Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

26 Abril 2017 | 03h02

LAVA JATO

Conspiração

É estarrecedor que o órgão constitucional que é a Procuradoria-Geral da República, com as atribuições que lhe confere o artigo 129 da Carta Magna, por mero e inadmissível viés político, de gratidão ou de vaidade, conspire, à revelia de seu chefe maior, em verdadeiro ato de indisciplina, contra a operação que tem por objetivo livrar o Brasil dessa organização criminosa composta de figurões, como se vê na reportagem Janot adia votação que pode afetar Lava Jato (25/4, A7). Não é que a conselheira Raquel Elias Ferreira Dodge apresentou resolução – já votada e, supostamente, aprovada – que, de forma sub-reptícia, acaba por limitar os trabalhos dos procuradores da Lava Jato? Seu fragilíssimo argumento lembra o populismo e o leva para o seio dos procuradores da República: “A ideia é garantir um número mínimo em cada Procuradoria. Se for eu a procuradora-geral, acatarei a resolução. Acho que acataria com muita tranquilidade porque acho que é possível recrutar colegas de várias unidades. Todos passaram no mesmo concurso. Acho que a regra é clara”. E não é que o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Robalinho Cavalcanti, tem o mesmo entendimento? Seu argumento diz tudo: “Um problema colateral de pressão em algumas unidades do MPF (Ministério Público Federal), que se encontram sobrecarregadas – principalmente no Distrito Federal, de onde surgiu a ideia”. Ora, todos os procuradores passaram no mesmo concurso, mas alguns se especializaram, até no exterior, em determinadas áreas, as mais complexas e globais, enquanto outros... E, claro, essa ideia só podia ter partido do Distrito Federal. Estamos de olho!

CARLOS BENEDITO P. DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

Sabotagem

O editorial Sabotagem contra a Lava Jato (25/4, A3) desmascara a intenção de Raquel Elias Dodge (que possivelmente ficará nacional e internacionalmente famosa), mas não cita nominalmente os demais procuradores que pretendem cortar os recursos humanos do MPF que prestam serviços especializados e dão continuidade à Operação Lava Jato. Esses colegas dela merecem entrevistas para expor suas estranhas e inexplicáveis razões. Precisam vir para a luz do sol.

ADEMIR VALEZI

adevale@icloud.com

São Paulo

Quem está por trás da decisão dessa sra. subprocuradora-geral da República?

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Pigmalião

A procuradora Raquel Dodge traz de volta o mito de Pigmalião. Só que no lugar do rei de Chipre está o ex-presidente José Sarney... Os tentáculos anti-Lava Jato vêm das mais incríveis paragens para tentar transformar a lenda em realidade!

SÉRGIO NEVILLE HOLZMANN

holzmanns823@gmail.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

Desesperado de Garanhuns

Em 1671 um governador real britânico da colônia americana de Virgínia sentenciou que “os tiranos e os autocratas sempre compreenderam que a capacidade de ler, o conhecimento, os livros e os jornais são potencialmente perigosos. Podem insuflar ideias independentes e até rebeldes na cabeça de seus súditos”. Essa concepção perversa sempre se fez presente, seja nos regimes ditatoriais, seja nos democráticos. Busca-se castrar a imprensa livre pelo pavor de sua incisiva guilhotina. Neste momento, essa atitude, que sempre norteou os integrantes do PT, foi vociferada por seu “chefe guerreiro”, Lula da Silva. Para o “coitadinho de Garanhuns”, toda a sua desgraça se deve, notoriamente, ao jornal O Estado de S. Paulo e à revista Veja, não a seus desmandos em conluio com as empreiteiras OAS e Odebrecht, principalmente. O falastrão, como sempre, dispôs sobre o balcão da indecência umas boas doses de sua cachaça preferida para serem vorazmente tragadas por seus fanáticos e servis militantes.

LUÍS LAGO

luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

O ‘coitadinho’

Lula ainda tem a cara de pau de se intitular “coitadinho” e provocar a Justiça. É claro que percebe que sua atitude põe em rota de colisão o “nós” e “eles” e ainda vai provocar uma guerra civil, em breve. Pena que o povo ignaro acredite nas palavras desse demagogo e como uma bíblica manada de porcos vai se atirar no precipício. Do jeito que o País anda, com o povo sedento de sangue, o comportamento desse indivíduo vai causar uma revolta popular. O tempo dirá.

