Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2017 | 03h01

CRISE POLÍTICA

Delação escandalosa

Perfeita a intervenção A delação que é um escândalo (23/5, A3). O açodamento da Polícia Federal nos levou a perdas na Operação Carne Fraca, que pelo que depois foi noticiado se tratava de um problema sério, mas localizado. A impressão imediata, naquela ocasião, foi de ser um problema sanitário sistêmico. Agora, a Procuradoria-Geral da República segue na mesma linha? Causa um tumulto enorme, sem o mínimo cuidado de avaliar a forma de abordar um assunto tão sério quanto o de alvejar o presidente da República? Não que não devesse fazê-lo, mas a precaução mínima seria fazer a perícia das provas. O que mais causa estranheza, contudo, é o fato de o corruptor de longa data e provável golpista ter saído ileso e liberado para morar no exterior. Há um cheiro de podre nisso tudo. Afinal, onde há muito dinheiro e poder brota corrupção.

NELSON MATTIOLI LEITE

nelsonmleite@uol.com.br

São Paulo

Equilíbrio x esquizofrenia

Têm sido exemplares os recentes editoriais do Estado alertando para a forma irresponsável e sensacionalista que tem caracterizado a divulgação de meras acusações, feitas às vezes por pessoas sem nenhuma credibilidade, em relação ao presidente da República e outros ícones da pouca estabilidade institucional que nos resta. Gostaria de acrescentar, como opinião pessoal, a péssima impressão que me causou a atitude do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), anteontem, diante de jornalistas e do público, ao fazer coro a essa nova classe de entertainers. O entusiasmo crítico do executivo da OAB parecia mais adequado a um palanque do que à tomada de posição de uma associação de profissionais do Direito e da justiça.

JOSÉ ROBERTO WHITAKER

jrwp@jrwp.com.br

São Paulo

Aula de jornalismo

Não posso deixar de felicitar o Estadão pelos editoriais A responsabilidade da imprensa e A delação que é um escândalo, verdadeiras aulas de um jornalismo sadio e honesto, coisa rara hoje em dia. Parabéns, sinto orgulho de ser assinante.

GODOFREDO SOARES

godofredocaetanosoares@gmail.com

São Paulo

Com o orgulho de ser leitor e assinante do Estadão, meus cumprimentos pelos editoriais A delação que é um escândalo e A responsabilidade da imprensa. Trata-se de duas publicações completas, irretocáveis e corajosas.

LUIZ ANTÔNIO ALVES DE SOUZA

zam@uol.com.br

São Paulo

Discernimento

Ler os editoriais do Estadão nos dá a sensação de que nem tudo está perdido. Ainda há jornalistas no Brasil! Pena que tal discernimento não prevaleça nos altos Poderes da República. Ao contrário, o Ministério Público aposta mesmo é nas sombras próprias das informações confusas.

SUELI CARAMELLO ULIANO

scaramellu@terra.com.br

São Paulo

Grande pilantragem

Fico impressionada com a atitude da imprensa brasileira, que divulgou informações gravíssimas que desestabilizaram o País sem antes checar a veracidade, sem medir as consequências, e ainda insistir no erro. Excetuando alguns órgãos mais sérios, a imprensa em geral, principalmente o grupo que divulgou a delação-bomba, vem fomentando uma crise, insistindo numa delação para lá de suspeita e, assim, prejudicando cada dia mais a economia e o País. A sociedade já percebeu que essa delação foi uma grande pilantragem, visando interesses de alguns em detrimento de toda a população trabalhadora, esta, sim, a mais prejudicada pela incerteza provocada por esta pseudocrise criada por jornalistas irresponsáveis. O povo quer apuração dos crimes – e das negociatas – cometidos por essa casta que dominou o Brasil por tanto tempo. Mas também quer que a economia volte a crescer, para ter seus empregos de volta. Chega de alarmismo e notícias bombásticas, ansiamos desesperadamente pela normalidade. Ninguém mais aguenta tanta notícia ruim!

