Fórum dos Leitores

.

O Estado de S. Pauilo

27 Janeiro 2017 | 03h10

CORRUPÇÃO

13 anos que não acabam

Os ex-presidentes Lula e Dilma sempre louvaram e afirmaram ao Brasil inteiro o exemplo de eficiência e sucesso dos empresários Marcelo Odebrecht e Eike Batista. Agora sabemos por quê, para prejuízo e roubo do patrimônio do povo brasileiro. Do PT não vai sobrar nem a sigla.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Passou da hora

Prenderam o José Dirceu e outros quadros do PT, agora vão prender o Eike Batista. E elle, o maior devastador do Brasil, vai ser preso quando? Já passou do tempo de ser feita justiça neste país injusto!

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Campeão mundial

O Brasil é campeão mundial de corrupção, superando agora a China, que até o ano passado estava em primeiro lugar num ranking existente nos EUA. Do jeito que as coisas vão, será difícil o Brasil perder essa posição, visto que o número 1 da corrupção brasileira todos conhecem, mas parece que nunca será “oficialmente” identificado e preso.

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Bolha de sabão

Enquanto um elemento aqui, em Penápolis, foi perseguido, indagado, encarcerado e possivelmente será condenado por se apropriar indevidamente de uma caixa de sabão em pó de uma residência, cujo preço comercial não ultrapassa os R$ 10, e tê-la vendido por R$ 1,50, possivelmente para comprar drogas, os políticos brasileiros surrupiam bilhões de reais e tudo fica numa enrolação que no final não vai dar em nada. Fica a pergunta: quantas caixas de sabão em pó seriam necessárias para incriminar os corruptos que militam e definem os destinos deste nosso Brasil varonil?

JOSÉ MARIA DO VALLE

ziquinhoinho@hotmail.com

Penápolis

A senha

A caverna dos 40 ladrões se abria com “abra-te, Sésamo”. A senha para abrir a dos ladrões do Brasil é “vote em mim”.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

PAÍS DELINQUENTE

Números aterradores

Deu na TV, e é realmente de estarrecer: a cada segundo (!) são feitas 15 tentativas de fraude em nosso país. São 900 por minuto, 54 mil por hora, 1,3 milhão por dia! Aí abro o nosso Estadão e leio (25/1, A16) que os roubos em São Paulo passaram de 307 mil em 2015 para 323 mil em 2016, o que dá uma média de 37 por hora, quase 900 por dia – repito, isso “somente” no Estado de São Paulo e considerando uma única modalidade delitiva, o roubo! Deus do céu, é tanto bandido solto circulando por aí que, ainda que fossem construídos 3 milhões de vagas no sistema carcerário nacional e as autoridades – pagas para nos proteger e coibir a violência – cumprissem exemplarmente o seu dever de afastar do convívio social a maioria dos malfeitores que vivem a infernizar a vida dos cidadãos de bem, faltaria espaço para albergar o número assustador de delinquentes que existe nesta terra. E ainda assim temos de aturar as Polianas esquerdosas “entendidas na matéria” dando entrevistas e garantindo que a polícia e a Justiça “prendem muito”. Seria cômico se não fosse trágico.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

MEIO AMBIENTE

Venda de áreas florestais

Muito preocupante a notícia de que o governo do Estado de São Paulo pensa em vender 34 áreas florestais. Áreas verdes públicas, especialmente parques e afins, não podem ser vistas sob a lógica do interesse comercial ou do mercado imobiliário, porque cumprem outra finalidade: a de prestar serviços ambientais não só aos seres humanos, mas a toda a vida existente. É preciso abrir uma discussão pública sobre isso, em audiências muito bem divulgadas.

EDUARDO BRITTO

britto@znnalinha.com.br

São Paulo

TRÂNSITO

Velocidade nas marginais

Quanta polêmica devida ao aumento da velocidade nas Marginais do Tietê e do Pinheiros. Pequenos grupos são contra tudo, só querem aparecer, são oportunistas. Na maioria dos países, principalmente de Primeiro Mundo, existem vias expressas e há acidentes, em maior ou menor número. O que o povo brasileiro precisa realmente é deixar de pensar que é melhor em alguma coisa, ter mais respeito, educação e prudência. Isso, sim, vai melhorar o trânsito e diminuir o número de acidentes.