CLAUDIO MAZETTO

cmazetto@ig.com.br

Salto

Pobre coitado que veio de Garanhuns uma conversa! Se o ex-ministro Palocci tiver a coragem de falar a verdade, a história tomará outro rumo e o coitadinho se transformará na maior farsa política que já tivemos. Por seus filhos e pelo Brasil, fale, Palocci!

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Politicamente morto

John Gray, professor na London School of Economics e colunista do jornal The Guardian, em seu livro Missa Negra (Black Mass) defende a tese de que os projetos utópicos da esquerda, hoje em escombros, embora estruturados em termos seculares, constituem de fato veículos para os mitos religiosos. Enfim, segundo Gray, o esquerdismo é um messianismo portador de um projeto presunçosamente salvífico. É o que se vê no Brasil, onde o PT constitui uma seita fervorosa liderada por Lula, um falso deus messiânico hoje destituído de transcendência, visto que chafurdou na mais abjeta e corrupta imanência, como descobrem agora os escandalizados e enganados brasileiros. Que os petistas e seus asseclas do esquerdismo não se iludam. Lula foi pregado na cruz da infâmia e ferido de morte pela lança pontiaguda da Lava Jato, ao lado de inúmeros ladrões do dinheiro público. Lula está politicamente morto. E não ressuscitará ao terceiro dia.

TÚLLIO MARCO S. CARVALHO

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

GREVE GERAL?

Mais prejuízo

Ser empresário no nosso país não é tarefa fácil, é quase uma missão, sobretudo no comércio, que até os feriados atingem, diminuindo o fluxo de clientes. Agora, para acabar de vez com o faturamento, uma greve geral! Onde vamos parar assim, meu Deus? Tantas lojas fechando e mais essas paralisações, que atingem em cheio quem quer empreender e gerar empregos. Em meio a esse caos, sobra para os funcionários, que engordam as estatísticas arrasadoras causadas pelo lulopetismo.

LEANDRO FERREIRA

leandroferreoradasolva@gmail.com

São Paulo

“Coitadinha da Dilma, foi a última a saber que sempre soube de tudo. É mesmo uma injustiçada!”

ELIANA FRANÇA LEME / SÃO PAULO, SOBRE A DELAÇÃO DO CASAL DE MARQUETEIROS JOÃO SANTANA E MÔNICA MOURA

efleme@gmail.com

“Lula, Dilma, Dirceu, Palocci, Mantega, Marcelo e Emílio Odebrecht, Jaques Wagner, etc., etc., todos heróis dos cofres públicos brasileiros!”

LOURDES MIGLIAVACCA / SÃO PAULO, SOBRE A CORRUPÇÃO LULOPETISTA

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ASSALTO NO PARAGUAI

Assaltantes brasileiros roubaram perto de R$ 120 milhões no Paraguai. Deixaram a gangue de Sérgio Cabral morrendo de inveja.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

NA FRONTEIRA

Já com o mercado saturado, a bandidagem brasileira, orientada e armada até os dentes pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), resolveu atravessar as fronteiras. Assaltaram a transportadora de valores Prosegur em Ciudad del Este, no Paraguai, pelo menos 30 homens, usando armamento de guerra como metralhadora ponto 50, fuzis e explosivos, e levaram US$ 40 milhões. Usando vários veículos, os bandidos cercaram os acessos à transportadora e derrubaram muros, um policial morreu na hora e três suspeitos foram mortos depois, durante a perseguição. Parte da quadrilha cruzou a fronteira e passou para o lado brasileiro, obviamente com toda a grana, enriquecendo, assim, a organização criminosa brasileira.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

CRIME ORGANIZADO

A suposta participação do Primeiro Comando da Capital (PCC) em assalto no Paraguai, relatada em brilhante reportagem de Alexandre Hisayasu e José Maria Tomazela na página A10 do "O Estado de S. Paulo" de terça-feira (25/4), mostra que o crime organizado não se sente intimidado pela política de Segurança do Governo do Estado de São Paulo. As organizações criminosas devem ser combatidas com polícia de inteligência, a polícia judiciária, nos limites do Estado Democrático de Direito. Parece faltar a vontade política do governo paulista. Segurança pública não deve ser política de governo, e, sim, política de Estado.

