Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

23 Maio 2017 | 03h02

CRISE POLÍTICA

Bom sinal

Segundo Joesley Batista, da JBS, recentemente Lula ligou para ele e, como não poderia ser flagrado pedindo dinheiro a nenhum empresário, passou o telefone para João Pedro Stédile, do MST. Sinal de que a fonte secou, o dinheiro público não abastece mais o movimento conhecido por promover invasões de terras alheias. Sinal de que falta dinheiro para sustentar uma quadrilha que utiliza pobres ignorantes como massa de manobra e comete ilícitos sob a bandeira “terra tem função social”. É surpreendente imaginar o sr. Stédile pedindo dinheiro a um empresário do agronegócio para infernizar outros empresários do agronegócio. A não ser por um detalhe: Stédile sabe que a JBS se apoderou de dinheiro público e, portanto, acredita ser legítimo o dinheiro público desviado ser entregue à “causa”. Deve estar sem dormir, preocupado em arrecadar dinheiro para custear ônibus e alimentação para os seguidores que invadem e destroem também centros de pesquisa, causando prejuízos à sociedade. Muito bom sinal o MST estar precisando de “ajuda”, eis um dos motivos por que os lulopetistas estão desesperados para voltar ao poder. E farão qualquer coisa pra isso.

EVELIN CURY

evelincury@terra.com.br

Ribeirão Preto

Brasília ou Curitiba

Que país é esse onde um ex-presidente tem duas alternativas: ou se elege de novo ou vai para a cadeia? Os comparsas já começaram a fazer campanha, incluídos os artistas que querem de volta a boquinha da Lei Rouanet. Assim, somando os votos dos coniventes e dos desinformados e os fortes aliados no Judiciário, estamos a caminho de nos tornarmos uma Venezuela. A que absurdo chegamos! Criaram uma armadilha para Michel Temer, favorecendo de forma estranha os dirigentes da J&F, que, impunes, estão nadando no nosso dinheiro em Nova York, com mais um enorme prejuízo para o Brasil. Eis aí a última cartada do Lula para evitar a prisão. Mas estejam certos de que os movimentos e as pessoas de bem já perceberam o golpe. Não aceitaremos mais essas maracutaias.

WALDIR CASSAPULA

waldir.cassapula@uol.com.br

São Paulo

Trama bem urdida

A perplexidade que tomou conta do País não se resume aos vultosos milhões delatados pelos irmãos Batista da JBS e outros tantos milhões delatados por Marcelo e Emílio Odebrecht. Ela se estende ao bem urdido golpe de Estado tramado pelo PT, com suporte do Foro de São Paulo. A cada dia que passa da demolição do partido, pós-impeachment de Dilma, mais cresce o ódio e a sanha pela retomada do poder, que consideravam eterno.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Golpe do mestre

Fica cada dia mais claro o golpe do mestre das trevas aplicado contra o presidente Temer. Senão, vejamos. Dias antes de estourar a delação dos irmãos açougueiros, o inominável, na propaganda do PT a cada intervalo da programação do horário nobre, chamou a atenção do público – “minhas amigas e meus amigos” – para alardear como o (des)governo dele foi inclusivo para universitários e aposentados, enfim, os mais pobres, e prometendo que, em voltando a (des)governar, fará o País crescer de novo. Lindo demais – ironia, por favor. Após a veiculação das gravações das delações, à apresentação do mefisto foi acrescentada fala viperina do presidente do partido dizendo que o governo Temer acabou e “convidando” o povo às ruas para “diretas já”. Para completar o quadro, no Congresso a “Narizinho” e companheiros, alvoroçados, já então pediam o impedimento do presidente. Não podemos esquecer que o inominável em diversas ocasiões fez questão de declarar que adoraria fechar o Congresso. Portanto, os nobres congressistas devem pesar muito bem as escolhas a serem feitas: ficar do lado de quem dilapidou o País e afundar na lama putrefata, ou estar ao lado do governo e do povo trabalhador e pagador de impostos, para levar a cabo as mudanças necessárias.

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Marmelada ou safadeza?

A única possibilidade de a proposta do PT de “eleições diretas já” ser considerada insuspeita e procedente é que o candidato não seja Lula. Se o candidato for o ex-presidente – ao que tudo indica, seria ele mesmo –, em outros tempos a isso se daria o nome de marmelada; hoje a palavra mais precisa seria safadeza.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Os imperdoáveis

Os representantes do Ministério Público Federal, contrariando o que dispõe a lei, concederam imunidade total aos irmãos Batista. Na confissão eles relataram vários crimes que nunca poderiam ser perdoados. O Supremo Tribunal Federal (STF) deve anular esse perdão, decretar a prisão deles e punir os procuradores que contrariaram a lei.

WALDOMIRO B. DE CARVALHO

waldomiroxuca@globo.com

Itapetininga

Acima da lei

Absurdo e vergonhoso o acordo de delação premiada celebrado com a Procuradoria-Geral da República e homologado pelo ministro Edson Fachin, do STF. Afinal, a legislação vigente não lhes deu o poder de anistiar crimes. Pergunto: quem vai responder por esses atos ilegais?

MARIA TERESA SILOTO A. PALU

mariateresapallu@gmail.com

São Paulo

Fugindo de Moro

Com a estratégia para implicar diretamente Michel Temer, os Batistas conseguiram puxar a delação para o STF, de modo a fugirem do juiz Sergio Moro. Principalmente por saberem que no STF quem terá de se defender é o presidente, não eles.

