Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

04 Março 2017 | 03h04

LULOPETISMO

O manifesto dos 400

Com referência ao manifesto em defesa da candidatura Lula a presidente em 2018, gostaria de perguntar aos 400 intelectuais e artistas se eles não enxergam a situação caótica que o povo brasileiro está passando, resultado dos 13 anos de governos petistas. Esqueceram-se do que eles fizeram com a Petrobrás? E com a Eletronorte? Agora pagaremos um sobrepreço na conta de luz para saldar a dívida criada pela dona Dilma Rousseff com a redução da tarifa de energia. Esqueceram os rombos astronômicos em todas as obras do governo lulopetista – usina de Belo Monte, refinaria no Maranhão, transposição do Rio São Francisco...? E as dívidas deixadas no exterior pelo Itamaraty? E a quebra da economia brasileira por causa da “nova matriz econômica” inventada por Dilma, Guido Mantega e Arno Augustin? Esqueceram a roubalheira para a realização dos Jogos Pan-Americanos no Rio de Janeiro, com obras que tiveram de ser refeitas ou não foram aproveitadas para a Olimpíada? E os gastos astronômicos para a realização da própria Olimpíada, com a falência do Estado do Rio de Janeiro? Ah, e os gastos também astronômicos para a Copa do Mundo, com a construção de elefantes brancos, as “arenas” que hoje estão subutilizadas e custando em manutenção verbas que os Estados poderiam usar em saúde? Esses senhores esqueceram as benesses, os financiamentos e o perdão dados de bandeja à Bolívia, à Venezuela, a Cuba (no porto feito pela Odebrecht, quanta propina não deve ter saído...), a Angola e outros países, tudo com dinheiro dos brasileiros? Os artistas clamam pela volta das peladas e dos churrascos no Palácio da Alvorada com o beneplácito e o patrocínio do Lula, mas com dinheiro do povo? Pergunto, finalmente, aos artistas e intelectuais: na hipótese remota de Lula na Presidência, com quem ele irá governar? Com esse PT que está aí? Com o MST? Com o PMDB? Com o PR? Com o PDT? Quem nomeará para a Fazenda, o Mantega? Voltará o trio da “nova matriz”: Mantega, Augustin e Nelson Barbosa? A gerentona Dilma voltará como ministra de Minas e Energia? O ministro das Cidades será o sr. Guilherme Boulos? Para a Agricultura irá o sr. João Stédile e para a Reforma Agrária, o sr. José Rainha? Para a Petrobrás retornarão Sérgio Gabrielli, Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco? E como assessor financeiro, Delúbio Soares? Dará indulto a José Dirceu, que terá um monumento de guerreiro brasileiro em Cuba? É isso que esses senhores querem? Não bastam os 13 catastróficos anos de PT? Chega de populismo de esquerda atrasada, chega de Lula e sua turma nefasta e nefanda!

FERNANDO PASTORE JUNIOR

fernandopastorejr@gmail.com 

São Paulo

Inimigos públicos

O Lula e a Dilma vão ser lembrados como os inimigos públicos número 1 e número 2.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

Quem ‘perderam’?

Os tais 400 intelectuais solicitam ao ex-presidente que considere “a possibilidade de, desde já, lançar sua candidatura como forma de garantir ao povo brasileiro a dignidade, o orgulho e a autonomia que perderam”. Perderam?! Quem “perderam”? O povo não pode ser, pois seria perdeu! Então devem ser eles, os tais 400 intelectuais. Perderam o quê? A Lei Rouanet? Os empreguinhos? Srs. intelectuais, o povo quer saber “quem perderam”.

ALBERTO GONÇALVES

albertogoncalves@hotmail.com.br

Ribeirão Preto

Signatários ‘ilustres’

Preciso prestar mais atenção aos fatos. Foi surpresa saber que Chico Buarque, um dos signatários do manifesto de apoio à candidatura Lula, não abandonou o País, conforme havia prometido caso se concretizasse o impedimento de Dilma. Fiquei contente em saber que voltou atrás. Também nem sabia que o Stédile está solto. Da audácia do Boff eu sabia. Quanto aos demais chamados de artistas e intelectuais, são favas contadas como subsídios.

