Fórum dos leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S. Paulo

07 Agosto 2015 | 03h00

Reprovação

A última pesquisa Datafolha, divulgada ontem, mostra que o índice de reprovação ao governo de Dilma Rousseff, de 71%, ultrapassou a rejeição a Fernando Collor de Mello às vésperas de ser defenestrado do Palácio do Planalto, em 1992. Dito de outra maneira: hoje, o sentimento da maioria absoluta do povo brasileiro é o mesmo que levou o Congresso Nacional a votar o impeachment do ex-presidente. Por isso, chegou a hora de Dilma dizer adeus, encerrando o ciclo de poder do lulopetismo, iniciado em 2003.

FRANCISCO ALVES DA SILVA

profealves@gmail.com

São Paulo

Para estancar a sangria

Presidente Dilma, permita-me algumas modestas palavras. Diante de sua gigantesca impopularidade (a maior de um presidente no regime democrático brasileiro) e considerando que Vossa Senhoria não possui mais uma base de apoio no Congresso Nacional, perdendo votações em série (o que, num regime parlamentarista, seria chamado de “falta de confiança”), não seria o caso de, enfim, renunciar? O País sangra a olhos vistos. E a senhora não tem mais condições de resgatar a Nação dessa situação. Será que o poder pelo poder vale este sacrifício todo, tanto em nível pessoal quanto para os seus súditos? Um líder sabe reconhecer seus limites.

LUIZ A. MÓDOLO DE PAULA

luaump@yahoo.com.br

São Paulo

Dignidade

Presidente Dilma, renuncie agora, ainda é tempo de sair do cargo com dignidade. Uma cassação é tudo o que as hienas querem para posarem de heroínas.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

A carne e os ossos

O governo Dilma está como um corpo insepulto: enquanto há carne, as águias (Judiciário), as hienas (Congresso Nacional) e os abutres (Executivo) tiram o seu naco. Restam os ossos para a sociedade.

ROBERTO NASCIMENTO

robenasya@yahoo.com.br

São Paulo

Naufrágio iminente

Com o governo navegando numa nau sem rumo, fazendo água por todos os lados, e a popularidade no mesmo sentido (maior reprovação da série histórica, atingindo 71%), a presidente Dilma tenta se salvar a todo custo do iminente naufrágio. Mesmo se esforçando para disfarçar a peculiar arrogância e a pouquíssima falta de conhecimento ao tratar de assuntos importantes, ela começou a querer dar braçadas no sentido de recompor sua base aliada, o que parece ser tarefa muito difícil, pois a debandada já começou, notadamente, com a saída do PDT e do PTB. Com a crise institucional instaurada entre o Executivo e boa parte do Legislativo – sem falar no Judiciário, que vem colocando atrás das grades vários de seus “guerreiros” – e a economia para lá de estagnada, sem falar nos movimentos populares a gritar palavras de ordem que incluem, até, renúncia e impeachment, Dilma está num navio prestes a afundar, levando o sonho de milhões de brasileiros que um dia acreditaram no projeto de poder voltado para a diminuição das desigualdades sociais. Resta a Dilma, no abraço dos afogados e tal qual uma chefe de corsários, dar moral a seu provedor-mor, Joaquim Levy, dizer que vai diminuir ministérios para reduzir gastos públicos e fingir que o vice-presidente, Michel Temer, tem prerrogativas para conter a fúria do PMDB.

JOÃO DIRENNA 

joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

O ‘apelo’ do vice

Michel Temer pediu à sociedade brasileira, na quarta-feira, um acordo “em nome do Brasil”. E completou: “É preciso que alguém tenha a capacidade de reunificar, reunir a todos e fazer este apelo (...), caso contrário, podemos entrar numa crise desagradável”. Ora, sabedor da natureza política de seus pares, não seria mais correto dirigir este pungente apelo à presidente Dilma, sugerindo a ela que renuncie, pelo bem do Brasil? Com esta presidente “sapiens” e com o PT no poder, não há como imaginar que possa haver alguma coalizão, pois foram eles os responsáveis pelo caos político-econômico que ora vivemos. Como não reconhecer isso? Crê o vice-presidente que os brasileiros vão perdoar tal desastre, já que somos nós que estamos sofrendo dolorosamente as consequências e pagando as contas?

