Fórum dos leitores

OPERAÇÃO LAVA JATO

O Estado de S. Paulo

25 Julho 2015 | 03h00

Novas prisões

O juiz federal Sérgio Moro decretou nova prisão da cúpula da empreiteira Odebrecht, inclusive de seu presidente Marcelo Bahia Odebrecht. A nova decisão de punir foi baseada em documentos enviados pela Suíça que provam a movimentação de propinas em planilhas organizadas pela empreiteira. Esse fato nos enche de esperança de que as coisas comecem a mudar no País. Basta de sermos conhecidos como o país da impunidade.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

O elo quebrado

Chega a ser inacreditável que personagens do mais alto escalão empresarial deste país estejam indo parar atrás das grades. Essa tem sido uma festa para as grandes bancas de advogados do País, que nadam de braçadas nos valores cobrados para defender os pobrezinhos. A corrente da corrupção só prevalece até um elo ser quebrado. Aí a podridão emerge e o mau cheiro fica impregnado em nossas narinas, obrigando as autoridades a tomarem as devidas providências. Polícia Federal, Ministério Público e Justiça Federal, até agora, estão dando conta do recado.

ALOISIO A. DE LUCCA 

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

Receptadores de propina

Todos os dias, ao abrirmos os jornais e ligarmos a TV, deparamos com notícias sobre a Operação Lava Jato. Pergunto: não estão prendendo muitos pagadores de propinas e esquecendo de prender os receptadores?

DALMIR MEDEIROS

dalmir@sportpromotion.com.br

São Paulo

Crime hediondo

A leitura diária das notícias referentes à Operação Lava Jato é estarrecedora. Quando atentamos para os valores apurados (e quanto ainda não foi identificado?) e fazemos as contas, convertendo-os em casas populares, em salário mínimo, em cesta básica ou em Big Macs, podemos ter uma noção dos valores surrupiados da sociedade. Esses recursos são aqueles que estão faltando para sustentar a saúde e a educação. As pessoas estão morrendo nas filas dos hospitais por falta de leitos e de medicamentos e as futuras gerações e o progresso de nossa “Pátria Educadora” estão sendo prejudicados com a falta dos recursos para o ensino, especialmente os ensinos básico e fundamental. Considerando os reflexos dos desvios desse montante de dinheiro, não deveriam os delitos ser tratados como crimes hediondos e os envolvidos, submetidos a penas mais severas?

JEAN-FRANÇOIS HENRY N. LEVY

jeanflevy@gmail.com

São Paulo

Tempo de insônia

Com a transferência de presos para o Complexo Médico-Penal em Pinhais (PR), abriu vaga na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Noites de vigília, ansiedade e insônia em São Bernardo do Campo e em Brasília...

CLAUDIO JUCHEM 

cjuchem@gmail.com

São Paulo 

GOVERNO DILMA

Insegurança

O mercado, mais uma vez, retraiu-se com a decisão do governo federal de alterar a meta de superávit fiscal – o dinheiro que o governo consegue economizar. Dilma Rousseff vacila, demonstra insegurança e prova que seu governo está muito aquém do que o País necessita. Logo mais, seu índice de aprovação popular será ainda menor que os 7,7% de hoje.

JOSÉ C. DE CARVALHO CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Moral administrativa

A política econômica do governo não é frouxa (Estado, 24/7, A3), é perversa. O que não se faz no ajuste fiscal é cortar os cargos comissionados, os “patrocínios” a deputados e senadores, os aumentos de salário no setor público, etc. Em qualquer empresa, adequar as despesas às receitas é rotina. Eliminar um déficit público de cerca de R$ 6,7 bilhões e obter uma ridícula margem para pagar juros da dívida não requer competência de economista, mas, sim, moral administrativa e política. Em Brasília se discute aumento salarial para todo servidor público, enquanto as empresas privadas só demitem.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Mancha na biografia

Infelizmente, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, já foi envolvido pelo manto dos arranjos deletérios que norteiam a política econômica do governo. Pela sua boa-fé, não sei se nota que o núcleo duro do governo é de uma sinceridade no mínimo discutível. Sua biografia está manchada. Aonde vamos parar?