VITOR DE JESUS

vitordejesus@uol.com.br

São Paulo

Começou o desmantelamento do multão, que veio para cobrir os rombos advindos com o fim do mensalão e do petrolão.

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Parabéns à administração municipal pelo novo limite de velocidade nas marginais. É assim que se governa. Novas ideias e oportunidades. Agora aguardamos alterações nas ciclovias, cujo excesso sufoca o trânsito normal de veículos em certas vias.

JOÃO ROCHAEL

jrochael@ibest.com.br

São Paulo

O MURO

Humilhação

Que simbolismo mais aterrador tem esse muro do Trump na fronteira com o México. Fico me perguntando quão humilhado se está sentido esse povo que não fez outra coisa senão fornecer mão de obra barata aos americanos, o que tem sido muito conveniente para quem não mais deseja ocupar postos de trabalho muito humildes.

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@gmail.com

São Paulo

Ao longo da História recente o mundo tem visto aparecerem ditadores sanguinários, como Hitler, Stalin, Saddam, Mao, Kadafi; ditadores que se perpetuam no poder, caso de Fidel e Raúl Castro e alguns africanos; e populistas que tentam, por meio de medidas protecionistas e de cunho nacionalista, isolar seus países, construindo muros, a exemplo de Donald Trump, na fronteira com o México, e dos alemães orientais, dividindo Berlim. Portanto, infelizmente, a História apenas se repete com o presidente dos EUA, em prejuízo da democracia.

OLAVO FORTES C. RODRIGUES

olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

“As ordens de prisão de ontem reforçam a constatação de que, nos 13 anos dos dois últimos governos, foram criados vários campeões nacionais. De malandragem!”

NÍVEO AURÉLIO VILLA / ATIBAIA, SOBRE A OPERAÇÃO EFICIÊNCIA

niveoavilla@terra.com.br

“Impressionante o montante roubado por Sérgio Cabral, chega quase a uns 10% do chefe supremo... Que ousado!”

RICARDO C. T. MARTINS / SÃO PAULO, IDEM

rctmartins@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OPERAÇÃO EFICIÊNCIA

Demorou, mas enfim a Justiça determinou a expedição de mandado de prisão contra o corrupto empresário Eike Batista, acusado de pagar propina de mais de US$ 16 milhões ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral no Uruguai. Espero que logo o megalomaníaco Eike deixe de ser foragido e fique preso por longa data, como deve ser com corruptos como ele, Cabral e cia. Também pegou muito mal para o Clube de Regatas do Flamengo a prisão de seu vice-presidente de futebol, Godinho, braço direito de Eike. Depois do episódio envolvendo o ex-goleiro Bruno, agora é um alto dirigente do clube que é preso pela prática de crime gravíssimo, motivo de desmoralização e vergonha para o Flamengo e sua imensa torcida.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

EIKE E GUIDO

Que bom que a Operação Lava Jato já voltou das férias e já está mandando prender bandidos. Gostaria de lembrar aos brilhantes promotores e juízes responsáveis que a esposa de Guido Mantega já está muito bem de saúde e que seu marido pode voltar para a cadeia agora, na mesma cela de Eike Batista. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

FORA DO PAÍS

Eike Batista, foragido da Justiça. O empresário símbolo da era PT. Um vigarista que reflete o que é a organização criminosa comandada pelo sr. Lula.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

'CASE'

Eike, Lula, BNDES, Odebrecht, Dilma & cia., o Brasil da última década e meia foi um grande "case" global do crime organizado, coisa de fazer corar Berlusconi e Putin. Os "petralhas" estupraram 200 milhões de brasileiros. Basta.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

PARA ONDE FUGIR?

O gigantesco plano de tomada de poder do PT e de seus colaboradores está sendo desvendado e isso atingirá todos os que se locupletaram com o dinheiro público no Brasil. Com grau de sofisticação inalcançável pelo brasileiro comum, os ladrões do Brasil conseguiram até propina recebida na Bolsa de Nova York, numa engenharia financeira urdida para ocultar os valores recebidos como propina com operadores camuflados e que não eram conhecidos. Os que se perguntam onde está o dinheiro do ex-presidente Lula e de outros amigos dele terão dificuldade em conseguir deslindar toda a trama, em que aparecem pagamentos feitos no Panamá, em Nova York e sabe-se lá onde mais. Vai precisar de muito tempo e de muita inteligência para poder saber de tudo, se é que um dia saberemos de tudo. Os amigos de Lula e de Dilma, seus colaboradores e outros afins que os ajudaram a surrupiar tudo o que foi tirado dos brasileiros que se cuidem. Apesar de todas as manobras contra a Lava Jato, de toda a gritaria (até aquela feita pela "ex-presidenta" em Sevilla), não conseguirão deter a operação, pois o mundo inteiro já está sabendo do que aconteceu por aqui. Só restará às famílias destas pessoas fugirem para "paraísos" na África ou lugares ainda menos cotados. No mundo conhecido como civilizado essas pessoas não terão lugar.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