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Dilmês

E não é que o dilmês contagiou o vice? Vejam só: “Não vamos ignorar que a situação é razoavelmente grave, não tenho dúvidas de que é grave”. Ao que acrescentou: “Podemos entrar numa crise desagradável”. E por acaso existe crise agradável? Por fim, Temer descobriu a pólvora: “Se os problemas não forem enfrentados, haverá repercussão negativa para o País”.

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

Suprapartidarismo

Temer fez um apelo ao Congresso e à sociedade para que façamos um esforço suprapartidário para salvar não o governo, mas o País. Ora, não ouvi, em nenhum momento, ele dizer que Dilma vai reduzir os ministérios a um número civilizado e convidar pessoas competentes ligadas aos partidos de oposição para compor um novo ministério e ocupar cargos de segundo escalão. Ora, se o esforço pedido é suprapartidário, o governo também deveria ser.

JORGE CARRANO

carrano.adv@gmail.com

Niterói (RJ)

Partido condenado

Como bem disse o ex-presidente Lula, num raríssimo momento de lucidez política e sobriedade, “mesmo que ocorra uma milagrosa e repentina melhora das finanças do País, a economia poderá até reerguer o governo Dilma, mas não será suficiente para salvar o PT”. O sonho virou pesadelo. A era PT já era. Basta!

J. S. DECOL 

decoljs@globo.com

São Paulo

MAIS MÉDICOS

Amnésia seletiva

Em cerimônia de celebração de dois anos do programa Mais Médicos, Dilma Rousseff disse que há dois anos faltavam médicos em 700 municípios. Ora, presidente, não se esqueça de que seu partido está no poder há 13 anos e de que isso acontece porque a senhora e todos os brasileiros sabem muito bem aonde foram parar os bilhões de reais que seriam destinados à saúde, à educação, à segurança e por aí afora. Fala sério!

ELEONORA SAMARA

eleonorsamara@bol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para  o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

VERGONHA NACIONAL

Entre Collor e Janot, contra quem o cidadão de bem proferiria um palavrão? 

Odilon Otavio dos Santos 

Marília

*

FALTA DE ÉTICA

Perguntar não ofende: será que não cabe uma representação ao Conselho de Ética do Senado pela baixaria do senador Collor?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

BAIXARIA NO SENADO

O ex-presidente e agora senador da República, Fernando Collor de Mello, na Tribuna xingou a mãe do procurador Rodrigo Janot, que julga procedente ou não OS atos de corrupção do senador. Dizer o quê? Não é porque se elegeu representante do povo brasileiro, que deixa de ser um desclassificado, mal educado e prepotente. Aliás, para um corrupto, A melhor defesa é o ataque, e Collor sabe como ninguém fazer isso com maestria. A exemplo do que aconteceu com PC Farias, Janot que se cuide.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

POLÍTICO AMORAL

Houvesse nesta combalida Nação um maior rigor com seus políticos, na maioria, ordinários e corruptos, Collor, aquele mesmo da “República das Alagoas”  merecidamente defenestrado do governo após tantas imposturas, não teríamos o desprazer de vê-lo novamente fazendo pronunciamentos pomposos em sua auto-defesa, fundados na sua arrogância, empáfia e cinismo, utilizando inclusive palavras de baixo calão contra o ministro Janot, aliás, talvez, para manter seu amoral DNA político atualizado. Desejamos manifestar a esse senhor que ainda temos vergonha de tê-lo anteriormente na condição de presidente cassado e mais agora após suas reconhecidas recaídas, como vem demonstrando a Justiça brasileira que resolveu tardiamente agir contra a total bandalheira que os partidos e seus representantes desse naipe nos submetem. Sr. Collor, creia-nos, sua ausência preencheria uma grande lacuna na história do nosso querido Brasil. 

