Fórum dos leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S. Paulo

21 Outubro 2015 | 05h56

Mentira do século

A presidente Dilma Rousseff ganhou a taça da mentira do século ao afirmar: “O meu desgoverno não está envolvido em corrupção”. Será que mudou de nome? Salve a Justiça brasileira!

LUIZ DIAS

lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

‘Ensaio sobre a cegueira

“Meu governo não está envolvido em escândalo de corrupção”, diz Dilma. Além de tudo, agora também está cega!

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Ser e estar

Disse Dilma que o governo dela não está envolvido em escândalos de corrupção. Realmente, o governo de Dilma é um escândalo de corrupção, aliado a total incompetência.

SERGIO CORTEZ

cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

Detector de mentiras

Se Dilma, Lula, Cunha e os demais expoentes políticos passassem por um detector de mentiras, o aparelho teria um tilt ou ficaria vermelho... de vergonha.

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

CPI da Petrobrás

O relator da CPI da Petrobrás, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), apresentou seu parecer final dizendo que não há provas de envolvimento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, isentou o ex-presidente Lula, a presidente Dilma e 62 políticos envolvidos na Operação Lava Jato. O obediente e fiel companheiro petista bem que poderia terminar seu relatório assim: “Por determinação dos meus superiores, reservo-me o direito de nada relatar nesta comissão”. 

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

O maior roubo da História

Enquanto o relator da CPI da Petrobrás isenta políticos, o petrolão é considerado o maior escândalo de corrupção de que até hoje a humanidade tomou conhecimento. A Polícia Federal estima em R$ 21 bilhões o roubo praticado pelos corruptos, que não são muitos em relação à grande maioria da sofrida população - ou seja, poucos prejudicando milhões. Vale ressaltar que já foi recuperado R$ 1,8 bilhão graças à delação premiada - da qual o relator da CPI sugere mudanças na legislação; tomara que seja para melhor no que se refere aos interesses do Brasil. O que mais surpreende é que o governo do PT, no poder desde 2002 e cujo plano de assalto aos cofres da Petrobrás começou a ser urdido por José Dirceu, então ministro da Casa Civil da Presidência, nunca é contestado por nenhum político da situação.

LUIZ BIANCHI

luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

Então, existe o roubo, mas não há ladrões...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Pizza milionária

Lendo a reportagem sobre o relatório da CPI da Petrobrás na página A8 do Estadão de ontem, eu me pergunto quanto teria custado aos cofres públicos uma CPI de oito meses para chegar a uma conclusão absurda como essa. Alguém sabe esse valor? Isso deveria ser publicado, pois nós estamos pagando por essa pizza de 754 páginas! 

SERGIO F. XIMENES

sfximenes1@gmail.com

São Paulo

Alma desnudada

O deputado Luiz Sérgio mostrou ser um garçom confuso: mistura o cardápio entregando o prato na mesa errada para depois jogar a conta no lixo da História. Ele é a cara do partido parasita que, com um velho caudilho à frente, vem implantando o totalitarismo no Brasil. Enterrando a CPI do petrolão, ele desnuda a alma da camarilha vermelha que tripudia sobre os escombros do País, que eles quebraram.

LEON DINIZ

leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

ÁLCOOL E AUTOMÓVEIS

Atropelamento e fuga

Uma motorista alcoolizada invade a faixa de ciclistas em fase de pintura, atropela e mata dois pintores. Em seguida, foge sem dar atendimento aos atropelados. Presa em flagrante, é libertada pela Justiça mediante fiança de R$ 15.700 e vai aguardar o julgamento em liberdade. Portanto, segundo a Justiça, a vida de cada pintor vale pouco mais de R$ 7 mil. Isso é justiça ou brincadeira de mau gosto? É um tapa na cara dos filhos que ficaram sem pai e da esposa que ficou viúva. É também um acinte à sociedade, que vê a vida de dois trabalhadores trocada por uns tostões. Como um tribunal dito de justiça pode tomar uma atitude vergonhosa dessas? Não é o único caso desse tipo que é encaminhado dessa maneira. Matar não tem importância? Uma vida não vale mesmo nada? Que justiça é essa?

CELSO BATTESINI RAMALHO

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

GRANDE PRÊMIO

Bravo!

Como assinante, é um orgulho saber que o Estadão vem de ser reconhecido como o melhor do jornalismo brasileiro em três categorias, na 60.ª edição do Prêmio ExxonMobil, o principal da imprensa nacional. Aos responsáveis pelas matérias vencedoras - os jornalistas Paulo Saldaña, Rodrigo Burgarelli, José Roberto de Toledo e Leôncio Nossa -, os nossos cumprimentos. E também ao fotógrafo Dida Sampaio, que num raro momento conseguiu clicar a imagem da presidente Dilma pedalando (sua bicicleta, bem entendido...) ao lado de uma placa com os dizeres Lava Jato Planalto. Sem dúvida, um show de jornalismo!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Congratulações

Envio as minhas congratulações ao jornal O Estado de S. Paulo pelos três prêmios conseguidos por meio do prestigiado Prêmio ExxonMobil, nome atual do Prêmio Esso, que através dos anos vem reconhecendo o trabalho da imprensa brasileira, da qual o Estado é um dos expoentes. O fato de este ser o segundo ano consecutivo em que o Estado é agraciado revela o permanente cuidado do jornal com a qualidade dos textos, brilhantismo na apuração dos fatos e produção jornalística impecável, que o caracteriza. Meus parabéns aos jornalistas Paulo Saldaña, Rodrigo Burgarelli, José Roberto de Toledo e Leonencio Nossa e ao fotógrafo Dida Sampaio pelo excelente trabalho realizado.