ÉDEN A. SANTOS

edensantos@uol.com.br

São Paulo

Canoa furada

Joaquim Levy embarcou numa canoa furada ao ingressar neste governo. E corre o risco de ainda ser tachado de incompetente e responsabilizado pelo naufrágio da economia.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES 

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Um gigante incômodo 

A maior parte daquilo que o cidadão brasileiro recebe – ou deveria receber – como recompensa justa por seu trabalho fica nas mãos de um gigante glutão, moroso e ineficiente. Esse gigante se chama Estado e suas mãos são a burocracia. Embora também exista em outros países, este ser é especialmente nocivo aqui, no Brasil. Extorque cidadãos e empresas por meio de impostos, tributos e taxas abusivos e, em troca, oferece migalhas em forma de serviços públicos cuja qualidade, via de regra, é no mínimo duvidosa. Para sua sorte, muitos dos que recebem tais serviços se mostram imensamente agradecidos, como se o astuto gigante – visto por alguns como uma figura paternal – lhes estivesse fazendo um favor. Não percebem que o “público e gratuito” foi pago – e caro – por eles mesmos. Claro que há quem se beneficie com tudo isso: a classe política, por exemplo, tem o controle desse monstro gigantesco e se locupleta do que ele tira do povo. Além dela, há outros beneficiários, como certos membros do funcionalismo público, notadamente os que pertencem ao Poder Judiciário. Diferentemente de outro gigante, a nação brasileira – que em geral está dormindo, embora haja relatos de que teria acordado em 2013 –, o gigante chamado Estado não dorme nunca. Pelo contrário, está cada vez mais desperto e faminto, pronto para devorar o que puder e o que achar pela frente. Enquanto isso, o que resta para os cidadãos comuns – minúsculos e combalidos – são os restos putrefatos dessa comilança.

GLAUCO PALUDO GAZONI

glaucopaludo@hotmail.com

Chapecó (SC) 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CRIATIVIDADE  

O juiz Sérgio Moro estendeu para o dia 27/7 o prazo para que a defesa de Marcelo Odebrecht explique as anotações encontradas em seu celular. Naturalmente, nesse tempo, a empresa irá contratar um bom compositor ou poeta que consiga arranjar outros significados para as siglas, diferentes das óbvias decifradas pela Polícia Federal (PF), mas que rimem com no texto encontrado

Abel Rodrigues abel@knn.com.br

*

QUESTÃO DE OBRAS

O Brasil é um canteiro de obras. São Bernardo do Campo, de gestão petista, é um canteiro com serviços aos cidadãos medíocres e ruins. Acontece que os serviços não dão propinas, mas obras sim. O PT tornou-se o partido dos projetos e obras que rendem bilhões de propinas aos políticos e bilhões de lucros às empresas aliadas ao petismo. O Brasil tornou-se um canteiro de obras petista, pouco importa a utilidade delas.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

RESULTADO DA CORRUPÇÃO

Em 12 anos 5 mil funcionários públicos foram demitidos por corrupção! A cúpula não admite concorrência...

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia 

*

LULA ‘INVESTIGA’ MP

Para nós, reles mortais, soa estranho que a Corregedoria Nacional do Ministério Público tenha acolhido o pedido da defesa de Lula para instaurar procedimento disciplinar contra o procurador federal Valtan Timbó Mendes Furtado, responsável pela abertura de processo de investigação criminal contra o ex-presidente por suspeita de haver cometido crime de tráfico de influência internacional. A defesa de Lula alega que o MP deveria aguardar a conclusão de um procedimento preliminar de investigação, antes de abrir investigação formal, mas o fato é que o procedimento preliminar pode ser transformado em investigação  formal a “qualquer momento”. Logo, nada de errado fez o procurador, que apenas cumpriu rigorosamente seu dever funcional. Sem embargo, passou a ser “investigado” por ordem do Corregedor Nacional do Ministério Público!  Só mesmo no Brasil  - país às avessas -  alguém como Lula, que se julga acima da lei e das instituições, enrolado em relações sabidamente incestuosas com empreiteiras e suspeitíssimo de praticar tráfico de influência em conluio com delinquentes processados na Justiça Federal do Paraná, sente-se com “moral”  para virar a mesa, posar de bom moço, peitar as instituições e passar de investigado a investigador!