NEREU DOMINGUES DA SILVA

nvci@ig.com.br

São Paulo

Humilhação

A impunidade de Lula e dos Batistas é a prova de que aos homens públicos não basta roubar, têm de humilhar o povo!

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

É tão espantoso ver os “açougueirosley” flanando nababescamente que fica a dúvida: tal benesse foi concedida pelo que disseram ou pelo que não disseram?

DINA BENETTI

dibemei@yahoo.com.br

São Paulo

Pechincha

Político é mercadoria barata, até açougueiro compra.

REINALDO CAMMAROSANO

tatocammarosano@hotmail.com

Santos

“Olha os aloprados atacando novamente!”

MARCIO ROBERTO LOPES DA SILVA / ITU, SOBRE AS DENÚNCIAS DE JOESLEY BATISTA

marcioped.itu@gmail.com

“Palocci, não fique pra trás. Ajude o País, faça logo sua delação e passe o resto da vida em Las Vegas”

GILBERTO DIB / SÃO PAULO, IDEM

gilberto@dib.com.br

“Os brasileiros não são todos iguais perante a Justiça porque alguns têm dinheiro para

comprar a liberdade”

JOSÉ BELIZÁRIO / SÃO PAULO, IDEM

jebeliza@usp.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A CRISE E O REMÉDIO AMARGO

  

Quando menos se espera, chega a grande crise. Quarta-feira passada, o presidente Michel Temer comemorava sucessos nos campos trabalhista e econômico. Hoje, ele é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), perde apoios, é chamado a renunciar e ameaçado por pedidos de impeachment, inclusive o da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Difícil de prever o que ocorrerá nos próximos dias e meses, mas juristas aventam até a possibilidade de intervenção militar, caso Executivo, Legislativo e Judiciário entrem em rota de colisão. Se o presidente for processado ou impichado, Rodrigo Maia governará por vários meses. Se renunciar, terá de convocar eleições indiretas em 30 dias. Temer reage e tentará continuar governando e aprovando seus projetos no Congresso. Neste quadro grave, as forças políticas, institucionais e sociais têm o dever de garantir o equilíbrio, a ordem e o respeito à Constituição. Caso contrário - em se perdendo o controle, o que torcemos para não ocorrer -, evidenciarão a necessidade do restabelecimento pela força. A experiência histórica é testemunha de que esse é um remédio amargo, muitas vezes ministrado coletivamente e por período prolongado. Acautelem-se.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

*

NEBULOSIDADE INADMISSÍVEL

Que o presidente Michel Temer está numa saia justa da qual dificilmente sairá ileso ninguém mais duvida. No entanto, tão importante quanto isso são os pontos nebulosos - e não são poucos - que envolveram a gravação entre Joesley Batista e o presidente: desde o absurdo, surreal e grotesco acordo entre o Ministério Público Federal (MPF) e os donos da JBS, que neste momento assistem a tudo o que se passa por aqui de seus luxuosos apartamentos em Nova York, passando pela discutível legalidade da gravação clandestina, até a questionável decisão monocrática do ministro Edson Fachin de abrir inquérito contra Michel Temer sem consultar o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Se não há elementos verdadeiramente conspiratórios - nada é impossível -, há, no mínimo, um cheiro de amadorismo e incompetência que ofende a opinião pública atenta e consciente. Seja qual for o destino do presidente e do País, a sociedade exige explicações transparentes de todos os envolvidos, incluindo eventual admissibilidade de equívocos. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

PRESIDENTE INVESTIGADO

Michel Temer sabe que, a esta altura, a abertura de investigação independe de a gravação de sua conversa com Joesley ter sido editada ou não. O próprio presidente confirmou as circunstâncias e os tópicos da conversa. Eventual edição poderia anular o acordo de colaboração premiada firmado entre o Ministério Público e os irmãos Batista, mas não impedir a investigação. Ademais, as análises do áudio da conversa feitas a pedido dos jornais "O Estado de S. Paulo" e "Folha de S.Paulo" são concordantes no sentido de que, se edição houve, ao menos ela não ocorreu nos pontos críticos da conversa. Ao questionar a edição da conversa, está apenas lançando mais uma cortina de fumaça. Há, ao menos, outras duas: dizer que sem ele a economia vai piorar (ora, as suspeitas que pairam sobre o presidente é que retardarão a retomada do crescimento) e que as manifestações populares pedindo sua saída tiveram pouca adesão. Será que ele pensa que a grande maioria das pessoas que saiu às ruas pedindo a saída de Dilma Rousseff se sentiria confortável ao lado de movimentos ligados ao PT? Até o show da Jovem Guarda estava praticamente vazio na Virada Cultural do fim de semana em São Paulo.

Valter da Cunha Sales dacunhasales@gmail.com

São Paulo

*

DESCARTÁVEL

Temer se tornou descartável: não serve às esquerdas nem às direitas; aos aliados e aos inimigos. Que triste fim!

