Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

13 Abril 2017 | 03h05

CORRUPÇÃO

Salvação nacional

O Brasil acordou ontem como se tivesse levado uma paulada na cabeça, com a divulgação da lista de Fachin. A lista expõe à Nação as entranhas apodrecidas do mundo político brasileiro, mostrando o enorme envolvimento dos Poderes da República, sobretudo o Legislativo e o Executivo, com corrupção, em diversos níveis de gravidade. É estarrecedor – como ella dizia – constatar que o poder e as instituições foram simplesmente privatizados, comercializados para atender exclusivamente aos interesses escusos de homens públicos e empresários sem nenhum escrúpulo. Trata-se, na verdade, da mais vil pirataria de Estado, a privataria de que os petistas tanto falavam e pela qual, em associação com outros partidos, destaque para o PMDB, tentaram subjugar e destruir as instituições de Estado e a própria democracia. A sensação que paira no ar é de que esses que comandam o Estado brasileiro perderam toda a legitimidade, tornando-se de repente verdadeiros zumbis de homens públicos. Que autoridade terão para exarar leis e votar as indispensáveis reformas, sem as quais o País se torna inviável? Neste contexto de terra arrasada, que exige uma renovação quase total nos nomes e nos princípios, são bem-vindas ideias e propostas como a que foi apresentada por Modesto Carvalhosa, Flávio Bierrenbach e José Carlos Dias em artigo no Estado (9/4, A2): a instalação de uma Constituinte formada por notáveis da sociedade ou por parlamentares, o que seria decidido em plebiscito. Em tempos de salvação nacional, parece-nos uma das poucas saídas possíveis para o vazio de poder e suas nefastas consequências para a economia e a vida brasileira em geral.

JORGE MANUEL DE OLIVEIRA

jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

Grande furo

Espetacular o furo (na verdade, rombo) do Estadão. Justa a repercussão internacional. Belíssimo trabalho do repórter Breno Pires. Excelente o trabalho de retaguarda, rápido e eficiente. Ótimos colunistas, com opinião e esclarecimentos. Enfim, um trabalho para provar a importância e a necessidade da imprensa no mundo livre. A edição de ontem, de ampla cobertura, prova também que a imprensa escrita continua com seu lugar garantido. Não dá para imaginar ler numa tela de computador uma cobertura tão abrangente. Aleluia, a imprensa está viva!

MÁRIO MARINHO

mariomarinho@uol.com.br

São Paulo

A casa caiu

E agora, Brasil? Temos maturidade para avançar? É o momento da depuração, precisávamos disso. Nenhum discurso dissimulado vai ajudar ninguém. Têm moral para continuar nos cargos?

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Nada se sustenta

É muita inocência crer que com o Congresso que temos, determinante no avanço avassalador de propinas, quadrilhas e tráfico de influência sobre os três “Podreres”, seja possível confiar na lisura das eleições neste país.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Queira Deus os ratos e cupins de Brasília sejam exterminados em 2018, para o bem do Brasil.

ETELVINO J. H. BECHARA

ejhbechara@gmail.com

São Paulo

É o cara!

Abertura de inquéritos contra 98 políticos e mais 178 pedidos de investigação. O gestor ficha-limpa João Doria, nosso futuro presidente, agradece.

ROBERTO HUNGRIA

cardosohungria@gmail.com

Itapetininga

Ninho tucano

“Nada há encoberto que não venha a ser revelado, e oculto que não venha a ser conhecido” (Lucas, 12, 2). Bem-vindo ao mundo dos mortais o sr. Geraldo Alckmin – governador do Estado de São Paulo, tido como “santo” –, incluído na lista da Odebrecht.

WALTER KOVACS

kovacswalter@hotmail.com

São Paulo

Até tu, Alckmin? Que vergonha! Não dá mesmo para acreditar em mais ninguém.

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

Humor

Adorei o programa humorístico que foi ao ar na terça-feira às 20h30, em especial o bordão “o PT foi o partido que mais combateu a corrupção”...