Raquel Kobashi Gallinati, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo imprensa@sindpesp.org.br

São Paulo

*

POLÍCIA EQUIPADA

A administração da Polícia Judiciária não é feita por especialistas em São Paulo há muitos anos, período no qual, coincidentemente, a criminalidade cresceu, chegando ao ponto de se organizar e se preparar melhor que o órgão do Estado incumbido de a investigar, pois, como a Operação Lava Jato demonstrou, esses órgãos são capazes de desbaratar as quadrilhas versadas tanto nos crimes comuns quanto nos do colarinho branco. Interessa a esses governantes equiparem e capacitarem os integrantes desses órgãos? Não!

Renato Gonçalves Coletes renatocoletes1@gmail.com

São Paulo

*

US$ 40 MILHÕES

Quais organizações e com quais objetivos estão procurando arrecadar tanto dinheiro?

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

BALANÇA COMERCIAL

Se na balança comercial brasileira se pudessem agregar às commodities a corrupção da Odebrecht e a bandidagem do PCC, com o assalto à transportadora de valores no Paraguai estaríamos bem na fotografia.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

PROGRESSO

A que ponto chegamos! Quadrilhas brasileiras estão, agora, promovendo grandes assaltos, com um pequeno exército de criminosos, com armas sofisticadas, no exterior. Que progresso!

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO

Finalmente, o Brasil está aperfeiçoando seu principal produto, a bandidagem em todos os níveis, e já inicia a exportação para o resto do mundo, começando pelo vizinho Paraguai, local de um recente e espetacular roubo de valores, arquitetado por eficientes meliantes nativos que estão vencendo a guerra contra as nossas forças de segurança. Em outras modalidades de crime, nossos políticos, engravatados, "vossas excelências", amalgamados com empresários poderosos, são inigualáveis na rapinagem do dinheiro público e na corrupção, e já estão aptos a exportar know-how. Enfim, não possuímos ainda um Nobel, mas já nos destacamos com expertises que vão angariar para o País um indesejável e constrangedor prestígio internacional.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

REFERÊNCIA MUNDIAL

O Brasil tem a melhor escola, com um know-how diferenciado, para a formação de políticos corruptos, ladrões e sujos. Agora também primamos por uma escola direcionada para a formação de assaltantes de transportadoras de valores, com especialidade em caixas eletrônicos. O País é uma referência mundial, né não? 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MURO

Com o exemplo de impunidade que o País está mostrando ao mundo, não só no âmbito da política, mas, também no mundo criminal mesmo, já tem país limítrofe pensando em pedir ajuda a Donald Trump para construir um "muro" e evitar invasão em seus países. Que vergonha!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

                    

*

RESGATE

Aonde chegamos: o PCC de fato é comandado pelos prisioneiros de alta periculosidade, e, no caso, um dos "chefes" é exatamente o tal Marcola. Talvez o PCC deva solicitar aulas com o PT, que utilizou helicópteros para "resgatar" presos que teriam a incumbência de assassinar o ex-prefeito Celso Daniel há mais de 15 anos. O PT parece "especializado" nisso há anos.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ÁREA DE ATUAÇÃO

Pensando com meus botões, infelizmente cheguei à seguinte conclusão: a diferença entre nossos políticos e os integrantes do PCC é só o local da atuação: os políticos  agem no Congresso Nacional e os integrantes do PCC, nas prisões. Em tempo: alguns políticos, mesmo cassados, legislam de dentro das prisões. Oremos!

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva

*

PCC

Há uma maneira extremamente segura para extinguir o grupo terrorista Estado Islâmico. Não serão os Estados Unidos com a "mãe de todas suas bombas", a Rússia com bomba idêntica, mas que diz ser mais forte, nem mesmo a Coreia do Norte, que tanto alarde faz da potência de seus mísseis atômicos. Basta que o ataque seja perpetrado e feito por todas as facções do PCC, com sua estratégia e poder bélico, que não sobrará um só terrorista para contar história.

Paulo Guida paulo.guida@yahoo.com.br

São Paulo 

                      

*

A FORÇA CORPORATIVISTA

Quem diria que o próprio Ministério Público Federal iria tomar a iniciativa de ajudar criminosos limitando o número de procuradores que possam atuar em outras unidades. A subprocuradora-geral da República, Raquel Elias Dodge, em campanha política para ser a próxima procuradora-geral, convenceu a maioria de seus pares a segui-la. Isso não é para o bem do Brasil, mas puro corporativismo. Interessante é o momento em que estas coisas acontecem. O poder destes políticos denunciados é incomensurável.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

