Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

07 Março 2017 | 03h00

INFRAESTRUTURA

O escândalo da BR-163

Nas reportagens feitas estes dias, que provocaram justa indignação da sociedade brasileira, pudemos assistir a 50 km de caminhões parados no atoleiro que o governo insiste em chamar de estrada, por onde escoa a produção de grãos de Mato Grosso para portos no Pará. Projetada em 1970, pelo regime militar, foi inaugurada em 1976 e ainda falta asfaltar 300 km no Pará. A situação é tão vergonhosa que o Exército está distribuindo água e cestas básicas aos caminhoneiros presos no lodaçal há mais de três semanas. Ao ver as imagens da situação não só dos caminhoneiros, como dos fazendeiros, que na década de 70 atenderam ao chamado do governo para ocupar aquela região, não creio que alguém deixe de ficar revoltado com tamanho desleixo. Evidentemente, todos os governantes do País, desde 1976, têm sua culpa. Porém, no governo do PT, é fato conhecido que o BNDES financiou obras da Odebrecht em Cuba, na Venezuela e outros países da América Latina e da África. E os recursos o BNDES captou no Fundo de Investimos do FGTS (FI-FGTS), que se destina à construção, reforma, ampliação ou implantação de empreendimentos de infraestrutura em rodovias, portos, hidrovias, ferrovias, aeroportos, energia e saneamento. Reportagem do Estadão que abordou anteriormente esses financiamentos esclarecia que os juros cobrados são de pai pra filho. Cumpre ressaltar sempre que o dinheiro do FI-FGTS pertence ao trabalhador brasileiro. Isto posto, quero apontar que essa decisão do então governo federal torna o abandono da BR-163 um ato criminoso ainda mais abjeto e imperdoável. Verdadeiro crime de lesa-pátria. Os autores têm de pagar por isso.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

Prioridades

A foto na primeira página do Estadão de 4/3 mostra exatamente o pouco-caso do atual governo para com o agricultor. Em vez de dar prioridade ao transporte de grãos produzidos em localidades distantes dos portos de despacho, fica se preocupando com medida para anular depoimentos de relatores da Lava Jato.

ORÉLIO ANDREAZZI

orelio@andreazzi.com.br

Suzano

Privatizem essa porcaria

Durante uma de minhas “aventuras” percorri a metade sul da BR-163. Estrada não asfaltada na Amazônia é “osso”. A 163 tem longos trechos intermitentes de muito bom asfalto. O que quer dizer que a velocidade do usuário vai de 100 km/h sem estresse no asfalto para 15 km/h tensos na estrada de terra seca. Com chuva, é isso aí. Fila de espera para passar, com auxílio de reboque, pelos inúmeros atoleiros, geralmente nos trechos com morrotes, que oferecem a emoção extra do risco de deslize descontrolado morro abaixo (mesmo!). Esquecendo por um minuto que essa estrada tem pelo menos 40 anos, o incrível é que os trechos de asfalto não são contínuos. É asfalto-terra-asfalto-terra sem fim. Falta de planejamento é pouco. Porque diabos não se privatiza essa estrada? Garanto que, dada a opção entre o status quo e estrada completamente asfaltada e com serviços, nenhum dos usuários se oporia a um pedágio. Nenhum!

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

FHC

Gente grande

Excelente o artigo de Fernando Henrique Cardoso (5/3, A2), principalmente quando ele fala em entrarmos no jogo de gente grande. Só não podemos esquecer que para entrar nesse jogo temos de agir como gente grande também. E será que estamos preparados para ser gente grande?

PETUEL PREDA

petuelpreda@terra.com.br

São Paulo

GOVERNO TEMER

Condescendência do STF

Decididamente o presidente Michel Temer e seu partido, o PMDB, não ostentam os valores morais desejados pela sociedade brasileira, haja vista a indicação recente do senador Edison Lobão (PMDB-MA) para a presidência da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado e, agora, a de Romero Jucá (PMDB-RR) para líder do governo na mesma Casa do Congresso. Pesam contra os dois “nobres” senadores acusações de terem recebido vultosas propinas de empresários que estão sendo investigados na Operação Lava Jato. Esses senadores só não foram investigados e julgados até hoje porque estão protegidos pelo foro privilegiado, que os impede de serem levados à presença do juiz Sergio Moro. Eles já deveriam ter sido investigados e julgados pelo Supremo Tribunal Federal, mas, como temos observado, a Corte tem se mostrado condescendente com quem tem foro privilegiado.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