João Batista Pazinato Neto Pazinato51@hotmail.com

Barueri 

*

O JOGO ACABOU

Alguém tem de fazer um desenho com o criminoso José Dirceu nadando numa piscina de dinheiro roubado dos cofres públicos. Quem sabe um desenho com Dirceu e Collor passeando de Ferrari consiga convencer os "intelectuais" ligados ao PT de que o jogo acabou. Luis Carlos Barreto, Fernando Morais, José de Abreu e outros gigantes da intelectualidade continuam dizendo que a prisão de Dirceu é política, um exagero, um piada, leva o Brasil para um caminho perigo. Pelo amor de Deus, o que mais falta acontecer para essa tigrada perceber que esse discurso não engana mais ninguém? 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

DEFESA DE DIRCEU

O advogado de José Dirceu em declarações à imprensa mudou o status do seu cliente de “guerreiro do povo brasileiro” um “grande herói” para “bode expiatório”, um animal não muito simpático nem muito cheiroso. Aliás, nada contra o bode!

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

EM BOA COMPANHIA

A Polícia Federal (PF) informa que José Dirceu está recolhido em uma cela com dois contrabandistas. Isso vai dar certo. Os contrabandistas sairão da carceragem da PF com pós-graduação em formação de quadrilha. Quem sabe, sabe e ensina.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

DE VOLTA

O bom filho a casa (sistema carcerário) torna, diz o dito popular. Que ali permaneça o tempo necessário para reparar, se é que é possível, todo o prejuízo financeiro e moral que causou à Nação.

Luiz Nusbaum  lnusbaum@uol.com.br

São Paulo 

*

RECEPÇÃO RUIDOSA

Emblemáticas as quase "triunfais" manifestações à chegada de José Dirceu à sede da Polícia Federal em Curitiba. Tristes para o País, embora contundentes em seus propósitos. Esperamos também que sejam pedagógicas para os que estão quase lá.

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

CAMPEÃO DE (ASSALTO À) BILHETERIA

Qual será o gênero do filme "Guerreiro do Povo Brasileiro? Policial? Terror? chanchada? Comédia? Realismo fantástico? Thriller de tribunal? Mais provável que seja pura ficção, com roteiro de João Santana. Qualquer coincidência será mera semelhança. 

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo 

*

APOIO A DIRCEU

Algumas pessoas se reuniram na Praça dos Três Poderes em Brasília em apoio ao ex-ministro José Dirceu, após sua atual prisão. Excetuando os advogados de defesa, que ganham para isso, só vejo duas possibilidades para tal devoção: ser completamente alienado ou beneficiário das consultorias fajutas, estancadas pela operação Lava Jato.

Abel Pires Rodrigues                                  

Rio de Janeiro 

*

ZÉ DIRCEU, UM MITO? HERÓI?

Sou dois anos mais novo do que o Sr. José Dirceu. Em 1968 enquanto ele, misto de dirigente estudantil e esquerdista, encheu uma pequena cidade do interior de São Paulo de estudantes, fazendo com que os moradores assustados chamassem a polícia e prendessem todos, ele inclusive, eu cursava a minha graduação. Formei-me pouco depois e fui desenvolver minhas atividades profissionais. Zé Dirceu liberto seguiu para Cuba, onde os irmãos Castro viram nele grande potencial. Curso de guerrilha e outros, plástica para retornar ao Brasil e detonar a revolução. Escondeu-se em pequena cidade do interior do Paraná com identidade falsa, teve um comércio de roupas masculinas, casou-se. Eu continuei trabalhando, casei-me, tive filhos. Zé Dirceu teve um filho e, quando a Lei da Anistia foi promulgada, surpresa, eu não sou o Carlos Henrique, eu sou o Zé! A mulher mandou ele andar. E ele foi colocar em prática os ensinamentos adquiridos em Cuba que lhe renderam frutos até hoje, quando finalmente sua máscara caiu! Mito? Mito sou eu que trabalhei, estudei, criei meus filhos com todas as dificuldades que todos estes anos impuseram a mim e a tantos milhões de brasileiros. Nós sim somos mitos. Zé Dirceu está se escondendo da sua filha de 5 anos. Eu estou curtindo minhas netas da mesma idade.