JOSÉ ROBERTO SANT’ANA

jrsantana10@gmail.com

Rio Claro

Ladainha velha e cansativa

Está claro que a tigrada ligada ao Lula quer consumar rapidamente a candidatura dele à Presidência em 2018 para, em caso de ser preso, poder alegar “perseguição política”. Já cansou...

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Condenado de novo

Por ocasião do mensalão, Delúbio Soares disse que no futuro tudo aquilo não passaria de piada de salão. Mas quem ri por último ri melhor. Ele acaba de ser condenado a cinco anos de prisão, agora na Lava Jato.

MOISÉS GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Ligações perigosas

No ano passado a polícia descobriu uma conexão entre o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, um apêndice do PT, com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital na distribuição de drogas, principalmente na Cracolândia. É chegado o momento de se questionar: o elo ainda continua? A Operação Lava Jato secou a fonte das propinas, mas, para o partido, os fins justificam os meios.

LUIZ FELIPE SCHITTINI

fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

INSEGURANÇA PÚBLICA

Polícia Científica sucateada

Aumentam as notícias sobre o sucateamento da Polícia Civil paulista, mas poucas revelam todo o cenário. Segurança pública demanda investimentos em investigação e não há como falar em investigação eficaz sem uma Polícia Científica devidamente equipada com recursos materiais e humanos. O governo estadual há muito vem desprestigiando os quadros dessa polícia, notadamente os peritos criminais. Isso se constata pelo enorme déficit de peritos no Estado de São Paulo e pelo baixíssimo ritmo de nomeações. Cerca de 300 peritos aprovados em concurso público realizado em 2014 permanecem aguardando nomeação, sem perspectiva de investidura. É fundamental conscientizar a população acerca da necessidade de imediatos investimentos na Polícia Científica, sob pena de o discurso em torno da segurança pública se tornar vazio.

IRIS BOSCHI

bazhur@gmail.com

São Paulo

Falta tudo

Inacreditável chegar a este ponto! Sem medo de errar, podemos afirmar que, literalmente, não temos segurança. Faltam policiais, viaturas, armas adequadas, até coletes, sem falar dos salários ridículos e do atraso nos pagamentos. Isso põe a vida em risco diariamente. E agora delegacias são despejadas por falta de pagamento do aluguel! Absurdo.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

“Relembrando Roberto Campos, agora só falta coletar a assinatura dos estudantes que não estudam e dos trabalhadores 

que não trabalham”

  

NÍVEO AURÉLIO VILLA / ATIBAIA, SOBRE O MANIFESTO PELA 

CANDIDATURA LULA EM 2018 

niveoavilla@terra.com.br

“Os lullointelequituais não se iludam: nenhum dos 13 (!) milhões de desempregados assinará essa estrovenga”

  

A. FERNANDES / SÃO PAULO, IDEM

standyball@hotmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

 

O BOBO DA CORTE

 

Em recente depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht, asseverou que era o “bobo da corte” do governo, porque precisava providenciar numerários inclusive para campanhas políticas. Na última, de 2014, quando eleitos Dilma Rousseff e Michel Temer, colaborou com R$ 150 milhões, dos quais 30% não eram do caixa 2 e 4/5 eram do caixa 2. O bobo da corte pressupõe a existência de rei ou reis na corte. E ele, mesmo a contragosto, foi compelido a participar com a campanha do atual presidente. Portanto, a eleição de 2014 está eivada de vícios insanáveis, especialmente porque foi custeada em parte com dinheiro advindo de propinas e dos cofres públicos. Não fica difícil de governar com tamanho rastro?

