Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

25 Março 2017 | 03h00

CORRUPÇÃO

Lulopetismo

Diante das últimas e estarrecedoras revelações de Marcelo Odebrecht, não é preciso ser nenhum luminar para concluir que não há mais a menor sombra de dúvida quanto ao envolvimento e à, consequentemente, culpa do sr. Lula e de sua pupila, o poste Dilma Rousseff, nos gravíssimos episódios de improbidade administrativa quando ambos estavam no poder. Aliás, a sra. Dilma não sofreu impeachment gratuitamente, convenhamos.

MARIA ELISA AMARAL

marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

Não cola mais

A ex-presidente Dilma nega – e desafia provarem o contrário – o que vazou da delação dos poderosos executivos da Odebrecht, os quais afirmaram categoricamente que ela sabia da existência do caixa 2 em sua extravagante campanha para a reeleição, em 2014. Dilma, economista, foi presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, ministra de Minas e Energia e chefe da Casa Civil da Presidência da República. Com tanta experiência palaciana, quer nos convencer de que nunca teve conhecimento ou se importou de onde e como vinham os milionários recursos de sua campanha eleitoral? Será que ela achava que PCdoB, PROS e PRB cederam o seu tempo de televisão por pura ideologia e idolatria à então “presidenta”? A sra. Dilma que ao menos respeite a nossa inteligência.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

O preço

Finalmente o capitalismo conseguiu aferir quanto custa o apoio político/ideológico do Partido Comunista do Brasil (PCdoB): R$ 7 milhões.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

Nenhuma novidade

Alguém que compactua com todos os desmandos ao seu redor não tem outro nome senão conivente, e tem de ser responsabilizado por seus atos. A ex-presidente Dilma Rousseff, por sua personalidade centralizadora, mandona, tinha conhecimento e participava de todas as principais decisões do governo, primeiro como ministra da Casa Civil e depois, principalmente, como presidente da República e sucessora de Lula. Ela foi escolhida candidata a presidente pelo dono do PT porque era confiável e poderia acobertar os erros do seu grupo político. Ingenuidade é pensar o contrário. O jogo de esconde e mente do PT é contado em detalhes pelo empreiteiro Marcelo Odebrecht. Mas nada que já não soubéssemos...

LUIZ THADEU NUNES E SILVA

luiz.thadeu@uol.com.br

São Luís

Mentiras risíveis

De fato, as declarações de Marcelo Odebrecht atestando oficialmente, em delação premiada, que Dilma Rousseff tinha pleno conhecimento do pagamento de despesas da campanha presidencial de 2014 por meio de caixa 2 apenas confirmam o que já sabemos: a ex-presidente nunca foi inocente. A mera ciência do que acontecia à sua volta já é demonstração inconteste de que ela era parte integrante da quadrilha que assaltou o País por 13 anos. Não há escapatória: é culpada e seria mais digno se pedisse desculpas à Nação, em vez de insistir em mentiras risíveis.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Mitomania

Das duas, uma: ou o Poder Judiciário declara a interdição dos delatores da Odebrecht em decorrência de grave doença mental, por padecerem de delirante mitomania, que os faz mentir assumindo crimes inexistentes, tais como corrupção e lavagem de dinheiro; ou que Lula e Dilma Rousseff sejam exemplarmente condenados, presos e banidos da vida pública, por terem capitaneado um dos governos mais corruptos do mundo. Dilma e Lula só são inocentes se os delatores forem mitômanos doentes. Simples assim.

TÚLLIO MARCO S. CARVALHO

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

O palestrante

O povo brasileiro gostaria de saber: após a prisão de Marcelo Odebrecht, quantas palestras o homem mais honesto realizou?

