Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

09 Junho 2017 | 03h14

GOVERNO TEMER

Reforma trabalhista

Conforme o editorial A vitalidade do governo (8/6, A3), o texto da reforma trabalhista aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado é um passo importante para o País adotar uma legislação atualizada nesse campo. Sempre é bom lembrar que todos os direitos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e na Constituição da República foram mantidos. Entre as mudanças mais significativas estão o fortalecimento dos acordos coletivos e o fim da contribuição sindical compulsória, equivalente a um dia de trabalho de cada trabalhador, que agora passaria a ser opcional, o que causa calafrios nos sindicalistas. Como sindicalismo no Brasil é sinônimo de PT e vice-versa, nosso país é o que tem mais sindicatos no mundo, mais de 15 mil, isentos de fiscalização e controle (no Reino Unido, 168; na Dinamarca, 164; na Argentina, 91).

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Estabilidade

Parabéns ao Estado pela defesa sempre correta da cidadania nos seus editoriais. Os golpistas que buscam atear fogo no País, a exemplo do que fizeram na Esplanada dos Ministérios, é bom pararem de mentir, alegando que é “vontade do povo” a saída de Michel Temer da Presidência da República e eleições diretas. A real vontade do povo é a continuidade de Temer, que está pondo ordem, progresso e trazendo estabilidade ao Brasil.

JOÃO FERREIRA MOTA

jfmota29@gmail.com

São Paulo

Opções

Para que o Brasil, estando no fundo do poço, não continue a usar a pá temos de torcer para que políticos como Michel Temer permaneçam no seu cargo. A que ponto chegamos!

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Nova classe média

Para o PT bastava obter um smartphone para ser alçado à “nova classe média”, que só existia na cabeça do então presidente Lula, ilusão que chegou até a colar, mas não vingou. Os estragos dos 13 anos de petismo estão aí: terra arrasada, 14 milhões de desempregados e o aparelhamento da máquina pública. Basta de populismo e ilusões, precisamos de políticos reformistas por um longo período. E Michel Temer precisa seguir com sua pinguela e as reformas até 2018.

LEANDRO FERREIRA

leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

A diferença

Nos momentos cruciais da vida de Getúlio Vargas, quando confinado no Palácio do Catete nos seus dias finais, ele confidenciou à filha que em suas gestões à frente do País recebera milhares de pedidos, mas nenhum a favor do Brasil. Agora estamos diante de uma situação inusitada. A sociedade constata que o presidente Temer tem todos os vícios e defeitos dos políticos de sua época, porém ele está pensando seriamente em resolver os graves problemas do País e colocá-lo nos eixos, em que nunca esteve. E o faz com sincero empenho.

CELSO VICENTE FIORINI

cvfiorini@gmail.com

São Paulo

Jatinho não é de Joesley

Gostaria de apontar o equívoco técnico na matéria de capa de ontem Temer volta atrás e admite uso de jatinho de Joesley. Os documentos da aeronave que fundamentam a reportagem demonstram claramente que não pertence ao sr. Joesley, mas à JBS S.A. (legalmente sua arrendatária, segundo ata societária). A propriedade de uma empresa não se confunde com a propriedade de uma pessoa física, ainda que esta seja um dos acionistas controladores. Ao dizer que “depois de negar o uso de um jato pago pelo empresário Joesley Batista...”, na página A10, a matéria se equivoca em identificar quem paga por seu arrendamento e uso. O custo sai do caixa da JBS, não do bolso do sr. Joesley, situação, aliás, mais grave que a reportada. Saindo do caixa da companhia, o custo é arcado também pelos acionistas minoritários, incluindo BNDES, CEF e outros acionistas privados, que em conjunto detêm cerca de 55% do capital acionário da JBS. Isso significa que a viagem do sr. presidente foi paga na proporção de 55% com recursos provenientes de terceiros da esfera pública e privada.

ÉRICA GORGA

ericagorga@uol.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Filme de terror

No artigo Era uma vez na América do Sul (8/6, A2), o professor Eugênio Bucci diz que “não se sabe bem por que ou por quem” fomos condenados ao filme de terror que vemos hoje. Ora, quem nos condenou foi o lulopetismo, que pretendeu consertar o Brasil com as ferramentas da ignorância e da desonestidade. Ou será que foi tudo culpa de Itamar Franco e de FHC?