FRANCISCO DE CASTRO

fcastro48@gmail.com

São Paulo

Os milhões para Lula

Lula trata com desdém tudo o que é negativo para ele, do ponto de vista moral e político. Costuma dizer que duvida que haja algum empresário no Brasil que diga que o presidente Lula lhe pediu cinco ou dez centavos. De fato, cinco ou dez centavos ele nunca pediu...

FABIO DE ARAUJO

fanderaos@gmail.com

São Paulo

Coelhinho da Páscoa

Será simples coincidência o fato de as fundações ligadas ao PT e ao PSDB se terem unido? Será simples também coincidência FHC ter dito que é preciso “serenar ânimos” e ter “tolerância”? Acho que sim, porque eu acredito na boa intenção do PT, do PSDB, de Lulla, FHC e também no coelhinho da Páscoa!

DEBORAH MARQUES ZOPPI

dmzoppi@uol.com.br

São Paulo

Todos são inocentes...

Só a Odebrecht distribuiu R$ 3,5 bilhões em propinas a políticos corruptos. Só que ninguém recebeu um tostão de dinheiro ilícito... Alguém pode me explicar esse fantástico mistério?

PAULO SERGIO ARISI

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

O importante é investigar. Acho que os únicos culpados são os delatores da Odebrecht. Só tem inocente, todos estão surpresos, as contas foram aprovadas, e por aí vai. Espero que Marcelo Odebrecht e sua equipe de alto desempenho estejam bem seguros de tudo o que falaram.

RICARDO FIORAVANTE LORENZI

ricardo.lorenzi@gmail.com

São Paulo

Perguntar não ofende

Será que a Lava Jato vai acabar chegando aos artistas e pseudointelectuais que sempre desfrutaram da Lei Rouanet? Por que estão todos tão quietinhos?

RICARDO HANNA

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

“Era mesada ou dízimo?”

ADILSON PELEGRINO / SÃO PAULO, SOBRE FREI CHICO, IRMÃO DO LULA, NA LISTA DE FACHIN

gumerci@terra.com.br

“Com tanta gente, a lista lembra o censo do IBGE...”

A. FERNANDES / SÃO PAULO, SOBRE A QUANTIDADE DE IMPLICADOS EM CORRUPÇÃO

standyball@hotmail.com

“Para boa economia de papel e tinta, deveriam ser divulgadas listas dos políticos não implicados em falcatruas”

ROBERTO TWIASCHOR / SÃO PAULO, IDEM

rtwiaschor@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

E OS OUTROS?

Sete senadores do PMDB, seis do PSDB e três do PT fazem parte da lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo abertura de inquéritos. Onze deputados do PT, três do PMDB e quatro do PSDB são alvos de inquérito. No total, são quase 30% dos senadores e 7,6% dos deputados federais. Essa quantidade assustadora de parlamentares envolvidos em atos ilícitos refere-se apenas às delações de uma empreiteira, que prestava serviços para a Petrobrás. É razoável imaginar que muitos outros congressistas podem estar enrolados com as demais empreiteiras da Petrobrás, em outros empreendimentos das demais empresas estatais brasileiras e também com as instituições financeiras estaduais e federais.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

PURGATÓRIO

A lista de Fachin, divulgada num furo do "Estadão", surpreende por incluir alguns inesperados e excluir alguns esperados. A política brasileira está, agora, no purgatório. Resta saber se o País será purificado a caminho do Paraíso ou se irá direto para o inferno, com a volta do "mais honesto"...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

O LISTÃO

Finalmente a lista dos delatados pela Odebrecht foi divulgada, o que nos faz termos vergonha dos nossos políticos. Só existe uma forma de mudar tudo isso, não reeleger mais esta corja, que governa para eles próprios, e não para o nosso Brasil.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

LODO

Após o anúncio da lista de políticos delatados pela Odebrecht, começou a escorrer um lodo preto e fétido da TV! Valha-nos Deus! 

Celia H. Guercio Rodrigues celitar@icloud.com

Avaré

*

JORNAL POLICIAL

O "Jornal Nacional" de terça-feira, dia 11 de abril de 2017, da Rede Globo, que noticiou a divulgação da lista de Fachin, deveria ter mudado de nome. O certo seria ser chamado de Jornal Policial. Uma vergonha!