A ODEBRECHT NO MUNDO

O "Estadão" de 25/1, na primeira página, informava que o presidente do Peru mandara a Odebrecht vender suas obras e deixar o país. Diz que a empresa "está contaminada pela corrupção". Da mesma forma, o governo do Panamá também proibiu a Odebrecht de participar de licitações. Até o grande amigo de Lula o presidente do Equador desistiu de se candidatar à reeleição e igualmente impediu essa famosa empresa de trabalhar naquele país. O presidente do Peru definiu muito bem a construtora: "Está contaminada pela corrupção". Urge que o Brasil, da mesma forma, proíba a Odebrecht de atuar em nossa pátria, eis que ela cresceu e só sabe trabalhar comprando consciências.

Waldomiro B. de Carvalho waldomiroxuca@globo.com

Itapetininga

*

PRESIDENTE DO PERU DÁ EXEMPLO

Fora Odebrecht!

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

A HERANÇA MALDITA

Após a trágica morte do ministro Teori Zavascki, a pergunta que fica no ar é quem irá assumir a relatoria da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). É claro que a grande maioria destes ministros do STF não poderá se incumbir desta missão, já que, com raríssima exceção, é suspeita por ter sido indicada por grande parte dos envolvidos. Com exceção da ministra Cármen Lúcia, que, pelo menos até agora, demonstrou isenção e seriedade na condução das ações do Supremo, os demais não inspiram confiança. Aqueles de comemoraram a morte de Teori torcem para que seja indicado alguém mais enturmado com a bandidagem. É claro que o governo e grande parte do Congresso não têm a menor pressa de que a retomada venha com urgência. Quanto mais demorar, melhor. Mas o povo brasileiro tem pressa e quer os envolvidos na cadeia e o dinheiro roubado dos nossos cofres, devolvido. Aja, presidente Temer! Não tem por que esperar muito. Teori morreu, mas a Lava Jato continua e continuará viva até que este país seja, definitivamente, passado a limpo.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

SEGUNDA TURMA

Alguns juristas, alguns membros do STF e também até mesmo políticos são de opinião que o relator do processo da Laja-Jato que estava nas mãos do falecido ministro Teori Zavascki deveria ser entregue por aquele escolhido em sorteio entre os membros da Segunda Turma do STF, que são: Gilmar Mendes, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski e Antônio Dias Toffoli. Ora, já imaginaram que se fosse sorteado para a missão Lewndowski? Que desgraça! Com toda a certeza seria o fim da Lava Jato. Dos demais, dentre eles, só o ministro Celso de Mello teria isenção e credibilidade para a difícil missão de substituir Teori Zavascki.

José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com

São Paulo

*

A DECISÃO DE TEMER

Michel Temer pode-se dizer homem de sorte, pois que têm à sua volta bons candidatos para indicar a ministro do STF, na vaga deixada por Teoria Zavascki. O bom senso impõe-se ao momentoso e crucial dilema: qual deles? O que vem a talho certo para o eminentíssimo cargo é, sem sombra de dúvida, o ministro do TST Ives Gandra Martins Filho. Figura de escol no qual se concentram as mais necessárias e indispensáveis virtudes do magistrado (com "m" maiúsculo); imparcial, apolítico, de inegável e invejável saber jurídico, coroando este acervo de qualidades com aquela simplicidade franciscana, tarja de nobreza que caracteriza o bom "servidor público" que todos os juízes deveriam ser. Avesso às luzes e ao farfalhar das sedas tão ao gosto e sabor de alguns ministros, inebriados com o incenso dos bajuladores. Ainda bem que raras e honrosas exceções existem e, para sermos breves, podemos apontar entre alguns a presidente, Cármen Lúcia; juízes que julgam pelos ditames da lei, no munus quase deífico de "julgar", pois que "quis judicat me, Dominus est". Sem se voltarem para a direita ou esquerda, ao agrado ou não, segundo a antiga filosofia que nos ensina Vieira: "Zombemos de suas zombarias como de seus aplausos". Temer, neste momento tão delicado, está no  terrível dilema, tal qual o da flecha: se errar o alvo, perde-se. Por ser sensato e homem de letras, deverá seguir o conselho de Bionte, um dos sete sábios da Grécia, perguntado por um dos seus discípulos qual, no mundo, o animal mais perigoso, ele respondeu: que dos brabos, os tiranos; dos mansos, os bajuladores. E alertava dizendo: "Guarda-te com muita atenção, pois um ronda dentro de ti; o outro à tua volta". 