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

CIRCO BRASIL

 

Desrespeitável público, “eu era o bobo da corte”. Se para a corte

lulopetista ele era o bobo, imaginem o que era o cidadão comum...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

PROPINEIRO

 

Em depoimento à Justiça Eleitoral de Curitiba, o empreiteiro propineiro Marcelo Odebrecht declarou, sem corar, que “não era o dono do governo, mas, sim, o otário e o bobo da corte”. Será que ele pensa que a Justiça é otária e boba?!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

UM EMPRESÁRIO QUALQUER?

 

Ainda não temos acesso na íntegra aos depoimentos de Marcelo Odebrecht, mas, ao se autointitular “bobo da corte” que executava “obras indesejadas”, o sr. Odebrecht quer nos passar a imagem de que ele, na realidade, era um marionete nas mãos dos políticos, uma vítima. Qualquer empresário ou executivo sabe que, quanto mais regulamentação, maior a probabilidade de oportunidades de achaque por entes públicos em qualquer lugar do mundo. Mas o sr. Odebrecht não é qualquer empresário ou executivo e seu conglomerado certamente não era qualquer empresa. Este senhor estava no topo da cadeia alimentar empresarial e corporativa e, aparentemente, já admitiu que pelo menos uma medida provisória emitida pela Presidência da República e aprovada pelo Congresso Nacional foi comprada por ele. Os políticos vêm e vão, mas as empresas ficam. Os Odebrecht são os donos do País, o que fica mais do que evidenciado pelo conjunto das “punições” impostas ao conglomerado. Uma piada. Bobos da corte somos, literalmente, nós, os otários que pagam impostos e lutam para prosperar de forma honesta num país onde a corrupção é parte do “modus operandi” padrão dos que conseguem avançar seus interesses econômicos no Brasil.

 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

OS INCAUTOS...

 

Se um foi mula e o outro foi o bobo da corte, nós, os Zé Manés, fomos o quê? Gente, não basta passar o País a limpo, temos de começar do zero, essa gente não presta.

 

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

 

*

NÃO COLA

 

Que Marcelo Odebrecht demonstre descontentamento por ter sido “obrigado” a entrar em projetos que não desejava e de ter tido desavenças com seu pai, Emílio, por conta disso, é perfeitamente crível. Agora, que se sentia o “bobo da corte” do governo federal, é conversa. Quem participa de corrupção ativa ou passiva de bobo não tem nada. Não cola.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

O QUE SIGNIFICA?

 

A que conclusão podemos chegar quando, em depoimento à Justiça Eleitoral, Marcelo Odebrecht alegou que se sentia como “o bobo da corte do governo” todas as vezes que mantinha contatos frequentes com o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, do governo Dilma Rousseff, quando negociava repasses a campanhas eleitorais?

 

Artur Topgian topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

 

*

BOBO?

 

Quer dizer que corruptor, agora, é bobo da corte?

 

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

PROPINAS

 

Muito estranho: Marcelo, o delator da Lava Jato, que pagou milhões em propinas, está preso. E os que mais usufruíram delas continuam soltos... O que dizer disso?

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

 

*

ODEBRECHT

 

Como a razão social dessa empreiteira virou sinônimo de bandidagem, não se justifica indulgência nem penitência. Perdoá-la ou recuperá-la em troca de promessas vãs de não reincidir não faz o menor sentido. Na minha opinião, o correto seria a sua extinção por meio de uma exemplar liquidação judicial.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

O MAIS BOBO

 

O ex-presidente da Odebrecht declarou que sentia-se   bobo da corte política de Brasília. Ele quis dizer que no trato com o governo federal ele sentia assim, mas há uma discussão para descobrir quem foi mais bobo, ele ou Lula. Os dois terão de dividir o título, mas, se o empresário não se virar, isso não acontecerá, porque ele já está preso, e o outro está livre como passarinho na floresta. Ficar apenas em falatório, sem provas irrefutáveis definitivas para quebrar o petista, fará com que este talvez até volte a ser presidente. Agora, desculpem-me os crédulos, mas na corte tudo se sabe e um Lula que viveu ali por oito anos, rodeado de súditos prontos a trair parceiros para se promover e sair de um “carguinho” qualquer à promoção talvez a ministro de qualquer porcaria, só ingênuos creem que ele era um inútil que não via, ouvia ou falava com estes ratos. Ele, junto com Odebrecht e arrolados na Lava Jato, logrou a “proeza” de tornar o País campeão mundial de corrupção. 