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euclidesrossignoli@gmail.com

Ourinhos

REFORMA POLÍTICA

Velhas propostas

No artigo Crise nova e velhas doenças (8/6, A2), sobre a reforma política, o senador José Serra (PSDB-SP) deixou de lado os fatos mais importantes, a saber: 1) Os eleitos são donos do cargo, em vez de representantes do povo, durante o período do seu mandato. Para corrigir isso há a necessidade de quem os elegeu poder removê-los. 2) Os partidos, tal como hoje existem, são organizações com donos e seria necessário mudar a legislação dos partidos políticos para que se tornassem representações do povo, e não apenas de seus donos. A questão não é, portanto, o número de partidos, mas o fato de eles terem proprietários. O que estamos assistindo no cenário político depois da delação de Joesley Batista é à ruptura do acordo entre os donos do PMDB, do PT e do PSDB, que hoje controlam a política nacional e derivam da divisão do antigo MDB. O resultado do fato de os partidos terem donos é que não há renovação política e as indicações de candidatos são sempre por hereditariedade ou compadrio. Quer dizer, a indicação de candidatos segue o princípio do apadrinhamento, e não o do mérito, razão da decadência da política nacional no tocante a verdadeiros líderes. A Constituição de 1988 criou os “direitos” que justificaram a necessidade de aumento do estamento burocrático (funcionalismo público) e, portanto, dos impostos para cobrir essas novas e a majoração das velhas despesas, com a conivência desses mesmos partidos. O aumento da máquina do Estado paquiderme, que nada produz, a briga pela divisão do butim e o fato de o PT a partir de determinado ponto não querer reparti-lo com mais ninguém nos trouxeram até aqui. A solução proposta por Serra é a salvação desses donos, que não mais se elegeriam nem para síndico de prédio. Com partidos e políticos assim, como saímos dessa?

RUBENS DE C. VIDIGAL FILHO

rubens@dbd.com.br

São Paulo

“De quem (ou ‘quens’) são os jatinhos que fazem o leva e traz constante de Lula, esse paupérrimo homem do povo que não sabe (não se lembra) o que é um avião de carreira há mais de dez anos?”

OSCAR THOMPSON / SANTANA DE PARNAÍBA, SOBRE O USO DE UM AVIÃO DA JBS POR TEMER QUANDO ERA VICE-PRESIDENTE

oscarthompson@hotmail.com

“O tal acordo enterra de vez a possibilidade de se expor ao Brasil o nome do aventado sócio oculto da JBS? Não se fala mais nesse assunto?”

ELIE BARRAK /SÃO PAULO, SOBRE A DELAÇÃO DE JOESLEY BATISTA

egbarrak@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PERGUNTAS A MICHEL TEMER

A propósito das 82 perguntas enviadas a Michel Temer pela Polícia Federal, tomo a liberdade de acrescentar mais uma: serão respondidas sob o juramento de dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade?

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

E NA POLÍCIA FEDERAL?

Por que o presidente Michel Temer teve, inicialmente, 24 horas ou mais para responder as 82 perguntas feitas pela Polícia Federal e os estudantes apenas 9 horas para responder a 180 questões e fazer uma redação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)? Se Temer não é obrigado a responder, por que fizeram as perguntas? De uma coisa temos certeza, no Enem, o estudante que não responde as questões leva ferro. E na Polícia Federal? 

 

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

RACHANDO A CUCA!

Para o presidente Michel Temer deve ser muito mais fácil resolver os complicadíssimos problemas de Física, Matemática e Química exigidos para ingressar no Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA) do que responder às vexatórias 82 perguntas feitas pela Polícia Federal. Com ironia, por favor!

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PARTE DO PROBLEMA

Michel Temer foi o maior beneficiado pela política do "quanto pior, melhor" da gestão Dilma. Cada sandice criminosa que a madame presidente cometia fazia com que ele se aproximasse do seu real objetivo: o poder. Quando Dilma finalmente caiu pela ação implacável do companheiro preso Eduardo Cunha, Temer mal conteve a alegria de um político medíocre que finalmente alcança algo grande, a Presidência da República. No poder, Temer nomeou um exército de corruptos para auxiliá-lo e achou que a simples saída de Dilma seria suficiente para reverter o desastre e que o País logo voltaria a crescer. Enganou-se: com o País entregue a um exército de políticos do nível de Geddel Viera Lima, a única coisa que cresceu foi a roubalheira generalizada. Tentou em vão aumentar impostos, mas não conseguiu resultados positivos. Extremamente impopular, antipático e arrogante, Temer logo deixou de ser visto como parte da solução para se tornar parte do problema. Frio e calculista, Temer já não consegue mais raciocinar, apresentou diferentes versões facilmente desmentidas para um episódio bobo de uso de jatinho do pagador de propinas. Sua queda é questão de dias. O impeachment de Dilma estará finalmente completo quando o vice da madame presidente finalmente for afastado e conduzido ao seu lugar na lata de lixo da história. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

