Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2017 | 03h02

ESCALADA DA VIOLÊNCIA

Assassinato de jovens

É muito triste e revoltante constatar que três jovens são assassinados por hora no Brasil, mas, infelizmente, essa é a realidade nua e crua e mostra a que ponto chegou a criminalidade no nosso país. De pouco adianta o Ipea despejar dados óbvios como situação econômica, locais, raça, etc. A situação requer análise mais profunda. Em primeiro lugar, há que separar as vítimas inocentes dos jovens criminosos. O estudo deveria abordar também as causas que empurram grande parte da nossa juventude para o abismo da criminalidade. É sabido que ambientes familiares desestruturados e em conflito têm grande influência no mau desenvolvimento dos jovens. Cada vez mais filhos são gerados sem a devida estabilidade econômica e social e a educação familiar passou a concorrer com as mídias globalizadas. Hoje os jovens de qualquer condição social têm acesso virtual fácil e prematuro a maus exemplos e estão sujeitos a tentações de luxo e fama. Para os mais humildes, inseguros e despreparados, isso pode levar a frustrações que muitas vezes são o estopim que faltava para embarcarem numa vida de crimes. Precisamos investir urgentemente no planejamento familiar. Também seria muito importante que a mofada e engessada legislação trabalhista permitisse e até incentivasse as empresas a empregarem esses jovens por meio período ou a oferecerem cursos e treinamentos. O desenvolvimento do jovem dentro de um ambiente de trabalho, responsabilidade e bons costumes é essencial para a sua formação. Infelizmente, gasta-se muito dinheiro com as consequências e a necessária repressão, em vez de se investir nas causas e na prevenção.

JOÃO CARLOS A. MELO

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

CRISE POLÍTICA

Diretas já

Um primor o editorial O absurdo das ‘diretas já’ (6/6, A3). O Estado sempre se pautou pelo bom senso e pelo respeito às leis, ao contrário de outros órgãos de imprensa, que tergiversam sobre esse assunto sem demonstrar nenhuma base técnico-jurídica e institucional.

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS

zambonelias@hotmail.com

Marília

Pavor de Moro

Carece de criatividade a reação de Lula ao medo. Quando o cerco aperta, o “destemido” líder corre a buscar abrigo. Assim foi ao tentar virar ministro da Casa Civil da “impichada” e assim é agora, ao promover inconstitucional campanha por eleições diretas e tentar sagrar-se presidente. Não vai passar! Tudo para fugir da primeira instância. A esquerda brasileira tem o líder que merece, um pusilânime.

JÚLIO CRUZ LIMA NETO

Julio.CruzLima@plastekgroup.com

São Paulo

Inconstitucional

O PT defende o indevido processo legal, as diretas já, contra o que determina a Constituição!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

Quanto pior, melhor

Querer eleição direta para presidente faltando pouco mais de um ano para as eleições que serão realizadas normalmente com essa finalidade é querer que o País fique desgovernado até lá e a sociedade seja onerada com custos sem nenhuma outra finalidade senão provocar o caos! Além disso, independentemente do fato de não haver no momento nenhum candidato confiável para atender aos anseios da população, nem partido ou sistema capaz de eleger um presidente legítimo, com princípios democráticos e republicanos, quanto tempo haveria para os candidatos se prepararem, divulgarem e discutirem seus programas, a serem cumpridos num mandato de meia dúzia de meses? A substituição do presidente Michel Temer, se realmente vier a ocorrer, deve sê-lo da forma prevista constitucionalmente. O resto é brincar com o País e fazer pouco da população!

JORGE ALVES

jorgersalves@gmail.com

Jaú

Governo Temer

Com Temer ou sem Temer, o Brasil tem de continuar. Já nos livramos do poste e agora precisamos livrar-nos de mais uns 500 políticos. As instituições sobreviverão e vamos sair dessa enrascada que o Lulla turbinou quando esteve no poder. Estamos cansados de viver patinando por causa de corrupção, incompetência política e administrativa dos homens públicos deste país.

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Ruim com ele, pior sem ele

Olhando a turba bandida de nossos políticos, na qual é muito difícil encontrar algum sério, honesto, competente e que não se venda a empreiteiras e açougues, acho que, nesta altura, se é ruim com Temer, pior será sem Temer. O governo atual desenvolve um programa de melhorias para o País, que está avançando e se recuperando do caos petista, apesar de um bandido safado, talvez em combinação com o seu grande amigo que o fez enriquecer, ter montado uma gravação útil para dificultar a vida do presidente da República. Torço para Temer ficar.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Desânimo

O desânimo persiste, independentemente de os indicadores econômicos mostrarem retorno da atividade econômica, ainda que modesto. A crise política fez retroceder as expectativas do consumidor. E a sociedade, ansiosa, sofre com a falta de renda, enquanto, estarrecida, toma ciência dos bilhões de reais desviados para interesses políticos e pessoais. Tem solução? A oposição, tão crítica de medidas sérias, nada apresenta senão a odienta negativa a tudo, sem conseguir propor algo para recuperar o País do desastre que ela mesmo causou. Desanimador.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