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

RASTEIRA À VISTA

Afirmam a defesa de Lula solicitou que a Corregedoria Nacional do Ministério Público apure a conduta do procurador que abriu investigação contra o ex-presidente. Alguém tem dúvida de que tal solicitação partiu de Lula? Já estão querendo achar uma agulha no palheiro para eliminar o procurador, não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

RENÚNCIA

É mais que evidente que a presidente está envolvida nas tramóias que seu partido PT praticou em todas as estatais.  Agora só nos resta esperar uma nobre atitude dela que é  o pedido de  renúncia.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

CONFISSÃO DE FÉ 

Quem em sã consciência vai atender ao pedido de Dilma e sair em defesa de Lula? Só mesmo a mulher-bomba, disposta a explodir a si e a todos em nome de sua fé no Brahma!

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

LULA, UM BORRÃO NO BRASIL

Pena ter sido Collor eleito depois de Sarney e não Lula, porque ele seria hoje apenas um rabisco em nossa história política, não um borrão enorme que manchou o País de cabo a rabo, numa corrupção nunca dantes conhecida.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça 

*

O PETRÓLEO E AS MOEDAS IMAGINÁRIAS

Abomino a ressalva de que “a Petrobrás foi quase arruinada pelas administrações petistas, apesar da competência de seus técnicos”. Na minha opinião, embora competentes, todos, de todos os níveis, foram  coniventes. Por que não denunciaram ou se rebelaram, entrando inclusive em greve para salvar a empresa? Todos foram omissos.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O CALCANHAR DE AQUILES DO ‘BRAHMA’

Angola parece ser o objeto principal das atividades do Sr. Lulla da Silva, onde ele, por tráfico de influência duplo, promovendo negócios para a Odebrecht, conseguiu financiamento do BNDES, até após o seu mandato. É amigo do ditador de Angola.  Se o MP Federal for a fundo, descobrirá as portas do cofre naquele país africano dos fundos de pensão do Sr. Lulla.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

INQUIETO DEMAIS

Para quem se considerava acima de qualquer suspeita, a tentativa do deputado Eduardo Cunha, via STJ, de afastar o juiz Sérgio Moro da Lava Jato, soa, no mínimo, como apreensão justificada.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

DELAÇÃO PELO CELULAR

Nada como fazer uma delação "sutil" usando um celular. É escorregadio, mas atingiu o alvo!                   

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

CONTATO SUSPEITO

 

Até tu, Mercadante? E-mails enviados por Marcelo Odebrecht ao senhor foram rastreados pela Polícia Federal. Na maioria das vezes, é certo que, quando políticos têm contatos com empreiteiras, há negócios em andamento.

  

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

DÚVIDA

A saída voluntária da notória criminalista Beatriz Catta Preta da defesa de alguns dos notórios envolvidos na Operação Lava Jato é prova cabal e evidente de que a sua convocação para depor na CPI da Petrobrás fez por onde. Afinal, cabe perguntar sem ofender: é correto e legal que um suspeito ou réu pague por sua defesa jurídica com o fruto do butim do malfeito por ele praticado?!

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

GATA NA TUBA

É sintomática a saída da advogada que assistia aos delatores da Lava Jato. Bastou a divulgação do vídeo dos US$ 5 milhões de propina de um delator que, em seguida, a nobre causídica deixou o caso. Aí tem "gata na tuba!"

José Piacsek bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava 

*

O PIOR DOS MUNDOS

A derrota do ministro Joaquim Levy para os "economistas" do PT remanescentes no governo Dilma, o episódio “Cunha versus Catta Preta”, que está levando a advogada do denunciante do suborno a refugiar-se nos Estados Unidos, e a decisão do ministro Ricardo Lewandowski contra o juiz Sérgio Moro mostram que o Brasil entrou no pior dos mundos. Um misto ptbolivariano  de Grécia e Venezuela. 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM DIRIA!