 O ‘HONESTÍSSIMO’ E A LAVA JATO

O escritor Millôr Fernandes (1923-1912) disse: “Tem gente que se acha honesta só porque não sabia da mamata”! Retrato fidedigno de nossos “honestíssimos” políticos, que, ou meteram a mão no lodo, ou fizeram e fazem do lodo seu elemento de vida. Assim como o peixe vive no elemento água, político vive no elemento lodo. Se não é, foi. Ou sendo ou tendo sido, sempre está conspurcado. Quando você vê ou ouve candidata ou candidato (ainda que por descuido), na telinha ou no rádio, voz suave (lendo pequeno texto que não conseguiu decorar), convidando “venha para nós somos o 13; ou somos o 33; ou o 45”, e cosi via, entenda, estão querendo dizer: somos todos 171. Pois que todos engalfinhados na dinâmica comportamental “de meter a mão” quanto mais possam no dinheiro público. Provo: veja a Lava Jato, pelo desenrolar do novelo, não irá sobrar um só partido que não tenha elementos conspurcados até os rins, trancafiados e condenados, para gáudio de todos nós, os espoliados por essa cambada de facínoras, cujo chefe maior é o "honestíssimo" Lula: com o só propósito de enriquecer a si e aos amigos do rei, em detrimento do povo.

Antonio B. Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

TEMPO PERDIDO

Segundo o noticiário, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, convocou o senhor Lula para dar explicações acerca do tríplex do Guarujá, no mês de maio. Com todo o respeito, senhor juiz, esperar até lá para falar de “mixaria”, quando se supõe que as implicações financeiras nas quais o ex-presidente pode estar envolvido devem ultrapassar a casa dos bilhões de reais? Poupe-me!

Luís Fernando luffersanto@bol.com.br

Laguna (SC)

*

CORRUPÇÃO OLÍMPICA

Conforme notícia do jornal francês “Le Monde”, o Ministério Público Financeiro da França encontrou indícios concretos de corrupção envolvendo a escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Não há surpresa alguma, principalmente para quem assistiu, de “cabo a rabo” ao evento da escolha do Brasil e à comemoração das “otoridades” brasileiras prelibando os ganhos com as falcatruas. Foi de dar engulhos ver a “mise-en-scène” do ex-presidente Lula, com discurso eivado de deboche aos outros concorrentes e suas lágrimas de crocodilo, além do explícito puxa-saquismo do atual inquilino do complexo de Gericinó. O que têm a dizer sobre essa notícia os 400 signatários – pseudointelectuais e artistas decadentes, na maioria – do manifesto em favor da antecipação da candidatura à Presidência em 2018 do artífice das bandalheiras? O que pretendem ganhar?

Aparecida D. Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

*

AINDA O MANIFESTO DOS 400

Peço licença ao leitor sr. Fernando Pastore Jr. para incluir no seu texto que esqueceram da corrupção para a escolha do Rio de Janeiro para sede dos Jogos Olímpicos.

Rosa Maria Illison r.millison@hotmail.com

São Paulo

*

POR QUÊ?

Excelente a coluna de Vera Magalhães do Estadão de 5/3. O manifesto que circula pedindo o lançamento já da candidatura de Lula a presidente nas eleições de 2018 tem o título de “Por Quê?” e essa interrogação serviu de gancho para que a colunista fizesse a pergunta que, esta sim, tem todo o cabimento: é o Brasil ou ele que precisa da candidatura? É claro que a segunda alternativa é a resposta. Sustentar que o contrário constitui verdadeira afronta à inteligência nacional, ao se considerarem as refinarias iniciadas e deixadas inacabadas, transposição do São Francisco paralisada e exposta ao desgaste natural do tempo, 12 arenas para a realização da Copa do Mundo de 2014, Olimpíada do RJ e finalmente levar à Presidência do Brasil uma mulher autoritária e inteiramente despreparada para a condução política e econômica do Brasil, fazendo-o cair na pior crise social e econômica de sua História. Não, o Brasil não precisa de Lula, já tivemos a experiência trágica de um presidente que voltou para depois se matar no exercício do cargo, chega. É o Lula que precisa da candidatura para dar mais credibilidade à tese dos petistas de que está sendo perseguido pela Lava Jato para impedir sua volta à presidência. Tenho a certeza de que, provadas a responsabilidade e a participação de Lula nos crimes e malfeitos cometidos, o juiz Sérgio Moro não trepidará um minuto sequer em condená-lo, seja ou não candidato. A manobra do lançamento da candidatura não terá êxito.