PREVIDÊNCIA MILITAR

Distorção

Sugiro ao sr. Leonardo Rolim que, após um ano sofrendo em Brasília com o ar-condicionado da Câmara, passe um mês de férias em pelotão de fronteira, na Amazônia. Poderá pescar, nadar nos rios (atenção aos jacarés...), caçar, contrair malária, ser picado por mosquitos, cobras ou aranhas e, se ficar doente, aguardar prazerosamente a chegada do avião da FAB para transportá-lo ao hospital (se houver avião e der teto), ver TV até a hora de desligar o gerador, sem esquecer a prisão domiciliar (não tem aonde ir...). Estou certo de que após essas férias o sr. Leonardo pedirá ao Ministério da Defesa que conte um ano na fronteira como oito meses de serviço, pois ninguém merece tantas regalias à custa dos cofres do governo.

FRANCISCO DE CASTRO

fcastro48@gmail.com

São Paulo

“Não entendi direito. 

Aliás, nem torto. Se o presidente não é obrigado a responder a nenhuma das 84 questões que lhe foram apresentadas, por que, então, fazê-las?”

MARIA DO CARMO ZAFFALON LEME CARDOSO / BAURU, SOBRE O DEPOIMENTO DE MICHEL TEMER À POLÍCIA FEDERAL

zaffalon@uol.com.br

“Na iminência do naufrágio, os ratos estão abandonando o navio”

OLAVO FORTES CAMPOS RODRIGUES / SÃO PAULO, SOBRE A DEBANDADA DOS PARTIDOS DA BASE DO GOVERNO

olavo_terceiro@hotmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PEÇA CONDENATÓRIA

Depois de declarar que "Vossa Excelência tem o direito de não responder (...)" faltou escrever: "Juntamos uma .38, para o caso de Vossa Excelência quiser apagar-se". Apresentada de maneira singela, mas imediatamente divulgada aos quatro ventos, a lista de "perguntas" da Polícia Federal ao presidente da República servirá, na mão de parte da imprensa e de "outros", de grande peça de condenação prévia, irretratável, independentemente do que possa ser posteriormente exposto ou apurado. Se não for armação, o que é armação? 

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

JUSTIÇA PARA QUEM INTERESSA

Enquanto o presidente da República, que desde que assumiu o poder já era óbvia sua participação numa corrupção sistêmica - afinal ele era vice-presidente de um Brasil atolado na corrupção e chefe do partido que sempre deu sustentação a ela -, é processado, com risco de ser afastado do poder, comprometendo o andamento das reformas tão necessárias para a recuperação econômica do País, seus delatores, cujos crimes justificariam no mínimo 200 anos de prisão, estão livre, leves e soltos. Muito mais do que a recuperação econômica do País, o que está em jogo é a credibilidade da Justiça, que, embora parecesse que afinal seria para todos, deixa claro que, mais do que nunca, é para quem interessa.

Ricardo D. de Campos Salles dauntsalles@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

AGUARDANDO A PERÍCIA

Se a perícia da Polícia Federal concluir que a gravação feita por Joesley Batista é prova imprestável, como fica a "Justiça"?

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

LAMENTÁVEL

Tomando carona no escrito do leitor sr. Bandeira de Melo (5/6), opino que o presidente Temer está sendo vítima de uma das manifestações mais vis do caráter brasileiro, a hipocrisia. Sim, aquela manifestação torpe perfeitamente definida no brocardo como sendo "o preço que o vício paga à virtude". O sr. Michel Temer é um político, curtido nos muitos vícios e poucas virtudes da vida pública brasileira. Ilustrado e culto, ao contrário da esmagadora maioria de seus pares, construiu uma carreira sólida e sem grandes desvios no panorama bafiento do Congresso. E um caminho acadêmico laureado. Assim, podemos defini-lo como participante de um pequeno pugilo de homens públicos respeitáveis no deplorável cenário brasileiro. Se algo há a deplorar é a sua cooptação pelo petismo, que redundou no apoio do PMDB a um aventureiro de novela, ignorante, esperto, sem caráter, nefando e ladrão revelado, Lula da Silva. Do que aconteceu, todos somos testemunhas. O Estado brasileiro foi a leilão, um balcão de traficantes foi instalado no Palácio do Planalto. 13 anos depois, o petismo foi expulso do poder, por meio da cassação de Dilma Rousseff, e Michel Temer, como vice-presidente, assumiu a Presidência. Um processo legítimo e legal, em que todos os ritos e requisitos legais foram respeitados. Com o seu vício desonesto de reescrever a História da maneira que convém aos seus desígnios e ambições, a esquerda e o petelulismo criaram a ficção de golpe. E Temer virou o foco do "ecrasez l'infâme" dos milhões de parasitas que vicejavam na corrupção petista. E aí incluídos os "artistas", no seu sentido mais perverso, e os intelectuais. Os com barba e sem ideias, os verborrágicos com John Walker, os usufrutuários de boquinhas em estatais, de bolsas no exterior, em instituições culturais e infindáveis etc. Sem esquecer os portadores de "idiotie savante", como certos velhinhos da MPB em que nem a velhice dá sabedoria. Agora, querem porque querem "Fora Temer". Vale tudo. Até o conluio do chefe do MPF com um bandidaço, sócio do PT no assalto ao dinheiro do BNDES e que serviu de isca para armar um flagrante de fancaria com direito a torpe gravação, que, editada, serviu de "prova" para o sr. Janot. Considero um crime toda essa armação. Temer é um político brasileiro "sui generis". Tem, como todos os políticos, uma tolerância frouxa diante das manobras políticas. E nesse contexto recebeu o bandido Joesley Batista. Lamento profundamente, pois Michel Temer está mostrando-se à altura do encargo que o destino fez chegar a suas mãos. A recuperação da economia e a condução do Estado brasileiro o demonstram. Lamento tudo isso.