Marco Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

PINGO NOS ‘IS’

Bem, Zé, parece que você continua abandonado. Aproveite a ocasião e dê o troco. Se ameaçar cantar, vai faltar avião.

J.Perin Garcia  jperin@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE MUNDIAL

O universo empresarial internacional está preocupadíssimo, pois a crise é grave e ninguém poderá contar com a preciosa consultoria econômica do famoso José Dirceu!

Ricardo Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo 

*

FALTA UM

A coroação da Operação Lava Jato só vai acontecer, quando o principal responsável por toda essa bandalheira for preso e processado!

Sergio Diamanty Lobo  diamanty18@gmail.com

São Paulo

*

AGORA VAI

Só falta prender o chefão.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

CEREJA DO BOLO

A Lava Jato desembaraçou o maior esquema de corrupção da história deste País descoberto até agora.  Falta a cereja do bolo. Sugiro feriado nacional quando isso acontecer.

Mario Issa drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

*

COMO ANTES

Dirceu canta Roberto na cadeia: “Eu voltei, voltei para ficar/ porque aqui, aqui é meu lugar/eu voltei, para as coisas que eu deixei/ porque aqui, aqui é meu lugar.”

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

 *

NA MODA

A grande preocupação para o governo, principalmente de Lula, com a nova prisão de José Dirceu, é se ele entrar na moda e resolver fazer delação premiada...

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo 

*

VAI TER DE EXPLICAR

Finalmente José Dirceu, que tinha a profissão de "consultor viajante" e ganhou uma fortuna em dinheiro  no exterior, vai ter de explicar toda sua competência!

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

DESTEMOR

Não é qualquer sanitário ou banho frio de cadeia que amedronta um "guerreiro do povo brasileiro”!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SE VIRA, LULA! 

A presidenta apenas falou:: “A defesa  não é do  governo e sim do PT!” Portanto ela não te quer mais! Se vira, Lula! 

Ricardo Guilherme ricardoguilherme88@gmail.com

Monte Alegre do Sul

*

ALERTA PERMANENTE

É sabido que o tempo possui um enorme poder de amortecimento das reais responsabilidades. Assim, nunca é demais alertar a sociedade, por mais repetitivo que isso possa parecer, para o fato de que a presidente Dilma, apostando no axioma publicitário de que uma mentira sempre repetida acaba por transformar-se em verdade indiscutível, consiga virar o jogo e vender uma imagem de que seu governo foi vítima de um enorme esquema de corrupção e de uma conjuntura externa desfavorável, quando, na verdade, ela e seu partido é que foram, ao longo dos últimos mais de 12 anos, os protagonistas principais da tragédia que resultou no estado atual da periclitante e moribunda economia, pedindo socorro, sem crescimento e com inflação alta, e da montagem e coordenação dos arranjos de favorecimentos  acompanhados por propinas que arruinaram a maior estatal do País.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

SAÍDA DE EMERGÊNCIA

Diante de todos os fatos já conhecidos, uma renúncia agora de Dilma Rousseff poderia ser menos traumática para o País do que o impeachment. Não se sabe, porém, se ela e o PT, além de Lulla, teriam tal desprendimento. O apego ao poder supera qualquer boa intenção em benefício da Nação brasileira. 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

DESFAZ-SE O MITO

Todos sambem que castelos construídos na areia correm o risco de desmoronar. E o maior problema é quando o construtor, pensando nos seus interesses e não sabendo o terreno em que está, utiliza empreiteiros que se aproveitam da situação, além de estimular o endividamento dos beneficiados!  Quando o castelo desmorona, a incompetência é escancarada e a conta chega é caso de polícia! (qualquer semelhança com a atual situação...)