ELISABETE DARIM PARISOTTO

beteparisotto@gmail.com

São Paulo

O que pode vir por aí

Acho estranho que em situações similares à que estamos vivendo personalidades nacionais adotem atitudes tão diferentes. O Lulla chantageou o ministro Gilmar Mendes, do STF, para tentar adiar o julgamento do mensalão em troca de blindagem na CPI do Cachoeira. Não tenho dúvidas quanto à indignação do ministro, mas nada aconteceu, ninguém foi punido, apesar da situação esdrúxula. Anteriormente, o mesmo Lulla ofendeu até com palavrão o então presidente da República Fernando Henrique Cardoso, e nada aconteceu. Mais recentemente o ministro Ricardo Lewandowski agrediu a Constituição ao permitir, com o Renan Calheiros, que a ex-presidente Dilma mantivesse os direitos políticos, apesar do impeachment, e nada aconteceu. Segundo a imprensa na época, houve muita negociação de bastidores para isso. Agora aparece um criminoso confesso, diz coisas que ainda não conseguiu provar e a petezada e parte da imprensa ficam pedindo a renúncia do presidente Michel Temer! Não votei no PT nem nele, mas Temer é o único presidente que estava conseguindo, no Congresso, aprovar leis que acertarão as contas do Brasil – além da competentíssima equipe econômica, que está no caminho correto para superar a herança maldita deixada pelo PT. Parece brincadeira! Se Temer sair, os trabalhadores sabem o que vai acontecer? Desemprego, alta da inflação, o crescimento econômico vai parar, etc. O Brasil tenderá a retroagir e para reconquistarmos a credibilidade muito tempo levaremos – e a crise só aumentará. Muitos amigos empresários não querem a saída do atual presidente pelas muitas coisas boas que vem fazendo e ninguém conseguiu. Nem o Pinóquio tagarela.

ANTONIO CARLOS SROUGÉ

acsrougé@gmail.com

São Paulo

Liberação do FGTS em risco

A MP 763, que libera as contas inativas do FGTS, se não for aprovada até dia 1.º, caduca e vai prejudicar mais de 10 milhões de trabalhadores. Os governistas prometem votar essa matéria a toque de caixa na Câmara e no Senado. Mas o PT e aliados só pensam em obstruir as votações, para tirar proveito da crise política. Ou seja, o partido do Lula levou ao desemprego mais de 14 milhões de trabalhadores e agora se lixa também para quem tem dinheiro a sacar do FGTS!

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Para refletir

O que vivemos hoje, o limite da sujeira ou o começo da limpeza?

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

“Cadê a tomada de posição da OAB quanto à ‘anistia’ concedida às pessoas físicas dos irmãos Batista?”

PEDRO M. PICCOLI / CURITIBA, SOBRE O PEDIDO DE IMPEACHMENT DE TEMER

pmpicc@terra.com.br

“Santo Agostinho (354-430 d.C.): ‘Não havendo justiça, o que são os governos senão um bando 

de ladrões?’Atualíssimo”

CARLOS DOS REIS CARVALHO / AVARÉ, IDEM

bigcharles020@gmail.com


Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br



NOVOS TEMPOS?


Paulo Maluf condenado pelo crime de lavagem de dinheiro. Estamos, mesmo, vivendo um outro Brasil!


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

FINALMENTE


O dia de Maluf demorou, mas chegou. O de Lula, aguardamos com fervor.

                                                                                                                                                                                                                                         Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo


*

O SENADO E A REFORMA TRABALHISTA


Um espetáculo histriônico, promovido por senadores do PT e de “partidos-puxadinhos”, teve lugar na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal na sessão de ontem. Após terem sido derrotados em votação sobre a leitura do relatório da reforma trabalhista, em tramitação no Senado, aqueles senadores-humoristas protagonizaram cenas típicas de brigas de picadeiro em circos mambembes do interior. A referida bancada “circense-progressista” vai a seguir identificada, individualmente, por seus apodos mais conhecidos, em face do caráter histriônico de sua performance: “Drácula”, “Narizinho”, “Tá Cheirado”, “Espantalho de Seringal”, “Tia”, “É Gópi!” e “Anão de Jardim”.


Ruy Tapioca ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro


*

SESSÃO INTERROMPIDA


O País se desmancha, clama por reformas, as mais urgentes, e aproveitadores de plantão querem interromper as votações. Arvorando-se paladinos da moral e dos bons costumes, os de sempre. Esta laia não tem mesmo o menor pudor, quiçá vergonha na cara.


A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

MEDÍOCRES


Nossos políticos e governantes provam que não vivemos numa democracia. Vivemos numa ditadura de mediocridade.


Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo


*

TEMER NÃO SABIA


Depois de todo o acontecido e demorando mais de 20 horas para se defender, Michel Temer afirma que não sabia que Joesley Batista, o delator-corrupto, respondia a três investigações. É isso que acontece a quem recebe na calada da noite, no subsolo do Palácio do Jaburu, uma pessoa que omite o próprio nome. O que mais é necessário? Na melhor das hipóteses, Michel prevaricou, pois tinha o dever e a obrigação de denunciar alguém que mantinha juízes e procuradores sob o seu cabresto. Ora, quando mais o presidente tenta se explicar, pior fica.


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo                                                            

        

*

AMNÉSIA PRESIDENCIAL


Já estou achando que ser presidente do Brasil causa amnésia. O ex-presidente Lula nunca sabia ou se lembrava de nada. Agora, o presidente Temer nem sequer se lembrava de que Joesley Batista era investigado. Pobres de nós, brasileiros, que, além de termos de pagar pela corrupção e roubalheira, temos de aceitar presidentes desmemoriados.


