Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 03h03

PREVIDÊNCIA

Reforma do setor público

O quadro apresentado na edição de domingo, à página B5, é de causar profunda revolta e indignação a qualquer um que não pertença à privilegiadíssima casta de funcionários públicos civis e militares. Fazendo algumas contas, percebe-se que os funcionários públicos civis e militares representam 10% do total de pessoas aposentadas no País. No entanto, o déficit desses setores representa 52% do total. O quadro também mostra que um aposentado do setor público recebe, pela média, seis vezes mais que um aposentado do setor privado. Um militar recebe quase oito vezes. Isso é justo? Nós pagamos a conta do bem-estar deles? Reforma da Previdência, sim, mas no setor público! Isso é uma indecência, um descalabro.

DOMINGOS SPINELLI

dspinelli@terra.com.br

São Paulo

Desastre à frente

Como esse Congresso Nacional, em sua grande maioria de corruptos e lesa-pátria, se faz de cego, surdo e mudo, o Estadão de domingo fez um desenho do desastre iminente que vai assolar o País. Enquanto o custo per capita, para os cofres públicos, dos trabalhadores do setor privado é, no máximo, de R$ 5 mil, o dos servidores públicos civis dos Estados e da União é de R$ 49 mil e dos militares, de R$ 113 mil! Já o valor médio dos benefícios para aposentados e pensionistas do setor privado é de R$ 1.200, dos servidores civis é de R$ 7.500 e dos militares, R$ 9.500. E o que é ainda pior, essas distorções vão aumentar, pois a reforma da Previdência só será realmente suportada pelo setor privado. Resultado: nos próximos anos teremos de fazer nova reforma. Proponho que o governo acabe com o atual sistema de aposentadoria dos trabalhadores privados e use todos os recursos disponíveis apenas para os servidores civis e militares dos Estados e da União...

ALBERTO GONÇALVES

albertogoncalves@hotmail.com.br

Ribeirão Preto

Idade mínima

O Estadão informa que a idade mínima para aposentadoria aos 65 anos é normal em vários países. Acredito. Todavia existem enormes diferenças entre lá e cá. Na Europa há carência de jovens e, por isso, os mais velhos exercem a sua profissão até o momento da “retirada”. Aqui, a população jovem tem preferência – isso tem lógica. Em decorrência, não é possível arranjar emprego após atingir os 40 anos de idade – isso não tem lógica. E como viver dos 40 aos 65 sem emprego? Como pagar o INSS? E o Estado, o que fará com os velhos? Em tempo: tenho 76 anos, sou aposentado pelo INSS e apoio a reforma da Previdência.

GERALDO F. MARCONDES JR.

gfonsecamarcondes@uol.com.br

Taubaté

LAVA JATO

Detector de mentiras

Está chegando o aguardado dia em que o Lulla ficará frente a frente com o juiz Sergio Moro. Tudo pode acontecer, inclusive nada. Mas uma coisa é certa: o juiz Moro precisará da ajuda de um detector de mentiras para identificar a verdade.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

Stendhal (Henri-Marie Beyle), em seu livro sobre Napoleão, define como poucos o comportamento que cabe como uma luva a Lula e seus seguidores diante das mentiras que tanto pregam: “A arte de mentir cresceu de forma singular nos últimos anos. Não exprimem mais a mentira em termos explícitos como no tempo de nossos pais, mas produzem-na por meio de formas de linguagem vagas e genéricas, difíceis de ser reprovadas e, sobretudo, refutadas em poucas palavras”. É ao que assistiremos em Curitiba, com o Lula diante do juiz Sergio Moro.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

Delações

Ele sabia tudo, viu tudo, articulou tudo. O mito acabou, a cara de pau, não. Ele continua sustentando a sua farsa.

ALICE ARRUDA CÂMARA DE PAULA

alicearruda@gmail.com

São Paulo

Pedido de adiamento

Todo cidadão honesto acusado injustamente pela prática de alguma ilicitude certamente teria pressa em provar a sua inocência. Por que a jararaca, digo, a “alma mais honesta do País” tenta retardar por todos os meios possíveis a tramitação do processo em que é réu?

