Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

17 Abril 2017 | 03h00

CORRUPÇÃO

Próximas eleições

Será que nas eleições programadas para 2018 alguém que tenha ocupado cargo político terá a coragem de se lançar candidato depois de termos assistido na TV a Marcelo Odebrecht dizendo: “Eu não conheço nenhum político no Brasil que tenha sido eleito sem caixa 2”? E mais: “O político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo”. Em suma, o que Marcelo Odebrecht deixou bem claro é que eleição no Brasil é uma mentira, as empresas que prestam serviços aos governos é que determinam, por meio de propinas, quem serão os membros dos Poderes Legislativo e Executivo em cada pleito eleitoral. Chegamos à conclusão de que são pouquíssimos os grãos de trigo existentes no meio de todo esse joio. Agora deu para entender por que desfiguraram as 10 Medidas contra a Corrupção e estão tentando passar a toque de caixa, no Congresso, o projeto de abuso de poder e o voto em lista fechada.

LEÔNIDAS MARQUES

leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

Tenebrosas transações

Pelo que se observa das delações, a Odebrecht usava o Congresso Nacional e o governo como shopping centers de ocasião, às vezes para obter uma medida provisória que atendesse a seus interesses, outras vezes para “contratar” algum político em especial, até para arrumar empréstimos a juros subsidiados para obras no exterior... E pagava com pixulecos.

GILBERTO ABU GANNAM

gilbgag@gmail.com

Piracaia

Começar de novo

O Brasil cansou-se de políticos corruptos. Mas cansou-se também de empresários como Emílio e Marcelo Odebrecht.

MARIA TERESA SILOTO A. PALU

mariateresapallu@gmail.com

São Paulo

Presidencialismo inviável

A delação do fim do mundo torna inviável a manutenção do presidencialismo de coalizão no Brasil. A assimetria de poder entre Executivo e Legislativo, a centralização do poder de decisão e a distribuição de cargos, verbas e ministérios contaminam toda a política, provocando o caixa 2 e a corrupção em grande escala no País. No plebiscito de 21 de abril de 1993, a maioria do eleitorado votou pelo presidencialismo e impediu a reforma política. O País está pagando um alto preço por isso. Faltam partidos, programas, eleições baratas, transparência na relação Executivo-Legislativo e, principalmente, a separação de chefe de Estado do chefe de governo.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

REFORMA POLÍTICA

Voto facultativo

Não faltam reclamações sobre a qualidade e a baixa representatividade dos políticos brasileiros. Paralelamente, muito se fala sobre caixa 2, financiamento público e privado, lista fechada e aberta, etc. Porém não tenho percebido abordagens sobre o nosso sistema eleitoral, que, a meu ver, é o principal culpado por esses problemas. O eleitor desinteressado, que só vota porque é obrigado, é o grande alvo das milionárias verbas publicitárias torradas pelos partidos e seus filiados. O voto facultativo pressupõe que quem vota é um eleitor mais consciente, que acompanha os acontecimentos, pesquisa. Sendo assim, trata-se de um eleitor menos susceptível a manipulações assistencialistas ou propagandísticas. Acredito que é por temer eleitores mais conscientes que a maioria dos nossos políticos tem alergia ao voto facultativo. Sem uma verdadeira varredura por meio desse sistema pouco ou nada melhorará na nossa política.

JOÃO CARLOS A. MELO

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

Diante das bandalheiras, da promiscuidade generalizada na política brasileira, milhões de eleitores País afora se perguntam se o voto vai continuar obrigatório. Numa sociedade democrática o voto deve ser facultativo.

GILBERTO ARAÚJO

gilberto.araujo2077@yahoo.com.br

Belo Horizonte

Esse é o Brasil

Enquanto 1.200 mortos recebem benefício da Previdência Social, bebês com microcefalia não têm acesso à terapia. Com certeza, são esses “beneficiários” que votam e elegem os políticos que hoje fazem parte da lista de Fachin. Não vai ser pela urna que vamos moralizar o nosso país. A única esperança de um País melhor é o juiz Sergio Moro e sua equipe.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

E o nosso futuro?

