Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

19 Junho 2017 | 03h01

CORRUPÇÃO

Quem é o chefe?

Agora fiquei sem saber. O insuspeito Joesley Batista vem nos dizer que Michel Temer é o “chefe da organização criminosa”. Mas no fim de 2016 a força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, não afirmou peremptoriamente, até com a ajuda de um PowerPoint, que “o chefe, o comandante”, é o Lula? Com a palavra o procurador Deltan Dallagnol.

JOSÉ TEIXEIRA NETO

zecatex@hotmail.com

São Paulo

Pela delação de Joesley Batista, Temer é um Lula sem carisma, mas com uma visão correta de sociedade, economia e desenvolvimento sustentável. Seria a JBS a sua Petrobrás?

CARLOS LEONEL IMENES

leonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista

Vá entender...

Toda essa pressão contra Temer e o Lula livre leve e solto! Vá entender a Justiça no Brasil.

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que deve mandar Aécio Neves (PSDB) para a cadeia, é a mesma que mandou soltar José Dirceu (PT). O Brasil não vai se livrar tão facilmente da petralhada.

RENATO JOSE ALDECOA

renatoaldecoa@gmail.com

Socorro

Respeito à cidadania

Houve uma época em que existia um mínimo de respeito aos cidadãos deste país. Observando os políticos e o Judiciário hoje em dia, notamos que esse respeito parece ter acabado.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Justiça para todos

Tenho acompanhado o desenrolar da briga Joesley x Temer. Jamais poderia pensar que algo assim pudesse acontecer. Dois chefes de organização criminosa, mas a candura do tal Joesley em rotular o presidente Temer vem repleta de extrema ousadia. A mesma que o levou a chefiar a quadrilha de executivos da JBS, pois, mesmo delatando, todos foram participantes do mesmo crime continuado e orquestrado pelo chefe, que obteve riqueza e liberdade para ser um cidadão do mundo – e, pelo que podemos ver, todos os delatores sob sua regência conseguiram também – e poder esbanjar o dinheiro do povo brasileiro! O Brasil não poderá jamais ter paz se esses delatores também não pagarem com a perda da liberdade.

JACI MANOEL DE OLIVEIRA

jaci.oliveira@terra.com.br

São Paulo

Segredos seletivos

Enquanto as provas contra os denunciados ficarem em “segredo de justiça” no Ministério Público e no STF, as delações premiadas parecerão simples fofoca. Não teremos um final feliz...

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Delação suspeita

Estamos vivendo num ninho de cobras. Não me surpreenderá se as acusações a Michel Temer e a Aécio Neves vierem a comprovar-se verdadeiras. Se não todas, a maior parte. Mas me ronda um sentimento de desconfiança quando a contundência dessas acusações e as provas colhidas e exibidas se mostram, a meu ver, passíveis de ser aceitas como provas válidas, escandalosa e exclusivamente, nos casos que envolvem Temer e Aécio (e seus parceiros de tramoias em seus partidos). Já nas acusações a Lula e Dilma Rousseff (e seus parceiros de tramoias), houve apenas relatos que a defesa dos acusados se sentirá à vontade para refutar, por nada apresentarem que possa ter valor como “prova”. Espero que o desenrolar dos fatos me contrarie e possamos ver todos esses corruptos, logo, logo, atrás das grades ou afastados da possibilidade de gerirem os nossos recursos.

HÉLIO ALVES FERREIRA

hafstruct@hotmail.com

São Paulo

Perguntar não ofende

As delações dos açougueiros e agregados tiraram a jararaca das manchetes criminais, já notaram? Seria mera coincidência ou ação programada? E se porventura vier a ficar comprovado que eles mentiram nas delações, ainda assim estarão livres de qualquer penalidade, conforme o acordo que os beneficiou? Sob pena de parecer mais ingênua que a Velhinha de Taubaté, continuo achando que há algo de estranho no reino tupiniquim.

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

Oh, dó!