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

PEQUENOS DETALHES

O presidente Temer vai cair; a demora se dá para que se consiga diminuir ao máximo a altura. Com direito a mesóclise. Afastar-me-ei ...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

ENXUGA-JATO

No momento atual da política brasileira, sou indiferente a todos os políticos profissionais, de qualquer partido. Apoio absolutamente a Operação Lava Jato e nela vejo o começo de uma nova era. E, em razão de assim pensar, estranhei o modo perfeito demais, armado demais, articulado demais da operação envolvendo os donos da JBS, Wesley e Joesley Batista, além da "punição" regiamente benéfica a estes delatores, pois percebe-se muito claramente a quem são endereçadas as denúncias. A imprecisão do depósito de US$ 150 milhões para Lula e Dilma no exterior é tão inverossímil e tão mal formulada que parece apenas cortina de fumaça para disfarçar que a operação foi dirigida contra Temer e Aécio, haja vista o silêncio da cúpula petista. Ainda que verdadeiras todas as denúncias, é óbvia a tentativa de desviar o foco. Estaria nascendo a Operação Enxuga-Jato? Muito estranho...

Paulo Mario Beserra de Araujo pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

CURITIBA

Por tudo o que vi e ouvi nas delações da JBS, fica a mim a certeza de que os "garotos de Curitiba" - citação história e boçal de Gilmar Mendes - estão num nível de competência muito acima do da média que os seus pares em qualquer posto no Ministério Público e no Judiciário brasileiro.  

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

RESPOSTAS

Por que não explodiram a bomba em março, quando foram feitos os depoimentos dos irmãos Batista em delação? Por que deixaram para um momento oportuno pensado por eles, quando o País apresentaria o início de melhora na economia? Por que transferiram os investimentos para os Estados Unidos, com mais de 50 empresas e apartamento na Quinta Avenida? Não está faltando um pouco de inteligência para o jornalismo investigativo? Por que para uns a prisão e, para outros, que armaram uma armadilha contra o Brasil, as benesses de Nova York? Por favor, são respostas que o povo brasileiro gostaria de ter.

Eduardo Módolo eduardomodolo@yahoo.com.br

Cerquilho 

*

O DONO DO BRASIL

Até ontem pensávamos que o dono do Brasil era Marcelo Odebrecht, preso há mais de dois anos. Hoje sabemos que o dono é, realmente, Joesley Batista, que fez presidentes, deputados, senadores, governadores, tirou R$ 10 bilhões do BNDES graças a Lula e ao PT e, agora, vai depor um presidente da República. Isso tudo sem ficar um dia na prisão. E, agora, ele se retira livre, leve e solto para Nova York, para rir descaradamente de todos nós. Joesley foi o mais esperto entre todos, políticos, empresários e membros do Judiciário. Prova de que vale a pena ter amigos naquela que tem realmente poder hoje no Brasil: a Procuradoria-Geral da República.

Romano Fabris romano.fabris@hotmail.com

São Paulo

*

COLETIVA

Eu, como milhões de brasileiros, ainda atônitos com os termos da delação premiada dos "petralhas" Batistas, estamos aguardando os sempre tão eloquentes procuradores da República, inclusive o chefe Rodrigo Janot, convocarem uma entrevista coletiva, como sempre fazem, para explicar, diante de jornalistas, os termos da delação. Conseguirão dar respostas convincentes às perguntas que certamente lhes serão formuladas? Cheira muito mal este acordo de delação.

Edmilson Brancalion fdieb@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO ENTENDI

Apesar de reconhecer em mim traços da Velhinha de Taubaté, desta vez eu nada entendi. Por que a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República mantêm presos ministros, senador e empresários de grande porte, mas permite que saiam do Brasil, tranquilamente, os irmãos Batista? Seria o caso de permitir que os detidos em Curitiba e os outros também saiam deste pobre país para curtir a vida adoidado em Nova York, Paris, na Cornualha e adjacências? Porque, convenhamos, permitir que dois pilantras embarquem, sem qualquer restrição, para um lindo apartamento na Quinta Avenida é um insulto a todos os brasileiros e uma diminuição incrível para o crédito que a Polícia Federal e a Procuradoria da República deveriam merecer. Eu disse: deveriam. Ajudem-me, eu só quero entender.

Regina Maria Peña reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

*

A QUEM INTERESSA?

A quem serve e interessa esta delação (armação)? Ouvindo atentamente a gravação, nota-se que o empresário tenta induzir o presidente Temer a dar respostas que lhe interessam. A quem interessa desestabilizar o governo que a duras penas estava promovendo reformas fundamentais à recuperação do País? Causa-me estranheza o jornal "O Globo", mesmo antes de as gravações se tornarem públicas, criar uma narrativa incriminando o presidente Temer. Isso chega ao cúmulo da ingenuidade, ou a verdadeira intenção foi de uma armação orquestrada. Será que a verdadeira intenção do empresário era fazer um "mea culpa" e tentar se safar da prisão? O pedido de desculpas do empresário ao povo brasileiro beira ao cinismo, com pitadas de sarcasmo e zombaria, pois essa empresa mamou nas tetas do dinheiro público (BNDES) por décadas e ainda provocou imensos prejuízos ao erário, mas neste momento estão eles e suas famílias gozando dos ares nova-iorquinos. Circulam notícias de que os empresários, na certeza de que essa delação iria provocar uma alta expressiva do dólar, adquiriram milhões de dólares. Se essa notícia for verdadeira, eles não podem ficar impunes.

Lauro Fujihara laurofujihara@gmail.com

Araçatuba

*

'ERRAMOS E PEDIMOS DESCULPAS'

Negadas pelo povo brasileiro.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

CARNE NO VENTILADOR

Os irmãos Batista têm de ser "repatriados" e responder por essas aberrações que cometeram. A sujeira deles é pior que tudo o que está vindo à tona. Com que direito eles estão passeando em Nova York? Com o nosso dinheiro! O império das carnes foi construído à nossa custa (BNDES). Precisamos trazê-los de volta. Eles têm de estar em Bangu, Venceslau, Papuda ou em Curitiba. Ou não?

Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

*

BANDIDOS INTERNACIONAIS

Lula quis fazer os "campeões nacionais", tirando do BNDES empréstimos a juros de pai para filho, e hoje estamos vendo que ele conseguiu fazer desses campeões "bandidos internacionais", como Odebrecht e os vigaristas dos irmãos Batista, da JBS. 

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

*

CRIME FINANCEIRO

Joesley Batista é proprietário da Swift Americana, com ações na Bolsa de Nova York. Manipulou o mercado financeiro mediante compra e venda de dólares e ações em benefício próprio. E confessou que João Vaccari Neto utilizou sua conta bancária para lavar dinheiro no exterior. Assim sendo, continuará morando nos EUA, mas em companhia de Madoff (preso por crime financeiro).

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

CARNE SUJA

Ouvindo e vendo as confissões dos irmãos Batista, não é preciso ser nenhum Sherlock para concluir que o preço das carnes seria muito mais baixo se não fosse o apetite voraz e glutão dos políticos.

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

RESPOSTA À ALTURA

Analisando o extraordinário malfeito que os executivos do Grupo JBS impuseram ao País, e em face do "bom acordo" que estão conseguindo na Justiça, não seria o caso de os brasileiros encetarem uma campanha de boicote aos produtos dessas empresas? Sabemos que são muitas marcas, mas seria uma resposta à altura, não? 

Celso Luís Gagliardo gagliardo.celsoluis@gmail.com

Americana

*

PUNIÇÃO

Nada de tramoia: os donos da JBS/Friboi têm de sentir na própria carne, e não apenas no bolso, os crimes que cometeram.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

PIADAS DE MAU GOSTO

Estou muito inconformado! As primeiras informações dão conta de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) justificou o acordo de delação premiada com os irmãos Batistas baseada em que os elementos colhidos com a colaboração de Joesley foram muito relevantes e que ele chegou "a arriscar a sua própria vida" para obter determinadas provas (Jornal Nacional, 20/5). Como se sabe, os dois e alguns de seus diretores não sofrerão qualquer constrangimento, ou seja, estão livres, como se não tivessem cometido nenhum crime e até já se encontram no exterior, com a bênção das autoridades. Sobre a relevância, não me parece haver dúvida. O que parece também não haver a menor dúvida é de que os dois - e mais o outro irmão e um monte de seus executivos - teriam suas prisões decretadas mais cedo ou tarde. E eles já sabiam disso, pois algumas de suas ações estavam sendo investigadas em cinco inquéritos. E outros viriam. Portanto, como é que pôde a PGR ter concedido tamanha benesse a estes crápulas inescrupulosos? Agora, o "Estadão" divulga que o ex-procurador Marcelo Miller integrou-se ao escritório de advocacia que negocia o acordo de leniência do grupo, mas - claro - a banca nega que ele esteja participando das negociações. Ah, bom! Certeza de que a "República de Curitiba" não concederia tantas e tão escandalosas regalias, ou seja, a equipe de Dallagnol não avançaria nesse rumo e muito menos Sergio Moro homologaria uma tratativa dessas. O acordo prevê que, caso os Batistas & Cia. não cumpram cláusulas como a de comprovação e de aliciamento de outros executivos para a delação, estará cancelado. Parece piada, mas não é: eles já estão lá, nos Estados Unidos. As irregularidades que lá cometeram - se é que cometeram - são infinitamente menores e o grupo é tão ou mais poderoso do que aqui. Também o acordo de leniência da JBS vai ficar para depois: o Ministério Público fixou a multa em mais de R$ 11 bilhões, mas a corporação, depois que seus controladores colocaram-se a salvo, aceita pagar R$ 1 bilhão. E tem também a especulação bilionária: está em andamento investigação de que houve a compra de US$ 1 bilhão e a venda de um bolo imenso de ações do grupo um dia antes da divulgação das notícias comprometedoras. Isso será devidamente apurado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o que é outra piada de mau gosto: essa Comissão nunca penaliza ninguém da forma devida. Tais operações são um escárnio, na mesma medida em que representam um acinte os próprios depoimentos de Joesley & Cia. A forma como relatam os acontecimentos deixa muitas dúvidas sobre a veracidade de algumas de suas afirmações. Fica uma grave ponta de desconfiança de que disseram muito pouco a respeito de Lula porque os alegados R$ 70 milhões para a sua campanha são desprezíveis, se comparados às operações e aos lucros que suas empresas auferiram com ele e com o PT. O valor também é muito tímido em relação às doações de outras empresas. Ademais, Joesley informa que, na conversa que teve com o então presidente a respeito da conta no exterior, este se manteve calado. Ora, pois! Fica a nítida sensação de que o foco era jogar PMDB e PSDB na fogueira - não que não mereçam! - e até desviar a atenção do PT.  Para arrematar todas essas dúvidas sobre o acordo, há a "justificativa" de que Joesley correu risco de vida. Essa é a maior piada de todas. Imaginem o corpo de segurança deste mafioso... Outro inaceitável argumento - este para justificar a autorização para deixar o País - é o de que a família foi ameaçada. Diante de tudo isso, com a palavra, o sr. Rodrigo Janot, a PGR e o ministro Edson Fachin, que homologou o acordo em tempo recorde.

