Fórum dos Leitores

.

O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2017 | 03h08

PREFEITURA PAULISTANA

Fogueira de vaidades

Alguém precisa dizer ao prefeito João Doria que a cidade de São Paulo espera dele muito mais que meras medidas paliativas e pirotécnicas. Não se viram até agora planos para os córregos que precisam ser canalizados, nem para a eliminação de áreas de risco, que já fizeram várias vítimas neste verão. Quanto à sua quizília com os grafites, seria útil ele tomar umas aulas de História da Arte no Masp, aprenderia a distinguir as diferentes escolas e os diversos gêneros da pintura. Chega de bobagens!

ELIAS DA COSTA LIMA

edacostalima@gmail.com

São Paulo

Pichação

Interessante matéria do jornalista Celso Filho sobre pichação e a “falta de diálogo” com a Prefeitura. Como alguém de bom senso pode achar isso “arte”? Como diz o prefeito Doria, a população não autorizou a pichação em seus imóveis. Agora, se alguém considera arte emporcalhar a cidade, sinta-se à vontade para convidar os “artistas” a pichar suas salas, fachadas, etc.

NILZA LARA

nilza_lara@hotmail.com

São Paulo

Responsabilização financeira

Embora discorde da ação de “apagar” os grafites na 23 de Maio promovida pela Prefeitura, evidentemente concordo com a batalha contra os pichadores. Seria importante poder responsabilizar – sobretudo financeiramente – essas pessoas ou seus tutores legais. Isto é, fazer as despesas para limpeza correrem por conta de quem cometeu o delito, respeitado todo o processo legal. Além da prestação de serviços comunitários, como pintar muros de escolas, por exemplo. Importante que o tempo entre a infração e a punição seja mínimo. Ademais, quem quiser ver como o grafite é, de fato, uma forma de arte visite o Beco do Batman, na Vila Madalena.

HAROLDO SILVA

haroldoeconomista@gmail.com

São Paulo

Inundações

Faço questão de dizer que votei no prefeito João Doria, porque me inspirou confiança, e continuo acreditando na sua retidão e nas investidas pela moralização da administração pública municipal. Isso, porém, não me impede de criticar o que eu vir de errado. Desde 1950 observo que a cada chuva forte São Paulo inunda e atrás disso vêm as imensas perdas materiais e até de vidas. Os prefeitos anteriores gastaram fortunas para esse fim e nada resolveram, São Paulo continua inundando a cada chuva. Por isso pergunto se o prefeito Doria tem ou pretende elaborar um projeto para realmente solucionar esse grande problema, que nos martiriza, ou continuará com as obrinhas de sempre. Precisa falar sobre isso.

BENONE AUGUSTO DE PAIVA

benonepaiva@gmail.com

São Paulo

LAVA JATO

Divergências no STF

Acerca da matéria Ministros do STF divergem sobre relatoria da Lava Jato, o melhor seria a própria presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, homologar as 77 delações da Odebrecht ainda no recesso, tendo em conta a urgência da demanda, e nomear relator o decano Celso de Mello, ministro revisor da Segunda Turma, que, além de culto, preparado e experiente, não é alvo de desconfiança da sociedade, sendo, portanto, o mais qualificado para tal mister.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Na Segunda Turma, um ministro rasga a Constituição, outros são chegados a holofotes, outro fica a anos-luz da competência de Celso de Mello. O Brasil inteiro não tem dúvida de quem tem de ser o relator.

OSVALDO CARNEIRO FILHO

osvaldo.carneiro@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

LULOPETISMO

A ficção do PT

Li o editorial PT mergulha na ficção (23/1, A3) e concordo plenamente com o que nele está escrito. Lembro-me de quando fui convidado por duas vezes, nos anos 1980, para participar de almoços num famoso restaurante de São Bernardo do Campo, por um amigo do Sindicato de Farmácia. O PT já havia sido fundado e Lula adorou ser o presidente do partido. Já então reunia no seu entorno figuras notoriamente detestáveis. Nas duas vezes me deram o folheto para preencher e entrar para o partido, mas após ver e ouvir os que lá estavam não o fiz. Quero salientar que os planos já eram tomar conta do Brasil, tanto que, no final de seu discurso, já mamado, Lula disse que dentro de aproximadamente 20 anos o Brasil seria deles. Depois de tantas mentiras e falsidades que declarou, conseguiu enganar muita gente e conquistar a Presidência do País. Hoje vemos o estado em que deixou o Brasil. Cultua o bolivarianismo e o totalitarismo, como o cubano, que deixaram Cuba e Venezuela em estado deplorável. Agora, na próxima convenção de abril, quer ser lançado novamente candidato à Presidência e os notáveis “intelectuais” do PT desejam encontrar uma forma de que seu antigo eleitorado, já ciente de todo o malefício que lhe foi causado por Lula e sua turma, seja enganado novamente.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