Angela M. de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André

    

*

NEGAÇÕES


As negações de Michel Temer acerca do conteúdo da gravação clandestina com Joesley Batista em nada diferem das de Lula em relação ao triplex do Guarujá, ao sítio de Atibaia e a outras tantas denúncias. Quem acredita em Lula tem de acreditar em Temer também.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

‘PALAVRAS NECESSÁRIAS’


“Data vênia”, são decepcionantes e errantes as “Palavras necessárias” do ainda presidente Michel Temer no “Estadão” de segunda-feira (22/5, A2). Primeiro, porque se coloca como um governo novo, escolhido nas urnas pelos cidadãos, com a velha retórica de que assumiu o País em ruínas (a “herança maldita”), mas subestima nossa inteligência ao ignorar o fato de sempre ter sido parte dos governos anteriores, pois foi por duas vezes vice-presidente da chapa composta por Dilma e herdada de Lula, não prestando contas de onde esteve e o que fez nos últimos seis anos para evitar tais mazelas. Ademais, dizer que não poderia saber de antemão que um empresário desse porte fosse um criminoso (mesmo o recebendo fora da agenda e na calada da noite) é menosprezar sua própria condição de presidente da República e autoconfessar-se alienado (onde estão o Ministério da Justiça, a Polícia Federal, a Abin, sua assessoria?). Até Lula, que nunca sabia de nada, sabe quem é a família Batista e o que são as operações Carne Fraca, Cui Bono, Greenfield, Sepsis e Bullish. Presidente, diga-nos com quem tu andas (Geddel, Cunha, Moreira Franco, Padilha, Aécio...) e diremos quem tu és.


Marco Dulgheroff Novais marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

                           

*

INJUSTIFICÁVEL


São inadmissíveis as tentativas de justificar os fatos injustificáveis praticados pelo senhor presidente da República. Sim, são apenas indícios, os irmãos Batista forjaram uma situação e lhe envolveram com uma fita adulterada, dando prejuízo de milhões para o Brasil. Será que Michel Temer, sabendo que se tratava de um bandido, tendo consciência de sua posição de presidente da República, é tão ingênuo assim, ou teria “rabo preso”? Nem mesmo a velhinha de Taubaté acredita na sua versão – aliás, é mais fácil acreditar que os irmãos Batista, Aécio Neves e Temer, advogado e constitucionalista que é, todos conhecedores do mercado financeiro, bolaram um plano para sacanear e prejudicar o País, um golpe de mestres. Até o impeachment ou a renúncia, senhor presidente, e que Henrique Meirelles e as pessoas sérias deste país, comprometidas com as reformas, cuidem do Brasil.


João C. Carcanholo advocacia.carcanholo@gmail.com

Piracicaba


*

ARMADILHA


Michel Temer, um político inteligente, capaz e atuante, tendo exercido cargos nos Três Poderes, atualmente como chefe da Nação, caiu inocentemente numa armadilha que pretendia desmoralizá-lo, obrigando-o a renunciar. O acontecido foi após ter anunciado e comprovado os primeiros sinais da recuperação da economia do seu governo. Felizmente, ele não renunciou, para decepção da oposição petista e dos falsos amigos. A paciência e o tempo dirão a verdade.


Jose Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo


*

INGENUIDADE


O argumento dado pelo sr. Temer é apenas conversa para boi dormir. Tentar convencer os brasileiros de que foi ingênuo já é tudo para demonstrar que não tem nenhuma capacidade para exercer o cargo de presidente da Nação. Foi tungado dentro do Jaburu; comprou bilhete premiado dentro do Jaburu. Se tivesse recebido a visita de “amante argentina”, ia dizer que era para tratar da carne fraca. Vá lamber sabão, sr. presidente, que é o mínimo que tem de fazer agora, e abandone este cargo que não mais lhe pertence, por ser parceiro de criminosos. Pergunta: o sr. Temer receberia Marcola ou Fernandinho Beira-Mar no Jaburu para discutir a reforma da Previdência?


Dalton A. S. Gabardo dalton@gabardos.com.br

Curitiba


*

O ENCONTRO NO JABURU


Eu gostaria de saber como um presidente da República recebe um empresário investigado em oito procedimentos da Polícia Federal, tarde da noite, fora da agenda e sem ser identificado na portaria do Palácio do Jaburu. Passou direto pela portaria, como se estivesse entrando no apartamento dele. Quem passa pela portaria de um palácio presidencial sem se identificar? Atrevo-me a dizer que nem dona Marcela Temer, primeira-dama. Que encontro foi este? É evidente que o empresário estava mal intencionado. Por que o presidente Temer o recebeu nessas condições? Qual a razão? É muita ingenuidade, ou não. Merece, sim, ser investigado.


Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro


*

PREVARICAÇÃO


Estão dizendo que o presidente Michel Temer prevaricou, errou ao não dar voz de prisão ao sr. Joesley quando da conversa que tiveram e que fora gravada clandestinamente pelo empresário (esperava levar vantagens com isso?). Pergunto: quem manda prender não é a polícia, provocada pelos procuradores? Por que estes não fizeram isso logo após a delação? Tiveram tempo para isso, mas, pelo que se viu e se sabe, nada aconteceu. Quais providências a Procuradoria-Geral da República deverá tomar para justificar o injustificável? Como disse o “Estadão” na segunda-feira (22/5), foi um golpe de mestre. A história um dia contará melhor esse episódio.


Carmine Mario Buonfiglio krminegoodson@gmail.com

Santos


*

PINGUELA ATÉ 2018


Mesmo sabendo que sou a pequena minoria da população, pensei muito sobre qual seria a melhor maneira de atravessarmos a pinguela até 2018. Apesar de todos os riscos, das dúvidas sobre a honestidade do presidente Temer e de todos os movimentos sociais contrários à sua permanência no governo, penso que a relação custo/benefício é favorável a mantê-lo na Presidência, aprovar as essenciais reformas necessárias para retomar o crescimento da economia e dos empregos e, depois de feita a limpeza na política, por meio das eleições, a Justiça se encarregaria de cuidar de Michel sem o foro privilegiado. Assim o Brasil voltaria a entrar nos eixos e o rebotalho político seria colocado na cadeia.


Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro


*

FICA TEMER!


Renan Calheiros defende a saída do presidente Temer. Ele, o senador mais honesto do Brasil, com reputação ilibada e sem nenhum processo na Justiça... Definitivamente, vou me mudar, no meu pequeno, mas veloz disco voador, para a Estrela D’alva e dormir sem Rivotril.


Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco


*

JUSTIÇA ELEITORAL


A solução natural e menos traumática para Temer deixar o poder poderá ocorrer no julgamento do pedido de cassação da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por abuso de poder econômico.


Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo


*

CULPA DE QUEM?


Dilma disse: “O que eles fizeram com o governo!”. Como é? Ela deve trocar o pronome por “nós”: “o que nós (Lula e ela inclusos) fizemos com o governo”, pois foi nos governos petistas que os irmão Batista pegaram o dinheiro do BNDES.


Lourdes Migliavacca lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo


*

SEPARADOS


A decisão do TSE sobre a chapa Dilma-Temer deverá sair no dia 6 de junho. Tudo indica que os ministros decidirão pela separação da chapa por seguintes razões: os partidos de oposição (PT, PCdoB, PDT, PSB e outros) afirmam que Temer não recebeu um voto dado a Dilma Rousseff; que a posse de Temer como presidente é ilegítima e contrária à vontade do povo; logo, a chapa Dilma-Temer existia simplesmente para cumprir a legislação eleitoral. Portanto, Temer chegou ao Planalto como acessório da presidente eleita, sem nenhuma ajuda da chapa encabeçada pelo PT.


Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba


*

TSE URGENTE


A solução está na Constituição: TSE cassa a chapa, Temer sai por culpa de Dilma, Meirelles é eleito indiretamente, as reformas prosseguem e, em 2018, Doria vence Lula! Viva o Brasil!


Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo


*

SOLUÇÃO LEGAL


Constituição já! Doa a quem doer...


Renato Luiz Martins Nunes arquitetorenatonunes@gmail.com

Ubatuba


*

QUANDO, JANOT?


Após ratificar seu pedido de manutenção do inquérito contra Michel Temer e de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a decretação da prisão de Aécio Neves, quando o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, irá denunciar Lula e Dilma pelos US$ 150 milhões depositados em suas contas de propina no exterior pela JBS, cujos beneficiários seriam eles mesmos? Lembrando, ainda, que Lula foi mais uma vez denunciado pela Java Jato por 10 crimes de corrupção e 44 de lavagem de dinheiro...


Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo


*

PRÓXIMOS CAPÍTULOS


As cenas mais aguardadas dos próximos capítulos da novela cercando o Planalto é o ataque mortal da Presidência à Procuradoria-Geral da República (PGR). Resta saber quem sobreviverá. “House of Cards” parecerá sem graça.


Oscar Thompson OscarThompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba


*

DISPUTA DE PODER


Depois dos benefícios concedidos aos irmãos Batista, fica claro como agem PGR e STF. Estes homens que deveriam proteger o País protegem bandidos. São contra o juiz Sergio Moro quando mantém prisões preventivas de bandidos de alta periculosidade e contra suas condenações. Eles agem para soltar os bandidos e por isso mesmo vimos os termos da delação da JBS. Não há um brasileiro de bem que tenha entendido a atitude de Rodrigo Janot e Edson Fachin. Como melhorar este país com tanta injustiça? Essa disputa de poder está levando o Brasil e os brasileiros a desanimarem.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

PERDÃO QUESTIONÁVEL


Finamente li a informação que tanto esperava, aquela que diz que o imoral perdão (e contrário à lei) concedido ao criminoso Joesley Batista será questionado no Supremo Tribunal Federal (STF) ao menos por um ministro aparentemente mais pudorado e cônscio que os outros. Grande chance para que a Justiça, mesmo nas mãos de um suspeito STF, recobre e recupere um pouco da vergonha perdida pelas mãos de uma Procuradoria-Geral da República (janoteira) e chancelada por um errôneo Fachin...


Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga


*

POR FORA


O MPF tem muito que explicar sobre a delação premiada dos irmãos Batista, da JBS. Além da multa, teriam eles pagado mais algum?


Adriles Ulhoa Filho adriles@uai.com.br

Belo Horizonte


*

MUITA CALMA


Gostaria muito de saber por que esta delação dos donos da JBS só foi exposta agora. Há muito se sabe que a JBS faz negociatas com a ajuda de políticos de todos os níveis. Penso que se trata de uma armação, com objetivos bem definidos, arquitetada por Lula e sua quadrilha, com o objetivo de “limpar a área”. Deste modo ele poderia ser candidato, montado em sua falsa popularidade (cuja certificação é duvidosa). Após uma vitória, traria para dentro do governo toda a “cumpanherada”. De uma insanidade total, seu projeto de poder não se importa com que mais e mais brasileiros passarão da pobreza do desemprego para a miséria. Se conseguir seu intento, Lula vai passar para a história como um demente que conseguiu destruir um país inteiro. A renúncia de Temer, neste momento, mesmo tendo ele reputação aparentemente duvidosa, é temerária, pois os lobos estão à espreita do butim. Muita calma nesta hora, para que haja a possibilidade de defesa plena dos acusados, antes que inocentes (embora sabidamente poucos) sejam jogados aos leões.


Vitorio Felipe Massoni suporte.eam@gmail.com

Catanduva


*

ENJOO


Realmente estou confuso. Não sei no que acreditar. As gravações feitas pelos proprietários da JBS me causaram náusea não só pelo teor envolvendo o presidente, mas pela maneira como elas foram feitas. Dias antes, a empresa faz negociações em dólar e em ações que lhes deram um lucro maior do que a multa a ser paga. As gravações, está claro para mim, foram feitas sob encomenda. Cabe descobrir por quem, por que e para quem, pois isso ocorre no momento em que o País parecia entrar nos trilhos sob a égide das reformas, que incomodariam muita gente. E uma galera (sempre a mesma) quer eleições diretas agora. Quanto ao sr. Temer, ter uma conversa com uma pessoa na calada da noite não me parece atitude de um presidente isento. E lá vem o enjoo novamente.


Ademir Alonso Rodrigues rodriguesalonso49@gmail.com

Santos


*

POR QUÊ?


Em meio a este terremoto que se abateu sobre a sociedade brasileira, produto de conversas noturnas em palácios, gravações furtivas e envolvimento de empresários bandidos, permanece relutantemente sem resposta a pergunta implícita no editorial do “Estadão” da edição de 22/5/2017: Por que, a exemplo do que ocorreu com Marcelo Odebrecht, os irmãos Batista, após declarações dando conta da compra de políticos e até de um procurador da República, visando a obter deste último informações sobre investigações contra a JBS, não foram presos e ainda obtiveram salvo-conduto do Ministério Público para viajar para onde quisessem mundo afora, após a auferição de lucros exorbitantes, frutos de especulações a reboque das divulgações de seus áudios explosivos?


Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro


*

DELAÇÃO ECONOMICAMENTE PREMIADA


Os irmãos Batista (Joesley e Wesley), não contentes com os estragos causados ao nosso país e à sua população, mas se aproveitando de uma informação privilegiada sobre a própria delação premiada e conhecedores dos efeitos econômicos danosos que a sua publicidade causaria, precaveram-se comprando dólares e ações de sua empresa. Mas como ficam as empresas honestas e a população que não tiveram esse “privilégio” e não protegeram o seu patrimônio? Onde está o Ministério Público para interpor uma ação pelo dano moral difuso que novamente os “novos arrependidos” causaram?  Realmente, a delação dos irmãos Batista foi efetiva e economicamente premiada.


