Fórum dos leitores

ECONOMIA

O Estado de S. Paulo

30 Julho 2015 | 03h00

Bra$il sem fundos

Para a agência de classificação de risco Standard & Poor’s, falta pouco para o Brasil ser rebaixado e classificado como um “cheque sem fundos”. A conferir nos próximos meses...

J. S. DECOL 

decoljs@globo.com

São Paulo

Da ‘marolinha’ ao tsunami

Deveria ser considerado grave afronta à Lei de Responsabilidade Fiscal o rebaixamento da nota de um país pelas agências de risco. Isso nos ridiculariza mundo afora, porque seremos vistos como maus pagadores, afugenta investimentos e nos remete ao retrocesso. Parece que a “marolinha” virou tsunami.

MARCO DULGHEROFF NOVAIS

marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

Receflação

Muito menos por causa da decantada “marolinha” e muito mais pela desorganização de nossa economia, nas asas da nefasta “nova matriz econômica”, o País enfrenta uma situação calamitosa. As seguidas pajelanças inovadoras são obras de feiticeiros aprendizes e criaram uma desorganização tal que seria dar prova de verdadeiro autismo afirmar que, após uma breve “travessia”, um crescimento vigoroso está para acontecer. Mas, como tudo é relativo, o conceito de “breve” se presta a qualquer interpretação. O tratamento dado à inflação durante o governo Dilma 1, associado a uma série de medidas cuja enumeração serviria apenas para desopilar o fígado, trouxe repercussões de difícil avaliação. A taxa básica de juros, a Selic, aprisiona nossa economia numa armadilha de difícil escapatória. Uma “brincadeira” de Cila e Caríbdis. Aumentar os juros combate a inflação, porém o custo do serviço da dívida arrebenta o já improvável superávit primário. Diminuir a taxa básica possibilita um aparente alívio, logo varrido pela volta do dragão que pensávamos ter sido sepultado definitivamente. No momento, falar em estagflação (estagnação mais inflação) passa a ser um eufemismo, quando o mais adequado seria falar numa “receflação” (recessão mais inflação). Nesta crise que sufoca a indústria, um único segmento está com boas perspectivas no curto prazo: o da fabricação de panelas. A Nação há de ser eternamente grata aos artífices deste flagelo.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Boi de piranha

Se estamos numa “travessia”, como diz a nossa presidente, por que ela não faz o papel de “boi de piranha” e atravessa na frente da boiada, para satisfazer às piranhas e deixar que os outros bois atravessem sem risco?

MARINA R. BLANCO

mmalufi@terra.com.br

Olímpia

A duração da crise

O governo está desmoralizado, fruto da má gestão e da corrupção. Não é só opinião, estão aí as pesquisas para atestar. Ouvimos, até amiúde, que no momento não temos governo. Em 2002, o PT, fugindo do radicalismo vigente até então, publicou a célebre Carta ao Povo Brasileiro, submetendo o pensamento do partido às leis do mercado. Dentro dessas normas, governou com tranquilidade. Mas os erros dos governos petistas que se seguiram foram muitos e a conta agora chega. Se o PT quiser evitar o impeachment e a desonra definitiva, terá de abdicar do lulopetismo, sistema que só funciona com ventos a favor, como atesta a História. Um bom exemplo nos deu recentemente o governo grego, regido por um líder comunista. Simplificando e para começar, a palavra é privatização.

ORLANDO SACCO

orlandosacco@gmail.com

Botucatu

Goela abaixo

O caderno especial Infraestrutura (Estadão, 28/7) tratou de um vasto programa de melhorias nos transportes ferroviário e rodoviário e outras medidas milionárias prometidas pelo governo Dilma Rousseff que, em face da lamentável situação econômica e financeira que o País atravessa, certamente não serão realizados. É mais uma simulação que o povo brasileiro terá de engolir, a exemplo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

MARIO ERTEL

mario@locatec.com.br 

São Paulo

EDUCAÇÃO

Meta para quê?

Ao falar sobre a criação de vagas no Pronatec para jovens em situação de risco, Dilma Rousseff disse não querer falar em metas, criando, assim, um novo modelo. Se as metas (inexistentes) forem atingidas, poderão ser dobradas. O dobro de quê?