Paulo Afonso de Sampaio Amaral drpaulo@uol.com.br

São Paulo

*

*

MORO CONVOCA LULA

Se Lula tivesse cumplicidade com a ética e o respeito às nossas instituições, certamente hoje estaria com sua popularidade em alta e poderia ser convocado até para programas de TV. Mas, atolado em denúncias de corrupção até o pescoço e já réu pela quinta vez na Lava Jato, o ex-presidente está convocado para um encontro com o juiz Sérgio Moro. Isso no dia 3 de maio. Que decadência! Justamente no mês de maio, em que se comemora o Dia do Trabalhador, de quem Lula jurava ser defensor. Mas este mestre da demagogia e do populismo é um dos responsáveis, assim como seu partido, o PT, pela quebradeira de milhares de empresas e pelo desemprego de 12,9 milhões de trabalhadores.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FRENTE A FRENTE

Conforme noticiado, o magistrado mais respeitado do Brasil, o juiz federal Sérgio Moro, marcou interrogatório do ex-presidente “mais honesto” do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, para o dia 3 de maio. Só resta aos brasileiros de bem torcerem para que o resultado desse encontro no segundo andar do prédio da Justiça Federal em Curitiba seja Moro 7 x 1 Lula.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

TITÃS

Lula e Moro, duelo de titãs em que o grande perdedor será a nação brasileira, principalmente se o nobre ex-presidente sair vencedor.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

CAIXAS 1 E 2

É interessante, intrigante, até, o conceito que muitos homens públicos têm de nós outros, eleitores e cidadãos. Um executivo da Empreiteira Odebrecht, em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), declarou que foram doados, repassados sem registro, R$ 4 milhões para o PDT, até R$ 15 milhões diretamente atendendo a um pedido do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de dezenas de milhões para financiar a chapa Dilma-Temer. Carlos Lupi, que consta ter vendido o apoio do PDT pelos tais R$ 4 milhões, diz que “nunca aconteceu nada disso”. Aécio Neves, repetindo um velho mantra, afirma que tudo está dentro da legalidade. O presidente Michel Temer estuda anular os depoimentos dos executivos da Odebrecht. Agora aparece o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso dando inteiro apoio a Aécio Neves. A fala de FHC se reveste de uma indevida voz oracular. E o conceito diferenciado reside ou na dissimulação praticada por este senhores ou eles acreditam mesmo que somos uma massa tangível, manobrável. Só pode.

Francisco Montezuma Sales montezumasales@icloud.com

Fortaleza

*

REBOTALHOS

Da entrevista concedida ao “Estadão” por Fernando Henrique Cardoso e publicada em 4/3, consegui pinçar as seguintes pérolas socio(i)lógicas: 1) “palavra de delator não é prova”, mas a de político é sempre moralmente e eticamente irrepreensível e confiável; 2) esse pensamento é válido 100% para os tucanos, já para os demais políticos decresce na medida do interesse deles; 3) tucanos só recebem doações oficiais e legais, preocupando-se eles sempre em saber se elas não são fruto de caixa 2; 4) preocupam-se os tucanos em diferenciar recebimento de caixa 2 para financiamento de campanha, com o mesmo caixa 2 que vai ser utilizado para “enriquecimento pessoal”, o que por si só configura, segundo eles, “crime puro e simples de corrupção”. Assim, “apud” FHC em linguagem pura e simples: “Lavou (no TSE), está limpo”. 5) Que a imprensa está sendo usada por pessoas “não criteriosas” para manchar a imagem plumosa de alguns tucanos, não tão criteriosos ao meu ver. Em seus artigos e entrevistas, FHC tem mostrado que o corporativismo existente entre os lamentáveis políticos está enraizado de tal maneira entre eles que turva qualquer pensamento de quem por mais inteligente possa ser. Nivela por baixo e torna rasteira qualquer manobra de defesa. É sempre o mais do mesmo. O pior do já ruim. Lamentável, para quem em passado próximo tinha minha profunda admiração.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

