Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

27 Abril 2017 | 03h02

REFORMA TRABALHISTA

Fim do imposto sindical

É tarefa difícil convencer o trabalhador comum – enganado por sindicalistas, que têm seu emprego garantido – de que uma reforma que aparentemente lhe tira direitos possa ser boa para manter e criar empregos. O fim do imposto sindical obrigatório é o carro-chefe dessa bem-vinda reforma. Com ele facultativo só sobreviverão sindicatos que de fato atuarem a favor dos trabalhadores e morrerão de inanição as outras centenas que só se prestam a enriquecer seus donos.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Sem controle

Se o imposto sindical fosse coisa boa e utilizado para atender exclusivamente aos interesses dos trabalhadores, ele seria fiscalizado. O Lula, no final do seu segundo mandato, vetou uma lei que permitia ao Tribunal de Contas da União fiscalizar onde e como esse imposto seria usado. Assim, sindicatos e centrais sindicais usam e abusam desse dinheiro para financiar invasões, protestos violentos e outros delitos.

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Resquício de ditaduras

É notório que os sindicatos brasileiros carecem de credibilidade. No entanto, como a ampla e plural cobertura do Estado tem demonstrado, esse não é um quadro reversível apenas pela mudança dos dirigentes que parasitam o dinheiro suado do brasileiro. A única alteração do status quo possível seria a reestruturação do sistema que mantém essas entidades e para isso seria necessária a supressão dessa inaceitável previsão legal que obriga os trabalhadores a pagarem o equivalente a um dia laboral por ano em favor dessas organizações que de pouco ou nada lhes servem, sem nenhum escrutínio ou controle. A liberdade de escolha está diretamente ligada à democracia, sendo essa obrigatoriedade um resquício de ditaduras de outrora e um obstáculo a ser transposto para seguirmos em frente como país.

RODRIGO BRUNO NAHAS

rbn@nahasadvogados.com.br

São Paulo

Nada que justifique

Imposto (substantivo) tem essa denominação porque é um tributo imposto (adjetivo “ligado” ao verbo impor) ao cidadão e dele cobrado para suprir o Tesouro dos entes federativos (União, Estado e município) a fim de que possam cumprir seus objetivos de acordo com a competência que a Carta Magna lhes atribui. Ademais, como sabem os tributaristas, o tributo deve ser criado tendo como fato gerador a propriedade de um bem, uma renda, uma operação financeira, um serviço que lhe é posto à disposição pelo Estado e outras hipóteses. Sempre tendo em vista um evento que justifique sua existência dentro de princípios tributários. Daí já se nota que o “imposto” sindical – obrigatório, como se de fato fosse tributo – não reúne as condições de imposto. Por que, então, existir, máxime em favor de órgãos corporativos particulares e que não prestam contas sobre como ele é gasto?

JOSÉ ETULEY B. GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

Mobilização social

A sociedade precisa se mobilizar para que seja aprovada a proposta de acabar com essa excrescência chamada imposto sindical. Só a pressão maciça da população pode vencer o lobby dos sindicalistas no Congresso.

JOSÉ VARLESE FILHO

jvarlese@uol.com.br

Mairiporã

GREVE POLÍTICA

A quem interessa?

Essa greve absurda convocada para amanhã e que está revoltando as pessoas ordeiras e de bem deste país só interessa ao PT e seus cumpanheiros. Apeoesp, UNE, CUT e outras centrais sindicais, lamentavelmente, ainda estão nas mãos desse partido que aposta no “quanto pior, melhor” e não tem o menor interesse nas reformas tão necessárias e urgentes para o País. É como se estivessem evitando dar o remédio certo ao paciente moribundo. A Lava Jato, que tem cumprido o seu papel de maneira brilhante, precisa lançar seus tentáculos sobre esses arruaceiros da Nação, que, certamente, também têm contas a ajustar com a nossa Justiça.

ELIAS SKAF

eskaf@hotmail.com

São Paulo

Massa de manobra

Os sindicatos sabem que os fundos de pensão das empresas estatais tiveram prejuízos enormes nos últimos anos, decorrentes de incompetência ou fraudes de seus gestores, que aplicaram em títulos públicos da Venezuela de Hugo Chávez e, obedecendo ao capo da máfia, participaram de investimentos que os fundos de pensão privados recusaram. Sabem também que Petrobrás, Eletrobrás, Caixa Econômica, Banco do Brasil, Correios foram destruídos por essa corrupção a que estamos assistindo. Os professores honestos sabem o que se passa e quanto as vantagens de alguns prejudicam a maioria e tornam inviável o futuro de nossas crianças, que poderiam receber muito mais recursos para se prepararem para ele. No entanto, como uma boiada ignorante ou de má-fé, eles se preparam para a greve política de amanhã contra as mudanças que sabemos necessárias para o nosso futuro. É uma pena que continuem a ser massa de manobra do atraso.