Olympio Félix A. Cintra Netto olympiofelix@gmail.com

Bragança Paulista

*

O QUE SOBROU DO PAÍS?

Quantos canalhas mais haverá de aparecer na cena política deste país para que nós, brasileiros, possamos perceber que o País faliu? Quantos presidentes, governadores, senadores, deputados, prefeitos, fiscais, juízes, conselheiros de tribunais de contas, enfim, toda horda de canalhas que nos governa, teremos ainda de engolir antes que este falido sistema de governo seja eliminado da vida do cidadão brasileiro? Como podemos suportar tamanha infâmia, acomodados em nosso conformismo com tantos ladrões que nos abaixam o moral diariamente, protagonistas de cenas ainda mais estarrecedoras que as anteriores? Que tipo de povo somos que nos acovardamos diante de uma classe política coronelista, predatória, patrimonialista, hereditária e usurpadora de nossos direitos e de nosso dinheiro? Povo brasileiro, havemos de nos rebelar contra esta casta fétida que nos governa!

 

Armando Favoretto Junior armandofavoretto@gmail.com

São José do Rio Pardo

*

ENTRELAÇADOS

Não é difícil de entender o porquê de os políticos brasileiros fazerem com que tudo acabe em pizza, basta ler "a lista de Fachin", esta mostra que o princípio da isonomia é utilizado por quase todos estes, ou seja: não posso fazer nada contra tu, já que tu não podes fazer nada contra mim, pois nossos rabos estão entrelaçados da forma mais vergonhosa possível. A corrupção para estes vermes é o fim que justifica todos os meios, e deveriam todos ser processados por homicídio doloso, já que muitos tiveram sequelas definitivas, bem como vidas foram ceifadas por não terem atendimento médico, por estradas mal conservadas, por falta de condições de trabalho das polícias, etc. Deveriam apodrecer no xilindró, mas sabemos que ficarão alguns anos presos com regalias e sairão para desfrutar de uma vida folgada, ou alguém acredita que estes vermes sairão da cadeia pobres?

 

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br

Osasco

 

*

ASSIM NÃO DÁ, ASSIM NÃO PODE...

Intervenção já no Congresso Nacional!

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

A EMPREITEIRA

A grande verdade é que o clã Odebrecht deveria apodrecer na cadeia. Que vergonha!

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

PARA MATAR

A Lista de Fachin é o contrário da Lista de Schindler. Esta era para salvar, a primeira é para matar.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

A MULHER DE CESAR

Ao contrário da mulher de Cesar, que, além de honesta, também precisava parecer honesta, a lista de Fachin mostra que nossos políticos, apesar de honestos, como eles se dizem (sarcasmo), não parecem muito honestos.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

SANTOS

Com tantas declarações de inocência destes políticos flagrados na Lava Jato, o Vaticano vai ter de fazer mutirão para canonizar tantos santos! 

Cesar Araújo cesar.40.araujo@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPTOS

São todos corruptos. Condenem o juiz Moro!

Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com

São Paulo

*

MILHARES E MILHÕES

Leio no "Estadão" que um deputado recebeu menos de R$ 300 mil em propina, enquanto outros receberam milhões. Penso: "Este deve ser preso para deixar de ser incompetente na hora do roubo". Portanto, cana nele!

Adilson Pelegrino gumerci@terra.com.br

São Paulo

*

PIZZA?

Salários altíssimos, mordomias absurdas, gratificações abusivas, aposentadorias injustas e roubo contumaz. As leis teriam de ser alteradas para a roubalheira cessar, mas jamais esses ladrões legislarão em prejuízo próprio. Salário da média brasileira, vale-transporte e vale-refeição, como todo brasileiro, e só. Mas nada disso será alterado, tudo continuará na mesma, estes bandidos serão reeleitos (como muitos já foram e estão no poder por causa disso) para outros cargos, e no final de tudo, será servida aos brasileiros uma grande pizza para comemorar o "tudo como dantes no quartel de Abrantes". Novas e duras leis com novos políticos seriam uma esperança. Poderiam começar com todos os investigados presos (de verdade, sem brechas na lei) e devolução total do roubo, com juros e correção. Pizza? Só Deus sabe!