LUIZ SOUTO MADUREIRA, secretário adjunto da Justiça e da Cidadania do Estado de São Paulo

starantelli@sp.gov.br

São Paulo

“Ela fez o diabo. Agora 

os brasileiros queimam 

no fogo do inferno”

ALICE ARRUDA CÂMARA DE PAULA / SÃO PAULO, 

SOBRE DILMA E A CORRUPÇÃO

alicearruda@gmail.com

“Dilma pôs Joaquim Levy na fogueira mesmo sabendo que o governo 

não dispõe de brigada contra incêndio”

ROBERTO TWIASCHOR / SOBRE SITUAÇÃO INSUSTENTÁVEL 

DO MINISTRO DA FAZENDA

rtwiaschor@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A 'VALIDADE' DE JOAQUIM LEVY

Não foi uma surpresa para mim saber que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pode se demitir em breve, se continuarem os assédios contra a sua pessoa e sua posição na Fazenda. O que não posso entender é por que não tomou essa decisão mais cedo, vendo que este governo está para afundar a qualquer hora. Não vejo nele o apego obsessivo ao cargo ou a vaidade de continuar como ministro, diferentemente de Eduardo Cunha e de dona Dilma Rousseff, que defendem seus mandatos com unhas e dentes. Ele me parece ser do bem, quer servir o seu país com patriotismo e não ser subjugado pela ideologia absurda do primitivo e nefasto guru de Garanhuns, Lula. Ministro Levy, acorde e reaja agora - submeta a sua demissão e evite ser culpado por todos os malfeitos que ainda poderão ser criados pelo governo na sua administração. E prossiga na sua carreira de eficiente economista. 

Filip Riwczes filipriw@greco.com  

São Paulo 

*

LEVY E OS ESQUERDOPATAS

Desde que o ministro Joaquim Levy assumiu a pasta da Fazenda, não conseguiu pôr em prática seu plano de recuperação econômica, porque as medidas foram consideradas, pelos sindicalistas e partidos de esquerda, extremamente indesejáveis e contrárias às expectativas dos trabalhadores. Por isso Levy é alvo dos ataques contínuos do PSOL, por exemplo, que acha o remédio excessivamente amargo. Ocorre que, se medidas duras não forem implementadas - e rápido -, nunca nos recuperaremos deste caos em que nos jogaram Lula, Dilma e o PT. Os esquerdopatas não admitem que os trabalhadores participem do sacrifício para a recuperação, tudo devendo recair somente nas costas das classes A e B - por eles, nem a ex-nova classe média participaria do esforço. Ora, quem digitou o 13 e confirmou nos danou a todos. Que paguem também pelo ônus.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

UM CORDEIRO ENTRE LOBOS VORAZES

Santo Deus, ministro Joaquim Levy! Até quando vai se deixar usar por esta gente sem ética, sem moral, inconsequente e irresponsável somente para darem a impressão de que eles têm algum compromisso com seriedade de propósitos? Pois não vê que Dilma Rousseff ainda neste governo teve o cinismo de dar novas "pedaladas", maiores ainda do que as da gestão anterior, e que levará três anos para que a quantia seja reposta, deixando para seu sucessor mais esta herança maldita? Saia, ministro, para que fique cristalino que a responsabilidade pelos necessários apertos não se dará por suas medidas, mas tão somente pelo desvario desta turma useira e vezeira de fazer "o diabo" para se manter no poder. Não se coloque na posição de bode expiatório destes oportunistas. E que todos os brasileiros se convençam de que o malefício causado por esta quadrilha não tem precedentes em toda a história do Brasil. A verdade é pedagógica, ministro, e só ela poderá nos salvar. Quanto mais contato com a realidade o povo tiver, maior será a chance de o brasileiro aprender a escolher melhor seus mandatários e entender que bons valores é que farão o País ser construtivo e próspero. Fora isso, nunca chegaremos a ser uma nação na qual poderemos viver em paz, com perspectivas e esperança. Saia, portanto, ministro Levy, e permita que o PT de Lula mostre sua verdadeira face e, como tal, assuma a responsabilidade se seus erros perante o povo brasileiro. 

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

SOBREVIDA

Saia, Levy. Agora. Como Carvalho Pinto renovou o ar para Goulart, você está dando sobrevida aos petralhas. Já está começando a parecer idiota.

Roberto de Mamede Costa Leite r-mamede@uol.com.br 

Ubatuba 

*

INDEFENSÁVEL

Eu achava que Levy tinha cara de "songo mongo", mas, continuando neste desgoverno, fazendo este papel idiota defendendo o indefensável, sendo pisoteado pelo fogo inimigo de Lula, começo a duvidar de sua capacidade intelectual para ser diretor superintendente do Bradesco. Ou será que tem algo por trás desta tragédia?   

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br 

Ourinhos 

*

SALVAÇÃO

Só o PSDB pode salvar o ministro Levy e, de quebra, o Brasil. Abandonado pela presidente Dilma, pelo PT e pelo maior de todos, Lula, Levy nada pode fazer. Cercados por todos os lados, como estamos, só um partido com postura ética e preocupado, efetivamente, com o econômico e o social, mediante um apoio, não incondicional, é verdade, pode nos salvar, propiciando uma sobrevida eficiente ao ministro.