MARIO MIGUEL

mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

Trapalhadas e farpas

Nada mais conveniente para a defesa dos réus da Lava Jato do que as demonstrações com forte viés de exagero ou inadequação de altas autoridades do País. Se exageraram com a diligência da Operação Carne Fraca, por que o mesmo não teria acontecido quando da apuração das delações feitas contra Lula e outros envolvidos? Por que um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que deveria preservar-se para emitir opiniões somente nos processos que tem recebido, sai se abrindo em entrevistas e antecipando sua posição, expondo críticas? Por que o procurador-geral responde de forma ofensiva a um ministro que lhe faz críticas? Os dois não conhecem as responsabilidades de seus cargos? Tudo isso só colabora para a crença de que nada está no lugar e, assim, ameaçar a Lava Jato. Nada mais importante que manter o rigor e a diligência das investigações. Foi desviado mais de R$ 1 trilhão. Temos mais de 13 milhões de desempregados. Vamos acabar logo com isso e prender os responsáveis.

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

Vazamentos

Se o STF fosse ágil e trabalhasse proporcionalmente ao que custa, não haveria vazamentos. Sete dias para as delações da Odebrecht irem do protocolo até as mãos do relator?! Quantas mãos e quantos olhos não passaram por aquelas páginas durante o demorado trajeto? Todos de dentro do STF, mais trabalho!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo.sete@gmail.com

São Paulo

Luz sobre os fatos

O ministro Edson Fachin poderá retirar o sigilo das delações da Odebrecht. É o que corre em Brasília. Sim, queremos a quebra de sigilo de todas as delações! O que não queremos é que, em nome daquele papo de governabilidade e estabilidade, se escondam os crimes cometidos por políticos e empresários, o que debilitou nossa economia. Não admitimos mais fichas-sujas na condução do Brasil. Luz sobre os fatos, doa a quem doer. Se houver a menor possibilidade de desestabilização com a retirada da vida pública de autoridades apanhadas em crimes, os competentes, fichas-limpas, honestos e bem-intencionados, e há muitos brasileiros assim, saberão consertar, com o apoio do povo. A impunidade não pode sabotar os pingos no is que faltam ao País!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TERCEIRIZAÇÃO IRRESTRITA


A Câmara dos Deputados votou o projeto de lei que autoriza o trabalho terceirizado irrestrito (231 votos a favor e 188 contra). A Lei da Terceirização é de 1998 (governo FHC) e permitia contratar trabalhadores temporários por somente três meses e para atividades secundárias ou meio, caso dos bancos, onde segurança e limpeza são terceirizadas. Com a nova lei, o contrato será temporário e de 6 meses, prorrogáveis por mais 3 meses e irrestrito. O que isso significa? Que as atividades-fim (caso dos caixas do banco) serão idênticas aos demais trabalhadores. Muitos acreditam na perda de direitos. Eu já acho uma tendência normal no mercado de trabalho e que no futuro não distante 90% dos servidores públicos serão terceirizados. Exemplo: toda cidade tem ONGs, associações, organizações, programa frente de trabalho, etc. Quase todos recebem verbas públicas e normalmente os seus trabalhadores têm contrato temporário de trabalho e exercem suas funções nos setores públicos. Enfim, gostando ou não, as terceirizações vão dominar o mercado de trabalho. E os sindicato$...


Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré


*

19 ANOS


Uma prova de que temos uma classe política e sindicatos retrógrados é que levamos 19 anos para aprovar na Câmara dos Deputados, com 238 votos a favor e 188 contra, um projeto da mais alta importância, para que empresas privadas e públicas contratem trabalhadores terceirizados para todas as atividades, inclusive sua atividade-fim. Isso sem prejudicar os direitos do trabalhador. A terceirização no serviço público será vedada apenas em funções como de juízes, promotores públicos, procuradores, auditores e fiscais. No mais, nenhuma restrição. O bom é que este projeto aprovado garante segurança jurídica e certamente vai alavancar a contratação de trabalhadores – que o PT, de Lula e Dilma, desprezou. Este projeto, enviado ao Congresso em 1998, na gestão de FHC, já tinha sido votado na Câmara no ano 2000 e em 2002 no Senado. Agora, mérito vai para o presidente Michel Temer, que avalizou a aprovação desta matéria. Em poucos meses de governo, Temer demonstra ter mais preocupação com os 13 milhões de desempregados do que o PT em 14 anos de poder.