CANTILENAS

Deparamo-nos nos últimos dias com a declaração de um ex-presidente, sociólogo, em defesa do “enfant gâté” de seu partido, acusado de pedir caixa 2 a empreiteiro corrupto para financiamento de campanha política passada. O argumento utilizado na defesa, de que “palavra de delator não é prova”, soa como mais um “nhé, nhé, nhé” do defensor. Sim, pode-se concordar que a palavra de “um” delator não possa se constituir em prova. Mas esse não foi o único “dedo duro” que fez esse tipo de acusação contra o candidato a candidato nas eleições de 2018 (será que a coisa chega até lá?). Da mesma forma, todos os canalhas que habitam o Congresso Nacional, quando acusados de corrupção por algum delator, se apressam em dizer que a acusação não passa de mentira. Parafraseando Abraham Lincoln, lembro a eles que “um delator pode mentir todo o tempo; todos os delatores podem mentir algum tempo; mas não é verossímil que todos os delatores estejam mentindo todo o tempo”. É bom que eles se preparem para se defender com bons argumentos, e não com cantilenas.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

SILÊNCIO, FHC

Até agora, nada, absolutamente nada foi dito que possa comprometer o ex-presidente Fernando Henrique, não sei e nem entendo por que sua preocupação em defender o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, citado por um ex-executivo da Odebrecht. “A palavra de um delator não é prova em si, apenas um indício que requer comprovação”, afirmou o ex-presidente em nota oficial. Impressionante como o ex-presidente adora pôr as mãos no fogo por amigos partidários. Seria muito mais producente se o ex-presidente ficasse quietinho em seu canto, até que as coisas se esclarecessem, não é mesmo?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

RELATIVIZANDO

O ex-presidente FHC defende o PSDB da acusação de caixa 2. Está querendo relativizar. Defender o indefensável. Falou bobagem. Melhor faria se ficasse calado. Olhe para seus governos, sr. Fernando Henrique. Quantos escândalos. Faltaria espaço para enumerá-los. Não tem bobo nesta política. Defende o senador Aécio Neves, cujo processo para apurar se recebeu ou não R$ 9 milhões, conforme depoimento do sr. Sérgio Machado, prescreveu. E o depoimento foi feito há uns dez anos. Não andou. Ficou parado. Deve ser o tal foro privilegiado. Melhor faria o sr. Fernando Henrique se explicasse as privatizações na sua gestão, no que, para mim, nada funciona. As melhorias prometidas devem estar vindo a passo de cágado, o sistema Telebrás, avaliado em R$ 45 bilhões, saiu por R$ 17 bilhões. Está faltando uma explicação de R$ 28 bilhões e outras coisas que ocorreram nesta privatização sem transparência. O seu partido não é nenhum arauto da decência, muito pelo contrário, é tão culpado quanto os demais. É lógico que o sr. vai defender seu partido, seus companheiros, vai procurar relativizar, por uma razão simples: também tem culpa no cartório. É tudo farinha do mesmo saco. Urge neste país uma mudança radical no sistema político e de governo. O status quo só interessa aos que estão no topo da pirâmide da estratificação social. Abaixo desta primeira camada ninguém está satisfeito.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DEFERÊNCIA

Não tenho nada contra Aécio Neves, até já votei nele. Mas considero que a imprensa o trata com excesso de deferência quando comparado a políticos da oposição. A imprensa devia ser menos parcial, principalmente quando se trata de exigir investigação urgente do Ministério Público em relação ao recebimento de caixa 2 pelo político mineiro, presidente do PSDB, já várias vezes acusado, aliás, de outras práticas condenáveis, sem nenhum vestígio de processo em andamento até agora.

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo

*

CULPA DA IMPRENSA?

Adversários de Donald Trump, segundo ele, difundem “notícias falsas”; adversários do PSDB, segundo FHC, difundem “notícias alternativas”, seja lá o que isso for... Resumindo, a culpa é da imprensa! Dá para acreditar?