21,2% de desemprego

No 6.º Congresso do PT, que se realizará com o que sobrou do partido em São Paulo, como será que os petistas se vão manifestar diante da nova pesquisa feita pelo Credit Suisse, que somou aos desempregados as pessoas que desistiram de procurar trabalho ou vivem de bico, elevando a 21,2% a taxa de desemprego, quase o dobro da oficial? O Brasil está em sexto lugar no mundo em desemprego. Temos a certeza de que, mesmo diante dessa herança maldita dos 13 anos do lulodilmismo, eles continuarão com a cantilena de que “o PT tirou o povo brasileiro da miséria” e que a culpa de todo esse desemprego é dos quatro meses do governo Temer... É o PT sendo PT. Será que ainda terão empregados a convencer? A conferir.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

A ética petista

Ana Maria Quaiato, secretária parlamentar do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), é uma das pessoas que difamaram o então candidato a presidente Aécio Neves, na campanha baixa do PT e da Dilma. E, pior, tiveram a ajuda da estatal de telecomunicações de Cuba! Por que tinham tanto medo de perder a eleição, a ponto de apelarem para tal expediente? Foi por causa das falcatruas que deixaram o País falido e a Petrobrás arrombada? O PT tem, sim, de sumir do mapa do Brasil, não merece mais nenhum crédito. Os petistas não sabem perder e só querem é se dar bem.

ANTONIO JOSÉ GOMES MARQUES

a.jose@uol.com.br

Rio de janeiro

“O PT está amarrando seu futuro no Lula, por falta de opção política. Vai com ele rumo à insignificância, insistindo no vale-tudo político. Fim da linha...”

LUIZ FRID / SÃO PAULO, SOBRE 

O DESTINO DO LULOPETISMO

luiz.frid@globomail.com

“Aviso a Doria: antes de aumentar a velocidade nas marginais, reforme as pistas. Caso contrário, acidentes acontecerão”

SÉRGIO BRUSCHINI / SÃO PAULO, SOBRE A NOVA POLÍTICA VIÁRIA

bruschini0207@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OPERAÇÃO ENROLAÇÃO

A manchete da página A6 do "Estadão" de domingo (22/1), "Pasta da Justiça trava acordo com a Suíça", já foi suficiente para nos alertar de que está em curso a "Operação Enrolação", para começar a minar a Operação Lava Jato. E o mais revoltante é que essa operação está sendo tratada pelo Executivo do Brasil. O procurador-geral da República viajou para a Suíça e conseguiu que aquele país, em cujos bancos estão depositados US$ 190 milhões produto do assalto praticado aos cofres públicos brasileiros, cooperasse para acelerar a conclusão das investigações, levantando a identidade dos suspeitos e tratando de acordos de delação premiada. Estranhamente, o governo brasileiro, para dar prosseguimento à parceria, pediu o nome de suspeitos e a lista de potenciais alvos que poderão vir a ser investigados. A condição causou estranhamento e o pedido não foi acatado, informa a reportagem. Ora, outra não poderia ter sido a atitude do governo suíço, pois a exigência é escandalosamente suspeita, tendo em vista que inúmeros membros do atual governo e parlamentares tiverem seu nome arrolado nas delações premiadas. Relata a matéria que, de início, o governo Temer concordou com a proposta. Ora, é evidente que não tinham outra alternativa, senão concordar, mesmo sabendo que muitos da atual equipe teriam o mesmo fim daqueles que já se encontram hospedados na Polícia Federal de Curitiba. Assim, só lhes resta o que popularmente é conhecida como "Operação Enrolação". Todos sabemos da morosidade da nossa Justiça e, no caso, agravada pelo número elevado de envolvidos. Até serem esgotadas todas as chicanas permitidas, em muitos casos o prazo máximo para as eventuais condenações terá ultrapassado e os processos serão extintos. Simples assim. E o atual ministro da Justiça ainda aparece como eventual substituto do pranteado ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, relator do processo da Operação Lava Jato, que faleceu em lamentável acidente aéreo em Paraty na semana passada. Só nos faltava essa. É necessária atenção constante sobre os futuros acontecimentos, para que não consigam repetir o que aconteceu com a Operação Mãos Limpas na Itália, pois o cheiro de pizza já é forte.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