Márcia Rossi Soares marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

*

A CHANCELA DO TSE

Mesmo "tudo declarado e aprovado", a "lista" é grande. E atesta total e completamente para que serve o Tribunal Superior Eleitoral...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PAULO MALUF

O ministro Edson Fachim, do STF, acolhendo recomendação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, mandou arquivar o processo contra o deputado federal Paulo Maluf. Evidente que o que o nobre deputado fez em sua época, perto dos que atualmente citados na Lava Jato fizeram, nem merece atenção...

Artur Topgian topgian@terra.com.br

São Paulo

*

REALISMO

Embora praticamente todos os nomes contidos na tão aguardada lista de Fachin já tivessem sido ventilados publicamente em algum momento desde o início da Lava Jato, não há dúvida de que a divulgação dos nomes foi impactante e desanimadora. No entanto, é preciso ser realista e pragmático. O País precisa de reformas urgentes que, gostemos ou não, dependem deste Congresso que está aí e, evidentemente, não pode ficar paralisado à espera das inúmeras investigações e seus desdobramentos, que levarão um tempo a perder de vista. O que a sociedade pode e deve fazer é manifestar seu repúdio a estes políticos pela via democrática, através do voto, em 2018. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

OS ROTOS E OS RASGADOS

 

Assevera um dito popular que os rotos não podem falar dos rasgados. Assim, o PT não mais está sozinho na corrupção, com o advento da lista de 98 nomes para investigações do ministro Fachin, do STF. Acompanham o PT, na realidade, quase todos os demais partidos políticos, inclusive PSDB, PMDB, PTB, PDT e outros mais. Agora, no decorrer das investigações, terá aplicação outro dito popular: deste mato vai sair muito coelho. E como vai! Assim e com tudo isso, a classe política deste país está completamente desmoralizada, necessitando o País não só de uma reformulação política, como também de uma nova Carta Magna, agora proveniente de um trabalho de notáveis e de pessoas não políticas, com reputação ilibada e alto saber jurídico. E quem inventou a providência não foi ninguém, mas a necessidade e a premência das circunstâncias.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

PROPINAS

"Amigo", "Italiano" e "Pós-itália", codinomes ligados a Lula, Palocci e Guido Mantega, respectivamente, segundo o que consta no depoimento de Marcelo Odebrecht ao juiz Sérgio Moro. De acordo com o empresário, os três receberam propinas milionárias da sua empreiteira que foram canalizadas para a campanha eleitoral de Dilma Rousseff e doadas ao Instituto Lula. Escancaram-se, assim, cada vez mais, os esquemas criminosos envolvendo o PT que, afinal, como apontam outros indícios, não estão a ele restritos. A corrupção no País é suprapartidária, vai além dos anseios ideológicos e visa somente à consolidação do poder dos protagonistas. A sociedade, despertada pelas ações da Lava Jato, espera uma higienização geral, para a qual a Corte Suprema até agora tem sido relutante em cooperar. 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

O AMIGO

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, determinou a abertura de inquérito contra 9 ministros do governo Temer, 29 senadores e 42 deputados federais. Mais uma etapa na jornada de passar o Brasil a limpo. Faltou apenas incluir na lista o nome da "alma mais honesta" deste país, o "Amigo" que nunca nos envergonhou roubando sequer "R$ 1", embora Marcelo Odebrecht tenha dito que foram R$ 13 milhões!

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

ITALIANO

Durante algum tempo uma dúvida ficou no ar: Quem era o "italiano" que aparecia nas delações da Odebrecht? Seria Guido Mantega ou Antonio Palocci? No final, a dúvida foi dissipada e Palocci era o italiano. Para mim, Palocci é "laranja". O verdadeiro italiano é, na verdade, Lula. E por quê? Marisa Letícia deixou este legado antes de morrer, nacionalizando toda a "família" tempos atrás. Bem ao estilo italiano mafioso.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AMIGO OCULTO

Na casa de Lula, no Natal deste ano, não terá amigo oculto, pois todos já conhecem o amigo. 