Maria Teresa Siloto Azevedo Palu mariateresapallu@gmail.com

São Paulo


*

O GOLPE DE MESTRE


Os irmãos Batista, donos da JBS, realmente deram o golpe de mestre em todos nós, brasileiros de bem, com suas delações premiadas, não sendo por causa delas presos ou sequer obrigados a usar tornozeleiras eletrônicas, podendo usufruir de todas as benesses do que nos foi tungado via BNDES em seu luxuoso apartamento na Quinta Avenida, em Nova York. Deram-nos uma banana verde como presente, graças à nossa “Justiça” de República de bananas. Deixaram o País em polvorosa, sem rumo, enquanto transferem todas as suas operações para os EUA, para poderem escapar de quaisquer intervenções da Justiça brasileira no que tange a um eventual bloqueio de seus bens. Deveriam, isso, sim, é estar presos em presídio de segurança máxima, pois se tratam de bandidos que enriqueceram graças a empréstimos dados de pai para filho via BNDES durante os governos de Lula e Dilma, o que lhes permitiu expandir seus negócios mundo afora a baixíssimo custo, com dinheiro nosso. Agora, contam com o beneplácito de nossa questionável Justiça. Assim fica claramente provado e comprovado que as leis aqui, no Brasil, não valem para todos de maneira igual, pois quem tem o poder econômico, mesmo que o tenha conseguido de maneira ilícita, compra benesses da Justiça e se livra da prisão. Isso é que é golpe de mestre bem dado!


Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo


*

LIMPEZA GERAL


Independentemente da realidade de todos nós, querermos uma limpeza geral, uma completa reforma dos sistemas eleitoral, político e administrativo. Urge entender como a PGR se arvora no direito de “anistiar” de forma tão contundente o Grupo JBS e seus donos, Joesley e Wesley. Não me parece certo e justo que crimes tão graves possam ser perdoados, ainda que em troca de informações importantes para denunciar e, depois, punir os delinquentes da classe política, tais como os Aécios, Geddéis, Cunhas e outros. Até onde sei, o MPF não tem o condão nem tem a autoridade para tanto. A dupla de aproveitadores goianos, seus executivos e cúmplices, há muito tempo alimentados por Lula e PT, precisavam e ainda precisam pagar, e pagar na cadeia, pelos seus crimes. Em termos financeiros, as multas deveriam passar de R$ 50 bilhões. É fundamental que Rodrigo Janot e seus “blue caps” se expliquem ao Brasil e à imprensa em geral, deveria dar “nome aos bois”, quem foram os procuradores que atuaram nessa operação.


Joao Paulo de O Lepper jp@seculovinteum.com.br

Rio de Janeiro


*

SEQUESTRO DE BENS


Absurdo o que vem sendo divulgado desde quarta-feira. A solução é simples e está nos artigos 125 e seguintes do Código de Processo Penal, que trata das medidas assecuratórias. Cabe sequestro dos bens adquiridos “com os proventos da infração”. Simples assim. Os irmãos Batista confessaram que subornaram funcionários públicos para que fossem liberados recursos do BNDES (infração, crime). Com esse dinheiro, compraram empresas (bem adquirido) cujas quotas e ações devem ser sequestradas e vir a integrar o patrimônio do Estado brasileiro. Não tem de pensar muito. Basta que o Ministério Público aja como determina a lei. Quando um traficante compra um carro ou casa (bem adquirido) com dinheiro que ele recebeu com o tráfico (crime), o juiz de ofício ou a requerimento do MP sequestra o bem. No caso das empresas dos irmãos Batista, não deve nem pode ser diferente. Aí podem usar a delação para ficar soltos, mas sem as empresas. Esta é a pena que eles merecem, assim como merecem ser apenados todos os que deles receberam propinas. Essa é a bandeira a ser defendida.


Alberto Zürcher alberto.zurcher@zrdf.adv.br

São Paulo


*

ANÁTEMA


Que o dinheiros o preserve, Joesley. Se depender do sentimento dos brasileiros, você e sua família são alvo de tudo o que mais fere a alma das pessoas: mágoa, dor, revolta e até o ódio dos gângsteres com os quais conspirou e acabou por delatar.


Maria José Martins de A. Junqueira delued@hotmail.com

São José do Rio Pardo


*

JBS


Vinte por cento de queda no valor das ações é muito pouco. As benesses pela delação e pelo acordo de leniência foram muito magnânimas. Quero vê-los obrigados à opção pela recuperação judicial (antiga falência).


Jorge Carrano carrano.adv@gmail.com

Niterói (RJ)


*

TRILHA ABERTA


O País ficou tão focado com o aspecto Temer da delação da JBS que se esqueceu de que a mesma também apontou, se entendi bem, para um esquema multibilionário no BNDES. Será que a JBS foi a única beneficiada por tráfico de influência no BNDES? Alguém pretende sugerir uma CPI sobre o BNDES? Se antes faltavam indícios, creio que, agora, já não faltam mais. A trilha dos documentos que a JBS forneceu servirá de motor de arranque.


Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

O BNDES, A JBS E OUTROS ‘CAMPEÕES’     


Reporto-me, entre outras fontes, ao “Financial Times”. O que os governos lulopetistas fizeram do BNDES é uma vergonha, que levou o banco, no primeiro trimestre de 2016, ao primeiro prejuízo relevante de sua história (R$ 2,174 bilhões). Em 2007, segundo mandato de Lula, o Grupo JBS toma empréstimo do BNDES para comprar a National Beef (EUA), não concretiza o negócio e tampouco devolve o valor emprestado, que, segundo as regras de project finance do BNDES, nem sequer deveria ter sido desembolsado em favor da JBS. De posse do dinheiro mais barato do mercado, com juros da TJLP congelada e provenientes do FAT e do Tesouro – o que equivale a, segundo Aldo Masocchi, professor da Business School de Harvard e coautor de “Reinventing State Capitalism”, “transfer the wealth from workers to the industrialists” (transferir riqueza do trabalhador para o industrial) –, taxa de juros que, por exemplo, as Lojas Americanas não obtinham, a JBS se embrenha em negócios nebulosos. Por exemplo, a participação da misteriosa Blessed em seu capital, sem que jamais essa acionista tenha tido seu controle acionário revelado. E, para a compra da Alpargatas, em maio/junho de 2016, sempre durante o império lulopetista, mandato Dilma, a Caixa Econômica Federal (CEF) financia 100% do preço de R$ 2,7 bilhões, com dois anos de carência e sete anos de prazo; o financiamento de 100% da aquisição é absolutamente anormal para as regras da CEF. Isso tudo sem esquecer os investimentos em participação acionária na JBS dos fundos de pensão estatais Petros, Previ, Postalis, etc. Por mera “concidência”, foram os maiores doadores de campanhas de 2014. Só para lembrar outra façanha dos lulopetistas no BNDES: a Oi recebeu do banco R$ 2,6 bilhões, e do Banco do Brasil outros R$ 4,3 bilhões, e está em recuperação judicial, sem nenhuma perspectiva de sucesso. Isso sem falar no outro “campeão nacional”, Eike Batista, que dispensa comentários.


Eduardo Spinola e Castro esc@scvs.adv.br

São Paulo


*

OS BARÕES DA JBS


Como todos os milhões de brasileiros, completamente estarrecido com as condições políticas, criminais e econômicas do Brasil. Antigamente, nossos ancestrais sempre diziam que quem rouba de galinha a cavalo é ladrão e vai para a cadeia, mas quem rouba “milhão” (na época era no singular mesmo) vira barão. A vida continua e, agora, aos 87 anos, temos conhecimento pelo “Estadão” (sou assinante há mais de 40 anos) e pela TV de que aquela afirmativa é mais que realidade. O sr.  Joesley, um dos donos do maior processador de proteína do mundo, ao ver-se acuado pelas notícias e sua provável prisão – já fora ameaçado de ter de deixar a presidência da firma –, se antecipa a fazer uma delação “espontânea”, declara em bom som que  já há dez anos vem “comprando” todos que a ele interessam, citando ao todo mais de 1.800 políticos, sendo mais de 170 deputados federais, mais de 50 senadores da República, mais de 15 governadores, 2 presidentes, além de diretores, gerentes, etc., que lhe abriram caminhos no BNDES (R$ 8,1 bilhões no BNDESPar), no FGTS (R$ 2,5 bilhões) e em outros órgãos públicos ou autarquias. Prepara um encontro e troca de palavras com o presidente Temer, com gravador escondido, ajuda a preparar episódios a serem gravados de entrega de propina, etc. e, acima de tudo, além de ter sido delator” especial – contando tudo –, recebe autorização para viajar para os EUA com a família, sem tornozeleira, e continua  livre e solto, na testa de seus empreendimentos. De outro lado, vemos diariamente, também mostrado pelo “Estadão” e pela mídia, os milhões de Marias e Josés que furtaram ou venderam drogas sendo presos, aguardando denúncia, processo, por tempo indeterminado, além de outros tantos nas filas de hospitais, sofrendo, sem ter médicos, remédios, etc. Além disso, prevendo que o dólar subiria com o vazamento da própria delação, os irmãos Batista fizeram uma compra de cerca de US$ 1 bilhão. A quem interessaria essa jogada? Qual critério existe para ser acusado/denunciado após a delação? Quem tem o direito de fazê-lo? Aguardemos a continuação tanto política quanto criminal e econômica do que vem por aí.


Mário R. Junqueira mr-junqueira@uol.com.br

São José do Rio Pardo


*

O PODER CORROMPE


Segundo o delator, a JBS irrigou a conta de 1.829 políticos com propinas. Os eleitores perguntam: Em quem votar? Em quem confiar? Os poucos honestos que restam, infelizmente, estão misturados com os canalhas. Urge que novas lideranças políticas sejam totalmente renovadas para salvar o Brasil dessa podridão.


José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com

São Paulo


*

APRENDIZES


Convenhamos: a nefasta performance de Lula & Cia ao destroçar nossa economia e nossas instituições, quando comparada ao golpe aplicado pelos irmãos Batista, é de um amadorismo que dá dó.