MEDO DA LAVA JATO

Pasta da Justiça trava acordo com a Suíça, e as autoridades de Berna não entenderam o motivo do entrave, porque talvez não saibam que o governo brasileiro - leia-se Michel Temer "et caterva" - tem medo das investigações da Lava Jato. Quanto ao sr. Alexandre de Morais alegar que não sabia do acordo, será que aprendeu a mentir com Lula? Felizmente, foi indiretamente tachado de mentiroso, visto que desmascarado pela segunda vez. Só espero que não venha a ocupar a vaga deixada por Tori Zavascki no STF. Seria uma afronta à memória do ex-ministro.

Marisa Bodenstorfer baica53@googlemail.com

Lenting, Alemanha 

*

UMA CERTEZA

Mais uma vez perdemos a oportunidade de passar o Brasil a limpo. Os rascunhos das decisões do ministro Teori Zavascki sobre os envolvidos na Operação Lava Jato, infelizmente, morreram com ele. De uma coisa tenho certeza: a bandidagem envolvida nas falcatruas, na corrupção, nos desvios e nas propinas na Petrobrás ganharam uma trégua que poderá se estender por um longo e bom tempo.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

DESAFIO AO STF

 

A morte repentina e trágica do ministro Teori impõe, a partir de agora, um grande desafio institucional ao STF. Além de escolher um novo relator para a Lava Jato, a última instância do Poder Judiciário terá de garantir a transparência e a lisura do processo. Embora os brasileiros tenham de acreditar na seriedade e no compromissos de nossas instituições, é indispensável dizer que há, com legítimo direito, certo receio quanto ao novo relator. Paira sobre o Judiciário o temor social em relação à punição dos envolvidos e celeridade na condução e conclusão dos processos. Além disso, o novo ministro será indicado pelo agora presidente Michel Temer, um dos citados nas investigações em curso. Enfim, o Supremo terá de enfrentar um desafio e tanto. Resta-nos saber se não haverá risco em sua imagem de guardião da Constituição e dos princípios democráticos.

 

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

RAPIDEZ, POR FAVOR

Quase todo o atual STF foi nomeado pelo lulodilmismo. Foram escolhas praticamente feitas sem o perfil técnico e com segundas intenções. Isso resultou num STF com perfil mais político, e, como a Lava Jato julgará "políticos corruptos", torna-se enorme a responsabilidade da ministra Cármen Lúcia na escolha do substituto do ministro Teori Zavascki na relatoria da Lava Jato. Se ela fizer uma escolha lógica, baseada nos atuais colegas da Corte, acertará. Retiram-se a meia dúzia de estrelas deslumbradas, loucas por holofotes, e os já conhecidos petistas de carteirinha. Sobram dois ou três comprometidos com nossa Constituição. Precisamos de rapidez na escolha, porque a briga interna na Corte já começou. "Estrelas deslumbradas versus petralhas". O Brasil espera ansioso pela decisão lógica e técnica, porque as aves de rapina já rondam o País novamente.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O FUTURO DA LAVA JATO

 

Como os demais, mas em particular pelas suas notórias posições políticas, os ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli poderão, se escolhidos para a relatoria da Lava Jato, se quiserem, barrar investigações. Seria um desastre para o País, neste momento de tanta desesperança, que a escolha da ministra Cármen Lúcia recaia sobre pessoas sem o respaldo da confiança da opinião pública. Que a sabedoria ilumine sua decisão.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

EVITEMOS TUMULTOS

Exma. ministra Cármen Lúcia, presidente do STF., na difícil escolha do substituto do relator Teori, o que a sra. acha de usar o critério de valorizar o conhecimento jurídico com a escolha do decano Celso de Mello, com a certeza da aprovação da  comunidade? Outro membro do tribunal poderá provocar protestos num Brasil já tão tumultuado. 