ALDO BERTOLUCCI

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

Parasitas e capachos

Curioso que sindicalistas e deputados que se proclamam defensores dos trabalhadores se manifestem contrários à reforma da Previdência. Eles deveriam calar a boca. Ninguém dessa turma protestou ou se manifestou diante da calamidade que são os 13,5 milhões de desempregados no País. Essa turma só serve para fazer greve e prejudicar ainda mais a população. Sindicalistas são, na verdade, parasitas da contribuição sindical obrigatória (uma violência contra o trabalhador). E os sindicatos hoje são apenas capachos de interesse eleitoral de partidos como PT e PDT. O Brasil não precisa dessa turma.

ANDRÉ COUTINHO

arcouti@uol.com.br

Campinas

Dia dos bobos

A greve convocada para amanhã pelos sindicatos dos bancários, metroviários, professores e outras categorias representadas por pelegos pode marcar esse dia como o dos bobos, nós, que vamos tentar trabalhar para ganhar o pão de cada dia, pagar impostos e, obrigatoriamente, dar um dia do nosso labor para os sindicalistas gastarem como quiserem. Então, fica assim: o dia 28 de abril será o Dia dos Bobos que tentam trabalhar, enquanto os que têm estabilidade no emprego e não têm os dias parados descontados fazem a festa.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

“O fim da contribuição sindical obrigatória é o início da extinção de pelegos e mortadelas”

A. FERNANDES / SÃO PAULO, SOBRE A REFORMA TRABALHISTA

standyball@hotmail.com

“Sem desmontar o anacrônico aparato sindicalista, lastreado no imposto compulsório, nenhuma reforma terá condições de reduzir o intervencionismo da Justiça do Trabalho”

SERGIO S. DE OLIVEIRA / MONTE SANTO DE MINAS (MG), IDEM

ssoliveiramsm@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A GREVE GERAL

 

Sindicalistas esperam ter amanhã, sexta-feira (28/4), uma greve geral com mais adesões que a de 1986, considerada a maior do País, que protestou contra o Plano Cruzado. O protesto de agora é contra as reformas da Previdência e trabalhista e a Lei da Terceirização. As centrais sindicais esperam a adesão de professores de escolas particulares e funcionários de empresas. Lógico que o trabalhador privado, quando para, deve estar preparado para o corte do dia, diferentemente do que fazem os servidores públicos, especialmente os da Educação e da Saúde, que ficam longos períodos sem trabalhar e acabam ganhando ou no máximo compensando os dias parados. Nos países adiantados, a greve é o último recurso. No Brasil, mercê dos governos fracos, demagogos e irresponsáveis, o grevismo se alastrou no serviço público e agora ameaça avançar pela iniciativa privada. Espera-se que a dita greve geral seja um movimento ordeiro e, com isso, possa ter ouvidas suas reivindicações. Que o governo seja sensível ao que pensam os trabalhadores e a população não seja, como tantas vezes, a grande prejudicada pela falta de serviços essenciais e até no seu direito de ir e vir.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

A IGREJA E A PARALISAÇÃO

Estou pasma! Líderes da Igreja Católica estão convocando a população para a greve geral no dia 28 de abril, em todo o País. Tal greve, organizada pelas centrais sindicais e movimentos sociais, está conseguindo a adesão até de escolas católicas tradicionais aqui, em São Paulo, o que deve estar acontecendo também em diferentes Estados. Já fiquei muito incomodada com a recusa do papa Francisco em vir ao Brasil na comemoração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil. Agora entendo: ele não queria parecer estar dando apoio às reformas do governo Temer, porque "a Igreja se posiciona firme e profeticamente contra as reformas que vão contra o nosso povo", diz o comunicado. Que absurdo! É lastimável que uma militância religiosa continue a dar apoio ao PT, reconhecidamente um partido que faliu o Brasil, e não me consta que a Igreja tenha se posicionado contra o roubo cometido pelos governos de Lula e Dilma contra o erário e o povo em geral. Muito menos vi a Igreja manifestar contrariedade com o desgoverno de Nicolás Maduro e suas atrocidades na Venezuela. Esta Igreja não me representa, e é com amargura que digo isso, pois sou católica praticante.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

INCOERÊNCIA

O Comitê das Igrejas de Belo Horizonte orientou seus fiéis no sentido apoiar a paralisação convocada pelas centrais sindicais para 28/4. "A Igreja se posiciona firme e profeticamente contra as reformas que vão contra o nosso povo", é a base da convocação. São posicionamentos contraditórios como este que diminuem a credibilidade e o protagonismo dos líderes católicos. Falta-lhes coerência, na medida em que nunca se manifestaram publicamente contra a ditadura obstinada e criminosa de Nicolás Maduro, por exemplo, que está impondo uma crise de fome ao povo venezuelano, nem contra as supressões de liberdades em Cuba, que exibe um governo autoritário de mais de 50 anos sem renovação.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A CONIVÊNCIA DA IGREJA