NO JATINHO DE JOESLEY

Michel Temer admitiu que usou o avião do empresário Joesley Batista em 2011, indo de São Paulo a Comandatuba, na Bahia. E daí? Quem nunca viajou em avião de empresário ou amigos? Lula, santo, honesto e um pouco surdo, faz isso até hoje, e ninguém fala nada. Então realmente o que fazem com Temer é uma perseguição abominável, que ninguém deveria sofrer. Ou, então, que todos sejam tratados igualmente, sem exceção. Chega de hipocrisia barata.

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

TEMER 'NÃO SABIA'

Cada vez que o cara fala, se enrola mais. Como Lula, usa um avião particular e não sabia quem era o dono. Vá para casa, Temer, ou acabará indo para a cadeia. Faça sua "delação" ao STF e vá gozar seu patrimônio, acumulado como o de Lula.

Ariovaldo Batistas arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

USO DO JATINHO DA JBS

Presidente Temer, como o senhor é "ingênuo"! 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

MENTIRA

A mentira é uma arma utilizada por boa parte dos políticos brasileiros para tentar encobrir ou negar seus ilícitos, praticados sem mãos a medir. O presidente Michel Temer, que no momento está sendo investigado, saiu com esta: "Fiz viagens de avião, mas não sabia que o proprietário do mesmo era a JBS". Como vice-presidente, como era então, fica claro que Temer não arriscaria de forma alguma sua vida em avião comum e de propriedade de pessoa desconhecida. É de praxe que políticos brasileiros sempre fujam da verdade, quando investigados por delitos cometidos. O Planalto deveria fazer-se mais respeitado pelo povo.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

DUVIDO

Alguém dos órgãos de segurança da Presidência da República poderia não saber e informar a quem pertencia um jatinho no qual viajaria a família do vice-presidente para passar suas férias? Duvido!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

DOENÇA CONTAGIOSA

Numa imitação infeliz do eterno desconhecedor de malefícios, Lula da Silva, o presidente Temer diz que "não sabia" que o avião que o levou, junto com a sua esposa Marcela, de São Paulo à paradisíaca Comandatuba, no litoral baiano, pertencia ao empresário e hoje esperto delator Joesley Batista.  Como também "não sabia" que Joesley era investigado quando o recebeu, no fim da noite de 7 de março, deduz-se que o presidente Temer foi seriamente contaminado pelo vírus da dissimulação  lulista. 

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

*

SEM CONDIÇÕES

Temer mente, mente, mente... Assim como pôde alegar que recebeu Joesley Batista no Jaburu acreditando que era para que ele falasse a respeito da Operação Carne Fraca, que na ocasião do encontro ainda não tinha sido deflagrada, agora vem esta ridícula alegação de que ele não sabia de quem era o avião emprestado a ele por Joesley para viagens com sua família, como se fosse possível alguém voar num avião emprestado sem saber de quem é a aeronave. É fazer muito pouco caso da inteligência do povo brasileiro. Perdeu totalmente as condições de governar o País, se é que já as teve algum dia.  

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

MELHORES RODOVIAS

Vejam os benefícios adicionais da Operação Lava Jato: políticos em aviões de carreira são enxovalhados. De jatinho, descobertos, vê-se que empresário os comprou. Por isso políticos hoje viajam de carro e, assim, vêm republicanamente lutando para melhorar as nossas rodovias.