Luís Lago luis_lago1990@outlook.com

São Paulo


*

LADEIRA ABAIXO


Décadas e décadas tentando galgar os primeiros lugares no concerto das nações, e sempre escorregando ladeira abaixo. Parecemos Sísifo, a rolar a enorme pedra morro acima até o topo para, extenuado, deixá-la cair ladeira abaixo. Certamente, Zeus deve estar nos castigando a sofrer pela eternidade. Mas que pecado cometemos? Bom, pelo menos um temos de admitir: temos os políticos mais incompetentes, corruptos, levianos, hipócritas, gananciosos e, sobretudo, covardes de todo o planeta. Vejam que, em episódios semelhantes ao que estamos atravessando, políticos japoneses se mataram de vergonha e italianos também, na Operação Mãos Limpas. Aqui? Até o momento, só se tem notícias de choro e autopiedade. Nem sequer um duelo de cuspe entre políticos delatados e delatores. Há um dístico que assevera que o Brasil não nasceu para dar certo. Por que será?


Antonio de Padua Cruz antoniopadcz@gmail.com

Ituverava


*

DÍVIDA COM O INSS


O Grupo JBS deve mais de R$ 1,8 bilhão ao INSS, e nada acontece. Experimente deixar de pagar R$ 0,01 ao governo para ver o que acontece. Por que será?


Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas


*

A PREVIDÊNCIA AGRADECE


Que tal Temer, antes de sair, cobrar de uma única vez os mais de R$ 2 bilhões que a JBS deve ao INSS? A Previdência agradecerá!


Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo


*

SIMPLES


Para resolver o problema do INSS é só os devedores do INSS pagarem o que devem ao INSS!


Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas


*

OPERAÇÃO CRACOLÂNDIA


Não seria possível fazer em Brasília o mesmo que fizeram na cracolândia?


Sérgio Bruschini bruschini0207@gmail.com

São Paulo


*

PCC


Cumprimentos a Prefeitura pela decisão de dar um fim à feira de drogas a céu aberto do PCC: Primeiro Comando da Cracolândia. Basta!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

INTELIGÊNCIA


O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo vem a público parabenizar o grandioso trabalho de inteligência da Polícia Civil que, apesar de não ser prioridade na política de governo do Estado de São Paulo, em processo de sucateamento há mais de 20 anos, mapeou os locais de comércio de entorpecentes na região da cracolândia, identificou os líderes da criminalidade local, prendendo os grandes traficantes que abasteciam e distribuíam drogas na região.


Raquel Kobashi Gallinati, presidente adriano.moneta@sindpesp.org.br

São Paulo


*

PLANOS DE SAÚDE


A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou o aumento autorizado para 2017 para os planos de saúde individuais. Acredite quem quiser, o porcentual de aumento autorizado foi de 13,55%. Repito, 13,55%. No mesmo período, a inflação foi de 4,08%, ou seja, houve um aumento de 332,10% sobre o incremento da inflação. Consequências previstas: será acelerada a desistência dos planos individuais e vai aumentar substancialmente o precário atendimento público (SUS). E aos remanescentes nos planos individuais, muita dificuldade em manter o plano. Não seria o caso de o órgão do governo especializado na área de saúde fazer uma auditoria na ANS, para verificar se também ali ocorrem irregularidades, tão comuns em outros setores da administração pública?


Ronny Contarelli mcontarelli@uol.com.br

São Paulo


*

AUDITORIA NA ANS


Considero a ANS altamente SUSpeita, concedendo reajustes aos planos de saúde, por anos, acima da inflação (o último, aproximadamente o triplo da inflação). Não avaliam os planos que têm hospital próprio, o quanto pagam por consulta ou intervenções? Ninguém nos protege? Onde estão o Ministério Público, o Procon, o Idec, etc.? A ANS, a meu ver, precisa passar por auditoria profunda.


André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo


*

QUANTO VALEU?


Todos sabem que, enquanto for possível, batalharemos para manter um plano de saúde, porque não podemos contar com o SUS. Pagamos tantos tributos quanto os espanhóis, mas lá o pessoal é atendido com presteza e qualidade, enquanto aqui, apesar de muita gente dedicada que trabalha nos postos de saúde, o atendimento é muito ruim. Por esse motivo, as pequenas empresas com até 29 participantes têm planos especiais que as enquadram nos planos de saúde privados. Porém o problema que temos é que os planos de saúde recebem autorizações do governo para aumentar suas mensalidades de forma abusiva, sem se preocupar com as dificuldades que todos têm para conseguir manter esses planos. Recebi a informação de que o governo autorizou um aumento de 20,89% para este ano, já tendo aumentado em 21% no ano passado. Ou seja, com uma inflação de 4% no ano, temos um aumento acumulado de 46,3% desde junho do ano passado. É incrível a falta de critério com que nossas autoridades decidem nosso destino, ignorando totalmente nossa realidade. Pergunto: no meio deste mar de corrupção que nos está sendo mostrado, quanto será que valeu essa decisão ao burocrata de plantão?


Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.