Antonio B. Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

IVES GANDRA

Saiu na coluna "Direto da Fonte", de Sonia Racy, o repúdio de vários leitores de sua coluna ao nome do presidente do TST, Ives Gandra da Silva Filho, para a vaga no STF deixada por Teori. Em duas palavras: Opus Dei. Só por isso, já identificáveis seus valores e seu modo de viver o mundo (ideologia). Mais algumas outras curiosidades? Ives Filho foi "moldado" por Gilmar Mendes, com quem trabalhou na Presidência da República (governo FHC), que também foi importante em sua formação acadêmica, tendo Gilmar integrado a banca examinadora quando defendeu sua tese de doutorado. Como Gilmar Mendes tem "relações de companheirismo e diálogo" com Temer há mais de 30 anos, apesar da insatisfação do resto do mundo jurídico, Temer indique realmente Ives Filho. Afinal, o presidente não dá uma dentro quando se trata de popularidade. Segue com seu índice surreal de reprovação e tudo bem...

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

MÁS ESCOLHAS

Cá para nós, entre tantos ministros que o presidente Temer já escolheu, está mais do que provada sua incapacidade em escolher bem. Verdade ou não?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

INDICAÇÃO PARA O STF

Cumprimento o jornalista José Nêumanne Pinto pelo artigo "Contra a síndrome de Pôncio Pilatos" (25/1, A2). Colocou para todos o que sentimos. Está na hora de o presidente Temer dizer a que veio. Cercado como está de áulicos e partícipe de tantas manobras, fica difícil de acreditarmos que o País vai conseguir ser moralizado. Sinto muito por meus filhos, netos e bisnetos. 

Antonio C. Guimarães acguima36@hotmail.com

Curitiba

*

EXEMPLO DE IMPUNIDADE

Um agente de trânsito de João Pessoa, enquanto atuava durante o último fim de semana na operação lei seca, foi atropelado por motorista que certamente tentava furar a fiscalização. O funcionário ficou gravemente ferido, vindo a falecer no dia seguinte. A juíza plantonista da localidade de Mangabeira, Andréa Arcoverde Cavalcanti Vaz, a quem foi levado o caso, expediu imediatamente mandado de prisão temporária ao infrator. Menos de 24 horas após, entretanto, foi ele solto por força de habeas corpus concedido pelo desembargador Joás de Brito Pereira Filho, que, no seu despacho, alegou "não existir justa causa para justificar o cerceamento do direito de locomoção". Só restou a promessa feita pelo advogado do motorista de colaborar com as investigações, e declarar também a solidariedade da família do seu cliente com a do agente morto. É com episódios como este, frequentes Brasil afora, que se forma o lamentável clima de impunidade que reina no País.

Paulo Roberto Gotaç  prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CASTA POLÍTICA

O político só pensa no povo antes da eleição, depois, só nele próprio. Há exceções, porém, raríssimas. Não obstante a sociedade clamar em uníssono, portanto, os eleitores, pela moralização e pela ética no trato da coisa pública, na edição de terça-feira soubemos que os deputados federais que pleiteiam a presidência da Câmara federal, Rodrigo Maia, do DEM/RJ, e Jovair Arantes, do PTB/GO, pensando apenas na casta política, são contra estas medidas: a atuação do Ministério Público Federal (MPF) no combate à corrupção, querem amordaçar os juízes e, especialmente a tipificação de crime de enriquecimento ilícito por parte do funcionário público - e o deputado é um funcionário público. Faça-se a ressalva de que o também candidato que fala a voz do povo, Rogério Rosso, PDS/DF, posicionou-se a favor dessas medidas. Mas este deputado não tem o apoio da maioria dos deputados. Noutras palavras, o eleitor, ora, o eleitor que se dane. Lembrando a canção de Luiz Ayrão, o DEM se "androgenou", a ética e a moral deram bola para ele e ele nem ligou. Pobre Brasil!