 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

O CAMINHO DA RESPONSABILIDADE

Concordo plenamente com Michel Temer quando diz em sua defesa ter escolhido o caminho da responsabilidade. Ficou responsável por tentar blindar seus amigos Moreira Franco, dando-lhe um ministério e consequente foro privilegiado; pela indicação ao Supremo Tribunal Federal (STF) do seu advogado, digo, ministro Alexandre de Moraes; e acaba de indicar para o Ministério da Justiça Torquato Jardim, que disse em sua fatídica primeira entrevista pensar em mudar o comando da Polícia Federal. Isso tudo sem falar na afirmação de Temer de que seu fiel escudeiro Rodrigo da Rocha Loures, preso depois de receber uma mala com R$ 500 mil em propina, era uma pessoa "decente".

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

A PRISÃO DE HENRIQUE ALVES

Gostaria de saber se o presidente Michel Temer tem alguém do seu círculo de relacionamento político para quem ele pode apontar o dedo e dizer "este não tem envolvimento com nada ilegal". É impressionante. Todos, sem exceção, até agora, têm algum tipo de envolvimento. Ontem foi a vez do ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves, preso pela Operação Manus, da Polícia Federal. Aquele que não tem envolvimento com falcatruas nem faz parte do governo - é o que eu deduzo. E não é só ao presidente Temer que me refiro, não, mas a toda a cúpula do Congresso Nacional. Tem alguém que pode apontar o dedo e garantir que "aquele é honesto"?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

OS HOMENS DO PRESIDENTE

Todos os homens do presidente. Não é o nome do filme. Caindo um a um. E o País paralisado por causa desses meliantes.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

MAIS UM NA PRISÃO

Do jeito que vai, é melhor prender todos e ir soltando os que provam inocência!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

O CAMBURÃO DA LAVA JATO

Talvez pressionado pela sociedade, que está indignada com a delação "de pai para filho" de Joesley Batista e seus diretores, o Ministério Público Federal (MPF) e o ministro do STF Edson Fachin aceleram decisões autorizando prisões de envolvidos na Lava Jato até no fim de semana - como, por exemplo, o que ocorreu com o ex-deputado e assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures. Isso deixa em pânico o Planalto, já que Loures, como potencial delator, poderá piorar a situação do presidente. Agora, as atenções se voltam para Lula, porque finalmente este, que é réu pela quinta vez na Lava Jato, acaba de ter um pedido de prisão feito pelo MPF, em razão dos ilícitos sobre o imóvel tríplex do Guarujá. Para alívio do povo brasileiro, essa detenção poderá ocorrer nas próximas semanas. 

                                                                                     

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos 

*

DELAÇÃO À VISTA

Fale, Rodrigo Rocha Loures, o Brasil é todo ouvidos.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PADRÃO ÉTICO

Ministro Eliseu Padilha espera que Rocha Loures mantenha "padrão ético" e não faça delação... Padrão ético? Isso é piada, ou "ninguém" entendeu o que ele quis dizer.

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

TRATAMENTO NA CADEIA

Recado meu ao presidiário Rocha Loures: tratamento desumano e cruel é o que ladrões de dinheiro público, como ele, sempre dispensaram ao povo brasileiro, roubando, além de suas esperanças de um futuro melhor, o seu acesso a uma educação de qualidade, a uma saúde cuidada e a uma velhice tranquila. Tudo o que os milhões desviados por ele e sua quadrilha poderiam proporcionar.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

ÁLBUM DE FIGURINHAS

Com a delação do empresário Joesley Batista, todos os dias políticos serão presos - e são quase 2 mil aguardando a vez. Uma boa ideia é o lançamento de um álbum de figurinhas com as fotos de todos os políticos para divertir o povo: uma foto de senador vale cinco fotos de deputado; presidente de partido vale dez deputados e um senador; um ministro vale cinco senadores; e por aí vai. A arrecadação com a venda de figurinhas pode financiar um presídio só para políticos supermoderno: com banho quente, vaso sanitário, colchão de molas, etc.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

São Paulo

*

BASTA TER UM PADRINHO

Lendo o excelente editorial do "Estadão" "O que precisa ser esclarecido" (4/6, A3) em combinação com a matéria da página A10 da mesma edição do jornal, sobre o acordo que livrou os irmãos Batista da JBS de 2 mil anos de prisão pelos inúmeros crimes praticados, chega-se à conclusão de que crimes de grande magnitude no Brasil compensam, desde que se tenha um Rodrigo Janot e um Edson Fachin para perdoá-los.