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

O dobro de zero

“Nós não vamos colocar uma meta, nós vamos deixar uma meta aberta. Quando a gente atingir a meta, nós dobramos a meta.” O dilmês é uma linguagem indecifrável e incompreensível, mas cabe esclarecer que o dobro de zero é zero.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

Propaganda inadequada

A imaturidade política e a dubiez de caráter fazem com que o grupo de mandatários do poder público, em declínio, busque na propaganda inadequada tábua de salvação. O slogan Brasil, Pátria Educadora, se não fosse triste, seria risível. Cantam-no aos quatro ventos sem acato à realidade, como se o exemplo não influenciasse a educação. Mensalão, petrolão e outros desatinos são tratados como se não existissem. A intoxicação moral leva à raia da insensatez. Vergonha seria eficaz antídoto.

LÍGIA MARIA V. FIORAVANTE

lmfiora@uol.com.br

São Paulo

PREFEITURA DE SP

Déficit em 2014

O secretário de Finanças e Desenvolvimento Econômico de São Paulo, Rogério Ceron de Oliveira, justificou a triplicação do déficit da Prefeitura em 2014, entre outros motivos, pelo “aumento dos investimentos em ações previstas nas operações urbanas”. Se esses investimentos tivessem sido feitos na construção de creches e na área da saúde, em vez de em ciclovias subutilizadas, muitas delas mal feitas, esse rombo não seria tão impactante. Ao menos moralmente.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Consenso

As contas da Prefeitura de São Paulo em 2014 fecharam no vermelho pelo segundo ano consecutivo, triplicando o déficit orçamentário da gestão Fernando Haddad. Mesmo os petistas têm de concordar comigo que Haddad só não é pior por ser um só.

ANTONIO JOSE G. MARQUES

a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal  estadao.com.br

FALANDO GREGO

“Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”, disse Dilma Rousseff. A situação do Brasil se aproxima cada vez mais a da Grécia, tanto que dona Dilma já está falando grego.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

AS METAS DE DILMA

Em recente pronunciamento Dilma afirmou: “Não vamos estabelecer metas, vamos deixar a meta aberta e, quando atingirmos a meta, dobramos a meta”. Entenderam ou desenhamos? Esta é a personagem que governa este pobre País. 

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com.br

São Paulo                             

*

DISCURSO VAZIO

Se continuar a falar as bobagens que tem dito, a presidente Dilma vai causar mais risadas do que vaias. Não é normal.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo 

*

META ABERTA?

Anunciado pela presidente da República, o mais inovador e original método de medição do desempenho de um governo: a meta aberta. Ao ser alcançada essa meta, seja lá o que isso signifique e Deus sabe lá quando, ela será dobrada! Está claro? 

Luciano Harary  lharary@hotmail.com

São Paulo 

*

FALA SEM NEXO

Ao lançar o (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) Pronatec, que já começou raquítico com corte de 3 milhões para 1 milhão de vagas em 2015, a presidente Dillma disse que nós não vamos colocar meta. Quando a gente atingir a meta, nós dobramos! Em outras palavras, nem ela nem ninguém entendeu onde este programa levará os jovens. E ainda temos três anos e meio para ouvir essas sandices sem nexo e conteúdo! Haja paciência! 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

LEVY SABE

A crise econômica e fiscal do País tem suas origens muito bem estabelecidas. A elevação do preço das commodities (consumidas pela crescente potência chinesa) nos primeiros anos do século 21 não foi acompanhada do bom uso da receita. Desde o segundo mandato do ex-presidente Lula, tornou-se praxe a criação e a distribuição de cargos para aliados, sempre em nome de uma governabilidade artificial (hoje vemos a “fidelidade” dos parlamentares da base). Dilma apenas deu sequência aos desacertos. Nenhuma novidade para o renomado economista Joaquim Levy. Em entrevista ao Estado, ficou bem clara a sua opinião sobre os últimos anos de política lulopetista, mas sua ocupação o impede de dizer umas boas verdades. Aliás, também é evidente que sua chefa o obstrui de fazer o necessário. Levy sabe, mas não pode dizer nem fazer nada.

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

*

TAXA DO DÓLAR

Todos estão impressionados com a taxa do dólar. “É a mais alta desde 2003!”. Será que ninguém pensa que, se tivéssemos aplicado a inflação desde 2003, estaríamos com uma taxa de R$ 4,50 ou R$ 5? E as pessoas ainda se perguntam por que a indústria está em crise! Real valorizado e Custo Brasil estão matando a indústria.