FOGO AMIGO

Oportuno o editorial de ontem, 25/4, do "Estadão", sob o título "Sabotagem contra a Lava Jato". No dia anterior, quando assisti pelos jornais televisivos às reportagens sobre o assunto, pensei de imediato que o objetivo era a Operação Lava Jato, apesar de não estar ligado à área jurídica. A iniciativa é tão inusitada e, pela lógica, inútil que salta à vista a probabilidade de a mesma ter um endereço certo. E, nesta hipótese, está escancarada que a meta seria a Operação Lava Jato, a menos que tenha sido uma proposta, sem atentar para as suas imediatas consequências, o que é impensável em se tratando de quem ocupa cargo tão relevante. Sim, porque em qualquer atividade da nossa sociedade o reforço de funcionários de um setor para outro, que requer momentaneamente um aporte maior de mão de obra, para alcançar o seu objetivo em tempo hábil, é uma operação que se realiza normalmente sem grandes obstáculos. Em engenharia é utilizada frequentemente, para cumprir prazos comumente inadiáveis de projetos em andamento. Basta que se desloquem elementos de áreas em que a sua transferência provisória não implicará prejuízo das suas atividades em curso. Estabelecer como regra rígida um porcentual máximo para tais aportes provisórios seria elevar a burocracia à enésima potência, sendo uma incrível falta de lógica, que nos autoriza a pensar que pode existir por trás de tal iniciativa mais uma maracutaia.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DECEPÇÃO

Quando o Brasil inteiro está em vigília, de olho no Congresso Nacional, pois tramita no Senado Federal o projeto de lei que pune o abuso de autoridade, claramente elaborado para acabar com a Operação Lava Jato, uma resolução da subprocuradora Raquel Dodge, em votação no Conselho Superior do Ministério Público (MPF), que limita o recrutamento de procuradores de uma unidade para outra, pode colocar uma pá de cal na bem-sucedida operação.  Quando do pedido de vista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o veredicto caminhava para a aprovação, oito opiniões favoráveis e uma contrária, placar que nos faz esquecer a vergonhosa e acachapante derrota de 7 a 1 para a Alemanha na última Copa do Mundo. Janot se  disse "perplexo" com os rumos que a discussão estava tomando, e não  está sozinho, nós o acompanhamos, estamos boquiabertos, atônitos, estupefatos e uma montanha de outros sinônimos, por essa resolução ter surgido justamente na instituição que desfruta da maior credibilidade prante a opinião pública e tem desempenhado fundamental trabalho contra a corrupção que envergonha a Nação. No País dos cansativos pedidos de Vista, este veio em muito boa hora!    

Sérgio Dafré sergio_dafre@homail.com

Jundiaí 

*

PROPOSTA INFAME

A vergonha das vergonhas, não há diferença de gênero, neste país, quando se trata de corrupção. As mulheres estão muito mal representadas nas instituições nacionais. Haja vista o que esta sub-procuradora-geral está fazendo, com o apoio da expressiva maioria de seus colegas do Conselho do Ministério Público Federal, apresentando uma resolução que visa principalmente a acabar com a Lava Jato. Valor nenhum tem a fala do presidente nacional da Associação dos Procuradores, que não se perca por seu sobrenome, pois palavras são palavras, nada mais, o que vai valer é o que está sendo aprovado. Pelo jeito do andor, a carruagem da corrupção está infiltrada em todos os setores deste país. Vamos apelar à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que se oponha em nome do povo decente do Brasil, contra (se vier a ser confirmada) esta famigerada resolução que acabará com a Lava Jato, e que se represente contra os subprocuradores que apresentaram e endossaram essa proposta infame.

Walter Simões waltersimoesdx@hotmail.com

Santos

*

CABO DE GUERRA

Com as entranhas expostas, o combalido Estado brasileiro está vivendo no momento um cabo de guerra. Forcas ocultas, como dizia Jânio Quadros, lutam nos bastidores pela manutenção do "status quo". Preferem isso à mudança, já que comandam seus feudos há dezenas de anos. Pensar o País, para eles, é secundário, desde que obtenham retorno. O governo, detentor de poder sobre o Tesouro, sempre pródigo e eficiente em benesses, não consegue seduzir os acólitos em suas propostas de reforma. Recorrem, agora, a líderes de opinião. Como aqui se trata da preservação da espécie, sua possibilidade de sucesso pleno será remota. E, enquanto "la nave va", aos trancos e barrancos somos levados a especular sobre a realidade e o futuro de países outros. Nosso cotidiano é recheado de Trumps, Maduros, Macrons, Le Pens e Assads. É grande a dificuldade que temos de lidar com nosso presente. Temos, sim, de enfrentá-lo como qualquer mortal o faz para a construção de um futuro.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