Sabemos há décadas que o Brasil é o chamado “país do futuro”. Mas quando esse futuro promissor chegará de fato? Chegará muito provavelmente quando quem governa, legisla e julga tiver como objetivo único o bem maior de toda a Nação. Então, que aproveitemos a chama desencadeada pela Lava Jato para depurar o nosso país, mesmo que à custa de um período de sofrimento, para que tenhamos um futuro realmente promissor e justo para todos os brasileiros.

ABRÃO STOKFISZ FEFERMAN

abraofeferman@terra.com.br

São Paulo

PARTIDOS POLÍTICOS

Proposta indecente

Dando sequência às aberrações diárias que emanam dos políticos e seus partidos, deparamos agora com a proposta absurda de que as multas às legendas partidárias sugeridas pelos técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), advindas de uso irregular do Fundo Partidário, sejam pagas com dinheiro público. Só chorando! O maior devedor é o PT – R$ 7,4 milhões. Como Lulla é o eterno dono do PT, sozinho ele pode quitar esse débito, que é apenas pouco mais da metade dos R$ 13 milhões que a Odebrecht lhe deu entre os anos de 2012 e 2013. Se somarmos a grana que ele faturou com as “palestras” e outros agrados dessa empreiteira, da OAS, etc., dá também para Lulla bancar boa parte da recuperação da Petrobrás, de vez que foi ele o maior responsável pela derrocada da empresa.

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

É muito cinismo dos políticos viciados em mamar nas tetas da viúva! Eles usam os recursos públicos do Fundo Partidário para bancar viagens de jatinho, jantares requintados, festas, enriquecimento próprio e quando vêm as multas pressionam o TSE para pagá-las também com dinheiro público, do próprio fundo. Só está faltando isso! Na verdade, está faltando mesmo é uma grande faxina nos três Poderes para o País endireitar.

BENONE AUGUSTO DE PAIVA

benonepaiva@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CONFISSÃO

 

Acredito que o povo brasileiro que lê jornais, paga impostos e crê na democracia deva ter ficado, como eu, simplesmente estarrecido. O notório senador Romero Jucá (PMDB-RR) não para de surpreender, confirmando o que todos sabem, e por motivos difusos, que os políticos brasileiros são apenas agentes de negócios ilícitos, membros de uma portentosa organização criminosa que atua sob o manto da falsa legalidade chamada de partido político. Apenas isso. A confissão, em termos claros e insusceptíveis de dúvidas, foi levada a público pelo referido político: “Por R$ 150 mil não se compra MP (medida provisória) nem na feira do Paraguai”. É, senador, provavelmente não, mas lá talvez não tenham, como aqui, supostos representantes do povo, eleitos ingenuamente por ele, corruptos de sua laia.

 

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

 

*

INTOLERÁVEL

 

A corrupção chegou a tal estágio no País que o notório e famigerado líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), acabou caçoando e fazendo pouco caso da informação da delação do ex-diretor da Odebrecht Cláudio Mello Filho, que declarou que a empreiteira-propineira pagou R$ 150 mil a Rodrigo Jucá (PMDB-RR), filho do senador, em troca de aprovação de medidas de interesse da empresa no Congresso. Sem nem sequer corar, disse ele: “Não tem sentido alguém pensar que vai se vender aqui uma medida provisória por R$ 150 mil. Por esse valor não se vende medida provisória nem na feira do Paraguai”. Como se vê, o desplante e o descaso desta corja de bandidos chegam a níveis inacreditáveis e intoleráveis. Urge bani-los de vez da vida pública do País. Basta!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

O VALOR DE JUCÁ

 

Na hora da xepa, realmente, não dá para comprar uma emenda por R$ 150 mil. Mas aqui, no horário normal da feira ou na xepa, com dez vezes mais é outra história.

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

*

A TABELA DO CONGRESSO

 

Depois que o líder do governo no Senado, senador Romero Jucá, disse que emenda por R$ 150 mil nem na feira do Paraguai se compra, o que falta para fechar o Congresso Nacional? Um líder do governo dizendo isso? Nem o governo se sustenta mais com uma declaração desta do seu líder no Senado. Deduzo que deve haver no Congresso uma tabela de preços, por exemplo: MP, tanto; emenda, tanto; assinar lista para apresentar proposta, tanto; votar a favor, tanto; etc. É um balcão de negócios. Este Congresso não tem mais moral para nada e, por tabela, nem o governo.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

ATÉ DEBAIXO D’ÁGUA

 

A constatação de que houve propinas no projeto dos submarinos brasileiros mostrou-nos que há políticos que conseguem roubar até “debaixo d’água”.