Aldo Bertolucci accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

REALMENTE, UM POÇO SEM FUNDO

O excelente artigo de Almir Pazzianoto Pinto, na edição de segunda-feira, 27/7 ("Recessão, crise, impeachment", pág. A2), mostra claramente a impossibilidade de o País sair dessa crise inédita a que fomos levados pelo ParTido. 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

PEDALADAS FISCAIS

Não resta dúvida de que as mazelas contábeis levam a consequências punitivas mais intensas e diretas que malfeitos penais. Em Chicago dos anos 30, o senhor Al Capone, apesar de sua indiscutível ficha criminal, só acabou sendo condenado por irregularidades contábeis no seu imposto de renda. Atualmente, vemos a presidente Dilma driblar com bastante facilidade o “mensalão do PT”, a “operação Lava Jato” e as acusações de irregularidades na campanha eleitoral de 2014... Mas será provavelmente condenada pelas pedaladas contábeis fiscais. Resumo da ópera: pode-se tergiversar sobre os valores éticos e morais, mas nunca com números.

Luigi Petti pettirluigi@gmail.com

São Paulo

*

PT, UM PARTIDO DEPRIMENTE

Como é deprimente ver o PT defender os corruptos (José Dirceu), os corruptores (Odebrecht) e a irresponsabilidade fiscal (as pedaladas) em detrimento do País! 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

PASSANDO O PAÍS A LIMPO

Se quisermos passar o Brasil a limpo, os governadores que tiveram suas contas rejeitadas e cometeram crime de responsabilidade, similar ao que cometeu a presidente Dilma Rousseff, no caso das “pedaladas fiscais”, devem ser afastados, independentemente do partido que representam.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

PEDALADAS GENERALIZADAS 

Conforme noticiado, as tais “pedaladas fiscais” cometidas pelo governo federal, relativas ao balanço de 2014, foram cometidas também  por vários governos estaduais (17),  ou seja, há uma irresponsabilidade fiscal generalizada no País. Nesse cenário de dificuldades econômicas, quem garante  que os investidores em letras do Tesouro Nacional  não podem também levar um calote? Conforme boletim do banco Credit Suisse (26/6), as reservas brasileiras para 2015 são de  US$ 367 bilhões, com dívida de US$ 368 bilhões por causa do avanço de empréstimos das empresas nacionais. 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas 

*

CORRUPÇÃO ATÔMICA

Manchete do Estadão: “Lava a jato avança e prende  criador do programa nuclear.” Quem diria que um dia no Brasil do PT, a corrupção seria nuclear e destruiria milhares de vidas brasileiras, graças ao dinheiro desviado da Educação, Segurança, Infraestrutura, Saúde, etc.? O que se espera pra se chegar ao cara, que mesmo nunca sabendo de nada está milionário? A corrupção na era petista tem a devastação de uma bomba nuclear, esperem só até se abrir a caixa-preta do BNDS!

José Milton Galindo galindo52@hotmail.com

Eldorado 

*

O GRANDE PROJETO

Mensalão, Petrolão, Eletrolão, o que mais? Tudo picuinha, coisa pequena, parte de um projeto maior: o "Brasilão". Isto sim é governo. Um viva ao PT!

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo 

*

UMA SÓ OPERAÇÃO

Em vez de todos esses processos: Mensalão, Petrolão, Eletrolão, etc., sou a favor da reunião de todos eles em um só, o “PTlão”.  Assim acabaríamos de uma só vez com os maiores casos de corrupção do Brasil, ou até do mundo, quem sabe? 

Sergio Aranha aranhafilho@aasp.org.br

Garça

*

RADIOATIVIDADE NA LAVA JATO

Até tu, Almirante? A comprovação de corrupção exige a sua imediata expulsão das Forças Armadas!

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

ELETRONUCLEAR

Vão ganhar um Nobel. Cientistas do PT supervisionados pelo capo Lula descobriram a corrupção atômica. 

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas 

*

SEMPRE NEGANDO

Agora a Lava Jato está se voltando para o setor elétrico e, mais uma vez, surge o nome do PMDB, que, como sempre, nega a participação em esquemas de corrupção. Imagine se ele ia confessar. É impressionante como este partido sempre tem alguém envolvido em ilícitos, e ainda acham que o PMDB é a salvação. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PRETENSÕES DESCABIDAS

O presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), citado em delação premiada por receber propina de 4,5 milhões de dólares, quer modificar o dispositivo legal, muito necessário ao bom andamento das investigações. Será que sua pretensão é legalizar os atos de corrupção que assolam o País?

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

DILLMA CULPA LAVA JATO!

