Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S. Paulo

03 Agosto 2015 | 03h00

Na pauta do Congresso

O Congresso Nacional, de volta do recesso parlamentar a partir de hoje, deve finalmente apreciar e pôr em votação as contas do governo da presidente Dilma Rousseff de 2014. Este preceito constitucional não vem sendo observado desde 2002. Agora opositor ao governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), trabalha pela rejeição das contas, o que tornaria a chefe do governo incursa em crime de responsabilidade, com risco de perda de mandato e inelegibilidade. Cunha deve pôr em votação também as contas de Fernando Henrique Cardoso referentes ao ano de 2002; e as de Lula no período de 2006 a 2008. O julgamento no Congresso é alicerçado em relatórios eminentemente técnicos e isentos do Tribunal de Contas da União (TCU). Eduardo Cunha, por sua vez, está convencido de que é melhor direcionar a crise para o Planalto, antes que o Congresso seja “engolido pela Operação Lava Jato”. O entendimento dos ministros do TCU - até aqui sugerindo a rejeição das contas - coincide com o dos parlamentares e com o de grande parte da população brasileira, como apontam pesquisas de opinião recentes.

JOSÉ CARLOS WERNECK

werneckjosecarlos@gmail.com

Brasília

Programa na TV

Dilma Rousseff defenderá o PT e o governo em programa na TV que será exibido na próxima quinta-feira (6/8). O contribuinte brasileiro não quer que a presidente queime o seu dinheiro em campanhas políticas. Os brasileiros querem trabalhar, pagar menos impostos, ter os seus filhos estudando em escolas públicas de qualidade e ser atendidos em hospitais públicos bem equipados. Não queremos explicações mentirosas e vazias. Queremos ações eficientes, duradouras e estáveis, que afastem o Brasil da crise, da corrupção, da inflação e do desemprego. Por quanto tempo ainda vamos continuar estragando as nossas panelas e colheres? Chega!

JOSÉ C. SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

Panelaço

Dilma vai defender o PT e o governo em programa do partido na TV. Preparem as panelas e frigideiras. A barulheira será geral!

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Apoio do Congresso

Tem me chamado a atenção neste ano a maneira como o governo resolve a questão da meta fiscal, sem cortar radicalmente alguns gastos. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em entrevista à agência Bloomberg, recentemente, falou da necessidade do apoio do Congresso Nacional a fim de alcançar a meta fiscal de 2015. E quais seriam as propostas do ministro? Cortar radicalmente gastos do governo? Não. Defende-se o aumento de impostos e cortes de benefícios sociais. Todos prejudiciais ao cidadão comum. Acredito que ainda esteja longe o dia da saída desta crise, de rumarmos ao crescimento econômico e ao aumento da criação de riquezas. O Estado brasileiro fala de tributação, mas quando haverá um drástico corte nos salários e benefícios dos políticos? E a diminuição ou até mesmo o fim do Fundo Partidário? Por que também não acabar com a Lei Rouanet? Por que não diminuir o número de ministérios, já que alguns servem apenas para conseguir ampliar as coligações partidárias em épocas de eleições (em todos os ministérios há alguém de algum partido que apoiou a atual presidente)? E por que não privatizar todas as estatais e usar o dinheiro da venda para pagar dívidas, deixando, assim, o mercado mais livre? Se eu continuar dando exemplos, a lista será enorme. Se tais medidas fossem adotadas, a arrecadação aumentaria; a burocracia diminuiria; os investimentos externos seriam encorajados; a vida dos pequenos empreendedores seria facilitada, e assim mais empregos seriam gerados. E por que não dizer que o desemprego voltaria a cair? Se o Brasil quiser ser realmente o país do futuro, não haverá outra maneira de chegar a este patamar se não cortarem drasticamente os gastos do governo e derem mais liberdade econômica a seus cidadãos. Observem a História, porque quem seguiu esse caminho se deu muito bem.

PEDRO AUGUSTO

pedrosibrom1@gmail.com

Rio de Janeiro

Grande ajuda

Levy disse: “Se o Congresso ajudar, podemos aumentar a meta fiscal de 2016”. O correto não seria “se o governo ajudar, eliminando a corrupção, deixando de roubar, desviar e superfaturar”?

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Sem perspectivas

Quando Joaquim Levy foi escolhido ministro da Fazenda, passamos a ouvir e ler comentários de economistas e de comentaristas políticos dizendo que a economia poderia melhorar no segundo semestre. Só se esqueceram de observar que o País era governado por uma presidente sem credibilidade e que o Congresso já não lhe era tão dócil. As perspectivas desde 2014 já se mostravam sombrias para 2015. Agora, que já estão todos caindo na real, os próximos anos serão de retrocesso a passos largos se não mudar o comando do Executivo. O fracasso econômico vem desde Lula, embora em seu primeiro governo tenha sido seguido o projeto do governo anterior. Na crise de 2008, optou-se por crédito fácil e aumento do consumo e houve a falsa impressão de que a classe média crescia. Esqueceram-se de avisar que crédito não é renda, é dívida, e que o pleno-emprego era de ocupações com baixas remuneração e qualidade. Não se investiu na educação e estatizou-se a economia. O resultado é que não temos perspectivas.