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com

Itapetininga

*

A UM PASSO DA FÚRIA

Caberá unicamente à presidente do Supremo a indicação do novo relator dos processos da Lava Jato, que terá a dificílima tarefa de substituir o ministro Teori Zavascki, como ficou claro aqui, em Porto Alegre, inclusive pelo pronunciamento nesse sentido feito pelo presidente em exercício, Michel Temer, de que só indicará nome para a vaga do Supremo após a ministra Cármen Lúcia designar o novo relator. Confiamos na presidente o STF como confiávamos no íntegro ministro Teori Zavascki. São nove ministros, mas não há dúvidas de que só o ministro Luís Roberto Barroso é o nome certo para essa importantíssima tarefa. A nação brasileira inteira está de olho nos desdobramentos da brutal crise de desconfiança que a inaceitável morte de Teori Zavascki gerou. Executivo e Legislativo não têm mais nenhuma credibilidade. Só nos resta o Judiciário! Acautelai-vos com os idos de março! A população brasileira está a um passo da fúria irracional. Não subestimem nossa raiva!

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

A LAVA JATO EM PERIGO

O "Estadão" de domingo (22/1) mencionou: "Cármen Lúcia indica que relatoria da Lava Jato será dada a atuais ministros". Como cidadão, espero que a presidente do STF tenha o bom senso e a visão de futuro no sentido de não indicar como novo relator algum ministro sobre o qual possa pairar a menos dúvida com relação à importância histórica da Lava Jato ou já ter assumido posições desfavoráveis no combate à corrupção iniciado com o processo do mensalão. Desta forma, parece-me que os componentes da 2ª. Turma não deveriam ser considerados: Celso de Mello já se declarou contra a prisão dos condenados na segunda instância; Gilmar Mendes foi frontalmente contra as 10 Medidas contra a Corrupção; e sobre Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski é desnecessário qualquer comentário em face de sua atuação no processo do mensalão. Desta forma, peço a todos que leem esta carta que façam chegar à presidente do STF nossa preocupação, bem como um apelo para que promova a migração de um ministro da 1ª. Turma para a 2ª. Turma, indicando-o como relator da Lava Jato.   

Francisco Paulo Uras francisco.uras@uras.com.br

São Paulo

*

RELATORIA DA LAVA JATO

Gostaria de saber por que o nome do ministro Luiz Roberto Barroso não está sendo indicado para substituir Teori Zavascki, visto que é o que tem um perfil mais próximo do ex-ministro. 

Beatriz Arruda tiza.a@icloud.com

Florianópolis

*

MINHAS FÉRIAS

Seria ótimo se os ministros do Supremo Tribunal Federal tivessem de escrever uma redação contando suas aventuras nas férias. Já sabemos que pelo menos um dos ministros estava advogando para um réu no STF. Não é difícil de imaginar que uma ou duas de Vossas Excelências tenham passado as férias na Bahia, quem sabe até se hospedando na casa da família Odebrecht. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

DESCONFIANÇA

A triste morte do ministro do STF Teori Zavascki, até o momento indefinido se acidental ou não, indignou toda a sociedade brasileira, jornalistas, mídia em geral, etc., mas algo subliminar ficou claro na dificuldade de substituição do ministro: a desconfiança geral na Justiça brasileira para substituir um magistrado.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

SIGILO

Se é bobagem esta teoria da conspiração, por que a Justiça decretou sigilo nas investigações sobre o acidente em que morreu Teori Zavascki? Só falta judicializar o jogo de truco...