Primeiro o papa Francisco teve tempo para cumprimentar um indivíduo indiciado por assédio sexual; em seguida, apertou a pata de um cachorro que ajudou a salvar sobreviventes de um terremoto na Itália. No dia 12 de outubro, o Brasil comemora os 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, imagem encontrada por pescadores nas águas do Rio Paraíba do Sul. Michel Temer convidou o papa, tendo em vista que a santa é padroeira do Brasil. A recusa do sumo pontífice se explica, mas não se justifica quando se toma conhecimento de que líderes católicos de diferentes Estados estão incentivando e até convocando a população para a greve geral do dia 28 de abril em todo o País. Arcebispos, em texto, destacam que as reformas da Previdência e trabalhista "desmontam direitos conquistados" e dizem que "é preciso reagir". A posição da Igreja Católica não surpreende nenhum cristão pelas suas ingerências com assuntos que nada têm com a salvação de almas e aumentar o seu redil. No Vaticano, escândalos financeiros e, principalmente, a pedofilia se alastraram entre os padres e outras batinas de maior escalão. Estivéssemos nos tempos do monge agostiniano Martinho Lutero, que rebelou-se contra a venda de indulgências e de relíquias, dando início à reforma protestante... Não sem razão, as igrejas evangélicas avançam por todo o Brasil, aumentando o seu rebanho.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PARALISAÇÃO NAS ESCOLAS

A adesão das escolas particulares à greve de 28/4 é um apoio político escancarado ao PT. Não só as escolas, mas a igreja também se posicionou a favor da greve e, pasmem, os Correios, onde tudo começou - e seus funcionários não aprenderam nada com o assalto em seus fundos de pensão e por isso estão pagando mais para se aposentar. Em 13 anos de governo petista, nenhuma greve foi feita pela CUT (central unida dos trapaceiros). O trabalhador, como sempre, é usado como massa de manobra dos sindicalistas, que sempre se deram bem e têm os melhores cargos no governo. Debates serão feitos nas salas de aula? Qual o viés ideológico dos professores? Vão querer fazer a cabeça dos alunos a favor de uma política social de araque? Vão explicar aos alunos por que a contribuição sindical deve acabar? A situação do País está este caos por causa da política petista, que em nome dos mais pobres assaltou a Petrobrás, destruiu a economia e jogou nas ruas quase 15 milhões de desempregados. Que as escolas públicas apoiem a greve é normal, pois o sindicato que as rege é o mesmo que conduz a manada peleguista nas empresas, mas, quando as escolas particulares mostram sua cara e seu viés político, deixando claro que o que o governo do PT fez é aceitável, está na hora de as famílias repensarem suas opções.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

PROFESSORES

Os pais de alunos da rede particular de ensino de São Paulo cujos professores aderiram à paralisação geral convocada para o próximo dia 28 têm toda a razão de manifestar sua revolta. Esta greve foi convocada por centrais sindicais controladas pelo PT apenas para tumultuar a vida do cidadão comum, já que não há foco, tampouco argumentos concretos ou coerentes. Se estes professores estivessem realmente insatisfeitos, já teriam se manifestado antes, e não aguardado a convocação do seu sindicato (Sinpro) para esta ocasião. Este é mais um exemplo de que os sindicatos nunca estiveram realmente ao lado dos interesses genuínos dos trabalhadores, mas a serviço do partido ao qual sempre se submeteram. A reforma trabalhista, com a extinção da contribuição sindical obrigatória - leia-se subtração de parte do salário - é mais do que bem-vinda, pois contribuirá para a geração de empregos e seguramente "despolitizará" a relação entre empregados e empregadores. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

IMPOSTO OBRIGATÓRIO

Pelo andar da carruagem, parece que o imposto sindical obrigatório deverá ser extinto mesmo. Que país é este que tem milhares de sindicatos que para nada servem, a não ser para incitar greves e promover arruaças? Chega de sustentar pelegos e vagabundos. Que seja mesmo o fim dessa obrigação.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

BLÁ BLÁ BLÁ

Eu não entendo estas manifestações populares em dia de semana, como a greve geral convocada para amanhã, sexta-feira (28/4). Prejudicam os demais trabalhadores, causando transtorno no trânsito, e todo mundo já sabe o que vai ser alardeado nelas: dizer que o impeachment foi "golpe", a defesa do imposto sindical obrigatório, este blá blá blá da esquerda que todos conhecem de antemão. Não vou perder meu tempo. Acredito que tudo irá funcionar normalmente, pois grande parte da população não vai participar, já que estará em horário de serviço e não vai querer perder o dia indo a um encontro que não tem razão de ser.