FRANCISCO DA COSTA OLIVEIRA 

fcoxav@gmail.com

São Paulo

Para sair da crise

Difícil dizer se os 14,25% da nova Selic, a taxa básica de juros, vão funcionar para conter a inflação: nossa economia é em boa parte indexada e o receituário ortodoxo (juros) tem peso relativamente modesto quando as tarifas de gás, água, telefonia, energia, etc., são majoradas pelo IPCA numa canetada do burocrata de plantão. A gênese de nossa inflação está, de um lado, na limitação da oferta e, de outro, nos gastos excessivos do Estado, que consomem todo o produto da arrecadação tributária e mais um pouco - sempre apresentando déficits estruturais. E é aí que a porca torce o rabo, como diz o matuto. Para sair da crise, o Estado brasileiro deveria, de um lado, estimular a produção e conter o consumo. E, de outro lado, diminuir seu próprio tamanho, restringindo suas despesas, privatizando algumas estatais e ampliando o programa de concessões. Ou fazemos isso ou perdemos o grau de investimento e tomamos o caminho da Grécia.

SILVIO NATAL 

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

***

INSENSATEZ

Haddad barra plano da CET de fechar Marginais (Estado, 31/7, A15). O prefeito Fernando Haddad age como se São Paulo fosse uma extensão do quintal de sua casa. Pouco importa a opinião de milhões de paulistanos que, recentemente, o consideraram um péssimo prefeito (pesquisas Vox Populi e Datafolha). São milhares de radares espalhados por todas as vias com a única intenção de engordar os cofres do Município. São quilômetros de ciclovias que só servem para o lazer, porque, se andar de carro nesta grande metrópole cheia de armadilhas já é perigoso, imaginem de bicicleta. Agora, para tentar melhorar a imagem já bastante desgastada do prefeito, vem a turma do marketing petista noticiar que Haddad barrou o plano da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de fechar as Marginais durante as madrugadas. Se verdade for, Haddad ainda tem um secretário de Transportes, Jilmar Tatto, que é uma ameaça aos seus planos de reeleição. Fechar as pistas expressas das Marginais pela madrugada dizendo que é medida de segurança porque o número de veículos circulando é menor parece coisa de gente sem noção, que não conhece a maior cidade brasileira, que "nunca dorme". Os radares viraram a galinha dos ovos de ouro do sr. Haddad. A voracidade em arrecadar é tanta que já começaram a instalar radares escondidos atrás das placas de sinalização e indicativas das Marginais. Infelizmente, a bela São Paulo pós-PT tornou-se a pior cidade do País para morar. A esperança do indefeso povo paulistano é de que nas próximas eleições as urnas eletrônicas não façam, novamente, um "milagre". E que o próximo prefeito seja mais sensato.

Mirna Machado  

mirnamac@uol.com.br

Guarulhos

*

VELOCIDADE NAS MARGINAIS

Após redução da velocidade máxima nas pistas expressas das marginais, de 90 km/h para 70km/h, outras para até 50 km/h, medidas absurdas que "ninguém" concordou, nem mesmo grande parte dos ainda eleitores fiéis ao partido do prefeito atual, nova medida pode fechar a pista expressa entre 0 h e 5 horas. Não dá para entender o que pretende este prefeito, com medidas sem razão alguma! Chego a pensar que polêmicas como estas sejam orquestradas para desviar a atenção do público do Lava Jato, Petrolão, Eletrolão, BNDESlão, já que as descobertas de petróleo já cansaram! Logo vão chegar à conclusão de que se reduzindo a velocidade a zero nas avenidas de São Paulo, as mortes por acidente vão ser reduzidas em 100%. Já deu!

José Carlos Alves

jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

FALTA DE CRITÉRIO PARA MULTAR

Sou ciclista e costumo pedalar fora de avenidas, em caminhos alternativos. Tem sido cada vez mais frequente ver carros sendo guinchados pela CET, sempre em locais onde não faz nenhuma diferença para a fluidez ou para a segurança do trânsito, o maior problema da cidade. Que diferença faz se o carro está mais próximo da esquina que o previsto numa rua onde praticamente não existe trânsito ou estacionado em frente de uma guia rebaixada de uma obra que está parada faz mais de 20 anos? E a fluidez do trânsito, a segurança do pedestre, do ciclista, de todos? Preciosismo no meio do caos e falta de critério na aplicação de multas tiram um crédito importante da CET como autoridade de trânsito. É um erro crasso. Duvido que seja a posição do experiente corpo técnico da CET, mas sinto que isto tem cheiro de administração Haddad. Afinal, puxe da memória, o mesmo aconteceu na administração Marta. 