Olavo Fortes C. Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

O APOIO DA CUT

Dia 28, a Central única dos Trabalhadores (CUT) vai apoiar Lula, que recebeu R$ 13 milhões de propina da Odebrecht. Viva a CUT, a defensora de corruptos!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas 

*

NA TV

Alguém consegue explicar como um partido comprovadamente denunciado por inúmeros crimes eleitorais, como o PT, tem tempo no horário eleitoral para continuar enganando os brasileiros? E como Lula, cinco vezes réu em processos criminais, continua na TV? Estourou o prazo de tolerância!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

DE NOVO, NÃO!

Errar é humano, perseverar no erro é arrogância, burrice e inconsequência! Se dependesse dos brasileiros, PT e Lula teriam sido desmascarados ainda no mensalão, não fosse a ordem expressa do líder do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, para que seus pares diminuíssem o tom das críticas nas tribunas e deixassem o PT apenas sangrar. O resultado de tanta sandice foi que Lula se reelegeu e ainda elegeu por mais duas vezes a ciclista das pedaladas, e eles levaram o País à beira do caos econômico, ético e moral, instituindo a corrupção como método de governo. Agora estamos tentando subir a íngreme ladeira da crise, Michel Temer, por não visar a se eleger em 2018, sente-se livre para tentar colocar no plano concreto as reformas impopulares, mas necessárias, que presidente algum, inclusive FHC, ousou propor para o bem do País, e em meio a este trabalho hercúleo e sério, vem o senhor FHC propor "tolerância" na política, ânimos serenos, estendendo a corda para salvar o afogado PT. Já aceitou a reunião entre dirigentes do Instituto Fernando Henrique Cardoso e a Fundação Perseu Abramo, braço acadêmico do PT, para tratativas, que só interessam aos petistas. Depois de tudo o que foi devassado sobre este partido, legalmente a sigla deveria simplesmente ser extinta. Fernando Henrique Cardoso, reconhecer erros é sinal de grandeza. O inverso também é verdade, entendeu?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

TERRA-ARRASADA

Em nome de quem FHC defende um "serenar ânimos"? Quem está querendo "mais tolerância" na política? Depois de apoiarem o terra-arrasada, nada de baixar a guarda com deputados e senadores petistas. Agora que somos nós, e eles, eles, "é nós contra eles". Nada de "mais aceitação do outro". Danem-se os petistas. Refugo-os.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

FHC QUER PAZ?

Durante anos o ex-presidente Lula achincalhou o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Criou a célebre expressão "herança maldita". Em 2006, no auge do mensalão, quando muitos diziam que Lula sabia de tudo, FHC decidiu que o partido deveria deixá-lo sangrar. O resto da história já sabemos de cor e salteado, quando amargamos a pior recessão que o Brasil já conheceu. Fora a animosidade criada por Lula do "nós contra eles". Por isso não dá para entender que agora FHC queira paz. Quer unir PT com PSDB, tudo pela tranquilidade entre irmãos. Estamos diante de um FHC "paz e amor"? Quer ser canonizado? Receber Prêmio Nobel da Paz? Ou é porque eles, FHC e Lula, como fundadores do Foro de São Paulo, estão vendo a esquerda retrógrada cada dia mais distante de ser entronada no País? Nunca pensei que um dia diria "Fora FHC". Já deu!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O CASTO FHC

O sábio FHC não se emenda. Saiu das catacumbas para semear intrigas e maledicências. Com o pretexto habitual de exortar paz, diálogo e união. Conversa fiada. Sonha com a Presidência da República numa eleição indireta. Torce pela desgraça de Michel Temer. Na economia, na política e no julgamento no TSE. Quem quiser que se iluda e leve para casa o desprendido e puro imortal.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