Reinner C. de Oliveira reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

NA VENEZUELA

Acompanho com a maior atenção a saga do povo venezuelano em busca da liberdade democrática, opondo-se pacífica, mas energicamente, ao jugo do bolivarianismo maluco de esquerda, representado pelos herdeiros do coronel Hugo Chávez, de triste memória.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

O CAOS VENEZUELANO

Em meio à radicalização política e à polarização ideológica que tomou as ruas do país, a situação política de Nicolás Maduro, na Venezuela, começa a ecoar a lembrança dos momentos dramáticos finais vividos por Salvador Allende, no Chile, e João Goulart, no Brasil. O presidencialismo latino-americano, que concentra um excesso de poder de decisão, não permite a convocação de eleições ou troca de governo para resolver impasses políticos em meio a graves crises econômicas e sociais. Infelizmente, a ruptura institucional pode tornar-se inevitável por intervenção militar diante do caos na Venezuela.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

A VENEZUELA E AS ESQUERDAS BRASILEIRAS

O comunismo foi o pior mal que existiu no século 20, aqueles que tiveram a infelicidade de viver e os poucos que ainda vivem neste sistema cruel de governo nunca tiveram voz, nunca foram ouvidos por seus governos que gritavam aos quatro cantos que a revolução do proletariado libertaria o povo das injustiças do capitalismo, muito pelo contrário, o que estes sistemas de governo fizeram foi massacrar o seu próprio povo. Não foi por acaso que o comunismo desabou no berço da revolução 90 anos depois, um sistema que nada produz e tudo tira jamais conseguiria se manter eternamente. Apesar de sua morte, em 1991, ele ainda é praticado com outros nomes: bolivarianismo, nacionalismo, socialismo, etc., ou seja, comunismo do século 21, mas com a mesma receita, calar o povo com a desculpa de protegê-lo simplesmente para se manter no poder. O Brasil, que pretende ser a liderança e referência de sua região, precisa pregar os seus valores democráticos custe o que custar, nada de ficar agradando vizinhos arruaceiros que ainda governam com a mentalidade do século passado, enquanto eles humilham e massacram a sua população. Temos de manter apenas uma posição: liberdade e democracia para que nossos povos alcancem o tão sonhado desenvolvimento.

Márcio Ferreira de Souza marciofdesouza@icloud.com

São Paulo

*

ABANDONO À ESQUERDA

 

Nota-se uma tendência mundial de abandono às teses da esquerda, especialmente às pregações socialistas mais radicais. Na França, vão para o segundo turno da eleição presidencial Emmnuel Macron e Marine Le Pen, o primeiro do centro e a segunda nacionalista e mais para a centro-direita. Os candidatos de esquerda foram vencidos, com desprestígio para o atual presidente socialista François Hollande. Com efeito, as pregações socialistas não introduzem nada de novo nos programas do segmento ideológico centro-direita, onde estão presentes muitas teses neoliberais e que possibilitam o desenvolvimento de realização dos cidadãos independentemente da interferência estatal.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

'COLUNA DO ESTADÃO'

Como leitor diário do jornal "Estado", cumprimento os editores da "Coluna do Estadão" pelo aniversário de um ano e faço votos de que permaneça sempre nos mantendo atualizados com as informações que tanto são necessárias.

Alvarez Arantes alvarez.atib@hotmail.com

São Paulo

*

Parabéns pelo primeiro aniversário da "Coluna do Estadão". Ela permite que fiquemos atualizados com os principais fatos políticos do País. Continuem neste caminho.

Paulo F. Barcellos pfbarcellos@icloud.com

São Paulo

*

VÍTIMA DE JUSTIÇA INJUSTA

Como não poderia deixar de ser, a "viva alma mais honesta" voltou a exercitar o papel de vítima, aproveitando para isso o evento Estratégias para a Economia Brasileira, promovido pelo PT na Câmara e no Senado. "Não vou virar as costas para vocês para não verem a quantidade de chibatadas que levei", vitimizou-se, como se fora um torturado na ditadura. "A prova que tem contra mim é um pedágio (sic)", desafiou, referindo-se a uma das provas colhidas na ação penal em que é acusado de receber um tríplex no Guarujá como contrapartida por "acertos" que fez com a construtora OAS em seu período de governo. Para Lula, todo o apurado contra si - fotografias, laudos, documentos, depoimento de Léo Pinheiro (o dono da empreiteira), "pedágios", delações e outras evidências - não teria valor algum e a Sérgio Moro, ao fim e ao cabo, só restará inocentá-lo, "viva alma honesta" que é. Veremos ao fim... Presente ao evento, Gleisi Hoffmann, a enrolada escudeira de Dilma e Lula, marcou ponto ao defender o "coitadinho de Garanhuns" (como o próprio se intitulou): "Aqui (no PT) não tem bandido. Tem pessoas que podem ter errado, mas ninguém é bandido (...)". Ora, como pode o maior esquema de corrupção apurado na história do Brasil não ter bandido? Há, sim, infelizmente, vários protegidos pela leniência de nossas leis.  No mais, qualquer um que visitar um estabelecimento prisional ouvirá dos internos juras de inocência e sairá de lá com a certeza de que a Justiça, no Brasil, é muito injusta.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

