MAURO RIBEIRO GAMERO

mrgamero@ig.com.br

São Paulo

A visão do prefeito

Grande Haddad, homem de visão. Pelo andar da carruagem, logo os paulistanos não terão mais como utilizar seus carros e, talvez, até o transporte público fique inviável. Restará andar a pé ou de bicicleta. Assim a cidade toda é beneficiada: menos carros nas ruas, trânsito mais fluente; menos passageiros no transporte público, mais conforto para os usuários. Falta resolver o problema do custo das bicicletas, que certamente subirá. Quem sabe não vem aí um programa Minha Bicicleta, Meu Transporte? Ah, falta também tornar as calçadas “caminháveis”.

GERHARD BERKE

gberke@terra.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal  estadao.com.br

‘PETROLÃO’

Se não houvesse o petrolão, o Brasil não estaria no fundo do poço! E por causa do petrolão, a companheira Dilma está abaixo do volume morto (termo cunhado por Lula). Dilma não tem água nem para regar a sua plantação de mandioca. Por causa do petrolão, a produção de petróleo no Brasil ficou mais custosa e a solução da crise político-econômica perdurará por muito mais tempo. O Brasil, além de ter sido roubado no petrolão, tem, por sua conta própria, de se recuperar dos seus prejuízos político-econômicos e moral. Pois quem na economia global confiará em governo corrupto?! 

NEY JOSÉ PEREIRA neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo 

*

JOGANDO DINHEIRO FORA

Voltaram à televisão os anúncios da publicidade do governo Dilma Rousseff. Um deles me chamou a atenção pelo surrealismo: Vivemos num momento de ajustes.  Depois, num movimento mágico, a tela se enche mostrando obras maravilhosas que ainda serão feitas. Será que vão ser como o trem bala e a transposição do Rio São Francisco? O governo acredita que essa publicidade lhe devolverá a popularidade ou a propaganda busca apenas ajudar as agências amigas na crise? Dilma pediu sacrifícios e disse que cortaria na própria carne, porém gasta em publicidade, isto é, joga dinheiro fora.

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br 

São Paulo

*

‘CRISEZINHA’

O vice-presidente, Michel Temer, farinha do mesmo saco de políticos, foi contaminado pela grave doença da mentira que impera nesse atual governo, ao dizer que o que está ocorrendo no Planalto é apenas uma "crisezinha". Ridículo, absurdo, vergonhoso!

Angelo Tonelli Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MELHOR NÃO DIZER NADA

Não sendo suficiente a presidente, temos o vice da mesma laia e inteligência pensando que somos imbecis, parodiando o rei da Espanha direi: Por que não te calas, Temer?    

Antonio Acorsi acorsi.antonio@gmail.com

Jundiaí

*

LAVA JATO

Não é a primeira vez que leio publicações de famosos e respeitáveis juristas criticando o juiz Sérgio Moro a respeito do cerceamento de direitos dos executivos das empreiteiras envolvidas no escândalo da Petrobrás. Porém é a primeira vez que vejo ricos e poderosos atrás das grades. Parabéns ao juiz Sérgio Moro, pois ele está fazendo exatamente o que a população brasileira sempre ansiou. Esperemos que, quando os nobres senadores e deputados detentores de foro privilegiado forem julgados pelo STF, isso não se transforme numa tremenda pizza política.

Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com

São Paulo

*

BEM PENSADO

A frase no Caderno 2, desta terça-feira, de autoria do filósofo e teólogo catalão Jaime Balmes (Jaume Llucià Antoni Balmes i Urpià - 1810/1848) reflete, à perfeição, o momento terrível deste nosso amado País: "Quando o poder dirige a sua mira para o bem pessoal de quem o exerce, já degenerou em tirania."