Fernando P. de Araújo Ferraz fernando@procopioferraz.com.br

São Paulo

*

QUEM É O BANDIDO?

Então, um cidadão conceituado vai ter uma conversa com um chefe de Estado portando um gravador? Com qual finalidade? Constranger o interlocutor, municiar-se de informações privilegiadas? Será em proveito próprio ou a mando de alguém? Este cidadão proprietário da maior produtora de proteína animal do planeta, devedor do BNDES e já citado em outras falcatruas, quem pensa que é? Fez acordo de delação para safar-se da prisão merecida, pagando uma multa que, para a empresa que preside, é, como se diz, "dinheiro de pinga". Esse seu ato conturbou o cenário político, não contribuiu para nenhum avanço do País, muito pelo contrário, ameaça retardar as reformas que estavam avançando. Mecenas habitual de toda campanha política com consideráveis aportes, esperando evidentemente favores e facilidades em retribuição. Com todo esse passado nada recomendável, o que faz esse cidadão fora da cadeia? Não fui eleitor de Temer e ele está lá porque todas as normas constitucionais foram rigorosamente cumpridas e ele não seria ingênuo de fazer declarações que poderiam comprometê-lo. Há que ver qual o interesse na divulgação dessa notícia em primeira mão. Interessa a alguém? Isso posto, resta a resposta: quem é o bandido?

Henrique Massarelli hermassa@uol.com.br

São Paulo

*

OUTROS CRIMES

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vê indícios de que o presidente Michel Temer tenha cometido três crimes, a saber: corrupção passiva, obstrução da Justiça e participação em organização criminosa. O presidente, após ter recebido Joesley Batista no Palácio do Jaburu, deveria imediatamente ter informado o ocorrido ao ministro da Justiça, para as devidas providências. Não o fez, e isso é prevaricação, que também é crime. Depois, mentiu à Nação em seu pronunciamento. A participação do presidente Temer em organização criminosa ocorre desde a primeira vez em que aceitou ser vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

PRUDÊNCIA

Não posso acreditar que uma gravação muito mal feita, que incrimina seriamente um presidente, seja publicada sem ao menos ser analisada minuciosamente por órgãos técnicos. A tecnologia está muito avançada, porém armações e fraudes podem ser feitas. Sabemos que, ao soltarmos ao vento as penas de um travesseiro, jamais poderemos recuperar todas as penas. Assim também ocorre com a notícia. Foi o que está ocorrendo: o País ficou desestabilizado. O mundo todo tomou ciência. Para os agitadores, foi um prato cheio, o que, aliás, é próprio daqueles que estão prontos para afundar o Brasil com bandeiras e faixas mal escritas, próprias de analfabetos. Como amo o Brasil, espero e desejo que tudo seja esclarecido e que o presidente Michel Temer continue com seu trabalho para recuperar o País do caos em que se encontrava.

Gunther Claussen clausseng@yahoo.com

São Paulo

*

GRAVAÇÃO MAL FEITA

Por que os irmãos sertanejos não usaram um gravador potente para tornar a conversa límpida? Bastava ir ao mercado livre e comprar pela internet. Será que foi falta de dinheiro?

 

José Abu Jamra Neto abu-jamra@uol.com.br

São Sebastião

*

O MAIS GRAVE

O conteúdo da gravação da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista é importante. Saber se houve edição da gravação também é importante. Mas o mais grave de tudo é o fato de ter havido um encontro na residência do presidente tarde da noite e o fato de Joesley ter passado pela segurança da residência apenas com o número da placa do carro. Um encontro destes seria admissível se se tratasse de dois amigos muito próximos. Pelo que sabemos, não foi esse o caso. Joesley foi tratar de assuntos ligados ao Brasil que estão sendo alvo de investigações. Assim, Joesley deveria ter sido recebido no Palácio do Planalto e, no momento em que Joesley começou a falar de Eduardo Cunha, de juízes e procuradores, o presidente deveria ter interrompido a conversa e ter chamado outros ministros ou assessores a participar. Melhor, ainda, teria sido já ter alguém na sala do presidente quando Joesley entrasse. É possível afirmar que o presidente sabia da proximidade de Joesley com Lula e dos favores que Lula teria dado a Joesley. Portanto, o único motivo para que o presidente recebesse o empresário em sua casa, naquela hora, só poderia ser para tratar de assuntos desonestos. Em resumo: Temer deveria renunciar ou ser afastado por causa do seu comportamento, independentemente de qualquer outra consideração.

Leonardo Sternberg bergzynski@gmail.com

São Paulo

*

A PIADA DO ANO

"Se falasse comigo sobre propina, mandava prender", disse Renan Calheiros (PMDB-AL). Desculpem terminar assim tão abruptamente, mas é que eu estou morrendo de rir...

