Fórum dos leitores

GOVERNO EM CRISE

O Estado de S. Paulo

15 Setembro 2015 | 03h00

Mais do mesmo

Após as reuniões de fim de semana com seus cupinchas incompetentes, dona Dilma decidiu, como sempre, piorar as coisas: continuar fingindo uns cortezinhos, aumentar impostos por decreto, como IOF, Cide, Imposto de Renda, PIS/Cofins e – e não mais ou – CPMF. Dinheiro para alimentar os companheiros parasitários e jogar o Brasil no caos.

JOSÉ SILVEIRA

josesilveira@yandex.com 

São Paulo

Curva de Laffer

Ao ler mais uma balela de Dilma no Estadão de ontem, a de que ela descarta a ideia de zerar o déficit somente com cortes de gastos, porque pararia a máquina pública, isso nos reforça a união perigosa de desonestidade com incompetência. Sem querer, ela nos mostra a solução: parar uma máquina pública perdulária com 39 ministérios, milhares de cargos comissionados, centenas de órgãos e autarquias, etc., lembrando ainda os conchavos aderentes do tipo petróleo. Seria uma meta para perseguir sem descanso. Sabemos que, em vez de reduzir drasticamente o peso do Estado, eles preferem cortar investimentos, transferindo o ônus do desemprego e da paralisação para a área privada. Além disso, vários economistas sérios estão lembrando a curva de Laffer, a qual mostra que a partir de um ponto de inflexão (que já devemos ter superado há muito) os aumentos de impostos apenas provocariam queda na arrecadação. Lembro-me de uma frase dita por um político (logicamente, não daqui), cujo nome não me recordo, que diz: “Governo rico, povo pobre; governo pobre, povo rico”.

CARLOS ALBERTO CALIXTO

calixto@holicom.com.br

São Paulo

Orçamento da União

Sra. presidente, quem corta R$ 26 bilhões em reuniões de fim de semana pode chegar a R$ 30 bilhões sem muito esforço. O governo tem muita gordura para cortar e, assim, não é necessário nenhum mago das finanças para atingir a “meta”. Não precisa nem cortar salários. Basta reduzir os auxílios-paletó, moradia, alimentação, motorista, avião, etc., e também a metade dos assessores, que a economia chegará facilmente ao dobro do que é necessário para cobrir o déficit previsto. Vamos lá, presidente, não é tão difícil assim! Nós, da “zelite”, apesar de não contarmos com tais mordomias, fazemos isso em nossas empresas e assim conseguimos honrar nossos compromissos, até com o Leão. Já passou da hora de a senhora honrar os compromissos, ainda que mentirosos, assumidos na campanha de 2014 e que levaram os incautos a reelegê-la.

LUIZ SERGIO DOS SANTOS VALLE

luizsergiovalle@gmail.com

São Paulo

O bode

Só tirar o bode da sala não resolve, Dilma! Isso que está sendo feito já o deveria ter sido antes de encaminhar o Orçamento. Além desses itens pontuais, há muito mais a fazer, uma vez que têm de ser cortadas despesas das políticas assistencialistas (incluindo as transferências para sindicatos, partidos políticos e ONGs em geral) e as que beneficiam o funcionalismo público e das empresas estatais (incluindo os ocupantes de cargos eletivos do Legislativo e de carreira no Judiciário), com a completa reestruturação da máquina pública (incluindo mordomias e gastos secretos). O que está sendo prometido, além de não resolver, não justifica querer aumentar a carga tributária, né não? Então, reúna os presidentes dos três Poderes com seus grupos de trabalho e repensem tudo isso, pois há muito mais para tirar das costas da população do que um simples “bode”.

JORGE ALVES

jorgersalves@2me.com.br

Jaú

Paciente terminal

O Financial Times diz que o Brasil é um “paciente terminal” pela falta de apoio político a Dilma. Ora, Dilma foi um acidente de percurso na trajetória do País, causado pela soberba de Lula, que enxergou nela uma ponte para seu fácil retorno, talvez já em 2014. Agora temos um País desgovernado, envergonhado e difamado, sem perspectivas de salvação. Um paciente terminal. Mas é bom que o FT reconheça que se Dilma tivesse apoio político poderia continuar desgovernando e finalmente levar o País a “óbito”. Dizem os sábios que é melhor um fim horroroso do que um horror sem fim. Concordo. A crise política é consequência e solução, não a causa do problema. Dilma dizia-se “mãe do povo”, mas tem de reconhecer que nunca teve vocação nem preparo para tal. A renúncia seria o seu melhor e mais digno gesto e, enfim, sua maior contribuição, possibilitando ao País e a seu povo a esperança de um recomeço.