O TESTEMUNHO BRASIL

Mais comprometedor do que denúncias, delações e provas documentais robustas é o que restou do País: uma terra arrasada. Não há culpabilidade maior.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

O 'COITADINHO DE GARANHUNS'

Desde que o ex-presidente Lula foi eleito em 2002, ouvimos sobre ele um monte de comparações, que vão de Getúlio Vargas, JK, Moisés e até Messias. Mas "coitadinho de Garanhuns", realmente, é de gargalhar, porque Lula nunca foi coitadinho. Os delatores da Operação Lava Jato deram a designação certa: "Ele gosta mesmo é da boa e farta vida, o famoso 'bon vivant'" - vida que Lula e PT, em 13 anos, não forneceram aos verdadeiros coitadinhos do Brasil. Negligenciaram qualquer instrumento que lhes proporcionasse desenvolvimento e empregos decentes. Restou a eles, quando têm, somente o subemprego. Infelizmente, nos rincões do País, aonde a verdadeira informação não chega, o povo ainda paga seu voto pelo Bolsa Família, ideia roubada do governo anterior. Infelizmente, por um "prato de sopa rala", estes que realmente precisam serão eternamente gratos ao "coitadinho de Garanhuns".

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PREGAÇÃO

Nauseantes as declarações do futuro presidiário Lula da Silva ("coitadinho de Garanhuns"). Que aproveite a plateia, pois em breve pregará para as paredes da carceragem de Curitiba.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

ANSIOSOS

Como de costume, quando não há como justificar algumas evidências que saltam aos olhos e o colocam como suspeito número 1 nas investigações da Lava Jato, Lula recorreu ao vitimismo, ao afirmar diante de uma plateia selecionada ser alvo da mídia golpista que massacra "um pobre coitadinho que veio de Garanhuns" 18 horas por dia. E, indo além, desafiou os investigadores a provarem algum desvio de conduta cometido por ele e afirmou, ainda, estar ansioso para "falar a verdade", e que a única prova contra ele na ação penal do tríplex "é um pedágio" pelo qual passaram dois carros em nome do Instituto Lula entre 2011 e 2013. Lula parece sofrer de amnésia seletiva ao esquecer que o que não faltam são provas contra si, como e-mails, notas fiscais da reforma e depoimentos. Tem até foto do "amigo" visitando o tríplex que afirma não ser seu, ao lado do delator Léo Pinheiro, que, além da cobertura no Guarujá, pagou duas cozinhas, reformou um lago, contratou palestras, bancou seu instituto e ainda financiou campanhas, além de comprar pesquisas eleitorais. E, ao final do seminário sobre economia brasileira, já com discurso de candidato, Lula defendeu a regulamentação da mídia (leia-se mordaça), aquela que em seu mandato de presidente tentou implantar por intermédio de seu ministro Franklin Martins, cujo sonho era transformar jornais livres em porta-vozes do governo, como na democrática Cuba que tanto admiravam. Se a história de sua inocência insistentemente repetida por seus advogados vai colar, não se sabe, mas um fato que vem do passado pode sinalizar acontecimentos futuros: seu camarada e ex-ministro José Dirceu também dizia estar ansioso para provar sua inocência pouco antes de ser preso.

 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

A CANTILENA DE LUIZ INÁCIO

Lula, em todos estes anos de petismo, aprendeu a falar na terceira pessoa do plural. São sempre eles que fazem as coisas que ele não aprova. O Brasil se cansou desta cantilena de "não sei de nada", "não sou eu" e "não tenho dinheiro no exterior". Lula pensa que, elogiando Palocci, vai conseguir com que ele feche a boca. Por todo o currículo, excelentes serviços prestados ao chefe e família, não poderia Palocci gozar de prestígio melhor. Daí a dizer que não teme uma delação, é ir longe demais, como faz quando nega este mega-assalto aos cofres públicos. Conta lá fora é fácil, basta deixar dinheiro em Cuba. Imóveis e bens? Basta recorrer aos amigos, porém há momentos em que nenhuma amizade garante o sacrifício. Vender a mãe por dinheiro parece uma coisa simples depois de tudo o que vimos nestes 13 anos de governo do PT. A questão é que, mesmo vendendo, eles não entregam, basta ver os que estão presos. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