 

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

 

*

REINICIAR

 

Centenas de canalhas comandam o Brasil, no Senado, na Câmara dos Deputados, nos Ministérios, nos governos estaduais, nas prefeituras e, o pior, o restante que não foi citado sabia, com certeza, que o sistema de poder só funcionava com muito dinheiro por fora. O baixo clero da Câmara dos Deputados estava sintonizado com o esquema recebendo migalhas dos poderosos. Estamos sendo governados por quem? Quem recebe dinheiro não dita as regras, é um subordinado, um refém de quem pagou a propina. Chega-se à conclusão de que quem presidia o Brasil eram os grandes grupos empresariais e os políticos do Executivo e do Legislativo eram meros funcionários que faziam “bico” no Congresso Nacional. A que ponto chegamos... Que país é este? Como deixamos que chegasse a este ponto? O Congresso Nacional tem legitimidade para continuar seu “trabalho” até agora sujo, imundo, subordinado ao capital?

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

PARALISIA

 

A semana de crise que tomou conta do Senado e da Câmara não pode tirar de pauta os assuntos de grande importância para o País, que são as reformas da Previdência e trabalhista. Os parlamentares têm de se conscientizar de que fatores externos não podem contaminar o processo interno no Congresso e garantir as votações das reformas para a recuperação da economia. A esperança é de que com a aprovação das reformas haja uma luz no fim do túnel, para restaurar os estragos deixados pelos desgovernos petistas. Que esses congressistas não desapontem a sociedade brasileira.

 

​José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

OS DELATADOS

 

Se tiverem vergonha na cara, demitam-se e vão se defender, se puderem.

 

Élio Domingos Morando eliomorando@bol.com.br

São Paulo

 

*

DUAS VISÕES

 

“Há 30 anos se faz isso”, declarou Emílio Odebrecht, em delação premiada, quando se referiu ao esquema de propinas milionárias, hoje escancarado e que está a provocar um verdadeiro terremoto na atual estrutura política, prestes a ruir. Acrescentou ainda que a angústia dos partidos por recursos para financiar eleições e ampliar poder foi o combustível que alimentou os esquemas criminosos, por ele qualificados como “coisa normal”, desde então. O espaço de tempo referido coincide com o advento da chamada “nova república”, conhecida por ser a “sexta”, que marcou a volta dos civis ao poder, com o estandarte anunciando um novo período democrático. Há duas visões que merecem ser consideradas. A primeira é que o número exagerado de “repúblicas” indica o fracasso da nossa, talvez por ter sido mal concebida e pessimamente implantada, e a segunda é de que os arranjos de corrupção denunciados pelo Executivo constituem uma grave ameaça à mesma democracia que os apóstolos, alguns ainda vivos, do novo regime, bradavam, à época, terem restaurado.

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

COISA DE LOUCO

 

Como o mundo dá voltas, não é mesmo? Em termos gerais, o Brasil está hoje muito pior do que no momento de transição que culminou nas “Diretas Já”, e olha aí, ninguém se manifesta...

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

QUAL É A EXPLICAÇÃO?

 

​O povo brasileiro quer saber por que todos os políticos corruptos tiveram suas prestações de contas eleitorais aprovadas pelos Tribunais Regionais Eleitorais. Ora, se tudo o que está acontecendo no País foi respaldado por esses tribunais, alguma coisa aconteceu. Será que esses tribunais também receberam propinas para aprovação da corrupção ou esses políticos mentem descaradamente, mais do que o normal? O povo quer explicação!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

O JULGAMENTO

 