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

MANIFESTO PRÓ-LULA

 

​O manifesto “O Brasil precisa de Lula”, que será lançado por vários intelectuais da estirpe de Chico Buarque, Leonardo Boff, Eugênio Aragão, Fernando Morais, Martinho da Vila, Beth Carvalho, Beth Mendes, Marieta Severo, Dira Paes, Fábio Comparato, João Stédile, bem como um grande número conhecido da tigrada petista, já está se materializando. A proeza avança rapidamente, coletando assinaturas, que pedem que Lula “aceite esse ônus” e se candidate à Presidência da República para 2018. Já “elle”, fazendo “biquinho”, diz que vai “pensar” nessa possibilidade, mesmo sendo penta-réu em ações criminais. Mas, com a morosidade da Justiça para julgar o barbudo e com a morosidade e sucesso da política econômica de Michel Temer, o povo brasileiro pode “tirar o cavalinho da chuva”, pois as chances “delle” aumentam muito. Portanto, é grande a possibilidade de o homem mais honesto e que se julga a solução para os problemas do País tente, novamente, fazer aquilo que não conseguiu. Acorda, Justiça! Acorda, Temer!   

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

OU NÃO?

 

Qual será a real motivação que leva artistas como Chico Buarque, Beth Carvalho, Dira Paes, Martinho da Vila e Marieta Severo, todos morando na estreita faixa que vai do Leme ao Pontal – “não há nada igual”, segundo o saudoso Tim maia – a subscreverem manifesto implorando a Lula que se candidate em 2018? Não podem estar pensando na população sofrendo um cruel desemprego resultado dos mais de 13 anos de desgoverno petista ao longo dos quais o ídolo deles foi protagonista principal. Assim, é provável que estejam a defender interesses particulares. Ou não?

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

A FONTE SECOU

 

Principalmente para “comunista de carteirinha” não existe almoço de graça. Se observarmos com lente de aumento os 400 “intelectuais” que lançaram manifesto convocando candidatura “Lula 2018”,  constataremos que uma grande parte sempre mamou na Lei Rouanet e que, agora, sob a luz de um novo governo, a fonte secou. Engraçado que nem os cinco processos judiciais contra o ex-presidente Lula os intimidaram. Digamos que foi um chamamento ao Ali Babá e seus praticamente 400 mamadores da Lei Rouanet. 

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

LEI ROUANET

 

Dezenas de artistas famosos e milionários se beneficiaram da Lei Rouanet, sem o menor escrúpulo de quem queria utilizar recursos públicos para alavancar seus projetos utilizando o dinheiro do trabalhador brasileiro. É revoltante e indignante saber que estes chupins do dinheiro público faturam milhões com seus shows, venda de CDs, DVDs e participação em programas de rádio e televisão. Que tipo de gente é esta, que usa a sua arte para meter a mão nos recursos destinados a pessoas que não tiveram a mesma sorte e oportunidade que elas? Artistas que cantam e falam de amor, mas que, na verdade, são desprezíveis mercenários e aproveitadores. O Brasil precisa recuperar estes recursos e dar uma destinação mais nobre a eles. Vamos passar nosso país a limpo, em todas as áreas, doa a quem doer e custe o que custar.

 

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

 

*

MENTIRA?

 

PT deve lançar Lula como candidato à Presidência. Seria essa notícia um 1.º de Abril antecipado?

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

 

*

MILITÂNCIA CONIVENTE

 

Os militantes petistas são coniventes com a corrupção de seu partido.

 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

 

*

CRIMINOSOS

 

Pobre PT. Na situação em que se encontra o partido (não está partido, está moído), ter um presidente como Rui Falcão é o pior que podia acontecer. Essa figura só fala besteira. Meu caro, se desejar continuar onde está, recomendo silêncio, silêncio total. Na comparação do “goleiro criminoso” e os “presos do PT” (Dirceu & cia.), tenho de concordar, ele acertou, são todos CRIMINOSOS. Um lembrete: seu tempo também passou.