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Por trás da teimosia

A falta de planos da presidente para tirar o Brasil do vermelho no presente e num futuro próximo e sua teimosia em entregar o cargo revelam duas possibilidades: um voluntarismo perigoso ou, o que é mais provável, pavor absoluto de que toda a sua turma incrustada no Planalto e adjacências, incluindo seu padrinho, deixem seus postos avançados direto para o xilindró.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

PEDALADAS

Esclarecimento

Diferentemente do publicado no editorial Dilma, pedalada e eleição (14/9, A3), em nenhum momento da audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, no último dia 1.º, fiz perguntas ou afirmei que “o uso dos bancos públicos para pagar despesas é prática antiga”. Na verdade, referia-me ao acompanhamento, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), da dinâmica de quitação de saldos bancários equalizados pelo governo federal. O questionamento foi o seguinte: “Quando é que o TCU começou a cobrar o pagamento dos saldos dessas equalizações? Qual é o primeiro ofício cobrando os saldos? Quando o TCU começa a cobrar esses saldos?”.

FERNANDO BEZERRA COELHO, senador (PSB-PE)

renatha@senado.leg.br

Brasília

CARTÃO DO IDOSO

Falta de... envelope!

Estou providenciando a renovação do meu Cartão do Idoso na Prefeitura. Vejam a situação: não me entregam, nem têm previsão de quando vão entregar, por falta... de envelope! Inacreditável! A Prefeitura de São Paulo, com orçamento maior do que a maioria dos Estados brasileiros e até do que muitos países latino-americanos, campeã mundial de multas, que tem dinheiro para construir ciclovias na cidade inteira e outras bobagens insanas, não entrega meu Cartão do Idoso por falta de envelope e pede que eu vá buscar porque não sabe quando pode mandar... Ridículo, inacreditável, de chorar!

MILTON DINIZ G. MOREIRA

milton.tristil@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com

A VOLTA DA CPMF

Como já sabíamos, vamos assumir mais essa, o governo acaba de confirmar a cobrança do CPMF. Virou costume jogarem tudo nas costas do trabalhador, não bastasse o que já pagamos. Mais uma vez o governo traiu o povo brasileiro. Tais medidas nos deixam revoltados, já passou da hora de aceitarmos tais imposições calados, precisamos nos unir e, definitivamente, acabar com esse desgoverno.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

AUMENTO DE TRIBUTOS

Ouvindo as palavras dos ministros Joaquim Levy e Nelson Barbosa, tenho a impressão de que pretendem provar a todos que o grande esforço do governo é a redução de despesas, mas isso é de difícil percepção. O aumento de tributos, este sim, ficou claro. O aumento de tributos foi infinitamente maior do que o corte de despesas. CPMF de novo? Deveriam ter vergonha dos discursos feitos. Falta credibilidade. Com Dilma não dá!

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

MOMENTO BRASIL

A crise política, econômica, institucional e moral chegou a tal ponto que, se o Legislativo e o Executivo realmente estão embutidos em resolvê-la da melhor maneira possível  e, diante da fraqueza política da presidente Dilma,  a solução seria uma renúncia coletiva de todos os ministros, à exceção dos ministros da área econômica (Fazenda,  Planejamento e Banco Central). Creio que só dessa forma a presidente poderia fazer o que precisa sem desagradar ninguém.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

DESGOVERNO DILMA

A senhora Dilma dizia no início do mês que já havia cortado tudo o que podia nos gastos públicos (?). Agora se reúne com 10 ministros, extraordinariamente, nos dias 11, 12, 13 e novamente ontem (14/9) – por várias e várias horas. Sempre com o objetivo de cortar gastos públicos. Sua primeira versão era mentira, ela nunca administrou e geriu tais problemas, antes do dia 11 de setembro. Agora, às vésperas do caos total de um possível impeachment, resolveu trabalhar. Plagiando o filme “A que horas ela volta”, se encaixa “A que horas ela volta para Porto Alegre”?