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

O DEPOIMENTO DE ODEBRECHT

Marcelo Odebrecht, em seu depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quis usurpar a nossa função, pois “bobo da corte” é cada brasileiro, trabalhador e honesto, que paga seus impostos em dia e que mantém o reinado dos políticos corruptos. Ele e sua família usufruíram muito bem da relação promíscua entre sua empresa e governos (federal, estaduais e municipais). E nós, povo brasileiro, vamos continuar sendo os bobos da corte, enquanto Marcelo Odebrecht, em breve, sairá da prisão e voltará a usufruir de suas mordomias conquistadas com o nosso dinheiro. E o Supremo Tribunal Federal vai continuar dando cobertura para que os políticos corruptos continuem seus reinados. O Brasil só mudará se o eleitor deixar de ser bobo e escolher melhor seus representantes. Difícil, né?

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

OS OTÁRIOS DA CORTE

Marcelo Odebrecht autodenominou-se de “o bobo da corte” do governo. A esta altura do campeonato, os milhões de brasileiros que pagam pesados tributos e têm seu dinheiro escoado no esgoto poderiam ser chamados de quê? Otários?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

NA CARA

Com efeito, de “bobo da corte” Marcelo Odebrecht só tem a cara...

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

BOBO DA CORTE

Marcelo Odebrecht não foi bobo da corte do governo federal, ele se esqueceu de que quem brinca com fogo pode se queimar, quem brinca com criança pode se molhar e quem tem negócio com bandido pode ser preso, como ele está... e o bonitão está soltinho falando mentiras para outros otários.

Carlos R. Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

MANTRA PARTIDÁRIO

Diante das revelações dos depoimentos de Marcelo Odebrecht e seus pares, os dirigentes partidários adotaram um mantra uníssono: não! E nós, constitucionalmente, estamos limitados a comparecer a cada quatro anos para eleger estas proles ignaras em relação às nossas reais necessidades. E, claro, bancá-los financeiramente via Fundo Partidário e caixa 2 de origem corrupta. Inspirando-me em Diadorim, personagem de “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, reconheço que a cada dia estamos acordando “mais menos”.

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

FOTOS E FATOS

As prisões de empresários como Eike Batista (símbolo da era nazi-petista) e Marcelo Odebrecht, para citar apenas os mais rumorosos, mostra bem o baixo nível dos empresários brasileiros. Fico imaginado a quantidade de outros empresários que só prosperam graças a acordos com organizações criminosas como PT, PMDB, PSDB etc. e com apoio de funcionários públicos corruptos (milhares deles). Incrível que muitos desses empresários aparecem na mídia especializada dando entrevistas e falando do sucesso de suas empresas, etc., até que surgem os escândalos. Que toda a sociedade passe a desconfiar muito do sucesso meteórico de empresários e ainda mais do padrão de vida de servidores públicos.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

A LAVA JATO TERÁ SUCESSO?

A Operação Lava Jato no Brasil não tem nada que ver com a Operação Mãos Limpas, na Itália. Na Itália, a máfia italiana passou de delitos familiares, locais, à compra de políticos para que facilitassem seus crimes. Já no Brasil a “máfia partiu da política”, para segmentos da sociedade. O brasileiro comum hoje só vê denúncias de falcatruas, conchavos e bandalheiras partindo dos políticos, e praticamente todos os partidos estão envolvidos. O povo só serve como burro de carga para gerar impostos. Dá para acreditar que um dia a Lava Jato acabará com esta gente? O ano de 2018 será o divisor de águas. Vamos continuar com este Congresso? Só existe uma saída. Continuar ou mudar?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

REMEMORANDO

Por mais de dez dias cerca de 3 mil caminhões ficaram parados em atoleiros da BR-63, principal rota do Norte para escoamento da safra de grãos, que ficou ameaçada de “ir para o ralo”, como disse o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Mas por que estes 100 km de estrada sem asfalto numa região tão importante para o agronegócio? Vou lembrar a todos que o mestre Lula só sabia criticar a cobrança do valor dos pedágios cobrados no Estado de São Paulo, apesar de aqui estarem, indiscutivelmente, as melhores estradas do País. Lula tentou uma primeira maquiagem no setor de estradas de rodagem com o Programa “Tapa Buracos”, que em 2005 se mostrou uma solução fracassada para melhorar nossas estradas. Então, para atrair investimentos em infraestrutura, resolveu lançar um programa de concessões de estradas, ferrovias, portos e usinas como nunca se viu, pois a exigência era de que a cobrança das taxas fosse a mais baixa do País. Cerca de R$ 1,00. Uma empresa espanhola arrematou a maioria dos lances, já que os empresários duvidaram da possibilidade das concessionárias honrarem seus investimentos com uma tal tarifa. Agora vemos o resultado dos 13 anos de gestão populista e incompetente do PT na área de infraestrutura, retratado nas imagens desta fila imensa de caminhões carregados com uma safra recorde de grãos... em vias de se perder! O barato está nos saindo muito caro, caro demais para que nos esqueçamos de apontar os responsáveis: Lula e Dilma.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