TEMPOS DIFÍCEIS

Realmente, continuamos vivendo tempos difíceis! O ex-presidente FHC, apesar de ter sido um grande governante, continua em cima do muro, falando em serenar ânimos! Continua falando em diálogo na política, entre os partidos em sua grande maioria composta por corruptos que só olham para o próprio umbigo, os quais continuam querendo praticar suas ações na base da propina, do caixa 2 e, agora, do voto em lista fechada, tentando se livrar da Justiça! Continua passando a mão na cabeça dos corruptos dentro e fora de seu partido, continua incapaz de fazer oposição, muitas vezes tão necessária! O outro ex-presidente cara de pau Lula continua a receber inúmeras denúncias, envolvido em repasses milionários, laranjas, planilhas, homenageando seu amiguinho do mal Fidel Castro, enquanto o Brasil chorava pelos seus mortos na tragédia da Chapecoense. E o pior: fazendo propaganda política enganosa na TV aberta, em horário nobre, dizendo o descalabro que a situação calamitosa vivida pelo País não foi culpa dele, de Dilma e do PT, enquanto já deveria estar preso pagando pela sua corrupção há muito tempo, o que já teria acontecido num país sério com leis mais rigorosas. Para finalizar, agora um dos maiores críticos do Brasil, que comenta e escreve com grande maestria, Arnaldo Jabor anuncia sua despedida dessa função, tão importante. Num país ainda que mesmo tendo outros desempenhando nessa área, ainda, sim, continua muito carente de pessoas como ele.

Rodrigo Affonso dos Santos Echeverria rodecheverria73@hotmail.com

São Paulo

*

ARNALDO JABOR

O "Adeus" do jornalista para entrar o cineasta foi singelo e com aspectos de beleza. Beleza que será o maior motivo de seu novo filme. Nessa despedida, deixa transparecer uma "queixa", apesar de tanto produzir milhares de artigos, "muita gente despreza jornalismo como literatura". Uma grande injustiça dessa "gente". Como ficam as belíssimas colunas de nossos jornais de hoje e as do passado? Todo tipo de escrita é literatura, a escrita cientifica, os roteiros de TV, a publicitária e o jornalismo com a riqueza de estilos e "um banho de efêmero". Nenhuma fica devendo para o "romance definitivo de minha geração", como brincou Jabor.

José Antonio Garbino ja.garbino@gmail.com

Bauru 

*

'ADEUS'

Pena, Jabor! Mas, já que você talvez venha a ter mais tempo agora, sugiro-lhe a leitura de "O Ciclo Gestatório de um Homem", que talvez até possa vir a inspirá-lo para um possível livro autobiográfico (já que você falou talvez em vir a escrever um livro), ou mesmo mais um filme. Abraços e felicidade em sua nova proposta.

Albino Clarel Bonomi acbonomi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

A MÁFIA DE SÉRGIO CABRAL

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, que está preso no Complexo Prisional de Bangu, se configura como hábil formador de quadrilha e um dos maiores corruptos da classe política brasileira, que não são poucos, infelizmente... Cabral já tinha indignado a Nação pelos mais de R$ 300 milhões de propina que recebeu, desviados de obras superfaturadas durante seus dois mandatos. Agora, na Operação Fatura Exposta, realizada pela Polícia Federal esta semana, ficamos sabendo também que outros R$ 300 milhões foram desviados pela quadrilha de Cabral, sob o comando de seu ex-secretário da Saúde Sérgio Cortes, que também foi preso, junto com o empresário Miguel Iskin, dono de fornecedoras de equipamento médicos e de próteses, e outro envolvido, Gustavo Estellita. Estes R$ 300 milhões foram desviados exatamente do setor da saúde pública do Rio de Janeiro, que há tempos vive um verdadeiro caos neste setor. O procurador Rodrigo Timóteo, da força-tarefa da Lava Jato, disse que este esquema de fraudes em importações e contratos superfaturados com o setor público pode ser ainda maior. Ou seja, são verdadeiros bandidos, que ainda tentam melar a Lava Jato.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