Helio Teixeira Pinto helio.teixeira.pinto@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

A PRESIDENTE NA SUÉCIA

A presidente Dilma Rousseff, em viagem à Suécia, em sua primeira entrevista, foi categórica ao declarar, reagindo às pressões de Lula e do PT, que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não vai deixar o governo. A afirmação vem em meio a rumores de que ele vai se demitir, por estar sendo criticado pelo chamado "fogo amigo", que não são mais do que críticas do ex-presidente Lula, de setores do PT e do próprio governo. Com essa entrevista, a presidente demonstra que está livre, no céu da sua consciência, das aves de rapina que viveram de extorsões no governo petista. A nação brasileira quer que ela consiga a retomada do crescimento para que o Brasil volte a ser um país estável e não tenha sua nota de crédito (risco Brasil) rebaixada pela segunda vez por uma agência de risco estrangeira.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br  

Assis

*

PALAVRA FINAL

Enquanto Dilma e o PT trocam farpas quanto à permanência de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda, deixam de lado o interesse da Nação. A discussão interna da legenda está envolvida muito mais por posições ideológicas (socialistas com um ministro "neoliberal"?) do que por razões econômicas - salvo Dilma, que enxerga em Levy a possibilidade de arrumar a bagunça feita no mandato anterior. Mas, para nós, fica a questão: foi Levy quem prometeu o céu durante a campanha, mas entregou apenas recessão e impostos? Se alguém tiver de sair (e tem), que sejam Dilma e sua trupe. A palavra final não é de Lula, é do povo.

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com 

Nepomuceno (MG)

*

LAPSO DE MEMÓRIA?

A presidente afirmou, na Suécia, que o Brasil "é seguro para investimentos". Ela "só" se esqueceu de avisar as agências de risco...

Odilon Otávio dos Santos

Marilia

*

A CPMF E OS AVIÕES

A "presidenta", na Suécia, esclareceu que os US$ 4,5 bilhões (DÓLARES!) a serem pagos para a compra de 36 moderníssimos aviões de caça não têm nada que ver com a o dinheiro a ser arrecadado pela CPMF. Um mistério... Como o Paraguai está cheio de brasileiros e a Argentina, cansada de guerras e com outros problemas, sem ataques vai ser difícil de usarmos nossas armas de defesa, ficando as reservas de munição - para frustração de nossos defensores - mofando. Mas a Ilha da Fantasia agora estará ainda mais protegida de ataques (mas não de manifestações).

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

EDUARDO CUNHA (PMDB-RJ)

A presidente Dilma Rousseff afirmou, na Suécia: "Ele (Eduardo Cunha) não integra o meu governo". Resta saber se é por prepotência ou incompetência que ela distorce o sentido do termo "governo", conjunto dos Três Poderes, harmônicos e independentes, em cada uma das esferas (federal, estadual e municipal). Cunha preside a Câmara dos Deputados e é o segundo na linha sucessória... do governo! Mas, para Dilma, "governo" é apenas o Executivo, de obesidade mórbida, aparelhado por seu partido, à semelhança de "nuestros hermanos bolivarianos de la Unasul", que ela idolatra. Vade retro!

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com 

Rio de Janeiro

*

CASSAÇÃO

É lamentável ver na presidência da Câmara dos Deputados uma figura como Eduardo Cunha, que se elege e enriquece ilicitamente à custa da fé alheia e estabelece relações estreitas e obscuras com vários "empresários da fé", que lucram cada vez mais com seus "templos-empresas". Já passou da hora de o mandato de Cunha ser cassado.

Celso Nobuo Kawano Junior cn.kawano@gmail.com 

Embu das Artes

*

ORDEM!

Com tantas provas contundentes, não é possível que o nobre deputado não venha a usar uma tornozeleira cravada de diamantes. Está na hora de botar ordem nesta República.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 

São Paulo

*

CARA DE PAU

Prática unânime dos "acima da lei": as provas, as muitas provas, são conhecidas por todos e estão por toda parte, inclusive na Suíça, e os "digníssimos" negam tudo! E onde está aquele leão feroz e faminto que recebe as declarações do Imposto de Renda?

Eliane Pinotti Borguetti epborguetti@gmail.com 

São Paulo

*

ÓLEO DE PEROBA

 

Cunha é o cara... de pau !

  

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

RENÚNCIAS

Dilma Rousseff e Eduardo Cunha devem, de imediato, para o bem do Brasil e felicidade geral de seu povo, em face dos maus feitos cometidos, seguir o exemplo do ex-presidente do São Paulo Futebol Clube Carlos Miguel Aidar, renunciando aos respectivos mandatos.

Clovis Corrêa Filho correathome@terra.com.br 

São Paulo

*

BODE EXPIATÓRIO

Enquanto a mídia prossegue esfolando diariamente o bode expiatório Eduardo Cunha, Lula perdeu a virgindade depondo no Ministério Público no dia 15/10, sem que a mídia anunciasse. Dizem que o estupro foi consentido, mas, a partir de agora, a porteira está aberta...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

BODE EXPIATÓRIO

O fato de a mídia se concentrar em Eduardo Cunha e nas irregularidades cometidas por ele tira o foco do impeachment da presidente Dilma. Transformaram Cunha em "bode expiatório", enquanto a condição promíscua do governo, do PT e dos políticos aliados envolvidos com desvios de dinheiro da Petrobrás a mídia blinda. É só lembrar que Renan Calheiros, investigado como Cunha, que chegou a desafiar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o Planalto, ao se tornar aliado, caiu no esquecimento, O povo não esquece: renúncia ou impeachment!

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

TODOS O TEMPO TODO?