Roberto Viana Santos rovisa681@gmail.com

Salvador

*

JULGAMENTO NO TSE

Concorrer com verba ilícita é o mesmo que participar de qualquer corrida colocando o candidato à frente em grande vantagem, sem condição a uma concorrência justa. Quando o ministro Gilmar Mendes abriu a contenda sobre a chapa Dilma-Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a ex-presidente Dilma havia sido reeleita com evidentes suspeitas de uso de dinheiro ilícito, fosse de caixa 1 ou de caixa 2. Nesse ínterim, houve o impeachment, e hoje a Presidência é ocupada pelo presidente Temer, vice da chapa à época. Portanto, nota zero para os ministros que resolveram dar um jeitinho à brasileira dizendo não à cassação. Julgaram politicamente, fechando os olhos para evidentes e vergonhosas provas de ilícito, mesmo que ao cassar o presidente Temer causem sérios problemas ao País. Mas lei é lei. Não existe "meia lei". Depois deste julgamento, mais portas vão se fechando em volta do nosso Judiciário. Vergonha!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ÓPERA BUFA

2014: Dilma Rousseff ganha as eleições para presidente e arrasta Michel Temer, cacique do PMDB, como seu vice. O derrotado Aécio Neves convence seu partido, o PSDB, a encaminhar processo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por suspeita de abuso econômico pela chapa vencedora durante a campanha ("faz-se o diabo para ganhar a eleição", lembram-se?). 2016: Dilma é defenestrada, Temer assume, o PSDB, um dos partidos articuladores do impeachment, a ele se associa na condução do mandato substituto e tenta arquivar o processo que deflagrou, o que não é mais possível. Agora, num espetáculo midiático, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julga a chapa e pode determinar a interrupção prematura do governo do qual os social-democratas são os principais protagonistas. É ou não uma ópera bufa, típica de uma República de Banana?

 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CREDIBILDADE ZERO

O brasileiro de um modo geral não acredita mais em nossas instituições, e motivos não faltam. Vejamos: O Supremo Tribunal Federal (STF) soltou José Dirceu e Eike Batista, que tomam champanhe e riem de nossa cara  no conforto de seu lar; o Ministério Público Federal (MPF), "sede central, Brasília", fechou acordo, estranho, de delação premiada, a toque de caixa, com os irmãos Batista, que assaltaram o Brasil, deixaram por aqui uma mixórdia, não passaram uma noite sequer na cadeia e vivem em Nova York livres, leves e soltos em nababescas instalações. Executivo e Legislativo, sem comentários, há tempos abominados por quase toda a população, não merecem o mínimo de credibilidade. Para completar a descrença geral, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que está julgando a chapa Dilma-Temer, está sendo preparada uma gigantesca pizza, que, por coincidência, deverá ser servida nesta sexta-feira ou no sábado, dias consagrados para a degustação dessa deliciosa guloseima. O Palácio do Planalto espera por convidados...

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí 

     

*

TEATRO DE MARIONETES

Quero cumprimentar o ministro Herman Benjamin pela competência e isenção na relatoria do processo de cassação da chapa Dilma-Temer. Ontem (8/6), ainda, na fase de debates sobre preliminares, especialmente da análise da peça inicial sobre a causa de pedir e o acolhimento de provas (Odebrecht e marqueteiros), fiquei perplexo com a antecipação de voto de mérito de três ministros, no que a defesa puxava a corda para dar início à busca de "pelo em ovo". Com o devido respeito aos demais ministros, está mais para teatro de marionetes.

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

CHAPA DILMA-TEMER

O TSE é hoje palco de um teatro do absurdo.

Etelvino José H. Bechara ejhbechara@gmail.com

São Paulo

*

A FARSA DO TSE

Tudo parece ter sido armado para que não houvesse um julgamento de fato no TSE. É intolerável que juízes se prestem a afastar provas concretas de corrupção nas eleições de Dilma Rousseff e Michel Temer sob a alegação de não poderem examiná-las. Esse tribunal não justifica sua própria existência.

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo 

*

TSE INÚTIL  

  

Não fora o impeachment de Dilma e as prisões da Lava Jato, estaria o Brasil hoje - depois de 29 meses de caros e inúteis diligências do Tribunal Superior Eleitoral -, assistindo à representação teatral dos seus ministros enquanto o País continuaria entregue à orgia da incompetência, da mentira e da corrupção do governo petista e de seus cúmplices aliados.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos 