O CERCO

Quem procurar observar o noticiário divulgado nos últimos dias vai notar claramente que o cerco sobre as forças que lutam contra a corrupção, a Procuradoria-Geral da República (PGR) e seus procuradores, bem como os juízes de primeira instância, onde se destaca a Operação Lava Jato, está apertando. Os grupos de delinquentes às voltas com a Justiça, todos, estão concentrando os seus melhores esforços para repetir no Brasil o mesmo que aconteceu com a operação Mani Pulite, na Itália. É uma verdadeira "blitzkrieg" tupiniquim. A urgência com que os congressistas tratam o projeto de abuso de autoridade, por exemplo, contrasta com a procrastinação que os mesmos parlamentares demonstram com relação a projetos muito mais importantes, como os das reformas trabalhista e previdenciária. E por quê? Porque eles querem colocar o quanto antes a mordaça e as algemas naqueles que podem levá-los a "ver o sol nascer quadrado". Nesse mister eles não se constrangem, tomando atitudes cínicas e hipócritas. O cinismo chega a tal ponto que os safados tentam justificar o projeto alegando que ele procura coibir o abuso de qualquer autoridade, inclusive a deles. Há até ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) entoando essa mesma cantilena. O objetivo deles é atingir rapidamente seus eventuais algozes. Não sei se foi "jogo de cena", mas o próprio presidente da República disse em entrevista à televisão que esse projeto é importante, mas não tem urgência, podendo ser deixado para discussão e aprovação mais tarde. Disse, ainda, que agora essa discussão é inoportuna. Pois é. E, enquanto isso, as forças que deveriam estar atuando para combater esta pouca-vergonha reforçando a resistência dos procuradores e juízes, o povo brasileiro encontra-se inerte, como que anestesiado ou alienado. É de acabar com qualquer esperança! 

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

PREGOS NO CAMINHO

A Câmara dos Deputados pode ser comparada a uma sucessão de lombadas cheias de pregos no caminho da modernização e da moralização deste país. Quando votam, só aprovam projetos que lhes tragam algum benefício ou votam na base do toma lá dá cá. Alguém sempre perde, e este alguém é você, cidadão brasileiro.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

SUJOS COMO PAU DE GALINHEIRO

A população brasileira assiste estarrecida às manobras que estão sendo arquitetadas no Congresso Nacional com o intuito de amordaçar representantes da Justiça. Enoja ouvir homens que estão mais sujos do que pau de galinheiro bolando projetos que inviabilizam o combate à corrupção e que podem transformar em criminosos aqueles que buscam punir bandidos. Senhores senadores que têm a vida pautada na honra e na dignidade, por favor, não deixem aqueles que não têm vergonha na cara nos enfiar mais esta canalhice goela abaixo. Eles estão cutucando a onça com vara curta. Paciência tem limite. O povo brasileiro cansou de ser besta. 

                                  

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

OS ENFORCADOS

Preparem-se, brasileiros(as), para serem enforcados(as) junto com o juiz Sérgio Moro, como fora Tiradentes, caso a PEC 28, contra o "abuso" de autoridade, seja aprovada. Haja postes!

Mara Fonseca Chiarelli chiarellimara83@gmail.com

Mogi Guaçu

*

NÃO PODE PASSAR

A lei de abuso de autoridade não pode passar. É uma clara ameaça àqueles que investigam parlamentares criminosos. Desde seu inicio, a Operação Lava Jato vem sofrendo constantes ataques. Desta vez, os votantes da lei de abuso de autoridade, em sua quase sua totalidade, estão interessados em punir a Justiça. A Nação precisa estar atenta aos votos. Sabemos que Renan Calheiros, o mais endividado com a lei, é o grande defensor do projeto, mas não é somente ele. Há outros. Vamos prestar atenção aos votos dos senadores. Precisamos varrer da política esta quadrilha que só pensa em seus próprios benefícios. Vamos colocar seus nomes na berlinda. Vamos às ruas, diga não a mais esta excrescência!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A 'ORCRIM' CONTRA A LAVA JATO

O Brasil é visto como um país livre de terrorismo. Porém um país que teve governos como os de Lula e Dilma não precisa dos terroristas, eles mesmos e uma grande construtora detonaram todas as partes do governo onde houvesse a possibilidade de corromper. Pior do que bombas de grande efeito, conseguiram contaminar com o gás sarin da corrupção, matando todas as possibilidades de desenvolvimento econômico, empregos, saúde, segurança e educação. Montaram uma organização muito bem estruturada, a "Orcrim", com a finalidade de enriquecerem, e arrasaram o que puderam, com estragos que demorarão mais de 20 anos para ser sanados. Temos de agradecer a Deus pela organização do bem estruturada, a Operação Lava Jato, que está com afinco ressuscitado das cinzas as esperanças de justiça e moral do povo brasileiro. Quem viver verá os corruptos e corruptores vendo o sol nascer quadrado.