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

PAÍS DO ATRASO 

O que dizer sobre o que a Polícia Federal encontrou no celular de Marcelo Odebrecht, preso pela Operação Lava Jato? A República da Bananeira, corrupta e que se banqueteou durante 13 longos anos da pobreza brasileira, dando em troca apenas um prato diário de sopa, caiu! O Brasil ficou nu e espero que a nova roupagem seja realmente a cara do povo brasileiro comum, honesto e trabalhador. Não cabe mais o discurso de que vindo do povo é melhor. Que surjam no horizonte os políticos realmente honestos, que evitaram a política até hoje, por não fazerem parte dessa elite tosca e corrupta. O Brasil do século 21 está atrasado 13 anos. Corram brasileiros para recuperar nossa dignidade perdida, porque a hora é esta! 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

EXEMPLO A SEGUIR

É incompreensível que o PMDB, com tanta vivência e políticos com grande experiência, não seja capaz de enxergar o efeito destruidor e prejuízo que a coligação com o PT tem ocasionado para o PMDB, por favor, sigam o exemplo de Eduardo Cunha.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

PEDALADAS

A defesa da dona Dilmandioca Sapiens vai alegar que 17 Estados brasileiros e FHC usaram anteriormente de expediente parecido, para aprovar as respectivas contas públicas nos finais de anos, como foi efetuado com as "pedaladas" pelo atual governo brasileiro no final de 2014. Caso esta tese seja rejeitada pelo TCU, a defesa já tem um plano "B": vai culpar o Getúlio Vargas, pois, se ele não tivesse fundado a Petrobrás...

Antônio Carelli Filho  palestrino1949@hotmail.com

São Paulo

*

CPI DO PC FARIAS    

A presidente Dilma tem razões de sobra para temer a CPI do BNDES, comandada pelo antigo assistente de PC Farias, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Ao contrário do que pensa a presidente Dilma, o maior perigo que o Brasil enfrenta é a continuação dos esquemas de corrupção que vem sendo desbaratados pela Polícia Federal. Que venha o BNDESão! 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

VENCENDO DE GOLEADA

A realidade econômica do País (desemprego, inflação, PIB negativo, queda de renda e arrecadação, déficit publico, etc.) está vencendo de goleada o que poderiam prever os institutos de futurologia. E o jogo ainda não acabou. Enquanto isso,  a presidente passeia de bicicleta.

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

PRESIDENTE DILMA E SUA BICICLETA

Ela se exercita muito, perto do Palácio da Alvorada, para, quando for necessário, sair rapidinho de lá.

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

CRISEZINHA X MAROLINHA

Sabem qual a diferença entre o ex-presidente e o atual vice-presidente. Da marolinha se transformou em tsunami. E a crisezinha, vamos rezar! 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo 

*

DIMINUTIVO

Michel Temer concorda que estamos passando por uma crisezinha política. De um governinho que está deixando o Brasil um “paisinho”, digo eu.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

NO RITMO

É só uma “crisezinha”. E segue o baile, ao

som de uma animada “roubalheirona”...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL NA PIOR

Podemos perfeitamente comparar para definir o que representam os atuais políticos que dirigem, manipulam e comandam o Brasil a um câncer em fase adiantada, onde já apresenta "metástase" no País inteiro, não havendo mais quimioterapia ou radioterapia para combatê-lo, pois seu estado é terminal.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DILMA SE ‘AUTOPROMOVENDO’

João Santana, para desqualificar os “passivos ocultos”, mais conhecidos como pedaladas, para o eleitorado menos esclarecido que reelegeu dona Dilma, sugeriu que ela comprasse uma bicicleta para se exibir para a mídia. Genial!

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas  (MG)

*

DESGOVERNO DILMA

A notícia de capa Para governo, CPI do BNDES põe economia em risco me faz lembrar o Barão de Itararé, quando este dizia: “O fígado faz muito mal à bebida.” Trata-se de mais uma tentativa tosca de salvar a própria pele, pela total inversão dos fatos e pelo desejo de moldar a realidade à ideologia jurássica da seita companheira.

José Carlos Falcão de Andrade jcfalcao@icloud.com

Águas de São Pedro

*

CPI DO BNDES 

Impressiona o fato de o governo temer uma CPI do BNDES, mais do que a Lava Jato. Parece que este armário tem esqueleto grande, pois uma CPI, com os políticos que temos em Brasília, não faria mal a ninguém, exceto se os “companheiros” estiverem querendo se livrar “da rainha da mandioca”. Quanto aos esqueletos, com o presidente que o BNDES tem não dá para duvidar.

M. Mendes de Brito  voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

‘50 AÇÕES PARA O AJUSTE FISCAL’

Um pequeno reparo quanto às ações propostas pelo ex procurador da Fazenda, Sr. Cid Heráclito de Queiroz  (Estadão, 22/7, pg.A2): Proposta 6 – extinguir 80% e não 10% dos 23 mil cargos comissionados federais (leia-se cabos eleitorais sem nenhuma qualificação). Postas em prática, estas ações nos levariam ao melhor dos mundos, embora, como diz o próprio autor, seriam necessárias “uma vontade de ferro e uma força de Hércules”.