*

A SAÍDA HONROSA

As possíveis saídas para este primeiro capítulo da crise institucional que se desenvolve no TSE são duas, conforme a análise sempre lúcida de um senhor comentarista político da Globo News: a primeira, técnica-jurídica, seria aceitar as delações questionadas e cassar a chapa eleita em 2014, sejam quais forem as consequências dessa sentença para a Nação. Punto y basta! A segunda, que está parecendo a mais provável, segundo opiniões generalizadas no mundo político, seria, em nome da estabilidade político-social e dos interesses econômicos do País, blá, blá, blá, não aceitar a inclusão das ditas delações e absolver a chapa. Essa seria uma saída política, porém vergonhosa! O que parece ser a saída mais palatável por ser passível de argumentação seria considerar as delações no processo, absolver o atual presidente e cassar a ex-presidente. E quais seriam as argumentações para dar sustentação a essa saída? Sem dúvida, na campanha de 2014 quem cometeu abuso de poder econômico não foi o candidato a vice-presidente nem seu partido, que quase não apareceu até a eleição. Quem cometeu abusos foram a candidata a presidente e seu partido, porque foram eles que receberam milhões em "financiamentos" ilegais da empreiteira delatora e gastaram fortunas em propaganda enganosa, falsa e mentirosa veiculada pelas emissoras de rádio e televisão, preparadas pelo casal de marqueteiros delatores. Essa seria uma saída, pelo menos honrosa. 

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

VOTO POLÍTICO

Não estou gostando - aliás, estou achando um horror - da naturalidade com que editorialistas e comentaristas políticos estão encarando a possibilidade de o juiz Gilmar Mendes e alguns de seus colegas votarem "politicamente", sem considerar o conteúdo dos autos. Não se pode encarar com naturalidade um juiz tomar decisões dessa forma. Eles são regiamente pagos por nós para decidir de acordo com os autos, e não de acordo com a cara do freguês. Se encararmos esse fato com naturalidade, para onde iremos depois? Para uma Venezuela?

 

Milton Bonassi mbonassi@uol.com.br

São Paulo

*

QUESTÃO RELEVANTE

Herman Benjamin, corregedor-geral da Justiça Eleitoral, teve o mérito de deixar explícito aquilo que foi a campanha que elegeu a chapa Dilma-Temer. E a pertinência ao escopo da ação da multitude de provas contundentes que foram reunidas. Ao seu voto, não faltaram depoimentos e documentos provando o que todo o Brasil enxerga. Só não entendeu quem não queria entender. Ou que optou por esquecer. E, independentemente do resultado do julgamento do TSE, a História julgará. Ocorre que ele levantou uma questão da máxima relevância que precisa ser respondida: "O que fazer com as leis compradas?". Cabe levantar outra questão correlata: o que fazer com nomeações feitas por autoridades corrompidas? E eis que o resultado dessas nomeações está aí, atuando e comprometendo o futuro de nossa nação. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

EXPECTATIVAS

A tramitação do julgamento da chapa Dilma/Temer no TSE mantém a expectativa da classe política e, por certo, de parte significativa da população. E mostra que a questão não está definida. São várias as alternativas, como a cassação de ambos, ou apenas de um, ou, ainda, que algum dos magistrados peça vistas e a sessão seja suspensa. Pode-se esperar qualquer dos encaminhamentos, mas, seja qual for aquele adotado, o tema vai motivar muitas discussões, e não apenas da classe política. É por certo um momento de discutir, em alto nível, uma definição para o nosso sistema político, pois o atual já está por demais desgastado.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

JULGAMENTO POLÍTICO

O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, disse que o julgamento da chapa Dilma-Temer seria jurídico e judicial. Acrescentou, ainda, que o Executivo resolva os problemas que criou. Mas não é o que estamos vendo. Passou a ser totalmente político. Nem com as argumentações legalmente embasadas do relator, nas quais consta, tanto no Código de Processo Penal como no Código de Processo Civil, que cabe ao juiz avaliar e decidir sobre a inclusão de novas provas, mesmo não constantes na petição inicial. O juiz pode incluir fatos posteriores, notórios e públicos, de acordo com sua avaliação, desde que correlacionados ao processo. Assim como deve excluir fatos levados ao processo que não interessam à causa. A atuação do ministro-relator é da mais absoluta lisura, demonstrando que não está ali para julgamento político. Tribunal não é local para isso, se não, deixa de ser tribunal. Espanta-me alguns integrantes do TSE negarem este direito ao juiz, repito, assegurado em lei. Mas, depois que o ministro do STF Ricardo Lewandowski, no julgamento do impeachment da ex-presidente Dilma, fatiou o artigo que estabelecia a pena da perda dos direitos políticos, além do afastamento do cargo, neste país passou a valer tudo. Para o Brasil virar circo, só falta jogar a lona. É nojento o País assistir a isso. E a sociedade, assistindo a tudo isso, sem poder fazer nada. É como digo: os cães (povo) ladram e a carruagem (políticos) passa.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CARTAS MARCADAS