ODILON OTAVIO DOS SANTOS

Marília

Esperneio

A respeito do pedido de suspensão do processo criminal em Curitiba, jus sperniandi é o que resta à defesa de Lula.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Gesto nobre

Impossível ignorar o gesto de isenção, sensatez e sensibilidade do juiz Sergio Moro ao pedir que seus apoiadores não se desloquem para Curitiba. “Parece-me desnecessário”, disse ele, acrescentando que o interrogatório é um expediente normal dentro do processo, oportunidade em que “o sr. ex-presidente” poderá defender-se. No sentido oposto, o sempre destemperado Lula, talvez ressentindo-se da presença de um amigo para depor em seu lugar, optou por incendiar o País contra a Justiça.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Dinheiro que falta ao povo

Que país é esse onde o governo não tem dinheiro para garantir o básico à população carente (saúde, educação, segurança e saneamento), mas o MST tem dinheiro para bancar a ida de 50 mil indivíduos a Curitiba, para transformar uma audiência judiciária em teatro? Fala sério, dá para sentir orgulho de ser brasileiro?

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Eles e nós

Os franceses elegeram um jovem liberal, progressista, humanista, amante da paz e da união, de 39 anos, como seu presidente. Dá para acreditar que brasileiros, em sã consciência, pretendam oPTar por apoiar em 2018 um idoso biriteiro, corrupto, que já teve oito anos de oportunidades, acabou com o Brasil e ainda prega o confronto e a desunião? Alguém me explica?

SANDRA MARIA GONÇALVES

sandgon@terra.com.br

São Paulo

Bolivariano confesso

No discurso aos petistas, Lula disse que talvez um dia seja ele quem vai mandar prender o juiz. Ato falho, que demonstra a sua bolivariana pretensão.

LUCIA MELCHERT

luciamelchert@gmail.com

São Paulo

“Pergunta que não quer calar: por que um inocente precisaria de milhares de pessoas para acompanhá-lo num simples interrogatório? Parece confissão de culpa!”

BEATRIZ CAMPOS / SÃO PAULO, SOBRE A AUDIÊNCIA DE LULA NA JUSTIÇA FEDERAL EM CURITIBA

beatriz.campos@uol.com.br

“Justiça social é paridade entre os aposentados do INSS e os funcionários públicos!”

EUGÊNIO JOSÉ ALATI / CAMPINAS, SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

eugenioalati13@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ELEIÇÃO NA FRANÇA

O povo francês demonstrou no domingo, de forma madura e racional, que a radicalização é um retrocesso. O resultado das urnas, com a vitória de Emmanuel Macron sobre a ultradireitista Marine Le Pen, confirmou o pacto da União Europeia e o sentimento de que é possível mudar sem grandes transformações que levem à era da incerteza. Que o exemplo se aplique ao Brasil, cuja memória percorre a triste sina de mantermos posições extremamente danosas à reconstrução do Estado democrático e virtuosismo da Nação, diante de fortes crises econômica e política, sem falar das abaladas ética e moral, corroídas pela corrupção de quem se comprometeu a ser o retrato da dignidade nacional, e hoje está sentado no banco dos réus.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO AO EXTREMISMO

A confirmação da vitória do jovem Emmanuel Macron como presidente francês é a vitória do bom senso, a vitória da esperança não só para a França, para a Europa, mas para o mundo. Num mundo tão conturbado, ninguém precisa de extremistas.  

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br

São Luis

*

A VITÓRIA DO CENTRO

Ufa, a União Europeia está salva! Emmanuel Macron derrotou o fascismo de Marine Le Pen. "Vive la France!"

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A SOMBRA DE LE PEN

A vitória de Emmanuel Macron representa o cosmopolitismo, fronteiras europeias abertas (espaço Schengen), globalização, europeísmo e o fortalecimento do euro como moeda comum. Entretanto, Marine Le Pen permanecerá como uma sombra, até a próxima eleição, em 2022, por encarnar o nacionalismo, a anti-imigração, a antiglobalização, o euroceticismo, por ser contra a moeda comum e defender a saída da França da União Europeia e da Otan. Após o fracasso dos governos de direita (Sarkozy) e de esquerda (Hollande), o centro (Macron) é a última esperança contra a ascensão da extrema-direita (Le Pen).