Jorge Alves jorgersalves@2me.com.br

São Paulo

*

SEIS POR MEIA DÚZIA

Dilma acena com a redução de ministérios (e as secretarias?), para promover corte de gastos. Dilma na verdade vai eliminar as pastas, mas a despesa continua, pois os funcionários concursados não podem ser demitidos, podem ser transferidos para outros ministérios, quem sabe, com uma bonificação... A grande verdade é a impossibilidade de redução de gastos com pessoal, pois o estatuto do funcionalismo público não permite demissões e redução de salários. Fechados os ministérios, o que muda? Absolutamente nada! Talvez os funcionários (companheiros) em cargos de confiança percam esta boquinha, mas devem ganhar outra, talvez na comissão especial de realocação de mão de obra da reforma administrativa. É a grande verdade, a máquina pública só cresce e a cada funcionário que se aposenta ou se afasta são criados dois cargos. Seremos enganados novamente com uma bela propaganda!?

Luiz Ress Erdei portal@portasblindadas.com.br

São Paulo

*

SACRIFÍCIOS NA CORTE

O governo da presidente Dilma Rousseff está estudando a redução do número de ministérios. Será uma ótima mudança, desde que seja verdade. Reduzir os ministérios, mas manter todos os funcionários nas secretarias, com salários astronômicos, de nada adiantará. Milhares de brasileiros estão desempregados. Chegou a hora de cortar os funcionários públicos para mostrar austeridade. O sacrifício precisa ser compartilhado por todos, incluindo a corte.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

VERGONHA

A maioria dos deputados que lidera as bancadas de seus partidos na Câmara declara ser contra o afastamento do presidente da Casa, Eduardo Cunha, mesmo se o Supremo Tribunal Federal abrir um processo contra ele por causa da suspeita de que recebeu propina do esquema de corrupção descoberto na Petrobrás. Como agora o PT é idêntico em tudo aos mais corruptos partidos e políticos que já existiram no País, ninguém se mexe e Cunha deita e rola. É lamentável e vergonhoso!

Antonio Jose G.Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro 

*

DENÚNCIA CONTRA CONGRESSISTAS

Mesmo diante da seriedade das acusações e dos fortes indícios de envolvimento em corrupção, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) continua no comando da Câmara dos Deputados. Evidentemente que as prerrogativas conferidas ao terceiro político da linha sucessória da República influenciam nas investigações. Se a sociedade brasileira exige, e com razão, transparência na condução do Estado brasileiro, é igualmente importante e legítimo que o Poder Legislativo também cumpra o seu dever e afaste os congressistas envolvidos em casos semelhantes. Com relação ao ex-presidente e hoje senador por Alagoas, Fernando Collor de Mello, também seria importante o seu afastamento como representante de seu estado no Senado Federal. Embora por vezes eu discorde do ordenamento jurídico brasileiro, todos os acusados têm direito à ampla defesa e ao contraditório. Porém, em casos com esse nível de gravidade é inconcebível que deputados e senadores continuem no exercício do mandato enquanto o processo tramita nos tribunais.  