O julgamento da chapa Dilma-Temer indica um resultado de licitação de obras públicas: cartas marcadas. Encontros prévios do presidente com o ministro Gilmar Mendes passam a soar estranhos quando no início da sessão, Mendes apartou o relator do processo para fazer comparações absurdas deste caso com as cassações pela ditadura. Ministros recém-empossados no TSE, indicados pelo presidente, não se sentiram impedidos de votar. O placar já é consenso entre especialistas: 5 a 2 ou 4 a 3. Parece que Gilmar Mendes não escreve o que fala, ou seja, que o julgamento terá caráter eminentemente jurídico. São com procedimentos desta natureza que o Judiciário espera posar para a fotografia para a posteridade? Se o escore se confirmar, só farão reforçar o mérito e a confiança popular depositados no juiz Sergio Moro e nos juízes que seguiram seus passos em julgamentos envolvendo delitos financeiros que, no fim, deturparam a ordem democrática de escolhas eleitorais. 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

OS MINISTROS E OS HOLOFOTES

No segundo dia do julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE, o ministro Gilmar Mendes, no intuito de desclassificar o ministro e relator Herman Benjamin, disse que, se não fosse por ele, Gilmar, o relator não estaria sendo visto por todo Brasil. Ora, pelo que temos visto, quem gosta de aparecer e causar polêmica é o ministro Gilmar Mendes, com suas "piadas" sem graça. Ele tenta provocar um embate entra ele e o ministro Benjamin a fim de se projetar na mídia. Parabéns ao ministro relator, pela postura nas respostas ao ministro Mendes. Acertadamente disse o ministro relator que não existe glamour num julgamento.

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

PALADINOS DA DESCOMPOSTURA

Dando uma olhada no julgamento do TSE: Gilmar Mendes não honra a toga que veste. Vergonha desses juízes sem postura jurídica, cobertos de vaidade, paladinos da descompostura!

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

MALABARISTA JURÍDICO

Poucas vezes em minha vida de cidadão pleno tive tanta antipatia por uma figura pública de proa como a do sr. ministro do STF Gilmar Mendes. Logorreico demais para um juiz (lembrando que foi togado para o STF pelo compadrio de FHC quando presidente, pois de fato não é juiz de carreira concursado), dado a exibicionismos e não raramente impertinente até mesmo entre seus pares, Gilmar Mendes em minha opinião é adepto do "malabarismo jurídico" torcendo e retorcendo o direito e a Constituição para que estes se moldem ao seu espelho e vontade, é também vítima repetente envolta em contradições de seus próprios votos. Viajante em excesso, igualmente dado a encontrar réus de seu tribunal em salões e convescotes no exterior, muito amigo do poder para um magistrado, é em resumo um "chato" ególatra e deslumbrado que, a meu ver, já passou faz tempo da hora de se aposentar.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

FORA DOS AUTOS

Juízes falam nos autos. Gilmar Mendes, até pelos cotovelos...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

HONRA PARA A TOGA

Não consegui me conter em face dos diálogos mantidos na quarta-feira entre o ministro Herman Benjamin e Gilmar Mendes. O ministro Herman Benjamin é uma honra para a toga, seja pelos seus votos cônscios da responsabilidade com a vida no planeta, seja pelos seus votos que fazem História na defesa da democracia, seja qual for o resultado do julgamento do TSE.

Hugo Nigro Mazzilli hmazz03@terra.com.br

São Paulo

*

TROFÉU PAVÃO DE TOGA

Ministros disputam, com maestria e louvor, o Troféu  Pavão de Toga. Os mais cotados, pela ordem, Luiz Roberto Barroso e Herman Benjamin. Pelo Ministério Público Federal, ninguém tira o pódio de Rodrigo Janot. Com louvor. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

COMPADRIO

Gilmar Mendes tem uma visão de justiça e Herman Benjamin, outra que, a meu ver, é mais justa. Mas, infelizmente, o compadrio deverá prevalecer. 