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

*

DESCENTRALIZAÇÃO DO PODER

 

A matéria especial feita pelo "Estadão" sobre a concentração de recursos em Brasília e as distorções econômicas promovidas por essa divisão injusta é esclarecedora. É óbvio que o pacto federativo carece de revisão e Estados e municípios precisam de maior participação no bolo tributário, caso contrário, infelizmente, veremos a insolvência completa dos entes federativos. Em plena recessão econômica, essas discrepâncias ficam e ficarão mais evidentes. Havendo articulação política de governadores e prefeitos, há possibilidade de forçar um movimento de reequilíbrio na divisão dos recursos. O que não é minimamente aceitável é permanecer do jeito que está, onde Estados e municípios arcam com o "grosso" da despesa dos serviços públicos e têm de ficar com o "pires na mão" na capital federal em busca de recursos ou linhas de financiamento. A crise é resultado da irresponsabilidade do governo federal, mas a quebra generalizada que estamos prestes a assistir pode ser evitada, desde que o Brasil seja, de fato, uma República Federativa.

 

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

MUROS

Como está na moda, espero que nossos governantes de Brasília não tenham a ideia de construir um muro separando a Praça dos "Três Poderes" do resto do Brasil.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O MURO DE DONALD TRUMP

Trump anuncia no Twitter construção de muro na fronteira com o México. "Hello, mr. Trump, do you know Odebrexi?".

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

IDEIA BIZARRA

Naturalmente que a ideia de construir um muro na divisa entre Estados Unidos e México - nos moldes do velho Muro de Berlim -, para barrar a imigração ilegal de mexicanos, é algo bizarro. Por mais errado que seja adentrar um país ilegalmente, nada justificaria uma medida tão extrema. Todavia, precisamos deixar o cinismo esquerdista de lado e constatar que os mexicanos invadiram os EUA ao longo dos anos e destruíram por completo a reputação dos latino-americanos na terra de Tio Sam. Analisando por esse prisma, é possível compreender a fobia contra o país dos "muchachos". Mas, sejamos sensatos, isso ainda não justifica o muro.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

THE WALL

Wall Street fica onde era o wall (muro) construído pelo holandeses, em 1628, com ajuda dos Índios Manhattanis, ex-donos da ilha, para se protegerem dos ingleses e outros índios. Em 1664, os ingleses invadiram Manhattan, expulsaram os holandeses e mudaram o nome de New Amsterdam para New York. O medo de Donald Trump é que a história se repita e os mexicanos "cucarachas" invadam os Estados Unidos, com muro e tudo, e mudem o seu nome para Novo México. Afinal, os americanos já têm um estado chamado Novo México, que eles roubaram do México junto com o Texas, o Arizona e a Califórnia! Zapata pode vir aí. Viva Zapata! Viva México!

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

MAIS UM PROBLEMA

Donald Trump se soma a outros grandes problemas que afligem o planeta, como os conflitos no Oriente Médio, a fome e as guerras na África, a crise de identidade dos países da América Central e do Sul que nutrem grande simpatia pelo regime cubano, como a Venezuela, falida financeiramente e politicamente, pois tem um governo ilegítimo. Donald Trump é o problema mais simples, basta que o deixem tuitando e falando sozinho e cubram o local da construção do muro que vai isolar os EUA do México: se for exatamente na divisa, os mexicanos só podem trabalhar no lado do México; e quem vai finalizar o lado americano? Se o muro for no território mexicano, é só o México se recusar a construir se não receber pela obra e se for no lado dos EUA os trabalhadores deverão ter a entrada liberada, com visto de trabalho, podendo circular livremente. Trump sabe que ele é o problema atualmente, cabe à mídia tratá-lo como um pequeno problema, simples, rapidamente o problema desaparece.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

SEMEADURA

A ideia de Trump é "fazer a América odiada e tímida novamente"?

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

A RODA DA HISTÓRIA

O presidente Donald "Nero" Trump insiste em querer girar a roda da História para trás. Vai acabar esmagado por ela...