Roberto Pereira da Foseca roberfon@uol.com.br

São Paulo 

*

COMO ACERTAR AS CONTAS

A presidente Dilma não está conseguindo acertar as finanças nacionais que ela mesma estragou. No entanto, está ao seu alcance economizar R$ 200 milhões mensais demitindo os 40 mil companheiros nomeados para cargos de confiança, sem concurso, ganhando mensalmente, em média R$ 5 mil para não fazer nada, além de votar nela. Reduzir, pela metade, o número de Ministérios e não obrigar os trabalhadores, sem emprego, a pagar pelo aumento de impostos!

Waldomiro Benedito de Carvalho waldomiroxuca@globo.com

Itapetininga

*

GRANDE LÍDER?

O principal causador e responsável de tudo de ruim que ocorre no Brasil (Lula) durante 13 anos, ainda pede a suspensão de inquérito por suspeita de tráfico de influência à Procuradoria?É pouco, tem coisa muito pior... Demorou, mas chegou a sua vez. O País vive maus momentos e o povo brasileiro está cansado de tantas mentiras. Que grande líder! 

Luiz Fernando Dias da Silva lfd.dasilva@2me.com.br

São Paulo

LULA LÁ NO PARANÁ

Que eu tenha saúde para ver esse momento!

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo 

*

OS INTOCÁVEIS

O Editorial do Estadão (A vez de Lula, 21/7) nos dá conta de que era voz corrente no Palácio que apenas duas pessoas tinham acesso irrestrito ao gabinete de Lula: D. Marisa e o pecuarista José Carlos Bumlai, a quem é atribuída a proeza de alavancar a então desconhecida construtora de Ricardo Pessoa a uma das mais poderosas empreiteiras deste país, a UTC. Pois foi o justamente Pessoa quem apontou o deputado Eduardo Cunha como beneficiário de US$ 10 milhões de propina paga pela BR Distribuidora. Cunha é hoje a pedra no sapato do governo Dilma. Pois bem, por outro lado, os ministros Mercadante, Edinho Silva, todos do PT, foram acusados pelo mesmo empreiteiro Ricardo Pessoa de terem recebido propina e Alberto Youssef acusou Dilma e Lula de estar a par de tudo o que acontecia. Por que motivo então, estes todos do PT escaparam de qualquer investigação por parte da Procuradoria Geral da República (PGR), a mando do procurador Rodrigo Janot, entendendo que não caberia qualquer investigação contra eles? No mínimo estranho tudo isso. Cunha pode ser investigado, pois Janot busca os indícios desde março. Já os do PT... Bem, em nosso país estamos cansados de saber que alguns são "incomuns", intocáveis como as vacas sagradas da Índia, enquanto outros têm a sorte selada pelas circunstâncias, pois não? 

ELIANA FRANÇA LEME efleme@terra.com.br

São Paulo

*

MAIORIDADE PENAL

Em seu artigo de 22/7/15, o Sr. Antonio Cláudio Mariz de Oliveira condena a redução da maioridade penal para 16 anos, sobretudo porque "o sistema prisional brasileiro não evita o crime, ao contrário, ele o estimula". Mas adverte: "É óbvio que não deveremos deixar o menor infrator impune. No entanto, vamos reagir contra o crime do menor (infração) com um mínimo de inteligência..." Concordo. A redução consagra o simplismo. Um mínimo de inteligência é bom para tudo, e isto havia no projeto de lei que o governador de São Paulo levou pessoalmente à Câmara dos Deputados e que foi torpedeado pelo PT. Ele prevê mudanças no Estatuto da Criança e do Adolescente, para que o menor que pratique crime possa ficar em regime de reeducação por até 8 anos e separado de criminosos adultos. Burrice do PT de um lado, burrice dos evangélicos de outro, o resultado foi o que se viu. Espero que o artigo do dr. Mariz de Oliveira não tenha sido escrito tarde demais. 