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

MUDANÇA DE PARADIGMA

Após 225 anos (1792-2017), a mudança de paradigma na França: o Coro da Nona Sinfonia (Ode à Alegria) de Beethoven, no lugar da Marselhesa, a pirâmide do museu do Louvre no lugar da "Bastille" e Macron "Emmanuel" no lugar de Marianne! "Vive L'Europe!"

Ieda Verreschi ieda.verreschi@icloud.com

Vinhedo

*

SUSTO

Parece que a vitória de Emmanuel Macron na França também foi pelo susto que os franceses tiveram com a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos. Marine Le Pen foi descartada.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

MACRON

Em breve, os eleitores da França vão perceber que elegeram mais do mesmo e que nada vai mudar e tudo tende a piorar. Um país que segue uma linha de esquerda por muito tempo entra no caminho do retrocesso econômico e social em razão de políticas populistas, que são muito bonitas no papel e de pouca efetividade, vide o exemplo do Bolsa Família, no Brasil.  

Reinner C. de Oliveira reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

CONVERSÃO

Não se iludam, esquerdistas. O país da "égalité" acaba de fazer uma conversão à direita... "Vive la France!"

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

MERCADO FINANCEIRO X RIVOTRIL

Adoro economia e leio sobe o assunto. Na última sexta-feira, li que o mercado financeiro estava em suspense, aguardando o resultado da eleição presidencial francesa, "torcendo" por Macron. Eu também torci para que Macron fosse eleito, pois abomino todo extremismo, seja de direita ou de esquerda. Fiquei feliz com a vitória dele e acreditei que isso fosse ajudar o Ibovespa a fechar positivo e a diminuir as perdas nos meus investimentos em ações. Mas, mesmo com a vitória de Macron, o mercado reagiu negativamente ou, como vão dizer os analistas, em suspense, pois não sabem se ele vai conseguir sobreviver no cargo (risos). Sinceramente, atualmente o mercado está em crise e dependendo de Rivotril. Eu estou fora, não gosto de remédio, vou vender as minhas ações para comprar algumas orquídeas e vou ser feliz. Chega de estresse.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

EMBROMAÇÃO GROTESCA

Os advogados do ex-presidente Lula da Silva estão tornando o seu depoimento ao juiz Sérgio Moro, amanhã em Curitiba, num enredo próprio de uma medíocre ópera bufa. Além de terem arrolado 87 testemunhas, a defesa nos dá conta, agora, de que entrou com um habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) pedindo  a suspensão dos prazos do processo para que possa ter tempo de analisar os documentos apresentados pela Petrobrás à Justiça, que os defensores estimam em 100 mil páginas (!). Também a defesa de Lula disse que vai recorrer da decisão de Moro de impedir que os advogados façam a gravação do depoimento com uma câmera móvel. O que resta desta miserável opereta é que a devida punição ao ardiloso bufão  deverá ocorrer antes que caia o pano, já por demais imundo. 

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

*

CHICANA S/A

A defesa de Lula está aflita e sem mais argumentos sustentáveis que inocentem seu cliente, então resolveu pedir um habeas corpus e a suspensão imediata do processo criminal em que ele é réu, numa tentativa de ganhar tempo e, com isso, empurrar o processo para a frente "sine die". E, indo além, quer ainda que a Justiça imprima 100 mil páginas em documentos técnicos da Petrobrás. Mas se esquece providencialmente de citar que esses documentos já lhe foram entregues na forma de arquivos digitais desde outubro de 2016. Essa manobra é mais uma chicana que deveria ser negada. Se o TRF da 4.ª Região deferir o pedido que suspende o depoimento de Lula amanhã, a defesa do ex-presidente deverá pedir que o mesmo órgão federal interrogue Sérgio Moro. Não duvidem.