 

Leila E. Leitão

São Paulo 

*

PARANÁ

O Estado do Paraná, ha muito, tornou-se exemplo de gestão e modernidade para o País. A Lava Jato, sua jovem equipe e seus frutos nos envaidecem. Entretanto, custo acreditar que tenha "produzido" figura tão grotesca e nefasta como Roberto Requião. Positivamente, o glorioso Paraná e o Brasil não mereciam mais isso.

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André

*

LAVA JATO

Investigam, investigam, investigam, delatam, delatam, delatam; e ninguém vai preso?

Lucia Melchert luciamelchert@gmail.com

São Paulo

*

DUAS SAÍDAS QUE SÃO UMA

Não há nada que contribua mais para a impunidade neste país do que o foro privilegiado. Mais de dois terços das ações prescrevem. Afinal, processos levam décadas. E um porcentual de condenações irrisório. O País tem duas possíveis saídas: acabar com o foro privilegiado e não reeleger em 2018 os políticos corruptos. 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

NÃO HÁ PAÍS QUE AGUENTE

Com R$ 10,6 bilhões, o "setor de propinas" da Odebrecht superou o PIB de 33 países. Isso só no período de 2006/2014, de uma única empresa. Por aí se tem uma pequena amostra do colossal volume e do nível de corrupção e desvio de dinheiro público no Brasil. Não há dinheiro para escolas, hospitais, Previdência, infraestrutura, etc., mas sobram bilhões para os políticos e empresários corruptos se locupletarem à custa de todo o povo brasileiro. Não há país no mundo que consiga crescer e prosperar com uma elite política e econômica tão nefasta e corrupta como a nossa.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

  

*

SOB O COLCHÃO DA ODEBRECHT

Ao ler sobre estes milhões de reais que eram entregues em dinheiro vivo a políticos e seus emissários, fico imaginando onde estaria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), responsável do Banco Central por fiscalizar operações financeiras suspeitas, e os bancos que liberavam essa dinheirama toda. Evidentemente, ela não era guardada debaixo do colchão da Odebrecht. 

Fernando P. de Araújo Ferraz fernando@procopioferraz.com.br

São Paulo

*

CAIXA 2 E JUSTIÇA ELEITORAL

Se todos os políticos declararam as doações e estas foram aprovadas pela Justiça Eleitoral, pode-se chegar à seguinte conclusão: os "pobres e ingênuos" políticos não têm culpa. A culpa toda recai sobre a Justiça Eleitoral!

Élide Maria Féres Borges elideferes@uol.com.br

Marília

*

DEPOIMENTO EM CURITIBA

Diante das promessas de tumulto generalizado por parte dos defensores de Lula no próximo dia 3 de maio em Curitiba, a Polícia Federal e o secretário de Estado da Segurança Pública do Paraná sugeriram o adiamento da data do depoimento do réu ao juiz Sérgio Moro. Sugestão: o magistrado responsável pela Lava Jato poderia manter a data original da audiência marcada para o dia 3 de maio e solicitar a presença do Exército para reforçar a segurança e a ordem no entono da Justiça de Curitiba, já que o prédio é uma instalação federal, portanto passível de estar sob os cuidados das Forças Armadas, se assim for solicitado. O que não se pode admitir é que a Justiça seja intimidada por grupelho barulhento que tenta impor na base do grito o status de cidadão acima do bem e do mal a seu líder máximo. 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

ADIAMENTO

O juiz Sérgio Moro adiou o depoimento de Lula para o dia 10 de maio, porque a Polícia Federal pediu mais tempo para organizar a segurança. O motivo é a ameaça de uma invasão de petistas em Curitiba. Adiar passa a sensação de medo, como se o juiz tivesse medo de encarar a "jararaca". Adiar é péssimo, porque a Polícia Federal teve tempo suficiente para tomar as medidas necessárias, e, se ela não tem meios físicos para essa tarefa, que se convocassem as Forças Armadas, mas não recuassem! Não convocam as Forças Armadas para ir defender o Rio contra bandidos? Por que não enviá-las a Curitiba para também fazer o mesmo?