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*

PROBLEMA ESTRUTURAL


A terceirização, como o aumento do período do contrato de experiência, evidencia uma necessidade de mudar o atual regime de CLT e de tributação do trabalho. O sistema brasileiro é terrível para o empregador, que tem contra si tudo, até a lei. A Justiça Trabalhista é unilateral, todos os que já passaram por ela tiveram uma experiência terrível, seja como empregador ou como trabalhador. Se não mudar essa estrutura, a retomada do tão anunciado emprego será lenta. Basta ver como funciona nos EUA e na China, países onde é simples descontratar (dispensar) e é simples contratar.


João Bráulio Junqueira Netto jonjunq@gmail.com

São Paulo


*

ESTÍMULO À CONTRATAÇÃO


A aprovação da terceirização para toda atividade pela Câmara dos Deputados, decerto com a sanção presidencial, trará grandes benefícios aos empresários e à maioria das empresas brasileiras. Na realidade, a terceirização de meio e fim compreende todas as atividades da empresa, o que irá facilitar sobremaneira a produção e a melhoria de uma gama enorme de produtos nacionais. Outrossim, as garantias trabalhistas foram preservadas e as contratações serão em número vultoso, capazes de absorver grande parte dos 13 milhões de desempregados no País.


José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro


*

ATÉ QUE PONTO VALEM OS EMPREGOS?


Este projeto aprovado da terceirização irrestrita foi comemorado pelos liberais, pois geraria empregos em meio ao mar de desempregados. Pode até ser que isso crie vagas e tenha outros benefícios, mas vale uma vaga em troca de uma “escravidão”? Baixíssimos salários, falta de políticas para bem-estar do empregado, meios ilegais de descontos, etc. Há que colocar na balança o que realmente importa, se é o bem-estar do funcionário ou o bem-estar da carteira do empregador.


Calebe Souza calebehenrique@icloud.com

Mogi das Cruzes


*

MAIS INTERMEDIÁRIOS DESNECESSÁRIOS


Se o presidente Temer não tiver o bom senso de vetar o projeto de terceirização dos trabalhadores em atividades-fim em empresas de produção de bens de consumo em geral e em muitas empresas de serviços, como bancos, muitas empresas de terceirização evidentemente surgirão para explorar o filão. A remuneração dessas empresas será constituída exatamente pela queda dos salários de seus empregados. Serão intermediárias desnecessárias, entre a contratante e os empregados. E, certamente, muitos dos que defendem avidamente a terceirização, consultores, professores, políticos, jornalistas, etc., estarão entre os novos “empresários”.


Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo


*

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO


Vergonhosa a aprovação da terceirização do trabalho pela Câmara dos Deputados. Na prática, isso equivale ao fim dos direitos trabalhistas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), à precarização do trabalho, vulnerabilidade total dos trabalhadores e a dar a faca e o queijo na mão dos patrões para lucrarem cada vez mais sobre a mão de obra barata e abundante. Temer e este Congresso Nacional são verdadeiros inimigos do povo brasileiro e do Brasil. É preciso reagir.


Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo


*

PORTAS ABERTAS


Por que a aprovação da Lei da Terceirização incomodou muita gente? Porque ela abre portas para que a reforma trabalhista venha em seguida, e com ela a conversa será apenas entre “empresários e trabalhadores”. Nossa lei trabalhista é dos anos 40, quando existiam abusos das empresas com relação aos empregados. Mas hoje o empresário moderno sabe que precisa do trabalhador e o trabalhador do empresário. Ódio era papo alimentado pelos Lulas da vida dos anos 70 e 80. Se essa desconfiança ainda existe, é por causa dos sindicatos, que intermediam juridicamente ações e ficam com 30% do trabalhador. A terceirização, além de deixar visíveis ao País milhões de empregados que hoje vivem na clandestinidade, abrirá as portas para que o País seja mais competitivo. 


Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo


*

PUNIÇÃO


Di$$e uma das no$$as “probas” autoridades: “Quem burlar a CLT será punido”. É mesmo? Claro, depois de punirem os ladrões do erário, das estatais e a infinidade de corruptos. A Lava Jato já completou três anos; quantos anos mais precisarão para vermos e$$es bandidos na cadeia? Vai demorar? Pelo visto, a autoridade estava com “disenteria” verbal! Confirmando que a carne brasileira é “fraca”.


Luiz Dias lfd.silva1940@gmail.com

São Paulo


*

PARAFERNÁLIA DESNECESSÁRIA


Basta eliminar a multa de 50% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), do qual o governo papa 10%, e o aviso-prévio indenizado. O trabalhador fica com direito ao saldo de salário, 13.º, férias proporcionais e as demais verbas a que fizer jus pela profissão exercida. O governo segue pagando o auxílio-desemprego e ponto. Ou ser mais radical e adotar a metodologia americana ou chinesa: “Tchau, baby, obrigado e passe no caixa”. Hoje não se emprega mais mão de obra desqualificada, toda empresa exige mínima formação escolar e competência para exercício a partir de qualquer função. Uma pequena empresa com 50 funcionários, uma média com 500 ou uma grande com 5 mil vão demitir todos para contratar terceiros? Começar todo o processo do zero? Qual o custo-benefício se a folha de pagamento continua existindo? E a perda de produtividade? Ou vai se garantir que todos retornarão e na mesma função? Bobagem, ficam mexendo em coisa que não tem sentido. Acham que o emprego vai brotar aos borbotões com essa mudança na terceirização?


Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

Matão


*

RECUO?


O presidente Michel Temer, em recente pronunciamento, estabeleceu o alcance exclusivamente federal da reforma da Previdência que propõe para debate no Congresso Nacional, transferindo, assim, a responsabilidade da implantação de novas e necessárias regras das aposentadorias, nos âmbitos estadual e municipal, para governadores e prefeitos. Não se trata propriamente de um recuo, como amplamente noticiado, mas de uma distribuição mais equitativa do débito político que as discussões sobre a questão fatalmente trarão para os agentes que encaminham as mudanças, além de uma iniciativa destinada a diminuir o impacto dos recursos legais a serem interpostos com base na perda da autonomia das unidades da Federação.


Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro


*

‘APERTA QUE ELE AFROUXA’


Busco acompanhar as notícias sobre a reforma da Previdência e deparei com a coluna de Celso Ming de 23/3/2017 (“Aperta que ele afrouxa”). Pergunto: os funcionários públicos municipais da educação pagam 11% referentes ao seu regime de Previdência – fiz parte quando entrei no concurso (hoje me exonerei) –, e atrevo-me a mencionar que há inativos contribuindo para o regime da Previdência, o que ninguém menciona. Ouvimos tanto acerca de fraudes no sistema como um todo que me pergunto como ainda não foram feitas campanha, leis, PECs e seja mais o que for para minimizar os gastos com servidores do Legislativo – já muitas vezes citado como altos gastos, carro, moradia, saúde e sei mais lá o quê. Por que não adentramos nesse primeiro problema a fim de verificarmos o saldo positivo que isso causará nas contas públicas – isso fica em segundo plano, quando a reforma deve partir daí – quem sabe?


Camila Campi Vieira vieiracamila593@gmail.com

São Paulo


*

REFORMA PREVIDENCIÁRIA


Muito a contragosto, meu pensamento está indo na direção de desejar que a chapa Dilma-Temer seja cassada antes que os afrouxamentos de Temer aprovem PECs deformadas e pervertidas, sob pele de reformistas e progressistas. Uma vez aprovadas, será muito difícil de retomar o debate. Melhor deixar como está e aguardarmos o presidente Doria.


Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo


*

TABELA


Como tem sido ultimamente, um dos assuntos do momento é a reforma da Previdência, com o governo alegando que ela está quebrada e falida. Aliás, como tudo no País – a saúde, a educação, a segurança e o transporte, ou seja, não é exclusividade da Previdência, muito menos um caso pontual. Agora, resta saber: por que, como e quem são os responsáveis por tal capacidade. Acredito que jamais saberemos, né não? Claro que, nesta altura dos acontecimentos, deve-se fazer a tal reforma, mas não da maneira como a querem efetuar, penalizando e impondo regras leoninas à população. Deve-se ter coerência e considerar quanto tempo falta para a pessoa requerer a sua aposentadoria, que, além de tudo o que o aposentado recebe, é simplesmente ridículo e absurdo. Ou seja, deve-se praticar uma tabela justa, honesta, criteriosa e de bom senso, o que na verdade não é comum encontrar no governo brasileiro. Por exemplo, estudar e estipular “para quem lhe falta até um ano, ter o seu direito adquirido e nada mais a agregar”, “para quem lhe falta mais de um ano, até cinco anos, estipular um porcentual a ser agregado”, “para quem lhe falta mais de cinco anos, até dez anos, estipular outro porcentual maior e justo a ser agregado” e “para quem lhe falta acima de dez anos, se encaixaria na nova tabela, moldes e padrões determinados e aprovados”. Talvez seja algo para pensar e analisar a possibilidade, né não?


Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

REVOLTANTE


Lendo o noticiário, a indignação, a revolta e o sentimento de impotência são o que restam para o cidadão e contribuinte brasileiro. Michel Temer deixa 86% de servidores fora da reforma da Previdência (outras categorias públicas completarão os 100% em breve) – todas elas sempre foram tratadas como castas privilegiadas. E quem vai ter o ônus dessa reforma meia-boca são o trabalhador da iniciativa privada e o contribuinte em geral, que vai arcar com os custos. O governo proíbe a exportação de carne estragada por alguns frigoríficos, mas libera para consumo interno (a saúde do povo que se dane!). Henrique Meirelles quer aumento de impostos (que novidade!). E políticos querem aprovar lei que condena autoridades que investigam a corrupção, querem legalizar a roubalheira do caixa 2, querem que o eleitor vote no partido e eles escolhem os nomes a serem eleitos (como se votar no partido o tornasse menos corrupto). Um jurista pertencente a um partido, PSDB, que andou à procura de apoio com políticos envolvidos em sérias acusações de corrupção e é ainda acusado de plágio (que ainda não foi devidamente esclarecido) assume  cargo no STF (“reputação ilibada” já era!). Juiz do STF que dá a impressão de assumir a posição de advogado de defesa, e não de juiz. Se as coisas continuarem assim, não será surpresa se a “jararaca” de rabo ferido voltar a governar o País em 2018.


Paulo Boin boinpaulo@gmail.com

São Paulo


*

AUMENTO DE IMPOSTOS


Não sei se o ministro Henrique Meirelles, especificamente, e o governo Temer, genericamente, conhecem um pouco de História. Pelo jeito, não! É inadmissível que o governo venha falar em aumento de impostos num momento destes. Antes, ministro, vamos cortar despesas – especialmente as supérfluas. Não se tem notícias de que o governo vai diminuir as despesas do Executivo; não se fala em cortar gastos do perdulário Legislativo – cheguei, pessoalmente, à conclusão da imprestabilidade do Poder Legislativo, pois os políticos, supostamente em nome do povo que os elege, na verdade, só pensam em manter-se no poder, para rapinar a burra pública, seja no âmbito municipal, estadual e, principalmente, no federal – e, no Poder Judiciário, jamais se ouviu falar em cortar mordomias, que na verdade são despesas. Esse tema, no seio dos Três Poderes, infelizmente, é um tabu. É necessária uma auditoria nas contas públicas para apurar as origens desse déficit, não é mesmo, ministro Meirelles? Mas...


Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro


*

PLANO DE SAÚDE – REAJUSTE ABUSIVO


Recebi dia 13/2/2017 uma carta da Qualicorp em nome da Sul América Saúde, comunicando aumento de 89% no valor da mensalidade da minha esposa e dependente, por mudança de faixa etária, com o que não concordo. Diz, ainda, a carta que isso está de acordo com o porcentual de reajuste constante do Manual do Beneficiário, manual este que nunca recebi. É muito estranho que a faixa etária considerada pela Qualicorp seja exatamente de 59 anos de idade, um ano a menos que o contemplado pelo Estatuto do Idoso. Além dessa alteração, anualmente os reajustes praticados têm sido de 3 a 4 vezes superiores ao da inflação oficial. Não adianta reclamar com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), porque ela ou não responde ou, quando o faz, diz que não regula este tipo de plano de saúde. Então eu pergunto: para que o consumidor precisa da ANS, se ela está sempre de acordo com as Qualicorps e Sul Américas da vida? Espero que ao menos minha reclamação sirva para que as autoridades (não incompetentes) atuem a favor do consumidor e não sejam simples capachos das empresas que deveriam fiscalizar.


Fritz F. Johansen Neto fritz.johansen@polipolymer.com.br

São Paulo


*

FISCALIZAÇÃO E CORRUPÇÃO


A culpa, senhor ministro da Agricultura, Blairo Maggi, pelo escândalo da carne – apurado pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal – é toda sua, afinal quem é que manda no Ministério da Agricultura, responsável pela fiscalização dos frigoríficos brasileiros? Seria o papa, por acaso? Ou, então, o ex-presidente Fernando Henrique? Quero aproveitar, aqui e agora, para cumprimentar a Polícia Federal pelo feito, mesmo sabendo que seria criticada pelos falsos moralistas, entre os quais muitos governistas. Botou a boca no trombone, alertando o Brasil e o mundo das aberrações praticadas por frigoríficos brasileiros.


Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo


*

INDICAÇÃO POLÍTICA


É interessante lembrar: no passado recente, a indicação de várias diretorias da Petrobrás por partidos políticos e seus apaniguados causou estrago ao Brasil para ninguém botar defeito. No caso da carne (e outros?), a fiscalização agrosanitária é objeto de indicação política, deve haver algum atrativo para os partidos disputarem os cargos, consequentemente a prevaricação foi alvo da Polícia e, naturalmente, os prevaricadores tinham de apontar como o bode expiatório. Temos de nos manter alertas com as movimentações dos deputados e senadores com respeito à Lava Jato. A indicação política para cargos de confiança e em comissão é responsável pela precariedade dos serviços públicos e pela infraestrutura no Brasil: até quando vamos aceitar esta falta de vergonha e roubalheira que nos prejudicam?


Darcy Andrade de Almeida dalmeida1@uol.com.br

São Paulo


*

OPERAÇÃO CARNE FRACA


Vender carne putrefata com prazo de validade adulterado, maquiada com conservantes e aditivos químicos cancerígenos, contaminada por bactérias como a salmonela, entre outras tão nocivas à saúde pública, são crimes bárbaros e hediondos de homicídio. Como tal, devem ser rigorosamente apurados e a lei, aplicada aos facínoras da iniciativa privada e dos órgãos públicos envolvidos nesta abominável trama descoberta pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. Se no Brasil existissem as penas de prisão perpétua e de morte, como nos Estados Unidos e em outros países, este seria certamente o caso de utilizá-las, pois não? Que podridão, que decepção, que indigestão!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

CRISE NO SETOR DE CARNES


A causa original foi o aparelhamento de órgãos técnicos pelo PT e PMDB. Não venham, agora, culpar a Polícia Federal pela crise.


Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia


*

INEFICIÊNCIA


Se o governo afirma que tinha indícios de fraude na carne há mais de 1,5 ano, por que não tomou providências? E agora faz cara de espanto! É muita ineficiência, não?


Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas


*

DOIS ANOS


Nós, brasileiros, gozamos de uma liberdade sem limites e festejamos por viver num Estado democrático. Porém, há um fator que precisamos ter presente em todos os nossos atos: chama-se “responsabilidade”. Por que, no caso da Operação Carne Fraca, que vinha sendo investigada há dois anos, não foram tomadas as providências na ocasião? Se é real o que estão informando, neste interim, quantos não ficaram doentes por comerem carne estragada devido à irresponsabilidade dos denunciantes, uma vez que o caso envolve a saúde pública?


José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo


*

DAS JUSTIFICATIVAS


Denunciados, frigoríficos podem demitir muitos. Não denunciados, poderiam até matar quantos?


A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

SUSPENSÃO


Se a JBS, bilionária tomadora de empréstimos do BNDES, diz que a carne é boa, por que suspender a produção em 33 unidades das 36 existentes?


Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo


*

E O BRASILEIRO?


O “Estadão” publicou que a JBS suspendeu, diante do embargo dos importadores, a produção do processamento de carne em 33 de suas 36 instalações. Surpresa? Lógico que não, pois eles não pensam no povo brasileiro e querem manter nas alturas o preço da carne nos estabelecimentos do Brasil.


Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo


*

SEM MEDO


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou que a Polícia Federal  interrogue o ex-presidente José Sarney e os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, no âmbito da Operação Lava Jato, demonstrando que não está para brincadeiras, especialmente quando esses investigados se declaram imunes à Justiça. Só falta, agora, Fachin determinar a liberação do sigilo das delações da Odebrecht, calando o ministro Gilmar Mendes, que pretende “melar” toda a operação.


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

BOMBARDEIO À LAVA JATO


De um lado, os senadores oportunistas de primeira hora, com Roberto Requião encabeçando todos, aproveitam-se do espetáculo midiático da Operação Carne Fraca – com resultados catastróficos para nossa economia – e inserem novamente na pauta de votações o projeto abjeto que modifica a lei de abuso de autoridade. Requião (PMDB), relator do projeto, mal apresentou o parecer na quarta-feira à tarde, e imediatamente Edison Lobão (PMDB), presidente da Comissão de Constituição e Justiça, confirmou a inserção do projeto na pauta. Vejam bem, este projeto servirá prioritariamente para engessar as ações do Ministério Público e da Polícia Federal na Lava Jato. Atacando por outro flanco, o ministro Gilmar Mendes ameaça anular provas legítimas colhidas pela Lava Jato num trabalho estafante nos últimos três anos, pelo fato de terem sido vazadas para a mídia. Pergunta: será que não tem dedo de advogado de delator e de político corrupto fazendo escorregar essas informações para prejudicar o andamento do processo? A Lava Jato é alvo de um verdadeiro bombardeio por parte de todos, TODOS, que sentem sua impunidade posta em risco por ela!


Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo


*

VAZADOS E IMPUNES


Se a opinião do ministro Gilmar Mendes vingar, todos os políticos apontados nas delações, sejam os já “vazados”, como os demais, que procurarão ser “vazados” de qualquer forma, ficarão impunes. E tal procedimento se aplicaria aos demais criminosos, de qualquer espécie? Ridículo.


André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo


*

MORTE ANUNCIADA


A morte da Lava Jato foi encomendada. Autor intelectual e mandante do crime: Gilmar Mendes.


Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo


*

O QUE PRETENDE?


O sr. Gilmar Mendes é um boquirroto, fala o que deve e o que não deve. Não tem postura de juiz, mas de político. Qual o seu objetivo? Acabar com a Lava Jato e com suas investigações? Ajudar a manter no poder este bando de corruptos que estão no Congresso Nacional e que só providenciam leis que os favorecem?