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

O DAY AFTER

Num primeiro momento, a avalanche das delações dos executivos da JBS me fez sentir que a queda de Michel Temer poria em risco a aprovação das reformas de que o Brasil tanto necessita para garantir o futuro dos brasileiros e temi por ele e pelos projetos de seu governo. Mas creio que nós, brasileiros, estamos vacinados e somos doutores em graves crises políticas. Digo isso porque hoje, alguns dias após a hecatombe, vejo que a poeira assentou, a vida segue em busca de soluções para o enorme problema e eu quero mais é que Temer, Aécio, Lula, Dilma "et caterva" sejam punidos exemplarmente, exemplarmente, para que nunca mais governantes e políticos brasileiros sintam comichão pela corrupção calcada na volúpia da impunidade. Corruptos sempre vão existir, mas a impunidade tem de acabar para sempre. Que nunca mais assistamos a empresários, brasileiros malvados, se beneficiando com dinheiro de nossos impostos quando, do lado de cá, passamos agruras de Terceiro Mundo. Deixo, também, meu protesto pelo acordo "de pai para filho" que o Ministério Público firmou com a dupla Wesley e Joesley, que, depois de levarem bilhões do BNDES e montarem um conglomerado gigantesco alicerçado em nosso suor, saíram livres, frescos e lépidos para gozar seu patrimônio roubado lá nos Estados Unidos, apenas com a obrigação de pagamento de uma multa pífia diante do que nos levaram.  Agora, vamos buscar caminhos calcados estritamente na obediência à Constituição!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

NÃO É O MOMENTO

A quem interessa a renúncia de Temer? É claro que os petistas estão adorando tudo o que está ocorrendo. Para o povo, seria o caos a renúncia, pois o País começava a entrar nos trilhos novamente. Independentemente de quem está no poder, não é o momento para renúncia, ou o País volta ao caos anterior. 

Francisco Jose Cardia fra.cardia@hotmail.com

São Paulo

*

TEMER FICA

Com Temer no cargo, 14 milhões de desempregados terão mais chance. É lamentável, criminoso mesmo, a Procuradoria-Geral da República (PGR) deixar vazar a delação. Também o jornalista Lauro Jardim, açodado, quis dar um furo de reportagem. Furo? Não! Pau mandado. E sabemos por quem. O que dizer da Rede Globo, que tem apenas mostrado as opções da saída de Temer em seus programas jornalísticos? Pelas últimas revelações - áudio editado, delator em Nova York, especulações na Bolsa, etc. -, se Temer sair, por quaisquer outras soluções os desempregados terão de esperar mais. Os parlamentares "Facebook" (que acreditam em tudo o que sai nas redes, como os adolescentes) mandaram um recado: não votem em mim, porque emito opinião sem analisar. 

Luis Tadeu Dix tadix@terra.com.br

São Paulo

*

VAZAMENTOS IRRESPONSÁVEIS

Será que a mídia também é conivente com o assassinato de reputações? Como pode um áudio analisado de forma preliminar vir a público como se fosse uma prova incontestável, abalar o mercado financeiro a ponto de suspender as negociações da Bolsa de Valores, deixar o País mal perante o mundo e ninguém ser responsabilizado por este ato criminoso? O vazamento não foi obra do Espírito Santo, e, sim, de alguém. Quem é esse alguém e quanto ele ganhou para colocar em risco a nossa democracia? Essas respostas seriam um furo jornalístico e ajudariam a redimir os pecados da mídia. 

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

CONSPIRAÇÃO

Está dando nojo assistir a qualquer jornal da TV Globo. Não fosse ela um dos grandes devedores ao governo, eu até acreditaria no "furo de reportagem" do jornalista Lauro Jardim. O que se percebe claramente é uma operação orquestrada pelo PT (diga-se Lula e Dilma), encampada pelos bandidos da JBS, que levaram mais de R$ 8 bilhões do BNDES, e com a colaboração do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que usa dois pesos e duas medidas para aplicar a Justiça, além do ministro do STF Edson Fachin, apoiador dos petistas. Janot e seus procuradores deixam soltos os criminosos confessos, livres e com o compromisso de não os enquadrarem em nenhum crime. Janot prevaricou. Pena que no Senado a maioria está contaminada e não vai aceitar puni-lo. O povo brasileiro está vendo agora que não pode confiar nas nossas instituições. Lamentável.

Walter Simões waltersimoesdx@hotmail.com

Santos

*

STF AUTORIZA PERÍCIA

Só agora?! Ou seja, o sr. Janot e o sr. Fachin aceitaram e divulgaram a gravação sem terem mandado fazer uma perícia na mesma? Há algo de podre no reino desta Justiça.

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

*

JARARACAS AINDA NO TELHADO

Alguém saberia explicar por que o senhor Rodrigo Janot, procurador-geral da República, cargo para o exercício do qual se exige, além da sólida formação jurídica, também responsabilidade na tomada de decisões, requereu a instauração de inquérito contra o senhor presidente da República sem antes ter tomado o cuidado elementar de determinar a remessa das gravações para a devida perícia da Polícia Federal, que dispõe de técnicos especializados para tanto? Estranho, não? Acaso seria o senhor procurador-geral da República tão ingênuo que não percebeu que tal medida causaria impacto na sociedade, por seu potencial para gerar instabilidades? Estranho, não? Que prejuízo poderia haver para a apuração da verdade, se o pedido de abertura de inquérito fosse efetuado após a perícia da Polícia Federal? Estranho, não? E se acaso a Polícia Federal concluir que as gravações são eivadas de vícios, portanto, imprestáveis como provas, o senhor procurador-geral da República terá a dignidade de declarar que agiu com açodamento? Alguém poderia informar quem vai repor o prejuízo moral, político e econômico causado? Poderia alguém explicar por que os dois irmãos espertalhões compraram uma quantia astronômica de dólares justamente na véspera da divulgação dessas gravações, apostando na desvalorização do real, uma vez que, macacos velhos, sabiam da comoção que seria gerada? O senhor procurador-geral da República acaso não desconfiou de que essa era uma trapaça previsível? O Conselheiro Acácio está estarrecido, pois entende que nem sequer estudantes de Direito agiriam com essa primariedade! 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

*

TRAPACEIROS

Ficou claro que a série de acontecimentos da delação JBS foi uma trapaça ardilosa cuidadosamente planejada, porém deixou um rastro de inexplicáveis ocorrências: a atitude da Globo, de grande reverberação; e o misterioso vazamento seletivo sem o menor pudor e preocupação de estar acusando o primeiro mandatário da República, sem nem sequer ter sido feita uma perícia nos áudio. O procurador-geral da República e o ministro Fachin devem uma explicação urgente à Nação, enquanto os algozes passeiam em Nova York.