Assisti com profundo pesar e espanto aos pronunciamentos de vários políticos de diversas denominações ao longo dos últimos dias. Entre as costumeiras falas sem nexo ou conteúdo de nossa presidente eleita, muitos políticos outrora considerados respeitáveis e mesmo uma alternativa aos que aí estão revelaram, finalmente, a que vieram. De fato, não é possível enganar todos o tempo todo.  Ao ler que o "líder" de um partido de "oposição" estava magoado com a atitude da presidente eleita e seus correligionários e mentores, que eram seus amigos, e que ofereceu apoio a este funesto desgoverno, lembrei-me de uma passagem da "Bíblia": não andarão juntos aqueles que estão de acordo? Qual a diferença entre eles? Ou, então, quando lemos a respeito das negociatas sem pudor ao redor do impedimento ou do presidente da Câmara ou da presidente da República; ou, ainda, quando ouvimos a inacreditável desfaçatez do ministro Joaquim Levy ao falar da CPMF - que tentam impor garganta abaixo do povo honesto e trabalhador - para cobrir o rombo das contas dos desgovernos da última década, com suas pedaladas já comprovadas, como se o atual "governo" em nenhum momento tivesse responsabilidade ou culpa pela pior situação econômica dos últimos 35 anos - e ainda fala em tom professoral como um mestre que está repreendendo um aluno teimoso ou indisciplinado. E, a cada hora, temos uma justificativa diferente para tal absurdo - pois a realidade já demonstrou que a CPMF não é necessária: FGTS, saúde, Bolsa Família, etc. Como se já não bastasse, ainda temos de aturar os gastos bilionários com propagandas que tentam jogar areia em nossos olhos com uma realidade fictícia, de contos de fadas - infelizmente, nosso conto de fadas é de terror e de muitas bruxas más e magos do mal. Se o poder emana do povo e em seu nome e benefício deve ser exercido, todos os que estão no Congresso envolvidos em situações duvidosas deveriam ser afastados imediatamente de seus cargos, pois estão ferindo um princípio fundamental de nossas leis e da mais óbvia e valiosa política em qualquer país. Aos juristas de plantão: se eles estão ferindo esse princípio, poderiam ser presos em flagrante?

Priscila de Aquino e Ferro pyscynahh@gmail.com 

São Paulo

*

CRIME CONTINUADO

No editorial do "Estadão" "Crime continuado" (19/10, A3), as tais "pedaladas fiscais" já no primeiro semestre deste ano somaram mais de R$ 40 bilhões (conforme o Tribunal de Contas da União), ou seja, o desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) continua sendo aplicado normalmente pela administração federal. Para este caso, sempre é bom lembrar o parecer dos juristas, e, em especial, do respeitado professor de Direito Dalmo Dallari, para quem esse crime administrativo não tem consistência jurídica para um eventual impeachment  da presidente Dilma, pois não foi cometido em benefício próprio. 

    

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 

Campinas 

*

FROUXIDÃO ELEITORAL

Como sempre, o "Estadão" nos mostra a verdade sobre a política nacional, repleta de desvirtuamentos. Foi brilhante ao publicar "A sem-vergonhice sentou praça", no domingo, dia 18 de outubro de 2015 (página A3). Espero que a cura da grave doença maligna que acomete o País tenha início mediante atuação inflexível das instituições democráticas, Polícia Federal e Ministério Público, desde que libertos de ingerências indevidas de agentes coniventes com a pouca-vergonha. Mas, a meu ver, o tratamento preventivo da doença terá de passar por uma reforma da Constituição, que carece de "filtros" (cláusulas de barreira) que impeçam a chegada ao poder de pessoas não qualificadas para exercer cargos em que devem atuar precípua e exclusivamente em favor do povo. Mais ainda, quanto mais elevado o cargo, maior seria a qualificação exigida, passando, antes, necessariamente, por níveis inferiores da administração pública. O "poste" Dilma Rousseff e o deputado Tiririca são emblemáticos dessa frouxidão eleitoral. Barrar improváveis salvadores da Pátria, enganadores e mal-intencionados não fere a democracia, mas a aprimora. Já encaminhei essa proposta a dois destacados senadores que estão habilitados a tratar do tema no Congresso, confiando em que a levem adiante.

Paulo Eduardo Grimaldi pgrimaldi@uol.com.br 

Cotia

*

'A SEM-VERGONHICE SENTOU PRAÇA'

Gostaria de cumprimentar o jornal pelo editorial de domingo (18/10, A3). A afirmação simples e concisa do que é moral, o relato público do encadeamento dos fatos e a interpretação honesta dos protagonistas são compatíveis com a história de "O Estado de S. Paulo". Em momentos graves como o atual, defender a esperança dos leitores é algo ainda mais nobre e importante. 

Leandro Silveira leandro.silveira@monteirodasilva.jor.br 

São Paulo

*

ADENDO

Meus parabéns a quem escreveu o excelente editorial "A sem-vergonhice sentou praça", mas, apenas no final dele, depois da palavra "história", eu acrescentaria: "ou a continuarem as mordazes urnas eletrônicas, pois, com estas, Lula voltará, certamente!".

Francisco Lameirão chico.lameirao@icloud.com   

São Paulo

*

NÃO PODEMOS MAIS ESPERAR

Todo mundo já sabe o que o PT fez com o Brasil e com os brasileiros. O aparelhamento da máquina pública e o assalto aos cofres da Nação, para enriquecimento pessoal e manutenção do poder, estão tão claros e límpidos que ninguém em sã consciência já não tenha entendido. Apenas alguns coniventes e mal intencionados insistem em negar o fato. O Brasil vive hoje duas situações análogas que pretendem definir o futuro deste país. De um lado, aqueles que sonham com o Brasil melhor e querem passá-lo a limpo; e, de outro, os vilões, os "cegos" e os ingênuos que ainda acreditam na inocência dos mitômanos. O fato é que o Brasil não pode esperar mais. A demora de uma definição prejudica ainda mais a nossa já prejudicada nação. A fogueira de vaidades, o fisiologismo indefectível e os acordos espúrios estão levando nosso país a se afundar a cada dia, uma crise sem precedentes, cuja recuperação submeterá nosso povo a sofrimentos desnecessários. Se houvesse mais patriotismo, ética, seriedade e agilidade dos homens que comandam os destinos desta nação, os verdadeiros responsáveis por esta organização criminosa já estariam atrás das grades e nosso país estaria liberado para sua recuperação.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com 