Finalmente, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a abertura de inquérito contra uma centena de políticos acusados pelo Ministério Público Federal de corrupção no âmbito da Operação Lava Jato – incluindo cinco ex-presidentes da República e alguns autodeclarados “santos” e “santas”. Como exercício de formulação hipotética, alguns cenários são cogitados. Em Pequim, em menos de um ano, todos seriam processados, julgados e condenados; alguns à pena capital, outros à prisão perpétua e os demais a penas de reclusão. Em Tóquio, uma parcela expressiva cometeria haraquiri. Em Pyongyang, todos seriam imediatamente fuzilados. Em Havana, em um mês eles seriam processados, julgados e a grande maioria seria condenada à morte ou à prisão perpétua. Em Nova York, Paris e Curitiba, em menos de dois anos, eles seriam processados, julgados e condenados à pena de reclusão – sendo que no Hemisfério Norte, provavelmente, alguns meteriam uma bala na própria cabeça. Em Brasília... bom, em Brasília, há a possibilidade de eles serem lentamente processados e julgados, podendo alguns serem condenados a pena de reclusão, num prazo previsível de três a dez anos. Em face do desdobramento de processos na capital brasileira, por um bom tempo, esses políticos continuarão fazendo parte da elite (sic) dirigente do País. Não são a justiça e a eleição formas de julgamento da democracia? Na falta de uma, prossegue somente com a outra. Então, os melhores cérebros devem imediatamente iniciar uma campanha por todas as redes sociais e demais meios para impedir que os acusados sejam reeleitos ou eleitos para novos cargos em 2018.

 

Aléssio Ribeiro Souto souto49@yahoo.com

Brasília

 

*

FORÇA-TAREFA

 

Se o Supremo Tribunal Federal (STF) fosse uma instância séria – e não é –, criaria uma força-tarefa para acelerar o julgamento da lista de Fachin, e tudo estaria terminado, com boa vontade e trabalho, dentro de um ano. Não sou advogado constitucionalista, mas não me consta que não possa fazê-lo ou que exista alguma coisa na Constituição que proíba.  

 

Abdiel Reis Dourado abdiel@terra.com.br

São Paulo

 

*

MALANDROS

 

Bem, se as demais empreiteiras, e suas delações, alcançarem outro número significativo de políticos, sobrará o suficiente para legislar? Isso se a Justiça fosse ágil, “kassabando” os malandros.

 

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

 

*

CONTINUAÇÃO

 

Michel Temer disse: “Nada deve parar governo”, após divulgação da lista de Fachin. Ou seja, mesmo suspeitos de serem corruptos, ladrões e sujos, continuarão no governo comandando postos-chave no Brasil e recebendo altos salários, benefícios, mordomias e infinitas vantagens. Evidente que tudo pago por nós, “trouxas” e “frouxos”.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DELAÇÕES DA ODEBRECHT

 

Todos os envolvidos negam as acusações, inclusive Lula e Dilma. Quando acontecerem as acareações, vão continuar negando?

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

 

*

BRASÍLIA

 

Proponho que os ofícios religiosos da Catedral de Brasília passem a ser feitos no edifício do Congresso Nacional, pois lá a quantidade de “santos” é enorme.

 

Hoover Américo Sampaio hoover@mkteam.com.br

São Paulo

 

*

UMA SAÍDA

 

À análise do professor José Álvaro Moisés na edição de 14/4/2017, trago o seguinte acréscimo: a defesa que Lula faz da classe política é a defesa da própria pele. Integrante dessa mesma classe apodrecida por décadas de práticas reprováveis anistiadas na transição democrática que culminou com a Constituição de 1988, Lula escancara o semblante preocupado de quem sabe ser culpado, mas que agora não se conforta com a certeza da impunidade. É o mesmo medo que assola toda uma classe que força até mesmo seus líderes virem a público oferecer defesa prévia. A classe política que está aí não tem condições de resolver a situação periclitante em que colocaram o País. Têm o raciocínio viciado pelo instinto egoístico de autopreservação, sem condições mínimas de oferecer nenhum trabalho altruístico. A solução foi dada no “Manifesto à Nação”, da lavra dos juristas Modesto Carvalhosa, Flávio Bierrenbach e José Carlos Dias, edição de 9 de abril último deste periódico.

 

Ciro César Soriano de Oliveira cirocso@gmail.com

São Paulo

 

*

EVOLUÇÃO

 

A ciência biológica, em sua grande eficiência, conseguiu desenvolver uma nova espécie no cruzamento de um “homo sapiens”, um crocodilo e uma jararaca, resultando num “homocrocojaca”, tendo corpo humano, garganta de crocodilo e peçonha de jararaca, segundo delação de Odebrecht e repertório do ex-presidente. É a evolução e descoberta mais recente da ciência, que deve ganhar o Prêmio Nobel.