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES À VISTA

Já estamos terminando o primeiro quadrimestre de 2017 e em breve estaremos em plena campanha para as eleições em 2018. Consequentemente, estaremos aguentando as tagarelices dos candidatos pertencentes a quase 40 partidos. Tudo indica que nada mudará com o resultado da Operação Lava Jato, pois não haverá tempo para julgamento dos corruptos - basta ver a morosidade do Judiciário e o desânimo da população ordeira, que, decepcionada, prefere não participar dos movimentos de rua. Ah, ia me esquecendo, Lulinha "Paz e Amor" (corrupto-mor) já está correndo por fora e em plena campanha para voltar ao poder, basta olhar na mídia e nas pesquisas.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

O RECADO DAS URNAS

Obrigado, Operação Lava Jato, nunca foi tão fácil não votar em ninguém.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE NO RIO DE JANEIRO

A manchete de primeira página do "Estado" de 23/4 ("Falido, Rio deve passar pelo menos uma década em crise") fez lembrar o escritor Ignacio de Loyola Brandão, segundo o qual a doença de Alzheimer poupou o pai do ex-governador do Rio da tristeza de presenciar o enorme estrago causado por Sérgio Cabral à população.

Maria Lucia Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

*

CHACINA EM MATO GROSSO

Li atentamente a matéria "Bando atacou sem-terra com tiros e golpes de facão", no jornal "O Estado de S. Paulo" de 23/4. Analisei a descrição dos atos de violência, a declaração da Secretaria de Segurança Pública deixando claro que é prioridade do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), descobrir e punir os autores da chacina. Muito bem! Mas por que a Polícia Civil diz suspeitar de que os autores do crime sejam capangas de aluguel contratados por fazendeiros, já prejulgando, se o extremo noroeste de Mato Grosso é uma região marcada por conflitos entre índios, trabalhadores rurais, madeireiros, garimpeiros e também fazendeiros? Por que elegeu os fazendeiros para desconfiar? Só se já tiver indícios, mas não os declara. Acho que a Polícia Civil se esqueceu de imaginar uma outra hipótese: a de que este tenha sido um crime encomendado pelos próprios dirigentes do MST, para criar um clima de comoção na questão dos sem-terra, que anda meio parada e precisando de umas vítimas para recuperar o fôlego. Escrevi, por acaso, algo absurdo, impossível de ser verdade, levantei uma hipótese injuriosa contra um movimento que é todo marcado pela ética nos seus atos? Bom, eu, pelo menos, tive a coragem de dizer o que penso... e só me resta deixar claro que não sou ruralista, não tenho fazendas e nada que me vincule a esta questão. 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PARALISAÇÃO DE 28 DE ABRIL