Julio C. Teshainer jcteshainer@gmail.com

São Paulo


*

BAIXO NÍVEL


O ocupante de um cargo público de grande relevância tem de medir as palavras e avaliar os locais onde as pronuncia. Isso para evitar o que estamos vendo: afirmações de baixo nível, como as declarações de um ministro do Supremo Tribunal Federal insinuando que a Procuradoria-Geral da República (PGR) comete chantagens contra acusados em operações como a Lava Jato, ao divulgar os nomes de alguns deles. Como era de esperar, não demorou a resposta do procurador-geral, Rodrigo Janot, declarando ser contra a relação promíscua do ministro com sua presença em banquetes palacianos. Até onde irá esse conflito e o que se pode esperar da repercussão desses diálogos agressivos? É uma briga inaceitável entre autoridades da República.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

‘DISENTERIA VERBAL’


Janot se referiu ao discurso de Gilmar Mendes, no qual acusa o Ministério Público Federal de “cometer crimes por meio de vazamentos” (“Estado”, 23/3, A4), como “uma disenteria verbal”.  Essa “disenteria verbal", a meu ver, é consequência da disenteria mental demonstrada por sua Excelência, enquanto ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), comprovada por pronunciamentos e decisões. Alguns pronunciamentos: “Sem querer ofender ninguém, mas já ofendendo, parece que (a Lei da Ficha Limpa) foi feita por bêbados”. Sobre procuradores da Lava Jato, Mendes viu “delírios autoritários” após a revista “Veja” citar uma suposta informação de uma delação premiada que implicava seu colega de Corte Antonio Dias Toffoli. Sobre as Dez Medidas contra a Corrupção, protagonizadas pela Lava Jato e pelo juiz Sérgio Moro, Mendes vociferou: “São coisa de cretino absoluto”. Durante bate-boca no plenário do STF, Joaquim Barbosa, então presidente do STF, afirmou que ele, Mendes, não estava “falando com os seus capangas do Mato Grosso”, referindo-se à sua índole autoritária. Entre decisões estranhas de Sua Excelência estão a concessão de dois habeas corpus para a soltura do banqueiro Daniel Dantas, preso na Operação Satiagraha, e a concessão também de habeas corpus para a soltura do médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por prática de estupros. A meu ver, e em concordância com o pronunciamento do dr. Janot, está na hora de o dr.  Gilmar Mendes tomar uma boa dose de remédio que induza providencial constipação mental.


Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo


*

FEIO


O ministro Gilmar Mendes faria um enorme bem à Nação se se calasse. Está ficando muito feio.


Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com

São Paulo


*

PRODUÇÃO


Quando será que o ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, dá expediente para tratar dos processos que estão sob seus cuidados? O dia só tem 24 horas!


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

ESPETACULARIZAÇÃO CONSTRANGEDORA


O ministro Gilmar Mendes criticou a “espetacularização”, segundo ele, na forma de divulgação pela Polícia Federal da Operação Carne Fresca. O ministro parece que não faz autocrítica, já que usa, com frequência, as mídias disponíveis para divulgar suas verdades. Falou serem constrangedores certos vazamentos. Constrangedor, ministro, é ser acompanhado nas suas premissas pelo colega Dias Toffoli.


José Roberto de Jesus zerobertodejesus@gmail.com

Capão Bonito


*

PIROTECNIA E DISCRIÇÃO


Nossa Polícia Federal deve estudar bem a reação das autoridades inglesas como modelo de comportamento. Diante do ataque desta semana, as declarações da polícia londrina e da primeira-ministra foram contidas e calculadas, para não prejudicar a imagem do país e o lucrativo turismo. Não se trata, aqui, do mérito da Operação Carne Fraca, mas do jeito como foi anunciada e do impacto desta conduta sobre um dos setores mais importantes do agronegócio brasileiro, cuja consolidação leva anos e a destruição não precisa de muito, bastam a perda de confiança e o pânico do consumidor.


Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

                                                            

*

BRASIL 4 X URUGUAI 1


Dilma e o PT conseguiram até avacalhar a seleção canarinho de futebol (7 a 1). Com a saída deles do poder, a seleção melhorou e muito!


Luiz Felipe Schittini fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.