Joesley esqueceu-se de contar que vantagens obtinha em troca das enormes quantias que entregava a um “pidão” Temer que, por sinal – que interessante! –, resolveu fechar as torneiras do BNDES não só para ele, como para muitos empresários poderosos. Essa sra. Maria Silvia foi mesmo muito má quando presidente do BNDES e Temer, muito ingrato, por permitir que esses senhores, acostumados a tanta generosidade nos tempos de Lula e Dilma, deixassem de ter suas vorazes boquinhas satisfeitas. Oh, dó!

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@gmail.com

São Paulo

De mal a pior

O sr. Joesley Batista não vale nada. Mas os políticos brasileiros são piores do que ele.

GILBERTO LIMA JUNQUEIRA

gibaljunqueira@gmail.com

Ribeirão Preto

Descrédito político

Até que enfim, ultrapassamos a França em alguma coisa. Lá, 80% do povo não acredita em políticos, conforme levantamento recente. Aqui, mesmo sem pesquisa, com toda a certeza passamos de 90% de descrédito, para qualquer cargo público.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

REFORMA POLÍTICA

Mais poder para o cidadão

O artigo Voto distrital misto x distrital puro, de Fernão Lara Resende (15/6, A2) é esclarecedor do porquê de termos de considerar a modalidade distrital como uma forte alternativa para melhorar o nosso sistema eleitoral. A redução do custo das campanhas eleitorais e a aproximação entre o eleito e seus eleitores são argumentos extremamente apropriados. Mas nada melhor do que a possibilidade de retirar o cargo daqueles que se mostrarem incompetentes ou infiéis ao seu eleitorado. Trata-se de dar o poder aos cidadãos, os únicos legítimos interessados numa gestão proba e eficiente.

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

“Usurpação de trono: Temer promovido a chefe da quadrilha, desbancando Lula, Eduardo Cunha, Antônio Palocci, o próprio Joesley...? Só rindo!”

CARMELA TASSI CHAVES / SÃO PAULO, SOBRE AS NOVAS ‘REVELAÇÕES’ DO CORRUPTOR

tassichaves@yahoo.com.br

“O bem-agradecido:‘Com ele só tive relação republicana’...”

SERGIO S. DE OLIVEIRA / MONTE SANTO DE MINAS (MG), IDEM

ssoliveiramsm@gmail.com 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

DELAÇÃO SINGULAR 

 

Em entrevista à revista "Época", o delator Joesley Batista declarou que resolveu colaborar espontaneamente com a Justiça quando percebeu que as lideranças políticas caminhavam para anular os esforços da Operação Lava Jato e, assim, manter o esquema criminoso de assalto aos cofres públicos. Em que pese o propósito republicano que, segundo ele, o levou à colaboração premiada, é preciso que se veja com redobrada cautela tudo o que ele denuncia, não só em razão da forma incomum como ocorreu a sua colaboração, com a participação de um ex-procurador federal, próximo ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na banca de advogados que o defende, como pelo açodamento do próprio Janot no pedido de homologação de sua delação, juntando provas de áudio não periciadas, havendo o vazamento prévio de parte dos áudios, e, até mesmo, pela rapidez com que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin a homologou, ainda que viesse a colocar no centro do furacão o nome do presidente da República. É que, na mesma entrevista, o empresário elegeu o presidente Michel Temer como número 1 e o senador afastado Aécio Neves como número 2 no ranking de importância na hierarquia das organizações criminosas responsáveis pela dilapidação do patrimônio público. Essa afirmação vai na contramão de tudo o que foi apurado até o momento na Lava Jato. Delações da Odebrecht e de outras grandes empreiteiras, de ex-diretores da Petrobrás, líderes partidários, parlamentares e membros do PT são unânimes em apontar o ex-presidente Lula da Silva como o número 1 desta imensa organização de criminosos. Curiosamente, Joesley, agora convertido em auxiliar da lei, aponta em outra direção e, em sua extensa delação, na qual se gaba de haver pagado propina a 1.829 políticos, arquitetado gravações para comprometer Temer e Aécio, o nome de Lula é pouco citado, e, assim mesmo, sempre por informação dada por terceiros, sem nada que o possa comprometer. É, desta forma, que o STF, que irá apreciar em plenário a validade da homologação dessa delação, atente para as singularidades que a revestem. O Brasil não suporta mais tanta degradação moral.