São Paulo

*

A HERANÇA DOS INTELECTUAIS

Concordo com os assinantes do manifesto Intelectuais contra o Impeachment de Dilma: "A sociedade brasileira precisa reinventar a esperança". Mas só até aí. Para eles, a proposta de impeachment representaria uma violação do princípio do Estado de Direito e da democracia representativa, declarado no artigo 1.º da Constituição federal. E o que diz esse artigo da Constituição? Nenhuma palavra contra o processo de impeachment. Ora, essa mesma Constituição dispõe, em seu artigo 52, que compete privativamente ao Senado Federal processar e julgar o presidente e o vice-presidente da República nos crimes de responsabilidade. Então, onde está a violação à democracia representativa? Contraditoriamente, os assinantes afirmam adiante que o impeachment da presidente seria uma violação às regras do presidencialismo, "pois foi feito para punir governantes que efetivamente cometeram crimes". Afinal, reconhecem ou não que existe previsão legal para o impeachment? Ainda, segundo seus argumentos, haveria violação porque a presidente Dilma Rousseff não teria cometido nenhum crime. Mas, voltando para a Carta Magna, lemos, no artigo 85, incisos V e VI, que são crimes de responsabilidade os atos do presidente da República que atentem contra a Constituição federal, especialmente contra a probidade na administração e a lei orçamentária. Em recente decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), foram reprovadas as contas do governo da presidente de 2014, que "pedalou", em flagrante desrespeito ao estabelecido na Lei Orçamentária. E, na Operação Lava Jato, surgem, todos os dias, indícios e provas do avassalador assalto aos cofres públicos perpetrados por agentes e aliados do governo da presidente. Portanto, não houve "probidade na administração" e a verdadeira violação ao preceito constitucional foi cometida pela própria Dilma Rousseff. Mais adiante, os assinantes afirmam que o impeachment da presidente "abriria um período de vale-tudo, em que já não estaria assegurado o fundamento do jogo democrático". Vale-tudo? E desrespeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal, pode? E a leniência para com a corrupção, pode? Dizem defender o Estado de Direito, mas defendem a impunidade. Como salienta Celso Lafer, em seu iluminado artigo "A verdadeira herança maldita", o Direito, como a disciplina da convivência humana, sempre tem como piso um mínimo ético. Por último, os intelectuais não enxergam prova frontal de crime cometido pela presidente. Ignoram a decisão do TCU, em incrível acinte à inteligência dos brasileiros. O que me deixa mais perplexa é lembrar que estes mesmos senhores se posicionaram a favor do impeachment de Fernando Collor. Sem nenhuma restrição, sem nenhuma vergonha.

Cely McNaughton cely@mcnaughton.com.br 

São Paulo

*

CPI DA PETROBRÁS

CPI da Petrobrás acaba sem indiciamentos ("Estadão", 19/10). Se era para fazer isso, só discutir os problemas e sugerir aprimoramentos, seria melhor nem ter começado e feito este papel ridículo. Bem, esperamos que a Petrobrás não acate as sugestões desta CPI, pois, a julgar pelo número de políticos e de assessores envolvidos no processo apelidado de Lava Jato, as propostas vão direto ao caixa da empresa. Que podemos fazer, senão aprender a votar? O decepcionante é que nenhum partido faz alguma declaração que o salve.

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com 

Bertioga

*

PROVAS

Na situação atual, o PT não pode mais dizer que é honesto, mas tem de provar, por meio da Lava Jato e do excelente e competente juiz Sérgio Moro. Ninguém mais acredita neste ético partido, quando de sua fundação, mas que agora se afundou em corrupção e afundou a Petrobrás, que era orgulho do País. Agora, é uma vergonha e está deixando o povo que investiu nela seu FGTS sem as calças - eu mesmo já perdi as minhas. Falta perder mais alguma coisa? 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br 

Rio de Janeiro

 

*

VOLUNTÁRIOS

O ex-presidente Lula foi ouvido como voluntário pelo Ministério Público do Distrito Federal. Eduardo Cunha também se apresentou como voluntário na CPI da Petrobras, só que, agora, está enrascado. Esperemos que Lula logo esteja na mesma situação. 

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

*

E A VEZ DE LULA?

Claro está para quem pensa um pouco que o tão falado "bilhete premiado" a que Lula se referia a cada vez que anunciava uma grande descoberta de poços da Petrobrás era para ele mesmo, sua turma de políticos e família, nunca para o Brasil e os brasileiros. Nas delações de presos da Operação Lava Jato aparecem muitos dos que obtiveram as benesses da roubalheira que se instalou no País e na Petrobrás, levando ambos a grandes dificuldades financeiras. E agora querem nos fazer pagar por isso aumentando e criando impostos. Além de sabermos que dinheiro roubado da petrolífera foi parar em campanhas eleitorais, estamos sendo informados, aos poucos e com muita parcimônia, de outros bolsos ou contas que receberam a dinheirama. O presidente da Câmara já foi denunciado pelo procurador-geral da União e consta que tem várias contas não declaradas na Suíça. Mas ainda faltam muitos outros a serem denunciados, muitos que ainda não tiveram seus nomes descobertos. Mas o nome de Lula já apareceu em várias ocasiões. Na Odebrecht, conforme já noticiado, nas delações do lobista Fernando Baiano há informações de importâncias para seus filhos/noras. Na de Nestor Cerveró, também. E, ainda, no caso da tal "venda" de medidas provisórias, também lá aparece o nome de Lula e de seus filhos. O seu amigo, que até tinha entrada liberada a qualquer momento no Alvorada, também lá está, com inúmeros fatos e trambiques. Falo daquele pecuarista chamado José Carlos Bumlai, sempre envolvido em situações nebulosas. Por que ainda não existe nenhuma abertura de inquérito contra Lula?