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

NENHUMA SURPRESA, APENAS REVOLTA

Em mais uma prova, como se fosse necessária, de que a verdadeira zelite brasileira é o funcionalismo público, a presidente decide poupá-los dos sacrifícios que o País inteiro terá de fazer. Aumento de impostos e corte de programas sociais ela aceita, mas mexer com uma casta que goza de privilégios absurdos e é regiamente remunerada, nem pensar! 

Mario Silvio mario_silvio@hotmail.com

São Paulo

*

AMBIENTE ECONÔMICO

Pouca gente se dá conta, mas a situação econômica do País só fica ainda mais tumultuada com a agitação política provocada pela ideia fixa de tucanos de tirar do poder. A presidenta Dilma foi democraticamente eleita no ano passado. Por que esta “turma” não vai procurar outra coisa para fazer?

Antonio Augusto Barella aabarella@hotmail.com

Valinhos

*

NOVO ATAQUE

Dilma amplia corte, mas só vai zerar déficit com imposto. A mulher sapiens ataca novamente!

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

MAIS IMPOSTOS

Se Dilma houvesse cortado ministérios e apadrinhados já na primeira vez em que falou, quem sabe não teríamos a ameaça de aumento de impostos.

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

COMO SAIR DA CRISE

O artigo de Arminio Fraga (13/9, A2) dá o caminho de como o Brasil sair da crise. Didaticamente, lista cada ação a ser tomada. Dilma, sua única chance é seguir ponto por ponto. Isso se sua limitada inteligência superar, por uma única vez, a nata arrogância que Deus lhe deu.  

Júlio Cruz Lima limaj@plastekbrasil.com.br

São Paulo

*

ESCOLINHA DA DILMA

Dilma faz reunião com ministros e manda cortar gastos – manchete de domingo (13/9). Incrível! Agora a diretora chama os professores e “manda cortar gastos”! Só agora? Antes, ela não sabia de nada? Eles também não sabiam? Parece a Escolinha do Professor Raimundo, mas esta é de verdade. Que nos sirva de lição!

Mauro Moore Madureira mauromm@uol.com.br

São Paulo

*

PRÊMIO SANTANDER

A lamentável e indecorosa submissão do Banco Santander às pressões do governo petista, que redundou na demissão da funcionária Sinara Polycarpo, teve uma correção pela Justiça. O banco foi condenado a pagar uma indenização à funcionária. A atitude do banco espanhol foi de tal maneira vil e amoral que não deve ser esquecida. Para isso, sugiro que todo o ano seja conferido à pessoa ou à instituição que demonstre tal falta de caráter um troféu a ser chamado “Prêmio Santander de Sabugice”.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

JOGANDO O JOGO DO GOVERNO

 Alguém se lembra da funcionária do banco Santander que foi demitida por alertar os clientes quanto aos riscos que a reeleição da sra. Dilma Rousseff representaria à economia?     Pois bem, além de ela ter razão, o banco (segundo a revista veja) terá de pagar R$ 450 mil de indenização à analista despedida. Os diretores do banco devem estar pensando que caro saiu para nos pelo seu acerto. Será que ela não deveria ser recontratada? 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@Hotmail.com

São Paulo

*

JOAQUIM LEVY E LULA

Politizar a ação da Standard & Poor’s o equaliza à Lula.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Munas (MG)

*

CRISE ECONÔMICA

Ultimamente temos acompanhado notícias de baixa da inflação. Na realidade, a causa única e exclusiva é a total falta dinheiro da população! Num país em que o desemprego só aumenta e todos estão comprando o essencial.  

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

AUMENTO DA ARRECADAÇÃO

Cortar gastos com o dinheiro dos contribuintes é um crime, quando o impostômetro registra uma arrecadação já acima de trilhões de reais. Os cortes deveriam ocorrer onde temos gastos inúteis, em todos os setores do governo. Os salários e as benesses que nossos políticos e funcionários públicos recebem são uma vergonha! Hoje os jornais anunciam que a pressão para a saída da presidente aumentou, mas ninguém falou sobre quem tomará conta deste país, onde toda a classe política nos deve explicações sobre seus ganhos absurdos! Somos uma nação pobre e tão desorganizada que não sabemos quem é honesto. 