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

PROVAS

A defesa de Lula requereu, através de habeas corpus, a suspensão imediata do processo criminal sobre o tríplex do Guarujá, afirmando que a enorme quantidade de documentos juntados aos autos pela Petrobrás é de uma supermídia com 5,42 gigabytes de arquivos. Ora, com tanta prova contra "elle", é melhor substituir o pedido de suspensão do processo criminal para liberdade provisória.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ESPETÁCULO CONDENÁVEL

A espetacularização anunciada, tanto pela militância petista quanto por simpatizantes do juiz Sérgio Moro, para o dia do depoimento de Lula em Curitiba é absurda e condenável. O possível "Fla-Flu", com direito a torcidas organizadas, que pode acontecer naquela cidade seria clara ofensa e desrespeito à função do Judiciário. É justamente o que o ex-presidente e seus advogados mais querem: diminuir, relativizar e vulgarizar o papel da Justiça perante a opinião pública. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

LULA, SEUS ARROUBOS E A MILITÂNCIA

  

O juiz Sérgio Moro diz que não há razão para manifestações durante o interrogatório de Lula, amanhã. Pelo que adiantou, nada de especial vai acontecer, como a sua especulada prisão. Luiz Inácio tem extrapolado ao se dizer candidato e ao ameaçar que, uma vez eleito, mandará "prender" aqueles que o criticam. Sua fala é a de alguém acossado por centenas de denúncias que poderão levá-lo ao cárcere. Mas, além disso, expõe o seu verdadeiro conceito de democracia: mais para caudilho ou até ditador. Os sindicatos e movimentos que o apoiam já foram chamados "exércitos" e seus dirigentes chegaram a ameaçar colocá-los na rua "de arma na mão". O governo, pelas suas forças institucionais, tem o dever de mantê-los sob controle para evitar qualquer surpresa e, principalmente, a perda de vidas em confrontos. É importante manter a ordem para que a justiça se faça sem traumas, com o respeito ao direito de defesa dos réus e o apenamento em conformidade com os ilícitos cometidos. 

            

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

EVENTO POLÍTICO

Enquanto o juiz Sérgio Moro apazigua os ânimos dos brasileiros quanto a um simples interrogatório de um homem que deveria ser como todos os demais, vemos sua defesa querendo transformar seu depoimento num evento político. É um abuso um ex-presidente querer tantos holofotes. Enquanto agiu por trás das câmeras assaltando os cofres, o que menos queria eram luzes. A Justiça tem de tratar igualmente seus cidadãos. Lula não está prestando depoimento porque é bonzinho, e sim porque está sendo acusado de praticar crimes. Basta ver o que aconteceu com a Petrobrás na gestão petista. Não é possível que todas as pessoas envolvidas estejam mentindo. Importante ouvir as caladas, João Vaccari Neto, José Dirceu e Antonio Palocci, aí, sim, o cerco se fecha. O Brasil não aguenta mais tanta corrupção e tantos "bonecos do STF" correndo para livrar a cara dos endinheirados. Isso é justiça? Cabe ao Judiciário, que é o guardião da Constituição, o papel de resguardar que os direitos sejam iguais, a fim de não provocar uma revolta num povo que está cansado de pagar por crimes que não cometeu.      

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

CINEASTA PRÓPRIO

Em se tratando do interrogatório de políticos carismáticos, vale lembrar que Hitler também teve seu julgamento e o utilizou como palanque para disseminar e firmar as ideias do nacional-socialismo. Assim, preocupa-me que o réu Lula tenha solicitado a presença de seu próprio cineasta na audiência de amanhã. Espero que Sérgio Moro saiba como conter a "alma mais honesta deste país" em seus arroubos de teatralidade e impeça que ele torne esta audiência num palanque circense. 