Renato Pires repires49@gmail.com

Ribeirão Preto

*

FORCINHA PARA A CHINA

Ao adotar como plataforma do governo Trump o discurso radical e truculento de protecionismo, antiglobalização e "America first", cabe prever que o presidente que vai guindar a China à liderança mundial não é Xi Jinping, mas Donald Trump. A conferir nos próximos anos...

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

EXERCÍCIO DE FUTUROLOGIA

Seria muito mais interessante e conveniente se nossos economistas e articulistas parassem de analisar tanto Donald Trump e voltassem a se preocupar mais com o Brasil. Qualquer análise de Trump, hoje, não passa de puro exercício de futurologia, mais conveniente aos astrólogos. Aliás, que isso, junto com a morte do ministro Teori, não sirva de cortina de fumaça e acabe escondendo nossas mazelas.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

PESQUISA E INOVAÇÃO

Bem fariam os deputados estaduais e os membros do Executivo paulista de ler o "Estadão" de domingo (22/1), em especial a página B10 ("O químico que se tornou o gigante da goiabada"). Nesta reportagem se mostra como um químico paulista "que, apesar de ter se realizado no mundo dos negócios, o perfil de pesquisador foi mantido", construiu o sistema de produção de goiabada mais eficiente do mundo com a parceria de pequenos agricultores e pesquisadores universitários paulistas. A vantagem de ler essa matéria sem preconceitos poderia convencê-los de que sem financiamento à pesquisa não se inova e sem inovação não se compete num mercado global. Sem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e das universidades públicas paulistas o Estado de São Paulo não poderia ser o maior produtor de goiabada do mundo. 

Hernan Chaimovich hchaimo@gmail.com

Cotia

*

PARA ONDE VAI A CIÊNCIA DO PAÍS?

Foi com incomensurável preocupação que a comunidade científica paulista tomou conhecimento do aviltamento recente da constituição do Estado de São Paulo. Afinal, a dotação orçamentária para a ciência foi reduzida de 1% para 0,89% do ICMS. Mais uma vez, na calada da noite - prática que se tem tornado padrão nos últimos tempos -, os nobres deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo votaram a Lei Orçamentária Anual, cometendo esse ato espúrio contra a Ciência paulista e, por extensão, da brasileira, considerando que São Paulo contribui com algo em torno de 50% das publicações do País. A Fapesp, que desde 1962, recebia do governo estadual o valor total do apoio, sempre se constituiu em exemplo para outros Estados e obteve amplo reconhecimento nacional e internacional. Esse fato é comprovado pelo número substantivo de programas de parcerias internacionais, com agências de prestígio mundial, e instituições privadas do setor produtivo de domínio mundial. Ressaltem-se, também, os programas cujo pressuposto é o desenvolvimento tecnológico, tão carente no plano nacional e que, por isso mesmo, tem sido uma das grandes metas dessa agência. A permanecer este descalabro, assistiremos à debacle da Ciência nacional, que tanto contribuiu e contribui para o conhecimento, que visa, no final, ao aprimoramento da qualidade de vida da sociedade. Esperamos que o governador tenha o discernimento de vetar essa lei, devolvendo aos cofres da Fapesp os R$ 120 milhões que lhe pertencem.

Elizabeth Igne Ferreira elizabeth.igne@gmail.com

São Paulo

*

A REDUÇÃO DA VERBA DA FAPESP

Atualmente nenhum país digno deste nome sobrevive como nação independente se não investir em educação. Dentro da educação, a Ciência tem papel crucial na formação dos cidadãos, pois permite que as pessoas consigam raciocinar e tomar decisões baseadas em dados concretos sobre a realidade. E, como disse William Drummond (poeta escocês do século 17): "Aquele que não raciocina é um fanático; aquele que não pode é um tolo; e aquele que não se atreve é um escravo". A recente redução inconstitucional da verba destinada à Fapesp prenuncia um futuro (mais) sombrio para as universidades e institutos de pesquisa de nosso Estado. Querem nossos representantes na Câmara um povo formado de fanáticos, tolos ou escravos?