Ivan Bertazzo spiritcoffee@nusa.com.br

São Paulo

*

FATOS ESTRANHOS

Dois fatos estranhos: a bombástica delação dos irmãos Batista se deu poucas semanas após a soltura do ex-ministro José Dirceu, que sempre foi pernas, braços e cabeça da parte podre do PT. Sabemos que, mesmo depois do mensalão, ele continuou atuando a mil, inclusive quando a Operação Lava Jato já estava a pleno vapor, denunciando a organização criminosa que atuou no Brasil desde que o PT chegou ao poder. Mas é de estranhar que na delação dos "irmãos Metralha Batista" nada foi declarado com relação a Zé Dirceu, que até ser preso pela Lava Jato continuava sendo o cérebro de toda a roubalheira. Que delação fajuta é esta? E, estranhamente, por que poupar Dirceu? Essa empresa não poderia ter crescido 40 vezes mais desde 2006, com acesso irrestrito aos empréstimos do BNDES, do FGTS e de fundos de pensão, sem o conhecimento dele. Esta delação pode ser impedida por não contar a verdade? Com a palavra, a PGR!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

TIMING

Não é estranho que tudo isso aconteça logo depois da liberdade de Zé Dirceu?

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

ARMAÇÃO?

Na edição de domingo do "Estadão" chamou a atenção a frase dita por Lula: "Não queremos um presidente que não seja eleito pelo povo". Se fosse em outro contexto, que não o atual, eu diria que seria mais uma frase de efeito do mago Lula, que há mais de 40 anos atrasa este país. No atual, quando os irmãos Batista foram delatores e apadrinhados com as benesses da PGR, está cheirando mais a uma armação de grupos interessados no poder.

 

Gilberto de Lima Garófalo gilgarofalo@uol.com.br

São Paulo

*

O BLOCO NA RUA

Para a militância petista, todos os vídeos, delações e provas apresentadas contra Lula e o PT são mentirosos, não passam de conspiração das elites e são motivo para irem às ruas defender o indefensável; por outro lado, bastou surgirem delações (graves) contra Temer para botarem o bloco na rua pedindo o impeachment do presidente. É muita cara de pau!

Celso Neves Dacca celsodacca@gmail.com

São Paulo

*

EFEITO DESTRUIDOR

O Partido dos Trabalhadores (PT) tem um efeito destruidor na política brasileira, seus militantes, por exemplo, com um único voto em apenas uma eleição, serão responsáveis por dois impeachments de presidentes da República. Coitado do Brasil e do povo brasileiro.

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

ISSO, SIM, É GOLPE!

Que golpe! Pouco antes da votação de reformas importantes (ainda que defeituosas), um escândalo para parar tudo. E o Lulinha, onde fica em relação à Friboi?

Gilberto B. Schlittler gschlittler2@mac.com

São Paulo

*

SÓCIO OCULTO

Será que as delações vão finalmente alcançar o sócio oculto da JBS? O "Ronaldinho" dos negócios?

Walter Sant'Anna Zebinden zebinden@terra.com.br

Campinas 

*

O DILÚVIO

Infelizmente temos uma situação complicada no contexto da delação premiada dos irmãos Batista. Fica muito claro que Michel Temer é tão corrupto quanto o bando de políticos que o rodeia. E neste momento ele é responsável por toda a instabilidade que estamos vivendo. Também acho, contudo, que na Economia, com Henrique Meirelles e sua equipe e Ilan Goldfajn no Banco Central (já estão falando, inclusive, de Meirelles para substituir Temer), o Brasil começou a dar sinais de melhora e as reformas têm de ser feitas, sim. Quanto ao lulopetismo e seu grande "capo", Lula, estes estão aproveitando o momento para gritar por eleições diretas porque veem boas chances de recuperar o poder para colocar de volta a turma da boquinha e aparelhar o Estado. Que Deus nos livre dessa desgraça, mas acho que nosso futuro é incerto, porque não creio que Temer resistirá, e, como dizia o rei Francês Luiz XV, "après mói lê déluge". E que Deus tenha pena de nós, brasileiros.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

PECADORES

Jesus disse: "Aquele que estiver livre de pecado, atire a primeira pedra". O primeiro que atirou foi Joesley, seguido de Lula, Dilma e outros 1.829 políticos. E Pilatos lavou as mãos.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