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

ESPECULAÇÕES

Fatalidade ou sabotagem? As especulações são duras e dramáticas, mas não podem ser afastadas. Não é cômodo nem fácil tratar da morte do ministro Teori Zavascki sem analisar os mais complexos aspectos envolvendo a figura profissional do vigoroso ministro do STF. Ações da Lava Jato eram de responsabilidade de Teori. O ministro atuava com rigor fundamentado nos autos, como deve proceder todo magistrado da Suprema Corte. Centenas de poderosos empresários e políticos estavam sob o crivo e espada do rigoroso Teori Zavascki. O Brasil acompanhava com interesse as ações e decisões de Teori. Com sua morte, fica a impressão de que se abriu um buraco de desesperança nos corações dos brasileiros. Tomara que seja desmentido pelos próximos fatos e passos do episódio. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Há algo de estranho, sem dúvida! Estou perplexo com a falta de informações técnicas nas notícias publicadas pela imprensa sobre o voo que matou o ministro Teori Zavascki. O avião acidentado é um Beechcraft King Air C90, moderno turbo-hélice, que possui quase todos os instrumentos necessários para navegação em segurança. Possui rádio, instrumentos de navegação do tipo NDB e VOR, altímetro, ou seja, o essencial para um voo tranquilo, ainda que com visibilidade reduzida. No entanto, até o momento, não se conhece quase nada sobre a trajetória do avião na aproximação de Paraty nem o plano de voo seguido com contatos feitos nos pontos de apoio ao longo do trajeto. É inacreditável o silêncio do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) sobre todos esses detalhes. Depois dizem que os que, como eu, apresentam questões desse tipo são adeptos de teorias da conspiração. Transparência é o que está faltando neste caso.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

APOSTAS

Nosso país vive um período obscuro e trágico. Temos convulsão social, revolta em presídios, políticos corruptos, governo titubeante, ex-presidentes dando declarações obtusas, oportunistas usando a desgraça alheia como massa de manobra e mortes misteriosas (ou acidentais?). Muito se falará sobre o trágico acidente que vitimou o ministro Teori, e nós perguntamos qual das quatro hipóteses que envolvem acidente aéreo será verdadeira: falha mecânica; falha humana; condições atmosféricas; ou atentado? Façam suas apostas.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo 

*

ERRO

O piloto que carregava Teori e mais três pessoas errou mesmo ou foi induzido ao erro por gente interessada na Lava Jato?

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

NINGUÉM SABERÁ

Que ninguém se engane, mesmo que se comprove 100% que houve sabotagem no avião que matou o ministro Teori Zavascki, jamais será divulgado. Até porque, se o fizerem, será o mesmo que passar um atestado da total falência da nossa República. Isso como se já não bastassem as constrangedoras imagens, parecidas com as que costumamos ver em países como Colômbia e Venezuela, de soldados do Exército patrulhando ruas de grandes cidades, no caso do Brasil, no Estado do Rio Grande do Norte. 

?

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

NOTÍCIAS INFUNDADAS

Neste país a internet é totalmente sem lógica, e histórias são inventadas sem um mínimo de fundamento. Acabo de receber uma mensagem que diz que a conversa do piloto com a torre foi apagada da caixa preta - como vimos, nem caixa preta o avião tinha. São dados infundados que só complicam as informações que tumultuam nosso dia a dia, sem nenhum sentido. Nós precisamos saber a verdade, doa a quem doer, mas é fundamental que sejam verdadeiras.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

TEORI ZAVASCKI

Que a vereda trilhada com precisão, imparcialidade e coragem irretocáveis por tão virtuoso julgador não seja esvanecida, mas, sim, tomada como parâmetro na busca de um país melhor!

Maria Lydia Rangel Ranzani lydiarangelranzani@gmail.com

São Paulo 

*

O PT QUER CARGOS

O PT saiu do poder? Não de todo, pois a máquina do governo ainda não foi totalmente "despetizada", e, mesmo assim, o partido continua a demonstrar avidez por novos cargos na Câmara e no Senado para diminuir o impacto da derrota humilhante nas urnas em 2016 - o que está provocando uma preocupante debandada. Assim, por meio de acordos, o PT tenta garantir pelo menos 100 cargos no Congresso Nacional para acomodar o seu pessoal que está meio desbaratinado. Entre os cargos, nada menos que as primeiras secretarias da Câmara e do Senado, o que lhe garantiria controlar, com as duas, um orçamento de mais de R$ 10 bilhões e cargos que pagam de R$ 17 mil a R$ 22 mil por mês. Na verdade, o PT de Lula está querendo refazer seu caixa... Depois de tudo, quem confia em deixar o PT cuidando de um orçamento tão vultoso? É colocar a raposa cuidando do galinheiro! Mas Rodrigo Maia conta retribuir o apoio do PT para conseguir se manter na presidência da Câmara! Espero que os sonhos de ambas as partes sejam frustrados.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