O PAÍS NO ATOLEIRO

A eterna fila de caminhões atolados numa estradinha de terra transportando a riqueza da Nação é o retrato acabado da incompetência do governo brasileiro. Se fizerem uma investigação no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), vão entender por que o Brasil nunca vai sair do atoleiro, da lama da corrupção endêmica. A demissão do ministro dos Transportes, junto com a demissão da diretoria do Dnit, seria o mínimo.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

BR-163 X PORTO DE MARIEL

O estado horroroso em que ficou parte da BR-163 por conta das chuvas e que ocasionou um congestionamento de 50 km por duas semanas, trouxe mais uma vez à baila a situação precária em que se encontra grande parte das estradas brasileiras, muito bem ilustrada no editorial "O país dos maus caminhos". Não se pode deixar de comparar esta situação a outra mal parada e ainda muito mal esclarecida: o Porto de Mariel, em Cuba. Como pôde o governo Lula destinar, em 2009, através do BNDES, milhões de dólares a este projeto, enquanto o Brasil literalmente chafurdava na lama de estradas mal feitas e mal conservadas além de outros graves problemas de infraestrutura? Sem entrar no mérito de motivações de outra ordem, nenhum governo sério aplicaria a fortuna de U$ 682 milhões num país estrangeiro, completados na gestão de Dilma Rousseff, sem primeiro deixar a própria casa em ordem. É bem verdade que o problema vem desde bem antes de Lula e Dilma, mas os governos petistas conseguiram piorar o que já era ruim e alçar o país a campeão da falta de seriedade!

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DESDE QUE...

Tudo é motivo para bradar e fazer um oba-oba pelo País, divulgando que a exportação reage e deve ter o melhor resultado em três anos. Desde que o governo dê condições de escoar a produção, pois basta ver a vergonhosa situação da BR-163, onde existem 4 mil caminhões parados em atoleiros, carregados de soja, milho, grãos em geral, além de cargas vivas morrendo e produtos perecíveis.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo*

*

FERROVIA PARA SUBSTITUIR A BR-163

Sou engenheiro civil, especializado em perícias e avaliações de engenharia, engenharia econômica e com 23 anos em gestão ferroviária. Ferrovia é uma opção ótima de transporte e na minha experiência profissional de 40 anos, gerenciei grandes e criativas obras, que entretanto serviram ao maldito jogo da privatização brasileira, quando poderiam ter solucionado os problemas de logística. Por outro lado, ferrovias, estações, silos e moegas ferroviárias, complementam, mas não substituem totalmente as estradas de rodagem, que mesmo de terra, também necessitam de drenagem, e manutenção o que não precisa ser necessariamente oneroso, mas constante.

Luiz Fernando.Pegorer eng.pegorer@gmail.com

Santos

*

DIFERENÇAS

Na Coreia do Sul mais de 1 milhão de pessoas saíram nas ruas para pedir a imediata saída da sua presidente, acusada de tráfico de influência. Enquanto isso, no Brasil, muitas vezes mais que 1 milhão de pessoas também saíram nas ruas para... curtir o carnaval. O que significa isso? É que aqui, segundo os brasileiros, deve estar tudo muito bem. Por isso é que a Coreia do Sul é um país de Primeiro Mundo e o Brasil, cada vez mais, se afunda na lama.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

REFORMAS

Concordo com o editorial “Compromisso com as reformas” (25/2, A3), referente ao propósito do presidente Michel Temer de realizar as reformas previdenciária, trabalhista e tributária. Concordo, outrossim, com o esforço da sua equipe na busca de equilibrar as contas públicas. Surpreende-me o termo estapafúrdio “leninista” na declaração do ministro Moreira Franco, quando dele espero persuadir as lideranças do seu partido PMDB, que é também o do presidente Temer, a aprovar pelo voto as reformas acima.