EUCLIDES ROSSIGNOLI  euros@ig.com.br

Avaré

*

 FALTA SENSO CRÍTICO 

O midiático advogado Mariz de Oliveira nos brinda com um exemplo claro da irracionalidade que ele mesmo destaca em seu artigo. A falta de senso crítico se revela cristalinamente ao afirmar que o criminoso de 16 ou 17 anos que for preso sairá da cadeia pior do que entrou. Será que o autor diria o mesmo a respeito de um motorista embriagado que fosse preso, após atropelar um grupo de pessoas na calçada? Fosse este um artigo de metalinguagem jornalística seria excelente. Não me parece, infelizmente, que era esta a intenção do advogado. 

Airton Deppman adeppman@gmail.com

São Paulo 

*

EDUCAR PARA CORRIGIR

Sensacional o artigo a respeito da maioridade penal para o menor infrator. Só espero que nossas autoridades saibam entender e aplicar suas sugestões. Concordo plenamente que é educando e dando condições que se corrige. Se houvesse mais autoridades públicas e não políticas no governo, não teríamos chegado a esta situação.

Laura Giglio laurapocas@yahoo.com.br

São Paulo

*

ACIDENTES NAS MARGINAIS

Quer saber, o trânsito e os acidentes nas marginais e outros grandes corredores de São Paulo irão diminuir pela redução da velocidade imposta pela Prefeitura, mas porque os automóveis simplesmente deixarão de circular. Primeiro porque seus donos perderam ou perderão os empregos, segundo porque ninguém tem ou terá dinheiro para encher os tanques... bem,  e por ai afora!

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

ONÇAS E A VELOCIDADE

Espero que o glorioso alcaide de São Paulo, se é que o temos, sr. “Maldade”, não leia as notícias dos atropelamentos de onças pardas nas Rodovias paulistas, afinal, como amigo da onça, é capaz de “elle” sugerir baixar os limites de velocidade, pois assim menos onças teriam morrido nos atropelamentos. Nosso alcaide é realmente genial! Fico assustado de ler e ouvir que diga que a redução nas marginais é uma experiência... São Paulo é uma cidade que não pode ser administrada por tentativa e erro. Aliás, por falar em erro, em breve corrigiremos o erro de ter um poste no (des) governo municipal...

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

EXPERIÊNCIA DO PREFEITO

Um prefeito afeito à vida acadêmica, sem noção das dificuldades de quem tem de se mover diariamente de veículo autônomo, seja trabalhando, buscando filhos, indo a médicos e hospitais, e mil outros motivos, torna a vida de milhões uma experiência estressante. Até hoje não foi capaz de harmonizar semáforos e pretende arrecadar mais com multas, porém não sabe avaliar a arrecadação perdida com paralisia no trânsito, e, muito importante, com a perda de empregos. Espero que, nas próximas eleições os veículos derrubem o poste, sem tato.

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo 

*

SÃO PAULO, RUMO AO CAOS

O Fernando Haddad, prefeito da cidade de São Paulo, foi eleito porque havia uma vaguinha no quadro político do PT e tinha o apoio do maquiavélico ex-presidente Lula. Suas ações, no entanto, demonstram falta de capacidade e menosprezo pela cidade que administra. Na realidade, ele odeia São Paulo e transfere para o cidadão o ônus desse sentimento.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo  

*

PARA ONDE VAI SÃO PAULO

Andrea Matarazzo (Metrópole, 19/7 tem toda razão: o que acontece na Avenida Paulista sempre sai no jornal. Não se consegue entender a necessidade de duas pistas adicionais serem reservadas para ciclistas aos domingos, em adição à ciclovia. Deve ser a preparação para fechar a Paulista aos domingos com o propósito de atrair gente que deixa um saldo de lixo ao longo da via e das calçadas e cria um desnecessário congestionamento nas vias paralelas. Morador não tem como sair de carro e, pior ainda, retornar com todos os acessos interditados. Lazer nos bairros nem pensar!

Eva Silva silvaeva@hotmail.com

São Paulo

*

META DE CONSUMO DE ÁGUA

Mais da metade das irrigações, no Ceará, já foi desativado. Resta combater o desperdício nas residências, comércio e na indústria. Pode-se ter como meta a diminuição do consumo de água. A conta de água que não atingir a meta deve ser taxada com uma percentagem a mais na conta. Nada de desperdício! Doendo no bolso teremos o estímulo suficiente para a economia necessária.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza (CE)   

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.