UMA ESTRANHA VIAGEM

Depois de provocar uma das maiores crises da história republicana brasileira, quer no campo moral, quanto no institucional, econômico, político e social, que redundou numa queda abrupta do PIB, em recessão, descrédito internacional e desemprego de 12 milhões de brasileiros e brasileiras, a ex- presidente Dilma Rousseff mostra-se insensível perante o povo. Segundo o artigo do jornalista Lauro Jardim publicado no jornal "O Globo" de domingo (22/1), o ano passado foi barra-pesada para a população e os medicamentos antidepressivos foram responsáveis pelas vendas de R$ 3,4 bilhões, só perdendo para os analgésicos, que venderam R$ 3,8 bilhões. Na semana passada, o "Diário Oficial" da União publicou autorização para que Dilma Rousseff viajasse com cinco auxiliares para uma excursão de duas semanas pela Europa. No sábado, 21 de janeiro, ela desembarcou na Itália. Certamente, será para falar mal do Brasil e dizer que sofreu um "golpe" de Estado. Essa sua atitude prejudica muito o País perante a comunidade internacional, afastando os investidores estrangeiros e prejudicando muito a nossa já combalida economia. Ela vai de encontro ao artigo 8 da Lei 7.170/83, cometendo crime de lesa-pátria. Dilma Rousseff parece ser sociopata (egoísta e com falta de consciência), psicopata (incapaz de demonstrar arrependimento e remorso. Sente prazer em causar sofrimento aos outros) e mitomaníaca (tem impulsão em mentir sempre). Como pode uma pessoa com uma aposentadoria que não chega a R$ 30 mil líquidos bancar esta "gentileza" para com os cinco auxiliares, com um tour de duas semanas pela Europa? Depois se diz inocente no caso da aquisição da refinaria ferro-velho de Pasadena, que causou um prejuízo de U$$ 2 bilhões aos cofres públicos. Que o Ministério Público Federal e a Polícia Federal apurem com rigor as roubalheiras desta pessoa, que infelizmente ocupou a Presidência da República por seis anos.

Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

'PRESIDENTA' AINDA EM CENA

Por razões que a própria razão conhece, o povo, na sua grande parcela, não deposita toda a sua fé na equipe montada no governo pelo presidente Michel Temer. É bem verdade que os entraves deixados pela horda petista desafia até mesmo alquimistas e Mandrakes da vida real. O que o homem não pode admitir, seja Eremildo, o Idiota, seja um PhD em Ciências Econômicas, são atitudes que acontecem no governo e que batem de frente com o que cada membro deste governo apregoa aos sete ventos. Dilma Rousseff sofreu impeachment, perdeu o cargo de presidente, sem perder direitos políticos por obra e graça do ministro Ricardo Lewandowski, mas não perdeu as mordomias. Recentemente, o "Diário Oficial" autorizou-a a viajar com cinco auxiliares para um passeio de duas semanas pela Europa. Acreditem se puder: no despacho autorizando o tour, Dilma é tratada duas vezes por "presidenta". Seria a presença de inquilinos petistas no condomínio do Planalto não descobertos pela equipe de Temer ou é pura incompetência mesmo? Só não é admissível.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

EM PLENA CRISE...

Completamente incongruente a notícia de que a ex-presidente Dilma foi autorizada, segundo nota do "Diário Oficial" da União, a fazer um tour de duas semanas pela Europa com o dinheiro público. É incompreensível essa atitude do governo federal, em plena crise econômica, carcerária, jurídica, etc., etc., etc., com uma cidadã que não é mais presidente e que, apesar de ter seus direitos políticos ardilosamente mantidos pelo ministro Lewandowski, não merece ter férias e viagens à Europa à custa da viúva. Isso é um absurdo! Eu também quero viajar, ficar duas semanas no exterior, porque sou um cidadão como Dilma, com os mesmos direitos, com nenhum óbice que me impeça solicitar uma viagem destas. Pago todos os meus pesados impostos em dia e meu Imposto de Renda está limpo, sem nenhum problema de malha fina. Quem será que autorizou essa insensatez?

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

RETRATO AMPLIADO

A ex-presidente vai a três países da Europa falar no Seminário Capitalismo Neoliberal, Democracia Sobrante. Na palestra inaugural, "O Ataque à Democracia no Brasil e na América Latina", denunciará o "golpe". Vai falar mal do Brasil, expondo a péssima situação do povão. Tem gente que critica essa atitude, mas eu a aprovo, porque vai mostrar o retrato ampliado do nosso país, onde os membros dos Três Poderes embolsam o que o povo paga de impostos, resultando no noticiário mundial sobre injustiças, insegurança, má educação, etc.