João Ferreira Mota jfmota29@gmail.com

São Paulo

*

AVANÇOS NA ECONOMIA

Dilma, Lula e PT destruíram a economia do País, mas, antes que conseguissem quebrá-lo de vez, foram removidos do poder. Agora, com Temer, apesar dos problemas políticos que sacodem seu governo, o pouco tempo que está administrando tem obtido avanços na área da economia, o mercado tem reagido bem com as mudanças, conseguiu controlar a inflação, a redução dos juros, conquista no Congresso com a PEC do Teto dos Gastos, reequilíbrio das contas públicas, criação de vagas do Fies, aplicação de recursos na saúde, fortalecimento dos programas sociais, entre outras conquistas. Enfim, este novo governo está conseguindo criar ambiente favorável para os investidores, diminuição do desemprego e crescimento sustentável da economia.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

PLANOS PARA O BRASIL?

A cada dia que passa vemos que os petistas não se cansam de tentar atrapalhar a recuperação do País. Depois de colocar o Brasil literalmente no buraco, inventam situações irreais. Criticam tudo e todos, mas nada de soluções. E, para piorar, Lula diz que tem planos para a economia. Só se for para afundar novamente o Brasil!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

O INCÊNDIO DA CPMF

Bastou a tucanagem e uma voz isoladamente e sem o aval do Planalto mencionar a recriação da CPMF para as forças populares entrarem em ebulição, tanto que Michel Temer apressou-se em dizer que a ideia não partira do Planalto. Entenda-se, de vez, que de nada resolve fazer pequenos testes para sentir possível apoio à criação do repudiado tributo, porque se trata de fato consumado: os brasileiros, na sua totalidade, não querem e não aceitam mais tributos, inclusive a CPMF. Assim, político que quiser viver com um pouco de paz com os eleitores esqueça a CPMF!

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

O BC E A POLÍTICA

Importante dar-nos conta de que hoje o Banco Central (BC) é completamente autônomo, sem sofrer nenhum tipo de intervenção por interesses políticos como foi no governo Dilma, o que fez com que a inflação chegasse ao patamar a que chegou, dos dois dígitos. As consequências disso foi o sofrimento que esta inflação alta nos causou, que são sentidos no dia a dia do brasileiro. É justo, pois, mencionar que a equipe econômica atual nos traz a segurança de que há gente responsável zelando pela saúde da nossa Economia. Só desta forma o País poderá prosseguir numa rota de crescimento se, juntamente com isso, forem aprovadas as reformas de que tanto o Brasil precisa. Entretanto, em 2018, teremos de cuidar para eleger alguém que mantenha esta política econômica e seus alicerces e não faça um desmonte como foi praticado pelos governos lulopetistas em relação ao duro ajuste promovido pelo governo FHC, tentando enganar o povo com medidas irresponsáveis que, a curto prazo, passam a impressão de progresso, mas que, mais adiante, são geradoras de crises gravíssimas como esta que estamos todos vivenciando hoje.

Eliana França Leme efleme@gmail.com

São Paulo

*

EPIDEMIA DE FEBRE AMARELA

Houve a notificação de mais de mil casos de febre amarela em Minas Gerais, com a ocorrência de mais de cem mortes. Configura-se, assim, um caso grave de epidemia da doença, o que provoca uma corrida em massa por vacinação e o fechamento de parques por todo o Estado, por medida de segurança. A febre amarela já se espalhou por quase cem municípios mineiros, incluindo a região metropolitana de Belo Horizonte. Estados que fazem divisa (como São Paulo e Espírito Santo) apresentam surtos de febre amarela em menor escala, mas a possibilidade de ampliação territorial da epidemia coloca todo o País em risco.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

JUVENTUDE TRANSVIADA

A notícia inusitada deste domingo foi a que narrou a prisão em flagrante da suplente de vereador do PT por São Paulo Maira Machado Frota Pinheiro, de 26 anos, estudante de Direito da Faculdade do Largo São Francisco, da USP. Ela pichava um muro com os dizeres “CORRU PTOS! AS MÃES TAMBÉM GOZ” quando foi detida pela patrulha da Guarda Civil Metropolitana. Não bastasse a inusitada prisão, o secretário municipal da Juventude do PT, Vitor Marques, disse à reportagem que ela foi detida enquanto fazia uma “manifestação”, e não uma pichação. Seja lá qual fosse tal “manifestação”, foi na verdade um ato de vandalismo. A jovem tornou-se suplente de vereador da cidade que resolveu emporcalhar, com apenas 1.294 votos, o que felizmente torna remotíssima a possibilidade de vir a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal. Tanto o seu ato como a psicodélica explicação do secretário municipal da Juventude do PT me levaram a lembrar do filme de 1955 “Juventude Transviada”.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

VANDALISMO OU MANIFESTAÇÃO?