PASSANDO DOS LIMITES

O que Antonio Palocci fez na Lava Jato pode ser considerado assédio, ou no mínimo uma cantada sutil... faço o que vocês imaginarem.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

PALESTRAS DE US$ 1 MIILHÃO

O ex-presidente da Construtora OAS Léo Pinheiro confirmou que pagou US$ 1 milhão ao ex-presidente Lula, por cinco palestras dadas no exterior. Ora, como Lula nunca sabe de nada e dispõe de um sofrível português, jamais conseguiria tal façanha por seus próprios méritos. Acontece que, como não houve a cobrança de ingresso, sobrou para Léo suportar esse ônus e, logicamente, abater das propinas futuras. Não há almoço grátis! Me engana que eu gosto!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CACHÊ

Fala sério! Quem, em sã consciência, pagaria R$ 200 mil por uma palestra de lula (minúsculo mesmo)?                                         

Sergio Rodini sergiorodini@icloud.com

São Paulo

*

PLATEIA

Ganha um doce quem apontar alguém que já presenciou uma única palestra do sr. Lula da Silva.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

ENCAPETOU-SE

Diz a lenda que "o coitadinho de Garanhuns" encapetou-se ao deixar a cidade pernambucana, transformando-se numa jararaca. Com seu poderoso veneno, implodiu o Brasil. Agora a captura do animal peçonhento está com Moro, o maior especialista em cobras venenosas. 

Eliana França Leme efleme@gmail.com

São Paulo

*

A FELICIDADE BATE À PORTA

A felicidade bate à porta dos corruptos e corruptores. Ao contrário de outras "grandes figuras" que orbitaram no entorno de Lula ao longo de várias décadas, principalmente nas últimas duas, Lula não tem quem delatar. Só lhe restaria falar a verdade, mas este gesto de grandeza a consciência "delle" não terá de enfrentar, dado o projeto de resolução da subprocuradora da República Raquel Elias Dodge, que, ao que tudo indica, será aprovada pelo Conselho Superior da Procuradoria-Geral da República.

 

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com

São Paulo

*

'SABOTAGEM CONTRA A LAVA JATO'

Excelente o editorial de terça-feira do "Estadão" intitulado "Sabotagem contra a Lava Jato". São impressionantes a desfaçatez e o cinismo com que esta sub-procuradora busca prejudicar esta operação de recuperação econômica e ética de nosso país, uma pessoa, inclusive, sem nenhuma moral para propor qualquer atitude, de acordo com informações da imprensa. Temos de ficar alertas, se quisermos mudar o Brasil e evitar que se torne uma Venezuela.  

Lucio Felix de Souza Filho luciofsf@superig.com.br

Salvador

*

MUDANÇA NA PGR

Gostaria de ler matéria sobre a senhora Raquel Elias Dodge. Gostaria de saber quem é, de onde veio e, principalmente, os motivos que apresenta para emperrar a Operação Lava Jato. O mesmo para os outros que votaram a favor da proposta dela, incluindo o senhor Robalinho (!). Não quero crer que pessoas investidas de tamanha autoridade de guiem por vaidade ou melindre.

 

Eduardo Nascimbeni eduardo@nascimbeni.com.br

São Paulo 

 

*

ADIAMENTO

Há algo de podre no pedido de adiamento do compromisso que estava marcado para o ex-presidente Luiz Inácio da Silva com o juiz federal Sérgio Moro em 3/5/2017, feito pela Polícia Federal. Pedido aceito por Moro e reagendado para o dia 10/5/2017. Causou estranheza ver a Polícia Federal deixar passar quase dois meses para dizer que estava sem condições de dar segurança para os envolvidos na Operação Lava Jato. Pergunto: onde estão os militares que deram segurança total ao povo, combatendo as anarquias que aconteceram no Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais e Espírito Santo?