A julgar pelos desdobramentos nos EUA e na Suíça, a dupla Lula da Silva e Marcelo Odebrecht aprontou além da imaginação. Um já está preso. Falta o outro.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

SURFANDO NA CORRUPÇÃO

As investigações nos EUA, apontando que houve pagamento de propinas pela empresa Odebrecht, tornam ainda mais sérias as acusações contra a empresa que surfou na corrupção brasileira por anos.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

São Paulo

*

ENCONTROS ESTRANHOS

 

A nosso ver, é muito estranha essa pressa do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, em encontrar-se com o primeiro ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. Em delação premiada, Cunha é acusado de pedir propina de US$ 5 milhões, importância astronômica. É evidente que, se essa acusação se tornar um processo, Cunha já pretende ser julgado pelo STF, pois será beneficiado pelo foro privilegiado, um escárnio institucional. Todos sabemos que a pauta do STF é imensa, os julgamentos são demorados e muitos crimes correm o risco de serem beneficiados pela prescrição.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

DONO DO BRASIL

Renan Calheiros, presidente do Senado, cogita "segurar", a aprovação de Janot, se ele for mantido na Procuradoria Geral da República. Alguém alertou a esse nobre cidadão, de que ele é apenas o presidente do Senado e não dono do Brasil? Menos Renan, menos!

J.Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

ATITUDE CORRETA

O juiz Sérgio Moro não infringiu nenhuma regra de competência na oitiva de uma testemunha que, ao depor, referiu-se ao deputado Eduardo Cunha enquanto beneficiário de propina. 

 

Amadeu Garrido amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

CUNHA, TODO PODEROSO!

Agora que o todo-poderoso Lula e sua criatura estão no volume morto, eis que surge um novo deus, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, que, após ser citado em uma delação premiada, se acha no direito de ir até o STF e solicitar a suspensão da ação penal que corre no Paraná. E Lewandowski, presidente do STF, vai prestar continência para Dilma ou para Cunha? Chega de baderna!

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

LAVA JATO

Há algum tempo a Justiça está prendendo os responsáveis por empresas que participaram (ou ainda participam) da corrupção institucionalizada na Petrobrás. Mas, e os políticos corruptores, que não são poucos, quando irão para a cadeia?

 

São Paulo

*

ABRAÇO DE DESESPERO 

O Lula que dar o abraço dos afogados em FHC.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas 

*

FARSANTES

O PT tem execrado Fernando Henrique Cardoso desde sempre.  Agora lhe  pede socorro? Ora, tenham vergonha na cara, cambada  de hipócritas!

José marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

TURBULÊNCIAS

O pior não é quando a maioria já não acredita na presidente e no governo, mas quando ela e o governo parecem não acreditar mais em si mesmos!

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

NÃO, AO CONCHAVO!

Depois de passar 12 anos hostilizando FHC, acusando-o de ser autor de uma herança maldita e espalhando uma inverdade atrás da outra sobre os governos tucanos, Lula, desesperado e alvo de um inquérito por parte do Ministério Público, teria procurado o seu antecessor para propor um pacto que garanta a governabilidade e afaste a possibilidade de Dilma sofrer o impeachment. Não aceite, FHC. Isso parecerá um conchavo aos olhos dos brasileiros decentes. 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

A DUPLAMENTE INCRÍVEL DILMA

Além de mentirosa patológica, é incrível que Dilma não consiga acertar uma!

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaiba-

*

SÃO PAULO ESTÁ ABANDONADA

Entre os grandes males que atingem o coração da nossa cidade de São Paulo está a droga. Ninguém consegue acabar com a Cracolândia. A droga ainda deteriora escolas, clubes da comunidade, parques e praças públicas. O Vale do Anhangabaú, que já foi uma importante área de lazer   virou  um     maconhódromo   com direito  à arquibancada.

O jardim do Vale - que era tão bem cuidado por Antônio Ermírio de Moraes - está definhando nos arredores da morte...

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.