Agora a Operação Lava Jato chegou à Eletronuclear, responsável pela construção de Angra 3. Incrível como uma investigação vai levando a outra e o País vem tendo consciência do quanto se paga e o quanto se perde nessa teia de malandragem político-empresarial. Não adianta a presidente Dillma agora afirmar que a queda no PIB se deve à Lava Jato, porque o que se roubou até hoje nesses 12 anos de desgoverno petista é muito mais do que a queda de 1% do PIB! Contra fatos não existem argumentos. Apenas os malandros e os beneficiados não reconhecem os benefícios dessas investigações.  

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

NÃO SE DEVE ESQUECER

O povo, e em especial a oposição, deveria se lembrar que, tão ou mais grave que as pedaladas, é o encontro de Dilma com Lewandovski! Acho que não podemos simplesmente nos calar e deixar o assunto cair no esquecimento.

Maria do Carmo Zaffalon zaffalon@uol.com.br

Bauru 

*

QUEM INVESTIGA É CULPADO?

Lava Jato derrubou 1% do desenvolvimento do Brasil e da arrecadação de impostos, diz Dilma, mulher sapiens. Para ela, a culpa é dos investigadores, promotores, juízes,  etc. no cumprimento de suas funções e não de quem desviou o dinheiro dos impostos e das estatais. Equilibrar as contas públicas, diminuindo o número de funcionários e de Ministérios poderia indispor os Congressistas e seria prejudicial à presidente. Desde que ela se safe, o povo que se lixe!

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

O PIOR NEGÓCIO DO BRASIL 

O novo escândalo de corrupção envolvendo a usina nuclear de Angra 3 é a cereja do bolo desse que pode ser considerado o pior negócio da história. O Brasil correu sozinho e perdeu a corrida nuclear, nenhum de seus vizinhos está perseguindo a bomba, a transferência de tecnologia nunca ocorreu, a localização das usinas é a pior possível, entre as duas maiores cidades do País. Os erros vão se somando, o Brasil luta para construir Angra 3 com uma tecnologia de 5 décadas atrás, usando um reator que esta há 30 anos parado, sem nunca ter sido usado. Todos esses anos de erros não foram suficientes para o Brasil chegar a uma conclusão sobre o quê fazer com os resíduos nucleares de suas usinas. O mundo civilizado já virou a página da energia nuclear, países como Japão e a Alemanha estão se livrando de suas usinas, todo mundo esta apostando em fontes de energia limpa, menos o Brasil, que continua, pateticamente, tentando montar o seu terceiro elefante branco radioativo. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

LULA E A MÚSICA

Lula não entendeu a música de seu amigo Chico. Em 2010, mirou-se em uma mulher que transformaria o País em Atenas.

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

*

CORRUPÇÃO – CRIME HEDIONDO

Concordo plenamente com os comentários do leitor sr. Jean François Henry N. Levy publicados neste espaço no sábado (25/7). Realmente, temos de exigir, seja pela OAB ou por quem possa nos ajudar neste sentido, que se tornem crime hediondo os crimes de corrupção. As consequências da corrupção (além dos da Lava Jato com certeza existem muitos outros) são gravíssimas para toda a população: mortes por falta de recursos na saúde, mortes por falta de alimentação, crianças e jovens condenados a não ter um futuro por causa da falta de escolas e de educação, mortes por falta de segurança, falta de saneamento, etc. São sim crimes gravíssimos contra a população! Esses crimes não podem ser punidos com apenas poucos meses em cadeia com condições especiais e a seguir uma prisão domiciliar. Acredito que, somente com a transformação em crime hediondo e com a aplicação de penas realmente condizentes com os males produzidos e com a certeza de não haver chance de impunidade, em muito já se reduziria essa atividade criminosa. E então quem se habilita a nos defender e a começar a trabalhar para mudar a lei e conseguir esse enquadramento? Quem pode lutar por nós?

Regina Siebert de Moraes reginasiebert@uol.com.br

São Paulo

RECESSÃO, CRISE, IMPEACHMENT

Parabéns ao sr. Almir Pazzianotto pelo brilhante e esclarecedor artigo publicado na edição do dia 27/7 do Estadão, principalmente quando diz: “Anestesiada pelo discurso lulopetista, a Nação rola ladeira abaixo, embalada por mentiras que a levaram a se convencer da força mágica das palavras. Para se desenvolver, enriquece, subir de condição de vida, avançar escala social, bastaria, segundo o Partido dos Trabalhadores (PT), adotar o endividamento como estilo de vida.” E mais adiante: “...culminando com a exaltação da ignorância e do ridículo.” Agora vêm os lulopetistas querer que os esclarecidos, que não se deixaram embalar pelas mentiras e continuaram a trabalhar, paguem a conta. 