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com

São Paulo

 *

JOGO DE CENA

Dilma manda cortar R$ 15 bi (manchete do Estadão, 13/9/2015). Puro jogo de cena! Todo brasileiro bem informado conhece as causas deste descalabro econômico: roubalheira desenfreada e gastos exorbitantes que qualquer dona de casa atenta ao seu orçamento doméstico jamais faria. A motivação para tal descalabro é manter-se no poder a qualquer preço e ter tempo suficiente para, sufocando a imprensa livre e os críticos do PT, apagar todos os vestígios dos tais “malfeitos”. Ora, com todo esse envolvimento não tem condições de cortar “na própria carne”, só lhe restando impor  ao esfolado cidadão o aumento da já absurda carga tributária, cuja consequência será a continuidade do déficit arrecadador por ter exaurido o pagador de impostos. Qualquer cidadão, cujo salário advenha do comércio ou de honorários, conhece esta realidade. Portanto só nos resta remover esse entulho do poder!

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

*

O DONO DO PEDAÇO

Semana passada mais uma vez a politicalha nacional não teve o mínimo respeito para com seus eleitores, quando só faltou colocar tapete vermelho para receber Marcelo Odebrecht, dono da empreiteira, preso pela Polícia Federal e acusado de participação nas ações de propina que roubaram bilhões da Petrobrás. Ele foi depor na CPI que cuida do assunto, mas seria  melhor seria que não tivesse ido, pois o comportamento dos políticos ali presentes com responsabilidade de inquirir o empresário sobre as acusações que pesam sobre ele na Operação Lava Jato foi a mais abjeta, vergonhosa e  subserviente. Como relatou um jornalista, só faltou pedirem desculpas por estarem ali o interrogando e, quem sabe, até mesmo pedir-lhe autógrafo! Uma vergonha do tamanho equivalente ao que foi roubado da Petrobrás, mas esperar o que dessa  politicalha tupiniquim. 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça    

*

LULA NA LAVA JATO 

O senhor Lulla Brahma da Silva disse ao repórter do Estadão, na Argentina, que ele não sabia de nada sobre o pedido da PF, para ser ouvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no caso do PeTrolão. Primeiro confirmou que ele nunca sabe da nada, segundo, por estar na Argentina, como ele poderia ser avisado pela PF? Quem ele pensa que é , depois de enganar uma população inteira, além de um simples metalúrgico aposentado?

Antônio Carelli Filho    palestrino1949@hotmail.com

São Paulo

*

MISSÃO IMPOSSÍVEL

A Polícia Federal quer ouvir Rui Falcão, presidente do PT, tomar o depoimento do ex-presidente Lula e também do tesoureiro da campanha de Dilma, José de Filippi Júnior. A PF deve ir preparada para contar quantas vezes vai ouvir as respostas: “não sei, não sei de nada, não vi nada. não sabemos de nada e não recebemos nada”. E se houver um detector de mentiras, será que o aparelho confirma? E pode acontecer o quê? E$$a turma do PT veio ao mundo e ainda não sabe por que e vai morrer não sabendo. Embora todos saibam, fica por i$$o mesmo? A PF tem uma missão impossível!  

 

Fernando Silva lfd.dasilva@uol.com.br

São Paulo

*

A HORA DO BRAHMA

Antes tarde do que nunca. Essa é sem dúvida a melhor definição para o pedido da polícia federal de ouvir o ex-presidente Lula. O fato de já ter sido citado direta ou indiretamente em diversas delações, a ponto de ser alcunhado por executivos da OAS (empreiteira envolvida nos escândalos da Petrobrás) como " Brahma", o coloca no topo da lista de suspeitos. Ademais, não são poucos os empresários investigados que afirmam ter doado para as campanhas de Lula e Dilma, tornando-os beneficiários do esquema. Só falta, tal qual no mensalão, nos fazerem engolir essa lorota de que José Dirceu (ex-ministro da Casa Civil) e uma penca de deputados de segunda linha são os chefes do petrolão. Quem nomeou Dirceu? Sua hora está chegando, Lularápio! 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG) 

*

LULA E A POLÍCIA FEDERAL  

Tudo bem que a polícia federal está fazendo seu papel, mas solicitar ao STF para que ele fale a respeito da Operação Lava Jato, todos nós brasileiros já sabemos o teor do depoimento:  "eu não sabia de nada" , "eu não sei de nada".