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

LIVRES DA PRISÃO

Sim, o acordo da JBS livra os irmãos Batista de 2 mil anos de prisão ("Estado", 4/6), em tese, pois os crimes teriam de ser descobertos e provados, coisa muito difícil, se não fossem as delações. Mais do que isso, talvez esse acordo livre o Brasil deste sistema de governo que beneficia os governantes e políticos em detrimento da povo.

 

Maria Isis Meirelles Monteiro de Barros misismb@hotmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

INTRIGANTE

Uma questão que nos intriga é a lentidão de abertura e andamento dos processos da Lava Jato no STF. Depois de mais de três anos de operação e várias condenações na primeira instância, praticamente nenhum dos cerca de 100 políticos com foro privilegiado foi sentenciado pelo STF. Agora, após a superpremiada e rapidíssima delação da JBS (a mais rápida do mundo), o insosso e inepto procurador-geral da República resolve, por se tratar do número um da República e assegurar manchetes de jornal e, quem sabe, uma pontinha na história, dar velocidade injustificável ao inquérito contra Michel Temer. Coligado ao também suspeito petista Edson Fachin, colocado no STF pelas propinas da JBS, deram uma celeridade impressionante, nunca vista no Judiciário brasileiro, tanto a delação quanto ao processo. Um assunto dessa importância, neste momento muito delicado que atravessa o País, deveria ser tratado com mais cautela e sigilo, levando, necessariamente, à pergunta que não quer calar: por que só os processos decorrentes da delação da JBS, exatamente os mais recentes, andaram? E os outros quase 100 processos ou investigações? Por que os inúmeros processos contra Renan Calheiros não são julgados e sentenciados? É muito estranha e incoerente essa situação. A conta a pagar dessa mistura de arrogância com imprudência, mais uma vez, vai ser paga pelo povo sofrido do Brasil.

Érico da Gama Torres erico.torres@terra.com.br

Belo Horizonte 

*

COMA PROFUNDO

Rodrigo Janot e seu coadjuvante Edson Fachin, ao deixarem livres e soltos os irmãos Batista, os maiores ladrões da história deste país, perderam a credibilidade para julgar quem quer que seja, muito menos o presidente da República. O mesmo acontece com Gilmar Mendes, presidente do TSE, que, entre outros ilícitos, devolveu o passaporte de Roger Abdelmassih e inocentou Eike Batista. Na UTI, nossa Justiça está vegetando, em coma profundo, em estado terminal, ao que parece irreversível.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

COMO PROCEDE O PGR

Como tem observado este periódico, o andamento das atuações legais do PGR, Rodrigo Janot, está em consonância com seus interesses, talvez até conjugados com os do ministro do STF Edson Fachin. Assim, tratando-se de agir contra o presidente da República, Michel Temer, pode-se notar uma pressa e até um açodamento, enquanto em alguns atos ou atitudes relativos a outros casos pode-se notar até certa morosidade, sendo quase inviável numerar neste pequeno espaço os casos que não mereceram idêntica atenção que o de Michel Temer. Mas, pelo menos, um merece destaque: quando Renan Calheiros arquitetou o esquema para, descumprindo a Carta Magna, não retirar os direitos políticos de Dilma Rousseff. Não caberia ao PGR fazer valer a Carta Magna, agindo e oficiando para o Pleno do STF?

José C. de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

JANOT, CADÊ OS ESCLARECIMENTOS?

 

Irretocável o editorial "O que precisa ser esclarecido" ("Estadão", 4/6, A3). A pressa de Rodrigo Janot e Edson Fachin pode levar o País a cometer mais um julgamento antecipado, com a condenação de Michel Temer sem o devido processo legal e o direito de ampla defesa, o que poderá levar ao erro e a condenação ser injusta, como aconteceu com o famoso caso da Escola Base, em que os proprietários e o motorista foram condenados injustamente por pedofilia. Depois, não há indenização que pague os danos causados. Por que a Procuradoria-Geral da República (PGR), representada por Janot, e o Supremo Tribunal Federal (STF), representado por Fachin, não podem esperar o resultado da perícia das gravações apresentadas por Joesley Batista, antes de ouvir Temer? Toda essa pressa fica parecendo que eles têm algo pessoal contra Temer ou que estão atendendo a algum pedido de "alguém", como forma de agradecimento pelos cargos que ocupam. E, como bem lembrou o editorial, a PGR necessita contratar um excelente encanador, para pôr fim nos vazamentos. Aliás, sugiro uma perícia nos encanamentos da PGR e do STF, para que novos vazamentos não ocorram. Estes furos jornalísticos com matérias que estão sob sigilo judicial não favorecem em nada a situação caótica em que se encontra o nosso país e põem em risco as nossas instituições. 