 

Sergio Saraiva Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

EMPRESÁRIO BANDIDO

 

A entrevista de Joesley Batista para a revista "Época" detonou o atual governo, o ex e seu principal postulante, Aécio Neves. Mas, após essa entrevista, o Ministério Público deveria fazer o pedido de prisão para Joesley, o empresário bandido que se acostumou a mamar nas tetas do dinheiro público.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

O BOM LADRÃO

 

Eis que ressurge o FreeBoy, lépido e lampeiro, lançando toneladas de estrume no ventilador, apontando uma multidão de bandidos e querendo posar de bom ladrão arrependido e convertido, que quer salvar o País! Urge que a Justiça, em todos os seus âmbitos, a imprensa e a sociedade adotem três posições em relação a este despropósito: 1) não acreditar em uma única palavra do que ele diz, e sim apenas no que estiver provado com provas não fabricadas; 2) confiscar todos os bens dele, das empresas e da família, uma vez que foram confessadamente adquiridos ilicitamente; 3) colocá-lo para apodrecer (maturar?) na cadeia, junto com todos os outros que as provas apontarem como culpados. E que as autoridades e a imprensa tenham um pouco mais de sobriedade e espírito cívico e não sirvam como caixa de ressonância dessa barulheira, em busca de mesquinhos objetivos pessoais. O País não suporta mais isso!  

 

César Garcia cfmgarcia@gmail.com

São Paulo

 

*

TRAIÇÃO E DELAÇÃO

 

Domingos Fernandes Calabar foi o primeiro traidor da Pátria; acabou mal, e assim acabaria qualquer que fosse o lado que escolhesse trair. Joaquim Silvério dos Reis Montenegro Leiria Grutes foi o primeiro delator da Pátria que poderia nascer; levou Tiradentes à forca, foi preso por oito meses, saiu-se bem e foi para Portugal. O terceiro delator-traidor deu-se bem no governo Lula, ficou bilionário, corrompeu os políticos que gostam de se corromper, deu-se mal na tentativa de levar sua fortuna para a Irlanda, não foi preso, mas pode estar se enredando ao tentar sair dessa como Joaquim Silvério. 

 

Paulo Mario Beserra de Araujo pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

IRRESPONSABILIDADE

 

Sem dúvida, os doutores Rodrigo Janot e Edson Fachin demonstraram irresponsabilidade ou cumplicidade aceitando as colocações dos irmãos Batista e os liberando, além de levar a público rapidamente, sem cuidados, as acusações ao presidente Temer, comprometendo o País. Sem dúvida, um comportamento infantil ou que indica alguma necessidade de se proteger. O caso da delação, é lógico, deve ser considerado após análise e levando em consideração o momento do Brasil. De erros em erros ou trapaças em trapaças, os desempregados, os desassistidos, os trabalhadores continuam na pior.

 

Jesus Antonio Ribeiro jesus-ribeiro2005@ig.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

O BRASIL E O MAR DE LAMA

 

Em 1954 o então presidente da República, Getúlio Vargas, se matou ao ver revelado que o seu governo estava atolado num mar de lama, produzido no Palácio do Catete por seus auxiliares mais íntimos. Mais de 60 anos depois, o povo brasileiro assiste, estupefato e impassível, ao mar de lama tomar conta do País, atingindo todos os poderes constituídos: Executivo, Legislativo e Judiciário. A cada depoimento dado pelos executivos das chamadas "campeões nacionais", que foram tão fartamente favorecidas pela dinheirama dos cofres do BNDES, principalmente dos donos da JBS, a maior patrocinadora da corrupção política no País, comprova que somente uma reforma salvaria o Brasil desse lamaçal: a reforma moral. Assim, todos esses políticos, governantes (atuais e anteriores), senadores, deputados, vereadores e prefeitos, também os juízes envolvidos em artimanhas políticas, deveriam ser banidos da vida pública nacional, dando lugar a administradores de sucesso da vida privada, honesta, magistrados de ilibada reputação moral e meritocracia comprovada, que viessem a ocupar os nossos Três Poderes. Somente assim conseguiríamos mudar a face cruel do momento por que passam as nossas instituições. Caso contrário, as sábias (porém tristes) palavras do grande jurista Rui Barbosa ("de tanto ver triunfar as nulidades...") continuarão a pautar a conduta dos nossos governantes e legisladores.