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

PICUINHAS

O caráter de urgência parece ter se instalado de vez no Congresso Nacional. No entanto, ficam de fora, como de costume, as pautas relativas aos interesses do povo, o patrocinador dessa corriola toda.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

O POVO PAGA A CONTA

O saudoso Ulisses Guimarães onde estiver, deve estar bravo de ver para onde os seus sucessores estão levando a histórica sigla  “PMDB”, remanescente do MDB, que enfrentou com galhardia a ditadura! Com todo respeito, mas com que bagagem o vice-presidente, Michel Temer, vem dize que a operação Lava Jato abala a “tranquilidade institucional"?  Na verdade, o que abala é esse falso apoio que o PMDB vem dando ao PT. Ao invés de indicar pessoas competentes e  honestas  para a presidente Dilma Rousseff, o PMDB indicou para alguns cargos pessoas condenadas em primeira  e segunda instâncias, como é o caso do atual  ministro da Secretaria de Portos da Presidência da República. Como pode um ficha suja fazer parte de um governo que deseja ser honesto? O mesmo pela segunda vez se elegeu deputado federal graças a liminares lavradas por mãos amigas dos figurões da nossa triste política. Isto é uma vergonha e uma afronta ao povo brasileiro nesta época em que reina entre os Três Poderes da República um“cumpradrismo” nunca dantes visto na história do Brasil. Será que o PMDB está tão conspurcado que não tem mais gente de bem e com a ficha limpa para indicar a ajudar a compor o governo?  Muitos desses  crimes que vêm abalando o País são decorrentes da indicação de pessoas incompetentes e sem nenhum compromisso com as instituições.  O PMDB indica, a presidente Dilma sofre as consequências e nós pagamos a conta.

Alcides Martins do Prado martinsalcidesdoprado@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

SABATINA DA ANAC

Depois da reportagem da TV Globo no horário nobre, onde foi provado com imagens e dados a loucura da indicação, mais de 6 mil assinaturas foram  entregues aos senadores pelos funcionários da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Mesmo com a carta aberta enviada ao Senado contra a indicação pela associação de pilotos, a sabatina foi uma festa! O Senado passou por cima de todos! Passou por cima da imprensa, da opinião publica e do setor aeronáutico! A revista Piauí N.º 107 mostrou com ricos detalhes a realidade do voo do Sr. Ricardo Fenelon. Provou o quanto é explosiva a mistura de segurança com política. Os senadores não estão preocupados com a morte no fogo de mais de 200 brasileiros. A podre troca política do "toma la da cá" com corporativismo  foi mais forte! No País do faz de conta, o Senado transformou uma piada em verdade absoluta. Pobre Brasil!

Claudia Correa claudia.vivianne@gmail.com

São Paulo

*

TUDO ERRADO

O governador do Estado do Rio, Luis Fernando Pezão, reconheceu que erraram na previsão da despoluição da Baía de Guanabara. O novo prazo agora é de 20 anos. Ou os técnicos que calcularam a previsão anteriormente divulgada pelo governador são incompetentes ou mentiram deliberadamente, no que prefiro acreditar. Aliás, gostaria que alguém me dissesse para que serve um governo que mente. Como se desculpou, tem gente que ainda acha que está tudo bem. Então é assim? Mente, erra, pede desculpas e está tudo certo?

Panayotis Poulis  ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

OLIMPÍADA 2016

Em resposta à carta do leitor sr. Antônio José G. Marques, publicada no Fórum dos Leitores desta quinta-feira (6/8): “O governo do Rio tem, atualmente, R$ 3 bilhões investidos em obras voltadas para a despoluição da Baía de Guanabara. Nos últimos oito anos e meio, avançamos muito no tratamento de esgoto no entorno da baía. O acordo de cooperação técnica recém-firmado com 10 centros de pesquisa, sendo sete universidades, reforça o compromisso do Estado com a recuperação de um ecossistema fundamental para o desenvolvimento do Rio de Janeiro. Com apoio dos cientistas, os técnicos ambientais do Estado poderão atuar de forma ainda mais embasada no planejamento de novas ações sanitárias, no monitoramento da qualidade da água e na criação de um banco público de dados, reunindo, de forma transparente, as condições ambientais da baía.

Tânia Lazzoli, coordenadora do Núcleo de Imprensa do governo do Estado


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.