Eduardo Finger ascklepius@gmail.com

São Paulo

*

DUELO

Não, Lula não estará "duelando" com o juiz Moro, assim como nenhum acusado "duela" com nenhum juiz... O juiz decide de acordo com os autos do processo, e o interrogatório do acusado é apenas um dos seus componentes. O "duelo", se podemos considerar que exista num julgamento legal, será entre o promotor público e o advogado de defesa. Entre o acusado e a lei, não. Ao juiz cabe apenas julgar quem foi o vencedor desse duelo. Por mais que uns considerem o acusado culpado e outros, inocente, não é papel de nenhum juiz decidir em função de pesquisas de opinião ou grupos de torcida organizada, ou mesmo em função do que acredita ter acontecido, mas não tem como ser comprovado. O que temos de esperar é que se faça Justiça!

Jorge Alves jorgersalves@gmail.com

Jaú

*

PAÍS EM TRANSE 

Será que esta quarta-feira será o dia da salvação política atual do Brasil? Será que o Poder Judiciário, representado pelo juiz Moro, diante dos fatos corruptíveis delatados contra Lula - principalmente pelo ex-diretor da Petrobrás Renato Duque, que contou que "Lula comandava a corrupção na Petrobrás" -, usará toda a sua força constitucional para livrar nossa nação deste transe aflitivo, desta situação angustiante por que passa nossa democracia, condenando o PT e seu criador, nas penalidades a que fizeram jus? "Ita speratur" (assim se espera).

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

 

*

PUNIÇÃO

O depoimento de Renato Duque ao juiz Sérgio Moro

tirou quaisquer dúvidas que ainda pudessem existir sobre o que é e quem é Lula, e foi suficiente para que se declare, de imediato, a prisão preventiva deste malfadado chefão. O Brasil todo está esperando esta punição, há muito tempo, e a hora é agora.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

RENATO DUQUE

A delação do ex-diretor da Petrobrás sobre o envolvimento de Lula na roubalheira na empresa mostra por que este tem seguidores no meio artístico, nas entidades de classe, na imprensa, no funcionalismo público (incluindo professores universitários) e entre militantes em geral. Foram milhões e milhões de reais distribuídos para comprar muita gente. Uma máquina criminosa. Lamentável e assustador. A corrupção no Brasil não está restrita aos políticos, empresários e servidores. Muita gente anônima também. Pode ser seu vizinho ou parente. 

André Luis Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

DURO NA QUEDA

De delação em delação, a impressão que fica, salvo melhor juízo, é a de que o ex-presidente Lula já está se segurando apenas na lâmpada. Já retiraram a escada, mas ele segue duro na queda.

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas 

*

SÍNDROME DO PEQUENO PODER

As delações vão acontecendo e encurralando o chefe da quadrilha da estrela vermelha, e, mesmo assim, Rui Falcão fala em mobilização nacional em torno de seu líder maior, esquecendo-se de que seu partido já foi rebaixado à segunda divisão. O PowerPoint dos "meninos de Curitiba", tão criticado e chamado de inconsistente, estava apenas antecipando o que agora veio à tona.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

RESISTÊNCIA

Rui Falcão instila a militância petista a resistir ao Estado de Direito!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

DEFENDER DO QUÊ?

Aos que pretendem ir a Curitiba para defender o "Amigo" Lula: defender do quê? O homem mesmo declarou que "não existe viva alma mais honesta do que eu neste país". Seus caríssimos advogados desqualificam cada delação premiada que o mencione como falsa denúncia sem provas materiais, ou seja, não há caso consistente contra o "chefão". Sendo assim, a mobilização é desnecessária; seria bem mais útil os sindicatos gastarem seus recursos para ajudar os trabalhadores desempregados - e já são 14,2 milhões!

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

REDENÇÃO

O culto ecumênico a ser celebrado em Curitiba, em razão do depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, só deve ser para se redimir de toda a corrupção praticada nos anos de governos petistas.  

Olavo Fortes C. Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

FLA-FLU

 

O certo seria o juiz que apitou o Fla-Flu de domingo seguir para Curitiba com Lula para ser entrevistado por Sérgio Moro amanhã. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

O BRAÇO A TORCER, JAMAIS

É inegável o poder de persuasão e comunicação, no meio ignaro ou radical, do sr. Lula. Dar o braço a torcer, após tantas denúncias e claros indícios, parece difícil para esta parcela da população. Se ainda estivesse atuando o sr. Joaquim Barbosa, o domínio do(s) fato(s), impossível não tê-lo(s), levaria à breca o blá blá blá do sr. Lula e de dona Dilma. Continuo ansioso com o fim desta novela, com penalidades exemplares, se for o caso.

