Fórum dos leitores

IMPEACHMENT

O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2015 | 03h00

Pelas futuras gerações

Um dos fundadores do PT, o jurista Hélio Bicudo, do alto de seus 93 anos, teve a coragem e a hombridade de pedir o impeachment de Dilma Rousseff. O peso simbólico da iniciativa desse senhor, reconhecido por sua coerência e integridade moral, foi um ato auspicioso, pois, por tudo o que nos é dado a conhecer pela mídia sobre a situação caótica em que se encontra o País – graças à corrupção, ao oportunismo do lulopetismo e à incompetência de dona Dilma –, já se pode concluir, pela obviedade dos fatos, que o Brasil sob sua batuta não tem como vingar. Está ficando a cada dia mais evidente que, quanto mais tempo estiver no poder, mais fundo será o lamaçal, tanto moral como econômico, que com certeza nos aprisionará de tal forma que muitos anos serão necessários para dele sairmos. Então, até quando teremos de esperar para que o pior aconteça? Será que até o ponto de termos um País completamente inadimplente, numa crise sem precedentes, sem luz no fim do túnel? Santo Deus, srs. parlamentares, ministros do Tribunal de Contas da União, do Supremo Tribunal Federal, da Procuradoria-Geral da República, ponham a mão na consciência! Motivos há de sobra para o andamento do processo de impeachment, o dr. Hélio Bicudo já os demonstrou. O que falta, pois, senão a destruição total do Brasil, um país que teria tudo para dar certo, mas naufragou porque a corrupção e a incompetência, além da arrogância e do atraso ideológico, desfizeram todas as chances que tínhamos de estar em pleno desenvolvimento social, político e econômico? Por favor, não dá mais, entendam. Pelo futuro deste país e das futuras gerações, impeachment já!

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

Arrependimento

O dr. Hélio Bicudo certamente está indignado com o mar de lama que virou o governo do PT. Acredito que também esteja arrependido de não ter agido com firmeza quando da denúncia (nos anos 90), por um membro do partido (Paulo de Tarso Venceslau, se não estou enganado), de desvios em prefeituras administradas pelo PT. Lula mandou e quem se ferrou foi o denunciante. Ali tudo poderia ter mudado e hoje o País estaria melhor, mesmo sob governos do PT.

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

Questão de moral

Depois de Rui Falcão ter defendido João Vaccari em entrevista na TV, quando surgiram as evidências de sua ativa participação no petrolão, e sendo presidente do ParTido, que moral ele tem para falar do dr. Hélio Bicudo?

MARIO GHELLERE FILHO

marinhoghellere@gmail.com

Mococa

AMEAÇAS

Isonomia

As ameaças nonsense do sr. Matheus Sathler Garcia de promover um golpe contra a presidente devem ser, obviamente, investigadas a pedido do ministro da Justiça. Igualmente deve ser investigada a ameaça de luta armada que aquele líder da CUT fez descaradamente, com o beneplácito da presidente da República, que estava presente nessa declaração, com um leve sorriso nos lábios. Qualquer ato que ameace a presidente e o grande chefe merecem rápida manifestação do ministro. Mas ele fica calado diante da violência que domina o País, causando mais de 60 mil mortes por ano, e do vergonhoso, ultrapassado e saturado sistema penitenciário, que faz do Brasil uma verdadeira republiqueta do Terceiro Mundo.

ARI GIORGI

arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

Omertà

Tristemente reveladora a declaração de Marcelo Odebrecht à CPI (do petrolão), ao invocar princípios morais para não delatar. Por implicação, eles não se aplicam a negociatas escusas. É a ética da Omertà.

JAN KROTOSZYNSKI

jankroto@gmail.com

Carapicuíba

Muito “nobre” da parte do sr. Marcelo Odebrecht dizer que dedurar não está entre seus “valores morais”. Acredito, porém, que deva estar entre seus valores desviar dinheiro público – superfaturando obras, corrompendo e sendo corrompido –, que deveria ser usado na saúde, na educação, na segurança e em tantas outras necessidades básicas da população brasileira.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Sabedoria odebrechtiana

Quem tem a mão leve sabe o que significa um dedo duro...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Contágio

Marcelo Odebrecht passou um recado bem claro aos milhares de funcionários de suas empresas: se descobrirem alguém roubando a empresa, não entreguem, pois ele detesta dedos-duros e provavelmente quem irá para a rua será o “colaborador”, e não o ladrão. As filhinhas de Marcelo também devem ter-se questionado muito na infância: “E agora, conto pro papai ou não?”. Será que o Marcelinho também foi contaminado pelo “besteirês” dilmista?