Paulo Juvenal da Costa costa-paulo@ibest.com.br

São Paulo

*

PARA LA CÁRCEL

Após dizer a um jornalista do Estado não saber de nada sobre sua convocação para depor, ligou para o Instituto.  “Pô,  cumpanheiro Rui, não é possível  tentar  um  pixuleco?”  “Não, Brahma”   – foi  a resposta do fiel escudeiro, aviltando o poeta Manuel Bandeira – “A única coisa a fazer é dançar um tango argentino”. 

Luís Lago lago.luis@gmail.com

São Paulo

*

DELAÇÃO PREMIADA

Com a Operação Lava Jato finalmente chegando até Lula, certamente com fartas provas do seu envolvimento nesse tsunami de corrupção que atingiu o nosso país, será que ele aceitará fazer a delação premiada?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de 

*

LULA E A PF

Esta seria a vez de “Lula lá”?

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

SUPOSIÇÃO

Os cardeais petistas querem agora culpar o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, pelo fato de a Polícia Federal querer ouvir Lula por eventual sapiência de fatos da Operação Lava Jato. Entendem que o ministro pelo cargo que ocupa conseguisse evitar tal oitiva. Desnecessário dizer que o ministro da Justiça em virtude disso balance em seu cargo. Isso trará problemas para o prefeito Haddad, dado que, além de Mercadante que já não anda bem das pernas na Casa Civil, terá de arranjar um cargo para o ministro José Eduardo Cardozo. Imaginemos a situação: Padilha, Suplicy, que já estão lotados (encostados) por lá e agora Mercadante e Cardozo. Isso já é demais! Trata se de mera suposição...

José Piacsek Netobubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava 

INSIGNIFICANTE

Realmente o rebaixamento do Brasil e de muitas empresas brasileiras é algo tão insignificante quanto o declarante Lula.

José Luiz Tedesco wpalha@terra.com.br

Presidente Epitácio 

*

JOGANDO DINHEIRO FORA

Está na hora de comprar ações da Petrobrás, até porque o PT dificilmente deixa de sucumbir até fim deste ano ou do próximo. Ou, então, temos de fechar o País para balanço! E aí qualquer dinheiro em qualquer coisa será jogado fora mesmo.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

DOAÇÃO OCULTA

Quando imaginamos que as coisas neste país estão começando a entrar nos eixos, eis que nossos políticos inescrupulosos continuam nos chamando de idiotas, pois aprovar um texto destes, onde não poderemos identificar o doador, é aprovar a continuidade da corrupção. Realmente chegamos ao fundo do poço!

Luiz Roberto Savoldelli  savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo  

*

MARACUTAIA OFICIAL

Doação oculta aprovada na Câmara Federal oficializa a maracutaia das doações das empresas para os políticos. É uma vergonha!

Marius Arantes Rathsam mariusrathsam@hotmail.com

São Paulo

*

DOAÇÃO ELEITORAL

O editorial O preço da doação eleitoral toca em um ponto crucial da atual crise político-econômica. Como enaltecer os mesmos parlamentares que apresentam soluções drásticas para a crise política e mantêm essa fonte de corrupção? As empresas não precisariam doar, bastaria que saldassem parte da dívida com a União, que já passa de R$ 1 trilhão, para mitigar parte dos efeitos deletérios da economia do momento.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Lorena

*

CONTAS PÚBLICAS

Concordo com o leitor sr. Armando Stelluto Jr.  quando sugere que os ilustres parlamentares cortem suas polpudas remunerações e mordomias. Só observo, no entanto, que há muita gordura a ser cortada, antes de chegar na carne! Até barbeiro temos de pagar para ilustríssimos parlamentares! 

Marici Cossenza cossenza@yahoo.com.br

São Paulo 

*

DILMA ‘PRESTIGIADA’

O vice-presidente, Michel Temer, diz que a presidente Dilma permanece no cargo até o final do mandato. Lembrei-me daqueles dirigentes de futebol, que, às vésperas da demissão do técnico, dizem que ele está "prestigiado". Acredito  que Temer até balançou a cadeira da presidente.

Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo 

*

MICHEL TEMER

A edição de ontem (14/9, A2) traz importantes reflexões sobre o atual vice-presidente, Michel Temer. Vale lembrar que o seu partido, que já desempenhou importante papel na história política do Brasil, principalmente antes de adicionar o “P” à legenda, parece estar sempre à espreita de oportunidade para apoderar-se de cargos de mais alto posto no País. Será que Temer sabe realmente o que de todos e dele se espera? Apenas que cumpram o seu dever!

João Manoel Jodas joao.jodas@terra.com.br

Santo André 

*

LEI E PENA

A tentativa dos gestores atuais em fazer pouco da nossa inteligência, somente demonstra como se tripudia de uma nação, ao tentar buscar um pacto. Pacto se propõe quando a situação insustentável atingiu a todos, mas não há um culpado direto. Há vários culpados diretos, que vão desde a venda da Refinaria em Pasadena até o vagalhão do BNDES, ainda não esmiuçado. A esses restam lei e pena. Por isso que a saída é a saída...sem esquecermos dos abutres que estão à espreita para degustar a carniça política.

Edmundo César Ribeiro Siqueira ecesarsiqueira@gmail.com

Aracaju (SE)

*

AFASTAMENTO DA PRESIDENTE

Estão falando em pacto para salvar o País. Ora, a principal medida para que isso aconteça é o afastamento da presidente. Pois, após o que disse antes de ser eleita e fez depois, ninguém de bom senso nela acredita. Apesar de que o que virá a seguir não indica nada de suave. Uma vez que, com pacto ou sem ele, o País entrou em rota direta ao precipício. Todavia, sem a eliminação de Dilma, de Lula, de seu partido e de sua base política nas decisões a serem tomadas nada se conseguirá de positivo. 

José Etuley Barbosa Gonçalves etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

ARROGÂNCIA DE DILMA

A presidente não fará, jamais, um “mea culpa” em sua desmedida arrogância. Continuar a ouvir o ex-presidente, PHD em “embromation”, só interessado em seu próprio futuro, só a tem afundado mais. Resultado, ela enverga, nós quebramos. Não me recordo de ter visto a faixa presencial colocada em tão inadequada pessoa.

AndréC. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

CORTE DE DESPESAS 

Será que vão cortar os investimentos na Venezuela, na Argentina e em Angola?  Será que os políticos serão também atingidos?

Gilberto Abu Gannam gilbgag1@hotmail.com

São Paulo

*

CASA DA MÃE JOANA

A Casa Civil dos governos do PT está, literalmente, mais pra Casa da Mãe Joana. Se não, vejamos: por ela já passaram nos governos petistas cinco ministros e, como todos eles foram citados em escândalos de corrupção, tiveram de ser afastados. Foram eles: Dirceu, Erenice, Palocci, Gleisi e o mais recente Mercadante. Plantaram uma caveira de burro nesse Ministério, não é possível nenhum dar certo, ou o dedo dos governantes petistas é que não tem pontaria certa. Lamentável e vergonhoso.

Leila E. Leitão

São Paulo 

*

DIPLOMACIA BRASILEIRA

Ótimas e oportunas as suas colocações de Adriana Carranca a respeito da postura da diplomacia brasileira diante da tragédia dos refugiados do Oriente Médio, especialmente da Síria. Mas, a meu ver, a diplomacia brasileira tem sido relevante, quando se trata de condenar ações de Israel, ainda que defensivas. Isso, para não me estender muito mais. Antes, muito antes, o Brasil fechou suas portas às vítimas do nazismo, especialmente aos judeus, com honrosas e relevantes exceções, como a do embaixador e grande escritor Guimarães Rosa e sua esposa. Uma retratação foi feita com o voto do Embaixador Osvaldo Aranha, na ONU, para aprovação da partilha da Palestina. Note que não foi para exclusivamente a criação do Estado de Israel. Assim, não é de se estranhar os atuais posicionamentos do Itamaraty, olhando o mundo com os olhos da nossa presidente, ou seja, observando a paisagem.

Arnaldo Goltcher arnaldo.goltcher@gmail.com

São Paulo


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.