 

Ari Berger ariberger@uol.com.br

Tatuí

 

*

EMPREITEIRAS EXTORQUIDAS

 

Para completar a opereta, as empreiteiras bem que poderiam processar o governo por extorsão: somente conseguiriam pedidos mediante pagamento de propinas.

 

Frank Sarnighausen sarnighausen@uol.com.br

Itirapina

 

*

CAIXA 2 E IMPOSTO DE RENDA

 

Al Capone foi para a cadeia por sonegação fiscal, ou seja, caixa 2 decorrente de seus crimes. Quem paga com dinheiro não declarado e sem recolhimento de Imposto de Renda deve ser obrigado a recolher sobre o montante pago. Quem recebe e não declara também precisa recolher imposto; e, se for partido político que tenha isenção, deve perder essa isenção e recolher o imposto devido. Todo o montante até agora apurado de caixa 2 deve ser acrescido de 27% sobre o total, incluindo juros e correção, e lançado como devedor quem pagou ou recebeu.

 

Pedro Luiz Bicudo plbicudo@gmail.com

Avaré

 

*

A PROPÓSITO...

 

Perguntas pertinentes: onde estava a Receita Federal diante de tanto caixa 2? Onde estavam os Tribunais de Contas diante de tanta obra superfaturada e com irregularidades? E, finalmente, como fez o Tribunal Superior Eleitoral para aprovar as conas de todos os políticos delatados?

 

José Antonio Garbino ja.garbino@gmail.com

Bauru

 

*

AVANÇOS NA ECONOMIA

 

Em meio à divulgação da “Lista de Fachin”, em que quase 300 nomes de políticos e autoridades foram citados por corrupção pelos 78 delatores da Odebrecht, o Banco Central anuncia queda de 1 ponto porcentual na taxa Selic, ou seja, de 12,25% ao ano para 11,25%. Esta é a 5.ª redução consecutiva desde outubro de 2016, quando a taxa básica ainda era de 14,25%. E neste período foram reduzidos expressivos três pontos porcentuais. Essa redução significará para o governo federal uma economia de juros sobre a dívida pública em torno de R$ 78 bilhões, ou 56% do déficit público, de R$ 139,1 bilhões, projetado para 2017. Sabemos que as atenções da nossa sociedade, e por justa razão, se voltam a este turbilhão da corrupção, como investigado na Lava Jato. Mas não podemos deixar de passar despercebidos alguns avanços que já ocorrem na nossa economia e o esforço descomunal da equipe econômica de Temer, que tenta fortalecer os alicerces macroeconômicos destruídos pelo PT. A inflação, também em queda, deve ficar neste ano abaixo do centro da meta de 4,5%. Os gastos do governo federal, que durante a gestão Dilma ficaram 6% acima da inflação, hoje rigorosamente seguem controlados dentro da aprovada PEC do Teto dos Gastos. E outra boa notícia também no último mês de fevereiro, mesmo que modesta, é a criação de 35 mil novos postos de trabalho. Ou seja, uma luz acende no fim do túnel.

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

TAXA DE JUROS

 

A taxa básica de juros da economia, Selic, foi “reduzida” de 13,75% ao ano para 11,25%, mas os juros reais continuam na faixa de três dígitos, inclusive nos bancos estatais. Por que essa Selic não vai direto para zero, uma vez que é pura mentira? Resposta: não interessa aos banqueiros, para os quais é bom a mentira em tudo, até de que o povo idiota é que elege os vagabundos políticos, ao invés de serem eles que os escolhem a dedos.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

SALVE-SE QUEM PUDER!

 

Amplo noticiário nos dá conta de que os EUA atacaram o Afeganistão com a chamada “mãe de todas as bombas”. Contudo, há quem discorde quanto ao local da queda – andam dizendo por aí que o tal engenho errou o alvo e veio cair em Brasília. Segundo as últimas notícias, o estrago foi enorme. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos. Resta esperar, agora, os efeitos colaterais, que, segundo comentam, são devastadores. Com ironia, por favor!