JOÃO CARLOS MELO

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

PLANOS ECONÔMICOS

A favor dos bancos

A respeito das mensagens dos leitores srs. Walter Simões, publicada ontem, e Farid Nicolau Lauand, anteontem, cabe acrescentar que o “excelente ministro” do STF Dias Toffoli, quando chefiava a AGU, a pedido do seu chefe, o sr. Lulla, enviou parecer favorável à ação movida pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Claro que isso nada tinha que ver com a eleição de 2010, em que o sr. Lulla elegeu seu poste Dillma. O mais interessante é que, tendo agido como “advogado” da Febraban a pedido do seu capo, o sr. Toffoli, agora ministro do STF, não se julgou impedido para aceitar o pleito dos banqueiros.

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga 

Adiamento

Os bancos conseguiram seu objetivo de adiar o julgamento das cadernetas de poupança pelo período de cinco anos, por falta de quórum qualificado, até a alteração da composição do STF em 2020, e, assim, prejudicar milhares de pessoas em todo o País. Para isso foi fundamental a ação do governo federal para tornar inviável uma decisão final sobre o processo, ao indicar um 11.º ministro para completar o pleno da Corte que se declarasse impedido de participar do julgamento.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DEDURAR OU FALAR A VERDADE?

O sr. Marcelo Odebrecht revelou-se um bom ator. Mas o script é capenga. Não se trata de "dedurar", coisa que o “bom moço” diz não ter elementos para assumir e eticamente não concordar. Nada a opor. Mas o que se espera é que, diante dos indícios e provas veementes de que  sua empresa esteve envolvida na podre corrupção  do governo petista e em sua mafiosa conspiração pelo poder, tenha o Sr. Marcelo Odebrecht a hombridade de contar como foram as suas relações com os poderosos do PT e a sua amizade "collorida" com o chefão. Coisas amenas como o triplex no Guarujá, a reforma do sítio campestre... A impressão que me ficou é de que ele age como um verdadeiro petista. 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

QUE MORAL?

A que moral Marcelo Odebrecht estaria se referindo na terça-feira (1º/9) na CPI, quando disse que não é “dedo duro por princípios morais”? Quais são esses princípios morais? Seria aquele que levou muitos membros de sua organização a dilapidar a Petrobrás? Ou o de não delatar o carcereiro que está fumando em local proibido na prisão? Ficou essa dúvida para a avaliação de sua moral e honestidade verdadeiras. Marcelo portou-se na CPI tal como seus pares de profissão, Al Capone, por exemplo. Postura de um bem-sucedido gangster. Uma parte da sociedade brasileira, a de políticos, por exemplo, precisa aprender a identificar os bandidos, talvez assim nosso país melhore.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

COVARDE, ISSO SIM!

Ouvindo na reportagem da TV as declarações e as respostas do Marcelo Odebrecht (não consigo incluir o título Sr.) nem pude acreditar no que ouvia! Inicialmente me deu vontade de rir... Mas, em seguida, percebi que na verdade era o caso de chorar. Chorar por ver como nós somos considerados totalmente idiotas em vista das respostas e explicações fornecidas por um dos mais importantes, se não o maior, participante dessa trama envolvendo o assalto (via corrupção) aos cofres públicos, diga-se de passagem, do nosso suado dinheirinho recolhido por meio de aviltantes impostos. Chorar também pelas “minhas meninas”, como ele identificou suas filhas, porque eu morreria de vergonha de ter um pai desses!  

Regina Siebert de Moraes reginasiebert@uol.com.br

São Paulo

*

NADA A DECLARAR

O presidente afastado da empreiteira Odebrecht declarou não ter o que dedurar, quanto às denúncias contidas na Operação Lava Jato. Foi até elogiado pelos parlamentares presentes à CPI. Marcelo Odebrecht é uma das maiores fortunas brasileiras. Não deve estar preocupado em ser objeto do primeiro caso de “não delação premiada”. Pobre Justiça rica, a do Brasil! 