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

JORNALISTAS PRESOS?

Lula disse que vai mandar prender todos os jornalistas que falaram mentiras sobre ele quando for presidente novamente. Acho que ele não vai conseguir fazer isso por duas razões: primeiro, porque depois do depoimento de Renato Duque, vai ser difícil de ele se eleger para qualquer coisa; e segundo; porque nenhum jornalista falou mentiras. Ah... ainda existe mais um motivo: ele próprio estará preso.

Angela M. de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André

*

DITADORZECO

Em resposta a Lula, Associação dos Procuradores disse que chefe do Executivo não "manda prender". 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

*

A CERTEZA DE LULA

O ex-presidente Lula ameaçou, se eleito, a Justiça, a imprensa e o Ministério Público com prisão. Até que ponto Lula fala por desespero, certeza da impunidade ou falcatruas nas urnas eletrônicas (em 2018 ainda não teremos recibo) já lhe dá a certeza de ser eleito? As suposições são muitas, mas o motivo é um só. Qual será?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PROFECIA

As atitudes e o comportamento de Lula foram profetizados por dois escritores e um cineasta: Mário de Andrade, autor de "Macunaíma", herói sem nenhum caráter; Monteiro Lobato, com a frase "paranoia ou mistificação"; e Ingmar Bergman, no filme "O ovo da serpente".

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br

São José do Rio Preto

*

A VERDADE ESTÁ NO FUNDO DO POÇO

 

Lula diz que não vai permitir mentiras a seu respeito. Convenhamos que todas as "estrelas" que o circundaram enquanto candidato e, depois, presidente da República por dois mandatos, e as "brilhantes" que se destacaram nos mandatos de sua pupila Dilma, pegos na Lava Jato, delataram o que viram, ou mentiram. Se viram, Lula mente, se mentiram, Lula só será o líder que (pensa que) faz falta à Nação se disser a verdade. Ao lado do ex-presidente do Uruguai José Mujica, durante o 6.º Congresso Nacional do PT, na sexta-feira, Lula buscava passar a imagem de um ser humilde, sem apego às materialidades banais das elites que condena. Seria um belo exemplo de simplicidade, aí, sim, de humildade, de amor a seu país, a si próprio e coerente com o desejo que tenta transmitir aos brasileiros de ver este país em harmonia, em crescimento e respeitado neste mundo globalizado, se assumisse e falasse a verdade, criando espaço para que surjam líderes autênticos, de que o Brasil tanto está precisando.

 

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista 

*

OPOSTOS

Lula ao lado do sr. Mujica chega a ser um paradoxo: o primeiro, suspeito de tantos luxos, e o segundo, exemplo de humildade (vide sua postura singular e o famoso Fusca).

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

São Paulo

*

MUJICA

Engraçado que políticos brasileiros beijam e abraçam "Pepe" Mujica, ex-presidente do Uruguai,  mas não seguem seus exemplos. Quem deles, principalmente da esquerda, teria coragem de abandonar os restaurantes caros, o veículo blindado do Estado e a casa confortável para viver num casebre?