Sou mãe de dois alunos do Colégio São Luis de São Paulo. Envio esta carta como forma de protesto ao posicionamento do colégio diante da paralisação proposta no próximo dia 28. Muitos pais são contrários a essa determinação de cunho escancaradamente político. Gostaria de reproduzir, a seguir, caso tenham interesse, o teor do comunicado e me digam: trata-se ou não de um proselitismo que se realiza, camuflado de humanismo? Ao invés de abrirem a discussão de modo franco e democrático, estão impondo um posicionamento ideológico e arrastando todo o corpo discente junto! Jovens que estão em formação não deveriam estar sujeitos a esse tipo de situação. Segue o comunicado do colégio: "Carta da Direção-Geral sobre a paralisação em 28 de abril. Prezados pais e responsáveis, como é do conhecimento de todos, há uma movimentação nacional para que a sociedade civil se manifeste por meio de uma greve geral na próxima sexta-feira, dia 28 de abril. Na cidade de São Paulo, já houve adesão de diversas categorias profissionais, entre elas, a dos professores de escolas particulares (SINPRO). Os professores do Colégio São Luís decidiram, após várias conversas e reflexões, aderir à paralisação proposta pelo SINPRO. O Conselho Diretor do CSL acolheu a decisão dos professores, entendendo que a argumentação por eles apresentada é coerente com os valores que sustentam a nossa proposta pedagógica e com a identidade desta instituição. Embora isento de alinhamento partidário, estamos seguros que o posicionamento do Colégio São Luís está afinado com seus 150 anos de história. As razões apresentadas para a manifestação da próxima sexta-feira são inúmeras, em particular as reformas previdenciária e trabalhista em tramitação no Congresso Nacional. Cremos que todos desejaríamos que reformas estruturais como as que estão sendo propostas não fossem realizadas a toque de caixa, sem o debate qualificado e o envolvimento dos diferentes grupos de interesse. Sabemos também que na convocação feita para a paralisação da próxima sexta-feira existem diferentes motivações políticas e ideológicas. A pluralidade de opiniões, no entanto, é fundamental para o processo democrático. As divergências ideológicas, em casos como esse, podem ser uma oportunidade de qualificação do pensamento. Porém, para que isso ocorra, é preciso "tirar proveito" (inacianamente) considerando, com profundidade, "as circunstâncias de tempo, pessoas e lugares". Na conversa com os representantes dos professores, insistimos para que a paralisação do próximo dia 28 seja trabalhada como um "fato educativo", refletindo sobre o momento histórico pelo qual passamos. Como não teremos aulas na próxima sexta-feira, garantimos que não haverá prejuízo acadêmico para os estudantes. O conteúdo planejado para o dia 28 será reorganizado e trabalhado ao longo das semanas seguintes e o dia letivo reposto conforme determina a legislação educacional. É importante dizer que o Colégio como tal não fecha. Salvo impossibilidade causada por dificuldade de acesso à região da Avenida Paulista, haverá plantão nos setores administrativos. Coordenação de Série, Orientação Educacional, Diretoria e um staff mínimo de segurança estarão na escola. Sendo essa região uma das áreas de maior tumulto em dias de manifestação, no mesmo dia 28 avaliaremos até que horas será possível manter a escola aberta. Agradecemos antecipadamente a sua compreensão e nos colocamos à disposição para qualquer esclarecimento. Sônia Magalhães, P/ Conselho Diretor".

Helena Haenni Zimerman helenahz@uol.com.br

São Paulo

*

TROCA DE COMANDO DO ITAÚ

 

Na entrevista de despedida de Roberto Setubal do comando do Itaú Unibanco, desabafando que o Plano Real fora o maior obstáculo na gestão prestes a se encerrar, após longos 23 anos à frente do maior conglomerado financeiro latino-americano ("Economia", 19/4, B14), o CEO deu uma leve alfinetada no alcaide, já com pretensões as majoritárias de 2018, numa disputa acirrada com Geraldo Alckmin, fazendo uma média com quem de direito ao declarar: "Não basta colocar um gestor competente para resolver os problemas. A gente precisa de bons políticos" (...).

 

Arnaldo Cordeiro Montenegro ac.montenegro@uol.com.br

São Paulo

*

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICANÁLISE

O fato de um argentino (boa sorte, Bernardo!) ter assumido a direção da Sociedade Brasileira de Psicanálise me lembrou outro que anotei tempos atrás: uma lanchonete (Rainha da Paulista) que situava-se na Angélica.

José Benedito de S. Freitas jbdesouzafreitas@gmail.com

São Paulo

*

'SANTA CASA SAI DA UTI'

Parabéns e reconhecimento aos novos gestores da Santa Casa, um ótimo exemplo aos nossos políticos e administradores públicos, pois com seriedade, ética, honestidade, comprometimento, dedicação e competência reverteram, em apenas 23 meses, um histórico de má gestão tirando a entidade do atoleiro e fortalecendo seu tripé de excelência. Os paulistas agradecem e os brasileiros esperam que esse exemplo ajude descontaminar nossos políticos e contribuir para tirar o Brasil da UTI. 

Antonio Claudio Salce claudiosalce@papirus.com

Indaiatuba

*

DESRESPEITO COM O SÓCIO TORCEDOR

Venho, através desta, fazer uma reclamação contra o programa do fiel torcedor do Sport Clube Corinthians Paulista. O desrespeito que vão cometer com o sócio torcedor deste programa. Até o jogo da semifinal do Campeonato Paulista, a prioridade para a compra de ingressos era para quem tinha mais de 30 pontos - hoje, eu tenho 31 pontos. Agora, só porque o time chegou à final do Paulistão, os responsáveis pelo programa fiel torcedor vão aumentar a prioridade de compra de ingressos para quem tem mais de 32 pontos. Reafirmo: é uma sacanagem e um desrespeito com o sócio fiel torcedor. Sou sócio desde 2012.

Antonio de Andrade Sobrinho antonio_andradesp@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.