Arturo Condomi Alcorta

arturoalcorta@uol.com.br

São Paulo

*

ESPERANÇA NUM BOM GOVERNO

O prefeito Haddad poderia deixar um bom feito em sua gestão, apenas conhecida por atrapalhar a vida dos paulistanos, uma espécie de vingador do seu padrinho Lula, que ainda por cima o compara a um poste! Haddad faça algo bom por São Paulo! 

Roberto Moreira da Silva

rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

MAIS UMA TAXA? 

Todo cuidado é pouco! Estou com temor de que os infinitos congestionamentos nas marginais façam o prefeito Haddad resolver cobrar uma taxa por "estacionamento".

Luíz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

GÊNIO HADDAD

Dentro da genialidade do Haddad, logo irá instalar ciclovias nas marginais!

Laert Pinto

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

SEM DNA PARA POLÍTICO

Depois de determinar 50 km/h nas marginais consideradas de fluxo rápido, justamente para desafogar o trânsito já caótico, chegamos à conclusão de que, desde que assumiu a prefeitura, Fernando Haddad, com tantas atitudes antipopulares, não tem DNA político. Na realidade ele é um anarquista do mal! Daqueles contra tudo e todos os seres humanos prósperos, trabalhadores e pagadores de impostos. Elegeu governar para a minoria.. Só que minoria não elege ninguém. Daí concluímos que Haddad não tem, nem nunca teve DNA para governar. Devemos mais esta ao mentor Lulla da Silva. Pobre São Paulo!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O TATUZÃO ENGRIPOU

Alguém ainda tinha a alguma dúvida de que obras importantíssimas como as do metrô de São Paulo iriam parar? E cá entre nós, não será por pouco tempo não!

Maria Elisa Amaral

marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

O CUSTO DA EDUCAÇÃO 

Em interação com a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, quando questionei o custo da educação no ano de 2014 e dos respectivos alunos atendidos durante esse período, obtive a resposta de que são gastos R$ 6.774,08, em média, ao ano, com cada. Isto perfaz um valor mensal de R$ 565ao mês.  Em pesquisa empírica nas escolas particulares, o valor oscila entre R$ 600e R$ 700. Pagamos pelas escolas públicas o mesmo valor cobrado pelas privadas? A qualidade e estrutura são bem destoantes! Que tal aprofundarmos o assunto?

David de Oliveira Lira

daviddelira@live.com

São Paulo

*

DILMA E OS GOVERNADORES

Dilma atribui queda de 1% do PIB às investigações da Lava Jato. E por que existe a Lava Jato? Governadores querem defender Dilma de suas pedaladas, pois as praticam tendo em vista "programas sociais" e temem efeito cascata, caso ela possa vir a sofrer impeachment.Por isso houve aquela reunião ridícula, onde tinha até governador dormindo. Os políticos já perderam totalmente a vergonha. Não precisam inventar mais nada!

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

São Paulo

*

COALISÃO OU COLISÃO?

Nosso (des)governo procura intitular-se "governo de coalisão". Não seria melhor ser chamado de "governo de colisão"? Uma vez que tudo que faz colide com o Judiciário, com o Legislativo, com as instituições, com a verdade, com a Economia, com o Direito, etc., etc. E agora, para finalizar, com tudo que faz - e que disse que era a oposição que faria - colide e com a vida já bastante dura e amarga do povo brasileiro.

José Etuley Barbosa Gonçalves

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto 

*

ADVOGADA AMEAÇADA

É grave essa denúncia que faz a criminalista Beatriz Catta Preta de que está sendo ameaçada, mesmo que veladamente, por políticos envolvidos na Operação Lava Jato. Incluindo também os que dirigem a CPI da Petrobrás, já que, para intimidá-la, esses deputados ligados principalmente ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, mesmo sem nenhum motivo a convocaram para depor! Aliás, uma desonra para OAB... Esse fato que também afronta as nossas instituições, não pode passar em branco! O tiro destas ameaças pode sair pela culatra e atingir na realidade a gangue de deputados que a ameaça!  A opinião pública brasileira no curso desta Operação Lava Jato passou a admirar a conduta firme de Beatriz, pela sua competência e, principalmente, de ter convencido seus clientes aceitar os benefícios da delação premiada, e colaborar com as investigações contra essa verdadeira quadrilha montada nesta era petista, na Petrobrás e em outras estatais.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MÃO NA LAMA