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

*

BOI DE PIRANHA

Nunca pude imaginar um tipo de revolta e asco por alguém. Mas, agora, compreendo Roberto Jefferson,  ao ver as atitudes dos quatro ministros do Supremo (Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello, Dias Toffoli e o pior deles, Gilmar Mendes). Os quatro dão demonstrações claras de conivência com criminosos, soltando-os sob a alegação de que não foram julgados. Ainda que cego pela raiva, pude vislumbrar alguma coisa de pior. Talvez, assim como eu, outros também percebam a situação real. Senão vejamos: enquanto estamos partindo para cima de Lula, com ferro e força, sob todos os aspectos, esquecemo-nos do resto. Lula nada mais é do que o "boi de piranha" do momento, e não o chefe da quadrilha. Enquanto gastamos tempo julgando e atacando Lula, Dirceu e Palocci (que não são santos), estamos deixando de lado os verdadeiros sabotadores e lesadores da Pátria. E quem são? São exatamente estes que dão as ordens, soltam criminosos, sentam em cima de processos e não os julgam. Os processos permanecem, então, com julgamento de primeira instância, favorecendo a soltura. Julgam-se superiores a tudo e a todos e riem de nossa descrença. Morcegos da capa preta sugando nossas esperanças. Como disse Maquiavel: chegará um tempo em que um povo, para combater a corrupção, talvez tenha de retroagir uns 20 ou 30 anos no Judiciário, pois é nele que se perpetua o mal. Este, sim, o Supremo, é o principal problema atual do Brasil. Seus componentes, todos eles, por seus atos, já perderam a credibilidade e a confiança neles depositadas e não podem continuar a exercer o cargo para o qual foram escolhidos. Não podem continuar naquele que é ou deveria ser o órgão supremo da Justiça. Como aceitar a continuidade destes desmandos? Exigindo a substituição dos ministros do STF, estes que estão libertando bandidos, fatalmente todas as instâncias, sejam elas de primeira ou superior, com o exemplo, agilizariam todos os processos - e tudo dentro da lei. Os amiguinhos do rei perderiam a mamata. Já há na internet uma lista para acabar com estes desmandos de Gilmar Mendes "et caterva", com mais de 350 mil assinaturas para tirá-los de lá. Vamos deixar Lula com o juiz Moro. Ali não há escapatória. Moro sabe o que faz, e o faz corretamente. E nós, brasileiros de bem, revoltados, vamos fazer a nossa parte e limpar o Supremo. Chega.

 

Jose Pedro Vilardi vilardijp@ig.com.br

São Paulo

*

SUPREMA CORTE

O Supremo Tribunal Federal (STF) libertou na semana passada, entre outros, o bandido José Dirceu, confirmando o que afirmei em minha carta de 3 de fevereiro a este jornal: ser julgado pelo STF é uma boa. Conforme disse naquela data, só há um meio de termos um Judiciário razoavelmente confiável: qualquer juiz de qualquer instância tem de ser admitido por concurso público e por ordem de classificação. O fato de nos Estados Unidos os juízes da Suprema Corte também serem "indicados" pelo presidente da República significa apenas que também lá as decisões da mais alta Corte não são confiáveis.

Ronaldo Gabeira Ferreira rgabeira@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

DÚVIDAS

Sobre o procedimento da 2.ª turma do STF libertando José Dirceu,  pairam algumas dúvidas: se manter a prisão de José Dirceu e outros supostos meliantes é ilegal, por que a demora em libertá-los? O fato de José Dirceu continuar a delinquir enquanto cumpria pena pelo mensalão é ou não é crime continuado? Está-se fazendo justiça, embora tardia, ou isso é medo das ameaças de delação do não menos suposto criminoso Antonio Palocci? A Constituição é clara ou depende da interpretação dos doutos ministros?

João Israel Neiva jneiva@uol.com.br

São Paulo

*

A 'IDONEIDADE' DE NOSSOS MINISTROS

Se não bastassem as recentes decisões de três conhecidos ministros na controversa soltura de José Dirceu, agora vemos que o ministro Vital do Rêgo, investigado na Operação Lava Jato em dois inquéritos como mais um beneficiário no recebimento de propinas da Odebrecht e da OAS, continua a conduzir processos destas empreiteiras no Tribunal de Contas da União... Só mesmo no Brasil. Que vergonha!