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

*

AO DECADENTE LULA

O editorial do Estadão (28/7) com título: “Falta de compostura”, cai sob medida no exato perfil demagogo, e insustentável de Lula!  Como bem assinala o texto, o Lula realmente é “o maior responsável pela grave crise política, econômica e moral que o País está mergulhado”. E que neste seu melancólico fim de carreira política ainda tenta reunir forças participando de encontro no Sindicato dos Bancários, diga-se, para poucos, a fim de arrotar suas costumeiras asneiras de que é vítima de “nazistas”, e de uma “elite perversa” que não aceita suas conquistas sociais. É brincadeira! 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ASCENÇÃO METEÓRICA 

Parabéns pela clareza e objetividade do editorial “Falta de Compostura”.  Vou continuar torcendo pelos resultados da prestação de contas à Justiça, relativas à meteórica ascensão econômico-financeira do senhor Luis Inácio e família. 

Marco Aurélio Pezzotti mapezzotti@terra.com.br

São Paulo

*

FALTAM PRIORIDADES

As contas da Prefeitura de São Paulo triplicaram o déficit orçamentário da gestão Haddad, o petista que não sabe o que são prioridades e tem um trauma de infância de andar de bicicleta nas perigosas ruas de São Paulo.  

Zureia Baruch Jr. zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo

*

ACIDENTES NAS MARGINAIS 

Se a redução da velocidade nas marginais fosse o suficiente, teria meu apoio. Entretanto, a grande maioria das motos de todos os tipos não respeita e nunca respeitou as leis de trânsito. O bizarro  "corredor" continua existindo, mesmo sendo o maior causador de acidentes. Motos passam pelos carros buzinando, pedindo passagem, e nunca são multadas, pois os radares estão voltados para frente dos veículos. Os caminhões são cada vez mais presentes. E, pasmem, as marginais, que são os acessos de maior importância da cidade, não têm policiamento. Ou vocês têm visto carros da polícia pela extensão? Eu não. Assim, não tem como apoiar!

Jefferson Galvão jefferson.galvao@icloud.com

São Paulo

*

SUGESTÃO A HADDAD 

Ao anunciar que aconteceram mais de 400 acidentes nas marginais em 2014, com mais de 700 vítimas como justificativa para reduzir a velocidades nessas pistas, posso lhe dar uma sugestão que reduzirá esses índices em mais de 70%, sem a necessidade de redução das velocidades. Nesses mais de 400 acidentes, quantos envolveram caminhões, motos e pedestres? Embora não tenha, ainda, a resposta, acredito que deva ser mais de 70%. A solução, senhor “Perfeito”? Proibir o trânsito de caminhões, de qualquer porte, nas marginais entre às 5 h e 22 h, 7 dias por semana. Proibir o tráfego de motos nas marginais em qualquer horário, 7 dias por semana. Cercar as marginais com telas aramadas de 4 ou mais metros de altura, para impedir pedestres de atravessarem as pistas, vendendo água, balas, doces, panos de prato, etc. O resultado, senhor “Perfeito”? Redução de 70% nos índices de acidentes, sem precisar reduzir a velocidade. E aí, talvez, o senhor possa voltar a ser chamado de prefeito.

Antonio Carlos Martins acmartins@uol.com.br

São Paulo

*

SURPRESA!

Qual será a próxima atração que o Haddad irá apresentar no “circo” que ele está transformando nossa capital?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

FUNDAÇÃO DA ALDEIA DE PIRATININGA

O padre Serafim Leite pesquisou durante 25 anos a Companhia de Jesus na América e descobriu um documento que dizia que Nóbrega  informava  que neste dia da degolação de São João Batista,  ele, Nóbrega, Bartira, seu filho André e Tibiriçá, a fundaram a aldeia de Piratininga no ano de 1553. Portanto, São Paulo faria aniversário hoje, dia 30/7 Mais tarde, no dia 25 de janeiro de 1554, como era devoto do Apóstolo São Paulo, mudou para Vila de Piratininga.

Arlindo Oscar Araújo Gomes da Costa araujodacosta@gmail.com

São Paulo

*

BONDINHOS DE SANTA TEREZA

A volta dos bondinhos de Santa Tereza, apesar da demora, resgata o moral dos cidadãos daquele bairro do Rio de Janeiro. Pena que voltaram apenas para cumprir um pequeno trecho do circuito original. Esperamos que não seja uma maquiagem para ludibriar os moradores. O certo seria que se restabelecesse o serviço dos bondes completando os trajetos originários. 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.