COM O PATRIOTISMO DOS CANALHAS

Agourento como um acauã, sinistro como os personagens patibulares da História, Lula da Silva reapareceu nos vídeos, no sábado à noite (20/5/2017), com a baba mole que levou o Brasil à desgraça. Desgraça cujo rótulo infame e visível está cravado nas faces dos 14 milhões de brasileiros sem emprego, sem renda, sem paz. No rés do desespero. Chefe da quadrilha que assaltou o Tesouro Nacional, a Petrobrás, os fundos de pensão, o BNDES, a Eletrobrás, estrategista do mensalão, do petrolão como pinças de poder e mando, vendedor de medidas provisórias, réu mentiroso e cínico, dissimulado orador de cemitério, Lula da Silva está solto graças a uma Justiça que ele próprio classificou de frouxa, covarde. O Judiciário é, sem migalha de dúvida, responsável pela impunidade dos bandidos que se infiltraram nas instituições e destruíram a estrutura econômica do País. À cúpula do Judiciário devemos, por exemplo, a fuga fagueira de dois bandidos de sobrenome Batista. Dois meliantes que flanam pelos parques avenidas, butiques e hotéis de Nova York a zombar dos brasileiros honrados Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer formam o trio tenebroso que desgraçou o Brasil com o voto dos grotões miseráveis, dos fanáticos, boquinhocratas, alienados, patetas e oportunistas todos rapidamente de volta ás ruas com as bandeiras vermelhas e o patriotismo dos canalhas.

José Maria Leal Paes tunantamina@gmail.com

Belém 

*

O FIM

Muita gente, pela internet ou nas ruas, pede a saída de Temer e torce pelas Diretas Já. Creio ser isso um absurdo. Lula seria candidato, e, com a insensatez e a ignorância de muitos eleitores, poderia ser eleito novamente. Vamos raciocinar um pouco: se o Brasil está nesta situação e dermos uma olhada para trás, tudo leva ao "chefão", sem a menor dúvida. A grande corrupção; os apadrinhamentos; o dinheiro enorme que colocou via BNDES para financiar obras em outros países, evidentemente de regimes tiranos ou comunistas; o mensalão (do qual Barbosa o poupou); a nomeação da "presidenta" Dilma, com toda a incapacidade de gestão que teve; e, ainda, a escolha do atual presidente como vice, que agora querem que pule fora. Toda a nossa desgraça atual aponta direto para Lula, basta ver todas as acusações e os processos crime contra ele, mais o que o "Estadão" publicou no domingo (21/5), que Lula e Dilma levaram US$ 150 milhões da JBS. Se essa figura voltar a ocupar a Presidência da República, será mesmo o fim do Brasil.     

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

SEDE PELO PODER

Deixamos de lado Lula, porque este não tem classe nenhuma. Como é que gente como Michel Temer, Dilma Rousseff, Aécio Neves, Guido Mantega, Sérgio Cabral e tanto outros, todos com diplomas superiores, inclusive em Direito, podem se envolver em obstrução de Justiça, corrupção ativa e recepção de vultosas propinas dos mafiosos donos da JBS, sem a menor consideração pelos cargos que ocupam, ou pelo povo brasileiro que neles depositou sua confiança? A sede pelo poder é tão forte para serem tratados como "mercadorias" pelos açougueiros da JBS? Não têm mais vergonha, amor próprio ou dignidade? 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

HECATOMBE INSTITUCIONAL

Tá difícil de imaginar quem será o último a apagar a luz. Vivemos uma verdadeira hecatombe institucional. Porém, se para o Brasil ressurgir da lama em que está submerso é necessário que o mundo se acabe, então, bem-vindo o apocalipse de delações, traições e jogo sujo entre aqueles que tanto mal fizeram ao nosso país. Sua vez de passar por desesperança!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

IMPLODE BRASIL

O Executivo e o Legislativo brasileiros estão implodindo, e o Poder Judiciário, quero ainda acreditar, passará incólume, obviamente não de todo, nomes de seus quadros deverão aparecer de todas as deleções que circundam. Uma implosão construída ao longo das últimas décadas pela insensatez da classe política a qual jamais, mas jamais poderão reclamar, notório que caminharam em direção diametralmente oposta às suas atribuições: de voz ativa representativa dos que os elegeram à perpetuação do poder e ganância individual. O presidencialismo brasileiro, que deveria ser escorado por coalisão ideológica, foi abatido pelo fisiologista na era FHC e este pelo presidencialismo "à PT", fisiologista e, sobretudo, mercantilista. Um repugnante mercantilismo que operou com seus maiores rivais do passado conquanto sindicato, as grandes companhias capitalistas, suas transferências milionárias aos cofres petistas e indicados em troca de toda sorte de interesses, de forma que sem compunção alguma o Partido dos Trabalhadores rasgou e queimou a bandeira que os edificou: a ética. Voz corrente da população: "tudo farinha do mesmo saco" ou "tudo igual", "não tem jeito não", ou "não dou meu voto para nenhum deles".

Alexandre Chow akcw66@gmail.com.br

São Paulo

*

VERGONHA DE SER HONESTO

De tanto triunfar a injustiça, de tanto triunfar a roubalheira, já estamos sentindo vergonha de sermos honestos. Estamos vivenciando hoje no Brasil uma época muito semelhante àquela em que os militares tomaram o poder. Naquela época, os políticos honestos não eram eleitos, igual o que ocorre nos dias de hoje. Está na hora de os militares acordarem novamente e, quem sabe, fazer outro milagre no País.

Daniel de Jesus Gonçalves al_amachado@yahoo.com.br

Paranavaí (PR)

*

FUNDO DO POÇO

Quando o ditador Nicolás Maduro critica a lambança brasileira, dá para entender o fundo do poço em que nos metemos.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.