 

Maria Tereza Murray terezamrray@hotmail.com

São Paulo

*

'ZÉ NINGUÉM'

Por gostar de escrever cartas contestando este governo corrupto e permissivo que aí está e de ter algumas delas publicadas no "Fórum dos Leitores" do "Estadão", tenho sofrido críticas e algumas agressões verbais de um punhado de petistas ignorantes aqui, no bairro da Aclimação. Foi o que aconteceu no domingo, por volta das 12h30, quando um carro com quatro pessoas dentro parou por mais ou menos dois minutos em frente à minha imobiliária e gritavam assim: "Ei, 'Zé Ninguém', cale esta boca enquanto há tempo; caso contrário, qualquer dia destes, amanhecerás com a boca cheia de formigas. Entendeu bem ou vai pagar para ver?". Minha vontade foi de responder assim: na realidade, sou uma vítima desta máfia que se apoderou do governo e vive cercada por uma tigrada faminta, que só faz dilapidar os cofres públicos e, cada vez mais, nos transformam, aí, sim, em "Zés Ninguéns" com poder aquisitivo cada vez mais baixo. Mas, como todo bom cabrito não berra, resolvi me calar e aguardar que eles, como um corpo estranho, sejam expulsos do organismo.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

A MINISTRA E OS PLANOS ECONÔMICOS

Cumprimento a jornalista Sonia Racy por seu furo de reportagem ao noticiar que o pai da ministra Carmen Lúcia vai desistir de sua ação pela correção dos planos econômicos, "pelo bem do Brasil", pois isso finalmente permitirá o julgamento dos processos pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), já que ela vai deixar de se declarar impedida e, assim, haverá o quórum qualificado de 8 ministros (do total de 11).

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br  

Campinas

*

ÓTIMA NOTÍCIA

A ministra do Supremo Carmem Lúcia, que em suas magníficas decisões na Corte, como guardiã da democracia, beneficiou milhares de brasileiros, agora terá mais motivos ainda para se orgulhar. É que o seu pai, de 97 anos de idade, quer desistir de sua ação contra os planos econômicos do final da década de 1980 do século passado (informação de Sonia Racy, do "Estadão"). Essa generosa atitude de seu pai, se confirmada, vai permitir que a ministra não mais seja impedida de julgar no STF a demanda judicial de milhares de brasileiros (muitos já faleceram), dando, finalmente, quórum necessário para que se repare, mesmo que com atraso, o prejuízo dos poupadores que se sentem lesados com a correção abaixo dos índices inflacionários da época. Uma ótima notícia e mais um importante legado da família de Carmem Lúcia, como real parceira do bem comum.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FATO CONSUMADO

Já faz um ano que o STF iria julgar os planos Bresser, Collor, etc. Passou para janeiro deste ano, mas, até agora, só se trata de impeachment - e o que o povo quer mesmo é saber destes planos, que, na minha opinião, são fato consumado.

 

Farid Nicolau Lauand manu.2211@hotmail.com 

Araraquara

*

UM ATO DE BEM

É inadmissível que o STF leve tanto tempo para agendar o julgamento das devoluções das correções das poupanças do plano de 1989, dos planos coletivos. Considerando que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgou dezenas de processos individuais, com ganhos de causa de restituições aos poupadores, é inaceitável procrastinar sem motivos o julgamento dos planos coletivos. É preciso reconhecer que tais diferenças são oriundas de aplicações em poupanças advindas de trabalho árduo, sério, ao longo de uma vida de sacrifícios sem tréguas, e não fruto de propinas espúrias e criminosas. É preciso que o STF tome consciência da urgência desse julgamento, como um ato de bem ao povo brasileiro.

Francisco Luiz Villano flvillano@uol.com.br 

São Paulo

*

DOMINGO NA AVENIDA PAULISTA

O prefeito Fernando Haddad, à semelhança do que fez com as intermináveis ciclofaixas, mais uma vez demonstra seu caráter autoritário ao impor o fechamento da Avenida Paulista para carros aos domingos. Se o prefeito almeja sua reeleição, deveria agir com a mesma determinação quando se trata de creches, da saúde e das escolas - considerando as promessas não cumpridas de sua campanha.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

ACORDO DESCUMPRIDO

O Ministério Público Estadual (MPE) não quer a Avenida Paulista fechada e ameaça cobrar multa de R$ 30 mil da Prefeitura. Se a multa é contra a Prefeitura, os munícipes não concordam em reembolsar. Quem estará desrespeitando a ordem do MPE é o prefeito "abusado" que estará descumprindo acordo conforme o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em 2007. É ele que deve pagar... Este prefeito desacata a todos os paulistanos e, principalmente, desobedece a Justiça. No regime comunista - da preferência deste prefeito -, sofreria sanções que poderiam chegar até a pena de morte. A ditadura em nosso país ainda não está oficializada, como "eles" querem, portanto, prefeito, obedeça à determinação do MPE e não crie mais problemas além dos que vem causando para a maioria da população paulistana. Respeite para ser respeitado, para evitar o que está ocorrendo com a "governanta" que a maioria dos brasileiros não aguenta mais. 

 

Fernando Silva lfd.dasilva@uol.com.br 

São Paulo

*

INTENÇÕES ENGANOSAS  

Muito boa a ideia do prefeito Haddad de tornar a Avenida Paulista como área de lazer para todos os "pobres" que moram nas suas imediações. Só rindo...