 

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

CONFIANÇA NO PROCURADOR-GERAL

É muita ingenuidade acreditar que Rodrigo Janot agiu no estrito interesse do cumprimento da lei. Ele não gosta de Temer porque teve o seu cupincha rejeitado pelo presidente para substitui-lo Os facínoras da JBS ganharam a liberdade e milhões de dólares graças à delação premiada outorgada pelo chefe da PGR. Sinceramente, parece-me que ele acha que os brasileiros honestos creem em Papai Noel.

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

'A LAVA JATO E SUAS ATRIBULAÇÕES'

Ótima a abordagem do editorial de segunda-feira "A Lava Jato e suas atribulações". Os procuradores da PGR estão quase em surto. É o lado ruim dos membros do Ministério Público, em geral. Não admitem qualquer reparo ao que fazem e tampouco toleram ser contrariados. Nas redes sociais, estão disseminando a paranoia. Contudo, nesta altura dos acontecimentos, apenas a PGR pode colocar a perder, pelo radicalismo, o excelente trabalho que vem fazendo.

Celso Jorge-de-Carvalho, procurador do Estado de São Paulo celso@lag.adv.br

Ribeirão Preto

*

NÃO PERCAM O SONO

A população está apreensiva com o movimento irresponsável promovido pela oposição, por alguns intelectuais e alguns artistas, por eleições diretas já, caso o presidente Michel Temer seja destituído do poder. Fiquem tranquilos, essa agitação não passa de puro desespero dos bestiais seguidores do ex-presidente Lula que querem vê-lo no poder a qualquer custo, nem que seja para rasgar a Constituição, ou para provocar uma guerra entre brasileiros, com derramamento de sangue, como pregou, usando a "Bíblia" dela como escudo, a deputada petista Benedita da Silva, em vídeo divulgado nas redes sociais. Portanto, o vale-tudo é agora. Em 2018 será tarde, pois o populista, o oportunista, o demagogo, o chefe da quadrilha, como afirmou o Ministério Publico nas denúncias, deverá estar alijado da política, ou preso, ou registrado nos anais da História como o maior ficha-suja que a Nação já teve. Se isso não bastar para o sossego, o "Estadão" explicou claramente, em seu editorial (6/6, A3), por que a aberração das "Diretas Já" não emplaca. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

       

*

A LAVANDERIA DE UBERABA

Tão grave quanto o recente escândalo da JBS e suas consequências para o mercado da carne no Brasil, muito bem reportado no "Estado" de 3 de junho, é o comércio de gado PO nos grandes leilões em Uberaba. Fatos no mínimo curiosos divulgados na imprensa, inclusive pelo "Estado", corroboram uma suspeita generalizada de que existe algo muito estranho e muito suspeito por trás deste gado premiado em Uberaba e comercializado em leilões milionários. Se não, vejamos: 1) recentemente, a família Picciani, do presidente da Assembleia Legislativa do Rio e do ministro do Esporte, estava envolvida em escândalo de compra e venda de gado nelore PO. Um dos filhos foi presidente da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB). 2) O melhor amigo de Lula da Silva, José Carlos Bumlai, apareceu no centro de empréstimos ilegais milionários ao PT envolvendo embriões. 3) O famoso nelorista Pedro Novis, executivo top da Odebrecht, apareceu no caso Lava Jato. O filho também foi presidente da ANCB. 4) Irmã e filho dos criadores AJJ Villela e Carlos Viacava foram presos no ano passado. 5) Muitas famílias poderosas, acionistas majoritárias de grandes empreiteiras (Odebrecht, Camargo Correa, Mendes Jr, entre outras), criam gado nelore PO há alguns anos. 6) O ex-executivo da Braskem, agora na Eldorado Celulose, José Carlos Grubisich, que começou a criar nelore PO há poucos anos, hoje está na mira da imprensa e das autoridades, bem como as duas empresas que comandou. 7) O polêmico ex-governador Orestes Quércia também começou a criar nelore PO pouco antes de adoecer e vir a falecer. 8) Donos de universidades, Joao Carlos Di Genio e Marcio Mesquita Serva (Unimar), condenado por sonegação fiscal, de repente se interessaram pelo nelore PO. 9) Idem diversos artistas famosos, Ivete Sangalo, Murilo Benício, Ana Maria Braga e Zezé di Camargo, também se aventuraram na seleção de gado zebu... alguns já se arrependeram. 10) Na última Expoinel MG, todos os leilões "de elite" foram, de repente, cancelados. 11) Nos leilões da ExpoZebu em 2017, o preço médio foi 30% inferior ao preço médio dos leilões em 2016. É evidente que são fatos dispersos ligados entre si. Muita gente desconfia de que Uberaba se tornou uma grande lavanderia. Que os grandes leilões, regados a whisky 12 anos, são verdadeiras farsas alavancadas por um marketing muito profissional, pois os animais e os embriões não podem valer centenas de milhares de reais (assim como as obras de arte recolhidas pela Lava Jato, o valor é muito subjetivo), a fé pública dos leilões permitiu que negócios muito suspeitos prosperassem. O inacreditável é que a ABCZ raramente denuncia esses absurdos, pelo contrário, os incentiva e considera tudo absolutamente normal. Criadores sérios e tradicionais (Roberto S. Zancaner, Eduardo P. Cardoso, William Khoury, Jose Luiz Niemeyer, Wilton P. de Almeida, Ovidio C. Brito, Eduardo Biagi, Alice Ferreira, Jayme Miranda, Adir Leonel, Família Rodrigues da Cunha, entre outros...), que selecionam gado nelore com muita competência há muitos anos e que realmente contribuem para a evolução genética do zebu brasileiro, jamais compraram um animal por esses valores obscenos. Pelo contrário, alguns nunca participaram destes leilões escandalosos, outros já se desligaram. A verdade é uma só: a grande maioria dos criadores novatos e/ou vaidosos e/ou inexperientes (como diversos advogados paulistas) que por diversas razões tentaram entrar nesse clubinho, adquirindo matrizes e embriões por muitos milhares de reais, simplesmente quebrou a cara. Nos últimos anos a imprensa brasileira deu grande atenção ao "gado de pista", que ganha muita promoção, envolve glamour, movimenta milhões, mas significa muito pouco para o desenvolvimento da pecuária nacional. Poucos jornalistas se dedicam ao que realmente interessa para a pecuária brasileira: melhoramento genético para a produção de carne, o que de fato é a única coisa que importa. É por isso que sugiro ao "Estado" (no passado tínhamos o fantástico "Suplemento Agrícola") fazer uma reportagem sobre o real valor do gado criado no cocho (erroneamente denominado "gado de elite"). Chegou a hora de avaliarmos o gado premiado nas pistas de Uberaba nos últimos anos. Qual a importância dessa genética? Deixou um legado? Valem centenas de milhares de reais, como fazem crer os lances nos leilões de Uberaba? Onde estão hoje as grandes vencedoras e os grandes vencedores do passado? Geraram campeões e campeãs? Trouxeram retorno para os investidores? Contribuíram para a pecuária brasileira? 