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

*

CHEIRO DE PIZZA

Já o juiz Sérgio Moro afirmou que a delação premiada é constitucional e é uma forma de  esclarecer maldades que jamais seriam confessadas. O príncipe do cartel de obras na Petrobrás, Marcelo Odebrecht, disse em depoimento que nada tem a delatar, pois isso é um ato de traição, próprio de dedo-duro. O presidente da maior empreiteira do País está em perfeita simbiose com Madame Rousseff, que há poucos dias revelou que não gosta do dedo-duro. O fato é que não fosse esse dispositivo constitucional, a podridão desse governo do PT estaria até hoje ocultando esse fedor pútrido. Na Procuradoria-Geral da República está reintegrado ao cargo de procurador-geral, Rodrigo Janot, indicado pela presidente. No Supremo Tribunal Federal (STF) há uma tropa de choque de prontidão com seus estoques de pontos na curva e os agravos infringentes! No Tribunal Superior   Eleitoral (TSE) falta independência política, para reconhecer que a reeleição não passou de um estelionato eleitoral. E o que dizer do Tribunal de Contas da União (TCU), com os prazos ad aeternum para Dilma explicar o inexplicável, a principal infração: burlar a Lei de Responsabilidade Fiscal. Todos os aparelhos em funcionamento dão a perceber os preparativos para uma gigantesca pizza, mas que pode ser indigesta pela ação do povo.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

TEMPOS BICUDOS PARA O PT

Nem um notável fundador do Partido dos Trabalhadores, como o ilustre Hélio Bicudo, demonstra ter estômago com condições de digerir a bandalheira institucional que se instalou no País, depois que o partido de Lula assumiu o poder. Se Bicudo foi um dos primeiros a se desligar dessa sigla que ajudou a criar, porque percebeu que o caminho de Lula e de seus camaradas não seria o pregado da ética na política, agora tem a dignidade também de solicitar o impeachment da Dilma.   Na realidade, “Bicudos” também somos todos pedindo o fim deste desgoverno...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FRASES DESCONEXAS

Vejam, caros brasileiros, em que mãos nós estamos! Em seu último pronunciamento, Dilma enfatizou: “Alguns falam que o déficit é bom. Nós não achamos que ele é bom. Se a gente achasse o déficit bom, nos iríamos abraçá-lo, mas nós queremos resolver o problema do déficit, etc., etc.”. As falas da nossa presidente nos levam a crer que ela ou precisa de férias ou submeter-se a exames médicos. Discursar em público proferindo frases desconexas é sintoma de que a saúde mental de Dilma está mesmo necessitando com urgência de tratamento psiquiátrico.

Francisco Zardetto Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

DITADOS POPULARES

Lula diz: “Na vida a gente paga pelos erros”. Mas ele não conseguirá quitá-los nesta vida. Outro dito popular que cabe bem à população:”Aqui se faz, aqui se paga”, que serve por terem dado quatro mandatos ao PT!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

O BRASIL NÃO MERECE UM JANOT

A maior mentira que andam disseminando aos  quatro ventos, nos palanques, na imprensa e até fora do País é de que as instituições brasileiras são sólidas. Vivemos num país que engatinha na escala civilizatória, onde as instituições são personalistas, não tem voz própria, mas a voz de quem, ao sabor da política, está no topo. As lideranças administrativas não são naturais. O procurador da República, por exemplo, quer ter a exclusividade monopolizada da espetacularização da democracia. Investiga só o que achar conveniente, de acordo com seus próprios valores subjetivos. Sinceramente? O Brasil não merece isso!

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br

Cotia

*

JANOT E A VERDADE

O nobre Rodrigo Janot ao criticar o ministro Gilmar Mendes mostra que foi feito, sim, um acordão com Dilma. Até tu, Janot, fazendo falcatruas com o PT? Janot: saudações e decepções!

Antonio Jose G.Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

DESCONFIANÇA GENERALIZADA

A crise de confiança atingiu a Procuradoria-Geral da República e o procurador Rodrigo Janot, que arquivou o pedido de investigação do ministro Gilmar Mendes das contas de campanha de Dilma Rousseff. Isso nos parece uma troca de favores, uma vez que Janot foi reconduzido ao cargo. É o chamado toma lá, dá cá!