Roberto Bruzadin bobbruza@terra.com.br

São Paulo

*

O LADO MAIS FRACO DA CORDA

 

Que ninguém se engane, seja qual for o resultado do julgamento da chapa Dilma-Temer, é só o povo brasileiro quem sairá perdendo. Pura e simples!

 

Luís Fernando Amaral luffersanto@bol.com.br

Laguna (SC)

*

INÚTIL

Considerando o inútil processo de cassação da chapa Dilma-Temer, pois, mesmo que a chapa seja condenada, são tantos os recursos que Temer terminaria seu mandato sem o julgamento final... O grande problema para a nossa frágil economia é a sujeira que ainda está por vir, decorrente das recentes e futuras delações que estão sendo fechadas, envolvendo o nome do nosso presidente, que, para o mal do Brasil, teima em não largar o "osso", afetando a vida de todos nós.  

 

Sergio Diamanty Lobo diamanty18@gmail.com

São Paulo

*

A PRESIDÊNCIA E AS REFORMAS

O "senhor" mercado está errado ao querer se livrar do presidente Temer e os senhores investidores estão certos ao querer mantê-lo para tentar fortalecê-lo politicamente, visando à aprovação de novas reformas. Eu aguardaria a passagem da atual "tempestade", me abrigaria das próximas, manteria o

processo contra o presidente Temer em segredo de justiça e aguardaria até 2018, quando ocorrerão eleições diretas para eleger um novo presidente. Até então, se o presidente Temer for julgado culpado, entrega a faixa e vai direto para a cadeia.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA

Se até recentemente os indicadores econômicos mostravam-se ínfimos, agora são seguramente positivos e concretos, embora pequenos ainda. Não há dúvida de que a perspectiva de aprovação das reformas já influencia, e muito, estes números. Com ou sem Temer, a estratégia da recuperação econômica e do resgate dos 14 milhões de desocupados já está traçada e qualquer alternativa a este caminho será um deplorável deslize moral e ético, absolutamente injusto e injustificado por qualquer vertente ou jogo político que seja. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

POUPANÇA

Depósitos superam saques na poupança, pela primeira vez no ano. Sem dúvidas, o governo deverá aproveitar o gancho para afirmar que tal ocorrência caracteriza que as coisas estão melhorando e a recessão acabou. Mas a realidade é outra, isso ocorreu em razão da liberação do saque das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

EXPORTAÇÃO EM ALTA

Maio foi o melhor mês da história da indústria automobilística brasileira em exportações, com 73,4 mil unidades. O acumulado do ano também foi recorde para o período, ao somar 307,5 mil veículos vendidos ao exterior. Agora, o povo quer e precisa saber qual o preço médio de venda ao exterior em relação aos valores praticados no Brasil. Será que esses veículos não foram vendidos a preço de bananas? Em caso positivo, não teria sido bem melhor tê-los vendido no mercado interno com um desconto significativo? Ou a qual setor isso não interessa?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

NOTÍCIA ALVISSAREIRA

A recente notícia alvissareira de que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa está inclinado a concorrer nas próximas eleições ao Palácio do Planalto e que, até mesmo, já iniciou conversas com Marina Silva dá muita esperança ao povo brasileiro, pois seria um enorme obstáculo para as pretensões de Lula "et caterva". Ora, Joaquim Barbosa praticamente foi o único que digladiou com seus pares no mensalão para condenar a "tigrada" petista. Portanto, para a frente, Joaquim.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo 

*

BARBOSA CANDIDATO

Torço pela confirmação da candidatura de Joaquim Barbosa para presidente da República em 2018. Certamente, será um nome forte para (tomara!) desbancar Lula e, principalmente, o sr. Alckmin. Sou professor da rede pública e testemunha ocular da penúria que vivem as escolas. Falta verba para reformas mais básicas, além da demora proposital da abertura de licitação para recontratação do pessoal de apoio (faxineiras e merendeiras), apenas para economizar alguns trocados, deixando os serviços a cargo das escolas. Além disso, estamos há três anos sem reajuste salarial, o que mostra total insensibilidade com quem tem tanta responsabilidade com o futuro. Ou seja, o sr. governador não tem nenhum respeito pelo lado humano de quem exerce uma profissão tão importante. Sr. Barbosa, conte com meu voto.