 

J.Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

 

*

EM CENA

 

Como Lula não se reinventa, mas também não dá o fora, pensamos trazê-lo em suas azáfamas atuais: num vídeo no Youtube vemos Lula sendo vaiado ao chegar a Fortaleza, Região Nordeste, onde se pressupõe que esteja o grosso de seu eleitorado; isso deve tê-lo feito mudar a ideia de sair pelo País para denunciar o “golpe” do impeachment de Dilma, pois Lula não se atreve a viajar em aviões de carreira, a comparecer em locais públicos, a não ser os previamente recheados com sua militância, e jamais abandona o papel de vítima; e, seja qual for o ambiente em que estiver, transforma-o em palanque para seus repetitivos comícios, como os que se viram no velório de sua esposa. Nas recentes eleições municipais, o PT perdeu escandalosamente até nos seus principais redutos. Ora, os temas do momento falam de tudo – Lava Jato, Odebrecht, STF, PGR, etc. –, menos de escolhas sem candidatos declarados. Então, qual o propósito de fazer pesquisa para as eleições que só vão ocorrer em 2018? E, nas duas recentes que foram feitas, da CNT e da Ipsos, Lula é o vencedor com todos os antecedentes citados acima? Já que os institutos não precisam comprovar nada, perguntamos: onde estão todos esses possíveis eleitores? Ou são de outro planeta ou as pesquisas são fajutas e encomendadas para fazer o PT e seu único candidato permanecerem em cena.

 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

POPULISMO

 

Três populistas nefastos: Trump, Hitler e Lula.

 

Fernando Pastore Junior fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

 

*

PARA ONTEM!

 

É inegável o desejo do presidente Michel Temer, desde que assumiu a direção do País, em recolocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento, porém tem encontrado fortes barreiras de oposicionistas e dentro de seu próprio partido, o PMDB, para aprovação de reformas cruciais para que realmente o País deslanche. As reformas da Previdência, tributária e trabalhista têm de ser aprovadas para ontem, se não a PEC do Teto dos Gastos de nada vai valer. No entanto, caminham com o freio de mão puxado. A oposição, como não tem mais nada a fazer, só atrapalha; a base do governo não abre mão do toma lá da cá; entidades representantes de trabalhadores querem mais é fazer média com seus associados, assim diretores e secretários não perdem o “bem bom”. Um megafone em mãos é bem melhor do que bater cartão nos empregos. O déficit já monta mais de R$ 316 bilhões e 2024 é a data-limite para a falência total. Se algo não for feito, a tendência é de que a bancarrota venha mais cedo; até outubro de 2016, com as notícias das mudanças para aposentadorias, 1,02 milhão de trabalhadores já havia pedido contagem de tempo, some-se a isso mais de 13 milhões de desempregados e o envelhecimento célere da população. E uma cambada de parlamentares irresponsáveis (CPI), alguns com mais de 20 anos no poder, justo agora, quer investigar a Previdência! Ora, vão procurar mais o que fazer seus dissimulados!

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

*

DE VOLTA AO JABURU

 

“O jaburu... a ave que para mim simboliza a nossa Terra. Tem estatura avantajada, pernas grossas, asas fornidas e passa os dias com uma perna cruzada na outra, triste, triste, daquela austera e vil tristeza”. (Carta de Capistrano de Abreu a João Lúcio de Azevedo). Em seu “Retrato do Brasil – Ensaio sobre a tristeza brasileira”, Paulo Prado cita esse trecho de carta. Certamente quem imaginou esse esquisito nome de Palácio do Jaburu pretendeu se contrapor a essa tese e às tristonhas lendas que correm no pantanal sobre a ave. Não se garante se tal desagravo tenha surtido o desejado efeito, isto é, se no imaginário popular a menção ao jaburu não mais remeta a algo feio, desajeitado, tristonho. Enfim, jaburu não casa com beleza, elegância, alto astral, com liturgia presidencial. E a família Temer, não sem razão, ávida de bons fluídos, ao voltar a viver no Palácio do Jaburu, parece não se dar conta dessas pequenas coisas do rico folclore nacional.