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

VIAGEM À EUROPA

Podemos culpar as gerações passadas - principalmente os governantes - pelo estado de coisas atuais e por não termos a necessária educação para trabalharmos direito e respeitarmos os outros, mas não podemos parar por aí sem pelo menos tentar as mudanças necessárias para o quadro se inverter. Sentimos até inveja quando lemos que, para a posse de Trump, o ex-presidente Jimmy Carter, com 92 anos, levou só a mulher e usou um avião de carreira. Enquanto isso, aqui, no quintal dos petistas, a ex- presidente inconformada Dilma Vana Rousseff foi para a Espanha de jatinho e carregou de lambuja sete assessores e seguranças à custa do contribuinte brasileiro, para fazer palestra (sic) por meio da qual pretende atacar mais um pouco o atual governo e denegrir ainda mais a imagem do País. Melhor ouvir os discursos racistas de Trump.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

MARCHAS CONTRA TRUMP

Donald Trump foi legitimamente eleito pelo sistema eleitoral vigente nos Estados Unidos. Em decorrência de sua posse, desencadearam-se, por todo o país, gigantescas manifestações de protesto contra a pessoa do novo presidente. Esses protestos estão completamente fora de foco, pois, se tivessem por origem o bom senso e a lógica, deveriam ser dirigidos contra o sistema eleitoral vigente no país, não contra a pessoa do novo presidente "democraticamente" eleito. Realmente, o que está em jogo não é aceitar ou não a presença de Trump na presidência da nação, pois se trata de um fato consumado. Os protestos, se legítimos fossem, deveriam ser contra o atual sistema eleitoral norte-americano, que, a meu ver, não se coaduna com uma escolha verdadeiramente democrática, pela qual o presidente deveria ser eleito diretamente pelo voto popular. Simples assim. Que Trump faça um bom governo para a felicidade geral de todas as nações do planeta Terra, inclusive para o Brasil.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

PROTESTOS

Cumprimento os mais de 500 mil norte-americanos que no sábado tomaram as ruas da capital dos EUA, Washington D.C, em protesto contra o presidente Donald Trump e suas declarações racistas, sexistas, homofóbicas, xenófobas e misóginas. Mais de 2 milhões de pessoas foram às ruas dos EUA e ao redor do mundo, pacificamente, protestar contra a aberração Trump, inimigo da civilidade, da ética e dos direitos humanos. Espero que aqui, no Brasil, também se façam manifestações populares contra a dupla Trump & Temer, ambos grotescos e inimigos do povo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

MANIFESTAÇÃO NOS EUA

Impressionantes as manifestações que mostram a força dos movimentos sociais em defesa das mulheres, dos negros e do movimento LGBT, que prometem uma enorme resistência, pelos próximos quatro anos, se houver qualquer risco aos direitos civis nos Estados Unidos.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

INFÂMIAS

O "Estadão" está coberto de razão ao publicar na página A10 de domingo (22/1) que as marchas contra Trump foram lideradas por mulheres dentre mais de 2 milhões de manifestantes. Como pode, merecidamente, se eleger presidente de uma das maiores nações do mundo (EUA) uma pessoa que já disse, entre outros casos, uma infâmia contra as mulheres? Pedindo escusa ao prestigioso jornal, para reforçar minhas considerações, ouso transcrever parte da aludida infâmia: "Hillary Clinton seria uma péssima presidente em razões das ações de seu marido. Se ela não consegue satisfazer seu marido, o que a faz (...) satisfazer a América?" (Twitter, abril de 2015). Foi uma infeliz e caluniosa interpretação, que fere a dignidade de uma senhora que já foi a primeira-dama daquela grande nação e que honra a classe feminina. Há uma máxima latina que diz "arcus nimis intensus rumpitur" (o arco muito retesado rompe-se).

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis 

   

*

DISCURSO DE POSSE

Em meio às inúmeras críticas contra o contundente discurso de posse de Donald Trump, merece destaque o parágrafo a seguir reproduzido: "O que realmente importa não é qual o partido que controla nosso governo, mas se o governo é controlado pelo povo. O dia 20 de janeiro de 2017 será lembrado como o dia em que o povo se tornou novamente o governante dessa nação". Com efeito, não poderia soar mais oportuno e adequado naquela que é a mais antiga democracia do mundo, cuja Constituição inicia-se com as palavras "nós, o povo (...)". God bless America.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CARAS, DEDOS E BOCAS...