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

DEMOANARQUIA

Manifestações de protestos com integrantes vestindo camisetas vermelhas, que sempre acabam em vandalismo, tumulto e depredação de bens públicos e privados, olhadas com beneplácito e omissão de quem deveria zelar pela ordem pública e segurança, com algumas pequenas detenções que geram um termo circunstanciado e nenhuma consequência jurídica ou pecuniária. Bloqueios com queima de pneus e outros objetos de ruas e avenidas por grupelhos, sempre de vermelho, que paralisam e infernizam milhares de outras pessoas sem, mais uma vez, nenhuma interferência policial para coibir e prender os "manifestantes". Ônibus queimados em represália pela morte de um traficante ou por bandido da comunidade, sem nenhuma ação concreta das polícias. Invasões de ditos movimentos sociais e rurais em propriedades públicas e privadas, sempre com a devida omissão de autoridades. O descaso pela legalidade é geral e irrestrito. Agora, para culminar e colocar a cereja no bolo da desordem e no caos instalados e presentes no nosso dia a dia, o governo (?) do Estado do Paraná, numa atitude de pusilanimidade sem paralelo, solicitou que o juiz Sérgio Moro redesigne data ou, preferencialmente, local da oitiva do chefe da maior quadrilha do planeta, temendo manifestações de "movimentos populares" (?) na capital paranaense. O governo do Paraná se curva e fica de joelhos diante da bandidagem, numa inversão total de valores e demonstração formal de covardia. Esquece as prerrogativas legais e físicas de que dispõe para enfrentar a turba. Prefere o acovardamento e nem se preocupa em solicitar ajuda do Exército Nacional para auxiliá-lo nesse teórico enfrentamento. Prefere a solução simplista de jogar o problema para fora de suas fronteiras. Submete-se a um bandido e à sua quadrilha. Definitivamente, não vivemos numa democracia, mas, sim, numa demoanarquia, onde o demônio barbudo reina e comanda seus zumbis vermelhos e acéfalos. O reino das trevas e do caos foi instaurado há muito tempo e pretende se perpetuar para sempre. Só não vê quem não quer ver.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

NENHUMA NOVIDADE

O aguardado dia 3 de maio - ou o dia 10 de maio, a pedido da Polícia Federal -, quando Lula deverá depor ao juiz Sérgio Moro, não leva a esperar nenhuma novidade. O quadro psicótico em que vive o ex-presidente - com inequívoco delírio de grandeza, exaltando seu governo, intitulando-se de "salvador" dos pobres ao "mais honesto" dos homens, assim como seu PT se considerava o partido da ética, que "não rouba e não deixa roubar" - permite admitir que o que delatam a respeito do próprio na corrupção será negado. Para ele e por seus ventríloquos, como já se mostram, são mentiras ou obras ficcionais promovidas com a participação do Ministério Público Federal, para obterem os delatores benefícios penais em prováveis condenações e, como de hábito, reprisará da aprovação das suas contas na Justiça Eleitoral. Não podemos nos iludir. 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Li que a construção da refinaria Abreu e Lima rendeu R$ 90 milhões em propina a aliados. Sobre o tema, não tive ou tenho conhecimentos privilegiados, a não ser por ter sido vítima de atentados e sobreviver mal nestes últimos 42 anos, sob extrema pressão por ter tido a pretensão de proteger o erário, desde 1974. Assisti e combati a corrupção em que empreiteira estimativamente pagava uma vez para faturar desonestamente oito vezes e, então, o prejuízo ao erário era de pelo menos nove vezes a "propina". Consegui impedir a ação de cartéis em obras e também trabalhar com grandes construtoras que venceram honestamente licitações públicas, respeitaram-me como gestor e trabalharam com qualidade até superior à especificada, mas, pelos esquemas de cartéis, acabaram fechando mais à frente. Parece-me muita ingenuidade um profissional afirmar que uma obra "rendeu R$ 1 vez em propina" enquanto considerar certas empreiteiras como vítimas e, agora, premiadas com delação premiada e dando fé pública às afirmações dos referidos executivos corruptores. Elas são, sim, destruidoras dos valores morais e do orgulho de profissionais que ainda conheci no serviço público, promovendo eleitos em vários níveis e poderes (prova disso são os oito ministros e presidente investigados e o seu conluio com a maioria do Congresso na aprovação de medidas letais para o povo que deveriam representar, o que resume essa situação de ditadura), determinando nomes para os representarem em cargos comissionados, "expurgando" funcionários honestos, em inquéritos suspeitos e, principalmente, no mal vindo "estágio probatório" a que se submetem todos os cidadãos que já mostraram sua competência passando pelo constitucional concurso público, que deveria ser a única porta a transpor.  