Luiz E. Reis de Magalhães lemaga@gmail.com

São Paulo

*

CEGUEIRA NO CADE

Na página B11 da edição de 3/6, manchete dizia: "Cade investiga fabricantes de airbags e volantes por suposta formação de cartel". Interessante que o Cade parece não ter tido a mesma atenção e diligência quando da formação do oligopsônio no mercado pecuário orquestrado pela JBS, que em algumas regiões do País chega a ser monopólio propriamente dito. Será que é porque à época da constituição do oligopsônio da JBS, empresa nutrida com o dinheiro farto e barato do BNDES, o Cade era presidido por Vinicius Carvalho, sobrinho do então ministro Gilberto Carvalho - ou isso é um mero devaneio dos pecuaristas?

Frederico d'Avila fredericodavila@srb.org.br

São Paulo

*

BRASIL EM CRISE

Na edição de segunda-feira, o "Estadão" publicou dados do estudo da World Competitiveness Yearbook mostrando que o Brasil perdeu 23 posições desde a eleição de Dilma Rousseff - ou Dilma Desastre, para os íntimos. Vamos esquecer só por um pouco o sítio, o tríplex, Angola, a sede do Instituto Lula, as delações e a absoluta falta de respostas convincentes. Ora, impingir ao País um poste, sem nenhuma capacidade de iluminar, só isso já não é motivo mais do que suficiente para fazer ver aos incrédulos que ainda enchem praças públicas quem é o principal responsável pela maior recessão e a maior crise que este país já viveu? E mais: só isso já não seria suficiente para sepultar qualquer possibilidade de que tal indivíduo se candidatasse a qualquer cargo público ou até a síndico de qualquer condomínio? A cada dia que passa o Brasil nos envergonha mais e mais perante o resto do mundo. E parece que não aprendemos nem mesmo com os crassos erros do passado. 

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo 

*

O IMPASSE DE ANGRA 3

É impressionante como se desrespeita o dinheiro público no Brasil. Vejam só mais um absurdo enorme e inacreditável: embora o País tenha sido privilegiado por Deus por ter a maior abundância de água, se tivéssemos políticos idôneos, honestos, com bom senso, caráter, boa vontade e bem intencionados, o País não precisaria de uma usina nuclear para geração de energia. Porém, conhecendo a formação e a tendência corrupta que predomina nos nossos políticos, é evidente que se dedicam sempre a criar mais uma maneira porca e suja para enriquecer, roubando, desviando e superfaturando. Não satisfeitos com os resultados financeiros obtidos com Angra 1 e Angra 2, inventaram Angra 3, usina que já consumiu nada menos que R$ 7 bilhões do nosso dinheiro, porém está muito longe de ter as obras concluídas. E é bem provável que, quando as concluírem, poderão ser obsoletas e, portanto, superadas pelos projetos novos e edificações mais modernas que existirão. Agora, o mais complicado é que para solucionar o problema só existem duas opções: abandonar o projeto, o que ocasionará um custo que pode chegar simplesmente a mais de R$ 12 bilhões, por causa de dívidas acumuladas e desmonte do que está feito; ou concluí-la, e então o governo terá de desembolsar só mais R$ 17 bilhões. Se a decisão for só política, evidentemente que os responsáveis optarão por concluí-la, pois nasce aí mais uma fonte de renda para enriquecimento ilícito e sujo dessa corja corrupta no "pudê" - que, além de ter destruído o País, continua nos comandando, manipulando, desafiando, escorchando e dizimando livremente. 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ANGRA 3