100 DIAS DE GOVERNO DORIA

O prefeito de São Paulo, João Doria Junior, foi o entrevistado do programa "Roda Viva", da TV Cultura, de segunda-feira (10/4). Em seis blocos de entrevistas, com duração de duas horas, sabatinado por águias da "Folha de S.Paulo", professores da USP, jornalistas e escritores dos mais diversos segmentos da imprensa, inclusive alguns declaradamente petistas, o prefeito "matou a cobra e mostrou o pau", com classe, sensibilidade, competência e elegância, raras no universo da política nacional apodrecida. Foi impossível assistir às várias tentativas explícitas de "fritá-lo", promovidas por jornalistas experientes, e não ficar admirado com a performance do entrevistado. O prefeito respondeu a todos sem mudar o tom, mesmo sendo provocado e com conhecimento profundo dos assuntos da cidade que ele governa. Ouvi atentamente e não pude deixar de fazer comparações com o que estamos assistindo em Belo Horizonte. Guardadas as proporções, São Paulo e BH têm praticamente os mesmos problemas. Eleger o que deve ser prioridade e fazer projetos viáveis é o que esperamos do prefeito Kalil, a exemplo de Doria. Embora leve a pecha de marqueteiro, o que de tudo não é ruim, desde que faça o que prometeu, Doria mostrou que, além de preparado, tem projetos construídos a quatro mãos para a maior metrópole da América do Sul. Escalou um time de secretários de primeira linha, convidou a população, o Legislativo, governo de São Paulo e órgãos dos mais diversos segmentos para juntos encontrarem soluções para os problemas da Pauliceia. Do combate ao flagelo nas cracolândias espalhadas pela cidade, sendo nove no total, passando pelos milhares de indigentes procedentes de várias partes do Brasil, ele conseguiu reunir 44 entidades, incluindo até empresas privadas, e caminha na direção de solucionar a complexa questão. Em 100 dias, já fez o que poucos prefeitos fizeram em mandatos inteiros. Áreas vulneráveis como saúde, mobilidade urbana, habitação popular, sinalização, iluminação, transporte escolar, privatizações, redução do quadro e das despesas da prefeitura, mostram que Doria conseguiu mais de 70% de aprovação, e não foi por acaso. Sua gestão é revolucionária, já entrou  para a história. Entusiasmo, otimismo, projetos bem feitos e austeridade revelam um político habilidoso e extremamente eficiente. Como cidadão belo-horizontino, conhecedor dos problemas da capital mineira, torço para que o prefeito Kalil consiga fazer uma boa gestão. BH vive momentos dramáticos em várias áreas, com destaque para a mobilidade urbana que me afeta e em que vejo os maiores erros estratégicos. Ouvi Doria falar do projeto de recuperação do asfalto de São Paulo, usando betume de primeira linha. Foi firme ao garantir que a cidade inteira receberá recapeamento de boa qualidade e que não aceita intervenções no subsolo sem reparação adequada. Será duro com as empresas que abrirem o asfalto e não devolvê-lo devidamente reparado, sem ondulações. Doria falou das parecerias público-privadas; das doações de empresas, dos projetos de convênios com hospitais para zerar as filas de exames. Falou de Uber com sensatez. Prometeu recuperar o centro da Capital, reformou as Marginais e acabou com a famigerada indústria da multa; vai vender o Autódromo de Interlagos e o Anhembi, colocando nos cofres da prefeitura R$ 7 bilhões. Mostrou que sabe priorizar, reconheceu erros e fez revelações importantes no campo do intercâmbio com cidades que conseguiram se organizar melhor do que a sua, mostrando, inclusive, humildade e bom senso. Doria saiu da entrevista direto para o aeroporto de Guarulhos, onde embarcou para Coreia do Sul em busca de tecnologia para saúde, mobilidade, habitação e gestão pública. Falou e prometeu que vai substituir toda a sinalização semafórica de São Paulo por equipamentos modernos, que não apaguem em dias de chuva e que possam funcionar em onda verde. Repare que ele está cuidando de coisas que a população compreende. É acessível e tem ascendência sobre seu grupo. Cercou-se de gente qualificada e não aceita práticas que não sejam as republicanas no trato com o Legislativo municipal. É firme nas colocações e não aceita barganhas. Ou seja, Doria precisa ser exemplo para o prefeito Alexandre Kalil. Se a vaidade do prefeito de BH não lhe trair, seria bastante oportuno que ele usasse aquilo que está dando certo em São Paulo aqui, na nossa cidade. Puxando sardinha para o nosso balaio, tomara que Kalil aceite a provocação e consiga enxergar exemplos bons que estão trazendo benefícios para a maior cidade do País e os traga para BH.