 

Armando Sá de Faria muf_111@yahoo.com.br

Salvador

 

*

BNDES

 

Acuso o senhor Luciano Coutinho, presidente do BNDES de 1 de maio de 2007 até 16 de maio de 2016, de prevaricação. Competente e experiente, não podia ter sido subserviente aos desmandos de seu superior hierárquico, o ministro da Fazenda Guido Mantega.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

PRÓXIMOS ATOS

 

O presidente Michel Temer voltou a colocar as barbas de molho. Mal conseguiu sua absolvição no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já teve início uma nova fase que poderá pôr tudo a perder. Primeiro, é o relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, que, segundo consta, está enfurecido por ter sido espionado por ordem de Temer; depois vêm seu "longa manos" Rodrigo Rocha Loures e o doleiro Lúcio Funaro, que não aguentam mais ficar calados; e, para finalizar, corre "por fora" o imprevisível companheiro de partido Eduardo Cunha. Aliás, como todos estão presos, há muita colaboração premiada que poderá vir à tona. Estes são os próximos atos da novela Temer.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

NO ALVO

 

Eu aguardava decisão favorável do TSE à cassação da chapa Dilma-Temer a fim de ver restaurada a Carta Magna, vilipendiada pelo ministro Ricardo Lewandowski ao manter a ex-presidente Dilma Rousseff elegível e com direitos políticos preservados. Contudo, dos males, o menor. Afastar agora o presidente da República seria agravar ainda mais a enorme crise política e econômica que atravessa o País. Os ministros que votaram contra a cassação, mal enxergando o alvo, atiraram no que viram e acertaram no que não viram. 

 

Paulo Guida paulo.guida@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DAQUI NÃO SAIO!

 

Que o julgamento do TSE tenha sido uma farsa ou não, será o tempo quem dirá. O fato é que Temer continua lá. Que ninguém se engane, haja o que houver contra sua excelência, não prosperará quando bater na Câmara dos Deputados. Quem viver verá.

 

Luís Fernando Amaral luffersanto@bol.com.br

Laguna (SC)

 

*

BRASIL É UM PAÍS ÚNICO

 

Nenhum país de Primeiro Mundo toleraria um presidente da República que tem dois assessores diretos envolvidos no recebimento de malas de dinheiro sujo. Nem as Repúblicas bananeiras da América Latina iriam aceitar isso. Nas ditaduras ninguém ficaria sabendo, pois a imprensa é censurada e ninguém se atreve a se meter nos negócios do ditador. O Brasil se coloca numa posição única, a imprensa é livre e noticia tudo o que acontece, como nos países de Primeiro Mundo, mas as instituições não funcionam, nada prova nada, nunca, e os governantes gozam do mesmo status dos ditadores africanos, a imunidade parlamentar garante que ninguém seja incomodado pela polícia. Em vários países, Aécio Neves, por exemplo, já teria sido fuzilado pelo recebimento confesso de propina. Aqui, ele continua no Senado, recebendo sem ter de trabalhar, e na pior das hipóteses perderá os direitos políticos por oito anos. Difícil de imaginar o que um político brasileiro teria de fazer para ser preso e perder definitivamente os direitos políticos. 

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DESCRÉDITO

 

Eu até torci para que Temer ficasse no cargo, pois achava que seria menos mal para a execução das reformas, boas para o Brasil. Mas parece que está "vendendo" as próprias para permanecer no cargo. Vide a tentativa de acordo com os pelegos das forças sindicais para manter o imposto sindical obrigatório. Acabou o seu crédito!

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

JANTARES NO PALÁCIO

 

Vendendo o Brasil para se manter. Manter um presidente assim custa mais caro e a corrupção corre solta. Simples assim: a Polícia Federal nos calcanhares dos políticos, e a corrupção continua desenfreada.