Pedro Sergio Ronco sergioronco@uol.com.br

Ribeirão Bonito

*

O ÒBVIO

Quem nasceu para Rodrigo Janot, jamais chegará a Sergio Moro!

Clênio Falcão Lins Caldas clenio.caldas@gmail.com

São Paulo

*

JANOTA

A decisão do procurador-geral Janot não passa de uma janota. Aliás, se na sabatina falou que quem bate em Francisco bate em Chico, foi diferente seu comportamento ao arquivar o pedido de investigação e averiguação feito pelo ministro Gilmar Mendes. Lamentável! Subtraiu da Justiça Eleitoral o dever inadiável de análise das contas. O resultado das urnas é uma mera posição que não reflete a legalidade ou a legitimidade formal.  

Yvette Kfouri Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

A TROCA PERFEITA

O procurador-geral, Rodrigo Janot, isentou Anastasia de qualquer culpa, arquivou tudo! Agora está livrando Dilma da responsabilidade de "malfeitos", como ela própria diz. Assim fica tudo certo, ninguém pode reclamar de seu lado petista. Tem gente que não se preocupa com o futuro. 

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

DECEPÇÃO

Janot, o que nada encontra, já está se achando.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PAGANDO A FATURA

Não foi por falta de aviso. Na sabatina na CCJ do Senado, Fernando Collor alertou, com documentos, que Rodrigo Janot tem telhado de algodão. Não passa de lobo em pele de cordeiro. Agora, depois de reconduzido como procurador-geral da República, Janot começou a pagar a fatura do Palácio do Planalto, arquivando o pedido do ministro do TSE, Gilmar Mendes, para investigar a gráfica VTPS Serviços Gráficos, acusada de ser empresa de fachada e haver recebido R$ 16 milhões da campanha de Dilma.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

ACORDÃO 

Ao arquivar pedido preliminar formulado pelo vice-presidente do TSE, Gilmar Mendes, o recém reconduzido procurador-geral Janot alimenta, e bastante, a teoria do acordão. Sua justificativa para tal é nada mais que um sofisma: apoia-se em jurisprudente parecer do mesmo Gilmar Mendes e afirma não caber questionamento de tal natureza, após a diplomação pelo TSE. Isso enseja o pensamento de que tais questionamentos têm seu lugar e hora na análise que precede a diplomação. Tudo muito justo e encaixado, não fosse o fato contundente que transforma tal cadeia de pensamento no já mencionado sofisma: o aparecimento, a posteriori,  de uma doméstica em Sorocaba claramente usada como laranja para maquiar contas e lavar quase R$ 2 milhões. Soma-se a isso a duvidosa consistência da prestação de contas petista. A PGR se amesquinha nesse momento e empurra tamanha responsabilidade para debaixo do tapete. A História se lembrará do senhor, Dr. Rodrigo Janot!

Julio Cruz Lima Neto 

São Paulo

*

VOLTA ÀS RUAS 

As recentes declarações do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, de que “os eleitos devem poder usufruir das prerrogativas de seus cargos e do ônus que lhes sobrevêm” e de que o Tribunal de Contas da União “é um playground de políticos fracassados, incapaz de produzir um julgamento que leve ao impeachment”, respectivamente, só resta ao povo ir às ruas pedir a renúncia da presidente Dilma.  O ronco das ruas tem mais força e é mais legítimo do que as duas instituições viciadas e eivadas de virtudes extirpadas. 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

INCONVENIÊNCIA DO TSE

As declarações atribuídas ao procurador-geral da República, a respeito das indicações feitas por Gilmar Mendes ¬- dados de despesas de campanha da presidente da República, que teriam conexão com valores detectados na Operação Lava Jato -, segundo as quais seria "inconveniente" MP e PJ se tornareme protagonistas do "espetáculo da democracia", causam-me perplexidade. Como membro do Ministério Público Federal (MPF), inativa, sempre entendi que a atividade do MP, mormente em matéria penal, fosse decorrente de determinação legal, e não da análise de conveniências, não importando quais sejam elas, exatamente por abrir espaço a subjetivismos perigosos. Fico a imaginar o que se diria, caso fosse um governo tucano... Dilma já teria um engavetador geral para chamar de seu?