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

A REVOLTA DOS OMISSOS

Muitos paulistanos que moram nas imediações da Avenida Paulista estão revoltados com o cerceamento do seu direito de ir e vir com seus veículos aos domingos. O prefeito argumenta que mais de 60% dos entrevistados apoiam o fechamento da avenida para lazer aos domingos, mas essas pessoas moram nas imediações? Frequentam a avenida? Ou simplesmente votaram no prefeito? Assisti a uma repórter carioca elogiar a nova "praia dos paulistas", mas ela quase nunca vem a São Paulo e talvez nunca na vida foi à Avenida Paulista. Muitos alegam que os beneficiários do Bolsa Família votam no PT com medo de perder os benefícios, pois dessa mesma forma deveriam agir os que não querem que seus direitos sejam limitados ou extintos pelos políticos petistas demagogos, e votarem nos políticos que os representa, em vez de se omitirem nas eleições. Estes revoltados omissos não votam, aproveitam o feriado para passear na praia, no interior e, desta forma, delegam aos que exercem o dever cívico de escolher seus governantes, mas após as eleições assumem o comportamento crítico revoltoso. Atualmente, 90% desaprovam o desgoverno Dilma, mas nas últimas eleições mais de 20% anularam o voto ou votaram em branco. Apenas 5% desses omissos poderiam fazer a diferença.

Vagner Ricciardi vb.ricciardi@gmail.com 

São Vicente 

*

PIQUENIQUE NA PAULISTA

Sinceramente, tento entender o que leva as pessoas a irem deitar-se na pista da Avenida Paulista para bronzear-se ou fazer piquenique, enquanto existem os Parques Ibirapuera e Villa Lobos, arborizados, ou até mesmo a Praça da República, onde bastaria cobrar a Prefeitura para que fosse mantida limpa e policiada, para se tornar um local mais que agradável. 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br 

São Paulo

*

IGUALDADE

Haddad tentou recuperar o velho centro degradado e, como não conseguiu, quer degradar a Avenida Paulista. Assim a cidade vai ficando mais igualitária, como querem os petistas.

Delpino Veríssimo da Costa dcverissimo@gmail.com 

São Paulo

*

ABSURDO

A Avenida Paulista, além de uma zona empresarial, é também um espaço público onde existem inúmeras opções de lazer como shoppings, teatros, cinemas, museus e grandes livrarias. O fechamento arbitrário dela nada mais é do que uma forma de discriminar seus moradores, que terão - imaginem o absurdo - de se cadastrar, como se fossem pessoas suspeitas, para circular de carro nas imediações de sua casa aos domingos. Nossa cidade conta com parques e ruas de periferia que estão em estado de abandono. Por que não revitalizar esses locais? Quanto à total indiferença com relação à rede hospitalar que se situa na avenida e aos cidadãos que poderão necessitar de um atendimento de urgência, a medida demonstra bem o sentimento de quem não precisa se preocupar com isso, já que, se for necessário, o hospital a quem recorrerão mandará um helicóptero.

Vera Bertolucci vbertolucci@yahoo.com.br 

São Paulo

*

TUDO PELO MARKETING

A grande especialidade desta gestão é a prestidigitação. Ao mesmo tempo que mostra alegremente seus "grandes" feitos, o prefeito "Raddard" interrompe a inspeção veicular, sem fazer uma transição contratual para outras empresas, descontinua o serviço (que poderia muito bem ser complementado agora, com a inclusão da inspeção dos itens de segurança); finge que não vê a evasão de 1,5 milhão de veículos do licenciamento anual (esses não pagam multas de excesso de velocidade!); ignora a Lei 14.933/2009, de substituição gradual, até 100% em 2018, da frota de ônibus por energias não fósseis, sem nem sequer acenar com algum tipo de pacote de requisitos de compensação ambiental, como, por exemplo, adoção massiva de filtros de particulados nos ônibus a diesel atuais - como fez Santiago, Bogotá, Cidade do México e muitos outros municípios; ignora a obrigatoriedade da lei municipal que obriga a instalação desses filtros adaptados em todos os motogeradores a diesel da cidade; deixa de construir os corredores avançados de ônibus (BRTs) na cidade - já deveriamos ter, no mínimo, umas quatro ou cinco linhas. Enquanto isso, com a mão visível, distrai a opinião pública e os adolescentes da imprensa com esta discussão estéril do uso da Paulista para lazer (conveniente símbolo subliminar do poder político), enquanto o centro velho da cidade, que apodrece, poderia ser o grande foco de um inédito programa de lazer e miscigenação social aos domingos, sem atrapahar nenhum eixo de tráfego importante da cidade. E, por fim, pinta faixas multicoloridas fora de padrão no solo da cidade, troca milhares de placas de limites de velocidade e instala milhares de radares milionários, alardeando que está resolvendo todos os problemas de segurança viária. Tudo visa ao marketing político, muito pouco ao desenvolvimento urbano sustentável. 

 

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br 

Cotia

*

ELE QUER É APARECER

Vemos o prefeito Haddad teimando e sendo multado por fechar a Avenida Paulista aos domingos e uma celeuma em torno deste caso. Ocorre que São Paulo não vive dos "riquinhos" que vão bailar na avenida mais famosa de São Paulo. O prefeito aprendeu com seu padrinho ex-presidente que o povo que se dane, o importante é aparecer. Isso numa cidade com centenas de avenidas carentes de lazer, de bairros carentes abandonados e de pessoas invadindo mananciais na Represa Billings, construindo casas onde antes era rio, estragando e poluindo as águas - sem falar das desgraças após as chuvas. Enfim, a multa irrisória de R$ 30 mil não vai deter o prefeito mais chato da história do mundo. 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br 

São Paulo

*

MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ESTADUAL

Ainda que tardia, é uma boa medida o fato de a Secretaria Estadual de Educação dividir os alunos por faixa etária nas escolas, pois a qualidade das aulas tende a aumentar, ao passo que a violência nas escolas, a diminuir. Já se afirmou, inclusive, que unidades não serão fechadas, mas, sim, disponibilizadas para outras atividades educacionais, como a implantação de creches, Etecs e Fatecs. É necessário que o maior sindicato que representa os professores (Apeoesp) revise com urgência suas prioridades, enquanto entidade de classe, deixando de promover distorções recorrentes, ganhando com isso não só professores e alunos, mas uma parcela significativa da sociedade.