 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

 

*

LUZES

 

Henrique Meirelles, "homem acima de qualquer suspeita"; Pedro Parente, "gestor de crises"; Lava Jato, "paladina contra a corrupção"; PSDB, "fiador de grande credibilidade". E por que, então, precisamos do inquilino do Alvorada? Fosse outro o Brasil não contaria ainda com essa equipe? Gilmar Mendes disse que não se pode substituir presidente da República a toda hora. Por que não? A menos que os outros poderes estejam falidos! E aí, o jornalismo honesto, como o quarto poder, tal qual um São Bernardo, deveria nos guiar, lançando luzes sobre a verdadeira situação. Se tampar o sol com peneira, estaremos todos nas trevas de nossa ignorância, já que tudo o que sabemos vem da nossa interpretação das notícias jornalísticas. 

 

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

 

*

A BABILÔNIA VAI CAIR

 

Parece ortodoxo, fanatismo, mas é a pura realidade: o vício da corrupção está em xeque com toda esta confusão. Onde o rei está nu o ano todo, como resistir a tudo isso? Após a Lava Jato, os criminosos pensarão duas vezes antes de achacar uma empresa em proveito próprio, e as empresas idem. Ficha suja não rola mais. Que surja uma nova geração de políticos que não sejam glutões de pernas tortas, e que possamos aprender, com essa confusão, a votar com mais consciência, absorvendo todos os fatos. Temos o direito de aspirar por uma vida um pouco mais digna.

 

Leandro Ferreira leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

 

*

LATIM

 

Duas frases que o presidente da República, Michel Temer, tem a obrigação de pronunciar à Nação: "mea culpa" e "proh pudor!". Data vênia, não precisa. Utilize o seu latim e economize o seu latinório, doutor Temer!

 

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

FAÇAMOS VISTAS GROSSAS

 

Para que a situação política, econômica e social do Brasil não piore ainda mais, convido todos os mais de 200 milhões de brasileiros a fazerem vistas grossas, suportando esta bandidagem infiltrada claramente nos Três Poderes, em troca de favores financeiros e do livramento certo de penas como a cadeia pelos crimes cometidos, até as eleições de 2018, quando os enviaremos ao ostracismo para o resto de sua vida, pelo nosso voto.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

 

*

ATÉ O FIM

 

Presidente, já que conseguiu se livrar da cassação da chapa Dilma-Temer, tem de manter as reformas iniciadas até o fim, viu?

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

TEXTOS EDIFICANTES

 

Deve estar sendo difícil para leitores que curtem escrever para jornais sobre política e atualidades nacionais, tais os teores quase macabros dos temas que se apresentam. Opinar, entre outros assuntos, sobre transporte de malas nervosas cheias de dinheiro, juízes impregnados de política, parlamentares indecisos que só pensam "naquilo" - a próxima eleição -, encontros noturnos de chefe de Estado nas catacumbas do palácio com empresários mafiosos que gravam clandestinamente a conversa e a divulgam após obterem fabuloso lucro financeiro e conseguirem salvo-conduto para gozarem a "dolce vita" no exterior, ex-presidente réu que de nada sabe, mas se dispõe a ensinar como sair da crise, e dinossauro político que apresenta projeto de pinguela frágil não é tarefa fácil. Talvez o melhor seja aguardar e torcer por um quadro que inspire textos mais edificantes.

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

HAJA JABUTICABA

 

O Brasil segue sendo o país da jabuticaba. Somos o único lugar do planeta onde os agentes econômicos acreditam que uma crise político-econômica, com longa e profunda recessão, se resolve com a maior taxa se juros reais do mundo. Illan Goldfajn e sua turma do Banco Central ignoram o que até o meu filho de 11 anos sabe: que numa recessão a política monetária tem de ser expansionista, ou seja, de baixos juros reais. Filho, desenha pro Tio Illan!

 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

 

*

PREVIDÊNCIA

 

Impensável! Acompanhamos pela imprensa o assunto do momento: Previdência. O Congresso Nacional anda atrás de aprovar medidas para sanear seu descompasso. Políticos discutem o assunto com agressões verbais, próximas do enfrentamento físico. Sindicatos, interessados e agregados, se manifestam. O debate é acalorado, muitas vezes violento. Entretanto, se Suas Excelências decidissem que os devedores que não pagassem o que é devido fossem identificados, tenho uma sugestão: uma gravata borboleta de bolinhas. Em tempo, só para ilustrar, um dos maiores devedores do INSS é ninguém mais, ninguém menos que o nobre senador da República Fernando Collor de Mello. Está bom para vocês?