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

GABEIRA SABE DAS COISAS

O jornalista Fernando Gabeira, articulista do "Estadão", que já foi condutor do metrô em Estocolmo, na Suécia, nos tempos de exílio, e deputado federal por 12 anos (1998 a 2010), conhece muito os egos em Brasília e nas três esferas desta República. Dono de um texto impecável, para qualquer cidadão entender, escreveu o artigo "A suprema emboscada" (5/5, A2), em que discorre sobre a Operação Lava Jato, sobre o ministro Gilmar Mendes, que acha uma figura "antipática", e, principalmente, sobre condenados do petrolão que a segunda turma do STF, graças aos votos favoráveis de Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, estão tendo sua prisão revogada, sem que seja avaliada a gravidade dos crimes que praticaram contra a Nação. Exemplos: Eike Batista, José Carlos Bumlai, João Cláudio Genu e José Dirceu. Sobre este, define Gabeira, "posto a nu, é grande demais o escândalo de corrupção para três juízes se livrarem dele". Perfeita a análise de quem sabe das coisas...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CORRUPTOS E O STF

Há coisa de um ano, um ano e tanto, se não estiver enganado, creio que ainda prestes a assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), a dra. ministra Cármen Lúcia declarou com ênfase: "Corruptos não passarão". Mas estamos vendo, agora, que corruptos estão passando. Qual será o motivo dessa mudança de julgamento? Com a palavra, o plenário do STF.

Hugo Jose Policastro hjpolicastro@terra.com.br

São Carlos

*

ASSASSINATOS NO BRASIL

Desde a edição do nefando Estatuto do Desarmamento, urdido lá em 2005 com real intento totalitário pelo PT (coisa de Zé Dirceu, Thomaz Bastos e do sr. Luiz Eduardo Greenhalgh) e à época apoiado maciçamente por vários órgãos de imprensa, e que eu e outras vozes isoladas (em especial o professor Bene Barbosa, do Movimento Viva Brasil) alertamos para que a violência contra o cidadão honesto só faria crescer no futuro, pois o tal estatuto apenas facilitaria a vida do criminoso, que não segue mesmo lei alguma, e deixaria indefeso o cidadão honesto, pois na prática o estatuto proibiu o que o referendo popular decidiu manter (sim, a posse de armas) e deu ao criminoso a certeza de que sua vítima estaria desarmada. Portanto, ao ler no "Estadão" (8/5, A10) que 1/3 dos brasileiros já teve ao menos um parente ou amigo assassinado, neste país onde há mais de 150 mil ordens de prisão não cumpridas, não me é surpresa. Surpresa seria ver tantos utópicos metidos a pacifistas - que vão de artistas, intelectuais e até mesmo certo canal de televisão global e seus jornalistas engajados no desarmamento - fazerem o necessário mea culpa admitindo que estavam errados.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

IMPOSTO DE SANGUE

Primeiro, gostaria de saber por que os institutos de pesquisa nunca chegaram até mim. Sinto-me sempre excluída de qualquer tipo de amostragem. Desta, porém, que afirma que 50 milhões de brasileiros têm um amigo ou parente que foi assassinado, eu preferia não fazer parte, ainda que não tenha sido pesquisada. Sempre achei que a morte de meu filho num assalto em seu ambiente de trabalho viraria apenas um número, mas a triste conclusão é de que nem isso. Ele, e muitos outros, não estão computados nestes dados... A realidade é que o imposto mais infame do mundo nos está sendo cobrado compulsoriamente há décadas, desde que, com a Constituição bem pouco cidadã de 1988, relaxaram as leis e fortaleceram a impunidade. Pagamos um imposto de sangue, que, no meu ver, é um crime hediondo cometido diariamente contra a população. Mas o Poder Legislativo é pior do que a cega Justiça, é cego e surdo aos nossos clamores de que as leis sejam enrijecidas, e só dá atenção e se curva às teses dos direitos humanos, "suavemente" sugeridas pela ONU. Triste realidade a nossa!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

QUESTÃO INDÍGENA

Concordo que o Brasil deva dar proteção aos nossos indígenas dentro dos nossos limites constitucionais. Entretanto, em face da discussão do assunto na ONU, gostaria de saber o seguinte: a Noruega, a Áustria, a Holanda e a Alemanha possuem tribos indígenas em seus territórios? Não estão se imiscuindo em nossos assuntos internos? Estão, da mesma maneira, se preocupando com a fome na África? Ou existem outros interesses?

Walter Menezes wm-menezes@uol.com.br

São Roque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.