Carlos Eduardo Winter, professor associado do Departamento de Parasitologia ICB/USP winterce@gmail.com

São Paulo

*

NÃO É A SOLUÇÃO

A Fapesp e as universidades públicas estaduais já estão perdendo verbas desde 2015 com a recessão, pois seus recursos são vinculados à arrecadação de tributos pelo Estado. Desta maneira, a formação de recursos humanos (alunos de graduação, mestrandos e doutorandos), que é essencial para o aumento de produtividade da economia brasileira e, portanto, para seu crescimento sustentável, tem sido comprometida significativamente tanto em termos qualitativos como quantitativos. Portanto, especialmente neste momento de crise, retirar R$ 120 milhões do orçamento da Fapesp não parece ser uma solução para os problemas de São Paulo e do País 

Luis E. S. Netto, professor titular, chefe do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da USP nettoles@ib.usp.br

São Paulo

*

NA CONTRAMÃO DO DESENVOLVIMENTO

Muito me preocupam as notícias recentemente veiculadas sobre os cortes no orçamento de ciência, tecnologia & inovação do Estado de São Paulo. O avanço das nações hoje se dá fundamentalmente pelo seu investimento no desenvolvimento ou na aquisição de novas tecnologias, para a sua posterior difusão. Essas novas tecnologias resultam no desenvolvimento de novos produtos e processos que serão aplicados na saúde, na produção de alimentos, nas telecomunicações e em tantos outros setores que são cada vez mais importantes para a sociedade. Geram riqueza e empregos qualificados. A redução dos recursos oferecidos pelo Estado para a Fapesp compromete a manutenção das pesquisas em andamento e prejudica os esforços da indústria para continuar competitiva no momento atual. Enquanto todas as grandes economias estão investindo pesadamente no apoio ao desenvolvimento de novas tecnologias, como elemento crítico para a superação da crise econômica global, nós, aqui, estamos cortando os orçamentos destinados à pesquisa e inovação. Estamos na contramão do desenvolvimento.  

Paulo José Pereira de Resende pjresende@gmail.com

Niterói (RJ)

*

O APOIO DA FAPESP

Sou engenheiro agrônomo, aposentado do Instituto Agronômico de Campinas, e, vendo os absurdos que o governador Alckmin está fazendo com a Fapesp, quero levar a conhecimento deste pretensioso candidato à Presidência do Brasil (que Deus nos livre e guarde) que, ao encerrar minhas atividades científicas, havia introduzido mais de 25 inovações no cultivo da banana, graças ao apoio recebido daquela instituição, que foi o maior legado deixado pelo governador Carvalho Pinto para o mundo científico.  

Raul S. Moreira raulmoreira32@gmail.com

Campinas

*

REAJUSTE DO MAGISTÉRIO

Após dois anos sem aumento, eis que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, resolveu fatiar o magistério. Separou professores por categoria e deu 10% e 5% de aumento. Ocorre que a categoria que vai receber reajuste de 10% é de cerca de 18 mil professores. Os demais vão ter de se conformar com 5% de reajuste. Bem abaixo da inflação. E os aposentados foram lembrados na ocasião da esmola? O governo culpa a crise, e quando não tinha crise, qual era a desculpa? Será que ao reajustar o salário dos médicos, engenheiros, etc. o governador os divide em categorias também? Grande culpa de o magistério estar nesta desvalorização devemos à Assembleia Legislativa, cujos deputados nem se importam em discutir o reajuste dos professores. Só que, na hora do voto, estes tais omissos sabem pedir o voto da classe. Sem contar que muitos deputados se elegeram com a bandeira dos professores, mas, quando são eleitos, viram as costas à categoria. Bom lembrar disso em 2018.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DESCASO

Mais uma vez o governo do Estado de São Paulo reajusta o salário de apenas uma parcela dos professores do Estado. Os professores aposentados se tornaram invisíveis para o governo. O último reajuste ocorreu em julho de 2014. Remédios foram reajustados em 11% em 2015, 13% em 2016. Como sobreviveremos após termos dedicado nossa vida à educação? Por isso mesmo ninguém mais quer ser professor. Muito descaso.