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

CHAPEUZINHO VERMELHO

O ministro Levy revive a estória do Chapeuzinho Vermelho. Recomenda-se cautela, pois a vovó já foi engolida pelo lobo mau; caso chapeuzinho se aventure salvá-la, será engolida também. Não haverá caçadores para socorrê-la, pois os caçadores que a rodeiam são lobos.

Marcia Aparecida Santos ssantos_marcia@hotmail.com

São Paulo

*

O (GRANDE) PAPEL DO PSDB

O País espera (inclusive o PT) que o PSDB faça o que sempre pregou: o equilíbrio entre o econômico e o social. Portanto, restabeleçamos esse equilíbrio, apoiemos o ministro Joaquim Levy neste momento em que aparenta certa fragilidade na busca desse propósito. Lembremos que há pouco mais de vinte anos, o PSDB era considerado um partido "em cima do muro". Provamos, pouco depois, ao ocuparmos o governo, que o que buscávamos era o equilíbrio, que se refletiu, entre outras coisas, e, especialmente, na estabilidade da moeda (Plano Real). Outro dado: nunca antes, na história da República, o Congresso assumiu esse protagonismo, um Parlamentarismo de fato, e o PSDB, em seu programa, tem dois princípios fundamentais, verdadeiros dogmas, um a socialdemocracia e o outro o Parlamentarismo.

Helio Teixeira Pinto helio.teixeira.pinto@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MENSALÃO EM AÇÃO

As contas do governo Dilma estão no vermelho por incapacidade e incompetência gerencial. Para remediar as burradas, vai sobrar para a iniciativa privada e o povão: mais impostos. É sempre a mesma história de horror, os outros vão pagar pelos erros do governo. Em vez de cortar gastos, prefere gastar R$ 500 milhões em emendas parlamentares.

MÁRIO ALVES DENTE dente28@gmail.com

São Paulo

*

PEÇA DE FICÇÃO PARA 2016

Todos quantos viram a cara do ministro Levy na capa do Estadão de 1º/9 devem ter tido a mesma impressão, a de que o Orçamento da presidente Dilma foi “feito nas coxas”, como se dizia em meu tempo de menino. Até o caboclo nordestino sabe que a inflação e o desemprego ficarão acima do estimado e o crescimento do PIB não atingirá os 0,2% no próximo ano. A impressão que todos têm, incluindo, aparentemente, Levy, é de que se trata de uma peça de ficção, modelo Dilma Rousseff. Segundo a crônica, assim como tudo o que diz a presidente, 99,99% é mentira. O objetivo é começar deixando a população sem entender. Quanto ao déficit, foi uma inábil proteção contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, a qual ela já desrespeitou anteriormente, tendo fazendo ginásticas para não ser pega.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

PANORAMA ECONÔMICO

Joaquim Levy está seguro de que, com diálogo, a equação Brasil tem solução. Se for de 1.º grau com duas incógnitas, x = Dilma e y = Lula, acho muito difícil. 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

REGULANDO O ORÇAMENTO

Dilma diz que também não gosta da CPMF, mas não descarta criar novos impostos. Eu concordo com nossa presidenta e gostaria de sugerir a criação de 3 novos tributos, visando a reduzir o déficit orçamentário que o governo enfrenta: 1- ISLB (Imposto Sobre Lucro dos Bancos), alíquota de 30% sobre o lucro obtido pelos estabelecimentos bancários e congêneres, do tipo financeiras, casas de câmbio, etc. 2- ISPB (Imposto Sobre Patrimônio Bancário), com alíquota anual de 10% sobre os bens móveis e imóveis dos bancos. 3- ISPI (Imposto Sobre Patrimônio de Igrejas). Como é quase impossível saber o verdadeiro valor arrecadado pelas igrejas, cobrar alíquota anual de 20% sobre as propriedades e os bens das igrejas.

Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com

São Bernardo do Campo 

*

RESTITUIÇÃO DO DINHEIRO

Se os homens de bem forem em frente com o intuito de restituição do dinheiro roubado do País com a Operação Lava Jato, daria para acabar com o sofrimento do povo que necessita do SUS.