 

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

 

*

JABURU OU ALVORADA

 

Temer nunca será presidente de fato. Vestiu a carapuça de vice e é pau mandado do PMDB. Não quis nem sair do Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência. Aliás, ele e Dilma Rousseff são uns jaburus (ver definição no “Aurélio”). Assessor dela para assuntos inúteis, age ainda como tal. E ainda carrega a pecha que ACM muito apropriadamente lhe colocou: “Mordomo de casa de filme de terror”. Claro, pois o que se passa no Brasil é um filme de terror. Os brasileiros são uns mortos-vivos. Que azar!

 

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

DESATINOU

 

Michel Temer e família estão de volta ao Palácio do Jaburu, ricamente reformado. Já seu amigão, Eliseu Padilha, que baixou hospital, não terá a mesma sorte e sua volta à antiga e boa Casa Civil não está assegurada. Acidente de percurso?

 

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

  

*

A URUCUBACA NO RIO DE JANEIRO

 

O carnaval de 2017 no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador, em especial foi um sucesso absoluto em todos os quesitos, sem embargo da crise escandalosa adotada do PT pelo governo de Michel Temer. Mas nem todas as cidades foram polos de sucesso sem mácula. No Rio de Janeiro ocorreram dois acidentes com duas escolas de samba causando ferimentos em mais de 30 componentes e outros da arquibancada atingidos por um carro alegórico desgovernado, não havendo punição, e muito pelo contrário, a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio (Liesa), premiou os responsáveis ferindo as regras do desfile. A avenida Sapucaí, palco dos folguedos de Baco por pouco não se transformou numa tumba de Mefisto. Há que aproveitar a “onda” de reformas que assola o País e promover algumas na Liesa. Os carros alegóricos só deveriam entrar na avenida com a apresentação do certificado ISO de qualidade; o número de pessoas nos carros deveria ser limitado, bem como o excessivo número de participantes em cada ala. Um item difícil de entender é do julgamento. No Rio, as quatro primeiras escolas tiveram uma diferença de apenas 1 décimo, tais como a campeã Portela obteve 269,7 pontos, a vice-campeã Mocidade, 269,6 pontos, e por aí vai. Como é possível dar nota 9,9, isto é tirar 1 décimo proveniente de uma falha individual ou no conjunto de uma ala separadamente. É preciso ter visão de Clark Kent (Super Homem). Estamos literalmente nas Cinzas em que o PT jogou o Brasil. Uma observação que não quer calar: O carnaval na cidade de São Paulo está surpreendendo as pessoas de bom gosto.

 

Jair Gomes Coelho​ jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

NINGUÉM REBAIXADO

 

O não rebaixamento das últimas colocadas no carnaval do Rio de Janeiro em razão dos acidentes não foi uma virada de mesa, viraram o vaso sanitário, entupido e cheio. As escolas aprenderam rápido com Cabral e Cia.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

PALHAÇADA

 

Deveriam rebaixar, sim. Os acidentes não aconteceram sozinhos, por vontade própria. As investigações ainda estão em andamento, mas há indícios de negligência. O mais sensato seria aguardar a conclusão das investigações. Se comprovada a negligência das escolas, deveriam ser rebaixadas, além de outras penalizações cabíveis. Não rebaixando vira bagunça. Perde-se a credibilidade no evento. Vira palhaçada.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

VERGONHA NO RIO

 

Os incidentes ocorridos no desfile do grupo especial do Rio de Janeiro, provocados pelos carros alegóricos, aconteceram por exclusiva culpa e irresponsabilidade das agremiações, logo, não faz sentido mudar qualquer regra. Prevalecendo essa decisão, qualquer motivo poderá ser usado no futuro para que qualquer agremiação reivindique não descer para outro grupo. A decisão da Liesa é absurda sob qualquer quesito que se queira julgar.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