 

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André

 

*

SAÚDE PÚBLICA

 

Desde 2003 a saúde pública no Brasil veio se deteriorando. Quanto à CPMF, imposto do cheque criado para ser usado unicamente na saúde pública, até 2007, quando deixou de existir, o governo Lula o desviava para fazer superávit primário, deixando que os hospitais estaduais, municipais e entidades filantrópicas se virassem com o ônus. Piorou mais ainda no governo da ex-presidente Dilma, quando o País caiu numa recessão sem precedentes. Agora, hospitais universitários como a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o da Unicamp e tantos outros no interior de São Paulo, além de acumularem déficits milionários, recebem pacientes sem planos de saúde por causa do desemprego, fora pacientes vindos de outros Estados que se encontram ainda em piores condições. Mas, para os políticos, quando doentes, os hospitais de referência em São Paulo, como o Sírio-Libanês, estarão sempre à disposição, com tudo pago pela população carente. O pior é que todos se elegem com a mesma ladainha de lutarem pela "saúde e educação". Em 2018, isso precisa mudar!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

FOTO EMBLEMÁTICA

 

A foto do "Estado" que ilustra texto a propósito do esfriamento das relações bilaterais EUA-Cuba (17/6, capa) exibe um domicílio cubano absolutamente decadente, parado no tempo, guarnecido por mobiliário que seria sucata em qualquer lugar do mundo. A maioria dos domicílios cubanos segue idêntico padrão e muitos estão em situação ainda pior. Sorte do Brasil não ter se tornado "isso aí" em meados do século 20, mas a vanguarda do atraso não dá tréguas: como cupins que infestam o madeiramento e o arruína, os mesmos arautos do marxismo-leninismo assenhoraram-se há 20 anos da Venezuela e, como (óbvia) consequência, nosso vizinho seguiu morro abaixo: racionamento de gêneros, escassez de tudo, empobrecimento, violência, inflação, etc. O curioso é que, malgrado todos os fatos, tanto Cuba quanto Venezuela mantêm uma legião de defensores do socialismo. São pessoas que orgulhosamente exibem nas paredes de suas moradias - como visto na 1.ª página do "Estadão" - retratos dos principais responsáveis pelo inferno em que vivem: em Cuba, Camilo Cienfuegos, Fidel Castro e Ernesto "Che" Guevara; na Venezuela, Hugo Chávez e Nicolás Maduro. Quanto ao Brasil, lançado na pior crise econômica de sua história por obra e graça de Lula e Dilma,  também não falta quem lamente pela "presidenta" afastada e peça o retorno do pentarréu, que se diz o "mais honesto" dos brasileiros. E assim seguimos, sabe-se lá em direção a qual futuro.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

RETROCESSO

 

O tirano ou desmiolado presidente americano, Donald Trump, que convive bem com governos ditatoriais, sem nenhum respeito aos direitos humanos e patrocinadores de terroristas como de alguns do Oriente Médio, agora, por não suportar avanços diplomáticos conquistados por Barack Obama, decide congelar a reaproximação dos EUA com Cuba, dificultando viagens e negócios com o regime cubano. E como se o trapaceiro Trump fosse um literal adepto do jogo democrático, exige do governo cubano a abertura política como condição para alavancar a relação bilateral entre os dois países...   

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

DIREITA, VOLVER!