Luiz Antonio A. da Silva zulloamaro@hotmail.com

Guarulhos

*

LUZ

Com a possibilidade de o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa se candidatar à Presidência do Brasil, parece, salvo melhor juízo, que "existe uma luz no fim do túnel" para termos um presidente ilibado e decente, após estes últimos anos de corruptos e incompetentes.

Artur Topgian topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

*

UMA ESPERANÇA

Se o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa concordasse em ser um dos candidatos nas eleições para presidente em 2018, certamente teria uma votação expressiva do eleitorado brasileiro, independentemente da sigla partidária. Sua liderança honesta e capaz resgataria a esperança inata no brasileiro que sempre lutou para ver o Brasil no bloco das nações mais desenvolvidas.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo 

*

BARBOSA NÃO

Joaquim Barbosa, o que livrou Lula do mensalão,   pretende ser candidato em 2018. Para isso, entrou em contato com Marina Silva, a que recebeu R$ 4,6 milhões da JBS. Pode isso? Mais um para rejeitarmos...

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

MENTIRA

O advogado do ex-presidente Lula foi pego por não falar a verdade ("    Moro diz que defesa de Lula teve acesso às delações da Odebrecht", "Estadão", 6/6). Com quem será que ele aprendeu a mentir?

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

VALORES

É incrível a sanha de Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula, contra o juiz Sérgio Moro. Saiba que nos deixa - nós, brasileiros letrados e isentos de ideologias fracassadas mundo afora - extremamente irritados com a subversão de valores que um reles advogado tenta promover, às vezes com a complacência de um juiz de instância superior. Pior para ele e para seu cliente, pois, além de ser pego na mentira, suas ridículas petições convalidam nossa certeza da culpabilidade do réu que defende.

Antonio C. Gomes das Silva acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

*

FUNÇÃO

A função do advogado de Lula na Lava Jato é importunar e sabotar o processo!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

FESTA JUNINA

A Festa Junina será animada no Paraná! O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai gostar de dançar quadrilha na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba. 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

CRIMINALIDADE E SUBNOTIFICAÇÃO

Como é de conhecimento de todos, sobretudo das autoridades, a cracolândia ampliou sua presença em outros bairros. Minha filha foi assaltada - dia 25/5/2017 - ao sair do Mackenzie, em Higienópolis, por dois viciados com uma faca, num ponto de ônibus nas proximidades, às 21h30. Desde então, tento fazer um boletim online na Secretaria de Segurança de São Paulo. Logo no dia, para registrar a ocorrência de roubo do celular, pedem o IMEI (número que vai embora com o aparelho, que foi comprado há três anos, portanto, não guardamos a caixa). Depois de conseguir essa informação, com muito custo, fui tentar fazer novamente o boletim online. Resultado: "erro inesperado". Resumo: desisto e está constituída a subnotificação. Tá tudo mal, mas os números da Segurança vão bem.

Haroldo Silva haroldoeconomista@gmail.com

São Paulo

*

RACISMO NO SÉCULO 21

Racismo num país negro é de doer ("Artista denuncia racismo em shopping", "Estadão", 8/6, A18). Será que todos os funcionários do Shopping Pátio Higienópolis são brancos? Vergonhosa a atuação seja de quem abordou o cliente, seja de quem deu a ordem para fazê-lo. Ruim para a saúde do shopping, que depende da venda e de fluxo. O racismo realmente tem de ser anunciado e combatido. Agora, pedir desculpas não resolve. Em pleno século 21, quando a imagem da sua empresa pesa (e muito), a pecha de racismo não agrega valor algum.

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

*

AGROTÓXICOS

É uma vergonha que o Brasil seja o campeão mundial no uso de agrotóxicos, muitos deles cancerígenos. Cada brasileiro, sem saber, consome, em média, 7 litros de veneno por ano. Pior ainda é que 50% dos aqui utilizados sejam proibidos em países desenvolvidos da Europa, EUA, Canadá e Austrália. Não surpreende o enorme aumento de doentes e mortes por câncer no Brasil, como revela a Organização Mundial da Saúde (OMS). Onde estão a Anvisa e os Ministérios da Saúde e da Agricultura? Por dinheiro e ganância, estão envenenando e matando lentamente milhões de brasileiros, com a criminosa conivência do governo federal.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.