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

*

O FILHO DE TODAS AS BOMBAS

 

Nos EUA, a “mãe de todas as bombas”; na Rússia, o “pai de todas as bombas”; no Brasil, “o filho de todas as bombas”. Versão mais evoluída das similares estrangeiras, este androide, desenvolvido e comandado à distância por cientistas baianos que nas horas vagas dedicam-se à empreitada de obras públicas, possui um poder letal muito maior. Além de deixar inacabadas as estradas, túneis, pontes, refinarias, evapora com as verbas fazendo com que reapareçam em bancos a milhares de quilômetros de distância disfarçadas sob nomes dos mais diversos. Movido a álcool de cana, este androide possui revolucionário sistema óptico desenvolvido com recursos de nanotecnologia que lhe permite enxergar a realidade em perspectiva, porém de forma distorcida. Esta característica de projeto combinada ao dispositivo de voz (seu ponto alto) proporciona autonomia de muitas horas para longos discursos com frases de efeito e outras sem qualquer nexo. Nos últimos dias foi revelado que versões menos sofisticadas destes androides foram infiltradas no Senado, Câmara, ministérios, governos estaduais e prefeituras. É muito fácil identificá-las. Além de cabelos bem penteados e trajarem roupas clássicas e bem cortadas, basta aparecer seu nome em alguma delação que imediatamente soltam a frase “nunca tive contato com esta pessoa. Repúdio veementemente as acusações das quais sou vítima, as quais serão oportunamente refutadas quando conhecido o teor das denúncias”.

 

Jorge Luiz de Andrade seugonca252@gmail.com

Jandira

 

*

TRUMP, O SUPERBOMBA

 

As decisões de Donald Trump até agora foram inconsistentes e de resultados, na melhor das hipóteses, duvidosos. Ao bombardear a base militar de Al Shayrat em defesa dos sírios, acabou matando 15 civis, 4 deles crianças, sem afetar a capacidade militar do exército do Bashar Al Assad e seus aliados russos. Em seguida, autorizou o uso da “mãe de todas as bombas”, que custou US$ 16 milhões, para destruir os túneis usados pelos terroristas em Afeganistão, sabendo que o bombardeio maciço das montanhas de Tora Bora não atingiu Osama Bin Laden. A partir da 2.ª Guerra Mundial os Estados Unidos foram uma força desestabilizadora da paz mundial. As forças americanas invadiram Coreia, Cuba, Vietnã, Líbano, Panamá, Afeganistão, Iraque, sem conseguir vencer ou trazer a paz a tais países. A situação atual é bem mais perigosa, pois os Estados Unidos estão sob o comando de um presidente confuso, narcisista e megalomaníaco, que trata qualquer problema internacional complexo como se fosse “negócio” imobiliário.

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

*

LOUCOS POR BOMBAS

 

Estados Unidos x Coreia do Norte, com seu dois malucos no poder e militares loucos para explodir suas bombas, nos fazem lembrar o “Doutor Fantástico”, de Stanley Kubrick, de 1964. O título original do filme em inglês é “Doutor Estranhoamor” ou “Como Aprendi a Deixar de me Preocupar e Amar a Bomba”. Não há filme mais atual!

 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

 

*

DONALD TRUMP E A GUERRA MUNDIAL

 

Quantos americanos estão dispostos a morrer por amor a Donald Trump? Quantas famílias americanas estão dispostas a perder um ente querido por amor a Trump? Lutar e morrer para defender a sua pátria tem lógica, mas lutar e morrer apenas para satisfazer a loucura de um governante é pura burrice. As empresas bélicas agradecem as loucuras de Trump (EUA), Putin (Rússia) e Kim Jong-un (Coreia do Norte). E você, de que lado está? Eu estou do lado de Deus, rezando.

 

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

A PAZ EM RISCO

 

Do conflito entre a Coreia do Norte e os americanos poderá eclodir uma terceira Guerra Mundial, de acordo com a avaliação da China. Ninguém deseja um conflito sem proporções e de alta instabilidade para o mundo civilizado, porém o belicismo prepondera e a indústria bélica agradece a fome generalizada de maus governantes para não abertura do diálogo. O planeta paga o pesado preço de uma falta de funcionalidade dos órgãos responsáveis pelos conflitos internacionais e uma pasmaceira geral que contamina a economia e põe em risco a paz.

 

Yvettte Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

 

*

OS EUA NO ORIENTE

 

Se, na época, Trump fosse o presidente dos EUA, será que a Coreia, hoje, estaria dividida? Será que as tropas norte-americanas teriam sido praticamente escorraçadas do Vietnã?

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.