Onde a Polícia Federal puser as mãos, no âmbito da coisa pública, encontrará vestígios e provas de propinas arrecadadas por servidores públicos e ofertadas por dirigentes das empresas empreiteiras, e que são as mesmas sempre. Acabou-se a ética.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

DEFASAGEM DO SALÁRIO

O aumento real médio acima do INPC nas negociações coletivas, considerado o período de 2004 a 2014 foi de 14,38%, segundo dados do Dieese. Assim sendo é de se supor que os preços, os administrados inclusive, subiram no mínimo 14,38% nesse período. Mas sabemos que foi muito mais! Portanto não corrigir as aposentadorias e as pensões de quem ganha mais que um salário mínimo é vergonhoso!

GUSTAVO GUIMARÃES DA VEIGA  

ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

INFLAÇÃO NAS ALTURAS

A inflação está subindo tanto que além da cebola outras hortaliças estão fazendo os olhos lagrimejar também.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

AUMENTO DA SELIC

Se a inflação é causada pelo aumento de preços administrados - energia, água, combustíveis-, qual efeito terão os aumentos de juros?

Harald Hellmuth

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo 

*

FAÇANHA INÉDITA

Além dos inúmeros recordes negativos atingidos por esse governo corrupto, ele ainda conseguiu uma façanha inédita: ter um déficit semestral histórico jamais ocorrido no País. Ou seja, é a primeira vez, parabéns PeTelulismo!

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

JUROS BANCÁRIOS ASSUSTADORES

Acabar com os juros de 241,3% ao ano? Simples assim: basta aplicar aos bancos a Lei da Usura.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

TRISTE REALIDADE!

O povo brasileiro paga quase metade do que ganha para sustentar a máquina governamental e agora querem a outra metade por causa de corrupção e incompetência! Este é o Brasil de hoje.

Luíz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

VALOR DO PÃO FRANCÊS

Em 1º/7/1994, início da atual moeda nacional, o Real, o valor do quilo do pão francês em São Paulo era R$ 1,60. Em 31/7/2015 o valor dessa mesma mercadoria na mesma cidade é R$ 12,50. Um aumento de 681,25% no citado período. Isso significa que o Plano Real debelou a hiperinflação, mas não conteve (nem conterá?) a perpétua inflação na economia brasileira.

Ney José Pereira

neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

SUGESTÃO AO MINISTRO LEVY

Cortar 30% dos salários do funcionalismo que ganham acima de R$ 5 mil mensais. Vai sobrar dinheiro para suprir o déficit! 

Mauricio Tarandach

mautaran@gmail.com

São Paulo

*

HORA DAS COMPRAS

O governo do PT deixou a situação econômica brasileira tão ruim que já tem muita gente comprando cebola por unidade.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

'INFLAÇÃOZINHA'

Não esquecer que os petralhas sempre diziam que uma inflaçãozinha não seria de todo ruim. Cabras da peste! 

Nelson Pereira Bizerra

nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

DENTRO DA META

O ministro Joaquim Levy pode reduzir a inflação a um mínimo, basta estabelecer como meta o mesmo índice de rejeição da presidente.

José Luiz Tedesco

tedescoporto@hotmail.com

Presidente Epitácio 

*

ÓTIMO INVESTIMENTO

Resolvi aplicar meu dinheiro na Selic, porque é um dos índices que mais crescem, podendo chegar a 14,25% ao ano!

Cláudio Moschella 

São Paulo

*

JEITO PT DE GOVERNAR

Inflação em alta, grau de investimento em baixa, imposto em alta, retorno em baixa, esse é o jeito PT de governar. A culpa é de quem? Deve ser do Obama, do EI e do Boko Haram!

José Roberto Iglesias

rzeiglezias@gmail.com

*

SONHOS PARA O FUTURO

Os eventos escabrosos e deletérios dos anos de gestão federal petista e de sua base aliada lembram uma nuvem de gafanhotos que devora e destrói tudo por onde passa. Que as formigas do País recuperem seu devido lugar e as cigarras sejam, todas, defenestradas do poder, para alívio dos brasileiros, em sua imensa maioria decente e trabalhador.

Lenke Peres

Cotia 

*

PIADA PRONTA

Em um governo que peca pelo número infindável de trapalhadas, associar o nome Nelson Barbosa com a palavra planejamento se tornou a maior piada desse governo nesta última semana! 

Oscar Thompson

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba 

*

QUEDA DO PIB E RECESSÃO

Desde 1930, o país acumulou dois anos seguidos de recessão, o que poderá ocorrer se a queda do PIB for confirmada em 2015 e 2016. Essa será uma herança do governo petista. Parabéns ao PT e aos seus eleitores!

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.