Pensando num futuro melhor para o Brasil, é desanimador quando deparamos (5/3, A19) com a atitude de uma estudante de Direito da USP de 26 anos, suplente de vereador e, logicamente, filiada ao PT, sendo presa em flagrante na madrugada de sábado por estar pichando parede na parte central da cidade -- segundo seus "padrinhos políticos", ela estava fazendo uma "manifestação". Fazemos votos para que atitudes como essa sejam exceções, e não a regra.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

INVASÃO ILEGAL

Conforme já apontado anteriormente neste espaço, segue crítica à situação de invasão ilegal da região da Bresser na Radial Leste em São Paulo. O atual prefeito pode realmente ter planos de melhorias para a cidade, porém, preocupa-se atualmente em resolver “problemas” como pintar de branco as guias das calçadas das principais avenidas, podar árvores, varrições, limpeza de canteiros, praças, etc. Louváveis, tais ações, no entanto, não demonstram a capacidade de gestão tão alardeada. Gostaria que o prefeito de São Paulo, por meio deste espaço, esclarecesse para a população quais são seus planos para resolver o problema real na Bresser, Subprefeitura da Mooca.

Ricardo Fioravante Lorenzi ricardo.lorenzi@gmail.com

São Paulo

*

AVENIDA PAULISTA

Pergunto ao prefeito João Doria se a Avenida Paulista será reaberta ao trânsito nos finais de semana e as calçadas aos pedestres que perderam o direito de ir e vir. Não é possível que uma Avenida dessa importância para a Cidade, que liga os bairros da zona Sul aos da zona Oeste, se feche nos finais de semana, com prejuízo aos moradores, ao comércio, aos hospitais, clubes, museus, cinemas, restaurantes, hotéis, cemitérios, velórios, etc. Virou parque, praia, dormitório, cracolândia, pista de ciclismo, de skatismo, comunidade, tudo menos Avenida. Por que não se usam os parques da Cidade para lazer? Hoje pela manhã, ele foi entrevistado numa rádio local, mas não respondeu a esta pergunta que lhe mandei.

Maria Cecília Naclério Homem mceciilianh@gmail.com

São Paulo

*

SÃO PAULO ESBURACADA

Enquanto pavimenta sua avenida rumo ao Palácio do Planalto, o jovem e cheio de energia prefeito João Doria Jr. bem que poderia pavimentar também os milhares de buracos de São Paulo que a transformam numa taboa de pirulito repleta de furos. Haja energia. Doria prometia benefícios para a periferia, então, prefeito, dê uma voltinha por lá e veja com seus próprios olhos a montanha de ruas que parecem ter sido bombardeadas. As suspensões dos milhões de veículos que por ela transitam e os prejudicados cidadãos sufocados de impostos agradecem.

Apollo Natali apollo.natali2@gmail.com

São Paulo

*

CEMITÉRIOS

Com os novos tempos que chegaram à nossa cidade, tenho esperança de que o sr. prefeito João Doria lance o seu olhar atento e competente para o estado lamentável em que se encontram os cemitérios de São Paulo. O tradicional Araçá exibe em seus muros, na Rua Major Natanael, nichos que antes abrigavam estátuas, e agora apenas ostentam destroços e pichações por toda parte. Obras inacabadas que deixam ver o estado crítico de suas paredes, sem falar nos assaltos já rotineiros que destroem peças de bronze de impossível reposição, algumas assinadas por mestres da escultura, que infelizmente já não estão mais entre nós. Não seria uma boa solução forrar os muros desses cemitérios com vegetação, que dificultaria as pichações e outros tipos de vandalismo? As tais paredes verdes tão bonitas e tão naturais?

Vera Bertolucci veravailati@uol.com.br

São Paulo

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.