Regina Teixeira Beltramelli rbeltramelli@uol.com.br

Campinas

*

O PISO DOS PROFESSORES

Geraldo Alckmin vai reajustar o piso salarial dos professores para o valor gigantesco de R$ 2.298,80 mensais, e garante que nenhum professor da rede pública poderá ganhar valor inferior. Por que tal determinação não abrange também os professores da rede privada? Isso porque é sabido que algumas escolas pagam em torno de R$ 1.500,00 mensais. Por que a discriminação?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DIA NACIONAL DOS APOSENTADOS

A lei que o institui foi criada em homenagem à instituição da primeira lei brasileira destinada à Previdência Social, em 24 de janeiro de 1923, pelo então presidente Artur Bernardes: a Lei Eloy Chaves. O Decreto de Lei n.º 6.926/81 determinou o dia 24 de janeiro como o Dia Nacional dos Aposentados no Brasil. No entanto, não sei para que existem essa lei e esse dia se, desde os governos FHC, Lula e Dilma, eles só se preocuparam em torturar os aposentados do setor privado do INSS, nem sequer respeitando os seus direitos constitucionais adquiridos. Não temos nada a comemorar, só lamentar o sofrimento imposto por esses governos demagogos e incompetentes.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

MUDANÇAS NA PREVIDÊNCIA

Se o governo federal de Michel Temer está superinclinado em promover profundas reformas na Previdência Social do País, deveria começar em cobrar os quase R$ 100 bilhões dos municípios brasileiros que estão em mora com o INSS, ao invés de, com sua incapacidade, insistir para que o pobre povo assuma mais esse ônus. Abra o olho, governo!  

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

APOSENTADORIA DE MILITARES

Entenda-se que oficial de carreira não é soldado raso! São graduados pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), levam uma vida de sacrifícios, tendo de, praticamente, mudar-se de Estado pelo menos a cada dois anos. Isso implica a busca de moradia e colégio novo para os filhos, que jamais terão amizades superiores a esse período. Feriados como o 7 de Setembro são dia de desfile. Outros, dias de manobras, etc. Antes de mexer com essas aposentadorias, que tal extinguir a aposentadoria de ex-presidentes? Existe uma "impichada" que, além disso, tem seguranças, carros e motoristas, viagens pagas por nós, para sair do Brasil e falar mal do governo federal. Nivelem a esse valor proposto aposentadoria de todo e qualquer funcionário público, políticos, ministros, juízes, etc. se isso ocorrer, justo. Todos iguais perante a lei, sem exceções!

Candida Barros candy.barr@uol.com.br

São Paulo

*

SÃO PAULO, 463 ANOS

Não poderia ser mais justa, patriótica, merecida e honrosa a homenagem que o jornal "O Estado de S. Paulo" prestou na quarta-feira (25/1/2017) à capital paulista pela passagem dos seus 463 anos. Aliás, cumpre salientar que, por força do destino, o "Estadão" nasceu com o nome de "Província de São Paulo". A homenagem prestada no dia 25 foi o lançamento de um caderno com um nome sugestivo: "Um olhar sobre a metrópole". Ele apresentou os mais diversos ângulos da maior cidade do Brasil. Tão interessante este caderno que, numa feliz interpretação das siglas "SP e BP", que representam incrivelmente "duas coisas tão grandiosas, uma cidade e um hospital, podem caber em apenas duas letras". A primeira SP é a nossa capital (São Paulo) e a segunda, BP, é a Beneficência Portuguesa. Cumprimento o ínclito "Estadão", que sempre honra os eventos que enaltecem nosso Brasil!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

PARA 2018

Fico devendo para o próximo ano os parabéns para a maior cidade do Brasil, São Paulo, por mais um aniversário, visando não a enaltecer e ignorar o Partido dos Trabalhadores (PT), nem de longe, senão vejamos: são 463 anos de existência (independência política) que possui São Paulo, certo? Num simples somatório de números, temos: 4 + 6 + 3 = 13.

 

Leovegildo Rodrigues de Souza Junior drleosouza@uol.com.br

São Paulo

*

MARISA LETÍCIA

Pelo lado humano, desejo que a ex-primeira-dama Marisa Letícia se recupere do AVC sofrido esta semana. Não desejo mal, embora muitos tenham razão para tal. Apenas, como cidadão, me revolto estar pagando o tratamento dela num hospital como o Sírio-Libanês, enquanto muitos de nós numa situação desta tem de recorrer ao Sistema Único de Saúde (SUS), que, aliás, foi sugerido pelo ex-presidente Lula ao presidente Barack Obama como uma maravilha. Por falar nisso, por que a ex-primeira-dama não recorreu ao SUS? Não é ele uma maravilha, segundo seu marido?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.