Maria Lucia Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com     

Piracicaba

*

PROTESTO DOS ALUNOS

Alunos do ensino médio estão trabalhando contra eles mesmos, viraram massa de manobra dos terroristas da Apeoesp, que contrataram os black blocs para praticarem o terror. A Apeoesp já provou e comprovou que não tem compromisso com a qualidade do ensino.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 

São Paulo 

*

HADDAD, ALCKMIN E A TRANSPARÊNCIA

Lamentável que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) tenha se juntado ao governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), na decretação de sigilo sobre atos públicos, violando os princípios da transparência e publicidade e o direito à informação dos cidadãos e da imprensa. Alckmin determinou o sigilo por vários anos de documentos e contratos de transportes dos trens e metrô, Sabesp e Polícia Militar. Um absurdo. Depois foi a vez de Haddad determinar o sigilo por cinco anos de atos envolvendo a Guarda Civil Metropolitana, incluindo imagens de câmeras nas ruas da cidade. Quem não deve não teme. Transparência deveria ser algo defendido por todos, numa verdadeira democracia. Quem quer sigilo, segredo e vetar o direito à informação aos cidadãos, certamente, tem algo a esconder.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

*

EXPLOSÃO NO RIO DE JANEIRO

Uma pizzaria explodiu no Largo da Cancela, em São Cristóvão, na madrugada de segunda-feira. O local ficou parecido como uma praça de guerra. Moradores reclamam de que sentiam cheiro de gás na localidade e a pizzaria tinha bujão de gás. Um comerciante disse que reclamou a vários órgãos estaduais e municipais, mas ninguém tomou providência. E o jogo de empurra já começou. A Defesa Civil disse que não é competência dela fiscalizar edificações. A pizzaria estava com suas documentações em dia? Licença, vistorias, etc.? Querem apostar como não vai dar em nada?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

'COZINHA CAMARADA'

O sociólogo Carlos Alberto Dória mostrou, em sua entrevista ("Cozinha camarada", "Aliás", 18/10), um viés ideológico por meio do qual ignora um aspecto relevante na sociedade brasileira: o começo do fim de forte cultura escravista e do preconceito para com as ocupações que cuidam do "servir" e aproxima a classe média de ocupações antes tidas como "coisa de pobre" e, ao mesmo tempo, propicia às pessoas de classes menos abastadas maior possibilidade de reconhecimento e ascensão. Esse é um dado importante na história recente da culinária e da gastronomia. No anos 1980, coordenei estudos sobre diversas escolas de culinária na Europa Ocidental e da América do Norte visando a parceiros para curso de formação mais sólida nesta área no Brasil. A opção foi pelo CIA, The Culinary Institute of America, fundado em 1946. Em parceria com eles, e contando com a ajuda local de Laurent Suadeau e de outros renomados chefs, o Senac de São Paulo, para quem eu trabalhava à época, lançou em 1994 sua primeira turma do Curso de Cozinheiro Chefe Internacional. Eram 32 estudantes. E apenas dois não tinham curso superior completo. Esse programa foi um divisor de águas nesta área da educação profissional. E definitivo na cultura das pessoas como alternativa de escolha profissional. Já os concursos de culinária da TV são o que são. Ponto. Mas têm a vantagem de tirar a ocupação de cozinheiro (chef é outro estágio) "da porta da senzala", trazendo-a para a sala de visitas das famílias. Cozinha como integração e socialização é saudável e diplomática. Concursos são caminhos para sedimentar também a meritocracia. E há muito o que estudar e discutir sobre cozinhas regionais e suas influências em razão da imigração. Da mesma forma como a influência da "mão do escravo" na comida que ele, supostamente, não podia criar.

José Ruy Veloso Campos jruyveloso@hotmail.com 

São Paulo 

*

'QUEM MANDA NO MAR'?

Li com tristeza e angústia, no "Estadão" de domingo, o artigo acima intitulado, pensando em quem cuida do nosso imenso mar e que condições o governo tem dado à nossa Marinha? Será que há algo subentendido nestes acordos "comerciais" com a China? A Argentina já abriu espaço para controle aéreo com os chineses...

Mario Zanni mzanni@terra.com.br

São Paulo

*

HORÁRIO DE VERÃO

O governo brasileiro informou que vai economizar R$ 7 bilhões com o horário de verão este ano. Esse valor inclui os investimentos que precisam ser feitos no sistema elétrico do Brasil. Linhas de transmissão precisam ser construídas com urgência, para interligar novas estações eólicas ao sistema elétrico brasileiro. Várias subestações e usinas precisam ser modernizadas, pois têm equipamentos ultrapassados. O problema atual será escondido embaixo do tapete e a solução será cada vez mais cara no futuro, pois a demanda cresce a cada dia. Em 2014, o governo estimou uma economia de R$ 278 milhões. Qual é o prejuízo causado por um blecaute no País? Portanto, os importantes empreendimentos no sistema elétrico não serão feitos e a presidente Dilma apresentará um valor 20 vezes maior do que a economia real que poderá ser alcançada.

    

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte 

*

FINALIDADE

Faltou melhor divulgação do horário de verão. A finalidade, sem dúvida, não é econômica. Esta ideia veio, há tempo, nos países democráticos, visando a dar melhores condições de vida à população, com o aproveitamento dos dias mais longos e começando quando o calor diário ainda está ausente. A perda é de apenas uma hora no primeiro dia, que será compensada no final. Não existe a falta de uma hora durante o período, podendo afetar o desempenho das pessoas. Tem toda razão a jovem pesquisadora Maria Camila, que consegue aproveitar o dia.

José Erlichman joserlichman@gmail.com 

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.