Luiz Fernando Pegorer eng.pegorer@gmail.com

Santos

*

QUADRIGÊMEAS SIAMESAS

Corrupção, impunidade, intimidação e demagogia são quadrigêmeas siamesas, filhas de um povo que não se importa com nada. Não é à toa que o Brasil se destaca como o maior caso de corrupção da face da Terra. O crescimento exponencial na corrupção por aqui foi consequência da constante impunidade que se verificou em todos os casos relevantes de investigações a respeito que chegaram à apreciação da Justiça. No Brasil, a impunidade está institucionalizada na Constituição e na mais eficiente legislação de proteção às autoridades corruptas que a humanidade poderia conceber. Só aqui os príncipes da propina conquistaram direito a um foro privilegiado em que os processos a respeito de sua perfídia ficam engavetados por décadas, enquanto seus crimes prescrevem. A Lava Jato começou em 2009 e, em breve, vai fazer dez anos. E, apesar de todas as suas impressionantes vitórias conquistadas com muita dedicação e patriotismo, dá para contar nos dedos os políticos atrás das grades. Mas agora a coisa é diferente: a ameaça à propinocracia tornou-se real. Está na hora de a terceira irmã, a intimidação, mostrar suas garras. A lei de abuso de autoridade tem em seu DNA um gene que irá se ativar cada vez que uma autoridade estiver chegando perto de um propinocrata. 2018 será o ano da intimidação aos abusados que ousarem fazer algo contra eles na prática. Em paralelo, a tradicional ação da demagogia garantirá a vitória dos que nos derrotaram. Isso só é possível graças a um povo que deixa ser roubado, explorado e enganado e não se importa sequer com seu presente, quem dirá com seu futuro. Assim, em 2018, por falta de uma oposição relevante, o povo promete eleger os mesmos que foram responsáveis por dilapidar o patrimônio nacional, por privar seus filhos de educação, suas famílias de saúde e seu país de autorrespeito. 2019 promete ser o ano da Grande Pizza e a Lava Jato irá se tornar coisa do passado. Corrupção, impunidade, intimidação e demagogia se completam uma a outra e não pretendem abdicar de dar as cartas em Brasília. 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

A JUSTIÇA DOMINADA

O Supremo Tribunal Federal (STF) mandou soltar os condenados pelo juiz Sérgio Moro José Carlos Bumlai, João Claudio Genu e, logo mais, deverá soltar José Dirceu. Só um néscio desavisado pode acreditar numa corte que foi escolhida a dedo pelos réus que deveria julgar. Logo, o Brasil estará pagando indenização aos que foram incomodados pela Justiça de primeira instância, que também deverá ser punida com a nova lei de abuso de autoridade. Não duvido de que a Odebrecht ganhe, em breve, uma robusta indenização por lucros cessantes e danos morais - isso deve ocorrer quando Lula voltar triunfante à Presidência da República. Quem viver verá. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

SERVILISMO NAS TOGAS E BECAS

  

Togados do PT e neoconvertidos ao petismo do Supremo Tribunal Federal decidiram livrar da prisão ladrões condenados pelo juiz Sérgio Moro. Na terça-feira, o STF libertou José Carlos Bumlai e João Cláudio Genu. Bumlai, mais que amigo de Lula, tinha passe-livre afixado na entrada do gabinete presidencial. Agora, tem câncer, claro. A Corte sinalizou que vai soltar José Dirceu. O ativismo político do Supremo contaminou a Procuradoria-Geral da República. Com indisfarçável servilismo político, Raquel Dodge, subprocuradora-geral da República, e Robalinho Cavalcanti, presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, uniram-se sob argumentos esconsos para torpedear a Lava Jato. A rataria, feliz, lambe as fuças. E o homem de bem sente a cusparada na cara. Faz tempo que o Supremo nos enche de náusea.

José Maria Leal Paes tunantamina@gmail.com

Belém

*

DECISÕES DO JUDICIÁRIO

O goleiro Bruno foi preso, depois foi solto, agora é preso. José Carlos Bumlai foi preso e, agora, é solto. João Cláudio Jenu foi preso e, agora, é solto. Adriana Ancelmo foi presa, depois foi solta e, agora, pedem de novo sua prisão. Sua soltura se deu com o argumento de que tem filho menor, como se fosse a única presidiária com filhos menores. José Dirceu foi condenado a dez anos mais 23, mas se diz que pode ser solto. Dá para confiar nessa incoerência? Não tenho competência para avaliar, nem estou acusando ninguém de desonestidade, mas como a população pode confiar num Judiciário tão incoerente e continuar acreditando que os criminosos serão punidos?

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

PRENDE E SOLTA

Estão virando piada as idas e vindas de Adriana Anselmo e do goleiro Bruno!

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

BRUNO FERNANDES

Por 3 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu acertadamente mandar o goleiro Bruno Fernandes de volta à prisão, de onde não deveria ter saído até que o corpo de Eliza Samúdio seja localizado. Justiça feita: que o criminoso jogue, a partir de agora, no gol da cadeia.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

GOL

Onde estava com a cabeça o ministro Marco Aurélio Mello quando mandou soltar o goleiro Bruno, réu confesso do assassinato de Eliza Samudio? Desta vez o assassino não teve "boa sorte". Alexandre de Moraes, de pênalti, marcou o gol ansiosamente aguardado pela torcida brasileira.                                                                                                                                            

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

RESCISÃO

Perguntar não ofende: será que o Boa Futebol Clube vai cobrar a rescisão de contrato do goleiro Bruno?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.