 

*

VISTORIA DA ENGENHARIA

 

Por que os carros alegóricos das escolas de samba do Rio e de São Paulo quebram tanto e não se veem trios elétricos em Salvador quebrados ou em pane? A resposta a essa questão parece envolver diretamente o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea). Todos os veículos do carnaval de Salvador, de fobicas e trios elétricos a carros de apoio, são vistoriados pelo Crea e só podem sair à rua quando liberados. Essa regra impõe a necessidade de sempre haver a figura do engenheiro no projeto do veículo e em sua construção – sim, porque um trio elétrico (assim como um carro alegórico) é uma construção, requerendo profissionais gabaritados e qualificados. Mais uma vez cumprimento o Crea pelo trabalho de prevenção e de valorização da profissão de engenheiro.

 

Aldo Dórea Mattos aldo@aldomattos.com

São Paulo

 

*

ENREDOS

 

Penso que, aproveitando a magia do carnaval, a mídia desenvolvesse mais os temas dos enredos das escolas de samba e, com isso, levaria para muita gente conhecimento nem sempre possível no dia a dia. A Paraíso do Tuiuti colocou a modernidade e a contemporaneidade da cultura brasileira no seu belo e significativo desfile, a São Clemente, o Luiz XIV, a Beija Flor, Iracema, enfim, muitos assuntos importantes que, se fosse possível mais tempo para desenvolvê-los, com certeza enriqueceria o momento, aguçaria o interesse e seria uma força a mais na cultura do nosso povo.

 

Glauce Clôres glauceclores@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

HÚNGAROS

 

Quero apresentar os parabéns ao preclaro embaixador da Hungria no Brasil por sua carta publicada na quinta-feira (2/3). Lúcida, clara, em excelente português, mostra claramente qual é a política de um país civilizado em face desse drama dos tais refugiados.

Perfeita em todos os sentidos a argumentação apresentada. Por outro lado, em meus 50 anos de trabalho como engenheiro brasileiro, tive contato com muitos húngaros e pude constatar que a vinda deles para o Brasil, certamente como refugiados ou filhos destes,  foi altamente conveniente para nós, pela sua cultura, seu caráter e seu comportamento exemplares.

 

Alberto Martinez alberto.martinez@terra.com.br

São Paulo

 

*

POVO FECHADO

 

Eu, como romeno, posso falar o contrário, que os húngaros não são um povo acolhedor. Na região da Romênia chamada Transilvânia há 99% de húngaros que não falam romeno e não querem saber da cultura romena, principalmente a língua romena, que é neolatina. O povo húngaro é muito fechado, não aceita o

convívio com outro ser humano. E a língua húngara é a mais difícil língua do mundo.

 

Paul Rene Volovici Volovici prv359@gmail.com

São Paulo

 

*

CORREIOS

 

Estou incendiado para fazer uma reclamação à Ouvidoria dos Correios, mas ela só atende mediante protocolo de reclamação. Ora, a minha reclamação é que a empresa de Correios parece estar derretendo, e para isso não há protocolo. Postei encomenda (DV403067876BR) via Sedex em 23/2, mas até o dia 2/3 (data em que escrevo esta carta) não havia sido entregue. A agência Vila Ré diz que houve tentativa de entrega, mas não houve, porque o prédio (Rua Cotoxó, 839, Pompeia) é de porte médio e tem porteiro e zelador para receber correspondência. Há algumas semanas o zelador foi à agência do bairro verificar as correspondências e encontrou uma montanha delas não entregue porque estavam com falta de carteiros. Isso, fora os 4 Sedex que enviei para o Rio de Janeiro e desapareceram. O Correio diz para o interessado “acompanhar” a entrega. O Fale Conosco do site está inoperante. Pelo telefone, fico pendurado ouvindo música atrás de música. As meninas das agências nada podem fazer. Protocolo, por favor.

 

Apóllo Natali apollo.natali2@gmail.com

São Paulo

 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.