 

A decisão de Donald Trump de impor novas restrições às relações dos Estados Unidos com Cuba é um preocupante sinal. Cuba vem se preparando há anos para a sua reinserção à comunidade internacional. Tanto que países governados pela esquerda lá investiram. O Brasil de Lula e Dilma, por exemplo, fez o BNDES aplicar secretamente US$ 682 milhões no Porto de Mariel, uma transação hoje contestada, porque aqui há muita coisa a fazer, e o dinheiro brasileiro não deveria ir para o exterior. Outros países também colocaram dinheiro lá e estão apreensivos. Em 1991, quando se desfez a União Soviética, pensava-se ter acabado a guerra fria. Mas agora, passadas duas décadas e meia, os desencontros voltam a acontecer. Ocorreu até a inimaginável (em outras épocas) intromissão da Rússia nas eleições americanas, e Donald Trump age na contramão de tudo o que se construiu recentemente. Antes de descumprir o feito do antecessor Barack Obama, o mandatário norte-americano precisa compreender que o acordo é firmado pelo país, não por seu governante, que o assina apenas como dirigente. O descumprimento gera a insegurança jurídica e constitui um mal irreparável às relações internacionais.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

 

*

ACORDO FRACO

 

O presidente Trump cancelou o acordo de reaproximação com Cuba. Eu acho que está certo. Sempre achei o acordo celebrado pelo ex-presidente Obama muito fraco. O regime cubano não melhorou em nada em relação às liberdades do povo cubano. Continuam as mesmas ideologias que originaram a revolução cubana em 1/1/1959. Não há Justiça. Fidel Castro e agora o seu irmão Raul Castro são Executivo, Legislativo e Judiciário. Condenam e executam sem a mínima chance de defesa. Colocam no paredão de fuzilamento. O país ainda é o que queria o ditador Fidel Castro e, agora, substituído pelo irmão Raul Castro, que mantém a mesma linha e ideologia. Um país pobre, miserável, economia falida, desemprego, etc. Conseguiram alguma coisa no campo da medicina graças à ajuda da antiga URSS, pois agora a Rússia nem perde tempo com eles. E pensar que temos gente no Brasil, artistas inclusive, que acham o regime cubano uma maravilha. Por que não se mudam para lá?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

REGRAS

 

Parabéns ao presidente dos EUA por impor regras a serem atendidas pela ditadura cubana se quiser manter relações com aquele país. Donald Trump tem de receber um prêmio dos direitos humanos internacional pelo seu pedido de libertação de presos políticos, que não tiveram chances mínimas de defesa, nem a um julgamento justo. Ele é bem melhor que o antecessor, Barack Obama. 

 

Reinner C. de Oliveira reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba 

 

*

DEMOCRACIA EM CUBA

 

Obama errou ao reaproximar-se da ditadura cubana. Os Castro não respeitam os direitos humanos, odeiam a democracia e não moveram um simples palito para melhorar a vida de seu povo, desde quando as relações com os EUA foram reatadas. Não querem ceder em nada. Trump fez muito bem em levantar a voz contra esse regime sanguinário e moribundo. Ou caem e o país muda, ou não tem conversa.

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

 

*

DOUTRINA TRUMP

 

O presidente dos Estados Unidos anunciou uma nova doutrina norte-americana para a América Latina. O lançamento da Doutrina Trump coloca em risco o acordo firmado por Barack Obama para normalizar as relações diplomáticas com Cuba. Segundo Trump, os Estados Unidos têm o dever de garantir a liberdade em países como Venezuela e Cuba, sendo que a ilha seria a fonte de instabilidade do continente. Os ressentimentos e os antagonismos entre esquerda e direita irão aflorar novamente em vários países. A radicalização política e a polarização ideológica acentuam ainda mais os graves problemas políticos e econômicos da região. Diante deste quadro, uma possível ruptura democrática está cada vez mais próxima da realidade.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

*

TRUMPICAR

 

O novo verbo "trumpicar" significar bagunçar, intimidar, mentir e confundir para prejudicar os outros. Para ficar em acontecimentos recentes, Donald Trump vendeu US$ 150 bilhões em armas para a Arábia Saudita. Para destruir ainda mais o pobre Iêmen ou para intimidar o Qatar? Em seguida, criticou os europeus porque fabricam algumas coisas melhor que os americanos. Culpa de quem? Retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris. O clima naquele país é "separado" do do resto do planeta? Finalmente, quer endurecer com Cuba; não basta a besteira de construir muro e fazer o México pagar os custos? O mundo deve apoiar fortemente a análise feita por 33 especialistas americanos em psiquiatria de que o homem é um perigoso desequilibrado, e pedir sua internação involuntária, antes que seja tarde demais!

 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

 

 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos LeitoresBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.