José Aparecido Ribeiro jaribeirobh@gmail.com

Belo Horizonte

*

CALÇADA 'CASCA DE OVO'

Li reportagem especial sobre os 100 dias de João Doria na Prefeitura de São Paulo ("O Estado", 9/4) e pude constatar seu louvável empenho em manter as calçadas bem regulares e seguras. Todavia, como colaboração, observei que não são seguidas as normas da boa técnica, as quais, resumidamente, seriam as seguintes: 1) regularizar o terreno; 2) colocar uma camada de pedra britada e apiloar; 3) colocar uma camada de cimento e regularizar seu nível; 4) cercar a calçada até a secagem do material. Os pedestres deixarão de sofrer com calçadas do tipo "casca de ovo" que se deformam com a primeira chuva. Nesta cidade, um prefeito que "põe a mão na massa", esse inconveniente poderá ter fim. Espero que o sr. prefeito receba estas palavras como uma modesta colaboração do seu leitor e eleitor.

Benedito Lima de Toledo bltoledo@uol.com.br

São Paulo

*

FALTA QUALIDADE 

Em pronunciamento do sr. prefeito Joao Doria houve a promessa de asfaltamento da cidade em 2018 devido aos inúmeros buracos. O problema da cidade de São Paulo não é asfaltar ruas, mas melhorar a qualidade do asfalto atual. Basta lembrar a gestão Serra/Kassab. Eles asfaltaram quase toda a cidade e, um ano após, estava toda destruída. Além dos acertos prévios com a Sabesp, falta investir na boa qualidade do asfalto. Isso é gestão. Asfaltar por asfaltar é política! 

Jose R. de Macedo Soares  joserubens@jrmacedoadv.com

São Paulo

*

ENTREVISTA 'RODA VIVA'

Quero registrar minha indignação com relação à participação do jornalista Eugênio Bucci no programa "Roda Viva", da TV Cultura, entrevistando o prefeito João Doria na segunda-feira. Suas perguntas envergonham toda a classe dos jornalistas. Não fez nenhuma pergunta que interessasse aos paulistanos e sua cidade. Limitou-se a provocar o prefeito, sendo deselegante e inoportuno. Lamento que seja professor da USP e pertença aos quadros deste grande jornal. Em tempo: Doria manteve a classe e a elegância. Parabéns, prefeito! São Paulo agradece!

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

POLÍTICO, SIM

Já está mais do que claro que o prefeito Doria já está em campanha eleitoral para 2018, exatamente como fez José Serra num passado recente. Doria está usando a prefeitura paulistana para galgar alguns degraus a mais na sua já comprovada carreira política, principalmente quando ataca o já debilitado ex-presidente Lula e seu partido, o PT. Segunda-feira, no programa "Roda Viva", da TV Cultura, ao ser enquadrado e emparedado, quando insistia em se dizer gestor, e não político, praticamente confessou ao silenciar quando lhe disseram que ele é político, sim.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

UMA COISA DE CADA VEZ

Bom, se o prefeito diz ser leal ao voto recebido, então não há o que se preocupar, afinal, no meu caso, votei em Doria, e não no vice Covas. E basta lembrar o caso José Serra para refrescar a memória: hoje, Serra não teria mais o meu voto aqui, em São Paulo.

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

São Paulo

*

CANDIDATO

João Doria, antes de pensar em governar o Estado de São Paulo, "prefeite" a nossa cidade.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo 

*

CRUZADA

Não sou paulistano, mas um paulista que admira nossa São Paulo. Gostaria de cumprimentar o prefeito Doria. Tem coragem. Não tenho força alguma, pois sou um pequeno empresário, mas, se depender de meu esforço pessoal, Doria pode contar comigo. Compartilho da cruzada do prefeito paulistano: não quero Lula presidente. Quero-o presidiário. Posso contribuir com a cachaça, bem entendido, da barata, para completar a cesta de presentes ao futuro presidiário, que, aliás, é penta, pentarréu.

Benedito Antonio Turssi turssi@ecoxim.com.br

Ibate

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.