Melhor terminar o que já começamos. Atrasado, mas haverá retorno depois de alguns anos. Mesmo que seja somente de domínio de tecnologia, algo raro por aqui, por muitas interferências transnacionais através de gestões e pessoas com bandeiras que não defendem os interesses nacionais. Nossas hidrelétricas são mais baratas para gerar a energia que precisamos, podemos até exportar, se for o caso. Mas nos submetemos a ONGs e outras formas de guerrilhas de resistência com interesses escusos em nome de "ecologias" entre outros subterfúgios (cuidado com os esquerdistas vestidos de "istas"). Temos 60% de nosso território coberto de plantas e maioria nativas (por incompetência, comparando aos ricos europeus, os mesmos que financiam todos os tipos de resistências para atrasar, há pelo menos dois ou três séculos, eles têm isso?). Sem querer, preservamos e saberemos como manter o essencial para nos desenvolvermos, mesmo que seja num passo tropical, sempre mais devagar.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

VACINA CONTRA A GRIPE

Achei acertada a decisão tomada pelo governo federal, via Ministério da Saúde, de estender até o dia 9 de junho, sexta-feira, a campanha de vacinação contra a gripe em todo o País. A vacina foi liberada para toda a população, e não só para grupos prioritários. Talvez por desinformação e outros particulares que não cabem aqui comentar desta vez, a campanha não teve o esperado sucesso. É bom deixar claro que a vacina não só protege contra três vírus da gripe, mas também contra a pneumonia. Faz exatos 16 anos que tomo a vacina, antes na empresa em que trabalhei por 32 anos, logo que saí de lá em clínicas particulares e, há dois anos, em postos de saúde, e nunca mais contraí gripe nem o incômodo resfriado, conseguindo, assim, grande economia no bolso. Tomar a vacina já infectado pelo vírus não tem milagre, a pessoa com certeza vai sentir o desconforto da gripe e do resfriado, o que tem causado falta no emprego. Neste caso, a campanha contra a gripe deveria começar duas ou três semanas antes da virada do tempo no outono - se não me engano era assim no passado. A sugestão está lançada, é questão de coerência do Ministério da Saúde, adotar.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

CRACOLÂNDIA

Na qualidade de ex-diretor do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos do Estado de São Paulo (Denarc), envio cumprimentos ao eminente jornalista Carlos Alberto Di Franco pelo brilhante e invulgar artigo de segunda-feira no jornal "O Estado de S. Paulo", sob título "Cracolândia", demonstrando profundos conhecimentos sobre este angustiante problema que vem assolando impiedosamente não só a região metropolitana de São Paulo, mas de todo o nosso país.

Marco A. Martins Ribeiro de Campos mamrcampos@gmail.com

São Paulo

*

SEM VIOLÊNCIA

As pesquisas sobre as ações policiais numa cracolândia na capital paulista mostram uma situação inusitada. Que esses ajuntamentos precisam ser extintos, disso não há dúvida, mas sem o uso da violência. E as ações poderiam envolver o poder público, mas também organizações sociais, religiosas e o sistema universitário na discussão de soluções, sem violência. E montar, também, uma forma de prender traficantes, pois sem eles não há drogas. O viciado sabe onde adquiri-las, deduzindo-se que o policiamento também pode agir nesse campo.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

SUGESTÃO PARA A CRACOLÂNDIA

O problema da cracolândia se arrasta há anos sem que ninguém faça nada. Aí, quando alguém com decisão e autoridade resolve acabar com isso, vem o Poder Judiciário e fica travando a solução. Tenho uma sugestão que pode agradar a todos, sr. prefeito: uma área nobre de propriedade da Prefeitura está emprestada por decreto de permissão de uso para a Associação Paulista de Magistrados (Apamagis). Basta com uma única canetada revogar o decreto municipal, retomar a área e usá-la para realocar os viciados.

 

Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com

São Paulo

*

IDEÓLOGOS DAS BICICLETAS

A artilharia formada em direção ao prefeito João Doria deixa a cracolândia em banho-maria e volta sua pontaria para as ciclovias, muito mal projetadas, afinal, pelo ex-prefeito Fernando Haddad, que em detrimento dos inúmeros problemas da nossa cidade gastou bilhões pintando nossas ruas de vermelho. A "associação dos bicicleteiros" começou propaganda contrária à retirada de ciclovias que foram construídas totalmente sem critério - uma delas na Rua Amarilis e cercanias no Morumbi, pela qual transito várias vezes ao dia. Desde que foi feita, nunca vi uma bicicleta sequer ali, principalmente por ser extremamente íngreme. A prefeitura a retirou e estes pichadores de asfaltos muito mal e porcamente a repintaram de branco, visivelmente imbuídos de ódio. A poluição visual está lá para quem tiver vontade de ver como lidam estes "ideólogos das bicicletas".