Em cena, o showman Donald Trump continua oscilando entre o ator canastrão de quinta e o comediante ridiculamente sem graça, mas, ao que parece, o papel de presidente dos EUA não lhe caiu muito bem. No seu primeiro, e deselegante, ato contra o Obamacare, alguns secretários deixaram transparecer um misto de desconforto e incredulidade.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

TRUMP

Os problemas de Trump poderão ser atitudes que passem do limite, a confiança excessiva, a presunção ou a insolência.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

PRUDÊNCIA

O presidente Trump segue a cartilha que o elegeu. Até agora ficamos no terreno das conjecturas quanto àquilo que realmente fará. Quando fala em aumento de fabricas e empregos nos EUA, o que considerara produto americano? Qual o porcentual de nacionalização? Existirão setores fabris em que a reversão não será mais possível: vestuário e calçados, por exemplo, estariam neste caso? Partes de computadores? Por outro lado, parece imprudente sua queda de braço com a mídia de seu país. Essa surpresa ainda é maior devido ao seu longo tempo de convivência na área, como apresentador de um reality show. Impor imagem pode queimar seu filme. Mas tudo isso ainda terá um tempo de maturação. Mais prudente para nós será nos concentrarmos na correção das falhas que inibem nossas próprias possibilidades potenciais comerciais para, com isso, aumentar a competitividade de nossos produtos.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

A AMÉRICA PARA OS AMERICANOS

O discurso de posse do presidente eleito Donald Trump demonstra o atrevimento e o grau de protecionismo que pode servir de mudança generalizada na política global. Nunca antes tivemos clara a noção da América para os EUA, eis que o mundo civilizado é apenas um biombo a fim de que os norte-americanos progridam e lucrem para melhoria de sua condição de vida, apesar do pauperismo de milhões.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

BRASIL-EUA

Independentemente do que o futuro nos reserva com relação aos EUA, pelo menos agora temos profissionais do nível do embaixador Sérgio Amaral e do chanceler José Serra nos representando, ao invés daqueles patéticos esquerdopatas petralhas.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

O MUNDO DE TRUMP

   

Com suporte em seu discurso de posse, espera-se que o mundo de Trump seja bem maior que a sua mente e seus projetos exclusivistas. Cada um de seus desafios contará com a cobrança de um ser vivo deste planeta, porque, como ninguém até hoje, desafiou o mundo. As cobranças virão aos milhares.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

TRUMP X LULA

Em geral, quem gosta de Lula não gosta de Trump, e vice-versa. Mas quem é pior? Para Trump, America First. Para Lula, Jararaca First. Fico com Trump!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

                 

*

BOA SORTE

Particularmente me identifico mais com o Partido Republicano, ainda que simpatize com o Partido Democrata. Logicamente, Trump seria minha última escolha para a Casa Branca, mas o que está feito está feito. Desejo, sinceramente, boa sorte ao comandante chefe da nação mais poderosa do mundo. Que e a economia avance, que a China tenha limites e que o Estado Islâmico seja enviado para o espaço. Mazel Tov, sr. Trump!

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

A VELOCIDADE NAS MARGINAIS DE SP

Não estudei Direito, mas sei que, em qualquer profissão que seja, decisões devem ser tomadas à luz de uma boa dose de técnica e outra igual de bom senso. Não foi o que aconteceu com o juiz Luis Manoel Fonseca Pires, da 4.ª Vara da Fazenda Pública, ao acolher pedido de liminar movido pela Associação Ciclocidade, proibindo o aumento das velocidades nas Marginais dos Rios Tietê e Pinheiros, em nome da segurança de ciclistas. Não bastasse a bizarrice de tal pedido - uma vez que as Marginais não são lugar de circulação de ciclistas -, o magistrado tampouco levou em conta que acidentes graves também podem ocorrer com veículos circulando em velocidade inferior a 50 km/h. Infelizmente, não são poucos os juízes que, ao tomarem decisões equivocadas de repercussão pública, conseguem breves e negativos momentos de celebridade. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.