Fioravanti Fabri Filho fff@dglnet.com.br

Americana 

*

DESGOVERNO DO RS

O governo do Rio Grande do Sul se vê na contingência de ter de parcelar o salário dos servidores (certamente de assessores, deputados e do próprio governador). Quem é o responsável por essa hecatombe? Respondo: Tarso Genro e seu partido chumbrega. O que acontecerá com eles? Respondo: nada!

J.Perin Garcia  jperin@uol.com.br

São Paulo

*

PESQUISA CONTRA O CÂNCER

No dia 26/8/2015, o G1 publicou uma reportagem sobre uma pesquisa contra o câncer desenvolvida na USP de São Carlos, pelo Instituto de Química. Tal pesquisa chegou a um medicamento que vem apresentando resultado satisfatório em suas primeiras aplicações. Entretanto, como tudo relacionado à saúde no Brasil, essa pesquisa não decola, não recebe guarida dos órgãos públicos e, apesar de já ter demonstrado um avanço promissor no tratamento do câncer, não pode seguir com os testes conclusivos e muito menos alcançar o momento mais importante para a população, que é a produção e distribuição do medicamento. A Anvisa trata com descaso, a Fiocruz não dá o devido suporte e a USP, sabe-se lá o que faz. É tão importante e ao mesmo tempo tão absurdo o caso de um parente de paciente tratado pelo remédio produzido em laboratório, que, em 18 dias apresentou resultados positivos surpreendentes e resolveu passar 4 meses em São Carlos aprendendo a produzir o medicamento e o replicou em laboratório próprio em Santa Catarina. Foi acusado e preso por isso, mas afirma que valeu muito a pena, pois salvou várias vidas. É inacreditável essa situação à margem da legalidade. Não estamos falando de tratamentos espirituais das várias linhas religiosas, que têm seu valor para quem tem fé. Estamos tratando aqui de uma pesquisa de cerca de 15 anos desenvolvida por mestres e doutores da maior Universidade da América Latina, praticamente jogada no lixo pelas pessoas que deveriam tratar com o maior cuidado e respeito tal desenvolvimento, pois se trata de uma situação extremamente cara às pessoas que sofrem com câncer e também às suas famílias. Urge que esse caso tenha um posicionamento sério por parte das autoridades de saúde e que, se comprovada a eficácia do medicamento, a população se beneficie dele o mais breve possível. Eu vou cobrar. Nós devemos cobrar!

José Roberto Toledo Junior  joserobertotoledojunior@gmail.com

São Paulo

*

COMENTÁRIO BIZARRO 

Sem o vício do anti-semitismo, os alemães teriam feito a bomba atômica? Indagou em sua crônica Veríssimo. Poderia ter escolhido um termo melhor. E continua: “De qualquer jeito, quem ficou com a bomba, sem nenhum escrúpulo de usá-la contra populações civis, não foi o Hitler, foi o Truman”. Ponto para Hitler?

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

HADDAD E AS LEIS DA FÍSICA 

1ª. Lei de Haddad: “Reduzindo a velocidade máxima, aumenta a velocidade média”. 2.ª Lei de Haddad: “A arrecadação das multas de trânsito é diretamente proporcional à redução da velocidade nas vias da cidade”. 3.ª Lei de Haddad: “A inércia de todas as outras áreas da administração municipal é ocasionada pela prioridade dada às ciclovias, aos corredores de ônibus e às multas viárias”.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

CIDADE ESCURA

Ladrões fazem festa na escuridão no centro de São Paulo. Há mais de uma semana as lâmpadas do Viaduto Nove de Julho,  em frente à Câmara Municipal, estão todas apagadas. Os ladrões fazem uma verdadeira festa de roubos na escuridão.  Esse viaduto se transformou num tenebroso palco de gritaria e corre-corre. Os marginais assaltam pedestres e descem escada abaixo, no sentido da Avenida Nove de Julho ou se escondem atrás da Câmara Municipal. Passa da hora da Polícia Militar ter uma base fixa na Praça Emílio Miguel Abella, na esquina da Rua Santo Antonio com o viaduto.  Essa praça também está totalmente escura.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

*

QUASE PARANDO

Prefeitura paulistana São Paulo, à cinquentinha por hora, está quase atingindo a velocidade mental do lulloprefeito.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.