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

CRÍTICAS A DONALD TRUMP

Enquanto o mundo critica o presidente dos EUA, Donald Trump, pela retirada do país do acordo climático de Paris, a China, que durante anos poluiu o mundo sem se preocupar, agora, é a boazinha da vez. Se cada um fizesse sua parte, seja plantando uma árvore, utilizando transportes públicos, não jogando lixo à toa poluindo rios e mares, ninguém hoje estaria cobrando a conta ao presidente Trump. Tenho ido muito ao Guarujá, à Praia da Enseada, uma das praias mais ricas da Região Sudeste do Brasil. No bairro Jardim Virginia I, de classe média alta, os moradores jogam o lixo orgânico (poda de plantas) na frente das casas e queimam a qualquer hora do dia. Descemos a serra para respirar ar puro, pagamos impostos altíssimos e estamos abandonados, isso sem falar dos esgotos jogados ao mar da Enseada. Quem somos nós para criticar Donald Trump?

Márcia Callado marciacallado@bol.com.br

São Paulo

*

QUEM É O ISOLACIONISTA?

Que Donald Trump não representa o establishment nunca foi novidade para ninguém. O que as pessoas que não conhecem os EUA ignoram é que a larguíssima maioria do povo americano não entende o papel dos EUA no mundo e, portanto, pensa em termos absolutamente isolacionistas. Os caras não estão nem aí para o resto do mundo. Assim, quando Trump apronta as dele, os não-norte-americanos ficam indignados, mas o americano médio, aquele que vota para a presidência americana, aplaude. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, o mundo se acostumou a depender da liderança americana para absolutamente tudo, para o bem ou para o mal. Achamos ruim quando os EUA se comportam como se fosse a versão moderna do Império Romano, e voltamos a reclamar quando os EUA dão de ombros para o resto do mundo e assume uma postura isolacionista. Mas ficamos só na reclamação. Nenhum país se dispõe a assumir a liderança, até porque tem muita coisa complicada por aí, e, francamente, é muito mais fácil jogar pedra do que ser vidraça. Portanto, essa nossa indignação reflete a nossa própria ignorância, mas também a nossa complacência. Quando a líder alemã, Angela Merkel, diz que a Europa não pode continuar a contar com os EUA, o americano médio vibrou, mas o resto do mundo também deve comemorar, e não se assustar, como se assustou. Um mundo onde as responsabilidades são discutidas e compartilhadas será um lugar melhor. Basta uma Roma na história da humanidade. 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

TODOS CONTRA TRUMP

Nunca a frase de Nelson Rodrigues foi tão pertinente: toda unanimidade é burra. 

Milan Trsic cra612@gmail.com

Ribeirão Preto

*

MARIA FUMAÇA

De locomotiva da economia mundial, os Estados Unidos de Donald Trump passam à Maria Fumaça, movida a carvão e descarrilhada da história. Donald Trump, o exterminador do futuro!

   

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

O AGRONEGÓCIO E O MEIO AMBIENTE

Tanto o editorial de 4/6/2017 "Quem preserva o meio ambiente" quanto o artigo "Agricultura lidera a preservação", do doutor em Ecologia e chefe-geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo de Miranda, do dia 5/6/2017, mostram a importância do produtor rural na preservação do meio ambiente. As cidades não têm como preservar, ajudariam muito se não piorassem a situação, na poluição dos rios, solos e do ar em que vivemos.

Marco Garcia de Souza, presidente do Sindicato Rural de Três Lagoas marcogsouza@uol.com.br

Três Lagoas (MS)

*

ATENTADOS TERRORISTAS

É difícil de entender a motivação dos terroristas que perpetram atentados na Europa? Não, é simplesmente intolerância e ódio. Qual a origem disso? Das escolas e das casas de oração que esses elementos frequentam. De onde virão os próximos atentados? Dos mais diversos lugares em solo europeu que justificam, comemoram, glorificam e subsidiam esse tipo de atividade. Não são poucos. O que fazer para evitar novos atentados? Abrir os olhos e agir contra todo aquele que apoia o terrorismo. Por exemplo, esta semana, a Arábia Saudita, o Egito, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein, a Líbia e o Iêmen cortaram relações com o Catar, que acusam de incitar o terrorismo. A Europa pode estar engatinhando no assunto, mas os sauditas entendem perfeitamente como é que esse tipo de coisa funciona. 

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

TERRORISMO ISLÂMICO

Em qualquer lugar do mundo, a ação de "lobos solitários" é indefensável.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

TERCEIRA GUERRA

Conta-se que perguntaram ao cientista Einstein como seria a Terceira Guerra Mundial e ele respondeu que não sabia, mas respondeu que a Quarta será com paus e pedras (ou arco e flecha, não sei). Se entendermos que a Terceira não será necessariamente igual à Segunda, assim como a Segunda não foi exatamente igual à Primeira, concluímos que a onda de violência que o mundo está vivendo, de terrorismo, de intolerância religiosa, racial e política, concluímos que já estamos na Terceira Guerra Mundial. 

 

Victor Hugo

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.